Meio Ambiente: Alemanha encaminha lei para neutralidade de carbono em 2045

Após advertência do tribunal constitucional, governo apresenta projeto de lei com metas climáticas mais ambiciosas, que prevê neutralidade de carbono cinco anos mais cedo e redução de emissões em 65% até 2030.

Em abril, o Tribunal Constitucional Federal declarou que as atuais diretrizes climáticas do país são “insuficientes”

O governo da Alemanha apresentou nesta quarta-feira (12/05) um projeto de lei com metas mais ambiciosas para as reduções de gás carbônico (CO2) do país, depois de o Tribunal Constitucional Federal ter declarado a lei atual insuficiente.

O projeto estipula como nova meta reduzir as emissões em 65% até 2030 em comparação com os níveis de 1990, e em 88% até 2040. O texto segue agora para aprovação no Bundestag (Parlamento) e Bundesrat (câmara onde estão representados os estados da federação).

A meta anterior de redução do governo federal era de 55% até 2030, a mesma da União Europeia, e a neutralidade de carbono deveria ser alcançada em 2050. O novo objetivo é atingir a neutralidade de carbono até 2045.

“Com essa lei criamos mais justiça geracional, mais certeza no planejamento e uma proteção climática resoluta, que não estrangule a economia, mas a renove e modernize”, afirmou a ministra do Meio Ambiente, Svenja Schulze, que elaborou o projetocom o ministro das Finanças e vice-chanceler, Olaf Scholz.

A decisão do tribunal

Em fins de abril, o Tribunal Constitucional Federal da Alemanha decidiu que a lei de proteção climática do país não estabelecia diretrizes suficientes para a redução de emissões de gases do efeito estufa após 2030 e, portanto, ameaçava direitos fundamentais das próximas gerações.

Os juízes constitucionais deram ao governo prazo até o fim de 2022 para estabelecer metas mais detalhadas de redução das emissões para a próxima década.

No entanto, sob pressão para mostrar que está levando as questões ambientais a sério antes da eleição de setembro, o governo da chanceler federal Angela Merkel agiu rapidamente para ajustar a lei. Tanto a CDU, partido de Merkel, quanto a legenda de coalizão, o SPD, estão atrás do Partido Verde em pesquisas recentes de intenção de voto.

Meio Ambiente: Cataratas de Vitória: como uma das maiores quedas d’água do mundo secou

Cataratas Vitória, acima em foto de janeiro de 2019, ainda no período de cheia

Em seu volume máximo, as Cataratas de Vitória, no Zimbábue, facilmente se encaixam entre as maravilhas naturais do mundo. Com dimensão de 1,7 km em seu ponto mais largo e altura de mais de 100 metros, elas são conhecidas pelos locais não só como as maiores cataratas africanas, mas também como a ‘fumaça que troveja”.

A queda d’água é formada pelo fluxo do rio Zambezi caindo sobre um precipício chamado Primeiro Desfiladeiro. O precipício foi esculpido pela ação da água sobre rochas vulcânicas que formam essa região do sul da África.

Em dezembro de 2019, porém, a maior parte dessa majestosa queda d’água foi silenciada.

Em meio à maior seca em um século na região, sobraram ali apenas alguns filetes de água. Segundo a imprensa local, o fluxo hídrico voltou cerca de três meses depois, mas persistem as preocupações quanto ao futuro das cataratas e do clima africano.Como uma das principais atrações turísticas locais, as Cataratas de Vitória são uma valiosa fonte de renda para o Zimbábue e a Zâmbia. À medida que a notícia do baixo nível de água se espalhou, comerciantes locais notaram uma queda considerável na chegada de turistas.
Além disso, a falta de água prejudicou o abastecimento de energia, uma vez que afetou o funcionamento de hidrelétricas.

Os efeitos foram além: agências humanitárias alertaram que aumentou a necessidade de auxílio alimentar para a população local, uma vez que as colheitas foram prejudicadas pela seca.As Cataratas, em dezembro de 2019; grande parte da queda d’água se reduziu a pequenos filetes

Secas extremas

Observadores de padrões climáticos no rio Zambezi acreditam que as mudanças climáticas estão causando um retardamento da temporada de monções, fazendo com que as chuvas se concentrem em eventos maiores e mais intensos.

Isso torna mais difícil o armazenamento de água na região, além de tornar mais dramático o impacto da temporada estendida de secas, com mais consequências danosas para a população e o meio ambiente.

Um evento climático extremo não pode, isoladamente, ser considerado consequência das mudanças climáticas. Mas essa região do sul da África tem registrado uma série de duras secas que refletem o que cientistas climáticos previam que iria ocorrer, como resultado de aumento nos gases de efeito estufa na atmosfera global, lançados por ação humana.

O presidente da Zâmbia, Edgar Lungu, disse à época que o ressecamento da queda d’água era “um duro lembrete de o que as mudanças climáticas estão fazendo com o nosso ambiente”.Enchentes em Moçambique e Zimbábue em 2019; eventos climáticos mais extremos estão castigando o continente africano

O relatório de 2019 da ONU sobre O Estado do Clima na África pintava um cenário preocupante para um continente que pode ver sua população dobrar no próximo século.

Em discurso no lançamento do relatório, em outubro de 2020, Petteri Taalas, secretário-geral da Organização Meteorológica Mundial, observou: “Mudanças climáticas estão tendo um impacto crescente no continente africano, atingindo com mais dureza os mais vulneráveis, e contribuindo para a insegurança alimentar, o deslocamento de populações e o estresse sobre recursos hídricos”.

“Nos últimos meses, vimos enchentes devastadoras, invasões de gafanhotos do deserto e, agora, a perspectiva de secas, por causa do La Niña”, prosseguiu.

O relatório da ONU acrescenta que 2019 esteve entre os anos mais quentes da história no continente africano, uma tendência que deve continuar.

O mais preocupante é que, ao mesmo tempo em que a África deve ser o continente mais duramente atingido pelas mudanças climáticas, é também o que tem menos capacidade de se adaptar às realidades de um mundo mais quente — em áreas como suprimento de água, segurança alimentar e proteção da biodiversidade, em meio a cada vez mais secas e enchentes intensas.

Compensação de carbono usada por grandes companhias aéreas com base em sistema falho, alertam especialistas

Floresta,Desmatamento,Amazônia,Brasil,Meio Ambiente,EcologiaFlorestas em todo o mundo estão ameaçadas de desmatamento. O parque nacional Tapantí, na Costa Rica, é cuidadosamente protegido como parte dos planos do governo para chegar a zero líquido até 2050. Fotografia: REUTERS / Alamy

O mercado de compensação de carbono de proteção florestal usado por grandes companhias aéreas para reivindicações de voos neutros em carbono enfrenta um problema significativo de credibilidade, com especialistas alertando que o sistema não é adequado para o propósito, descobriu uma investigação.

O dinheiro das compensações de carbono pode fornecer suporte financeiro vital para projetos que buscam proteger e restaurar alguns dos mais belos ecossistemas ameaçados em todo o mundo. Dado que as soluções baseadas na natureza podem dar uma contribuição significativa para a mitigação do clima necessária para estabilizar o aquecimento global, um canal de financiamento funcional será importante para o progresso da mudança climática e, particularmente, para os países em desenvolvimento.Mas uma investigação conjunta sobre os esquemas de compensação usados ​​por algumas das maiores companhias aéreas do mundo realizada pelo Guardian and Unearthed, braço investigativo do Greenpeace, descobriu que embora muitos projetos florestais estivessem fazendo um trabalho valioso de conservação, os créditos que eles geraram ao prevenir a destruição ambiental aparecem para ser baseado em um sistema falho e muito criticado, mesmo que esses créditos estivessem sendo usados ​​para apoiar alegações de “vôo neutro em carbono” e compromissos líquidos zero.

