Clique Aqui>> Um olhar fora da bolha: Fatos & Fotos 15/07/2020

Paulo Skaf, que se reuniu com Bolsonaro, está com Covid-19.

*****

Um grande ponto de interrogação se coloca sobre o mundo neste momento: o que vai acontecer depois da pandemia de covid-19?

A pergunta recai sobre as coisas mais mundanas e concretas — como quando voltaremos a dar as mãos ou abraçar nossos amigos — até as mais abstratas e aparentemente mais distantes: nossas liberdades individuais serão afetadas?
O que acontecerá com o capitalismo? Será o fim da globalização? A alternativa para os próximos 20 anos é uma forma sustentável de capitalismo, que não será vista como capitalismo.

*****

Escultura de Philip Jackson

*****

A conduta do governo federal perante a pandemia configura o crime de genocídio, à luz do art. 6º do Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional.

*****

*****

Pintura de Heinrich Vogeler, “Frühling”,1897

*****

Odebrecht cita Temer em acordo de delação, diz revista

Durante um jantar realizado no Palácio do Jaburu em 2014, o então vice-presidente pediu “apoio financeiro” ao empresário, que repassou R$ 10 milhões em dinheiro vivo para campanhas de aliados de Temer.

Eleições,Tribunal Superior Eleitoral,PMDB,TSE,Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf,Brasil,Eliseu Padilha,Marcelo Odebrecht,Michel Temer,Blog do Mesquita

Deste total, R$ 6 milhões foram para Padilha e os R$ 4 milhões restantes tiveram como destinatário o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf – então candidato ao governo de São Paulo e apontado como o responsável pela articulação do jantar no Jaburu.

O anexo da delação obtido pela revista informa que a doação foi registrada na contabilidade do setor de operações estruturadas da Odebrecht – conhecido como o “departamento de propina” da empresa. Questionado sobre o assunto, Temer confirmou a realização do jantar em 2014, mas disse que conversou com o empresário “sobre auxílio financeiro da construtora Odebrecht a campanhas eleitorais do PMDB, em absoluto acordo com a legislação eleitoral em vigor e conforme foi depois declarado ao Tribunal Superior Eleitoral”.

O TSE registrou três repasses no período que somaram R$ 11,3 milhões em doação da empresa para o PMDB nas eleições de 2014. No entanto, na delação consta que o recursos repassados a pedido de Temer foram contabilizados no “caixa paralelo” da construtora.

O presidente interino não disse se o pedido de “apoio financeiro” partiu dele ou se foi oferecido por Marcelo Odebrecht. A assessoria do ministro Eliseu Padilha enviou uma nota de esclarecimento para a revista, e diz que o peemedebista não recebido recursos da empresa.

“Como Eliseu Padilha não foi candidato, não pediu nem recebeu ajuda financeira de quem quer que seja para sua eleição”, informou a assessoria. Porém, o ministro confirmou o encontro com Temer e Odebrecht. “Lembro que Marcelo Odebrecht ficou de analisar a possibilidade de aportar contribuições de campanha para a conta do PMDB, então presidido pelo presidente Michel Temer”, disse Padilha.

Skaf também negou ter recebido doações da construtora, e disse que sua campanha contabilizou apenas a doação de R$ 200 mil da Braskem, petroquímica controlada pela Odebrecht.

Os executivos da construtora ainda não tiveram a delação premiada homologada. Nesta etapa eles estão sendo ouvidos pelos investigadores da força-tarefa e, ao término desta fase, a Justiça ainda precisa aprovar os depoimentos.
Fonte:Congresso em Foco

Leia sobre a reportagem no site da Revista Veja

Tópicos do dia – 17/12/2011

08:05:21
Ministro Fernando Pimentel a as “palestras”.
Só tem gaiato nesse ‘paiz’.
O Ministro Fernando Pimentel quer nos convencer que fechava, DE FORMA VERBAL, contratos para palestras no valor de R$ 450 MIL!!! Uáu!
Essa, nem Zé Bêdêu, o derradeiro abestado crédulo da praça do Ferreira, em Fortaleza – a angelical criatura acredita até no Ricardo Teixeira – “engole”.

