Meio Ambiente; Amazônia rumo à extinção

Total da área desmatada na Amazônia em 2020 já é maior que cidade de São Paulo

Desmatamento acumulado na Amazônia apenas nos primeiros 4 meses do ano já é superior à cidade de São Paulo. Foto: Bernardo Câmara

Em abril, o desmatamento na Amazônia teve um aumento de 171% em relação ao mesmo período de 2019. Os dados são do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), que registrou 529 km² de área desmatada no bioma no mês de abril, contra 195 km² no mesmo mês do ano passado. O acumulado dos primeiros quatro meses de 2020, de acordo com o SAD, já é de 1.703 km², uma área maior que a cidade de São Paulo (1.521 km²) e um número 133% maior que o mesmo período em 2019, quando o sistema registrou o desmatamento de 460 km².

Segundo as informações do SAD, divulgadas nesta segunda-feira (18), o estado que liderou o desmatamento em abril foi o Pará, com 171 km², o equivalente a 32% do total desmatado. Em seguida aparecem Mato Grosso, com 135 km² (26%); Rondônia, com 98 km² (19%); Amazonas, com 96 km² (18%); Roraima, com 20 km² (4%); e o Acre, com 6 km² (1%). Tocantins e Amapá tiveram 2 km² e 1 km² desmatados, respectivamente, e juntos somaram 0,5% do total desmatado na Amazônia no mês.

O Pará foi o estado com o maior crescimento do desmatamento para o mês de abril quando comparado com o mesmo mês em 2019, quando registrou 32 km², um aumento de 434% para 2020. Os dois municípios com os maiores índices de desmatamento também são paraenses, Altamira e São Félix do Xingu, com 72 km² e 44 km² desmatados, respectivamente. Juntos, apenas estes dois municípios respondem por 67,8% do desmatamento em todo o estado e 21,9% do total desmatado na Amazônia.

As cidades de Porto Velho e Candeias do Jamari, em Rondônia, também aparecem entre os municípios que mais desmataram segundo o SAD, com 31 km² e 14 km², respectivamente. Ambos os municípios integram o território da Floresta Nacional do Jacundá, unidade de conservação onde foi realizada a primeira ação da Operação Verde Brasil 2, de acordo com informações divulgadas pelo vice-presidente General Hamilton Mourão. Apesar de Mourão ter comentado em coletiva cedida à imprensa na última semana de que a operação havia sido um sucesso, ainda não foram divulgados dados oficiais sobre os resultados da operação coordenada pelas Forças Armadas.

O relatório produzido pelo Imazon indica ainda que 60% do desmatamento registrado ocorreu em áreas privadas ou sob diversos estágios de posse, 22% em unidades de conservação, 15% em assentamentos e 3% em Terras Indígenas.

Fonte: Relatório Imazon
Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD)

O mês de abril foi marcado pela expectativa da votação da Medida Provisória 910, que foi pauta na Câmara dos Deputados apenas em maio e não obteve consenso entre os parlamentares para prosseguir com a votação. A MP, que perde a validade nesta terça (19), ficou conhecida como a MP da Grilagem, pois especialistas apontaram que o texto incentivava a invasão de terras ao anistiar as invasões ocorridas até 2018. O tema da regularização fundiária, entretanto, volta ao Congresso como o Projeto de Lei nº 2633/2020 e pode ser votado já nesta quarta-feira (20), caso haja pedido de tramitação em regime de urgência .

A MP 910 tinha o apoio de representantes do governo, como do vice-presidente Mourão, que também coordena o Conselho da Amazônia, e o próprio Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Ambos defendem que a regularização fundiária e o zoneamento econômico-ecológico na região amazônico são passos fundamentais para combater o desmatamento no longo prazo e que a MP seria um instrumento para isso.

De acordo com a pesquisadora do Imazon, Brenda Brito, o ponto crucial não é a regularização fundiária e sim o ordenamento territorial na região. “Existem áreas públicas não destinadas que estão sendo ocupadas, muitas delas desmatadas, e você precisa ordenar isso territorialmente. Precisa definir se aquela é uma área que pertence à comunidade, à povos indígenas, à agricultura familiar ou à conservação. E com as áreas que sobrarem decidir se será feita a privatização ou não daquele território. Esse deveria ser o raciocínio do ponto de vista da legislação”.

“O que a gente ouve nessas coletivas é esse argumento de que você precisa regularizar e titular quem está na área, para poder saber quem é e punir. Isso não faz o menor sentido do ponto de vista da legislação ambiental. Não existe nenhum ponto na legislação que diga que você só pode punir quem é dono de uma área. Você pune quem pratica o crime ambiental”.

A pesquisadora, especialista em gestão fundiária, acredita que a mensagem passada pelo próprio governo ao encaminhar uma proposta como a MP 910 é a de impunidade às infrações ambientais. “Na prática a mensagem é: continue invadindo e desmatando que que lá na frente vocês serão beneficiados. Esta é uma história que a gente está vendo ocorrer na Amazônia, vimos ela acontecer há três anos quando a lei foi modificada e aumentou o prazo de quem poderia receber o título [até 2011] e agora estão querendo fazer isso de novo. Infelizmente o recado é o contrário do que o governo deveria fazer”, opina.

