Coronavírus: EUA acusados de “pirataria” por ocultar “confisco”

O presidente Trump invocou uma lei da época da Guerra da Coréia para exigir que as empresas americanas forneçam mais máscaras.

Os EUA foram acusados de redirecionar 200.000 máscaras ligadas à Alemanha para seu próprio uso, em um ato condenado como “pirataria moderna”. O governo local de Berlim disse que o envio de máscaras fabricadas nos EUA foi “confiscado” em Bangcoc.

As máscaras FFP2, que foram encomendadas pela força policial de Berlim, não chegaram ao seu destino, afirmou o documento.

Andreas Geisel, ministro do Interior de Berlim, disse que as máscaras foram presumivelmente desviadas para os EUA.

A empresa norte-americana que fabrica as máscaras, a 3M, foi proibida de exportar seus produtos médicos para outros países sob uma lei da era da Guerra da Coréia, invocada pelo presidente Donald Trump.

Na sexta-feira, Trump disse que estava usando a Lei de Produção de Defesa para exigir que as empresas americanas forneçam mais suprimentos médicos para atender à demanda doméstica.

“Precisamos desses itens imediatamente para uso doméstico. Temos que tê-los”, disse Trump no informe diário da Força-Tarefa sobre Coronavírus na Casa Branca.O presidente Trump disse que os suprimentos médicos que são desviados do exterior são necessários com urgência nos EUA.

Ele disse que as autoridades dos EUA tomaram a custódia de quase 200.000 respiradores N95, 130.000 máscaras cirúrgicas e 600.000 luvas. Ele não disse onde foram levadas para as mãos dos EUA.

Geisel disse que o desvio de máscaras de Berlim representou um “ato de pirataria moderna”, instando o governo Trump a aderir às regras comerciais internacionais.

“Não é assim que você lida com parceiros transatlânticos”, afirmou o ministro. “Mesmo em tempos de crise global, não deve haver métodos do oeste selvagem”.

Uma ‘caça ao tesouro’ para máscaras
Os comentários de Geisel ecoam os sentimentos de outras autoridades européias, que se queixaram das práticas de compra e desvio dos EUA.

Na França, por exemplo, os líderes regionais dizem que estão lutando para garantir suprimentos médicos, já que os compradores americanos os superam.

O presidente da região da Ilha de França, Valérie Pécresse, comparou a disputa por máscaras com uma “caça ao tesouro”.

A 3M foi condenada a parar de exportar máscaras de respiração N95 fabricadas nos EUA

“Encontrei um estoque de máscaras disponíveis e os americanos – não estou falando do governo americano – mas os americanos nos superam”, disse Pécresse. “Eles ofereceram três vezes o preço e propuseram pagar adiantado”.

À medida que a pandemia de coronavírus piora, a demanda por suprimentos médicos cruciais, como máscaras e respiradores, aumentou em todo o mundo.

No início desta semana, a Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que estava pensando em mudar sua orientação sobre se as pessoas deveriam usar máscaras em público.

Atualmente, a OMS recomenda que as máscaras não fornecem proteção suficiente contra infecções para justificar o uso em massa. Mas alguns países adotaram uma visão diferente, incluindo os EUA.

Na sexta-feira, Trump anunciou que os Centros de Controle de Doenças (CDC) agora recomendam que os americanos usem coberturas faciais não médicas para ajudar a impedir a propagação do vírus.

O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, pediu aos moradores que cubram o rosto quando estiverem fora de casa

Os EUA registraram 273.880 casos registrados de Covid-19, o número mais alto do mundo por uma grande margem.

O Covid-19, a doença causada pelo coronavírus, afetou mais de um milhão de pessoas e matou quase 60.000 em todo o mundo, mostram os últimos números.

‘Implicações humanitárias significativas’
Em um desenvolvimento separado, a 3M disse que o governo Trump pediu para parar de exportar máscaras de respiração N95 fabricadas nos EUA para o Canadá e a América Latina.

Tecnologia – Hacker e cracker, a polêmica em torno dessas palavras

Tecnologia Hackers Blog do MesquitaO termo “hacker” não é mais um desconhecido para a maioria dos internautas. Seu significado, porém, tende a variar dependendo do utilizador e do contexto: é capaz de ser um elogio ou insulto, uma profissão ou um crime.

