Dinheiro,Economia,Ouro,BitCoin,Dolar,Euro,Real,Blog do Mesquita

O mundo poderá ser salvo por Grandes Empresas?

A economia mundial gera riqueza, assim como grande quantidade de gases de efeito estufa, desigualdade e perda de biodiversidade.    

Promenade, a principal rua de Davos, na Suíça, durante o Fórum Econômico Mundial de 2020Promenade, a principal rua de Davos, na Suíça, durante o Fórum Econômico Mundial de 2020

Agora, companhias prometem resolver tais problemas. Mas elas realmente o farão?

Ao andar pela Promenade, a principal rua de Davos, na Suíça, tem-se a impressão de estar ocorrendo na cidade uma convenção de caridade, e não uma reunião de 119 bilionários e muitos presidentes de empresas importantes e representantes do setor econômico mundial.

“Vamos fazer dos negócios a melhor plataforma de mudança”, diz a placa na frente de uma loja alugada por uma empresa. Outra mostra “O crescimento é uma ilusão?” com letras de neon brilhantes e arredondadas que seria possível encontrar na parede de uma cafeteria hipster.

Mais adiante está a “tenda ODS”, que organiza sessões abertas sobre temas como o futuro do capitalismo, finanças sustentáveis ou direitos LGBTI – todos pagos por empresas que desejam mostrar como estão comprometidas em ajudar a alcançar os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) definidos pela ONU.

A mensagem que as empresas estão tentando passar é bem clara: nós acordamos; já se foram os dias em que o lucro era sobreposto à moral; agora nós nos preocupamos com o meio ambiente e em tornar este mundo um lugar melhor.

Mas as empresas não têm contado essa história há tanto tempo quanto o Fórum Econômico Mundial existe? E ainda assim o mundo não está no caminho certo para alcançar as metas que estabeleceu para si mesmo – tome como exemplos o Acordo do Clima de Paris, de 2015, ou os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Então as grandes empresas realmente cumprirão suas promessas desta vez?

Os manifestantes anti-Fórum Econômico Mundial na Promenade certamente já decidiram sua resposta. “Você realmente acha que as instituições e corporações que têm pensado e feito negócios de uma certa maneira podem mudar assim só para serem boas com os outros?”, pergunta Sebastian Justiniano, dando sua resposta logo em seguida: “Eu acho que não.”

Mudando para lucrar mais

Svein Tore Holsether discorda. Ele é o presidente da Yara, uma empresa norueguesa cujo principal negócio é a produção de fertilizantes sintéticos. Isso significa que a companhia é parte do setor agrícola, responsável por um quarto das emissões globais de gases de efeito estufa.

Sentado em um canto tranquilo de um dos luxuosos saguões de hotel de Davos, Holsether explica por que quer transformar a Yara em uma empresa mais sustentável. “Eu acho que representa uma oportunidade de negócio incrível”, afirma. “Nós administramos nossos negócios com fins lucrativos, e isso é algo que precisamos para reinvestir e desenvolver o negócio.”

Ele fala sobre como a Yara mudou sua estratégia para o desenvolvimento de novas soluções após o Acordo do Clima de Paris; e sobre como a empresa, por exemplo, está planejando ajudar o agricultor a maximizar sua produção. Assim, será necessário menos terra, que ficaria livre então para árvores que absorveriam o CO2 do ar. Isso seria bom para o meio ambiente, para a segurança alimentar, para os agricultores – e, claro, para os resultados finais da Yara.

“Nos últimos anos, ficou cada vez mais claro que as empresas que são capazes de adaptar seus modelos de negócios tanto aos desafios como às oportunidades que vemos agora serão as que sobreviverão”, sublinha Holsether.

Na verdade, as empresas têm cada vez menos o poder de escolher se querem ou não se tornar verdes. O Relatório de Riscos Globais, divulgado antes do início do Fórum Econômico Mundial, listou fatores ambientais como a maior ameaça à ordem mundial. As condições climáticas extremas e os desastres naturais causados pelas mudanças climáticas prejudicariam os negócios.

Apesar da aparente mudança nas percepções de empresas sobre sustentabilidade, manifestantes em Davos continuam céticos

Apesar da aparente mudança nas percepções de empresas sobre sustentabilidade, manifestantes em Davos continuam céticos

E até mesmo Larry Fink, presidente da maior gestora de investimentos do mundo, a BlackRock, advertiu recentemente que as empresas que não levam sustentabilidade a sério podem ter problemas quando procurarem financiamento no futuro.

Se tal transformação da economia impulsionada pelo mercado acontecerá com a rapidez suficiente, isso já é outra questão. As emissões de dióxido de carbono da Yara, por exemplo, aumentaram de cerca de 10 milhões de toneladas em 2013 para 16,6 milhões de toneladas em 2018, apesar da nova estratégia de sustentabilidade.

Portanto, se as forças do mercado trabalham de forma lenta para fazer com que as empresas se comportem de maneira mais sustentável, o que pode acelerar esse movimento? Alguns argumentam que se faz necessária uma mudança de mentalidade econômica em relação a qual é o objetivo de uma empresa.

A grande ideia lançada em Davos neste ano foi o conceito de “capitalismo das partes interessadas”. É a noção de que as empresas não têm a responsabilidade apenas de gerar lucros para seus investidores, mas responsabilidade com todos os afetados por suas ações, como sua força de trabalho, consumidores ou meio ambiente.

Fazendo o “capitalismo das partes interessadas” funcionar

A economista Mariana Mazzucato é a favor do conceito – desde que ele seja mais do que apenas um chavão vazio. “Dada a crise que estamos enfrentando – não apenas o clima, mas também a desigualdade, os sistemas de saúde e o estado de bem-estar social que está entrando em colapso de várias maneiras ao redor do mundo –, não temos tempo para besteiras”, afirma.

Os governos devem repensar como investem na economia e, particularmente, o que exigem em troca disso. Afinal, dar dinheiro às empresas as torna partes interessadas, e uma parte importante disso. Como exemplo de como isso poderia funcionar, ela menciona o governo alemão, que vinculou empréstimos estatais a empresas siderúrgicas à sua capacidade de reduzir a pegada de carbono.

“Faça com que seja condicional”, afirma Mazzucato. “Eles precisam ou morrem. É o que fazemos em outras áreas. Você não pode usar crianças numa fábrica. Existe a lei e você será excluído do negócio. Nós precisamos tornar as coisas obrigatórias.” Ela acrescenta que, no entanto, isso só funcionaria com métricas adequadas que garantam que as empresas cumpram o que prometeram.

