Lula não abandonou Rosemary e participa pessoalmente da defesa jurídica da ex-segunda-primeira-dama

Lula Rosemary Noronha Blog do MesquitaConforme prometemos, há novidades sobre o caso de Rosemary Noronha, a namorada de Lula, que comandava o escritório da Presidência da República em São Paulo e com ele visitou 32 países num período de apenas três anos (sempre na ausência da primeira-dama Marisa Léticia, é claro).

Apanhada em flagrante na Operação Porto Seguro, Rosemary foi incriminada pela Polícia Federal, mas a privacidade dela e de Lula foi respeitada, sem haver escuta telefônica, com a investigação limitando-se ao controle dos e-mails da assessora presidencial.

Motivo: Lula não usa computador, só falava com ela por telefone. Sem escuta telefônica, ele quase não aparece na foto.

Para enfraquecer Lula e forçá-lo a desistir da candidatura à Presidência, o Planalto atacou Rosemary Noronha com todas as forças, usando a Controladoria-Geral da União e a Comissão de Ética da Presidência para investigar, em ações paralelas, o que teria sido o “enriquecimento ilícito” da segunda-primeira-dama.

TV GLOBO SE OMITIU

Nessa ofensiva, o Planalto liberou uma série de “denúncias” exclusivas ao influente repórter político Vinicius Sassine, de O Globo, que até meados de 2012 trabalhava no Correio Braziliense.[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]

A tática do Planalto era dar exclusividade a O Globo, para que a TV Globo e a Rádio CBN também entrassem no assunto, mas não aconteceu nada, por um motivo óbvio.

A TV Globo já está escaldada com esse tipo de notícia, desde que o então presidente FHC teve um caso com a repórter Miriam Dutra, do Jornal Nacional, e a emissora acobertou, enviando a jornalista para a Espanha, onde recebia alto salário sem trabalhar.

Desde essa época, a TV Globo não entra nesse tipo de “cobertura jornalística”, digamos assim, porque tem telhado de vidro…

Quanto ao enriquecimento ilícito de Rosemary, não é de espantar diante dos milionários casos de corrupção que caracterizam a política brasileira.

Nos 20 anos em que manteve o caso amoroso com Lula, ela só conseguiu ter um carro usado e dos dois apartamentos.
E o marido tem uma pequena empresa de construção, que não é lá essas coisas.
Carlos Newton/Tribuna da Imprensa

Eleições 2014: Rosemary Noronha é espinho na candidatura de Lula

O jogo está sendo jogado. Não há mais blefe na mesa das eleições de 2014.Rosemary Noronha Nóvoa Blog do Mesquita

Fica claro diante das últimas cartas jogadas que os estrategistas da reeleição de Dilma Rousseff manobram para tirar Lula do jogo. E ás na manga atende pelo nome de Rosemary Noronha.

Colocada no pano verde, encardido, do jogo político, Rosemary pode inviabilizar “a mão” que Lula porventura tenha. Havia os que pensavam que o fator Rosemary estivesse esquecido.

Contudo, de repente não mais que de repente, e sem nenhum lirismo do poeta, a Rose é ressuscitada no noticiário. O dono da banca aquartelado no terceiro andar do Palácio do Planalto passou a alimentar o noticiário com material explosivo, após cinco meses de silêncio.

Os fatos, sempre os fatos, acabam se impondo.

Primeiro a Operação Porto Seguro entra na pauta da Comissão de Ética da Presidência.

Em seguida circulam “buchichos” segundo os quais Rosemary Noronha foi figura central em uma investigação sigilosa que partiu da casa Civil, na figura de sua titular a ministra Gleisi Hoffmann.

A ministra mandou instaurar um inquérito administrativo logo que recebeu o relatório da investigação. O Itamaraty também foi instado para apurar os episódios.

A Controladoria-Geral da União por seu lado deixa vazar que “técnicos do governo apuraram que a ex-chefe do Gabinete da Presidência da República não foi a Roma a trabalho”. Essa apuração, evidentemente, trata da visita que a Rosemary Noronha fez a Roma, inclusive sendo hóspede da embaixada brasileira, no suntuoso Palazzo Pamphili.

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]Há ainda uma sutil – tão sutil quanto um elefante em uma loja de cristais – recomendação, também oriunda da Casa Civil, para que técnicos da receita investigassem um possível enriquecimento ilícito da privilegiada passageira de inúmeras viagens do “Aero Lula”.