Sessão na Câmara sobre a MP 910 não chegou em consenso sobre a votação da medida, que deve voltar com novo texto em PL.
Foto: Najara Araujo/Câmara dos Deputados

Além disso, Brenda ressalta que mesmo sem a legislação de fato, somente o discurso adotado pelo governo de Bolsonaro já é um dos grandes motores para o aumento do desmatamento na Amazônia. “Honestamente, o que adianta você fazer uma mega operação, se você está estimulando o desmatamento, impedindo a fiscalização do órgão ambiental, retirando os fiscais que estão trabalhando, estimulando o garimpo ilegal dizendo que vai legalizar e impedindo a destruição de máquinas? É uma contradição você colocar o Exército para combater algo que está sendo também estimulado pelas próprias declarações de quem representa os órgãos. É uma conta que não vai fechar” analisa a pesquisadora.

Em abril deste ano, o até então Diretor de Proteção Ambiental do IBAMA, Olivaldi Azevedo, foi exonerado por Salles e substituído pelo Policial Militar de São Paulo, coronel Olímpio Ferreira Magalhães. A exoneração de Olivaldi ocorreu logo após uma mega operação do IBAMA contra o garimpo ilegal em Terras Indígenas no Pará, noticiada pela Rede Globo no Fantástico. Além de Olivaldi, dois coordenadores de fiscalização do órgão envolvidos na ação foram exonerados logo em seguida.

“Você não precisa reinventar a roda, as ações já existem e foram feitas no passado, o que você precisa é aplicar com consistência e coordenação, porque se não tiver não adianta, você pode colocar todo o Exército lá que o desmatamento vai continuar”, resume Brenda Brito.

A pesquisadora lembra a queda histórica no desmatamento de 2004 a 2012, quando o total desmatado caiu de 27.772 km² para 4.571 km² (Fonte: PRODES/INPE) em 8 anos. No período, o governo federal combateu o desmatamento com medidas com o Sistema de monitoramento DETER, feito pelo INPE, que fornece alertas quase em tempo real de desmatamentos, aumentando a eficácia das operações de fiscalização do IBAMA; e o Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia (PPCDAm); ambos criados em 2004.

O biólogo especialista em políticas públicas ambientais, André Aroeira, reforça que um dos principais trunfos para um combate efetivo ao desmatamento é a coordenação conjunta entre ministérios e órgãos. “Tem vários instrumentos que estão sendo subutilizados no atual governo, como o PPCDAm que foi crucial durante aquela fase [2004 – 2012] em que o combate ao desmatamento foi bem-sucedido.

O Plano perdeu muita força já no governo Dilma, quando saiu da Casa Civil e foi pro Ministério do Meio Ambiente e hoje está desmobilizado, perdeu a coordenação que havia entre os vários ministérios e órgãos, todos trabalhando em conjunto no combate ao desmatamento. Quando você perde essa coordenação, o combate fica muito mais fraco. Não é só o Ministério mandando equipe para campo, tem que ter as imagens do INPE, tem que ter Polícia Federal fazendo investigações em cima das cadeias criminosas, tem que ter Ministério Público, a Polícia Rodoviária Federal. Todo mundo tem que estar junto para ser um esforço bem-sucedido”.

Operações do IBAMA são cruciais para combater o desmatamento de forma efetiva. Foto: Marcio Isensee

Aroeira ressalta também que fortalecer o IBAMA, órgão responsável pela fiscalização ambiental no país, é crucial. “Com o DETER, a partir de 2004, o IBAMA conseguiu pegar os desmatamento enquanto eles estavam ocorrendo e não só depois do estrago feito, quando só chegava para embargar e multar. O uso das imagens com inteligência para planejar as ações em campo foi muito eficiente. E nessa época o IBAMA era muito mais forte. O órgão começou a perder força no governo Dilma, perdeu escritórios regionais, perdeu gente, e no governo Bolsonaro isso se intensificou. O último concurso do IBAMA foi há 20 anos e nesse meio-tempo muitas pessoas se aposentaram ou saíram, e o quadro não foi reposto. Hoje nós temos um IBAMA com muito menos gente, muito menos dinheiro e muito mais preso nas capitais, com menos penetração nos territórios”, analisa o biólogo.

Outro mecanismo importante de acordo com Aroeira é a criação de áreas protegidas, tanto unidades de conservação quanto Territórios Indígenas. Desde sua campanha, Bolsonaro adotou um discurso contrário a essas áreas, chegou a dizer que “no que depender de mim, não tem mais demarcação de Terra Indígena” e lamentou não poder alterar os limites ou mesmo extinguir unidades de conservação diretamente com decretos presidenciais.