Uma iniciativa que trabalha com tais métricas é a empresa sem fins lucrativos World Benchmarking Alliance (WBA). O grupo elaborou uma lista das 2 mil empresas mais influentes do mundo que juntas representam metade da economia global. Atualmente, uma equipe de cerca de 50 pessoas está trabalhando em classificá-las de acordo com a forma como elas contribuem para alcançar os vários Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Ao disponibilizar essas métricas gratuitamente, espera-se que seja possível responsabilizar as empresas e garantir que elas cumpram seus compromissos.

“É como as resoluções de Ano Novo”, conta o presidente da WBA, Gerbrand Haberkamp. “Nós sabemos que é difícil mantê-las. E é o mesmo para as empresas. Em fevereiro já é difícil ir à academia. É por isso que precisamos dessas métricas.”

Assim, as brilhantes campanhas de sustentabilidade são mais do que fumaça e espelhos? As empresas estão realmente começando a se comportar de forma mais responsável? Sim, parece que algumas realmente estão. Não necessariamente porque elas têm um coração grande, mas porque faz sentido em termos comerciais.

Elas estão mudando rápido o suficiente? Não, certamente não estão. Talvez seja melhor colocar nas palavras do cientista Johan Rockström: “Ainda estamos tendo ilhas de sucesso em um oceano de ignorância.”

Ambiente & Ecologia,Aquecimento Global,ONU

Gases de efeito estufa que aquecem o clima em níveis recordes, diz ONU

Dióxido de carbono, metano e óxido nitroso estão muito acima dos níveis pré-industriais

Ambiente & Ecologia,Aquecimento Global,ONUUma estação de energia na Polônia
Uma estação de energia na Polônia perto das fronteiras com a Alemanha e a República Checa. Foto: Florian Gaertner / Photothek / Getty Images

As principais emissões de gases do efeito estufa que impulsionam as mudanças climáticas atingiram níveis recordes, segundo os especialistas em meteorologia da ONU.

O dióxido de carbono, metano e óxido nitroso estão agora muito acima dos níveis pré-industriais, sem nenhum sinal de reversão da tendência de alta, segundo um relatório da Organização Mundial de Meteorologia .

“A última vez que a Terra experimentou uma concentração comparável de CO 2 foi de 3 a 5 milhões de anos atrás, quando a temperatura estava entre 2 e 3 graus Celsius e o nível do mar era de 10 a 20 metros mais alto do que agora”, disse o secretário geral da OMM, Petteri Taalas.

“A ciência é clara. Sem cortes rápidos no CO 2 e outros gases do efeito estufa, as mudanças climáticas terão impactos cada vez mais destrutivos e irreversíveis sobre a vida na Terra. A janela de oportunidade para ação está quase fechada. ”

Taxa de liberação de emissão de carbono “sem precedentes” nos últimos 66 milhões de anos
Consulte Mais informação
Os níveis de CO 2 subiram para uma média global de 405,5 partes por milhão na atmosfera em 2017 – quase 50% mais do que antes da revolução industrial.

Os níveis de metano, um potente gás de efeito estufa responsável por cerca de 17% do aquecimento global, são hoje 2,5 vezes maiores que os tempos pré-industriais devido às emissões de gado, arrozais e vazamentos de poços de petróleo e gás.

O óxido nitroso, que também aquece o planeta e destrói a camada protetora de ozônio da Terra, é agora mais de 20% superior aos níveis pré-industriais. Cerca de 40% do N2O vem de atividades humanas, incluindo degradação do solo, uso de fertilizantes e indústria.

A OMM também destacou a descoberta da produção ilícita de CFC-11 , uma substância química proibida que também aquece o planeta e destrói o ozônio. Investigações indicam que pelo menos parte da produção está na China .

Em outubro, os cientistas do mundo disseram que o aquecimento global de até 1.5C teria consequências graves para a humanidade . Os acordos climáticos internacionais estabeleceram por duas décadas o limite 2C.

“Cada fração de um grau de aquecimento global é importante, assim como toda parte por milhão de gases do efeito estufa”, disse a vice-secretária geral da OMM, Elena Manaenkova. “O CO 2 permanece na atmosfera por centenas de anos e nos oceanos por mais tempo. Atualmente, não há varinha mágica para remover todo o excesso de CO 2 da atmosfera. ”

A professora Corinne Le Quéré, da Universidade de East Anglia, disse que não ficou surpresa com os novos níveis recordes de gases de efeito estufa. “Mas estou muito preocupado com o fato de que todos os três gases mais responsáveis ​​pela mudança climática estão subindo sem parar. Parece que a urgência e a extensão das ações necessárias para lidar com a mudança climática não afundaram.

“Tecnologias de baixo carbono como o transporte eólico, solar e elétrico precisam se tornar mainstream, com fósseis poluidores antiquados expelidos rapidamente”.

Os esforços para reduzir as emissões estão aumentando e na quarta-feira o órgão de mudança climática da ONU publicou um relatório sobre os compromissos assumidos em 2018. Encontrou 9.000 cidades em 128 países, 240 estados e regiões em 40 países e mais de 6.000 empresas em 120 países.

Patricia Espinosa, chefe da convenção da ONU sobre mudança climática, disse: “Por um lado, as emissões de gases do efeito estufa ainda não atingiram o pico e os países lutam para manter a atenção concentrada e o esforço necessário para uma resposta bem sucedida à mudança climática. Por outro lado, a ação climática está ocorrendo, está aumentando e há vontade de fazer mais. Destaco isso porque cair no desespero e na desesperança é um perigo igual à complacência, nenhuma das quais podemos pagar. ”

ONU,Nações Unidas,Migração,Venezuela,Economia,Maduro,América Latina,Refugiados

Venezuela: cerca de 3 milhões fugiram da crise política e econômica desde 2015, diz ONU

Êxodo impulsionado pela violência, hiperinflação e escassez de alimentos e medicamentos equivale a cerca de um em 12 da população do paísONU,Nações Unidas,Migração,Venezuela,Economia,Maduro,América Latina,Refugiados

Imigrantes venezuelanos viajam a bordo de um caminhão em Tumbes, Peru, perto da fronteira com o Equador, em 1º de novembro. Fotografia: Juan Vita / AFP / Getty Images

O êxodo dos venezuelanos que fogem da crise econômica e política em sua terra natal acelerou dramaticamente, alcançando um total de cerca de 3 milhões desde 2015, anunciou a ONU .

Os novos números mostram que cerca de um em cada 12 da população deixou o país, impulsionado pela violência, hiperinflação e escassez de alimentos e remédios.

A taxa de migração acelerou nos últimos seis meses, disse William Spindler, do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), que apelou por maiores esforços internacionais para aliviar a pressão sobre os vizinhos da Venezuela.

A vida é uma luta à medida que a inflação na Venezuela se aproxima de um milhão por cento

A Venezuela, rica em petróleo, entrou em crise com seu presidente socialista, Nicolás Maduro, que tem lutado para controlar a hiperinflação e reprimir os opositores políticos.