08:15:28
Battisti: quando o crime compensa
O ‘pop star’  e ídolo dos esquerdetes de boutique Cesare Battisti, continua desfrutando das delícias da impunidade. A decisão do Presidente da República esta calcada na CF, legal, mas não moral, como pregava St. Agostinho. Assim o terrorista vai aproveitando o “far niente” dos Tupiniquins. A chance de devolvê-lo pras plagas da “mamma” estão agora na irregularidade da permanência dele aqui, pois como entrou com passaporte falsificado no Brasil, está em situação ilegal, e isso é crime. Veremos como D. Dilma irá resolver esse “imbroglio”. Pelo visto, em breve estará atuando como comentarista de TV, será destaque de alguma escola de samba – outra indecência, pois até as pedras sabem que são financiadas pelo narcotráfico e pelo crime organizado, mas os hipócritas que gostam de samba calam-se – e montará uma consultoria de qualquer coisa, apresentado, como soi ser nesses casos contumazes, uma renda estratosférica por palestra conferida, e aumento exponencial de patrimônio. Já ladrão de galinha amarga os rigores da lei em presídos que fariam outro Cesare, o Beccaria corar.

08:24:52
Dilma e pesquisas
Pesquisa do Ibope revela aumento da aprovação de Dilma Rousseff
A pesquisa foi encomendada pela Confederação Nacional da Indústria – e tem margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos.
A mais nova pesquisa Ibope sobre a avaliação do governo registrou um recorde histórico. A aprovação do governo da presidente Dilma Rousseff é a maior registrada durante o primeiro ano de um mandato presidencial.
A pesquisa foi encomendada pela Confederação Nacional da Indústria – e tem margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos.
Em março, 56% avaliavam o governo Dilma como ótimo ou bom. Em julho, o índice caiu para 48. Em setembro, foi a 51%. E, agora em dezembro, subiu para 56%.
Consideravam o governo regular 27%. Depois, 36%, 34% e agora 32%.
Os que consideravam o governo ruim ou péssimo eram 5%. Depois, 12%, 11% e agora 9%.
Não souberam ou não responderam 11% em março, 4% em julho e em setembro. E 3% em dezembro.

Em março, 73% aprovavam a maneira como a presidente governava o país. Em julho, a aprovação caiu para 67%. Em setembro, foi a 71% e em dezembro a 72%.
Desaprovavam, 12%. Depois, 25% e 21% nas duas últimas pesquisas.
Não souberam ou não responderam, 14% em março, 8% das duas pesquisas seguintes e agora 7%.
O Ibope ouviu 2002 eleitores em 142 municípios – do dia 2 ao dia 5 de dezembro.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Eleições 2010: a guerrilheira Dilma apoia o capitalista Paulo Skaf, o algoz da CPMF, para o governo de São Paulo

Brasil: Da série “me engana que eu gosto”!

Não sei se a melhor definição pra gentalha que compõe a política partidária no Brasil é do “samba do afro brasileiro doido”, da “geléia geral, ou do “fazemos qualquer negócio”. Ou todos! E mais alguns!

A decência ideológica e a integridade de princípios são critérios que a corja desconhece com o cinismo dos boçais e irresponsabilidade dos inconsequentes. Com seus (deles) exemplos vão formando uma geração de brasileiros sem a menor noção do que seja ética moral e coerência cidadã. De Dilma à Collor, de Serra à Orestes Quércia assistimos, em nome dos “podres poderes” ao mais desavergonhado exercício da mais rasteira politicalha!

O Editor


Dilma faz campanha ao lado de Skaf, algoz da CPMF

No Brasil dos últimos tempos, a coerência política é uma velha maluca que faz tricô enredando-se nas linhas de suas próprias contradições.

Vem daí que, nesta segunda (23), depois de panfletar em porta de fábrica ao lado de Lula e Aloizio Mercadante, Dilma Rousseff foi ao encontro de Paulo Skaf.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Assim como Mercadante, Skaf é candidato ao governo de São Paulo. Mas Dilma não vê contradição no fato de fazer campanha para os dois:

“Nós temos candidatos muito preparados em São Paulo. E não vejo nenhum problema…”

“…Não concordo é em manter por mais quatro anos no governo um partido [PSDB] que está há 16 anos e não avançou muito na educação, por exemplo”.

Tampouco Skaf parece incomodado com a dupla militância da neoaliada: “Ela mesma disse que apoia dois candidatos em São Paulo”.

Recue-se, por oportuno, ao ano da graça de 2007. Tramitava no Senado a emenda constitucional que prorrogava a vigência da CPMF, o imposto do cheque.

Presidente da Fiesp, cargo do qual encontra-se licenciado, Skaf associara-se naquela época às tropas do DEM e do PSDB, contra os exércitos do governo Lula. Prevaleceu.

Hoje, não há comício de Dilma em que Lula não recorde o “golpe” da oposição. Repete à exaustão que a derrubada da CPMF tirou R$ 40 bilhões da saúde.

