Eleições 2010: Pesquisas mostram início de possível onda pró-Serra

Marina, aborto, Erenice, Lula raivoso, não necessariamente nessa ordem, podem ter contribuído para a fuga de votos da maternidade da mãe do PAC.

O Editor


As 4 pesquisas divulgadas até agora sobre a disputa pelo Palácio do Planalto mostram a formação de uma possível onda pró-José Serra (PSDB).

Ainda serão necessárias outras sondagens para qualificar o solavanco sofrido por Dilma Rousseff (PT), mas é nítido que neste segundo turno a petista perdeu “momentum”.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Eis um resumo das 4 pesquisas já divulgadas neste segundo turno:

* CNT/ Sensus (11-13.out) – Dilma 46,8% X 42,7% Serra (diferença entre ambos: 4,1 pontos) (margem de 2,2 pontos percentuais)

* Ibope (11-13.out) – Dilma 49% X 43% Serra (diferença entre ambos: 6 pontos) (margem de 2 pontos percentuais)

* Vox Populi (10-11.out) – Dilma 48% X 40% Serra (diferença entre ambos: 8 pontos) (margem de 1,8 ponto percentual)

* Datafolha (8.out) – Dilma 48% X 41% Serra (diferença entre ambos: 7 pontos) (margem de 2 pontos percentuais)

Essas pesquisas não são comparáveis por serem realizadas com metodologias diferentes. Mas é possível dizer 1) todas apontam uma diferença sempre abaixo de 10 pontos entre Dilma e Serra e 2) a diferença entre a petista e o tucano parece se estreitar cada vez mais.

Dá para dizer que uma virada vai acontecer? Não, não dá. Mas seria temerário agora fazer qualquer tipo de prognóstico.

Ao que tudo indica, tem surtido efeito a estratégia tucana de comparar biografias e de atrair o eleitorado mais conservador.

Do seu lado, Dilma tem mostrado pouco o presidente Lula em suas propagandas. Só quando ela apareceu intensamente ao lado do seu padrinho político é que registrou altas nas pesquisas durante o primeiro turno.

Mas agora paira uma dúvida sobre a equipe de campanha petista: não se sabe se a imagem presidencial funcionaria mais como um remédio ou um veneno –ao reforçar a percepção de que a candidata governista não consegue andar com as próprias pernas.

blog de Fernando Rodrigues

Eleições 2010: Código Florestal e o apoio de Marina Silva à Serra

Na realidade a ex-ministra do governo do mensalão do PT, quer impor condições que ela não cupriu e não teria competência, nem apoio, para fazê-las
O Editor


Código Florestal dificulta apoio do PV a Serra

Partido de Marina Silva quer garantia de veto a proposta de redução de áreas de reserva legal e anistia a desmatadores

Pedido põe tucanos em saia justa, por causa da força da base ruralista em bolsões aliados do Sul e do Centro-Oeste

A exigência do PV para que José Serra (PSDB) se comprometa a barrar o novo Código Florestal tornou-se o principal entrave na campanha tucana para incorporar o programa de governo de Marina Silva (PV).[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

O documento do PV chegou ontem ao comitê de campanha de Serra, enviado por e-mail pelo presidente do PV, José Luiz Penna (SP).

“Com as melhores saudações verdes, encaminho propostas do PV e da senadora Marina Silva ao programa de governo”, diz o e-mail enviado por Penna.

Nas seis páginas, o sétimo item da “Agenda por um Brasil justo e sustentável” cobra “o veto a propostas de alteração do Código Florestal que reduzem áreas de reserva legal, preservação permanente ou promovam anistia a desmatadores”.

Segundo a Folha apurou, os tucanos já descartaram a possibilidade de adesão integral ao programa.

Segundo integrantes do comando da campanha, o compromisso de Serra é não permitir a aprovação imediata do novo Código Florestal, comprometendo-se a construir uma fórmula de consenso nos seis primeiros meses de seu eventual governo.

blog do Noblat

Eleições 2010: Marina Silva coloca PSDB e PT na mesma vala do atraso ambiental

A pré-candidata do Partido Verde à Presidência da República, Marina Silva, usou a moto serra, sem trocadilhos, do verbo, para dar uma ‘podada’ na arcaica política desenvolvimentista neo liberal, associada aos tucanos, e à paternalista, associada a Dilma Rousseff.
Marina quer um olhar mais moderno do desenvolvimento sustentável, bandeira do Partido verde. A proposta de Marina propõe uma economia sustentável praticada por todo o planeta.