Dados da ONU em setembro mostraram que 2,6 milhões haviam fugido para países vizinhos, mas os governos regionais estão lutando para lidar com as consequências humanitárias e políticas de uma das maiores migrações em massa da história da América Latina .

“Os principais aumentos continuam a ser relatados na Colômbia e no Peru”, disse Spindler.

A Colômbia está abrigando 1 milhão de venezuelanos. Cerca de 3.000 mais chegam a cada dia, e o governo de Bogotá diz que 4 milhões poderiam estar vivendo lá até 2021, custando quase US $ 9 bilhões.

Cerca de 300 refugiados, que chegaram com nada além do que podiam carregar, fizeram acampamento fora do terminal de ônibus em Bogotá, capital da Colômbia.

“Quando você não consegue encontrar comida, quando sua filha pode ficar doente a qualquer momento, é quando você sabe que tem que sair”, disse Lozada, agarrando o bebê ao peito. “Mas aqui não temos trabalho, não temos nada para fazer, então podemos ter que voltar.”

Outrora uma garçonete em um restaurante sofisticado em Valência, a terceira maior cidade da Venezuela, ela agora passa seus dias implorando por pequenas mudanças fora de um shopping center.

Sem nenhum dinheiro para o resto da jornada, eles percorreram as 345 milhas restantes até Bogotá na esperança de encontrar trabalho. Eles atualmente vivem em uma barraca improvisada, dormindo em um colchão de acampamento que os moradores locais doaram.

” Essa foi uma caminhada longa e cansativa”, disse ela. “Um dia espero voltar para terminar meus estudos, mas é difícil ver as coisas melhorando”.

Maduro rejeitou os números da migração da ONU como ” notícias falsas ” destinadas a justificar a intervenção estrangeira nos assuntos da Venezuela.

“Maduro só se preocupa”, disse Augustín Pérez, de 51 anos, de Caracas, agora acampando em Bogotá com sua esposa e quatro filhos. “Ele não se importa com as pessoas sem nada para comer … enquanto todos os seus amigos engordam.”

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) e o ACNUR disseram que o êxodo estava sobrecarregando vários países vizinhos, especialmente a Colômbia.

“Os países da América Latina e do Caribe mantiveram amplamente uma política louvável de portas abertas”, disse Eduardo Stein, representante especial da ACNUR-IOM para refugiados e migrantes da Venezuela . “No entanto, sua capacidade de recepção é severamente tensa, exigindo uma resposta mais robusta e imediata da comunidade internacional.”

Depois da Colômbia, o Peru recebeu o segundo maior número de venezuelanos, com mais de 500.000. O Equador tem mais de 220.000, a Argentina 130.000, o Chile mais de 100.000, o Panamá 94.000 e o Brasil 85.000.

A resposta dos países latino-americanos à crise migratória marca uma grande diferença nos esforços da administração Trump para demonizar uma caravana de 7.000 migrantes , a maioria de Honduras, que atualmente atravessa o México em direção à fronteira sul dos Estados Unidos, onde planeja procurar asilo.

Adam Isacson, analista do escritório de Washington na América Latina, twittou : “Um especialista com quem falei hoje pontuou: como é que a Colômbia está recebendo 5.000 venezuelanos todos os dias, mas o governo dos EUA está em pânico com 7.000 centro-americanos? ?

Autoridades do governo regional devem se reunir em Quito, no Equador, de 22 a 23 de novembro, para coordenar esforços humanitários.
Joe Parkin Daniels/TheGuardian

Saúde, Antibióticos, Epidemia e Câncer

A “epidemia” que matará mais gente do que o câncer (se não for evitada)

resistência aos antibióticos
Abdoul Gadiri Diallo, médico do centro de saúde CMC Flamboyants em Conacri, Guiné.

Há muitos perigos que ameaçam a humanidade em seu caminho rumo a um mundo melhor em 2030, quando terá que prestar contas para comprovar se os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) foram alcançados. Certamente, o mais conhecido é a mudança climática, que há anos está na agenda internacional. Outro perigo, mais desconhecido da opinião pública, pode se tornar a primeira causa de morte em 2050 se não forem tomadas medidas contundentes para detê-lo: a resistência aos antibióticos.

“Trata-se de uma ameaça terrível, com grandes implicações para a saúde humana. Se não abordarmos isso, o avanço em direção aos ODS será freado e nos levará ao passado, quando as pessoas arriscavam suas vidas devido a uma infecção em uma pequena cirurgia. É um problema urgente”, disse na quinta-feira Tedros Adhanom, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), em uma reunião no âmbito da 72ª Assembleia das Nações Unidas (ONU), em Nova York. York.

A resistência aos antibióticos é uma resposta dos microrganismos ao uso desses medicamentos. Seu uso — e especialmente seu abuso — faz com que, por meio de diferentes mecanismos biológicos, percam sua eficácia. As bactérias deixam de ser sensíveis aos seus efeitos e são necessários princípios ativos cada vez mais agressivos — e tóxicos para o organismo humano — para eliminá-las. Com sorte. Porque já existem superbactérias que resistem até mesmo aos antibióticos de última geração. “As resistências estão aqui para ficar e vão piorar”, alertava Sally Davies, diretora médica do Reino Unido.

Por causa dessa resistência, cerca de 700.000 pessoas morrem todos os anos no mundo. O cenário com o qual os especialistas trabalham em seus estudos é que, se a situação não mudar, esse número chegue a 10 milhões em 2050. Para se ter uma ideia da magnitude da tragédia, hoje morrem pouco mais de oito milhões de pessoas por ano devido ao câncer. A grande maioria dos casos fatais estaria na Ásia (4,7 milhões) e na África (4,1 milhões), seguidas pela América Latina (392.000), Europa (390.000), América do Norte (317.000) e Oceania (22.000).

Xoliswa Harmans, conselheira da clínica Lizo Nobanda, da Cidade do Cabo, África do Sul. Estas profissionais de saúde são fundamentais para os doentes quando enfrentam um tratamento que durará pelo menos dois anos. Pacientes de tuberculose extremamente resistente encontram apoio emocional e informações durante esse processo.
Xoliswa Harmans, conselheira da clínica Lizo Nobanda, da Cidade do Cabo, África do Sul. Estas profissionais de saúde são fundamentais para os doentes quando enfrentam um tratamento que durará pelo menos dois anos. Pacientes de tuberculose extremamente resistente encontram apoio emocional e informações durante esse processo. ALFREDO CÁLIZ
A boa notícia é que a preocupação passou do plano científico, onde era debatido há décadas, para o político. Em 2016, na 71ª Assembleia Geral da ONU, o assunto foi discutido no mais alto nível pela primeira vez. Exatamente um ano depois, quando mudaram tanto o Secretário-Geral da ONU como o diretor da OMS, a preocupação de perder o interesse gerado foi explicitada por alguns oradores do encontro chamado Progressos, desafios, oportunidades e novas formas de abordar a resistência aos antibióticos, organizado pela UN Foundation.