Analisamos 10 esquemas de proteção florestal que as companhias aéreas estavam usando antes da pandemia, que foram credenciados pela Verra, uma organização sem fins lucrativos dos EUA que administra o padrão de crédito de carbono líder mundial, VCS (Verified Carbon Standard). Os projetos estimam as emissões que evitaram, prevendo quanto desmatamento e desmatamento teriam ocorrido sem eles. As reduções são então vendidas como créditos. Descobrimos que suas previsões eram frequentemente inconsistentes com os níveis anteriores de desmatamento na área e, em alguns casos, a ameaça às árvores pode ter sido exagerada.

Além disso, existem preocupações sobre o problema inerente de olhar para o futuro e prever quais árvores seriam ou não abatidas, e de provar a adicionalidade – que o próprio projeto fez uma diferença para o resultado – que atrapalhou o sistema de compensação de seu início. Embora tenha havido trabalho para abordar essa questão fundamental, descobrimos que as preocupações permaneceram.

As descobertas foram duramente criticadas pela Verra, que afirma que os métodos por eles endossados ​​contribuíram para a luta contra as mudanças climáticas e o desmatamento, e transformaram as economias locais para melhor.
As descobertas foram duramente criticadas pela Verra, que afirma que os métodos por eles endossados ​​contribuíram para a luta contra as mudanças climáticas e o desmatamento, e transformaram as economias locais para melhor.

Thales West, um cientista e ex-auditor de projetos, conduziu um estudo sobre esquemas na Amazônia brasileira que descobriu que os projetos costumavam exagerar nas suas reduções de emissões. Ele disse que as metodologias “não são robustas o suficiente”, o que significa que “há espaço para projetos gerarem créditos que não tenham nenhum impacto no clima”.

Arild Angelsen, professor de economia da Universidade Norueguesa de Ciências da Vida e especialista em Redd + (redução das emissões do desmatamento e degradação florestal), disse que embora as metodologias da Verra para reivindicar créditos fossem uma tentativa séria de medir as reduções de emissões decorrentes da redução do desmatamento, eles eram atualmente não é robusto o suficiente.

Britaldo Soares-Filho, especialista em modelagem de desmatamento e professor do Instituto de Geociências da Universidade Federal de Minas Gerais, disse ao Guardian que, no sistema atual, calcular reduções genuínas de emissões depende da capacidade de prever o futuro com precisão. “Os modelos não são bolas de cristal. Os modelos são um sinal para ajudar a formular políticas e avaliar as opções de políticas ”.

O software de uso da terra que ele projetou, Dinamica EGO, é frequentemente usado por projetos para prever onde o desmatamento teria ocorrido. Soares-Filho disse, em sua experiência, os projetos tendem a aumentar as ameaças à floresta e as atuais abordagens de modelagem resultam em “créditos de carbono fantasma”.
Alexandra Morel, uma cientista do ecossistema da Universidade de Dundee que esteve envolvida na criação de um dos 10 projetos em questão, acredita que foi difícil julgar se as reduções de emissões reivindicadas pelos projetos eram reais.

“É impossível provar um contrafactual”, disse ela. “Em vez de apenas avaliar quais florestas estão realmente lá, que estão ativamente fornecendo um sumidouro ou armazenamento de carbono agora, temos que supor quais florestas ainda estariam aqui contra quais são as florestas bônus que foram poupadas do machado teórico.”

Margaret Kim, CEO da Gold Standard, outra organização que certifica compensações de carbono, disse ao Guardian e à Unearthed que sua organização não certificou projetos Redd + porque ela acreditava que a forma como foi criada não funcionava. “Um projeto pode realmente selecionar áreas de proxy. Portanto, uma região de referência pode ser configurada para ser mais conveniente para um projeto para maximizar sua taxa de desmatamento de linha de base. ”

A Verra, que atesta os projetos estudados nesta investigação, apontou que muitos dos benefícios proporcionados por esses projetos eram difíceis de medir. “A Verra canaliza financiamento, tecnologia e conhecimento para comunidades rurais dependentes da floresta que, de outra forma, carecem de recursos. Esses projetos enfrentam o desmatamento de maneiras cada vez mais novas e criativas.”Em todo o mundo, terras agrícolas, como a plantação de óleo de palma vista aqui, estão devorando a floresta original. Os projetos florestais buscam reduzir o desmatamento usando uma variedade de métodos. Fotografia: Willy Kurniawan / Reuters

Eles criam empregos criando guardas para vigiar a extração ilegal de madeira; eles apóiam os agricultores locais que desejam mudar para práticas mais sustentáveis; melhoram o acesso à água e à educação. “Em suma, os projetos estão trabalhando para transformar as economias locais para que não tenham mais que depender do corte da floresta.” Alguns dos projetos apontaram que estavam lidando com pecuaristas e madeireiros agressivos, funcionários públicos corruptos, plantações de coca e cartéis de drogas locais e pobreza extrema, bem como mudança climática.

Mas a Verra também acredita fortemente em seu programa Redd + e argumentou que a análise de nossa investigação foi “profundamente falha”. Ele ressaltou que, desde nosso contato inicial com ele, havia iniciado o processo de alteração de seu padrão com um conjunto abrangente de atualizações que acredita representar “nosso compromisso em garantir que a contabilização das reduções de emissão dos esforços de preservação florestal seja o mais precisa possível , incorpora de forma consistente as melhores práticas científicas mais recentes e apóia esforços liderados pelo governo para impedir o desmatamento ”.

Crystal Davis, diretora do Global Forest Watch do World Resources Institute, defendeu fortemente a utilidade dos mecanismos de financiamento da conservação e destacou que “as florestas tropicais não podem perder o Redd + como mecanismo de financiamento da conservação em escala”.

Ela não acha que a análise da McKenzie Intelligence Services (MIS), uma empresa com sede em Londres especializada em análise e inteligência de imagens geoespaciais, mostrou que os projetos estavam inflando suas projeções, mas concordou que “a avaliação post-facto da integridade das linhas de base é realmente difícil de fazer.

“Isso é um grande problema. Eu não acho que o Redd + jamais alcançará todo o seu potencial como um mecanismo de financiamento da conservação se não pudermos criar mais transparência e responsabilidade voltadas para o público no sistema.” Ela acrescentou que foi incentivada a ver grandes esforços em andamento para alcançar isso.
Já se passou bem mais de uma década desde que os governos mundiais surgiram com um plano para desacelerar e até parar o desmatamento como parte da ação internacional sobre a crise climática. O plano era simples: os países em desenvolvimento seriam, basicamente, pagos para não derrubar árvores. A ideia, assinada em 2007, foi batizada de Redd +.

Esperava-se que as reduções de emissões alimentassem um sistema cap-and-trade para o clima, um método baseado no mercado que se provou bem-sucedido algumas décadas antes em lidar com a chuva ácida (e depois a camada de ozônio), estabelecendo limites sobre quanto dióxido de enxofre cada empresa poderia emitir. Se você precisava emitir mais do que seu limite, você comprava créditos de uma empresa que havia conseguido emitir menos. Os benefícios de emitir menos e o custo de emitir mais rapidamente reduziram as emissões. O plano era fazer o mesmo com os gases do efeito estufa em escala global.

Mas 13 anos depois, a intensa discordância sobre o mercado global de carbono que sustentaria o Redd + e outros sistemas de mitigação do clima significa que é a única parte do livro de regras do acordo de Paris que os governos ainda não concordaram. Na ausência de um sistema robusto e internacionalmente aceito, projetos de proteção florestal não regulamentados em pequena escala surgiram em todo o mundo, geralmente conhecidos como “Redd + voluntário”.