A profusão de outras palavras com definições aparentemente redundantes como “black hat” (chapéu preto) e “cracker” são reflexo da polêmica que circula em torno da palavra “hacker”.

A definição mais conhecida é a de que um hacker é um criminoso que usa suas habilidades com computadores para seu próprio proveito. O roubo de senhas, contas bancárias e criação e disseminação de vírus seriam atividades hacker, realizadas por pessoas que violam a segurança de sistemas ilegalmente.

Mas existe um grupo, conhecido como a “cultura hacker”, que não gosta dessa definição. Eric Steven Raymond, um proeminente defensor de software de código aberto, mantém documentos como o Como se Tornar um Hacker — citando Zen e artes marciais — e também o Jargon File (“arquivo de jargões”), um “dicionário” de várias expressões, gestos e pensamentos dessa cultura hacker e de tecnologia em geral.

Multiplicidade

O glossário do Jargon File conta com várias explicações para a palavra hacker. A definição que trata de crimes, no entanto, está marcada como “obsoleta”. Para Raymond e outros membros da cultura hacker, quem comete crimes é chamado de cracker. Os hackers verdadeiros — e o Jargon diz ser o primeiro a usar o termo — nada têm a ver com eles.

Há ainda formas alternativas para “cracker” no glossário. Uma delas é “hacker do lado negro da Força”, em referência ao filme “Guerra nas estrelas”. Já para os hackers que se envolvem legalmente em atividades que às vezes poderiam ser consideradas ilegais (como por exemplo espionagem e testes de segurança), o Jargon tem a expressão “samurai”. Hoje essas expressões são raramente usadas.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

O interessante nas definições da cultura hacker é que elas não envolvem especificamente a área de segurança. Para Raymond, hackers são programadores extraordinários, antiautoritários e que, por isso, contribuem ou trabalham com software livre e de código aberto — e não apenas na segurança destes.

Mesmo assim, é comum também a definição de hacker restrita à assuntos de segurança. Nesse caso, a palavra é usada de forma neutra, mas pode ser tanto para identificar um criminoso como um especialista da área.

‘Pesquisador de segurança’

Alexander Sotirov, que participou no complicado experimento para provar a fragilidade de alguns certificados digitais, escreve em sua biografia no twitter: “o termo ‘pesquisador de segurança’ faz hacking parecer respeitável, mas ainda é a mesma coisa”.

Essa definição de hacker, específica para a área de segurança, é a que mais gera polêmica. Poucos defendem a definição restrita aos malfeitores virtuais, porém esta, mais ampla — pois abriga inclusive a atividade criminosa –, tem mais discípulos, especialmente entre os profissionais de segurança da informação.
Continue lendo

Estados Unidos criam esquema que limita internet de piratas online

Inspirado em ações antipirataria da França e Nova Zelândia, ele está sendo adotado por cinco grandes provedores – que prometeram não cortar o acesso dos suspeitos de violação de direitos autorais.

Também nos Estados Unidos, a Apple vai ressarcir pais cujos filhos fizeram compras pelo iTunes através de apps anunciados inicialmente como gratuitos.

A LG comprou um sistema operacional da HP e tem planos ambiciosos para usá-lo.

E um smartphone no espaço vai testar uma teoria famosa do filme Alien, O Oitavo Passageiro.
Confira o vídeo da semana.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Tecnologia, Tv a cabo e pirataria.

Tecnologia Blog do MesquitaDepois de conseguir passar quase 3 anos sem televisão em casa, resolvi voltar.

A moça do telemarketing diz um monte de coisas que não dá para lembrar.

Fala o preço e eu resolvo começar aos poucos.

Pacote Standart. Tv + internet banda larga + telefone = 64,00 nos primeiros 4 meses. Pareceu bom.

Marcaram a instalação para o meio dia e o instalador chegou quase às 6 da tarde. Disse que era culpa da empresa…aquela velha história.


Depois veio com um papo que meu pacote era muito pequeno e que por uma caixinha poderia liberar mais canais.

Mas e se descobrirem?