O Editor

Marina Silva associa PT e PSDB a atraso ambiental

De um lado, a velha e defasada política desenvolvimentista, associada ao tucano José Serra e à petista Dilma Rousseff. Do outro, a visão moderna, defendida pelos verdes e sintonizada com a economia sustentável que avança pelo planeta.

Foi assim que Marina Silva se apresentou ontem ao eleitorado na festa de lançamento de sua pré-candidatura, na casa de shows RioSampa, em Nova Iguaçu, Baixada Fluminense.

No evento — que confirmou o nome do empresário Guilherme Leal, dono da Natura, como pré-candidato a vice-presidente em sua chapa — Marina abandonou o habitual tom diplomático de seu discurso para marcar a diferença dos verdes frente aos candidatos de PT e PSDB:[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

— As duas candidaturas são muito parecidas: estão discutindo desenvolvimento pelo desenvolvimento, velho paradigma do século XX, quando o mundo inteiro está mudando: a China, o Obama, que está fazendo um investimento muito grande na economia de baixo carbono. E o Brasil ainda está fazendo o discurso do século XX.

Em sua primeira aparição pública ao lado da pré-candidata, o cantor e compositor Gilberto Gil, ex-ministro da Cultura do governo Lula (2003-2008), reforçou as críticas de Marina.

Depois de levantar o público ao cantar “Andar com fé” fazendo uma leve mudança na letra (“Andá com Marina eu vou, que a fé não costuma faiá”), Gil disse que os verdes levam o debate para novos patamares:

— A candidatura da Marina desloca muitas coisas para além do desenvolvimentismo clássico, ao qual vários partidos, o PT e o PSDB, inclusive, estão atados.

Apesar dos elogios ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, do mesmo PSDB que deverá unir-se aos verdes no Rio, Marina disse temer que a visão desenvolvimentista dos petistas — “o PT não se conectou ao século XXI” — e tucanos custe caro ao país futuramente.

A exemplo de Lula, a pré-candidata apelou até para uma metáfora de futebol para criticar a estagnação nacional, enquanto o mundo estaria elaborando um novo pensamento para os velhos problemas em relação à destruição ambiental:

— Daqui a pouco, o carbono vai estar “precificado”, vamos ter barreiras tarifárias e um monte de consequências. Continuamos olhando para onde a bola está e não para onde ela vai estar.

Chico Otavio e Ludmilla de Lima/O Globo

Eleições 2010: Presidente da Natura será o vice de Marina Silva

Marina Silva anunciou o empresário Guilherme Leal, da Natura, como seu vice.
Foto: Carolina Laureano

‘Convocação é impossível de ser negada’, afirmou o presidente da Natura.

Artistas e o pré-candidato ao governo do RJ Gabeira estão presentes.

O presidente da Natura, Guilherme Leal, foi anunciado neste domingo (16) como candidato à vice-presidente da República na chapa do Partido Verde encabeçada pela senadora Marina Silva. O evento do PV acontece em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.

Foi Marina quem anunciou Leal, mas ela ainda não tinha feito o seu discurso até às 13h35.

O empresário afirmou: “Não foi uma decisão fácil (aceitar a candidatura), mas essa convocação é impossível de ser negada”, disse Leal: “é com enorme satisfação, entusiasmo e senso de grande responsabilidade que aceito o convite do PV”.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

“Meu ingresso na vida política e minha falta de experiência me deixam sem a fluidez de discurso que tem Marina, (Fernando) Gabeira, e outros companheiros, mas a emoção é grande”, afirmou também Leal, citando o pré-candidato ao governo do RJ pelo partido, Fernando Gabeira.

Além de Gabeira, estão presentes na mesa: a cantora Adriana Calcanhotto, o cantor e ex-ministro Gilberto Gil, o poeta amazonense Thiago Melo entre outros.

Carolina Lauriano/G1

Eleições 2010: Marina Silva ataca o PAC II

A “verde” Marina Silva, fica “roxa” de indignação quando se refere as estripulias eleitoreiras do PAC II, comandadas pelo chefe dos Tupiniquins e sua pupila, Dilma Rousseff.
O Editor


Marina: PAC-2 é ‘colagem de obras eleitoreiras’

Em Recife, onde vai visitar várias cidades, candidata à Presidência critica Lula e Dilma e faz elogios a Serra

Um dia após o lançamento do PAC-2, a senadora Marina Silva (PV-AC), pré-candidata a presidente, classificou ontem o programa como uma “colagem de obras com finalidade político eleitoreira”.