No popular: azedar o angu com a exposição completa das estripulias de Rosemary Noronha. Até Zé Bêdêu, o derradeiro abestado crédulo da Praça do Ferreira em Fortaleza – a angelical criatura acredita até, vejam só, que Zé Sarney é escritor – sabe que o alvo verdadeiro é a possível candidatura de Lula em 2014.

Rosemary é a mira, mas o alvo é o ex-presidente.
O que antes acontecia nos bastidores da sarjeta política brasileira, agora vem a lume com todas as jogadas às claras.
É a luta do rochedo contra o rochedo.

Rosemary Noronha: o silêncio que incomoda

Rosemary Noronha Nóvoa Blog do MesquitaQuando a operação Porto Seguro foi deflagrada, revelou ao Brasil uma verdadeira quadrilha formada por Rosemary Noronha — então chefe do escritório da Casa Civil da Presidência da República, em São Paulo — e com os irmãos Paulo e Rubens Vieira.

A senhora em questão, soube-se, participou, quando do ‘mandarinato’ do então presidente Lula, de comitivas em visitas oficiais a 32 países, no curto tempo de 3 anos.

Também veio a lume, coincidentemente (?), o fato de que em todas essas viagens a então primeira-dama Marisa Letícia não fazia parte da comitiva.

Estranhamente não mais se falou no chamado “Rosemarygate”.

Em recente entrevista concedida ao jornal Folha de S.Paulo o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello Coimbra, fornece explicações do por que da ausência de escuta telefônica à senhora Rosemary, o que não deixa de ser incomum, em virtude de a referida senhora ser a principal figura das investigações. No entanto a Polícia Federal ‘grampeou’ seus ‘e-mails’.

Para autoridades da área policial, a justificativa deve-se ao fato de que é no mínimo constrangedor promover escutas telefônicas, nas quais esteja envolvido um ex-presidente da República, no caso o senhor Lula da Silva.

E eu que pensava que a isonomia garantida no art.5º da Constituição Federal era pra valer!


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Rosemary Noronha: Ministra Gleisi Hoffmann manda abrir processo

Rosemary Noronha Nóvoa Blog do MesquitaCasa Civil manda abrir processo contra Rose, a companheira de viagens de Lula, e seus cúmplices.

A ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, aprovou o relatório final da Comissão de Sindicância Investigativa criada para apurar o envolvimento de servidores públicos na venda de pareceres técnicos para a iniciativa privada.

O esquema foi denunciado pela Operação Porto Seguro, da Polícia Federal, em novembro do ano passado.

O despacho da ministra está publicado na edição de hoje (28) do Diário Oficial da União, e mantém o sigilo do processo, conforme estabelecido pela comissão.

Após participar de encontro com prefeitas e vice-prefeitas, a ministra informou que o relatório foi encaminhado para a Controladoria-Geral da União (CGU) para abertura de processo administrativo disciplinar, mas evitou dar detalhes sobre o conteúdo do relatório.

“Nós encaminhamos de acordo com o que foi a decisão da comissão. Foi para a CGU para instalação do processo administrativo disciplinar”.

A comissão apurou irregularidades cometidas por servidores de órgãos como a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Agência Nacional de Águas (ANA), Advocacia-Geral da União (AGU) e Secretaria do Patrimônio da União (SPU).

Todos os servidores envolvidos no esquema desmontado pela Polícia Federal foram afastados dos cargos em novembro, logo depois que a operação foi deflagrada.
Yara Aquino (Agência Brasil)


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Senado Federal: suplências e as ilhas do tesouro

Caráter Senadores Blog do MesquitaCoisas do Brasil. Acredite; dos 81 senadores, em outubro/2012, 19 era o número de suplentes que assumiram o cargo, em definitivo ou temporariamente.

O Congresso Nacional é corrupto. É uma “cloaca”. Uma confraria de ação entre amigos, que só pune alguém quando não cabe mais sujeira sob o tapete.

Nos azulados tapetes a Constituição de 88 é diariamente violentada, servido de imoral balcão de negócios.

Sarneys, Barbalhos e Renans se revezam no caixa.
José Mesquita – Editor


O negócio das suplências e das ilhas dos tesouros
Alberto Dines/Observatório da Imprensa

O peixe de maior tamanho enroscado na Operação Porto Seguro é um “senador” que jamais teve um voto e, no entanto, ocupou por três vezes um assento em nossa Câmara Alta.

