Fidel: um a menos

orlando-zapatapreso-politicocubafidel-castroblog-do-mesquitaA mídia brasileira é um lixo…vocês já sabem né?

Pois é. As obras do Lula/Dilma/BNDES – Porto de Mariel e outros tais – em Cuba, foram demonizadas durante os 13 anos dos governos dos vermelhinhos. Fidel e o hermano foram reduzidos a nitrato de pó de pe*do pelos globais globalistas e pelos “consultores” do Soros.

Agora o Demo de lá ‘cola o relé’, ‘bate a cassuleta’, e desde as 5h da manhã – GloboNews no topo – que essa mídia esc**ta enche o saco com o trololó sobre o ditador.
E os “líderes” mundiais também ‘bodejam’ sobre.
Obozo, o vaselina, lamenta a morte do “histórico líder” hahaha – Ivan o Terrível, Ricardo III, Hitler, Saladino, Calígula, Gegis Khan, Ratko Mladic (aos livros. Eia! Massacre de Srebrenica), Mao o mau, Menachem Begin, Kissinger, Kim Il-sung…todos também estão na história.
Né não?[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]
A revolução de Fidel foi a revolução do ódio, da vingança e das vítimas. Por lá, provavelmente rezando pela alma desse homem tão bom, ainda estão 800 Presos Políticos.
Seria oportuno se um médium conseguissem que esses midiotas entrevistassem Orlando Zapata, que morreu nos calabouços dos Castros no dia 23 de fevereiro de 2010.
Preso político, Orlando Zapata era um preso de consciência. Não roubou nem matou. Ousou pensar fora da curva.
Esse preso político quando morreu, Lula comemorou com Fidel a morte de um verdadeiro preso político num calabouço cubano. Ele era negro, pobre e democrata. Morreu de fome.

Aí vem o Trump, no Twitter e coloca as coisas no lugar:

“Today, the world marks the passing of a brutal dictator who oppressed his own people for nearly six decades,” Trump said in a statement issued a couple of hours after his tweet.
“Fidel Castro’s legacy is one of firing squads, theft, unimaginable suffering, poverty and the denial of fundamental human rights. While Cuba remains a totalitarian island, it is my hope that today marks a move away from the horrors endured for too long, and toward a future in which the wonderful Cuban people finally live in the freedom they so richly deserve.”
PS. Agora “se me lasquei”! Esquerdinhas, sionistas, democratas todos de tacape no meu ‘quengo’.

 

 

 

Cuba: Dilma repete Lula. Os Castros são uns santos!

É a economia, estúpido! A expressão é de um assessor do ex-presidente Clinton ao explicar as razões de certas decisões contraditórias tomadas pelo governo. Cuba, um Estado ditatorial, gerido há 60 anos pelos genocidas Castro, censor e que não liga a mínima para os direitos humanos, está em processo de desmonte. Quando isso acontecer, tudo por lá precisará ser reconstruído.
José Mesquita – Editor


Cacoete ideológico em Cuba
Na primeira visita a Cuba, a presidente Dilma Rousseff foi traída pelo passado. Não se esperava que abordasse o tema dos direitos humanos em público. Mas decidiu fazê-lo, numa cerimônia no Memorial José Martí, e cometeu o grave erro de tentar relativizar os fartos e conhecidos crimes cubanos nesta área, incluindo numa infeliz pensata os delitos cometidos pelos americanos na base de Guantánamo, na ilha, uma nódoa, de fato, na História dos Estados Unidos.

Mas misturou coisas diferentes, na visível tentativa de, como é praxe em parte da esquerda brasileira, passar a mão na cabeça dos irmãos Castro. Dilma pontificou que não se deve usar direitos humanos como arma política. De fato, mas, dito isto, incorreu neste mesmo erro.

Ali, logo no início da viagem oficial, transformou-se em decepção a esperança que dissidentes tinham de que Dilma não repetiria a desastrada passagem de Lula pela ilha, no mesmo dia da morte de Orlando Zapata, um dos presos políticos de Fidel e Raúl em greve de fome. De volta ao Brasil, comparou-os a prisioneiros comuns.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

O fato de o Brasil ter concedido visto à dissidente Yoani Sánchez, para ela vir ao país ao lançamento de um filme sobre a resistência em Cuba, alimentou as expectativas otimistas. Não que Dilma fosse discursar a favor dos cubanos perseguidos. Mas o silêncio em público poderia até levar a supor que o tema seria tratado em contatos privados.

— Ela agiu como Lula e não se interessou pelo povo cubano — desabafou Berta Soler, porta-voz das Damas de Branco, grupo formado por mulheres e familiares em geral de presos políticos.

Foi mais forte, infelizmente, o cacoete ideológico da extrema esquerda brasileira do final da década de 60 e início dos anos 70. Há neste grupo, marcado pela luta armada apoiada por Cuba, uma paixão cega e juvenil pelo castrismo. Não importa para eles que a ilha seja, ao lado da Coreia do Norte, o último bolsão de stalinismo medieval, quase um pleonasmo.

Contaminado, também, por antiamericanismo atávico, o cacoete levou a presidente a tentar equiparar um regime brutal com uma das mais sólidas democracias do mundo, que carrega, é verdade, a mancha de Guantánamo.

É risível tentar colocar no mesmo verbete os EUA e uma ditadura de mais de meio século, com inúmeros crimes cometidos contra os direitos humanos — fuzilamentos, greves de fome e mortes, perseguições, etc. — no currículo.

O Brasil como nação e Estado pode e deve ajudar Cuba na transição para um regime mais arejado. Com a subida de Raúl Castro, na doença do irmão, ocorrem tentativas de alguma liberação na economia, mas ainda aquém do necessário a que alguns ingredientes do livre mercado possam aumentar a produção de alimentos, para livrar os cubanos de um já histórico racionamento.

Investimentos como os em curso na infraestrutura cubana, com apoio financeiro e tecnológico brasileiro, são ações também bem-vindas.

Mas de nada adianta fingir que Cuba não continua a ser uma ditadura violenta. A relativização na leitura da História é sempre perigosa. Por meio dela termina-se até “entendendo” por que Hitler fez o que fez com judeus, ciganos, homossexuais e artistas.
O Globo – Editorial