Não existe um sistema de certificação oficial, mas o mais utilizado é o Verra. Empresas como companhias aéreas, empresas de sorvete, bancos – qualquer um que emita carbono e queira compensar suas próprias emissões – dão dinheiro às ONGs para continuar protegendo a floresta.

Até agora, o mercado de compensação de carbono tem sido pequeno, cerca de US $ 300 milhões (£ 215 milhões) em 2019. Mas, durante os últimos dois anos, uma grande onda de estratégias corporativas líquidas de zero e reivindicações de neutralidade de carbono mudaram a necessidade de contabilidade de carbono rigorosa para créditos Redd +. O ex-governador do Banco da Inglaterra, Mark Carney, está liderando uma força-tarefa para transformar a compensação de carbono em um mercado anual de bilhões de libras. O chanceler, Rishi Sunak, anunciou sua intenção de fazer de Londres um centro de comércio global para compensações voluntárias.

Para que estes projetos cumpram o papel que lhes foi delineado na descarbonização do mundo desenvolvido, proporcionando compensações para grandes empresas e ajudando a contribuir para a jornada da rede zero, é vital que as metodologias que utilizam para calcular o a redução das emissões são rigorosas e precisas.A extração ilegal de madeira – como este carregamento apreendido pela Polícia Militar da Amazônia no Brasil no ano passado – é uma ameaça crítica para as florestas. Fotografia: Ricardo Oliveira / AFP / Getty Images

Atualmente, a Verra tem uma série de requisitos para projetos que concordará em certificar e existem várias metodologias que podem ser utilizadas. Geralmente, cada projeto Redd + deve medir o desmatamento e as mudanças no uso da terra em uma região de referência, uma área muito maior que é considerada representativa do esquema que geralmente inclui o projeto. Eles também devem documentar as ameaças ambientais de áreas próximas, suas atividades de conservação, a composição ecológica da área e o provável efeito do projeto Redd + nas comunidades que vivem dentro e ao redor dele, em muitos casos projetando tendências históricas no futuro.

O número de créditos de carbono gerados por um projeto depende da diferença entre sua previsão de desmatamento e o que realmente acontece. A Verra diz que suas metodologias são conservadoras por design para garantir que as previsões contrafactuais sejam realistas. As reivindicações são então verificadas por um auditor terceirizado aprovado para ver se eles seguiram a metodologia corretamente.

The Guardian and Unearthed analisaram 10 projetos, que fornecem créditos a seis grandes companhias aéreas, incluindo a British Airways e a easyJet, para avaliar, da melhor forma que pudemos com a ajuda de especialistas e análises de satélite encomendadas, exatamente o quão realistas eram suas previsões. Embora esta não seja uma análise abrangente de projetos voluntários do Redd +, esses projetos constituem 10 dos 79 que Verra supervisiona, portanto, uma análise dará algumas dicas úteis sobre o funcionamento do setor maior. Vimos as ferramentas que eles usaram para suas previsões e os resultados até o momento.

A investigação encontrou um uso inconsistente de métodos e ferramentas preditivas. Dois dos projetos usaram o Dinamica EGO para estimar onde o desmatamento ocorreria devido às ameaças ao meio ambiente. Soares-Filho advertiu contra seu uso para projetos Redd +, e disse que a abordagem de modelagem para calcular linhas de base prospectivas resultou em “créditos fantasmas” porque o software não foi projetado para prever o futuro com precisão.

Dois modelaram o desmatamento e a mudança no uso da terra usando uma ferramenta que lhes permite supor um aumento maciço na taxa de desmatamento em comparação com a taxa histórica.

Um projeto usou um modelo simples de variável única, que previu um grande aumento no desmatamento na ausência do projeto. Outros dois construíram seus próprios modelos – um alegando que toda a floresta tropical teria desaparecido sem eles, outro alegando que cerca de um quarto iria desaparecer. Outro adotou uma linha de base do governo nacional. Um disse que evitaria grandes quantidades de desmatamento com cultivo sustentável de nozes, outro com uma mistura de extração planejada de madeira e proteção florestal.

Vimos as taxas de desmatamento anteriores dentro e ao redor dos projetos e as comparamos com as taxas previstas. Aqui, descobrimos que, onde pudemos comparar, os projetos geralmente previam taxas de desmatamento que pareciam inconsistentes com as taxas anteriores.

Um projeto previu uma taxa anual que era o triplo do pior ano antes de começar. Um em uma parte remota e inacessível da selva baseava suas previsões na taxa de desmatamento de cada lado de uma estrada principal. Outro estava cuidando de uma área que havia sido transformada em parque nacional e onde não ocorria desmatamento ilegal há anos. Apesar disso, previu um grande aumento no desmatamento se o projeto não estivesse lá.

Um tinha taxas muito baixas de desmatamento antes do início do projeto, mas previa altas taxas anuais sem ele, enquanto outro havia adotado uma abordagem geralmente conservadora. Não foi possível avaliar as projeções de cinco projetos devido às limitações técnicas e metodológicas utilizadas.
Quatro esquemas haviam feito previsões de desmatamento sobre sua área de projeto e uma região de referência circundante que poderíamos facilmente examinar. Pedimos à MIS que avaliasse a perda de cobertura de árvores nas áreas de referência de todos os quatro projetos, excluindo as áreas do projeto (por uma série de razões, não era apropriado ou possível examinar todas as 10). Se a cobertura de árvores for menor nessa área, isso pode indicar que as previsões originais eram imprecisas e as linhas de base do desmatamento foram infladas.

No entanto, como Verra, GFW e alguns dos projetos nos indicaram, isso também pode indicar que os projetos foram muito mais bem-sucedidos do que o inicialmente esperado, e que o trabalho para reduzir o desmatamento dentro dos projetos se espalhou para a área circundante, reduzindo o desmatamento na região.

A análise do MIS, de fato, descobriu que o desmatamento nas regiões de referência foi muito menor do que o previsto; em dois projetos, a taxa real de desmatamento, de acordo com os números do MIS, ficou em torno de um terço da taxa prevista. Em outro era metade, enquanto em um terço era apenas um quinto. Mas a dificuldade em avaliar o significado dessas informações destaca um problema fundamental com o sistema contábil.

Conversamos com todos os projetos sobre seus desafios e benefícios de seu trabalho. “[Estamos lidando com] pecuaristas e madeireiros agressivos, funcionários públicos corruptos, plantações de coca e cartéis de drogas locais, pobreza extrema, tempestades tropicais, incêndios florestais, políticas perversas de uso da terra e agora mudanças climáticas”, disse um projeto.

Vários disseram que estavam protegendo ecossistemas preciosos com vida selvagem rara e suas atividades ajudaram a sustentar sua sobrevivência. “Contamos com o mercado voluntário de carbono para pagar as comunidades da floresta pelos serviços ambientais que prestam à comunidade global, que incluem a proteção da floresta e a redução das emissões de carbono”, disse outro. “Usamos a melhor ciência disponível e cumprimos os protocolos acordados e verificados por terceiros para produzir créditos de carbono que atestam os serviços ambientais que estão sendo prestados.”

Os créditos de carbono foram uma fonte vital de financiamento para quase todos os projetos. Um disse que eles preencheram a lacuna depois que o financiamento de doadores ocidentais acabou. Outro disse que o dinheiro dos créditos ajudava a apoiar comunidades que, de outra forma, não teriam uma fonte externa de renda. Alguns projetos Redd + eram esquemas com fins lucrativos e diziam que as críticas ao sistema eram ideológicas.

Infelizmente, nenhuma avaliação científica abrangente foi publicada sobre como os projetos de compensação de carbono com base em florestas afetam o desmatamento. Este ano, os pesquisadores da Universidade de Cambridge devem publicar um estudo inédito para avaliar o quão bem os projetos Redd + param e reduzem o desmatamento.