Ele disse que não tem como a empresa descobrir porque todos meus vizinhos fizeram isso.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Mas estou tentando ser correto em tudo e não aceitei, mas fiquei tentado.

O pacote Standart nada mais é do que os canais abertos e mais alguns canais bobinhos, que ninguém quer ver. Devia ter aceitado a oferta.

E olha que ele insistiu outra vez. Pediu R$ 60,00 de caixinha para liberar mais 20 canais.

Tentação mais uma vez…Mas depois como eu ia poder ficar criticando os políticos se aceito esse tipo de coisa?

O instalador era uma pessoa sem nenhum tipo de escrúpulos.

Além de deixar uma sujeira e bagunça na minha casa, ouvi dizendo para o parceiro dele que sempre dizia para empresa que usava mais fio do que o necessário e depois usava o fio para fazer uns “gatos” na casa dos amigos dele.

Lá onde ele mora todo mundo tem tv a cabo de graça.

A corrupção está em todos os lados. Desde o instalador de Tv a cabo até vocês sabem onde.
O pior é que até agora não tenho certeza se devia ou não ter aceito a oferta dele.
Do Blog do Duilio

iPhone: Hora do troco: clone chinês do iPhone 5 quer processar Apple por quebra de patente… Do iPhone 5

Empresa chinesa se baseou nos rumores em torno do smartphone e já afirmou que irá acionar advogados caso o aparelho chegue ao país.
Hora do troco: clone chinês do iPhone 5 quer processar Apple por quebra de patente... Do iPhone 5(Fonte da imagem: Reprodução/NWE)

Depois de toda a bagunça envolvendo as ações judiciais entre Apple e Samsung e a vitória da companhia norte-americana, eis que a Ásia já prepara seu contra-ataque, dessa vez pelas mãos da China.

Isso porque uma companhia local já afirmou que irá processar a Maçã caso o iPhone 5 traga um visual semelhante ao seu celular.

O curioso de tudo isso é que o smartphone em questão, o GooPhone, é um dos diversos clones  disponíveis no mercado e foi totalmente montado a partir dos rumores em torno das especificações da nova geração de aparelhos da Apple.

Isso faz com que, se os boatos realmente estiverem corretos, o sucessor do iPhone 4S já chegará ao mercado sendo considerado uma cópia — e os advogados chineses estão à espera de que isso aconteça para poderem agir.

O pior de tudo é que a “sacada” faz muito sentido.

Como o iPhone 5 ainda não foi anunciado, todas as informações sobre ele são apenas suposições, o que dá à fabricante oriental a vantagem na hora de levar a briga para a justiça.
Por Durval Ramos Junio/Fonte: Cult of Mac


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Tópicos do dia – 25/05/2012

08:19:58
Fazer cópia de CD ou livro para uso próprio deixará de ser crime
Cópia integral de uma obra para uso pessoal, desde que não tenha objetivo de lucro, será descriminalizada; atualmente, a pena por essa conduta pode chegar a 4 anos

A comissão de juristas que discute mudanças ao Código Penal aprovou nesta quinta-feira uma proposta que descriminaliza o ato de uma pessoa fazer uma cópia integral de uma obra para uso pessoal, desde que não tenha objetivo de lucro. Com a decisão, quem realizar a cópia deixa de ser enquadrado pelo crime, previsto no atual código, de “violação do direito autoral”.

Dessa forma, a cópia de um CD de música ou de um livro didático para uso próprio deixaria de ser crime. Atualmente, a pena para os condenados pela conduta pode chegar a até quatro anos.

O texto aprovado pela comissão ficou com a seguinte redação: “não há crime quando se tratar de cópia integral de obra intelectual ou fonograma ou videofonograma, em um só exemplar, para uso privado e exclusivo do copista, sem intuito de lucros direto ou indireto”.

