Literatura,Ilustração,Fotografia,Blog do Mesquita

Baudelaire – Poesia

Prelúdio da Vaidade
Baudelaire

Maldade que encaminha a vaidade…
Vaidade, que me toma como vencido…
Vencido quero ver-me arrependido…

Arrependido a tanta tolice…
Arrependido estou de coração…

Do seu coração busco sua luz…
Para entender do que há tanta tolice…

Paul Valéry – Versos na tarde – 15/03/2017

O SILFO
Paul Valéry¹

Entrevisto e esquivo,
eu sou esse aroma
finado mas vivo
que no vento assoma!

Entrevisto e incerto,
acaso ou talento?
Mal se chega perto,
concluiu-se o intento!

Entrelido e oculto?
Que erros, ao arguto,
foram prometidos!

Entrevisto e alheio
lapso nu de um seio
entre dois vestidos!

¹Ambroise-Paul-Toussaint-Jules Valéry
* Paris, França – 30 de Outubro de 1871 d.C.
+ Paris, França – 20 de Julho de 1945 d.C.

Filósofo, escritor e poeta francês, da escola simbolista. Seus escritos incluem interesses em matemática, filosofia e música. Realizou os estudos secundários em Montpellier na França, e iniciou sua carreira em Direito em 1889.

Publicou seus primeiros versos, fortemente influenciados pela estética da literatura simbolista dominante na época. Em 1894 se instalou em Paris, onde trabalhou como redator no Ministério de Guerra. Depois da Primeira Guerra Mundial se dedicou inteiramente a literatura e foi aceito pela Academia Francesa em 1925. Sua obra poética foi influenciada por Stéphane Mallarmé que conseqüentemente influenciou outro francês Jean-Paul Sartre.

Manoel de Barros – Prosa na tarde

O apanhador de desperdícios
Manoel de Barros ¹

Uso a palavra para compor meus silêncios. Não gosto das palavras fatigadas de informar. Dou mais respeito às que vivem de barriga no chão tipo água, pedra, sapo. Entendo bem o sotaque das águas. Dou respeito às coisas desimportantes e aos seres desimportantes.
Prezo insetos mais que aviões. Prezo a velocidade das tartarugas mais que a dos mísseis. Tenho em mim esse atraso de nascença. Eu fui aparelhado para gostar de passarinhos. Tenho abundância de ser feliz por isso. Meu quintal é maior do que o mundo.
Sou um apanhador de desperdícios: Amo os restos, como as boas moscas. Queria que a minha voz tivesse um formato de canto. Porque eu não sou da informática: eu sou da invencionática. Só uso a palavra para compor meus silêncios.

¹ Manoel Wenceslau Leite de Barros
* Cuiabá, MT. – 19 de Dezembro de 1916 d.C


Frasário – Sargeta e estrelas

Todos estamos na sarjeta. Devemos porém manter os olhos nas estrelas.
Oscar Wilde¹

¹Oscar Fingall O’Flahertie Wills Wilde
* Dublin, Irlanda – 16 de Outubro de 1854 d.C
+ Paris, França – 30 de Novembro de 1900 d.C

>> Biografia de Oscar Wilde

Frasário – Fé e esperança

“No Ceará, o sujeito nasce na Fé, cresce na Esperança e morre na Caridade”.
Quintino Cunha¹

¹José Quintino da Cunha
* Itapajé, Ceará – 24 Julho 1875
+ Fortaleza,Ceará – 01 Junho 1943 d.C.
Bacharelou-se pela Faculdade de Direito do Ceará, em 1909, tendo sido Deputado Estadual (1913-14). Seu conhecido bom humor fez com que ficasse famoso como titular de anedotas memoráveis. Membro da Academia Cearense de Letras.
Quintino Cunha era orador fluente, ficcionista, poeta, ficando conhecido também pelas suas tiradas de bom humor, que o levaram a fazer parte de um anedotário brasileiro.

Opinião – Enfim alguém da elite abre mão de privilégios?

O ex-Govenador da Paraíba e atual Deputado Federal Ronaldo Cunha Lima – PSDB,PB – apresentou hoje renúncia ao mandato.