Este mago da política chama-se Gilberto Miranda: começou como massagista do então presidente-ditador João Figueiredo, foi sócio nos negócios de Orestes Quércia, é amigo de Paulo Maluf, era próximo de Celso Pitta, seu padrinho de casamento é José Sarney e, além disso, esteve envolvido diretamente em escândalos de altíssimo quilate como o Caso Sivam e o Dossiê Cayman.

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]O “senador” Gilberto Miranda agora mudou de ramo: tornou-se expert em Ilhas do Tesouro. Tem duas, a poucos quilômetros de distância uma da outra, no litoral de S. Paulo.

Na ilha das Cabras, propriedade da União, perto de Ilhabela, construiu um paradisíaco resort privado com heliporto e outras facilidades para entreter amigos e sócios.

Insatisfeito, o novo Robinson Crusoe apossou-se da Ilha dos Bagres, no porto de Santos, onde pretendia construir um complexo portuário para o qual obteve um financiamento de dois bilhões de reais graças às relações com José Weber Holanda, ex-advogado-geral-adjunto da União, agora indiciado pela Polícia Federal.

O negócio de Ilhas do Tesouro resolve-se pela via judicial com relativa facilidade. Mas o negócio das suplências, uma das maiores aberrações da Carta Magna de 1988, só se resolve com uma Emenda Constitucional.

Gilberto Miranda Batista — Mirandinha para os íntimos – embora paulista sempre fascinou-se com as riquezas do Amazonas: pagou dois milhões em 1987 para obter a suplência de Carlos Alberto Di Carli o que lhe permitiu freqüentar o Senado durante seis meses e lustrou a sua folha-corrida com o título de Senador.

Em 1990 negociou uma suplência com Amazonino Mendes: pagou quatro milhões que lhe garantiram seis anos no Senado da República. Em 1998 pagou outros cinco milhões ao xará, Gilberto Mestrinho por uma segunda suplência e, em seguida, uma vilegiatura de outros seis anos no Senado. Uma pechincha.

Zona Franca

No período em que representou o Estado do Amazonas o empreendedor Gilberto Miranda desenvolveu outro negócio: a liberação de projetos de financiamento na Zona Franca de Manaus. Bateu um recorde: emplacou 250.

No modelo presidencialista e bicameral dos EUA inexiste a figura do suplente de senador. É ilegítima.

O representante de um estado da Federação precisa ser eleito pelo voto direto.

O parlamentar que se afasta, morre ou é impedido pelos pares, será substituído por outro, eleito nominalmente no pleito seguinte.

O negócio de suplências no Senado é indecente, feudal e antidemocrático.

Já produziu situações altamente vexatórias com aquela protagonizada pelo ex-ministro do Trabalho, Carlos Lupi, então suplente do senador Saturnino Braga (PDT-Rio) que exigiu o afastamento de um brilhante parlamentar por conta de um execrável “acordo político” que lesou o eleitor, o partido e o próprio sistema eleitoral.

A Operação Porto Seguro foi iniciada pela Polícia Federal, as primeiras punições partiram do Executivo, os indiciados serão levados ao Judiciário.

O Legislativo — por enquanto ileso — poderia participar do saneamento com uma PEC que acabaria com o rendoso negócio das suplências. E das ilhas dos tesouros.

PT prepara estratégia de cala boca para Marcos Valério. É Freud!

O cerco se fecha sobre o messias do agreste

Se até, fiquei pasmado – a Rede Globo informou em seu Jornal Oficial, quer dizer, Nacional, é que o mau cheiro está contaminando narinas postadas mais acima da sarjeta. 
Até Zé Bêdêu o derradeiro abestado crédulo da Pça. do Ferreira em Fortaleza – a angelical criatura, vejam quão crédulo é o mancebo,  que graças ao neopaladino da corte suprema não mais haverá corrupção no Brasil – sabe que o ex-presidente era o chefe da quadrilha do “mensalão”.
José Mesquita – Editor


Cúpula do PT prepara estratégia para impedir depoimento de Valério

Erich Decat (Folha)

Integrantes da cúpula do PT na Câmara dos Deputados já preparam estratégia para impedir a ida do empresário Marco Valério à Casa para prestar esclarecimentos sobre o suposto envolvimento do ex-presidente Lula com o esquema do mensalão operado pelo empresário.

Valério afirmou à Procuradoria-Geral da República que pagou despesas pessoais de Lula em 2003, por meio de depósitos na conta de uma empresa do ex-assessor pessoal de Lula, Freud Godoy, segundo revelou o jornal “O Estado de S. Paulo”.