Autor: Sinfrônio-Jornal Diário do Nordeste

Ela disse que o PAC é “uma marmita com muitas coisas requentadas”. Ao lembrar que o PT, partido ao qual foi filiada, “sempre reclamou muito desse tipo de conduta”, Marina disse que o presidente Lula deveria dar o exemplo, para que isso não ocorresse.

— Em meu entendimento, a Justiça já demonstrou que há o uso político dessas inaugurações, uma vez que o presidente já foi multado duas vezes por ter tratado a ministra Dilma Rousseff como candidata nesses eventos — disse Marina, durante entrevista na sede da Federação das Indústrias de Pernambuco.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

— Os poderes da Nação têm que cumprir a lei. É muito negativo ter, ao tempo todo, essa sensação de extrapolação do cumprimento da legislação eleitoral. O PT sempre reclamou muito desse tipo de conduta e é lamentável que aconteça.

Marina foi recebida no aeroporto dos Guararapes, no Recife, por militantes do PV que agitavam bandeiras. Hoje, ela vai a cidades da região agreste de Pernambuco, como Garanhuns e Brejo da Madre de Deus.

Em Brejo, vai ao vilarejo de Fazenda Nova, onde assiste ao espetáculo sacro da Paixão de Cristo, encenado na Nova Jerusalém.

No Recife, ela cumpriu uma agenda carregada, que incluiu palestras, visitas a entidades culturais e empresariais, e ainda a participação no seminário Pós-Cop 15, sobre mudanças climáticas, onde foi aplaudida de pé, depois de fazer críticas à atuação de Dilma Rousseff, durante a COP-15, a conferência mundial, que aconteceu em Copenhague.

Marina disse que Dilma perdeu uma boa oportunidade de lutar contra a “agenda suja” dos países ricos, e que a atuação da ministra chegou a deixar Lula preocupado:

— Se o Brasil, que é um país emergente, tivesse doado US$ 1 bilhão, teria provocado um constrangimento ético nos demais, que poderiam aumentar a contribuição — lembrou, referindo-se ao fato de Dilma ter se negado a contribuir com o fundo internacional de US$ 10 bilhões, proposto pela União Europeia, para financiar iniciativas que possam minorar aquecimento global.

Ela poupou outro adversário na eleição presidencial, o governador de São Paulo, José Serra (PSDB). Até elogiou a “proposta ousada” com relação às mudanças climáticas, já que o estado assumiu a meta de reduzir em 20% as emissões efetivas de gases poluentes.

De Letícia Lins/O Globo

Eleições 2010: Marina Silva lança blog e twitter

Marina turbina presença na internet com blog e Twitter

Blog ‘Minha Marina’ mostrará rotina de pré-candidata ao Planalto.

Página tem semelhanças com site utilizado por Obama na campanha.

De olho nas eleições de outubro, a pré-candidata do Partido Verde à Presidência, senadora Marina Silva, turbinou nessa semana sua presença no mundo virtual.

A senadora estreou quarta-feira (3) o blog “Minha Marina”, onde promete, já no primeiro post, mostrar sua rotina de candidata. Na quinta (4), voltou a escrever em sua página na rede de microblogs Twitter, criada em 22 de janeiro.

[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]Antes de Marina, o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), foi o primeiro presidenciável a apostar no Twitter, em junho de 2009. Hoje, o tucano conta com 162 mil seguidores. Sem qualquer divulgação, a senadora do PV arregimentou em 14 dias mais de 1,3 mil seguidores. A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, que deverá disputar a Presidência pelo PT, não tem perfil no site.

Semelhanças com Obama

Além das postagens em estilo de diário, o blog “Minha Marina” reúne biografia, artigos e fotos da senadora. A novidade fica por conta de uma aba de “Fatos e Versões”, onde ela pretende responder a boatos venham a surgir durante a campanha eleitoral e esclarecer sua opinião sobre assuntos polêmicos.

Espaço semelhante era usado pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, durante sua vitoriosa campanha, em 2008. Aliás, o nome da página de Marina remete ao utilizado por Obama (www.my.barackobama.com), assim como a foto da senadora, cujo estilo parece o utilizado em um famoso cartaz do presidente dos Estados Unidos. Marco Mroz, um dos coordenadores da campanha da senadora, diz que o desenho foi feito por uma comunidade indígena da Amazônia.

Polêmicas

A primeira polêmica abordada por Marina foi a descriminalização do aborto. A senadora defende um plebiscito para decidir sobre o assunto.

“Eu não faria um aborto e não advogo em favor dele”, escreveu Marina. “Mas reconheço que existem argumentos relevantes dos dois lados da discussão. Essas situações acontecem em momentos de muito sofrimento e desamparo e não podem ser tratadas de forma simplista e maniqueista.”