O estudo de 2020 da West, que foi publicado no PNAS, avaliou 12 esquemas Redd + aprovados pela Verra na Amazônia brasileira para analisar como as reduções de emissões alegadas combinavam com a realidade.

Para fazer isso, os pesquisadores compararam as tendências de desmatamento em projetos Redd + com grupos de controle com características semelhantes, descobrindo que os esquemas rotineiramente exageraram em suas reduções de emissões. O estudo descobriu que as reduções no desmatamento foram quase todas devido a políticas em nível nacional, como a moratória da soja de 2006 na Amazônia, que causou quedas espetaculares no desmatamento, não os projetos.

Embora os 12 projetos reivindicassem 24,8 milhões de toneladas de reduções de emissões usando metodologias Verra, as taxas de desmatamento em 11 deles não mostraram nenhuma diferença com os grupos de controle no estudo. Para o único projeto que o fez, os autores disseram que 40% das emissões declaradas foram exageradas.

Em um comunicado, a Verra disse estar preocupada que o Guardian não entendesse como suas metodologias funcionavam, ou as regras do VCS, a investigação era “fatalmente falha” e não havia produzido jornalismo baseado em fatos, ignorando seu sucesso na preservação de árvores em pé. A organização contestou a independência da investigação e a descreveu como um “hit” por causa da oposição do Greenpeace aos créditos de carbono, acrescentando que muitas das críticas estavam desatualizadas e não refletiam o que estava acontecendo atualmente com os créditos de carbono Redd +. Por fim, Verra disse que o jornalismo era perigoso, pois ameaçava as finanças para preservar as florestas em pé e era mais parecido com uma campanha política.

A Verra está fazendo mudanças substanciais na forma como os projetos geram créditos para cumprir as mudanças prováveis ​​se as divergências sobre o livro de regras do acordo de Paris que cobre o Redd + em nível nacional forem resolvidas. Os projetos serão “aninhados” em sistemas nacionais e regionais e derivarão créditos de uma linha de base alocada nacionalmente. A organização desenvolveu uma nova ferramenta de mapeamento de risco para destacar as áreas de maior risco de desmatamento. Verra disse que os créditos gerados com as metodologias anteriores não seriam retirados.

Em resposta aos resultados da investigação, as companhias aéreas disseram que confiavam na qualidade dos créditos Redd + que usavam para compromissos climáticos, que muitas vezes eram obtidos por meio de terceiros. A EasyJet, que compensa as emissões de combustível em nome de todos os clientes para “voos neutros em carbono”, disse que era uma medida provisória enquanto a tecnologia de emissão zero era desenvolvida e a companhia aérea estava confiante de que os projetos que apoiou estavam efetivamente evitando a perda de floresta.

A British Airways disse que está comprometida com as emissões líquidas zero até 2050 e que a compensação continua sendo uma parte importante de seu plano de curto prazo, enquanto alternativas aos combustíveis fósseis são desenvolvidas.

Delta disse que as metodologias da Verra são rigorosas e baseadas na ciência, acrescentando também que está investindo em tecnologias de baixo carbono. Outras companhias aéreas ecoaram esses comentários e disseram que o uso de compensações era uma medida intermediária.

Cúpula do Clima: Brasil precisa diminuir desmatamento da Amazônia ainda neste ano para não receber sanções

O cientista Carlos Nobre defende que o grande potencial econômico da floresta é mantê-la em pé, mas que é preciso um forte combate ao crime organizado para zerar a degradação o quanto antes.

O cientista Carlos Nobre na Reserva Ecológica de Cuieiras, a 100 quilômetros de Manaus, na área de pesquisa do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA).TORE MARKLUND / DIVULGAÇÃO

O climatologista Carlos Nobre é uma das principais vozes da ciência que alertam para os riscos de savanização da Amazônia caso o desmatamento não seja freado e zerado até, no máximo, 2030. Em entrevista o cientista afirmou que ou o Governo Jair Bolsonaro muda sua conduta ou corre o risco de sofrer sanções econômicas. “Se o Brasil quiser deixar de ser o pária ambiental do planeta, não dá para ficar em cima do muro nem deixar para mudar de postura depois, para a COP-26”, explica o cientista, referindo-se à conferência do clima da ONU que será realizada em novembro deste ano, em Glascow (Escócia). “Eu acho que vai ter muita sanção econômica. Podem enterrar de vez o acordo entre Mercosul e União Europeia, por exemplo. Por isso, é muito importante que o desmatamento caia ainda neste ano. Já se sabe que não vai cair muito, mas não pode crescer”, alerta ele.

Atualmente, pouco mais de 80% da cobertura original da Amazônia está preservada. O número parece alto, mas estudos científicos indicam que a floresta está “na beira do precipício da savanização”: a estação seca está três ou quatro semanas mais longa no sul da região e a floresta absorve menos carbono e recicla menos água, explica Nobre. “Há colegas meus que dizem que savanização ja começou. Eu ainda acho que dá para evitar o pior se a gente zerar rapidamente o desmatamento e restaurar grandes áreas, gerando chuvas e diminuindo temperaturas. Mas isso tem que acontecer a jato”. Para salvar a Amazônia, o mundo também precisa ter sucesso na aplicação do Acordo de Paris e não deixar que a temperatura do planeta suba mais que 1,5 grau celsius. Caso contrário, todo esforço de preservação será em vão, explica Nobre. Os desafios são enormes.

Durante seu discurso de três minutos na Cúpula do Clima nesta quinta-feira, Bolsonaro garantiu que o Brasil tem a meta de zerar o desmatamento ilegal até 2030. De acordo com Nobre, mais de 90% de todo o desflorestamento da Amazônia é ilegal e não tem a ver com produção agrícola, mas sim com o mercado de terra. Para mudar esse quadro, é preciso combater o crime organizado, o que praticamente zeraria toda a degradação da floresta, explica. Em sua fala, Bolsonaro reconheceu que medidas de comando e controle são parte da reposta. “Apesar das limitações orçamentárias do Governo, determinei o fortalecimento dos órgãos ambientais, duplicando os recursos destinados a ações de fiscalização”, assegurou o presidente. As metas apresentadas pelos países em desenvolvimento, incluindo o Brasil, foram elogiadas pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, em seu discurso de encerramento nesta sexta.

Porém, um dia depois do pronunciamento de Bolsonaro, aconteceu exatamente o inverso do que ele prometeu diante de 40 líderes internacionais: entre os vetos no Orçamento de 2021, o Governo federal cortou nesta sexta-feira 19,4 milhões de reais do Ibama, sendo que 11,6 milhões seriam destinados para atividades de controle e fiscalização ambiental e seis milhões para a prevenção e controle de incêndios florestais. Bolsonaro também retirou sete milhões do ICMBio, outro braço da fiscalização ambiental, que seriam destinados à criação, gestão e implementação de unidades de conservação. Também cortou 4,5 milhões do Fundo Nacional sobre Mudança do Clima. No total, os cortes do Ministério do Meio Ambiente somam 240 milhões de reais para o ano de 2021.

“Tem que haver um esforço de guerra para acabar ou diminuir o crime na Amazônia. Não pode ser só um discurso de tolerância zero, porque na prática o crime continua acontecendo”, enfatiza Nobre. Os anos de 2019 e 2020 registraram um importante aumento no desmatamento. Em 2021, o mês de março foi o pior dos últimos 10 anos. “O general Mourão [vice-presidente e responsável pelo Conselho da Amazônia] afirmou que o Exército iria sair da Amazônia no dia 30 de abril e que o Ibama iria contratar 700 fiscais temporários. Até agora não contratou nenhum. Muitos fiscais foram aposentados por idade ou estão fora de campo com a pandemia”, alerta o cientista, que teme novo aumento do desmatamento a partir de maio, quando começa o período mais seco na região amazônica.