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]O líder do PSDB na Casa, Bruno Araújo (PE), informou no início da tarde desta terça-feira que irá apresentar requerimentos em comissões técnicas para que Valério apresente e detalhe as informações que prestou no Ministério Público Federal.

Blindagem

Segundo o líder do PT, Jilmar Tatto (SP), o partido vai trabalhar para derrubar todos os requerimentos. A mesma estratégia foi adotada na semana passada quando todos os requerimentos convidando os servidores citados na  foram derrotados nas comissões temáticas da Câmara.

“Se depender de nós do PT, de jeito nenhum. Não tem o porquê.

O Marco Valério tem que estar preocupado com as condições da cadeia e não vir aqui prestar depoimento”, disse Tatto.

O petista se referia ao fato de que o empresário foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento do mensalão a 40 anos, 4 meses e 6 dias de prisão, além do pagamento de R$ 2,7 milhões em multa.

Além de Valério também foram condenados o ex-presidente do PT José Genoino e o ex-ministro José Dirceu.

Tatto desclassificou ainda o depoimento de Valério ao Ministério Público Federal.

“Quem faz esse tipo de depoimento depois de anos é porque é uma medida de desespero e não tem mais credibilidade, se é que teve um dia, para poder falar do presidente Lula.”

Ainda de acordo com a reportagem, Valério também relatou que Lula avalizou pessoalmente, em encontro no seu gabinete, no Palácio do Planalto, os empréstimos contraídos junto ao Banco Rural para alimentar o esquema de compra de apoio parlamentar.

Segundo Valério, suas despesas com advogado são pagas pelo PT.

Ao longo de mais de quatro meses de julgamento, o STF definiu que o mensalão foi um esquema de desvio de recursos públicos e empréstimos fictícios para a compra de apoio de político no Congresso no início do governo Lula (2003-2010).

As falas de Valério foram recebidas com cautela pelo Ministério Público Federal, uma vez que a declaração poderia ser uma movimentação para se livrar da condenação.

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, já chegou a chamar o empresário de “jogador”.

Lula e Rosemary: cadê o casal romântico?

Considero esse o mais descarado, e inútil, o tempo provará, processo de “blindagem” de um possível “imbroglio” no qual o ex-presidente Lula está envolvido.

Fosse outro partido no poder, e o PT fora das tetas, o partido do mensalão já estaria com a inflamada militância nas ruas, procurando tocar fogo no mundo.
Já agora, o que faz a oposição. Aliás, Que oposição?
José Mesquita – Editor


Onde está Wally? Quer dizer, onde estão Lula e Rose? Procura-se desesperadamente esse casal romântico.

Os comentaristas e chargistas do Blog da Tribuna estão intrigados?

Onde estarão o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a companheira Rosemary Nóvoa Noronha, ex-chefe do Gabinete da Presidência da República em São Paulo?

Estão aí, em algum lugar…

Segundo a revista Veja, a última vez que Rose foi vista aconteceu na Bahia, antes da Operação Porto Seguro, quando a companheira passava o feriadão de 15 de novembro em companhia de José Dirceu e da namorada dele, na praia de Camaçari, e até então tudo ainda eram flores e quem tinha graves problemas era Dirceu…[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Quanto a Lula, a última notícia era de que estaria na Europa, acompanhado de d. Marisa Letícia, que ainda não sabe nada sobre a repercussão do prolongado caso do marido com a companheira Rose e vai tomar um susto quando voltar ao Brasil.

Como se sabe, desde que irrompeu o escândalo, a ex-chefe do Gabinete da Presidência está escondida pelo comando do PT e pela direção do Instituto Lula, para evitar que jornalistas tenham acesso a ela.

Teme-se pela instabilidade emocional de Rose, que está fragilizada devido às denúncias de corrupção que a envolvem na Operação Porto Seguro e causaram um estrago em sua família, com as demissões sumárias dela própria, de dois maridos (o antigo e o atual) e da filha mais velha.

Depressão profunda

Agora, já oficialmente indiciada pela Polícia Federal, que a acusa do crime de formação de quadrilha, entre outros, o estado emocional de Rose se agravou e ela está em profunda depressão.

Seu mundo de repente caiu, justamente quando ela desfrutava de uma estabilidade social e financeira diretamente ligada à importância do PT na política nacional.

Afinal, quem ousaria mexer com pessoa tão chegada ao ex-presidente Lula, o mais importante político do país.