“Até 2008, o Brasil era o país que mais criava áreas protegidas no mundo, que são territórios que tendem a conter o desmatamento. Nós temos verdadeiras barreiras de áreas protegidas e o Arco Desmatamento está batendo agora nessas barreiras. É uma política muito efetiva, porque além de serem territórios legalmente protegidos, eles também não tem infraestrutura como uma estrada que facilite o acesso e a prática dos crimes ambientais”, explica Aroeira.

Desmatamento nas unidades de conservação e Terras Indígenas

De acordo com o Imazon, em abril de 2020, cerca de 116 km² foram desmatados dentro de unidades de conservação, 22% do total; e aproximadamente 16 km ² em Terras Indígenas, o equivalente a 3% do acumulado no mês.

Entre as unidades de conservação (UCs), o desmatamento é encabeçado pela Área de Proteção Ambiental Triunfo do Xingu, no Pará, com 46 km² desmatados; seguida pela Floresta Extrativista Rio Preto-Jacundá, em Rondônia, com 37 km². A Reserva Extrativista Jaci-Paraná (RO) com 8 km², a Floresta Nacional do Jamanxim (PA) com 6 km² e a Reserva Extrativista Guariba-Roosevelt com 4 km² desmatados – todas categorias de UCs de uso sustentável, onde a exploração dos recursos naturais é permitida de forma manejada.

Na lista, chama atenção a presença de uma reserva biológica (Rebio), unidade de proteção integral e de caráter mais restritivo, entre as UCs com maior índice de desmatamento. Em oitavo lugar no ranking, a Rebio Nascente da Serra do Cachimbo, localizada no sul do Pará, teve 4 km² desmatados apenas no mês de abril, o equivalente a 400 campos de futebol.

Com relação às Terras Indígenas, de acordo com o SAD, as duas que mais registraram desmatamento foram a Terra Indígena Mundurucu, no Pará, ocupada pelos povos Apiaká, Isolados do Alto Tapajós e Munduruku, onde houve 4 km² desmatados; e a Terra Indígena Yanomami, na fronteira entre Roraima e Amazonas, onde vivem os povos Isolados da Serra da Estrutura, Isolados do Amajari, Isolados do Auaris/Fronteira, Isolados do Baixo Rio Cauaburis, Isolados Parawa u, Isolados Surucucu/Kataroa, Yanomami e Ye’kwana, registrou 2 km² de desmatamento.

Pespectivas para 2020

De acordo com o monitoramento feito pelo PRODES, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), desde 2015, a área desmatada anualmente na Amazônia se mantém acima dos 6 mil km². Ano passado, o total desmatado somou 9.762 km², um crescimento de 30% em relação a 2018.

“Tem várias análises que indicam que, no rumo que estamos indo, podemos ter uma taxa de desmatamento superior a do ano passado, que já foi alta em relação aos anos anteriores. E infelizmente eu não vejo nenhum comprometimento que indique que iremos mudar essa trajetória. Não existe um plano real de combate ao desmatamento. Ano passado os estados se articularam no combate ao desmatamento, mas infelizmente esse ano estamos numa situação muito complicada na Amazônia com a pandemia do coronavírus e colapso dos sistemas de saúde estaduais. Como a gente pode esperar que os governos estaduais possam lidar com todas essas crises ao mesmo tempo sem o apoio consistente do governo federal?”, analisa Brenda Brito, do Imazon.Desmatamento,Amazônia,Ambiente,Blog do Mesquita 03

Aroeira também não acredita que o ritmo do desmatamento vá desacelerar tão cedo. “É complexo avaliar, mas a tendência de crescimento, na minha opinião, é irreversível. Nós tivemos quase 10.000 km² desmatados ano passado, e esse ano os alertas do DETER já estão indicando um aumento de 90% de agosto até agora, e nós estamos entrando no período mais crítico agora e a resposta do governo é bem fraca, porque essa GLO [Garantia da Lei e Ordem na Amazônia Legal] ela não passa muita segurança de que é para valer. Ela é muito menos eficiente do que um IBAMA forte, por exemplo”, diz o biólogo. “Acho difícil conseguirmos reverter essa tendência de crescimento tanto nesse ano quanto no próximo, porque esse combate ao desmatamento passa por políticas estruturantes e uma mensagem clara do governo, e essas coisas você não consegue no curto prazo”.

Ambiente,Água,MeioAmbiente,Recursos Naturais,Seca,Blog do Mesquita 01

Estudo alerta para significativa emissão de CO² em margens de rios e lagos secos

Para a manutenção da vida na Terra, apenas 0,03% de gás carbônico (CO2) na atmosfera terrestre é suficiente.

Mesmo apesar de todos esforços científicos e também educacionais, presenciamos todos os dias noticiários sobre o aumento do desmatamento, onde só piora mais ainda esse fator. Já se falam também em uma nova Pandemia mais devastadora do que a que nós estamos vivenciando. E a que se vivência atualmente é só um ensaio para a próxima! Onde iremos parar se não começarmos a pensar? Na destruição do Globo em massa! É lamentável depois de tudo isso nada ser mudado, avaliado, pensado…. É lamentável!