Nobre explica que o desmatamento das florestas tropicais representa 15% das emissões de gás carbônico no planeta, enquanto que a maior parte, 70%, vem dos combustíveis fósseis. Porém, o objetivo global de zerar as emissões até 2050 passa, necessariamente, por zerar o desmatamento ao mesmo tempo que se investe “em um mega projeto de restauração florestal em todos os trópicos para retirar gás carbônico da atmosfera”. Além disso, proteger as florestas significa, também, proteger a biodiversidade. “Existe um simbolismo imenso na proteção da Amazônia”, explica o cientista. Para ele, Biden percebeu essa preocupação dos consumidores de todo o mundo com a proteção da Amazônia. “E o Brasil tem a maior parte da floresta, o maior desmatamento, a maior incidência do crime organizado, de grilagem de terra, de roubo de madeira… Em função dos dois últimos anos de discurso do Governo federal contrário à proteção das florestas tropicais, o país se tornou o centro das atenções.”

Novo modelo econômico para a Amazônia

Nobre defende que a restauração da Amazônia não deve acontecer para compensar novas áreas desmatadas. Zerar o desmatamento e promover a restauração de áreas devem andar juntos. “Há áreas degradadas e baixa produtividade sem valor econômico. Há estudos indicando que poderíamos aumentar 35% da produção agropecuária reduzindo em 25% as áreas de pastagens. Só nessa brincadeira poderíamos liberar 150.000 quilômetros quadrados de áreas ruins que poderiam ser restauradas”, explica. Ele defende que parte dessa restauração seja feita para construir sistemas agroflorestais, “que são florestas com uma densidade maior de espécies com valor econômico”. Como exemplo cita a cooperativa de Tomé-Açu, no Pará, que gera “140 produtos diferentes a partir de 70 espécies, sendo a mais conhecida o açaí”.

Assim, ele reforça que “o grande potencial econômico da Amazônia” é mantê-la em pé. Também rebate a ideia, muito propagada pelo Governo, de que os mais 20 milhões de habitantes da região recorrem ao desmatamento para poderem sobreviver. “Os empregados do garimpo e da extração de madeira estão em semiescravidão e não ganham nem um salário mínimo por mês. São paupérrimos, estão na classe E. Não podemos dizer que isso é um modelo econômico”, argumenta. Além disso, argumenta que o minério e a madeira extraídos ilegalmente são contrabandeados. Não pagam impostos e nem geram riqueza ao país. “E veja o açaí, movimenta um bilhão de dólares [cerca de 5,5 bilhões de reais] na região e muitos produtores estão na classe C”.

O custo maior da mudança de modelo econômico seria na restauração florestal, garante Nobre. Com pouco investimento, afirma, é possível dobrar ou triplicar a produtividade da pecuária. Ele acredita que no setor privado o momento é positivo, com as grandes companhias de carne investindo em rastreabilidade para não comprar de áreas desmatadas. Sabem que o risco é perder mercados internacionais e investimentos. “O que precisamos, agora, é de uma grande mudança de postura nas políticas públicas, de efetividade no combate ao crime e na valorização da bioeconomia”, destaca.

‘Elite poluidora’: ricos do mundo precisam reduzir consumo para conter mudanças climáticas, diz grupo científico

PA MEDIA
Estilo de vida dos mais ricos inclui muitos voos de avião e carros grandes – resultando em uma emissão de carbono muito maior do que a população mais pobre

O 1% mais rico da humanidade produz o dobro das emissões de carbono dos 50% mais pobres do mundo juntos e, por isso, precisa mudar radicalmente seu estilo de vida para ajudar no combate às mudanças climáticas, aponta um relatório britânico publicado na última semana.

Um grupo um pouco maior, o dos 5% mais ricos do mundo – a chamada “elite poluidora” -, contribuiu com mais de um terço (37%) do crescimento das emissões de carbono entre 1990 e 2015.

Por conta disso, os autores do relatório defendem reduções drásticas no “excesso de consumismo”, desde evitar o uso de veículos utilitários esportivos (SUV) poluidores até redução nas múltiplas viagens aéreas em voos comerciais ou jatos particulares.

O relatório é da Comissão de Cambridge para Mudanças Comportamentais de Escala, um painel de 31 pesquisadores que estudam comportamento humano relacionado ao meio ambiente e que se dedicam a encontrar formas eficientes de escalonar iniciativas que combatam a emissão de carbono.

Críticos dessas conclusões afirmam que a melhor forma de conter as emissões de carbono é por melhorias tecnológicas, em vez de por medidas impopulares.

Mas o principal autor do estudo, Peter Newell, professor da Universidade de Sussex (Reino Unido), afirmou à BBC News que, embora seja “totalmente a favor de melhorias tecnológicas e produtos mais eficientes, está claro que será necessária uma ação mais drástica, porque as emissões (de carbono) continuam subindo”.

“Temos de conter o excesso de consumo, e o melhor lugar para começar é com o excesso de consumo entre as elites poluidoras, que contribuem com muito mais de o que lhes caberia nas emissões de carbono”, agregou.GETTY IMAGES
Carros utilitários não só consomem muito mais combustível, como exigem muito mais emissões para serem fabricados

“Essas são as pessoas que mais viajam de avião, dirigem os carros maiores, vivem nas maiores casas, para as quais podem facilmente pagar o aquecimento, então não tendem a se preocupar muito quanto a se essas casas são bem isoladas (termicamente) ou não. E também são as pessoas que poderiam adquirir um bom isolamento térmico e painéis solares, se quisessem.”

Newell afirmou que, para enfrentar o aquecimento global, todas as pessoas precisam se sentir parte de um esforço coletivo – o que significa que os ricos precisam consumir menos e dar o exemplo aos mais pobres.

“Ricos que viajam muito de avião podem achar que compensam suas emissões com projetos de plantio de árvores, para capturar o carbono do ar. Mas esses projetos são altamente contenciosos e não têm comprovação a longo prazo. (Os mais ricos) precisam simplesmente viajar menos de avião e dirigir menos. Mesmo que eles tenham um carro utilitário elétrico, ele ainda é um dreno ao sistema de de energia, e há todas as emissões emitidas na construção do veículo”, prossegue o pesquisador.

Em resposta, Sam Hall, da Rede Ambiental Conservadora, afirmou que “é importante enfatizar a importância da igualdade (nos cortes de emissões) – e políticas podem facilitar que pessoas e negócios se tornem mais ambientalmente corretos por meio de incentivos e regulação direcionada. Mas encorajar tecnologias limpas é provavelmente mais eficiente e tem mais chance de conquistar consenso entre o público do que penalidades ou restrições ao estilo de vida”.

No entanto, Newell argumenta que as estruturas políticas atuais permitem aos mais ricos fazer lobby contra mudanças necessárias na sociedade que possam interferir em seu estilo de vida.

Um exemplo recente é o da Assembleia do Clima do Reino Unido, iniciativa que propôs uma série de medidas para conter comportamentos de alta emissão de carbono – como desincentivos ao alto consumo de carne vermelha e derivados de leite, veto a utilitários poluidores e taxas a viajantes aéreos frequentes.

Um empecilho citado pela Secretaria do Tesouro britânica é que, para taxar viajantes frequentes, seria necessário que o governo coletasse e armazenasse dados pessoais dos passageiros, abrindo debates em torno da privacidade.

Mas, para a comissão de Cambridge, só será possível alcançar as metas do Acordo Climático de Paris com “mudanças radicais em estilos de vida e em comportamentos, especialmente entre os membros mais ricos da sociedade”.