Lula e o PT esperam que o caso amoroso seja logo esquecido, como ocorreu com o romance entre Fernando Henrique Cardoso e a repórter Miriam Dutra, mas as situações são muito diferentes.

FHC usou uma empresa privada, a Organização Globo, para amparar a concubina, enquanto Lula usava a máquina do governo e recursos públicos para sustentar a família inteira de Rose e dos companheiros que o forçou a empregar no governo, tivessem ficha suja ou não, como no caso de Paulo Vieira, um dos integrantes da quadrilha.

Traduzindo tudo isso, em linguagem popular: vai ter de rolar muita grana para sustentar a família de Rose e evitar que ela fale mais do que deve, ninguém tem dúvida.

A vida é assim mesmo, como dizia Nelson Rodrigues, especialista em amores impossíveis. A vida como ela é…
Carlos Newton/Tribuna da Imprensa

 

Lula, Rosemary e mentiras

Temo perder, de vez, a lucidez ante o Estado caótico que estamos contemplando perplexos.

Aquele que ainda não virou bandido não tarda a fazê-lo porquanto viver honestamente já não dá. O velho Brecht já advertia:
“Aquele que não conhece a verdade é simplesmente um ignorante, mas aquele que a conhece e diz que é mentira, este é um criminoso.” 

José Mesquita – Editor
Ps. Os possíveis relacionamentos extraconjugais do ex-presidente Lula, com certeza, somente a ele dizem respeito. Agora se houver relações com bens públicos e com dinheiro público o problema é do povo.


Confirmado: foi o próprio Lula quem autorizou Rose a fazer 24 viagens internacionais com ele, na ausência da primeira-dama Marisa Letícia

Sobre a Operação Porto Seguro e o romance secreto envolvendo o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a chefe do Gabinete da Presidência da República em São Paulo, Rosemary Nóvoa Noronha, surge uma pergunta que exige resposta:
Quem determinou que Rose fosse convocada para integrar a comitiva presidencial em 24 viagens oficiais ao exterior, justamente quando (por mera coincidência, é claro) a primeira-dama Marisa Letícia não se encontrava a bordo do AeroLula?

“Fui convidada pelo cerimonial”

Como se sabe, desde que o escândalo aflorou, a ex-chefe do Gabinete da Presidência (que já nem existe mais, foi extinto pela presidente Dilma Rousseff) está escondida pelo comando do PT, para evitar que jornalistas tenham acesso a ela.

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]Na intenção de disfarçar esse desaparecimento da ex-chefe de Gabinete e evitar a impressão de que ela se encontra foragida, a cúpula petista e a direção do Instituto Lula, por sugestão do ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos, decidiu soltar uma nota oficial assinada pela própria Rosemary, que inadvertidamente tomou a iniciativa de explicar quem a autorizou a viajar 24 vezes com Lula para o exterior, em visita a 32 países, inclusive a China.

A nota oficial

Em um dos trechos da nota oficial, Rose afirma o seguinte:
“Quero dizer que todas as viagens que fiz ao exterior foram por solicitação do cerimonial da PR, em decorrência de meu cargo e função e, para isso, fiz curso no Itamaraty, não havendo, portanto, nada de irregular ou estranho neste fato”.

Quando ela fala em “cerimonial da PR” (Presidência da República), é preciso traduzir, para que não se pense que Rose está se referindo ao Ministério das Relações Exteriores (Itamaraty), que deveria ser responsável pela organização das viagens presidenciais ao exterior, por óbvio, mas não é.

No caso, quando Rose fala em “cerimonial da PR”, isso significa Gabinete Pessoal do Presidente da República, ao qual o cerimonial é subordinado diretamente, e não envolve Ministério das Relações Exteriores ou a Casa Civil.

Portanto, essa pergunta sobre quem determinou a convocação de Rosemary para viajar no AeroLula acabou sendo respondida por ela própria. Agora, sabemos que quem tomou essa iniciativa foi o Gabinete Pessoal da Presidência, que controla do cerimonial.

Ou seja, a autorização partiu mesmo do então presidente Lula, porque não é concebível que um funcionário (ou funcionária) seja escalado para 24 viagens internacionais, em menos de três anos, sem conhecimento do chefe do governo.

O assunto é apaixonante, em todos os sentidos, e logo voltaremos a ele, com mais detalhes exclusivos e sensacionais.
Carlos Newton/Tribuna da Imprensa