Essas novas formas passam por abordar os dois grandes geradores de resistências: o uso indevido em seres humanos e o abuso nos animais. No que diz respeito às pessoas, são drogas que muitas vezes não exigem receita e é frequente que sejam consumidas à vontade. Particularmente perigoso é tomar de forma incompleta, porque o micro-organismo não chega a ser eliminado, mas conhece seu inimigo aprendendo a lutar contra ele. “Costuma-se debater que sempre é necessária a receita, mas em muitas partes do mundo este é um processo complicado que privaria milhões de pessoas do tratamento. Precisamos encontrar as soluções mais adequadas para cada realidade”, observou Julie Gerverding, vice-presidenta da farmacêutica Merck. “O necessário é um diagnóstico no começo para que o paciente tenha o tratamento correto o quanto antes”, acrescentou.

Por causa das resistências já morrem cerca de 700.000 pessoas por ano no mundo

As campanhas de informação, tanto para médicos quanto para pacientes, são uma das principais ferramentas para evitar esse mau uso de antibióticos. Jean Halloran, diretora das iniciativas de alimentação da União de Consumidores, explicou que sua organização está desenvolvendo em 20 países uma campanha que incentiva o uso de menos remédios. Nos consultórios, por exemplo, facilitam uma lista de perguntas que o próprio paciente deveria fazer ao seu médico se ele prescrever um antibiótico para ter certeza que é absolutamente necessário.

Mas talvez a arma mais valiosa para combater a resistência sejam as vacinas. Com elas, evitamos um grande número de doenças bacterianas comuns, o que torna os antibióticos desnecessários. “Imunizar 100% das crianças do mundo seria mais eficaz do que qualquer outra coisa”, afirmou Tim Evans, diretor de Saúde do Banco Mundial.

Sua organização calculou os custos da resistência. Em março passado publicou um relatório mostrando que não apenas são um perigo para a saúde, mas também para a economia. No melhor dos cenários, calculam uma queda do PIB mundial de 1,1% em comparação com o que aconteceria se não existisse, o que equivale a um trilhão de dólares por ano até 2030. O cenário mais pessimista eleva esse número para 3,8% de queda, 3,4 trilhões anualmente.

Não só o medicamento em seres humanos tem um papel importante nestes números. Outro dos grandes focos de resistência é a agricultura e o gado. Os animais recebem enormes quantidades de antibióticos para prevenir e curar as doenças comuns que ocorrem em ambientes lotados. E em muitos países (não na União Europeia), ainda está permitido administrar pequenas doses para favorecer a engorda. Este é o ambiente perfeito para que as bactérias se tornem resistentes.

Mas, ao mesmo tempo, a administração de medicamentos aos animais é necessária para a segurança deles mesmos e dos seres humanos. E seu uso vai continuar a crescer. De acordo com estimativas da agência da ONU para a Alimentação e a Agricultura (FAO), vai dobrar nos próximos 20 anos pela intensificação da pecuária e da aquicultura. E também o tratamento das plantas, através da utilização de antibióticos nos pesticidas, contribui para a resistência.

O PIB mundial pode sofrer entre 1,1% e 3,8% pela “epidemia”, de acordo com estimativas do Banco Mundial

A FAO faz uma série de recomendações para detê-la: práticas sustentáveis, com boa higiene e medidas de biossegurança para começar a reduzir a necessidade de antibióticos; melhorar a prática veterinária; conhecimento do uso das drogas entre os agricultores e pecuaristas; acesso a diagnósticos rápidos…

Também nos animais as vacinas têm um papel crucial. Bard Skjesltad, chefe de Biologia e Nutrição da empresa aquícola Salmar, explicava que com imunizações conseguiram reduzir o uso de antibióticos para 1%, enquanto produzem entre três a quatro vezes mais comida. “Quando você para de medicar os animais enfrenta problemas de saúde, mas o fundamental são as medidas preventivas”.

Nos países desenvolvidos, as redes de fast food são a chave para combater o problema. De acordo com Jean Halloran (União de Consumidores), são as responsáveis pela produção de 25% das aves nos EUA. Nestes animais, estão conseguindo enormes reduções, começando pelo McDonald’s, que anunciou que iria parar de usar antibióticos neles. “Com a carne bovina e suína os progressos são mais lentos, mas podem ser feitos”, disse Halloran, que argumenta que já foi demonstrada a possibilidade que a produção em massa diminua o consumo de medicamentos com um custo muito baixo.

Mas o relógio está correndo contra a saúde global quando falamos de resistência aos medicamentos. As medidas precisam ser tomadas agora. Porque, como alertava o diretor da OMS, há poucos medicamentos novos que conseguirão resolver um problema que pode se tornar a maior epidemia nos próximos anos.

A participação de Planeta Futuro na Assembleia Geral das Nações Unidas foi possível graças ao apoio da UN Foundation.
ElPais

Guerra às drogas: Cinco ex-presidentes defendem o fim da guerra às drogas

Ex-chefes de Estado divulgaram um relatório pedindo o fim da guerra às drogas. Mas há pouca esperança de mudança para a próxima conferência da ONU sobre o tema.

Cinco ex-presidentes defendem o fim da guerra às drogas
Mudar a abordagem proibitiva da ONU requer apoio dos 193 países-membros
(Foto: Flickr/Neal Jennings)
Após muito dinheiro gasto e muita violência a guerra às drogas mostrou poucos resultados. Por conta disso, a ideia de mudança de abordagem vem ganhando adeptos em vários países.

A última crítica ao modelo vigente veio nesta quinta-feira, 24, através de um grupo de ex-presidentes e empresários que divulgou um relatório chamado “Ending the War on Drugs” (“Finalizando a Guerra às Drogas”).[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

O documento reúne vários artigos sobre o tema publicados pelos ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso, do Brasil, César Gaviria, da Colômbia, Ernesto Zedillo, do México, Olusegun Obasanjo, da Nigéria e Ruth Dreifuss, da Suíça, além de um grupo de especialistas.

O empresário George Soros, que já financiou vários grupos pró-legalização, também participou do relatório. Todos eles condenam o que enxergam como uma derrota política, econômica e de saúde pública.

A divulgação do relatório tem como objetivo influenciar os diplomatas que no mês que vem se reunirão em Nova York para a próxima conferência especial da Assembleia Gera da ONU sobre o tema.

A última conferência ocorreu em 1998, com o slogan “Um Mundo Livre de Drogas”.

Apesar do estímulo a uma nova abordagem, a próxima conferência não gera muitas expectativas.