“Para haver mudanças na velocidade e na escala exigidas para o cumprimento das metas, precisamos encolher e dividir: reduzir o carbono e distribuir (a riqueza) mais igualmente”.

O relatório é o mais recente dentro de um amplo debate em torno de o que significa ser “justo” no âmbito do combate às mudanças climáticas.

Países mais pobres, como a Índia, costumam argumentar que deveriam poder aumentar sua poluição, uma vez que sua emissão de carbono per capita é menor do que a de países ricos.

Essas questões são parte da intrincada negociação que fará parte da conferência climática marcada para a semana que vem e organizada pelo presidente americano, Joe Biden. E também da conferência COP, que será em novembro no Reino Unido.

Meio Ambiente:Quarenta deputados alemães pedem que Congresso brasileiro não flexibilize regras ambientais

Parlamentares alemães enviaram carta para Arthur Lira e Rodrigo Pacheco afirmando que eventual aprovação de três projetos de lei pode afetar a relação comercial entre Alemanha e Brasil.

Signatários, que incluem 40 membros do Parlamento alemão, afirmam que aprovação de projetos de lei teria potencial para elevar o desmatamento no Brasil.

Quarenta membros do Parlamento alemão (Bundestag) assinaram na sexta-feira (26/03) uma carta aberta endereçada aos presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), pedindo que eles não pautem para votação três projetos de lei que flexibilizam regras de proteção do meio ambiente e de comunidades tradicionais e indígenas.

O texto menciona o projeto que autoriza a mineração em terras indígenas, o que flexibiliza as normas para regularização de terras e o que estabelece um novo marco legal do licenciamento ambiental.

Entre os assinantes, está a vice-presidente do Bundestag Claudia Roth e Anton Hofreiter, líder dos Verdes no Parlamento alemão, além de mais cinco integrantes da Câmara dos Deputados da Itália e um membro do Parlamento Europeu, totalizando 46 políticos europeus com mandato.

Os signatários afirmam que a aprovação dos projetos tem potencial para elevar o desmatamento e a violência contra comunidades indígenas e tradicionais e significaria um retrocesso na legislação ambiental do Brasil.

A carta diz também que os projetos mencionados, se virarem lei, afetariam as relações atuais e futuras com o Brasil. Os parlamentares citam que ações que provoquem mais desmatamento, afetem os direitos humanos e prejudiquem o combate às mudanças climáticas devem ser levadas em conta em qualquer acordo comercial.

“Estamos muito preocupados que esse pacote de propostas legislativas possa ameaçar nossos esforços conjuntos e colocar em risco nossas relações econômicas e comerciais futuras”, diz o texto. “Gostaríamos de considerar o Brasil nosso parceiro num esforço conjunto por um mundo melhor. Um mundo que protege os direitos humanos, respeita a biodiversidade e o clima e dá suporte a sociedades prósperas.”

A carta é o mais recente capítulo da crescente pressão europeia para a preservação do meio ambiente no Brasil, agravada por políticas do governo Jair Bolsonaro que reduziram a proteção florestal e prejudicaram o combate ao desmatamento e a incêndios, deixando mais longe uma possível ratificação do acordo comercial entre União Europeia e Mercosul.

A favor da Amazônia, bancos e entidades católicas pressionam Bolsonaro

Carta assinada por 93 instituições, também financeiras, ameaça retirada de investimentos no Brasil, pede plano concreto contra desmatamento e proteção de povos indígenas.

Vista aérea de desmatamento na Reserva Biológica Nascentes da Serra do Cachimbo, em Altamira, Pará

Diante do avanço da destruição da Floresta Amazônica, mais de 90 instituições internacionais católicas, entre as quais quatro bancos alemães, se uniram para manifestar publicamente oposição às políticas ambientais de Jair Bolsonaro.

Nesta segunda-feira (29/03), o grupo entrega uma carta ao presidente brasileiro e a seu vice, Hamilton Mourão, pedindo ações concretas para proteger a maior floresta tropical do mundo e os povos indígenas.

“Como investidores, nós estamos usando os meios possíveis para exercer pressão contra a destruição da Amazônia e de seus povos tradicionais”, justifica Tommy Piemonte, da instituição financeira católica alemã.

Segundo Piemonte, é a primeira vez que investidores católicos se unem para exercer esse tipo de pressão internacionalmente, motivados pelo aumento do desmatamento, queimadas, crimes ambientais e violações dos direitos indígenas. Em 2020, a área de vegetação destruída na Amazônia chegou a 11.088 quilômetros quadrados, batendo recorde dos últimos 12 anos, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Se não houver mudanças, vamos retirar nossos investimentos e cancelar potenciais investimentos futuros”, afirma Piemonte. “Somos quatro bancos que têm muitos clientes, inclusive outras instituições católicas”, complementa, mencionando o Bank im Bistum Essen, Pax-Bank Köln e Steyler Ethik Bank, que também assinam a carta.

Com um total de ativos estimado em 5,6 bilhões de euros (cerca de 38 bilhões de reais), o BKC tem fundos de investimentos que incluem títulos do governo do brasileiro. Fundada em 1972, a instituição é uma das pioneiras em apoiar projetos sustentáveis e a se opor a negócios ligados à energia nuclear, usinas de carvão, indústria de armamento, ou que tenham violado direitos humanos e usado trabalho infantil.

“É importante mostrar nosso relativo poder como investidor ao Brasil. Afinal, oferecemos dinheiro para projetos, negócios, para a economia. E, desse modo, queremos aumentar a pressão vinda de fora sobre o governo brasileiro”, comenta Piemonte.

“Diálogo difícil”

A carta sugere uma lista de medidas de proteção à floresta – e que possam ser verificadas. Dentre os pontos do plano de ação sugerido estão implementação de legislação estrita de proteção ambiental; programa concreto de combate ao desmatamento com orçamento e metas intermediárias a serem medidas; mais recursos para combater incêndios; suspensão de medidas contra organizações não governamentais; proteção dos territórios e dos direitos da população indígena; reflorestamento e relatórios anuais sobre o progresso dessa atividade.

O documento pede ainda diálogo com o governo brasileiro. Eleito com forte apoio dos evangélicos, Bolsonaro administra o maior país católico do mundo, em que 50% da população se diz pertencente a essa religião, segundo pesquisa Datafolha de 2020.

“É muito difícil o diálogo”, diz Dom Vicente de Paula Ferreira, secretário da Comissão Especial de Ecologia Integral e Mineração da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, CNBB, que também encabeça o movimento de protesto.

Por outro lado, acrescenta o bispo, a CNBB tem um assento no Conselho Nacional de Justiça e mantém conversas com a Câmara de Deputados, senadores e comissões, como a de Meio Ambiente. “Há instâncias que estão abertas ao diálogo. Mas com o presidente é mais complicado, porque a pauta dele é totalmente contrária ao que pensamos.”

Encíclica “Laudato si'”, do papa Francisco, prega ecologia integral e proteção do meio ambiente

As críticas à postura antiambiental do governo Bolsonaro seguem as linhas gerais da encíclica Laudato si’, redigida pelo papa Francisco em 2015. O documento defende o planeta como casa comum, prega a ecologia integral, proteção do meio ambiente e ações contra as mudanças climáticas.

“Num contexto maior, a nossa posição é critica e de denúncia de violações de direitos dos povos, da natureza. Por isso saímos em defesa das comunidades indígenas, quilombolas, pequenos agricultores, que formam uma rede que protege o meio ambiente e que, geralmente, são afetados por grandes projetos internacionais, especialmente na Amazônia”, diz Ferreira.