Twitter

No Twitter, Marina, por enquanto, mantém o foco em informações sobre as articulações para sua candidatura, sem contar detalhes de seu dia-a-dia, como fazem outros políticos. A primeira postagem da senadora deu o tom pretendido para sua campanha: “Espero que esta campanha seja feita com debates e não com embates.”

Marina já demonstra habilidade em interagir com seus seguidores – requisito fundamental para um perfil bem sucedido em redes sociais. Só hoje, até o início da tarde, a senadora já havia respondido a 13 mensagens de leitores, com muitos agradecimentos e “risadas” virtuais.

Ela aproveitou ainda para elogiar a atuação de Heloísa Helena, presidente do PSOL. “Tenho imensa gratidão pela forma como Heloísa Helena conduziu a negociação de apoio ao PV. Ela é uma irmã e vou fazer tudo para ela se reeleger”, disse, em referência à possível candidatura ao Senado de Heloísa. Atualmente, a ex-senadora é vereadora em Maceió.

Eleição de 2010 vai passar pelo Twitter e pelos blogs, diz Dilma

Para marqueteiros, campanha na internet deve buscar interação com eleitor

Agência Estado
siga o Blog do Mesquita no Twitter

Eleições 2010. Donos da Valisère se filiam ao PT. Acreditem!

Brasil: da série “cuméquié?”

Tupiniquins, Tapebas, Tupinambás, Timbiras e demais tribos desse Brasil varonil, que acreditam em Saci-Pererê, Mula sem Cabeça, Boi Tatá, Caipora, e todos aqueles que acreditam que “a crise não é minha. A crise é do Senado!”

“Ôceis nun tão sabendo?” Então lá vai!

Tá “assim” de capitalistas, empresários e “socialites” — esse é o nome sofisticado que agora se dá pra dondoca — virando petista de carteirinha. Todos jurando amor eterno pela estrela vermelha, e que são amigos do ‘cara’ desde criancinha.

Quer dizer então que essa turma não tem mais ‘nadica’ de medo do sapo barbudo? Ou, para os adeptos de teorias conspiratórias, esse não será um plano maquiavélico para se infiltrarem nas hostes petralhas e avacalharem, com todo o respeito às vacas, com os barbudinhos de língua ‘plesa’?

Bom, depois do dono da Natura Cosméticos, Guilherme Leal, se filiar ao PV da Marina Silva, — aliás, será que esse neo ecológico político do PV, assim como Gabeira, será também um defensor do ‘mato’? — é bem possível acontecer a filiação de Antonio Ermírio de Moraes a PSOL da esgoelada Heloísa Helena.

Mesmo Zé Bêdêu, o derradeiro abestado crédulo da Praça do Ferreira, em Fortaleza — para a ingênua e alencarina criatura, o mensalão não existiu, o Paulo Coelho e o Sarney são escritores, o DEM não tem nada a ver com o PFL… — não entendendo nada desses neo-socialistas perguntou: “será que a Daslu passará a abrigar a sede do PT?”

O editor

PS 1. Qual foi mesmo o compositor que cantou “parem o mundo que eu quero descer?”


Ivo e Eleonora Rosset filiam-se ao PT

O presidente da Valisère, Ivo Rosset, e sua mulher, a psicanalista Eleonora Rosset (ex-Mendes Caldeira), vão se filiar amanhã ao Partido dos Trabalhadores. O evento está marcado para as 11 horas na Câmara Municipal de São Paulo e está sendo organizado pelo Diretório Municipal da legenda.

As principais lideranças do PT, inclusive o presidente nacional, Ricardo Berzoini, devem marcar presença na cerimônia que marca a entrada oficial do casal no partido.

Ivo Rosset foi um dos primeiros empresários de peso a apoiar publicamente o então candidato petista Luiz Inácio Lula da Silva na campanha presidencial de 2002. Já sua mulher Eleonora é reconhecida no partido como uma antiga militante ’sem ficha’, em razão de ter capitaneado ao longo de anos eventos em prol de candidaturas petistas, como a da ex-prefeita Marta Suplicy.

O casal organizou em setembro de 2002, em pleno auge da campanha presidencial, um dos mais badalados jantares em apoio a Lula, reunindo em sua residência centenas de convidados da alta sociedade paulistana e boa parte do PIB do País, como Benjamin Steinbruch, Horácio Lafer Piva, José Mindlin, Cláudio Bardella e Eugênio Staub.