O seu excesso faz com que a temperatura global aumente provocando desequilíbrios – o aumento de 3,5 °C da temperatura do planeta é capaz de promover a extinção de 70% de todas as espécies, de acordo com uma projeção da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).Desmatamento,Amazônia,Ambiente,Blog do Mesquita 03

Um estudo, realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) em parceria com o Helmholtz Centre for Environmental Research (UFZ) na Alemanha e o Catalan Institute for Water Research (ICRA) na Espanha, descobriu que as taxas de emissão de CO2 em áreas secas de ambientes aquáticos, como bordas de rios, lagos e reservatórios, que secam em períodos de estiagem, são significativas em escala global.

De acordo com o pesquisador do Programa de Pós-graduação em Biodiversidade da UFJF, Nathan Barros: “Nos modelos atuais, estes fluxos não são considerados e diziam que eram insignificantes. Nossa hipótese era que os fluxos não eram insignificantes”.

A razão disso é que os sedimentos expostos pela dessecação de ambientes aquáticos podem contribuir para elevar as taxas de emissões de CO2 para a atmosfera mais do que a superfície da água durante períodos inundados.

Os pesquisadores testaram essa hipótese realizando uma investigação em escala global para quantificar os fluxos de CO2 em 196 áreas secas de ambientes aquáticos de todos os continentes, com exceção da Antártica, em diferentes tipos de ecossistemas de águas interiores e zonas climáticas.

Os resultados sugerem que as áreas investigadas, consideradas “insignificantes”, emitem mais CO2 do que áreas de lagos e lagoas inundadas. Barros explica que é importante entender os fluxos dos gases de efeito estufa causadores das mudanças climáticas e o tamanho dessa emissão.

Coronavírus: ‘Estamos diante de ameaça de extinção e as pessoas nem mesmo sabem disso’

Jeremy Rifkin – Não podemos dizer que isso nos pegou de surpresa. Tudo o que está acontecendo conosco decorre das mudanças climáticas, sobre as quais os pesquisadores e eu estamos alertando há muito tempo.

O sociólogo americano Jeremy Rifkin, que se define como ativista em favor de uma transformação radical do sistema baseado no petróleo e outros combustíveis fósseis, passou décadas exigindo uma mudança da sociedade industrial para mais modelos sustentáveis.
Há dois fatores que não podemos deixar de considerar: as mudanças climáticas causam movimentos da população humana e de outras espécies. A segunda é que as vida sanimal e a humana estão se aproximando todos os dias como consequência da emergência climática e, portanto, seus vírus viajam juntos.

Rifkin é consultor de governos e empresas em todo o mundo.

Ele escreveu mais de 20 livros dedicados a propor fórmulas que garantam nossa sobrevivência no planeta, em equilíbrio com o meio ambiente e também com nossa própria espécie.

Tivemos outras pandemias nos últimos anos e foram emitidos avisos de que algo muito sério poderia acontecer. A atividade humana gerou essas pandemias porque alteramos o ciclo da água e o ecossistema que fazem o equilíbrio no planeta.

Desastres naturais — pandemias, incêndios, furacões, inundações… — continuarão porque a temperatura na Terra continua subindo e porque arruinamos o solo.

The Conversation – Esta é uma boa oportunidade para aprender lições e agir, não acha?

Rifkin – Nada voltará ao normal novamente. Esta é uma chamada de alerta em todo o planeta. O que temos que fazer agora é construir as infraestruturas que nos permitam viver de uma maneira diferente.

Devemos assumir que estamos em uma nova era. Caso contrário, haverá mais pandemias e desastres naturais. Estamos diante de uma ameaça de extinção.

Segundo Rifkin, o aumento da temperatura na Terra causa pandemias, incêndios e desastres naturais – Direito de imagemGETTY IMAGES

The Conversation – Você trabalha, estará trabalhando nesses dias, com governos e instituições ao redor do mundo. Não parece haver consenso sobre o futuro imediato.

Rifkin – A primeira coisa que devemos fazer é ter um relacionamento diferente com o planeta. Cada comunidade deve assumir a responsabilidade de como estabelecer esse relacionamento em sua esfera mais próxima.

E sim, temos que começar a revolução em direção ao Green New Deal ( proposta que estimula os Estados Unidos a alcançarem o nível zero de emissões líquidas dos gases do efeito estufa, além de outras metas) global, um modelo digital de zero emissões; temos que desenvolver novas atividades, criar novos empregos, para reduzir o risco de novos desastres.

A globalização acabou, devemos pensar em termos de glocalização. Esta é a crise de nossa civilização, mas não podemos continuar pensando na globalização como hoje, pois são necessárias soluções glocais para desenvolver infraestruturas de energia, comunicação, transporte e logística…

The Conversation – Você acha que durante esta crise, ou mesmo quando a tensão diminuir, governos e empresas tomarão medidas nessa direção?

Rifkin – Não. A Coreia do Sul está combatendo a pandemia com tecnologia. Outros países estão fazendo o mesmo. Mas não estamos mudando nosso modo de vida.