Mesmo sob a liderança que prega a defesa socioambiental do papa Francisco, há dificuldades internas dentro da Igreja Católica: “Há fragmentos ligados à ala mais extremista que apoiam muito também [o presidente Bolsonaro]”, reconhece o bispo.

Contra projetos de destruição

Com a carta pública, as instituições católicas esperam uma sinalização do governo Bolsonaro. “A destruição da Floresta Amazônica e a violação dos direitos humanos não representam apenas uma ameaça à reputação do Brasil na comunidade internacional, mas também uma ameaça real à economia brasileira”, alerta o documento.

Em toda a Europa, têm crescido pedidos de boicotes a produtos brasileiros como consequência da atual política ambiental do país. Bancos internacionais têm desencorajado investimentos em empresas que, direta ou indiretamente, atuam na cadeia ligada ao desmatamento. No fim de 2020, o governo francês anunciou que reduziria importações da soja brasileira devido ao aumento da devastação na Amazônia.

“Com esse comunicado ao governo brasileiro, esperamos fazer pressão sobre a economia, sobre as empresas que têm negócios no Brasil principalmente relacionados à madeira, mineração, soja”, diz Piemonte sobre as expectativas, acrescentando que, como o Brasil ainda é o maior país católico do mundo, espera também que o documento influencie a opinião pública.

Para Dom Vicente de Paula Ferreira, essa movimentação internacional é importante para mostrar ao mundo as violações, flexibilizações de leis de proteção ambiental, agressões às comunidades indígenas de que o Brasil tem registrado aumento nos últimos dois anos.

“Lá fora, a mensagem é de que está havendo sustentabilidade nos empreendimentos, mas isso não está acontecendo de fato nos territórios. É preciso que se questione os investimentos internacionais. Será que esses bancos e agências conhecem de fato a realidade para investir por aqui? No Brasil, há muitos projetos que são de destruição”, alerta Ferreira.

Seca,Queimadas,Ambiente,Meio Ambiente,BlogdoMesquita

Meio Ambiente: Destruição da natureza pelos humanos é suicida, alerta ONU

Relatório das Nações Unidas afirma que a humanidade e a ambição pelo crescimento econômico estão tornando a Terra um lugar inabitável, e exorta governos e empresas do mundo a agirem antes que seja tarde.

Amazônia,Queimadas,Ambiente,Meio Ambiente,BlogdoMesquita,Alter do Chão,Brasil,Pará“Sem a ajuda da natureza, não vamos prosperar, ou mesmo sobreviver”, afirmou o secretário-geral da ONU

Através das mudanças climáticas, da perda da biodiversidade e da poluição, os humanos estão destruindo a Terra e tornando-a um planeta cada vez mais inabitável, afirma um relatório das Nações Unidas.

Para reverter esse caminho trágico, o mundo precisa implementar mudanças urgentes e dramáticas na sociedade, na economia e na vida diária das pessoas, acrescenta o texto.

Diferente de relatórios anteriores da ONU, que costumam focar num problema e evitam orientar os governos sobre quais ações devem ser tomadas, o novo documento reúne três crises ambientais – o clima, a biodiversidade e a poluição – para dizer aos governos, empresas e pessoas ao redor do mundo o que precisa mudar, antes que seja tarde demais.

O texto pede, por exemplo, mudanças no que o governo tributa, em como as nações valorizam a produção econômica, em como a energia é gerada, em como a agricultura e a pecuária são geridas, na maneira como as pessoas se locomovem e no que elas comem.

“Sem a ajuda da natureza, não vamos prosperar, ou mesmo sobreviver”, afirmou o secretário-geral da ONU, António Guterres. “Por muito tempo, temos travado uma guerra sem sentido e suicida contra a natureza. O resultado são três crises ambientais interligadas: perturbações climáticas, perda de biodiversidade e poluição ameaçam a nossa viabilidade como espécie.”

O título do relatório de 168 páginas, elaborado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), é direto: “Fazendo as pazes com a natureza: um plano científico para enfrentar as emergências do clima, da biodiversidade e da poluição.”

“Riscos inaceitáveis” para gerações futuras

Baseado em conclusões de outras grandes análises sobre clima e biodiversidade elaboradas por painéis internacionais de especialistas, o texto afirma que uma transição rápida para energia renovável e a eliminação da perda de habitat são essenciais para prevenir “riscos inaceitáveis” para gerações futuras.

“Nossos filhos e netos herdarão um mundo de eventos climáticos extremos, aumento do nível do mar, perda drástica de plantas e animais, insegurança alimentar e hídrica e aumento da probabilidade de futuras pandemias”, alertou o cientista britânico Robert Watson, principal autor do relatório.

A emergência que aflige o mundo hoje é “de fato mais profunda do que pensávamos poucos anos atrás”, disse Watson, um químico premiado que já liderou outros relatórios científicos da ONU sobre mudanças climáticas e perda de biodiversidade.

Os problemas do planeta estão tão interligados que devem ser trabalhados juntos para que sejam resolvidos da maneira certa, destacam as Nações Unidas. E muitas das soluções podem combater múltiplos problemas, incluindo as mudanças climáticas e a poluição.

Segundo o relatório, uma dessas soluções seria a eliminação do uso de combustíveis fósseis. Além de pedir o fim do uso, o texto também defende que sejam anulados os 5 trilhões de dólares em subsídios que empresas de combustíveis fósseis recebem todos os anos de governos do mundo.

“Estatísticas assustadoras”

O documento reúne uma série de “estatísticas assustadoras”: cerca de 9 milhões de pessoas morrem todos os anos em decorrência da poluição; cerca de 1 milhão das 8 milhões de espécies de plantas e animais estão ameaçadas de extinção; até 400 milhões de toneladas de metais pesados, lama tóxica e outros resíduos industriais são despejados nas águas do mundo todos os anos.

O texto alerta também que a Terra está a caminho de um aquecimento adicional de 3,5 graus Celsius em relação aos níveis de agora, muito acima da meta estabelecida internacionalmente no Acordo de Paris sobre o clima.

“No final, isso vai nos atingir”, afirmou o biólogo Thomas Lovejoy, que foi assessor científico do relatório. “Não se trata do que vai acontecer com os elefantes. Ou o que vai acontecer com o clima ou com o nível do mar. Tudo vai nos impactar.”

Com duas grandes cúpulas da ONU sobre mudança climática e perda de biodiversidade marcadas para ocorrer em 2021, os autores do texto pedem decisões robustas dos governos, afirmando que respostas “fragmentadas e descoordenadas” ficam muito aquém do que o planeta precisa.

“Embora eu aplauda todos os países do mundo que decidiram zerar as emissões líquidas de carbono até 2030, a verdadeira questão é o que os países farão até 2030”, afirma o autor principal, Watson. “É realmente necessária ação a curto prazo, não apenas metas ambiciosas para meados do século.”

Meio Ambiente: Estamos perto de um ponto sem volta

Devemos fazer de 2021 o ano em que a ação climática atingiu a maturidade, ou enfrentaremos o desastre, escreve Inger Andersen, o diretor executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente.

Incêndios extremos ligados às mudanças climáticas foram uma ocorrência frequente em 2020

Com a implementação dos programas de vacinação COVID-19, 2021 começa com a esperança de que o fim da pandemia esteja próximo. Precisávamos de liderança ousada, decisões difíceis e financiamento dedicado para nos levar até este ponto. Devemos agora aplicar o mesmo vigor para combater a mudança climática ou arriscar muitos mais anos tão mal quanto o anterior.

O ano de 2020 – provavelmente o mais quente já registrado – trouxe tempestades, incêndios florestais, secas, inundações e derretimento de geleiras. A desaceleração econômica associada à pandemia causou uma queda temporária nas emissões de dióxido de carbono, mas isso fará uma diferença insignificante nas temperaturas de longo prazo; nossas emissões anteriores ainda estão na atmosfera e estamos adicionando a elas.