A mais recente conferência da Comissão de Narcóticos da ONU, encerrou na última terça-feira, 22, com um projeto de declaração que sequer critica o uso de pena de morte para crimes relacionados às drogas, algo que era o mínimo esperado por aqueles que advogam por mudanças.

Os argumentos usados pelos ex-presidentes conseguiram persuadir um considerável número de pessoas a repensar o assunto, incluindo os Estados Unidos.

O país, que antes liderava a guerra às drogas, legalizou o uso medicinal e recreativo da maconha em vários estados e atualmente metade da população americana defende essa ideia.

Porém, mudar a abordagem proibitiva determinada pela ONU requer o apoio de todos os 193 países-membros, muitos deles firmes na decisão de manter a política atual.

O mais provável é que a discussão da reunião do mês que vem seja superficial e leve a entender que as demais conferências não serão reformadas, mas sim ignoradas.
Fonte:Opinião&Notícia

Má qualidade do meio ambiente causa 12,6 milhões de mortes por ano

A OMS calcula que 23% das mortes por ano se devem a ambientes pouco saudáveis.

Em Pequim, moradores aderem ao uso de máscaras.
Em Pequim, moradores aderem ao uso de máscaras. Kevin Frayer (Getty Images)

As más condições ambientais são responsáveis por 12,6 milhões de mortes por ano no planeta, segundo um relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS) apresentado nesta terça-feira. Isso significa que cerca de 23% das mortes no mundo ocorrem por se “viver ou trabalhar em ambientes poucos saudáveis”.

Os fatores de risco ambientais —como a poluição do ar, da água, do solo, a exposição a produtos químicos, a mudança climática e a radiação ultravioleta— “contribuem para mais de 100 doenças ou traumatismos”, afirma esta organização internacional em seu estudo A prevenção de doenças por meio de ambientes saudáveis.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Trata-se da segunda edição deste relatório, que parte de dados de 2012. O estudo anterior foi realizado há quase uma década. Maria Neira, diretora do Departamento de Saúde Pública, Meio Ambiente e Determinantes Sociais da OMS, ressalta que nestes dez anos essa porcentagem de 23% de mortes por causas ambientais não variou.

Mas mudaram os tipos de doenças. “Atualmente, dois terços das mortes são por doenças crônicas, como as cardiovasculares, enfartes, câncer ou doenças respiratórias crônicas”, afirma. De concreto, segundo aponta o estudo, as mortes por doenças não transmissíveis que podem ser atribuídas à contaminação do ar (incluída a exposição à fumaça do tabaco alheio) aumentaram até a cifra de 8,2 milhões”.

Nesta última década, paralelamente, a OMS ressalta que “reduziram-se as mortes devido a doenças infecciosas como diarreia e malária”, que estavam vinculadas à má qualidade da água, do saneamento e da gestão do lixo. Supõe-se que por trás dessa redução está “a melhoria do acesso à água potável e ao saneamento, assim como a imunização, a focos de mosquito tratados com inseticidas e a medicamentos essenciais”, afirma a organização internacional.

A mudança no padrão das mortes causadas por problemas ambientais propõe desafios. “As doenças crônicas são mais custosas para um país”, ressalta Neira ao compará-las com as infecciosas. “Têm um custo altíssimo para a sociedade”, acrescenta.

Epidemia

A responsável da OMS recorda que as doenças crônicas —como as cardiovasculares ou o câncer— se associam a “causas pessoais”, como o sedentarismo ou o fumo. Mas o relatório também destaca que há componentes ambientais, como a má qualidade do ar, a exposição a produtos químicos e a queima de combustíveis fósseis nas casas. “É preciso controlar esses fatores de risco”, recomenda Neira.

Os mais afetados pela má qualidade do ambiente são as crianças e as pessoas mais velhas

Em sua opinião, a maioria das medidas têm de ser aplicadas nas cidades. “É preciso melhorar e planejar as cidades”, onde se concentram muitos dos fatores de risco ambientais. Além disso, a especialista recorda que, em 10 anos, calcula-se que “70% da população viverá em cidades”. “É preciso melhorar o transporte e os combustíveis para ter uma economia com menos dióxido de carbono.”

Crianças e idosos

Os mais afetados pela má qualidade do ambiente são as crianças e as pessoas mais velhas. A OMS sustenta que por ano poderiam ser evitadas 1,7 milhão de mortes de menores de cinco anos e 4,9 milhões de adultos entre 50 e 75 anos se a gestão do meio ambiente for melhorada. “As infecções das vias respiratórias inferiores e as doenças diarreicas afetam sobretudo os menores de cinco anos, enquanto que as pessoas mais velhas são as mais afetadas pelas doenças não transmissíveis”, afirma a organização.

Por áreas geográficas, a que mais sofre com a má qualidade ambiental é o Sudeste Asiático, com 3,8 milhões de mortes anuais. Atrás dela está o Pacífico Ocidental (3,5 milhões) e a África (2,2 milhões). Nos últimos lugares estão o Mediterrâneo oriental (854.000) e os Estados Unidos (847.000). Na Europa, segundo a OMS, as más condições ambientais causam 1,4 milhão de mortes por ano.

Doenças

O estudo identifica uma centena de doenças ou traumatismos vinculados às condições ambientais negativas. À frente em relação à mortalidade relacionada ao meio ambiente, estão, segundo a OMS, os “acidentes vasculares cerebrais”, que representam 2,5 milhões de mortes por ano. Atrás deles estão as cardiopatias isquêmicas, com 2,3 milhões. Em terceiro lugar estão os chamados “traumatismos involuntários”, por exemplo, “mortes por acidente de trânsito”, que respondem por 1,7 milhão de mortes anuais, número semelhante ao de vários tipos de câncer.
El País/Manuel Planbelles

WikiLeaks: EUA espionaram Netanyahu, Berlusconi e Ban Ki-moon

EUA espionaram Netanyahu, Berlusconi e Ban Ki-moon, segundo WikiLeaksNovos documentos revelam espionagem por parte da NSA a líderes mundiais

O WikiLeaks é uma organização criada por Julian Assange (Fonte: Reprodução/Wikipedia)

Novos documentos divulgados nesta segunda-feira, 22, pelo site Wikileaks revelaram que a Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA, na sigla em inglês) espionou líderes mundiais como o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, o ex-premier da Itália Silvio Berlusconi e o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

De acordo com a organização criada por Julian Assange, a NSA realizou escutas em um encontro entre Ban Ki-moon e a chanceler da Alemanha, Angela Merkel.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Uma conversa entre Netanyahu e Berlousconi também teria sido alvo de espionagem norte-americana, além de um encontro entre responsáveis de comércio do alto escalão da UE e do Japão, e uma reunião particular entre Berlusconi, Merkel e o ex-presidente da França Nicolás Sarkozy.