O colegiado tinha prazo até o final do mês para entregar o anteprojeto do novo código ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Mas os trabalhos foram prorrogados até o dia 25 de junho. As sugestões dos juristas poderão compor um único projeto ou serem incorporadas a propostas já em tramitação no Congresso.
Ricardo Brito/Agência Estado

08:31:45
Senador Pedro Taques Taques denuncia acordo entre PT e PSDB para evitar convocações na CPI do Cachoeira
O senador Pedro Taques (PDT-MT) afirmou nesta quinta-feira (24), em plenário, que há “quase um acordo” entre PT e PSDB para que integrantes de ambos os partidos não sejam investigados pela CPMI do Cachoeira. “Não concordamos com esse tipo de acordo. Como representante do PDT na CPI não participo deste tipo de acordo”, acusou o senador. Taques disse ainda que entrou com uma ação na Justiça Federal a fim de tornar indisponíveis os bens da Delta Construtora. Ele ingressou também com representação contra o ex-procurador-geral da República Geraldo Brindeiro, acusado de receber dinheiro da Construtora em triangulação financeira. Segundo Taques, a CPI já deveria ter “afastado sigilo bancário e fiscal da construtora e notificado governadores para prestar depoimentos”. Porém, segundo ele, o presidente da comissão, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), e o relator, deputado Odair Cunha (PT-MG), fizeram esse acordo que impede a convocação de pessoas ligadas ao PT e ao PSDB.

12:40:44
Novo alvo da CPI, Delta nacional levou R$ 718,2 mi dos estados; diretores da empresa tinham procuração para movimentar contas nacionais
Principal empreiteira do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e protagonista do terremoto político provocado pela Operação Monte Carlo da Polícia Federal, a Delta Construções também faturou alto em contratos diretos com 18 administrações estaduais. Levantamento feito pelo Estado nos bancos de dados dos governos identificou pagamentos que somam R$ 718,24 milhões no ano passado.

O total arrecadado pela construtora nos Estados equivale a 83,3% dos R$ 862,43 milhões que a empresa faturou em obras e serviços prestados ao governo federal no mesmo período. Ou seja, somente em 2011 a Delta Construções recebeu R$ 1,58 bilhão em recursos públicos federais e estaduais.

A capilaridade da empresa, que está presente em quase todo o País, explica a reduzida disposição inicial da CPI instaurada no Congresso Nacional de investigar as atividades da empresa para além da Região Centro-Oeste — onde o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, se estabeleceu como uma espécie de sócio oculto da construtora. Anteontem no entanto, a comissão anunciou que pretende focar todos os negócios.

A revelação de que Cláudio Abreu e Heraldo Puccini Neto, diretores da empresa indiciados pela Operação Saint-Michel, do Ministério Público do Distrito Federal, tinham procuração para movimentar contas nacionais da construtora deve forçar a CPI a ampliar suas investigações. E os parlamentares terão farto material de análise nas administrações estaduais. Além de obras, reparos e manutenções, os tesouros estaduais também contrataram a empresa, que pertencia a Fernando Cavendish, para prestação de serviços de limpeza (R$ 92,45 milhões com o Distrito Federal) e locação de veículos para a área de segurança pública (R$ 16,54 milhões com Mato Grosso), por exemplo.
Por Alfredo Junqueira/Estadão

16:56:32
Senador Pedro Taques examina acusação a Brindeiro
Para aprofundar o exame das denúncias contra o escritório de advocacia do ex-procurador-geral da República Geraldo Brindeiro de envolvimento com o esquema do bicheiro Carlinhos Cachoeira, o senador Pedro Taques (PDT-MT) cancelou a sua participação nesta sexta-feira (25), no X Simpósio Nacional de Direito Constitucional, no Teatro Guaíra, em Curitiba (PR), promovido pela Academia Brasileira de Direito Constitucional. A quebra de sigilo do contador da quadrilha de Carlinhos Cachoeira mostra que o escritório de Brindeiro recebeu R$ 161,2 mil das contas de Geovani Pereira da Silva, que, segundo a Polícia Federal, seria o procurador de empresas fantasmas utilizadas para lavar dinheiro do esquema criminoso. De acordo com o senador Pedro Taques (PDT-MT), que analisou laudo de perícia financeira constante no inquérito, o escritório Morais, Castilho e Brindeiro Sociedade de Advogados recebeu o montante em cinco parcelas, a maior delas de R$ 76 mil. Brindeiro foi procurador-geral da República durante o governo Fernando Henrique Cardoso, de 1995 a 2003. Criticado por não dar sequência a investigações de grande repercussão, ganhou o apelido de “engavetador-geral da República”.
coluna Claudio Humberto 


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Punição contra a pirataria não reverte prejuízo da indústria

Download ilegal caiu; os lucros também.

