Tião Viana o senador celular

Brasil: da série “O tamanho do buraco”!

Quem não lembra do desenho animado da Penélope Charmosa? No desenho a heroína sofria todo tipo de maldades do “malvado” Tião Gavião.

Embora o sinistro personagem seja um sósia do senador José Agripino, no quesito malfeitorias, o personagem tem no senador Tião Viana o seu (dele) mais fiel representante.

O sempre “angelical” senador petralha acreano, portando aquele ar de bom moço, é só mais um que chafurda no charco onde afunda a dignidade do parlamento que já abrigou Rui Barbosa.

O editor

Senado na berlinda
Escândalos em cascata 2

Em todos os aeroportos brasileiros que fazem voos internacionais, o passageiro é frequentemente assediado por funcionários de operadoras de telefonia que oferecem aluguel de celular para ser usado no exterior.

Também é possível comprar em qualquer loja do ramo um aparelho bem barato, carregá-lo com cartão pré-pago e configurá-lo para ser usado no exterior.

Mas alguém precisa informar o senador Tião Vianna (PT-AC) sobre essas maravilhas da tecnologia moderna.

Como senador e ex-membro da mesa do Senado, o nobre parlamentar tinha direito ao uso ilimitado de dois celulares. Isso mesmo: uso ilimitado de dois celulares.

Pai atento, quando a filha viajou pela primeira vez ao exterior, o que fez o senador Tião Vianna? Emprestou à filha um dos celulares do Senado, destinado exclusivamente ao uso dos senhores senadores.

Candidamente, o senador Tião Vianna declarou que não possuía um celular particular, por isso emprestou o do Senado à filha, para que pudesse encontrá-la sempre.

Quando deixou a mesa do Senado, devolveu os celulares, sem sequer se preocupar em saber quanto custou aos cofres públicos seu desvelo como pai.

E la nave va.

bolg da Lucia Hippolito

A democracia é linda: sai Bush, entra Obama

“É preciso que tudo mude para que tudo continue como está!”
Giuseppe Tomasi di Lampedusa – Itália (1896-1957)

Na emblemática e midiática cerimônia de posse do novo presidente americano, Barack Obama, George Bush praticou o melhor ato de seu (dele) governo. Ir embora!

O afro descendente Barack (o nome vem do judaico Baruck) Hussein (do árabe) Obama (do africano), representa o cadinho de culturas que forma a sociedade acima do Rio Grande.

Agora, quem acha que mister Obama vai renegar ou desprezar os valores imperialistas dos caras pálidas, vai quebrar, é claro,  a cara.

Obama, podem anotar pra cobrarem-me depois, não abrirá mão de continuar fazendo dos EUA a nação hegemônica e dominadora, militar, cultural — aí, há controvérsias. Hollywood é cultura? — e econômica, no uso científico do “big stick”.

O discurso do novo grande chefe das pradarias do norte,  quando lido nas entrelinhas, especialmente pelos alfabetizados, exalta os tradicionais valores americanos. Fosse esse discurso perolado pelo conservador McCain, o cacete maniqueísta já estaria descendo na cabeça do republicano.

Nada melhor para reerguer a supremacia da grande potência decaída que a eleição de um afro descendente. Não é mesmo? É aquilo que a elite boçal dos Tabajaras costuma chamar de um “negro de alma branca”.

Os esquerdopatas — sim eles ainda resistem, mesmo mumificados — já deveriam ter aprendido que a Constituição Americana de 1787 não foi redigida pelos “pais da pátria “para permitir “que um aventureiro lance mão”! Esqueçam a possibilidade de esquerdismo brotando de Washington.

Não me acusem de ser do contra, de querer ser diferente e não verter lágrimas pelo hollywoodiano espetáculo.

É preciso um contraponto para permitir à população, o exercício da reflexão sem o oba-oba da deslumbrada mídia que anestesia os Tupiniquins.

Olimpíadas, China, liberdade e censura

Este blog — na dissidência da grande mídia que se rende à propaganda chinesa, escamoteando a absoluta falta de democracia na ditadura chinesa  — , não irá, durante as olimpíadas, divulgar nenhuma notícia positiva sobre o mandarinato comunista na terra que gerou Confúcio.

Enquanto o mundo, nesse exato momento, se deixa anestesiar pela pirotecnia do show de abertura dos jogos olímpicos — mais uma vez o esporte comercial é usado como propaganda de Estado — divulgo a condenação do cyber dissidente chinês Hu Jia, condenado a 3 ANOS E 6 MESES DE PRISÃO.

O crime do jovem libertário, tem 34 anos, como sempre nas ditaduras adjetivado de como “subversivo”, foi criticar o desrespeito aos direitos humanos na China, defender tratamento para pacientes portadores de HIV e se posicionar contra a esterilização forçada de mulheres camponesas.

Zeng Jinyan cyber dissidente China
Zeng Jinyan e Hu Jia cyber dissidentes China

Hu Jia, o da direita, e sua esposa, Zeng Jinyan, esquerda, foram presos em Dezembro passado no apartamento em que moram em Pequim.

Foram considerados “cyberdissidents” por usarem a internet para fazer denúncias contra o regime através de um blog, Boxun.com, evidentemente retirado do ar, pelo “olímpico” regime.

Contra a censura! Sempre!

Antes que Cháves!