Os documentos mostram que Angela Merkel e Ban Ki-moon conversaram sobre como combater a mudança climática.

Já Netanyahu teria pedido a Berlusconi ajuda para lidar com o governo dos EUA, e Sarkozy teria alertado o ex-premier italiano sobre os perigos do sistema bancário de seu país.

Julian Assange afirmou que “será interessante ver a reação da ONU, já que se o secretário-geral pode ser um alvo (da espionagem dos EUA) sem nenhuma consequência, então qualquer um, desde um líder mundial a um varredor de rua, estaria em risco”.

Fontes:
Uol – Wikileaks revela espionagem dos EUA a Netanyahu, Berlusconi e Ban Ki-moon

WIKILEAKS: Juristas da ONU consideram ilegal a detenção de Assange

Um grupo de juristas da ONU disse que o fundador da WikiLeaks vive em um regime de detenção ilegal. O caso ainda é avaliado por grupo da ONU.

Juristas da ONU consideram ilegal a detenção de Assange
Assange disse que aceitaria a detenção caso a ONU dê um parecer desfavorável (Foto: Reprodução/ Youtube)
Juristas do Grupo de Trabalho da ONU para Detenções Arbitrárias determinou que a detenção do fundador da ONG WikiLeaks, Julian Assange, é ilegal, segundo informações da BBC. A declaração, vazada à BBC nesta quinta-feira, antecipa o anúncio oficial da decisão do grupo marcado para acontecer na sexta-feira, 5.  A pedido de Assange, que está refugiando há mais de três anos na embaixada do Equador em Londres, o grupo da ONU avalia se sua situação equivale a uma detenção ilegal.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Na manhã desta quinta-feira o australiano disse, pelo Twitter, que caso a ONU dê um parecer contrário e avalie que não há ilegalidade por parte das autoridades suecas e britânicas, deixaria a embaixada e aceitaria a detenção no Reino Unido.

“Se a ONU anunciar amanhã que perdi meu caso contra Reino Unido e Suécia, deverei deixar a embaixada (do Equador em Londres) ao meio-dia de sexta-feira para aceitar a detenção por parte da polícia britânica, já que uma apelação não parece possível. Entretanto, se eu ganhar e as partes do Estado serem autuadas por terem agido ilegalmente, espero o retorno imediato do meu passaporte e a rescisão de novas tentativas de me prender”, afirmou Assange.

O fundador do WikiLeaks fez o pedido ao grupo da ONU alegando que havia sido privado de suas liberdades fundamentais no período de refúgio. Caso seja aceito, a ONU pedirá a libertação do australiano. No entanto, a decisão do grupo não será juridicamente vinculante, com isso, o anúncio na sexta-feira não garantirá um efeito prático sobre uma possível detenção de Assange.

Autoridades britânicas permanecem no entorno da embaixada equatoriana. “A ordem ainda está vigente. Se ele sair da embaixada, faremos de tudo para prendê-lo”, disse um porta-voz da polícia britânica.

Assange vive na embaixada do Equador desde junho de 2012, fugindo de acusações da Justiça da Suécia. O australiano é acusado de abuso sexual contra duas mulheres, mas nega as acusações.

Assange teme que autoridades suecas o extraditem para os EUA, onde ele é acusado do crime de espionagem por ter divulgado documentos confidenciais do governo americano. O governo equatoriano concedeu asilo político ao australiano, mas o governo britânico negou o salvo-conduto.
Fonte:Opinião&Notícia

Os argumentos contra e a favor de bombardear o Estado Islâmico

Em questão de alguns poucos anos, o autodenominado Estado Islâmico se tornou um dos grupos jihadistas mais radicais e brutais em ação, responsável por violentos ataques como o que deixou 130 mortos em Paris no mês passado.

A possibilidade de ataques aéreos contra o ‘Estado Islâmico’ na Síria motivou protestos em Londres. Os críticos dizem temer uma repetição do prolongado conflito no Iraque. Image copyright AFP GETTY

Muitos países europeus elevaram seus níveis de alerta, diante da ameaça de novos atentados.

Mas qual deve ser a resposta a essa situação?

Leia também: O pai que salvou dezenas de vidas se jogando contra um homem-bomba do ‘EI’ em Beirute

Nesta quarta-feira, os Parlamentos do Reino Unido e da Alemanha votam propostas polêmicas para autorizar o bombardeio de posições do EI na Síria.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Mas essa possibilidade causa grandes divisões.

Há quem acredite que atacar o EI na Síria destruirá a infraestrutura do grupo extremista. Para outros, apenas aumentará o caos na região e o risco de ataques em território europeu.

Confira os principais argumentos a favor e contra a entrada na ofensiva bélica, da qual já participam Rússia, França e uma coalizão liderada pelos Estados Unidos.

CONTRA

Muitos sírios inocentes poderiam morrer

A organização Airwars, que monitora mortes de civis em conflitos, disse que a campanha russa contra posições do EI na Síria deixou, somente em outubro, pelo menos 250 civis mortos.

Redes de TV árabes também reportaram casos de vítimas civis, incluindo crianças, por consequência dos bombardeios que a França lançou contra o EI na cidade síria de Raqqa, depois dos ataques de Paris.

Cerca de 500 mil iraquianos morreram por causas relacionadas à guerra desde a invasão liderada por George W. Bush e Tony Blair em 2003.
Image copyright AP

Quem critica os bombardeios assegura que eles apenas aumentaram o sofrimento da população civil na Síria, onde quatro anos de guerra deixaram mais de 210 mil mortos, entre os quais ao menos 100 mil civis, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos, organização sediada no Reino Unido.

O conflito também já gerou quatro milhões de refugiados e ao menos 7,6 milhões de desalojados internos, segundo a Organização das Nações Unidas.

Bombardeios não serão efetivos sem tropas em solo

Em discurso recente no Parlamento britânico, em que defendeu a entrada do Reino Unido nos ataques aéreos contra o EI, o primeiro-ministro David Cameron disse que “especialistas” identificaram “cerca de 70 mil combatentes sírios de oposição em solo e que não pertencem a grupos extremistas”.

Legisladores manifestaram descrença na afirmação e pediram a Cameron que explique como se chegou a esse número e de onde exatamente sairão esses soldados.

Há ainda outro complicador: se esses são combatentes de oposição ao presidente sírio, Bashar Al-Assad, que conta com o apoio da Rússia, como Moscou responderá?

Não há estratégia coerente para uma transição política

A sombra da guerra do Iraque pesa forte no debate sobre bombardeios na Síria.