Precisamos de uma nova visão, uma visão diferente do futuro, e os líderes nos principais países não têm essa visão. São as novas gerações que podem realmente agir.

The Conversation – Você propõe uma mudança radical na maneira de ser e ser no mundo. Por onde começamos?

Rifkin – Temos que começar com a maneira como organizamos nossa economia, nossa sociedade, nossos governos; por mudar a maneira de estar neste planeta.

A nossa é a civilização dos combustíveis fósseis. Nos últimos 200 anos, foi baseada na exploração da Terra.

O solo permaneceu intacto até começarmos a cavar as fundações da terra para transformá-la em gás, petróleo e carvão. E nós pensamos que a Terra permaneceria lá sempre, intacta.

Criamos uma civilização inteira baseada no uso de fósseis. Usamos tantos recursos que agora estamos recorrendo ao capital fundiário, em vez de obter benefícios dele.

Estamos usando uma terra e meia quando só temos uma. Perdemos 60% da superfície do solo do planeta. Ele desapareceu e levará milhares de anos para recuperá-lo.

“A pandemia é um alerta para todo o planeta”
Direito de imagem GETTY IMAGES

The Conversation – O que você diria para aqueles que acreditam que é melhor viver o momento, o aqui e agora, e esperam que no futuro outros venham para consertá-lo?

Rifkin – Estamos realmente diante das mudanças climáticas, mas também há tempo de mudá-las.

As mudanças climáticas causadas pelo aquecimento global e pelas emissões de CO₂ alteram o ciclo da água na Terra.

Nós somos o planeta da água, nosso ecossistema emergiu e evoluiu ao longo de milhões de anos graças à água. O ciclo dela nos permite viver e se desenvolver.

E aqui está o problema: para cada grau de temperatura que aumenta como consequência das emissões de gases de efeito estufa, a atmosfera absorve 7% a mais de precipitação do solo e esse aquecimento os força a cair mais rápido, mais concentrado e causando mais desastres naturais relacionados à água.

Por exemplo, grandes nevascas no inverno, inundações na primavera em todo o mundo, secas e incêndios durante o verão e furacões e tufões no outono varrendo nossas costas.

As consequências vão piorando com o tempo.

Estamos diante da sexta extinção e as pessoas nem sabem disso. Os cientistas dizem que metade dos habitats e animais da Terra desaparecerão em oito décadas.

Essa é a posição em que estamos. Estamos de frente com uma potencial extinção da natureza para a qual não estamos preparados.

The Conversation – Quão grave é essa emergência global? Quanto tempo resta?

Rifkin – Não sei. Faço parte desse movimento de mudança desde a década de 1970 e acho que o tempo de que precisávamos passou.

Nunca voltaremos onde estávamos, à boa temperatura, a um clima adequado…

A mudança climática estará conosco por milhares e milhares de anos; a questão é: podemos, como espécie, ser resilientes e nos adaptar a ambientes totalmente diferentes e que nossos companheiros na Terra também possam ter a oportunidade de se adaptar?

Se você me perguntar quanto tempo levará para mudarmos para uma economia limpa, nossos cientistas na cúpula europeia sobre mudança climática em 2018 disseram que ainda temos 12 anos. Já é menos que nos resta para transformar completamente a civilização e começar essa mudança.

A Segunda Revolução Industrial, que causou mudanças climáticas, está morrendo. E isso se deve ao baixo custo da energia solar, que é mais lucrativa que o carvão, o petróleo, o gás e a energia nuclear.

Estamos caminhando para uma Terceira Revolução Industrial.

“A Coréia do Sul está lutando contra a pandemia com tecnologia”
Direito de imagem GETTY IMAGES

The Conversation – É possível uma mudança de tendência global sem os Estados Unidos do nosso lado?

Rifkin – A União Europeia e a China se uniram para trabalhar juntas e os Estados Unidos estão avançando porque os estados estão desenvolvendo a infraestrutura necessária para alcançá-los.

Não esqueça que somos uma república federal. O governo federal apenas cria as leis, os regulamentos, os padrões, os incentivos; na Europa, acontece o mesmo: seus Estados-membros criaram as infraestruturas.

O que acontece nos Estados Unidos é que prestamos muita atenção no Trump, mas dos 50 Estados, 29 desenvolveram planos para o desenvolvimento de energia renovável e estão integrando a energia solar.

No ano passado, na Conferência Europeia de Emergência Climática, as cidades americanas declararam uma emergência climática e agora estão lançando seu Green New Deal.

Muitas mudanças estão acontecendo nos Estados Unidos. Se tivéssemos uma Casa Branca diferente seria ótimo, mas, ainda assim, esta Terceira Revolução Industrial está surgindo na UE e na China e já começou na Califórnia, no Estado de Nova York e em parte do Texas.

The Conversation – Quais são os componentes básicos dessas mudanças que são tão relevantes em diferentes regiões do mundo?

Rifkin – A nova Revolução Industrial traz consigo novos meios de comunicação, energia, transporte e logística.