Mas Dilma não vê incongruência no apoio a Skaf, agora um ex-capitalista, recém-filiado ao PSB (Partido Socialista Brasileiro).

Skaf frequenta as pesquisas na condição de candidato nanico. No Datafolha, dispõe de irrisórios 2%. Interessa ao petê Mercadante, com 16%, que ele suba.

Por quê? O consórcio governista sua a camisa para impedir que o tucano Geraldo Alckmin, com 54%, feche a conta já na primeira rodada do pleito.

Assim, não há rusga que resista à conveniência da borracha quando o que está em jogo é o desejo de impor ao tucanato uma derrota em sua principal cidadela.

E a coerência, cada vez mais velha e mais maluca, segue o trançar de agulhas. Nunca antes na história desse país o suprimento de novelos foi tão abundante.

blog Josias de Souza

Eleições 2010. Donos da Valisère se filiam ao PT. Acreditem!

Brasil: da série “cuméquié?”

Tupiniquins, Tapebas, Tupinambás, Timbiras e demais tribos desse Brasil varonil, que acreditam em Saci-Pererê, Mula sem Cabeça, Boi Tatá, Caipora, e todos aqueles que acreditam que “a crise não é minha. A crise é do Senado!”

“Ôceis nun tão sabendo?” Então lá vai!

Tá “assim” de capitalistas, empresários e “socialites” — esse é o nome sofisticado que agora se dá pra dondoca — virando petista de carteirinha. Todos jurando amor eterno pela estrela vermelha, e que são amigos do ‘cara’ desde criancinha.

Quer dizer então que essa turma não tem mais ‘nadica’ de medo do sapo barbudo? Ou, para os adeptos de teorias conspiratórias, esse não será um plano maquiavélico para se infiltrarem nas hostes petralhas e avacalharem, com todo o respeito às vacas, com os barbudinhos de língua ‘plesa’?

Bom, depois do dono da Natura Cosméticos, Guilherme Leal, se filiar ao PV da Marina Silva, — aliás, será que esse neo ecológico político do PV, assim como Gabeira, será também um defensor do ‘mato’? — é bem possível acontecer a filiação de Antonio Ermírio de Moraes a PSOL da esgoelada Heloísa Helena.

Mesmo Zé Bêdêu, o derradeiro abestado crédulo da Praça do Ferreira, em Fortaleza — para a ingênua e alencarina criatura, o mensalão não existiu, o Paulo Coelho e o Sarney são escritores, o DEM não tem nada a ver com o PFL… — não entendendo nada desses neo-socialistas perguntou: “será que a Daslu passará a abrigar a sede do PT?”

O editor

PS 1. Qual foi mesmo o compositor que cantou “parem o mundo que eu quero descer?”


Ivo e Eleonora Rosset filiam-se ao PT

O presidente da Valisère, Ivo Rosset, e sua mulher, a psicanalista Eleonora Rosset (ex-Mendes Caldeira), vão se filiar amanhã ao Partido dos Trabalhadores. O evento está marcado para as 11 horas na Câmara Municipal de São Paulo e está sendo organizado pelo Diretório Municipal da legenda.

As principais lideranças do PT, inclusive o presidente nacional, Ricardo Berzoini, devem marcar presença na cerimônia que marca a entrada oficial do casal no partido.

Ivo Rosset foi um dos primeiros empresários de peso a apoiar publicamente o então candidato petista Luiz Inácio Lula da Silva na campanha presidencial de 2002. Já sua mulher Eleonora é reconhecida no partido como uma antiga militante ’sem ficha’, em razão de ter capitaneado ao longo de anos eventos em prol de candidaturas petistas, como a da ex-prefeita Marta Suplicy.

O casal organizou em setembro de 2002, em pleno auge da campanha presidencial, um dos mais badalados jantares em apoio a Lula, reunindo em sua residência centenas de convidados da alta sociedade paulistana e boa parte do PIB do País, como Benjamin Steinbruch, Horácio Lafer Piva, José Mindlin, Cláudio Bardella e Eugênio Staub.

O casal também apoiou Lula na campanha pela reeleição em 2006. De acordo com lideranças petistas, o dono da Valisère sempre externou seu apoio à condução da política econômica nos dois mandatos do presidente Lula, principalmente em razão das medidas de estímulo ao crescimento econômico promovidas pela equipe do governo petista.

O próximo dia 03 de outubro é a data limite imposta pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para a filiação partidária e transferência de domicílio eleitoral para quem deseja concorrer a algum cargo nas eleições gerais de 2010.

Agência Estado