O premiê britânico, David Cameron, disse que haverá 70 mil combatentes sírios em solo prontos a apoiar eventuais bombardeios aéreos – mas nem todos acreditam que isso seja verdade. Image copyright EPA

Qual é exatamente a estratégia de Cameron para uma transição política na Síria que encerre a guerra civil? Qual é o plano de reconstrução e quem preencherá o vácuo gerado por uma derrota do EI? Até que ponto vai a moderação de grupos considerados moderados com a Frente Al Nusra?

Alguns legisladores britânicos asseguram que não se repetirá o erro cometido no Iraque, onde a invasão não foi sucedida por um plano efetivo de reconstrução e transição.

O custo humano foi desolador: cerca de 500 mil iraquianos morreram por causas relacionadas à guerra desde a invasão liderada por George W. Bush e Tony Blair em 2003, segundo estudo de 2013 coordenado por Amy Hagopian, da Universidade de Washington.

Os bombardeios criarão mais jihadistas e elevarão os riscos de ataques na Europa

O EI nasceu seis meses após o início da guerra do Iraque e é um “filho” do ex-presidente dos EUA George W. Bush, escreveu o jornalista Jurgen Todenhofer, um dos primeiros a entrevistar líderes do Estado Islâmico.

O ex-prefeito de Londres Ken Livingstone, do Partido Trabalhista, de oposição a Cameron, disse que os bombardeios apenas deixarão o “EI ainda mais decidido a vir para a Europa nos matar”.

Os ataques são ilegais

A resolução 2.249 aprovada pelo Conselho de Segurança da ONU em 20 de novembro convoca os Estados membros a “tomar todas as medidas necessárias, conforme o direito internacional” para “erradicar os refúgios do EI” no Iraque e na Síria.

Mas o texto não autoriza especificamente o uso da força, nem esclarece quais são “medidas necessárias” nem menciona o capítulo VII da Carta da ONU, que contempla ações militares para restaurar a paz e a segurança.

A FAVOR

É inconsistente atacar o EI apenas no Iraque, e não na Síria

Em mensagem ao Parlamento britânico, Cameron destacou que a atual autorização a bombardeios britânicos somente no Iraque “jamais teve sentido sob o ponto de vista militar”.

“Atuaremos com nossos aliados pelo interesse nacional. É o que devemos fazer para manter nosso país seguro”, disse David Cameron ao defender os bombardeios. Image copyright AFP

“O EI não reconhece fronteiras entre Síria e Iraque e opera em um único espaço que se estende por ambos países”, disse Cameron.

Por outro lado, serviços de inteligência britânicos já colaboram em ataques com drones contra membros do EI na Síria, como o que matou Mohammed Emwazi, britânico conhecido como “John Jihadista”, por ter se associado ao grupo.

Os bombardeios, segundo essa visão, seriam o passo lógico seguinte.

Os ataques são necessários para proteger o Reino Unido

“Atuaremos com nossos aliados pelo interesse nacional. É o que devemos fazer para manter nosso país seguro”, disse Cameron.

O governo britânico afirmou que o Reino Unido enfrenta uma ameaça real de ataques pelo EI e assegurou ter frustrado ao menos sete atentados planejados contra alvos em território britânico nos últimos 12 meses.

Solidariedade aos aliados

Logo após os atentados em Paris, Cameron disse ao Parlamento que havia uma crescente necessidade de “responder ao chamado dos aliados para atuar contra o Estado Islâmico na Síria e no Iraque”.

Dois aliados da Otan (a aliança militar do Atlântico Norte), França e Estados Unidos, já bombardearam alvos do EI na Síria.

Os bombardeios ajudarão a destruir a infraestrutura do EI

Essa infraestrutura é o que permite ao EI fazer fortunas arrecadando impostos, vendendo petróleo e tesouros arqueológicos, atraindo voluntários e bancando ataques em Beirute, Túnis, Paris e outros alvos.

A guerra civil na Síria já deixou mais de 200 mil mortos, além de 4 milhões de refugiados e ao menos 7,6 milhões de desalojados internos.
Image copyright AFP GETTY

Cameron insiste em classificar uma possível ofensiva aérea contra o EI como parte de um plano maior.

Em moção aprovada pelo governo na terça-feira, o primeiro-ministro britânico destaca que ações militares contra o EI se inserem em “estratégia mais ampla”, que inclui “elementos políticos, diplomáticos e de ajuda humanitária, todos os quais devem ser levados em conta para alcançar a paz na Síria”.

Os bombardeios são permitidos pela ONU

A resolução 2.249 da ONU diz que os Estados membros devem adotar “todas as medidas necessárias” para erradicar esconderijos do EI na Síria e no Iraque, e afirma que o grupo representa uma “ameaça sem precedentes à paz e segurança internacionais”.

Cameron sempre disse que possui autoridade para agir em legítima defesa.

E a França, que propôs a resolução da ONU em questão, disse que o texto autoriza a legítima defesa coletiva sob o artigo 51 da Carta da ONU, que contempla esse recurso em caso de ataques armados contra um Estado membro.

Após a aprovação da resolução, o governo de François Hollande anunciou imediatamente o reforço da capacidade militar francesa na região e a intensificação dos ataques contra alvos do EI.

Conectadas e violentadas: como a tecnologia é usada em abusos contra mulheres

Quando a atriz britânica Emma Watson fez campanha a favor da igualdade entre gêneros na Organização das Nações Unidas (ONU), ela não sabia que estava tornando a si própria um alvo da perseguição por uma turba global.

Blog do Mesquita,Violência contra Mulher,Tecnologia da Informação,Internet,Redes sociais 01
Em tempos de constante conectividade, tecnologia tornou-se ferramenta para ‘atacar mulheres e meninas’, alertou a ONU – Image copyright THINKSTOCK

Tampouco sabia a desenvolvedora de jogos Zoe Quinn que ela seria vítima de abusos por entrar num mundo predominantemente masculino – a campanha de ódio, chamada “Gamergate”, começou quando seu ex-namorado a acusou de ter conseguido uma boa cobertura da mídia de um de seus jogos ao oferecer favores sexuais.

O que veio depois foi um assédio misógino de outros jogadores online, inclusive com ameaças de estupro e morte.

De forma similar, a atriz americana Jennifer Lawrence tornou-se vítima de um “crime sexual” depois que fotos em que estava nua foram vazadas e distribuídas pelo mundo digital.

Leia também: Como a mobilização de duas jovens levou o metrô de SP a agir contra abuso sexual

Leia também: #PrimeiroAssédio: Maioria de participantes de campanha sofreu 1º abuso entre 9 e 10 anos

Como estes, há muitos outros exemplos: em tempos de constante conectividade, a tecnologia virou uma ferramenta para “atacar mulheres e meninas”, alerta a ONU.

Milhões de mulheres no mundo são alvo de violência doméstica só por serem o que são: mulheres. E a popularização de tecnologias de comunicação e redes sociais viabilizaram novas formas de violentá-las.