Você baixa a última temporada da sua série favorita (que ainda não é transmitida no Brasil).

Recebe um e-mail que alerta: você cometeu um crime. Dois meses depois, resolve baixar um filme no Pirate Bay.

Sua conexão começa a ficar lenta.

Dez meses se passam, você se depara com um disco interessante em um blog e resolve baixá-lo.

É o que basta para perder sua conexão à internet.

É isso o que prevê o programa de resposta gradual contra a pirataria, uma maneira de combate que vem da união entre a indústria cultural e os provedores de internet.

Gravadoras e estúdios de cinema dos EUA, em parceria com provedores como AT&T e Verizon, preparam a criação do Center for Copyright Information, e devem colocar um programa do tipo em prática em breve.

Na França, a Lei Hadopi, que implementa um mecanismo de resposta gradual, está em vigor desde 2010 – mesmo com protestos enfurecidos dos ativistas por liberdade na rede.

E fez efeito: ela cortou pela metade o compartilhamento ilegal de arquivos naquele país.

As entidades antipirataria comemoraram.

Um relatório da lei, divulgado em inglês, diz que em 2011 houve 29% de queda nas visitas a sites piratas.

A troca ilegal de arquivos caiu 66%.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Mas o comunicado não informou que a queda na pirataria não ajudou a indústria musical a reverter os seus prejuízos.

A culpa pela crise na indústria é sempre atribuída à internet – mas, mesmo com a redução da pirataria, a indústria musical na França teve 3,9% de prejuízo em 2011. Os lucros da indústria do cinema também caíram 2,7%.

A lei Hadopi prevê um procedimento em três etapas. Quando o provedor constata uma infração, ele envia um e-mail ao usuário. A conexão passa então a ser monitorada – o assinante tem de instalar um filtro.

Se uma nova infração for cometida em seis meses, uma carta oficial é enviada. A conexão é monitorada por um ano. Se a pessoa baixar algo durante este período, o provedor corta seu acesso à internet.

Nos EUA uma proposta semelhante recebeu críticas da Eletronic Frontier Foundation, entidade que luta por liberdade na web. A começar porque cabe aos provedores detectar a pirataria – e não se sabe como isso deve ser feito. Para cair na malha-fina da lei, bastaria uma “alegação de infração” que não é clara.

A punição aos usuários piratas começaria por um aviso, passaria por uma queda na velocidade da conexão e, finalmente, pelo corte da internet. Tudo com base no que alega o provedor – sem ordem judicial. O usuário teria apenas dez dias para contestar a acusação.

A lei dura na França não fez as pessoas comprarem CDs e DVDs, que são mais lucrativos do que a venda de MP3 ou streaming. A indústria cultural defende um modelo antigo, e leva provedores de internet e governos para a mesma lógica.

Fica a questão: empresas podem determinar o fim do fornecimento de um serviço pago pelo cidadão sem ordem judicial? A França diz que sim. Os EUA seguem o mesmo caminho.
Tatiana de Mello Dias/O Estado de S. Paulo

Tópicos do dia – 03/04/2012

08:02:45
Prossegue a cachoeira de corrupção
Denúncia da PF mostra que Cachoeira tinha negócios com o governo do DF. A denúncia apresentada pela Polícia Federal na Justiça de Goiás, envolvendo Carlinhos Cachoeira, mostra a transcrição de conversas gravadas entre o bicheiro e seus comparsas, como Idalberto Nunes, o Dadá, sobre a regularizacão de terras que teriam sido griladas no DF. A suspeita envolve dois órgãos do governo do DF, a Terracap e o Instituto Brasília Ambiental (Ibram). Em uma das conversas, aparece o nome de Cláudio Monteiro, chefe de gabinete do governador Agnelo Queiroz (PT) que tem status de secretário de Estado, como um dos destinatários de um rádio do tipo Nextel, para conversas que supostamente não poderiam ser grampeadas pela PF. Na sexta-feira passada, Monteiro afirmara a este site que seu nome não aparecia, mas apenas “um Cláudio”, que seria outra pessoa, um empresário ligado a Cachoeira. Mas a transcrição menciona Monteiro explicitamente, que estaria a serviço de interesses do grupo do bicheiro. Cláudio Monteiro nega as suspeitas e desafia a PF e o Ministério Público Federal a apresentar “um segundo que seja” de qualquer conversa com Cachoeira.

