Guido Mantega: A desmoralização dos três poderes segue sua marcha inexóravel

Ministério Público investiga Guido Mantega por improbidade na Casa da Moeda.

A desmoralização dos três Poderes prossegue, inexorável. A cada dia uma notícia mais tenebrosa.

Agora, a Procuradoria da República no Distrito Federal – órgão que representa o Ministério Público perante a Justiça Federal de primeiro grau do DF – informa que instaurou na última quinta-feira uma investigação cível preliminar (procedimento preparatório) para apurar possível prática de improbidade administrativa pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, por eventual omissão quanto ao esquema de corrupção comandado pelo ex-presidente da Casa da Moeda, Luiz Felipe Denucci.

A investigação será conduzida pelo titular do 3º Ofício de Patrimônio Público, procurador da República Júlio Carlos Schwonke. O procedimento preparatório tem prazo de 90 dias para ser concluído, prorrogável por igual prazo.

Caso a investigação não seja concluída nesse período, o procedimento é convertido em inquérito civil, cujo prazo de conclusão é de um ano.

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]De acordo com o órgão, a instauração do procedimento preparatório decorreu de uma representação feita pelos senadores Demóstenes Torres, Álvaro Dias, Aloysio Nunes, Pedro Taques, Jarbas Vasconcelos e Randolph Rodrigues, encaminhada à Procuradoria da República do Distrito Federal pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, em 16 de março de 2012.

Prestaram atenção na ironia do destino?

Demóstenes Torres foi o principal signatário da denúncia, formulada quando ele ainda pontificava como bastião da moralidade nacional, vejam bem que não se pode confiar nos políticos, salvo as sempre raras e honrosas exceções.

Detalhe interessante: quando surgiram as denúncias de graves irregularidades na Casa da Moeda (e não era a primeira vez, pois no governo Lula houve também acusações cabeludas), o ministro Guido Mantega entrou na muda e até passou a fugir da imprensa.

Seu comportamento estava pegando tão mal que a própria presidente Dilma Rousseff se viu na obrigação de interpelá-lo, mandando que se explicasse com a imprensa.

Por coincidência (é claro que foi apenas coincidência), a partir daí aumentaram as especulações de que Mantega estaria pela bola sete, prestes a ser substituído pelo secretário-geral do Ministério, Nelson Barbosa.

Recorde-se que na formação do Ministério, Mantega foi imposto à Dilma por Lula, e ela então colocou Nelson Barbosa, seu preferido, nos calcanhares de Mantega, vejam só que situação delicada e complicada…
Tribuna da Imprensa