Quando Governador, Ronaldo Cunha Lima tentou assassinar, em 1993, o ex-Governador Tarcísio Burity, desfechando-lhe dois tiros, quando o mesmo se encontrava em um restaurante de João Pessoa.

Cunha Lima não aceitou as duras críticas que Burity fez ao seu filho Cássio Cunha Lima, que na época do fato era superintendente da antiga SUDENE. Tarcísio Burity ficou vários dias em coma, mas conseguiu sobreviver ao ataque, vindo a falecer dez anos depois no dia 8 de julho de 2003, vítima de falência múltipla dos órgãos e de parada cardiocirculatória.

Ronaldo Cunha Lima surpreendeu à todos com esse rompante de violência, pois sempre foi uma pessoa afável, e reconhecido poeta e trovador da cultura nordestina. Com a renúncia, ele abdica de ter foro privilegiado para o julgamento que seria feito no Supremo Tribunal Federal, tendo como relator o Ministro Joaquim Barbosa.

Sem o foro privilegiado – tinha direito constitucional ao foro porque à época da tentativa de homicídio era Governador – o processo seguirá para a primeira instância estadual na qual são julgadas as pessoas comuns.

Leia, abaixo, trecho da carta de renúncia de Ronaldo Cunha Lima.

– “Em caráter irrevogável e irretratável, renuncio ao mandato de deputado federal, representando o povo da Paraíba, a fim de possibilitar que esse povo me julgue, sem prerrogativa de foro como um igual que sempre fui”.

Ps. Alguns juristas identificam uma manobra “esperta” para jogar o julgamento para as calendas.

Abel Silva – Poeta – Biografia

Abel Ferreira da Silva
* Cabo Frio, RJ – 28 de Fevereiro de 1943 d.C

Foi criado no bairro do Catete, para onde se mudou com a família, aos dois anos de idade. Estudou na Faculdade Nacional de Filosofia e Direito, liderando nas décadas de 60 e 70 os movimentos estudantis. Formado em Letras, em 1969, atuou na Escola de Comunicação, tendo sido editor do jornal ‘Opinião’ e da revista de cultura ‘Anima’, ao lado do poeta e amigo Capinam.
Nessa época morou no Solar da Fossa, onde conviveu com Torquato Neto, Caetano Veloso e Gal Costa. Enveredou-se pela poesia e, no auge da repressão militar, em 1971, lança o romance ‘O Afogado’. Em 74 publica o livro de contos ‘Açougue das Almas’ e em 79 seu primeiro livro de poesias, intitulado ‘Asas’.
Sua carreira de compositor começou por acaso. De sua amizade com Raimundo Fagner surgiu a primeira parceria, ‘Bodas de Sangue’ e depois ‘Asa Partida’. Já como poeta-letrista, Abel marcou presença junto a compositores e intérpretes nordestinos, como João do Vale, Luiz Gonzaga, Dominguinhos, Marinês, Robertinho do Recife e Amelinha.
Entres suas composições mais famosas encontramos: ‘Festa do Interior’ e ‘Espírito Esportivo’ (parcerias com Moraes Moreira), ‘Brisa do Mar’ e ‘Simples Carinho’ (com João Donato), ‘Quando o Amor Acontece’ e ‘Desenho de Giz’ (com João Bosco), ‘Água na Boca’ (com Tunai) e ‘Transparências’ (com Roberto Menescal).
Sua parceira mais constante foi a compositora Suely Costa, com quem Abel Silva criou obras-primas, como ‘Jura Secreta’, ‘Alma’, ‘Primeiro Jornal’, entre outras. Os melhores intérpretes de suas canções foram Elis Regina, Simone, Gal Costa, Maria Bethânia, Nara Leão, Fagner, Cauby Peixoto, entre outros. Atualmente é Diretor Administrativo da União Brasileira de Compositores (UBC).