A revolução comunicativa é a internet, assim como foram a imprensa e o telégrafo na Primeira Revolução Industrial no século 19 no Reino Unido ou o telefone, rádio e televisão na segunda revolução no século 20 nos Estados Unidos.

Hoje, temos mais de 4 bilhões de pessoas conectadas e em breve teremos todos os seres humanos conectados à internet; todo mundo está conectado agora.

Em um período como o que estamos vivendo, as tecnologias nos permitem integrar um grande número de pessoas em uma nova estrutura de relações econômicas.

A internet do conhecimento é combinada com a internet da energia e a internet da mobilidade.

Essas três internets criam a infraestrutura da Terceira Revolução Industrial. Essas três Internet convergirão e se desenvolverão em uma infraestrutura de internet das coisas que reconfigurará a maneira como todas as atividades são gerenciadas no século 21.

O aquecimento global está causando fortes nevascas no inverno
Direito de imagemGETTY IMAGES

The Conversation – Qual o papel dos novos agentes econômicos na formação desse novo modelo econômico e social?

Rifkin – Estamos criando uma nova era chamada glocalização.

A tecnologia de emissão zero desta terceira revolução será tão barata que nos permitirá criar nossas próprias cooperativas e nossos próprios negócios, tanto física quanto virtualmente.

Grandes empresas desaparecerão. Algumas delas continuarão, mas terão que trabalhar com pequenas e médias empresas com as quais estarão conectadas em todo o mundo. Essas grandes empresas serão provedores de rede e trabalharão juntas em vez de competir entre si.

Na primeira e na segunda revolução, as infraestruturas foram feitas para serem centralizadas, privadas. No entanto, a terceira revolução possui infraestruturas inteligentes para unir o mundo de maneira distribuída e glocal, com redes abertas.

The Conversation – Como a superpopulação afeta a sustentabilidade do planeta no modelo industrial?

Rifkin – Somos 7 bilhões de pessoas e chegaremos a 9 bilhões em breve. Essa progressão, no entanto, vai acabar.

As razões para isso têm a ver com o papel das mulheres e sua relação com a energia.

Na antiguidade, as mulheres eram escravas, eram as fornecedoras de energia, tinham que manter a água e o fogo.

A chegada de eletricidade está intimamente relacionada aos movimentos sufragistas nos Estados Unidos; libertou as jovens, que puderam ir para a escola e puderam continuar seus estudos até a universidade.

Quando as mulheres se tornaram mais autônomas, livres, mais independentes, houve menos nascimentos.

O sociólogo Jeremy Rifkin defende que estamos caminhando para a Terceira Revolução Industrial – Direito de imagemGETTY IMAGES

The Conversation – Você não parece otimista, e ainda assim seus livros são um guia para um futuro sustentável. Temos ou não temos um futuro melhor à vista?

Rifkin – Todas as minhas esperanças estão depositadas na geração millenial. A geração dos millenials saiu das salas de aula para expressar sua inquietude.

Milhões e milhões deles exigem a declaração de uma emergência climática e pedem um Green New Deal.

O interessante é que isso não é como nenhum outro protesto na história, e houve muitos, mas este é diferente: move a esperança, é a primeira revolta planetária do ser humano em toda a história em que duas gerações foram vistas como espécies em perigo.

Essa geração se propõe a eliminar todos os limites e fronteiras, preconceitos, tudo o que nos separa. Ela começa a se ver como uma espécie em extinção e tenta preservar as demais criaturas do planeta.

Esta é provavelmente a transformação mais importante da consciência humana na história.

Aquecimento Global: Potenciais ataques fatais de calor e umidade em alta

Cientistas identificam milhares de eventos extremos, sugerindo alertas severos sobre aquecimento global já estão chegando.

O número de eventos potencialmente fatais de umidade e calor dobrou entre 1979 e 2017 e está aumentando em frequência e intensidade. Foto: Dave Hunt / AAP

Surtos intoleráveis ​​de umidade e calor extremos que podem ameaçar a sobrevivência humana estão aumentando em todo o mundo, sugerindo que os piores cenários de alerta sobre as consequências do aquecimento global já estão ocorrendo, revelou um novo estudo. Um bilhão de pessoas viverá em um calor insuportável dentro de 50 anos.

Os cientistas identificaram milhares de surtos não detectados anteriormente da combinação de clima mortal em partes da Ásia, África, Austrália, América do Sul e América do Norte, incluindo vários pontos quentes ao longo da costa do Golfo dos EUA.

A umidade é mais perigosa do que o calor seco, porque prejudica a transpiração – o sistema de refrigeração natural do corpo que salva vidas.

O número de eventos potencialmente fatais de umidade e calor dobrou entre 1979 e 2017 e está aumentando em frequência e intensidade, de acordo com o estudo publicado na Science Advances.

Nos EUA, a região costeira do sudeste do Texas ao Panhandle da Flórida experimentou condições extremas dezenas de vezes, com Nova Orleans e Biloxi, Mississippi, as mais atingidas.