O casal também apoiou Lula na campanha pela reeleição em 2006. De acordo com lideranças petistas, o dono da Valisère sempre externou seu apoio à condução da política econômica nos dois mandatos do presidente Lula, principalmente em razão das medidas de estímulo ao crescimento econômico promovidas pela equipe do governo petista.

O próximo dia 03 de outubro é a data limite imposta pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para a filiação partidária e transferência de domicílio eleitoral para quem deseja concorrer a algum cargo nas eleições gerais de 2010.

Agência Estado

Eleições 2010: Marina Silva também quer um milionário ‘pra chamar de seu’

Nos rastro, nada a ver com o antigo perfume Rastro (ainda existe?), da trilha percorrida por Lula para chegar à presidência — misturou metalurgia, ele próprio, Lula, com tecelagem, o vice José Alencar , a nossa ‘jungle girl’ acreana também faz alianças díspares de olho no Palácio do Planalto.

O editor


A mistura de creme Avon com Saci-Pererê deu em política

Guilherme Leal, um dos bilionários brasileiros, dono da Natura, filiou-se ao PV de Marina Silva. É cotado para vice na chapa. O Brasil é mesmo engraçado. É claro que Lula e Marina têm muita coisa em comum. Também ele quis um “bilionário” para chamar de seu: José Alencar.

Leal confere, digamos, densidade a Marina Silva junto àquilo que antes se chamava capital — e que, hoje em dia, sei lá, poderia ser chamado de “setor empenhado em disponibilizar recursos para o exercício da cidadania por meio da geração social de riqueza…”

Marina já está andando pra cima e pra baixo com publicitários amigos de Leal, um dos grandes anunciantes do país. Sua empresa tem, sem dúvida, uma história impressionante de sucesso. Esse negócio de juntar creme Avon com Saci-Pererê e Boi-Tatá foi uma sacada realmente inteligente. E Marina, como ninguém, simboliza essa síntese.

blog Reinaldo Azevedo

Eleições 2010. PSDB muda a cantilena de críticas ao Lula

Brasil: da série “cumequié?”

Ora, ora, ora! Não é de dar nó em pingo d’água? O Lula e a petralhada devem estar rindo “à bandeiras despregadas”. Quem tem um PSDB desses como oposição pra que precisa do PT?

O Serra, que não é bobo, montado em pesquisas, trabalha para descolar sua (dele) imagem da de FHC. Tanto para a caminhada rumo ao planalto, como para permanecer no governo de São Paulo.

PSDB quer abandonar crítica a projetos de Lula

Estratégia é dar ‘visão positiva’ sobre programas sociais e esquecer discurso da “porta de saída”.

O comando nacional do PSDB está orientando o partido a dar uma “visão positiva” dos programas sociais do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na campanha eleitoral de 2010, afirmou ontem o presidente da legenda, senador Sérgio Guerra (PE). O parlamentar disse que a legenda não permitirá “nem de longe” a disseminação da ideia de que, se vencer, acabará com esses projetos – apenas o Bolsa-Família atende mais de 11 milhões de famílias. Segundo o senador, pesquisas mostram que as maiores dificuldades da legenda ocorrem em regiões onde há concentração dessas iniciativas do governo federal.

Agora, os tucanos deverão abandonar as críticas ao programa e reconhecer que seu desenvolvimento foi correto. “A orientação do partido é dar essa visão positiva dos programas, reconhecer os programas do governo Lula, elogiar o que têm de positivo e desenvolver propostas. Nada que tenha a ver com aquela história de porta de saída. Porta de saída é tudo que a gente precisa para se dar mal. Não é nada”, disse Guerra.

Com medo de perder votos, o PSDB, assim, abandonará uma das principais críticas que fazia à área social do governo Lula – a de que seus programas tornariam os beneficiários dependentes da ajuda e sem alternativas para ter uma vida econômica sem ajuda do Estado. O senador comandou reunião da bancada federal tucana para discutir as eleições de 2010, no Hotel Sheraton Barra, da Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio.

Guerra disse que todos ou quase todos os programas sociais foram inventados pelo PSDB (que governou o País de 1995 a 2002) e desenvolvidos pelo presidente Lula, com cujo governo acabaram identificados. “Achamos que o desenvolvimento foi correto. Isso é verdade”, elogiou. “O que vamos ter é propostas para essa área social, muito precisas.” Ele afirmou que, em 2006, no segundo turno, foi organizado no Nordeste um “projeto de massificação da ideia” de que o PSDB, se vencesse, acabaria com os programas sociais.

Wilson Tosta, RIO – O Estado SP