08:17:31
Demóstenes começa a armar a estratégia para evitar ser cassado. Será que conseguirá?
Como já se esperava, o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) começou a lutar para manter o mandato, que vai até 2018, caso não seja cassado. Seu primeiro passo foi entregar a carta de desfiliação ao presidente nacional do DEM, José Agripino (RN).
Com isso, Demóstenes tenta eliminar uma grande fonte de matérias negativas, pois a desfiliação significa que não mais haverá o já anunciado processo de expulsão, que iria render uma sucessão de reportagens e artigos depreciativos, nume verdadeiro festival.

No texto, Demóstenes argumentou que discorda das afirmações de que tenha se desviado do programa partidário da legenda, vejam que cara-de-pau. “Diante do prejulgamento público que o partido fez, comunico minha desfiliação do Democratas”, disse.
Ao fazer tais afirmações, Demóstenes citou no ofício declarações de Agripino à imprensa de que seria inevitável instauração de processo para expulsão do senador goiano do partido. Mas Agripino nega que tenha havido prejulgamento. Segundo ele, foi dado a Demóstenes prazo de uma semana para defesa.
“Coisa que ele nunca fez”, destacou o presidente da legenda. E nem fará, pode-se acrescentar.
Carlos Newton/Tribuna da Imprensa

08:25:35
Thomaz Bastos e honorários de Cachoeira
O bicheiro Carlos Cachoeira estaria pagando ao ex-ministro da Justiça Marcio Thomaz Bastos para defendê-lo: R$ 18 milhões.

09:01:12
Judiciário ficará com aviões que forem apreendidos de traficantes
O Poder Judiciário terá a sua disposição, a partir desta segunda (2) os aviões que forem apreendidos pela polícia em operações contra o tráfico de drogas. A Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad) estava com dificuldades para definir a destinação dos bens apreendido e, agora, terá de agilizar a doação das aeronaves. Os aviões ainda serão periciados pela Polícia Federal e serão usados, de forma compartilhada, pelos Estados, pelo Tribunal Regional Eleitoral, Tribunal de Justiça, Tribunal do Trabalho e Tribunal Federal. Os órgãos vão dividir o custo da manutenção das aeronaves. “Aumentamos a velocidade do processo e isso é sinônimo de evitar que aviões que custam mais de R$ 1 milhão virem sucata; o que mais temos no Brasil é sucata”, explicou o presidente da comissão executiva do Programa Espaço Livre, juiz Marlos Melek.

09:03:29
Rio adere ao Cidade Livre de Pirataria
“A prefeitura do Rio passa a integrar a partir de amanhã o projeto Cidade Livre de Pirataria, por meio do qual as prefeituras se comprometem com o Ministério da Justiça a adotar medidas locais de prevenção e repressão a esse tipo de crime.”

Agora conte aquela do papagaio fanho!

09:11:52
Demóstenes, blogs e a moral
Pelo que leio em alguns blogs, claramente petistas, a turma do mensalão não quer somente acabar com Demóstenes Torres – que já está politicamente morto, embora insepulto – mas, liquidar com o conceito de moralidade.

09:13:35
Marconi Perillo e Lei da compensação
Temendo o alcance da Operação Monte Carlo, Marconi Perillo (PSDB-GO) procurou petistas com acesso ao Palácio do Planalto para sinalizar que não disputará a reeleição em 2014. O governador busca fôlego para se defender das acusações de envolvimento com Carlinhos Cachoeira.
A PF suspeita que o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) atuava para ajudar o empresário na indicação de assessores para o governo de Goiás.
Apesar do gesto, nada indica que o PT se moverá para blindar o tucano no caso. O partido não digeriu o fato de Perillo ter dito, em 2005, que havia alertado o ex-presidente Lula sobre o esquema do mensalão.
Vera Magalhães/Folha de São Paulo