Está na hora de o “mundo despertar” para a importância deste assunto, disse a ONU. A organização estima que 95% de todos os comportamentos agressivos e difamadores na internet tenham mulheres como alvos.

“A violência online subverteu a premissa original positiva da liberdade na internet e, com demasiada frequência, a tornou um espaço arrepiante que permite crueldade anônima e facilita ataques contra mulheres e meninas”, diz Phumzile Mlambo-Ngcuka, da ONU Mulher, agência da organização dedicada à igualdade de gêneros e maior poder feminino.

A violência de gênero no mundo digital não é mais um “problema de primeiro mundo”, dizem especialistas em tecnologia, e vem na esteira da popularização global de smartphones e tablets e da internet.

Também não é fácil combatê-lo, já que tecnologias digitais são uma faca de dois gumes, que pode ser usada tanto para perpetrar a violência de gênero quanto para fazer mulheres sentirem-se seguras e mais independentes.

Pandemia digital

Com uma em cada três mulheres já tendo sofrido com isso, a Organização Mundial da Saúde (OMS) considera a violência contra a mulher “como um problema global de saúde de proporções epidêmicas”, que varia desde abusos domésticos a assédio na rua, tráfico sexual, estupro e feminicídio.

A mídia social impulsionou ainda mais esta pandemia.

Blog do Mesquita,Violência contra Mulher,Tecnologia da Informação,Internet,Redes sociais Zoe Quinn
Desenvolvedora de jogos Zoe Quinn foi vítima de abusos na internet.
Image copyright ITU. Jacobson Gonzalez

“A internet está disponível para todos, assim como a violência. Seus perpetradores não estão mais limitados por fronteiras geográficas ou físicas”, diz a baronesa Patricia Scotland, ex-procuradora-geral do Reino Unido e fundadora da organização Aliança Corporativa Contra Violência Doméstica.

O centro de estudos Associação pela Comunicação Progressiva estabeleceu os “quatro As” que distinguem a violência de gênero relacionada à tecnologia: anonimato, acessibilidade, ação à distância (exercendo assim uma forma de violência menos aparente sem contato físico) e automação (ou seja, menos tempo e esforço são necessários para perpetrar o ataque).

Este comportamento violento online vai desde o assédio virtual e aviltamento público ao desejo de agressão física – e a internet pode ser a ferramenta para transformar a violência virtual em violência real.

“Intimidação, ameaças e acesso a informações da vítima não são táticas novas dentro do contexto da violência doméstica. Mas o uso da tecnologia significa que o assédio e abuso podem se tornar muito mais invasivos, intensos e traumatizantes”, diz Kaofeng Lee, da organização sem fins lucrativos Rede Nacional pelo Fim da Violência Doméstica (NNEDV, na sigla em inglês).

Blog do Mesquita,Violência contra Mulher,Tecnologia da Informação,Internet,Redes sociais 02

Uma pesquisa realizada pela NNEDV, que é baseada nos Estados Unidos, descobriu que 89% das vítimas inscritas em programas relacionados à violência doméstica sofreram algum tipo de abuso por meio de tecnologias, muitas vezes em diferentes plataformas.

E as vítimas são cada vez mais jovens, segundo mostram os números.

Nada de trotes

A reação nas redes sociais de mulheres famosas contra esta violência tem ajudado a conscientizar sobre o poblema, dizem especialistas.

Não foram apenas Jennifer Lawrence e Emma Watson. Há também Caroline Criado-Perez, por exemplo, que por algum tempo tornou-se o principal alvo de abuso online na parte da internet que fala inglês após pedir ao governo britânico para colocar mais mulheres entre os rostos estampados nas cédulas de dinheiro.

Blog do Mesquita,Violência contra Mulher,Tecnologia da Informação,Internet,Redes sociais 03
Mulheres têm se unido em todo o mundo para conter e expor casos de violência.
Image copyright AFP

Ela foi vítima de uma intensa perseguição em mídias sociais: insultos, provocações e ameaças por outros usuários.

Alguns acreditam que a falta de regulamentação na maioria dos países precisa ser resolvida, além do simples fato que a intimidação digital não é sempre levada a sério.

Danielle Citron, professora da Universidade de Maryland e autora de Hate Crimes in Cyberspace (crimes de ódio no ambiente cibernético, em inglês), analisou as reações mais comuns a ameaças de morte e estupro na internet e descobriu que, às vezes, estas mensagens são consideradas “inofensivas” ou “trotes juvenis”.

E que as ferramentas de denúncia criadas por redes sociais para ajudar seus membros a notificar abusos “apenas um paliativo para um problema do mundo real potencialmente perigoso”.

Blog do Mesquita,Violência contra Mulher,Tecnologia da Informação,Internet,Redes sociais 04
Atrizes famosas também têm sido alvo de violência virtual, como em casos de pornografia de vingança – Image copyright GETTY
Blog do Mesquita,Violência contra Mulher,Tecnologia da Informação,Internet,Redes sociais 06
Campanhas têm ganhado repercussão, e alguns países já introduziram medidas legais para punir agressores – Image copyright AFP

Citron tem feito uma campanha nos Estados Unidos por leis que criminalizem a pornografia de vingança – a publicação de imagens sexualmente explícitas sem o consentimento da pessoa fotografada e uma forma de violência doméstica na era digital que já é penalizada em alguns países.

Mas tem enfrentado críticos poderosos, principalmente entre ativistas online que argumentam que uma legislação assim feriria a liberdade de expressão.

Jillian York, diretora da Electronic Frontier Foundation, organização internacional que advoga por direitos civis na rede, acredita que plataformas de mídia social não deveriam filtrar conteúdo para monitorar casos de violência.

“Isso estabelece um precedente perigoso para que determinados grupos exijam censura do Facebook a assuntos de seu interesse”, ela escreveu no site Slate.

Blog do Mesquita,Violência contra Mulher,Tecnologia da Informação,Internet,Redes sociais 05

Jonathan Bishop, especialista em assédio online, afirma que, na maioria dos sites, os usuários são capazes de controlar o comportamento coletivo, apesar de considerar que leis sejam necessárias quando esta autorregulação falha.

Um estudo recente da ONU pede que integrantes deste mercado – que vão desde provedoras e empresas de serviços de telefonia celular a companhias de redes sociais, videogames e todos os tipos de sites – exerçam essa vigilância.

“Empresas de tecnologia precisam reconhecer explicitamente a violência contra mulheres como um comportamento criminoso” e fornecer “apoio para vítimas/sobreviventes”, afirma o relatório.

Mas o cenário é bem desanimador: estatísticas revelam que uma em cada cinco usuárias de internet vivem em países onde a violência de gênero tem poucas chances de ser punida por meio de lei.