Os incidentes mais extremos ocorreram ao longo do Golfo Pérsico, onde a combinação de calor e umidade ultrapassou o limite teórico de sobrevivência humana em 14 ocasiões. Doha, capital do Catar, onde a Copa do Mundo será realizada em 2022, estava entre os lugares para sofrer – ainda que brevemente – esses eventos climáticos potencialmente fatais.

As descobertas ameaçadoras são uma surpresa para os cientistas, pois estudos anteriores haviam projetado que eventos climáticos extremos ocorreriam no final do século, principalmente em partes dos trópicos e subtrópicos, onde a umidade já é um problema.

“Estudos anteriores projetaram que isso aconteceria daqui a várias décadas, mas isso mostra que está acontecendo agora”, disse o principal autor Colin Raymond, do Observatório da Terra da Universidade Columbia, de Lamont-Doherty. “Os últimos tempos desses eventos aumentarão e as áreas que afetam crescerão em correlação direta com o aquecimento global”.Aquecimento Global,Ambiente,Meio Ambiente,BlogdoMesquita 01

Os estudos anteriores contaram com o calor e a umidade médios registrados durante várias horas em grandes áreas, enquanto a equipe da Columbia analisou dados horários de 7.877 estações meteorológicas individuais, permitindo identificar incidentes curtos e localizados.

Em condições secas, o corpo transpira o excesso de calor pela pele, onde evapora. A umidade impede a evaporação e pode até detê-la completamente em condições extremas. Se o núcleo do corpo superaquecer, os órgãos podem rapidamente começar a falhar e levar à morte em poucas horas.

Os meteorologistas medem o efeito de calor / umidade na escala Centígrada chamada “bulbo úmido”, conhecida como “índice de calor” ou leituras Fahrenheit “reais” nos EUA.

Mesmo as pessoas mais fortes e bem adaptadas não podem realizar atividades comuns ao ar livre, como caminhar ou cavar uma vez que a lâmpada úmida atinge 32 ° C, embora a maioria tenha dificuldades antes disso. Em teoria, os seres humanos não podem sobreviver acima de 35 ° C na escala de bulbo úmido – o pico sofrido em pequenas áreas da Arábia Saudita, Catar e Emirados Árabes Unidos, segundo o estudo.

Surtos ligeiramente menos extremos, mas mais frequentes, foram detectados na Índia, Bangladesh e Paquistão, noroeste da Austrália e regiões costeiras ao longo do Mar Vermelho e no Golfo da Califórnia, no México.Ambiente,Meio ambiente,Ecologia,Mudanças Climáticas,Aquecimento Global,Água,Seca,Blog do Mesquita

“Podemos estar mais próximos de um ponto de inflexão real do que pensamos”, disse o co-autor Radley Horton.

O ar condicionado deve ajudar a mitigar o impacto de algumas pessoas em países ricos, como EUA e Catar, mas períodos mais longos em ambientes fechados podem ter conseqüências econômicas devastadoras, segundo Horton. O ar condicionado também não é uma opção para a maioria das pessoas nos países mais pobres de alto risco, onde a agricultura de subsistência continua sendo comum.

Kristina Dahl, climatologista da Union of Concerned Scientists nos EUA, disse que o novo artigo mostra “quão próximas as comunidades ao redor do mundo estão dos limites”.

Poluição,Meio Ambiente,Blog do Mesquita 01

Estudo prevê que Um Bilhão de pessoas viverá em um calor insuportável dentro de 50 anos

O custo humano da crise climática será mais difícil e mais cedo do que se pensava anteriormente, revela pesquisa.

Um agricultor indiano atravessa o leito de uma lagoa que secou durante uma crise de água. Foto: Sanjay Kanojia / AFP via Getty Images

O custo humano da crise climática será mais difícil, mais amplo e mais cedo do que se pensava anteriormente, de acordo com um estudo que mostra que um bilhão de pessoas serão deslocadas ou forçadas a suportar calor insuportável a cada aumento adicional de 1C na temperatura global.

No pior cenário de aceleração de emissões, as áreas que atualmente abrigam um terço da população mundial serão tão quentes quanto as partes mais quentes do Saara em 50 anos, alerta o jornal. Mesmo na perspectiva mais otimista, 1,2 bilhão de pessoas ficará fora do confortável “nicho climático” em que os humanos prosperam por pelo menos 6.000 anos.

Os autores do estudo disseram que ficaram “chocados” e “impressionados” com os resultados, porque não esperavam que nossa espécie fosse tão vulnerável.

“Os números são espantosos. Eu literalmente dei uma olhada dupla quando os vi pela primeira vez ”, disse Tim Lenton, da Exeter University. “Eu já estudei pontos críticos do clima, que geralmente são considerados apocalípticos. Mas isso chegou em casa com mais força. Isso coloca a ameaça em termos muito humanos.”

Em vez de considerar a mudança climática como um problema de física ou economia, o artigo, publicado no Proceedings da Academia Nacional de Ciências, examina como ela afeta o habitat humano.