Ferreira Gullar – Poeta – Biografia

Retrato de Ferreira Gullar - Poeta

José Ribamar Ferreira
* São Luiz, MA. – 10 de Setembro de 1930 d.C

Quarto filho dos onze que teriam seus pais, Newton Ferreira e Alzira Ribeiro Goulart. Inicia seus estudos no Jardim Decroli, em 1937, onde permanece por dois anos. Depois, estuda com professoras contratadas pela família e em um colégio particular, do qual acaba fugindo. Em 1941, matriculou-se no Colégio São Luís de Gonzaga, naquela cidade.

Aprovado em segundo lugar no exame de admissão do Ateneu Teixeira  Mendes, em 1942, não chega a concluir o ano letivo nesse colégio. Ingressa na Escola Técnia de São Luís, em 1943. Apaixonado por uma vizinha, Terezinha, deixa os amigos e passa a se dedicar à leitura de livros retirados da Biblioteca Municipal e a escrever poemas.

Na redação sobre o Dia do Trabalho, onde ironizava o fato de não se trabalhar nesse dia, em 1945, obtém nota 95 e recebe elogios pelo seu texto. Só não obteve a nota máxima em virtude dos erros gramaticais cometidos. Face ao ocorrido, dedica-se ao estudo das normas da língua. Essa redação foi inspiradora do soneto “O trabalho”, primeiro poema publicado por Gullar no jornal “O Combate”, de São Luís, três anos depois.

Torna-se locutor da Rádio Timbira e colaborador do “Diário de São Luís”, em 1948.

Editado com recursos próprios e o apoio do Centro Cultural Gonçalves Dias, publica seu primeiro livro de poesia, “Um pouco acima do chão”.

Em 1950, após haver presenciado o assassinato de um operário pela polícia, durante um comício de Adhemar de Barros na Praça João Lisboa, em São Luís, nega-se a ler, em seu programa de rádio, uma nota que aponta os “baderneiros” e “comunistas” como responsáveis pelo ocorrido. Perde o emprego, mas é convidado para participar da campanha política no interior do Maranhão. Vence o concurso promovido pelo “Jornal de Letras” com o poema “O galo”. A comissão julgadora era formada por Manuel Bandeira, Odylo Costa Filho e Willy Lewin. Começa a escrever poemas que, mais tarde, integrariam seu livro “A luta corporal”.

Muda-se para o Rio de Janeiro (RJ), em 1951. Passa a trabalhar na redação da “Revista do Instituto de Aposentadoria e Pensão do Comércio”, para onde foi indicado por João Condé. Torna-se amigo do crítico de arte Mário Pedrosa. A publicação de seu conto “Osiris come flores” na “Revista Japa” rende-lhe mais um emprego: o de revisor da revista “O Cruzeiro”, por indicação de Herberto Sales, que se encantou com o conto publicado. Vai até a cidade de Correias (RJ) onde, por três meses, trata-se de uma tuberculose.

Oswald de Andrade, que havia lido “A luta corporal”, texto inédito e recém-concluído de Gullar, no dia de seu aniversário, em 1953, presenteia-o com dois volumes teatrais de sua autoria: “A morta”, “O Rei da Vela”, e “O homem a cavalo”.

Em 1954, casa-se com a atriz Thereza Aragão, com quem teve três filhos: Paulo, Luciana e Marcos. Lança “A luta corporal”, que causou desentendimentos com os tipógrafos em função do projeto gráfico apresentado. Após sua leitura, Augusto e Haroldo de Campos e Décio Pignatari manifestam-lhe, por carta, o desejo de conhecê-lo. No fim desse ano, passa a trabalhar como revisor na revista “Manchete”.

Seu encontro com Augusto de Campos se dá às vésperas do carnaval de 1955, resultando inúmeras discussões sobre a literatura. Trabalha como revisor no “Diário Carioca” e, posteriormente, engaja-se no projeto “Suplemento dominical” do “Jornal do Brasil”.