Mesmo se os países implementassem as últimas promessas voluntárias – conhecidas como contribuições determinadas nacionalmente (NDCs) – sob o Acordo de Paris sobre mudanças climáticas, ainda estaríamos caminhando para um aumento projetado na temperatura média global de 3,2 graus Celsius (4,4 F) acima dos níveis pré-industriais até o final do século XXI. Esse aquecimento traria dor, miséria e perturbação que eclipsaria tudo o que COVID-19 jogou em nós.

Estamos perto de um ponto sem volta.

A seca e a escassez de água estão entre os muitos impactos do aumento das temperaturas

Os líderes podem recuar investindo em soluções sustentáveis ​​como parte dos esforços de recuperação da pandemia. O Relatório de Lacunas de Emissões 2020, publicado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), nos disse que fazer isso poderia reduzir as emissões projetadas para 2030 em 25% – trazendo o mundo aproximadamente onde ele precisa estar para ter uma chance de atingir a meta do Acordo de Paris de limitando o aquecimento global a 2 graus Celsius. O comprometimento líquido zero pode até mesmo nos aproximar da meta de 1,5 grau Celsius.

Preparando-se para uma maratona

Medidas de recuperação verde e sustentável podem proporcionar esses cortes ao mesmo tempo em que apóiam outras metas ambientais, sociais e econômicas. Precisamos de suporte direto para tecnologias e infraestrutura de emissão zero. Fim dos subsídios ao carvão e aos combustíveis fósseis. Políticas que permitem o consumo de baixo carbono. Soluções baseadas na natureza – incluindo restauração de paisagem em grande escala e reflorestamento realizado durante a Década das Nações Unidas para Restauração de Ecossistemas, que começa este ano.

Inger Andersen, Diretor Executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA)

Até agora, poucas nações investiram em pacotes de estímulo verdes. Isso tem que mudar.

2021 é também o ano em que se realiza a COP26, reunião central dos países signatários do Acordo de Paris. De acordo com o Emissions Gap Report, 126 países adotaram, anunciaram ou estão considerando planos de emissão líquida zero. Se o novo governo dos EUA entrar na corrida conforme prometido, os países responsáveis ​​por mais de 63% das emissões globais de dióxido de carbono terão se comprometido com a neutralidade de carbono.

Mas, como quem se compromete no primeiro dia de janeiro a correr uma maratona até o final do ano, precisamos dar passos específicos, a partir de agora, para estarmos prontos para a corrida. Esses compromissos devem ser traduzidos urgentemente em políticas e ações fortes e de curto prazo que se integrem a uma recuperação pandêmica de baixo carbono e sejam incluídas em novos e mais fortes NDCs antes da cúpula de novembro. Caso contrário, são promessas vazias.

A energia limpa é fundamental para atingir metas líquidas de zero

O financiamento da adaptação precisa de um impulso

Outra prioridade é ajudar os países e comunidades vulneráveis ​​a lidar com os impactos cada vez maiores das mudanças climáticas. O Adaptation Gap Report do PNUMA, que será publicado nas próximas semanas, mostrará que ainda não estamos levando a adaptação a sério. O financiamento permanece muito abaixo dos níveis exigidos e a maioria das iniciativas ainda deve reduzir os riscos climáticos. Como disse o Secretário-Geral da ONU, precisamos de um compromisso global para destinar metade de todo o financiamento climático global à adaptação antes da COP26.

Este ano, temos uma chance real de evitar uma catástrofe climática. Usando recursos de estímulo com sabedoria para dar início a uma mudança sistêmica real, planejada e monitorada por meio de NDCs mais fortes e compromissos líquidos de zero, poderíamos não apenas atingir a meta de 2 ° C do Acordo de Paris, mas ter uma chance de lutar Meta de 1,5 ° C.

Devemos aproveitar esta oportunidade para proteger nosso clima e natureza e, por sua vez, a saúde humana, a paz e a prosperidade, nas próximas décadas. Pode ser um dos últimos que receberemos.

Onde estamos cinco anos após o Acordo de Paris

Cinco anos após a negociação do Acordo de Paris de 2015, o cientista climático Saleemul Huq diz que vivemos em um mundo com mudanças climáticas.

Desde 2015, o Acordo de Paris tornou-se um símbolo de esperança

Em 12 de dezembro de 2015, o então Ministro das Relações Exteriores da França e Presidente da 21ª Conferência das Partes (COP21) Laurent Fabius martelou o histórico Acordo de Paris sob aplausos estrondosos na sala de conferências.

Tive a sorte de estar naquela câmara naquela noite histórica. Eu fiz parte desse aplauso. Fui testemunha de um momento de última hora que ficou em suspenso durante as duas semanas de negociações intensas.

As emoções estavam em alta na sala de conferências cheia de promessas
Cinco anos depois, o Reino Unido – como presidente entrante da COP26 a ser realizada em novembro de 2021 – convocou uma Cúpula da Ambição do Clima. A ser realizado no quinto aniversário daquela noite memorável, é uma oportunidade para chefes de governo de todo o mundo compartilharem seus planos revisados ​​para reduzir as emissões de gases de efeito estufa.

E esta é uma oportunidade que eles devem levar a sério.

Em dezembro de 2015, os países em desenvolvimento vulneráveis, que ajudo a representar, defenderam fortemente uma meta de temperatura de longo prazo de 1,5 grau Celsius. Nosso apelo encontrou resistência inicial de muitas nações desenvolvidas, o que tornou a inclusão final da meta no Acordo de Paris uma grande conquista para nós.

‘Perda de momentum’

Mas não aconteceu o suficiente nos anos que se seguiram para nos colocar no caminho para atingir a meta. Vimos os Estados Unidos se retirarem do acordo e, embora nenhum outro país tenha seguido o exemplo, ainda assim foi um grande revés para o esforço global de combate às mudanças climáticas.Cientista do clima, Saleemul Huq

A perda geral de ímpeto na última meia década permitiu que as temperaturas subissem mais de 1 grau Celsius acima das médias pré-industriais. Os impactos adversos desse aquecimento planetário estão agora se tornando visíveis em todo o mundo, com incêndios florestais, inundações, secas e furacões afetando vidas e meios de subsistência.

Já vivemos em um mundo com mudanças climáticas.

Um dos principais resultados do Acordo de Paris foi liberar as oportunidades para que atores não governamentais, incluindo prefeitos de cidades, chefes de empresas, grupos da sociedade civil, bem como jovens e até crianças, tomem as ações necessárias, independentemente de seus próprios governos estarem fazendo isso. .

Isso levou a grandes movimentos globais que viram crianças em idade escolar – lideradas por Greta Thunberg – pressionarem seus pais e idosos a tomarem as medidas necessárias.

Furacões e ciclones, mas também secas e inundações estão se tornando cada vez mais frequentes e, em muitos casos, mais graves

O futuro do planeta, entretanto, não pode ser deixado apenas para esses movimentos.

Joe Biden prometeu voltar a aderir ao Acordo de Paris assim que tomar posse como presidente dos Estados Unidos em janeiro de 2021. Mas se quisermos chegar perto da meta de 1,5 grau pela qual lutamos tanto, todos os países precisarão consideravelmente aumentar suas ambições.

E quando a COP26 finalmente acontecer no ano que vem, também deve ser um fórum para abordar a questão do apoio às vítimas de perdas e danos como resultado do aquecimento global. Não fazer isso pode levar ao fracasso do COP.

Saleemul Huq é o diretor do Centro Internacional para Mudanças Climáticas e Desenvolvimento (ICCCAD) em Bangladesh. Ele também assessora o grupo de Países Menos Desenvolvidos (LDC) na Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC).