Por que não tem ONGS no Nordeste seco?

Brasil: da série “Perguntar não ofende!”
O texto abaixo, recebido por e-mail,  faz uma comparação entre o trabalho e a presença das Ongs estrangeiras na Amazônia e no Nordeste:

Você consegue entender isso?

Vítimas da seca:
Quantos? 10 milhões
Sujeitos à fome? Sim
Passam sede? Sim
Subnutrição? Sim
ONGs estrangeiras ajudando: Nenhuma

Índios da Amazônia
Quantos? 230 mil
Sujeitos à fome? Não
Passam sede? Não
Subnutrição? Não
ONGs estrangeiras ajudando: 350

Provável explicação:
A Amazônia tem ouro, nióbio, petróleo, as maiores jazidas de manganês e ferro do mundo, diamante, esmeraldas, rubis, cobre, zinco, prata, a maior biodiversidade do planeta (o que pode gerar grandes lucros aos laboratórios estrangeiros) e outras inúmeras riquezas que somam 14 trilhões de dólares.

O nordeste não tem tanta riqueza, por isso lá não há ONGs estrangeiras ajudando os famintos.

Tente entender:
Há mais ONGs estrangeiras indigenistas e ambientalistas na Amazônia brasileira do que em todo o continente africano, que sofre com a fome, a sede, as guerras civis, as epidemias de AIDS e Ebola, os massacres e as minas terrestres.

Agora, uma pergunta:
Você não acha isso, no mínimo, muito suspeito?

É uma reflexão interessante.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Incra dá R$ 44 milhões a ONG petista pró-MST

Brasil: da série “Perguntar não ofende!”

A mamata das ONGS, continua. Até guando os Tupiniquins assistiremos os nossos sofridos caraminguás escor por esse ralo?

Cadê a CPI da ONGS que não desintala no Senado?

O editor


A ONG Fundação de Estudos e Pesquisas Agrícolas e Florestais, em Botucatu, ganhou do Incra R$ 44 milhões nos últimos três anos para prestar “assistência técnica e capacitação de assentados em São Paulo”, ou seja, dar uma mãozinha ao MST. É uma ação entre “cumpanhêros”: um dos diretores da Fepag é Osmar Bueno, professor da Unesp, ex-presidente do PT e candidato à prefeitura da cidade.

Show de milhões

De pouco mais de R$ 15 milhões repassados em 2008 pelo Incra em São Paulo, R$11,6 foram para a ONG. Em 2005, pegou R$35 milhões.

A lógica técnica e econômica exigiria licitação de ONGs capacitadas para a tarefa, o que não é o caso da Fepag, como o próprio nome diz.

Encolheu

Mais curioso é que o número de desapropriações e, em consequência, de assentados, no governo Lula, é bem menor que no governo FHC.

coluna Claudio Humberto

Sarney e os atos secretos

Brasil: da série “perguntar não ofende”!

Assisto em noticiário na máquina cor de rosa, ops!, telejornais, que o inefável e “esquecido” Sir Ney mandou anular todos os atos secretos produzidos nas sarjetas do Senado Federal.

Ué!, como diz Zé Bêdêu, o derradeiro abestado crédulo da Praça do Ferreira, em Fortaleza, o bigodudo senador Timbira não tinha dito que não existiam atos secretos?

Como é que se anula o que não existe? Hein? Hein? Hein?

Politização na AGU

Brasil: da série “Perguntar não ofende”!

Apesar dos habituais jogos de interesses escusos que sempre nortearam as ações políticas-administrativa nos negócios do Estado Brasileiro – começou com Pero Vaz de  Caminha que pediu emprego para um sobrinho ao Rei de Portugal, quando do descobrimento do Brasil – , os Tupiniquins, acreditamos, piamente, que o gesto do Dr. Toffoli é eivado somente pelo interesse público.

Com mais esse exemplo de desprendimento por parte do Dr. Toffoli, será que permanecerão as implacáveis acusações do Senador Agripino ao PAC?

O editor

O Advogado-Geral da União, José Antonio Dias Toffoli, segue pavimentando seu caminho para o STF.

Na tentativa de dissipar eventuais dificuldades na sabatina do Senado Federal, a que se submetem os indicados para o cargo de Ministro do STF, Toffoli cedeu na semana passada o cargo de Procurador-Regional da União da 1ª região para o Dr. Manuel de Medeiros Dantas, afilhado político do senador Agripino Maia (DEM-RN) e candidato a deputado Federal pelo PFL (atual DEM) do Rio Grande do Norte nas últimas eleições.

Dantas defenderá as obras do PAC, principal programa do governo, no Judiciário até o final do mandato do presidente Lula em locais estratégicos como Distrito Federal, Bahia, Minas Gerais e toda a região Norte do país.

O Globo

Governo vai gastar R$ 534 milhões em publicidade

Brasil: da série “perguntar não ofende”!

Diante da fortuna que o governo irá gastar com publicidade, nenhum órgão de imprensa, bem com  jornalista que tem salário pago com esta verba tem estatura moral pra criticar esse mesmo governo?

Até Zé Bêdêu, o derradeiro abestado crédulo da Praça do Ferreira, em Fortaleza, sabe, que sem a publicidade do Banco do Brasil, Petrobras, Caixa Econômica, BNDES e outros grandes anunciantes estatais, diversos órgãos de imprensa não teriam condições financeiras para imprimir um folheto de cordel.

O único que resistiu a essa verba corrompedora de corações e mentes, a Tribuna da Imprensa, fechou após brava resistência de 60 anos.

Garganta profunda
A publicidade do governo vai engolir R$ 534 milhões do Orçamento de 2009.

Um crescimento de 35% sobre a despesa de 2008. Do total, R$ 155 milhões serão gastos pela Secretaria de Comunicação. Os restantes R$ 379 milhões ficarão para a farra dos ministérios, que gastarão sem dar satisfação a ninguém.

coluna Claudio Humberto

PSDB e PT unidos contra quebra de sigilos de políticos

Brasil: da série “Perguntar não ofende”.

Na hora do vamos ver, mais uma vez, o PT e PSDB, confirmam que são siameses no corporativismo para manter a “gentalha” de fora do butim.

O que essa turma tem a esconder?

Da coluna Claudio Humberto

PT e PSDB contra a quebra de sigilos

Algo de “estranho” acontece ao projeto do senador Cristovam Buarque (PDT-DF) que extingue sigilos bancário e fiscal de políticos no exercício do mandato. PT e tucanos como Tasso Jereissati (CE) se uniram contra a proposta, e Aloizio Mercadante (PT-SP) pediu “vista”, emperrando sua tramitação. Já o relator Pedro Simon (PMDB-RS), que parece favorável à idéia, quebrou o braço, foi operado e vai demorar a fazer seu parecer.

Ele, de novo
Quando parecia que o projeto de quebra de sigilos ia andar, Eduardo Suplicy (PT-SP) pediu para discuti-lo e se demorou até acabar a sessão.

Minisitro Joaquim Barbosa chama Ministro Eros Grau de burro

Brasil: da série “perguntar não ofende”!

Mais um edificante “exemplo” que a elite brasileira, a grande formadora de opinião, dá ao povo.

É o comportamento de suas (deles) excelências “referência” para que os brasileiros, sejamos mais “cordiais”?
Argh!

Blog do Josias de Souza

O Ministro Joaquim Barbosa exibe no STF um estilo peculiar. Traz no interior da boca uma língua sem papas. Virou atração do Youtube ao acusar o colega Gilmar Mendes de ser adepto do “jeitinho”. Depois, indispôs-se com Marco Aurélio Mello, que chegou a negar-lhe um aperto de mão.