A convite do trio de escritores paulistas acima citados, participa da I Exposição Nacional de Arte Concreta, no Museu de Arte Moderna de São Paulo, em 1956. Em janeiro do ano seguinte, o MAM carioca recebe a citada exposição. Gullar discorda da publicação do artigo “Da psicologia da composição à matemática da composição”, escrito pelo grupo concretista de São Paulo. Redige resposta intitulada “Poesia concreta: experiência fenomenológica”. Os dois textos são publicados lado a lado na mesma edição do “Suplemento Dominical”. Com seu artigo, Gullar marca sua ruptura com o movimento.

Em 1958, lança o livro “Poemas. No ano seguinte, escreve o “Manifesto Neo-concreto”, publicado no “Suplemento Dominical” e que foi também assinado por, entre outros, Lygia Pape, Franz Waissman, Lygia Clark, Amilcar de Castro e Reynaldo Jardim. Ali também foi publicado “Teoria do não-objeto. Criou o “livro-poema” e o “Poema enterrado”, que consistia de uma sala subterrânea, dentro da qual  havia um cubo de madeira de cor vermelha, dentro desse um outro, verde, de menor diâmetro, e, finalmente, um último cubo de cor branca que, ao ser erguido, permitia a leitura da palavra “Rejuvenesça”. Construído na casa do pai do artista plástico Hélio Oiticica, a “instalação” não pode ser vista pelo público: uma inundação, provocada por fortes chuvas, alagou a sala e destruiu os cubos.

É nomeado, em 1961, com a posse de Jânio Quadros, diretor da Fundação Cultural de Brasília. Elabora o projeto do Museu de Arte Popular e inicia sua construção. Revê sua postura poética, até então muito marcada pelo experimentalismo, e passa a não atuar nos movimentos de vanguarda. Fica no cargo até outubro/61.

Emprega-se, em 1962, como copidesque na filial carioca do jornal “O Estado de São Paulo”, para o qual trabalharia por 30 anos. Ao mesmo tempo, ingressa no Centro Popular de Cultura da União Nacional dos Estudantes (CPC). Publica “João Boa-Morte, cabra marcado para morrer” e “Quem matou Aparecida”. Assume, com essas publicações, uma nova atitude literária de engajamento político e social.

No ano seguinte é eleito presidente do CPC. Lança o ensaio “Cultura posta em questão”. Em 1964, a sede da União Nacional dos Estudantes (UNE) é invadida e a primeira edição do citado ensaio acaba queimada. No dia 1º de abril de 1964, filia-se ao Partido Comunista Brasileiro. Ao lado de Oduvaldo Viana Filho, Paulo Pontes, Thereza Aragão, Pichin Pla, entre outros, funda o “Grupo Opinião”.

O ensaio “Cultura posta em questão” é reeditado em 1965.

Em 1966, a peça “Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come“, escrita em parceria com Oduvaldo Viana Filho, é encenada pelo “Grupo Opinião” no Rio de Janeiro, e conquista os prêmios Molière e Saci. No ano seguinte o mesmo grupo encena, também no Rio, a peça “A saída? Onde está a saída?, escrita em parceria com Antônio Carlos Fontoura e Armando Costa.

“Por você, por mim”, poema sobre a guerra do Vietnã, é publicada em 1968, juntamente com o texto da peça “Dr. Getúlio, sua vida e sua glória”, escrita em parceria com Dias Gomes e montada nos teatros “Opinião” e “João Caetano”, no Rio de Janeiro, com a direção de José Renato. Com a assinatura do Ato Institucional nº 5, é preso, em companhia de Paulo Francis, Caetano Veloso e Gilberto Gil.

Em 1969, lança o ensaio “Vanguarda e subdesenvolvimento”.

1970 marca sua entrada na clandestinidade. Passa a dedicar-se à pintura.

Informado por amigos, em 1971, do risco que corria se continuasse no Brasil, decide partir para o exílio, morando primeiro em Moscou (Rússia) e depois em Santiago (Chile), Lima (Peru) e Buenos Aires (Argentina). Durante esse período, colabora com o semanário “O Pasquim“, sob o pseudônimo  de Frederico Marques. Seu pai falece em São Luís (MA).

Em 1974, por unanimidade, é absolvido no Supremo Tribunal Federal, da acusação

Publica, em 1975, “Dentro da noite veloz”. O “Poema sujo” é escrito entre maio de outubro desse ano. Em novembro, lê o novo trabalho na casa de Augusto Boal, em Buenos Aires, para um grupo de amigos. Vinicius de Moraes, que organizou a sessão de leitura, pede uma cópia do poema para trazer ao Rio. Por precaução, o poema é gravado em fita cassete. No Rio, Vinicius promove diversas sessões para que intelectuais e jornalistas ouvissem o “Poema sujo”. Ênnio Silveira, editor, pede uma cópia do texto para publicá-lo em livro. Enquanto isso não acontece, diversas cópias da gravação circulam pela cidade em sessões fechadas de audição.

No ano seguinte, sem a presença do poeta, o “Poema sujo” é lançado, enquanto Gullar dá aulas particulares de português em Buenos Aires, para poder sobreviver. Amigos tentam um salvo-conduto junto às autoridades militares, procurando obter garantias para que ele volta ao país.

Somente em 10 de março de 1977 desembarca no Rio. No dia seguinte, é preso pelo Departamento de Polícia Política e Social, órgão sucessor do famoso “DOPS”. As ameaças feitas por agentes policiais, que se estendiam a membros de sua família, só terminaram após 72 horas de interrogatórios, ocasião em que é libertado face à movimentação de amigos junto às autoridades do regime militar.

Retorna, aos poucos, às atividades de crítico, poeta e jornalista. Lança “Antologia Poética”. “La lucha corporal y otros incendios” é publicada em Caracas, Venezuela. No ano seguinte, 1978, grava o disco “Antologia poética de Ferreira Gullar” e, sob a direção de Bibi Ferreira, é encenada a peça teatral “Um rubi no umbigo”. Começa a escrever para o Grupo de Dramaturgia da Rede Globo, indicado pelo amigo Dias Gomes.

Seu livro “Na vertigem do dia” é publicado em 1980 e “Toda poesia”, reunião de sua obra poética, comemora seus 50 anos de vida. Estréia a versão teatral do “Poema sujo”, com a interpretação de Esther Góes e Rubens Corrêa, sob a direção de Hugo Xavier, na Sala Sidney Miller, no Rio de Janeiro.

Lança o livro “Sobre arte”, coletânea de artigos publicados na revista “Módulo”, entre 1975 e 1980.

A Rede Globo exibe o seu especial “Insensato coração”, em 1983.

Em 1984, recebe o título de “Cidadão Fluminense” na Assembléia Legislativa do Rio. Profere a conferência “Educação criadora e o desafio da transformação sócio-cultural” na abertura do 25º Congresso Mundial de Educação pela Arte, realizado na Universidade Estadual do Rio de Janeiro.

Com a tradução de “Cyrano de Bergerac”, de Edmond Rostand, publicada em 1985, é agraciado como prêmio Molière, até então inédito para a categoria tradutor.

Em 1987 lança “Barulhos”. Dois anos depois, publica ensaios sobre cultura brasileira e a questão da vanguarda em países desenvolvidos, no livro “Indagações de hoje”.

“A estranha vida banal”, uma coletânea de 47 crônicas escritas para “O Pasquim” e “Jornal do Brasil”, são publicadas em 1990. Colabora com Dias Gomes na novela “Araponga”. Morre, no Rio, seu filho mais novo, Marcos.

Nomeado diretor do Instituto Brasileiro de Arte e Cultura (IBAC), em 1992, lá permanece até 1995. A Rede Globo exibe a minissérie “As noivas de Copacabana”, escrita em parceria com Dias Gomes e Marcílio Moraes.

Lança, em 1993, “Argumentação contra a morte da arte”, que provoca polêmica entre artistas plásticos.

Morre, no Rio, sua mulher Thereza Aragão, em 1994. Seu livro “Luta corporal” ganha edição comemorativa a seus 40 anos de publicação. No Centro Cultural Banco do Brasil – Rio, ocorre um evento sobre o trabalho do poeta.

Em 1997, lança “Cidades inventadas”, coletânea de contos escritos ao longo de 40 anos. Passa a viver com a poeta Cláudia Ahimsa.

No ano seguinte publica “Rabo de foguete – Os anos de exílio”. É homenageado no 29º Festival Internacional de Poesia de Rotterdã.

Lança, em 1999, o livro “Muitas vozes” e é agraciado com o Prêmio Jabuti, categoria poesia. Recebe, também, o Prêmio Alphonsus de Guimarães, da Biblioteca Nacional.

“Ferreira Gullar 70 anos” foi o nome dado à exposição aberta em setembro de 2000, no Museu de Arte Moderna do Rio, para marcar o aniversário do poeta. Ocorre o lançamento da nona edição de “Toda poesia”, reunião atualizada de todos os poemas de Gullar. O poeta recebe o prêmio Multicultural 2000, do jornal “O Estado de São Paulo”. No final do ano, lança “Um gato chamado Gatinho “, 17 poemas sobre seu felino escritos para crianças.

É publicado na coleção Perfis do Rio “Ferreira Gullar – Entre o espanto e o poema”, de George Moura em 2001. São reunidas crônicas escritas para o “Jornal do Brasil” nos anos 60 no livro “O menino e o arco-íris”. Lança uma coleção infanto-juvenil “O rei que mora no mar”, poemas dos anos 60 de Gullar.

Em 2002, é indicado ao Prêmio Nobel de Literatura por nove professores titulares de universidades de Brasil, Portugal e Estados Unidos. São relançados num só livro, os ensaios dos anos 60: “Cultura posta em questão” e “Vanguarda e subdesenvolvimento”. Em dezembro o poeta recebe o Prêmio Príncipe Claus, da Holanda, dado a artistas, escritores e instituições culturais de fora da Europa que tenham contribuído para mudar a sociedade, a arte ou a visão cultural de seu país.

Lança “Relâmpagos”, reunindo 49 textos curtos sobre artes, abordando obras de Michelangelo, Renoir, Picasso, Calder, Iberê Camargo e muitos outros.

 


BIBLIOGRAFIA

 

 

 

 

 

 

Poesia:  

 

 

A luta corporal, 1954

Poemas, 1958

João Boa-Morte, cabra marcado para morrer (cordel), 1962

Quem matou Aparecida? (cordel), 1962

A luta corporal e novos poemas, 1966

História de um valente, (cordel, na clandestinidade, como João  Salgueiro), 1966

Por você por mim, 1968

Dentro da noite veloz, 1975

Poema sujo, 1976

Na vertigem do dia, 1980

Crime na flora ou Ordem e progresso, 1986

Barulhos, 1987

O formigueiro, 1991

Muitas vozes, 1999

 

Poemas reunidos:  

 

 

 

Antologias:  

 

 

Ferreira Gullar – seleção de Beth Brait, 1981

Os melhores poemas de Ferreira Gullar – seleção de Alfredo Bosi, 1983

Poemas escolhidos, 1989

 

Contos:  

 

 

 

Teatro:  

 

 

 

Crônicas:  

 

 

O menino e o arco-íris, 2001

 

Memórias:  

 

 

 

Biografia:  

 

 

 

Ensaios:  

 

 

Cultura posta em questão, 1965

Vanguarda e subdesenvolvimento, 1969

Augusto do Anjos ou Vida e morte nordestina, 1977

Tentativa de compreensão: arte concreta, arte neoconcreta – Uma contribuição brasileira, 1977

Uma luz no chão, 1978

Sobre arte, 1983

Etapas da arte contemporânea: do cubismo à arte neoconcreta, 1985

Indagações de hoje, 1989

Argumentação contra a morte da arte, 1993

“O Grupo Frente e a reação neoconcreta”, 1998

Cultura posta em questão/Vanguarda e subdesenvolvimento, 2002

Rembrandt, 2002

Relâmpagos, 2003

 

Disco:  

 

 

 

Televisão:  

 

 

 

 

Adaptações:  

 

 

Textos originais:

 

 

 

Episódios do seriado “Carga Pesada”, Rede Globo, 1980:
– Em nome da santa
– O foragido
– Lance final
– Disputa
– Peru de Natal

Episódios do seriado “Obrigado doutor”, Rede Globo, 1981:
– A crise
– Uma bela adormecida
– Go home
– Arma branca
– O comício
– O bode

Insensato coração, “Quarta nobre”, Rede Globo, 1983.

 

Obras traduzidas pelo autor: Teatro:

 

 

 

 

 

 

 

 

Literatura infanto-juvenil:  

 

 

 

2. Em parceria: Teatro:

 

 

 

 

 

 

 

 

Televisão:  

 

 

As noivas de Copacabana, com Dias Gomes e Marcílio Moraes, 1992

 

Imprensa:  

 

 

 

Traduções:  

 

 

Faule Bananen und andere Gedichte (Bananas podres e outros poemas, Frankfurt, 1986

Der grüne Glanz der Tage (O verde clarão dos dias), Munique, 1991

 

 

 

Poemas, Lima, 1987

En el vértigo del dia (Na vertigem do dia), México, 1998

Poema sucio (Poema sujo), Madri, 1998

 

 

 

 

Montagens teatrais:  

 

 

A saída? Onde está a saída? Direção de João das Neves.
Teatro do Grupo Opinião – Rio de Janeiro, 1967

Poema sujo. Direção de Hugo Xavier.
Sala Sidney Miller – Rio de Janeiro, 1980

Dr. Getúlio, sua vida e sua glória. Direção de José Renato.
Teatro João Caetano e Teatro do Grupo Opinião – Rio de Janeiro, 1968 e
Teatro João Caetano, direção de Flávio Rangel, 1983

Um rubi no umbigo. Direção de Bibi Ferreira, Teatro Casa Grande – Rio de Janeiro, 1979.

 

Documentários:  

 

 


São Luís do Maranhão de Ferreira Gullar. Direção de Helder Aragão e Marcelo Gomes. Pólo de Imagem/TV Cultura, 1997.
Dados extraídos de livros, revistas e sites da internet, em especial dos Cadernos de Literatura Brasileira, publicados pelo Instituto Moreira Salles.

O canto e a fúria. Direção de Zelito Viana. Mapa Filmes, 1996

 

Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come. Direção de Gianni Ratto.
Teatro do Grupo Opinião – Rio de Janeiro, 1966

 

Dirty Poem (Poema sujo), Nova York, 1991

Para o inglês:

 

 

 

 

La lucha corporal y otros incendios (A luta corporal e outros incêncidos, Caracas, 1977

Hombre comun y otros poemas (Homem comum e outros poemas), Buenos Aires, 1979

Poesía (Antologia poética), Cuenca, 1982

Para o espanhol:

 

 

 

 

Schmutziges Gedicht (Poema sujo), Frankfurt, 1985

Para o alemão:

 

 

 

 

“O cavalheiro da esperança” (entrevista com o arquiteto Oscar Niemeyer), com Bruno Tolentino, 1997

 

Araponga, com Dias Gomes e Lauro César Muniz, 1990

 

Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come, com Oduvaldo Viana Filho, 1966

A saída? Onde fica a saída?, com Antônio Carlos Fontoura e Armando Costa, 1967

Dr. Getúlio, sua vida e sua glória, com Dias Gomes, 1968

 

 

 

 

 

Fábulas, La Fontaine, 1997
Um gato chamado Gatinho, 2000
O rei que mora no mar, 2001

 

Ubu rei, Alfred Jarry, 1972
Cyrano de Bergerac, Edmond Rostand, 1985
Lés pays des éléphants, Louis-Charles Sirjacq, 1989
As mil e uma noites, 2000
Don Quixote de la Mancha, Cervantes, 2002

 

 

 

 

 

Dona Felinta Cardoso, a rainha do agreste, 1979

 

Episódios da série “Aplauso”, Rede Globo, 1979:
– Ilha das cabras, Ugo Betti
– As pequenas raposas, Lilian Helmann
– A lição, Eugéne Ionesco
– O preço, Arthur Miller
– Judas em Sábado de Alelúia, Martins Penna
– Só o faraó tem alma, Silveira Sampaio