09:19:13
Denúncia atinge tucano que Lula detesta
Considerado pelo ex-presidente Lula seu maior adversário e a quem detesta, o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), teve seu nome envolvido pela Operação Monte Carlo, da Polícia Federal. Segundo a PF, Cachoeira usaria policiais ligados a ele para obter informações sobre investigações e as repassava à chefe de gabinete do governador, Eliane Pinheiro. Em nota, ela confirma que conhece o empresário de jogos, mas garantiu que não recebeu dele informações do gênero, e ainda destaca que a Eliane mencionada pela PF pode ser outra pessoa, uma advogada ligada aos investigados. O governador também divulgou nota afirmando desconhecer ligações de sua chefe de gabinete com Cachoeira. As informações são do jornal O Globo. Depois do senador Demóstenes Torres, Perillo é o segundo político de oposição aos governista petistas alcançado pelas investigações.

Lula sabia, sim – Marconi Perillo era detestado por Lula porque foi ele quem mostrou que o então presidente mentiu, ao afirmar que “não sabia” da coprrupção em seu governo batizada de escândalo do Mensalão. Senador na ocasião, Perillo contou que Lula sabia, sim, porque ele próprio se encarregou de avisá-lo do esquema de corrupção supostamemte chefiado pelo então ministro da Casa Civil José Dirceu, quando o ex-presidente visitava Goiânia e ele o recepcionara, na condição de governador. Perillo inclusive ofereceu a Lula o tstemunho de uma deputada federal goiana que que recebeu proposta de suborno para aderir ao esquema. Apesar disso, o ex-presidente jamais tomou qualquer providência para acabar o esquema que mais tarde disse desconhecer. Ele desenvolveu ódio pelo político tucano e fez de tudo para impedir sua vitória ao governo de Goiás.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Arquivos do Megaupload podem ser deletados na próxima quinta-feira

Dados dos usuários do site Megaupload podem ser apagados na próxima quinta-feira (2).

Veja casa do dono do Megaupload
Nova Zelândia nega fiança ao fundador do Megaupload
Justiça concede liberdade condicional a dois diretores do Megaupload
Dono do Megaupload se tranca com espingarda antes de ser preso

Promotores dos EUA bloquearam o acesso ao Megaupload há alguns dias –o site teria facilitado milhões de downloads ilegais de filmes, músicas e outros conteúdos.

Sete pessoas foram indiciadas por envolvimento com o negócio.

O dono do serviço, conhecido como Kim Dotcom, está preso e teve pedido de fiança negado.

Kim "Dotcom" Schmitz (à direita) e os três funcionários do Megaupload presos em sua mansão na Nova Zelândia - Foto: Greg Bowker/Associated Press

Uma carta emitida pela promotoria de Justiça do estado norte-americano da Virgínia na sexta-feira (27) disse que as empresas Carpathia Hosting Inc. e Cogent Communications Group Inc. podem começar a exclusão de dados na quinta-feira.

O governo dos Estados Unidos afirmou que oficiais copiaram alguns arquivos dos servidores, mas que não apreenderam as máquinas.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Desde o bloqueio do site, contas bancárias relacionadas ao Megaupload foram congeladas e, por isso, as empresas Carpathia e Cogent deixaram de receber pelo armazenamento dos arquivos.

Ira Rothken, advogado do Megaupload, disse que a empresa está trabalhando com os promotores para tentar manter os dados. Segundo ele, pelo menos 50 milhões de usuários, que guardam fotos de família e documentos pessoais, podem ser prejudicados.

Ainda segundo Rothken, os arquivos podem ser importantes para a defesa legal do próprio Megaupload e por isso não podem ser apagados.
Associated Press/Folha de S.Paulo

Tópicos do dia – 16/01/2011

09:20:19
Adolescente inglês pode ser extraditado por pirataria na internet.
O jovem britânico Richard O´Dwyer, de 23 anos, será extraditado para os Estados Unidos, para ser julgado pelo crime de pirataria.

O´Dwyer é o criador do site TVShack, um diretório que oferecia links para diversos vídeos protegidos por direitos autorais.
De acordo com o jornal Daily Mirror, o juiz Quentin Purdy rejeitou os argumentos da defesa de O´Dwyer contra seu pedido de extradição.

Para o advogado do jovem, Ben Cooper, seu ato não é considerado crime na Grã-Bretanha. Cooper alegou também que O´Dwyer não recebera tratamento adequado nos Estados Unidos.

A Justiça americana alega que o jovem lucrou mais de 230 mil dólares em publicidade com o site desde dezembro de 2010. A pena prevista par o crime nos Estados Unidos pode chegar até dez anos.

A mãe de O´Dwyer declarou-se decepcionada com a decisão do magistrado inglês.

09:37:21
Hamas incentiva hackers a declararem guerra eletrônica contra Israel
O movimento islâmico palestino Hamas pediu neste domingo aos hackers que aumentem seus ataques a sites oficiais, comerciais e financeiros de Israel, afirmou um porta-voz da organização em Gaza.
“O Hamas parabeniza as operações para invadir sites israelenses”, disse neste domingo em comunicado o porta-voz do Hamas, Sami Abu Zuhri.
Os atos de pirataria eletrônica, que se multiplicaram recentemente, “são a abertura de um novo campo de resistência à ocupação e o início de uma guerra virtual contra Israel”, afirmou.
Zuhri pediu “aos povos palestino e árabe para continuarem com a guerra eletrônica e buscarem formas de estimulá-la e desenvolvê-la”.

12:06:46
A pirataria e o consumo do cinismo
A hipocrisia é impressionante. Moralistas, os conheço de variadas matizes, esbravejam contra a corrupção generalizada – o que é pertinente – mas, não abrem a boquirrota indignação contra a corrupção no varejo. O caso mais emblemático é em relação a compra, principalmente, de CDs e DVds piratas. Essas mesmas pessoas que imputam a culpa do esgarçamento social a todos, da Presidente da República ao síndico do prédio, são as mesmas que, cinicamente, justificam o crime de adquirir produtos piratas com a indecente justificativa “O povo brasileiro compra pirataria para fugir dos impostos”.
José Mesquita – Editor 

Pirataria e desigualdade social
Você compra cds, dvds e outros produtos da indústria da pirataria? Ôpa, privataria é outra história (para compreender a privataria, só comprando “o livro maldito”). Você compra ou não compra os “piratas”?

Se compra, acha que está adquirindo algo roubado ou você diferencia o que é “pirataria” do que é “roubo”?
O Informe 2011 do Latinobarômetro faz interessante relação entre democracia, justiça social e hábitos como o de comprar produtos “piratas”.

O estudo revela que 6 em cada 10 latinoamericanos reconhecem que ao longo dos anos seus países lograram assegurar liberdades de expressão, religião, escolha profissional e de participação na política (nos tornamos democráticos, afinal), mas que a falta de certas garantias sociais e econômicas ainda é um abismo. Como se sabe, a péssima distribuição de riquezas é o espinho que mais incomoda na caminhada do continente rumo a um melhor quadro de justiça social.

As desigualdades ferem a alma do povo desta América Mestiça: além da renda, a desigualdade entre homens e mulheres; entre brancos, negros e indígenas; a desigualdade de oportunidades.

A pesquisa – que pode ser lida em www.latinobarometro.org – aponta ainda que maior proteção ao meio ambiente e à propriedade privada são temas na agenda de inquietações do continente. Mas a preocupação maior do povo latino está na falta de proteção contra o crime e a deliquência (queixa maior do que a relacionada a desemprego).

É nesta realidade de desigualdade e no sentimento de injustiça que os analistas do Latinobarômetro encontram explicação para o farto negócio da “pirataria”: os cidadãos buscam recompensas através do que chamam “fraude social”. A compra de produtos “piratas” seria uma destas formas. As outras são evadir impostos, simular doença para faltar ao trabalho e comprar algo sabendo que trata-se de produto roubado.

A maior parte da população latina não crê que produtos piratas e produtos roubados sejam a mesma coisa, e tem muito mais tolerância para com a pirataria. Equador, Bolivia e Brasil são os países onde mais se aceita a pirataria. De toda forma, a pirataria seria uma espécie de “recompensa”, enquanto roubo é roubo.
Geraldinho Vieira/blog do Noblat/O Globo 


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]