Ministros do STF Eros Grau e Joaquim Barbosa

Trava com Eros Grau uma relação que tem mais baixos do que altos. Passaram um bom tempo sem trocar palavra.

Reconciliados graças à intermediação do boa-praça Carlos Ayres Britto, voltaram às turras.

Deve-se a nova contenda à decisão de Eros Grau de mandar soltar Humberto Brás, o preposto de Daniel Dantas na tentativa de compra de um delegado. Vai abaixo um resumo da nova encrenca, na pena do repórter Felipe Seligman, da Folha (só assinantes):

“Uma divergência jurídica entre os ministros do Supremo Eros Grau e Joaquim Barbosa se transformou, durante a semana, num bate-boca histórico do tribunal, conforme informou ontem Mônica Bergamo, colunista da Folha.

O estopim foi o habeas corpus concedido por Eros na última terça-feira a Humberto Braz, apontado pela Polícia Federal como o enviado de Daniel Dantas em tentativa de suborno para livrar o banqueiro e a família dele de investigação.

O desentendimento tem início na diferente visão jurídica de cada um. Em matéria penal, Barbosa levou do Ministério Público para o STF uma conduta considerada mais punitiva.

Já Eros tende a defender a liberdade e a inocência até condenação em última instância.

Tal ponto de vista de Barbosa o fez discordar radicalmente da decisão do colega, ao ponto de abordá-lo após sessão do TSE, segundo o site Consultor Jurídico, com a seguinte questão:

‘Como é que você solta um cidadão que apareceu no Jornal Nacional oferecendo suborno?’.

Teria então chamado Eros de “velho caquético” e dito que ele “tem a cara-de-pau de querer entrar na Academia Brasileira de Letras”, referindo-se a romances do colega.

No dia seguinte, a briga continuou, no Supremo.

No intervalo do plenário, por volta das 16h, Eros e os colegas Carlos Ayres Britto, Carlos Alberto Direito e Cezar Peluso faziam o tradicional lanche da tarde, acompanhados do procurador-geral da República, Antonio Fernando Souza, de assessores e seguranças, quando Barbosa entrou na sala.

‘Não gostei do que você escreveu [na decisão]’, disse para Eros, elevando o tom de voz. ‘O senhor é burro, não sabe nada. Deveria voltar aos bancos e estudar mais.’

‘Isso penso eu e digo porque tenho coragem. Mas os outros ministros também pensam assim, mas não têm coragem de falar. E também é assim que pensa a imprensa’, continuou Barbosa com o dedo em riste.

Eros pouco falou: ‘O senhor deveria pensar bem no que está falando’. Os demais ministros ficaram em silêncio.

Os dois só voltaram a se encontrar na última quinta-feira, também no TSE, sem aparentar desentendimentos.”

Perguntar não ofende

O juiz De Sanctis, se declara “exaurido” e sai de férias.

O delegado Protógenes, após 4 anos de investigações no “imbroglio” Daniel Dantas, abandona o inquérito para fazer um curso.

Gilberto Carvalho, que já foi chefe de gabinete do assassinado prefeito Celso Daniel e agora o é da Presidência da República, entrou de licença.

O Superintendente da Polícia Federal, está de férias.

Alguém aí pode apagar a luz?

Da série “perguntar não ofende” – Todo mundo tá limpo?

Campanha contra corrupção

Atores engajados em campanha contra corrupção, farão manifestação hoje no Congresso Nacional.

Como diz o verso da finada banda Blitz ” tá tudo muito bem, tá tudo muito bom, mas..”

A pergunta é: ninguém aí nunca estacionou na paralela, ou deu um jeitinho de “aliviar” uma multa de trânsito? Nem tão pouco recebeu salário, cachê de organizações, instituições – tipo Embrafilme -, atoladas até o pescoço em processos de corrupção?

Seguiremos, nós, a maioria, afirmando que no Brasil tá tudo errado, menos eu?