 

Antologia poética de Ferreira Gullar (música de Egberto Gismonti), 1979

 

Teoria do não-objeto, 1959

 

Nise da Silveira: uma psiquiatra rebelde, 1996

 

Rabo de foguete – Os anos de exílio, 1998

 

A estranha vida banal, 1989

 

Um rubi no umbigo, 1979

 

Gamação, 1996

Cidades inventadas, 1997

 

Antologia poética, 1977

 

Toda poesia, 1980

 

Um pouco acima do chão, 1949

 

 

1. Individuais

 

 

 

 

 

 

 

Sophia de Mello Breyner Andresen – Poetisa – Biografia

Retrato da poetisa portuguesa Sophia de Mello Andresen

Sophia de Mello Breyner Andresen
* Porto, Portugal – 1919 d.C

Um dos maiores poetas portugueses contemporâneos – um nome que se transformou, em sinônimo de Poesia e de musa da própria poesia.

Sophia nasceu no Porto, em 1919, no seio de uma família aristocrática. A sua infância e adolescência decorrem entre o Porto e Lisboa, onde cursou Filologia Clássica.

Após o casamento com o advogado e jornalista Francisco Sousa Tavares, fixa-se em Lisboa, passando a dividir a sua actividade entre a poesia e a actividade cívica, tendo sido notória activista contra o regime de Salazar. A sua poesia ergue-se como a voz da liberdade, especialmente em “O Livro Sexto”.

Foi sócia fundadora da “Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos”e a sua intervenção cívica foi uma constante, mesmo após a Revolução de Abril de 1974, tendo sido Deputada à Assembleia Constituinte pelo Partido Socialista.

Profundamente mediterrânica na sua tonalidade, a linguagem poética de Sophia de Mello Breyner denota, para além da sólida cultura clássica da autora e da sua paixão pela cultura grega, a pureza e a transparência da palavra na sua relação da linguagem com as coisas, a luminosidade de um mundo onde intelecto e ritmo se harmonizam na forma melódica, perfeita, do poema.

Luz, verticalidade e magia estão, aliás, sempre presentes na obra de Sophia, quer na obra poética, quer na importante obra para crianças que, inicialmente destinada aos seus cinco filhos, rapidamente se transformou em clássico da literatura infantil em Portugal, marcando sucessivas gerações de jovens leitores com títulos como “O Rapaz de Bronze”, “A Fada Oriana” ou “A Menina do Mar”.

Sophia é ainda tradutora para português de obras de Claudel, Dante, Shakespeare e Eurípedes, tendo sido condecorada pelo governo italiano pela sua tradução de “O Purgatório”.

Patativa do Assaré – Poeta – Biografia

Retrato do poeta Patativa do Assaré

Antônio Gonçalves da Silva
* Assaré, CE. – 1909 d.C

+
Assaré, CE. – 2002 d.C

Freqüentou a escola por apenas quatro meses, em 1921, mas desde então vem “lidando com as letras”, como ele mesmo afirmou. Agricultor, em 1922 já atuava como versejador em festas, e a partir de 1925, quando comprou uma viola, deu início à atividade de compositor, cantor e improvisador.

Em 1926 teve um poema publicado no Correio do Ceará, mas seu primeiro livro, Inspiração Nordestina, seria lançado trinta anos depois, em 1956.

Em 1978 publicou o livro Cante Lá que Eu Canto Cá, e em 1979 iniciou, com Poemas e Canções, a gravação de uma série de discos, entre os quais se destacam Canto Nordestino (1989) e 88 Anos de Poesia (1997). Seu último livro, Cordéis-Patativa do Assaré , é de 1999.

A poesia de Patativa, que verseja em redondilhas e decassílabos, traduz uma visão de mundo “cabocla”, muitas vezes nostálgica e desapontada com as mudanças trazidas pela modernidade e pela vida urbana. Sua obra aborda os valores e os ideais dos camponeses do interior do Ceará, em poemas que tematizam da reforma agrária ao cotidiano dos sertanejos cearenses.