A grande maioria da humanidade sempre viveu em regiões onde as temperaturas médias anuais estão entre 6 ° C e 43 ° C, o que é ideal para a saúde humana e a produção de alimentos. Mas esse ponto ideal está mudando e diminuindo como resultado do aquecimento global causado pelo homem, o que coloca mais pessoas no que os autores descrevem como extremos “quase imperdoáveis”.Ambiente,Meio ambiente,Ecologia,Mudanças Climáticas,Aquecimento Global,Água,Seca,Blog do Mesquita

A humanidade é particularmente sensível porque estamos concentrados na terra – que está aquecendo mais rápido que os oceanos – e porque o maior crescimento futuro da população estará nas regiões já quentes da África e da Ásia. Como resultado desses fatores demográficos, o ser humano médio experimentará um aumento de temperatura de 7,5 ° C quando a temperatura global atingir 3 ° C, prevista para o final deste século.

Nesse nível, cerca de 30% da população do mundo viveria em calor extremo – definido como uma temperatura média de 29 ° C (84 ° F). Essas condições são extremamente raras fora das partes mais devastadas do Saara, mas com o aquecimento global de 3C, elas devem envolver 1,2 bilhão de pessoas na Índia, 485 milhões na Nigéria e mais de 100 milhões no Paquistão, Indonésia e Sudão.

Isso aumentaria enormemente as pressões migratórias e colocaria desafios aos sistemas de produção de alimentos.

“Acho justo dizer que as temperaturas médias acima de 29 ° C são inabitáveis. Você teria que se mudar ou se adaptar. Mas há limites para a adaptação. Se você tiver dinheiro e energia suficientes, poderá usar o ar-condicionado e voar com os alimentos e poderá ficar bem. Mas esse não é o caso da maioria das pessoas ”, disse um dos principais autores do estudo, Prof Marten Scheffer, da Universidade de Wageningen.

Ecologista em treinamento, Scheffer disse que o estudo começou como um experimento mental. Ele já estudara a distribuição climática de florestas tropicais e savanas e imaginou qual seria o resultado se aplicasse a mesma metodologia aos seres humanos.

“Sabemos que os habitats da maioria das criaturas são limitados pela temperatura. Por exemplo, os pingüins são encontrados apenas em água fria e os corais somente em água morna. Mas não esperávamos que os humanos fossem tão sensíveis. Nós nos consideramos muito adaptáveis ​​porque usamos roupas, aquecimento e ar condicionado. Mas, de fato, a grande maioria das pessoas vive – e sempre viveu – dentro de um nicho climático que agora está se movendo como nunca antes.”

Ficamos impressionados com a magnitude ”, ele disse. “Haverá mais mudanças nos próximos 50 anos do que nos últimos 6.000.”

Os autores disseram que suas descobertas devem estimular os formuladores de políticas a acelerar cortes de emissões e trabalhar em conjunto para lidar com a migração, porque cada grau de aquecimento que pode ser evitado salvará um bilhão de pessoas de sair do nicho climático da humanidade.

“Claramente precisaremos de uma abordagem global para proteger nossos filhos contra as tensões sociais potencialmente enormes que a mudança projetada poderia invocar”, disse outro dos autores, Xu Chi, da Universidade de Nanjing.

Clima, coragem e a ambição de que precisamos agora

Enquanto formuladores de políticas e ativistas de todo o mundo se reúnem para a Semana do Clima na cidade de Nova York, Lynn Scarlett explica por que precisamos de compromissos mais ousados ​​- mas por que é nos detalhes diabólicos da ação que o progresso acontece.

Ser um defensor de longa data da ação climática às vezes parece ser Cassandra do mito grego – amaldiçoada por ver o futuro, mas nunca acreditar.

Este é talvez o aspecto mais assustador das mudanças climáticas. Conhecemos os terríveis impactos. Sabemos o que precisamos fazer para evitar uma catástrofe global. Mas ficamos muito aquém de tomar ações na escala necessária.

É de se perguntar o que Cassandra teria pensado se estivesse presente na assinatura do Acordo de Paris em 2015, sabendo que esse compromisso internacional sem precedentes seria seguido por mais quatro anos de aumento nas emissões, temperaturas e níveis do mar.

Ainda assim, não me desespero pelo futuro. Não me sinto como Cassandra – agora as vozes da ação climática estão sendo ouvidas de maneira mais ampla. Poderíamos estar à beira de uma oportunidade sem precedentes de ação climática corajosa.

Mexa-se agora
Convide os líderes mundiais a serem corajosos em relação às mudanças climáticas.

Um novo momento de conscientização
Quando o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) divulgou seu relatório de 1,5 graus em outubro passado, a reação do público foi alarmante – e isso é promissor. De repente, a mensagem se espalhou – de maneira ampla e com ressonância – quando as pessoas viram o que os Cassandras haviam visto há muito tempo.

Este ano traz mais dois relatórios do IPCC – um relatório sobre uso da terra e clima foi lançado em agosto, e outro focado no oceano e na criosfera chegará no final deste mês. Esses relatórios também não contêm boas notícias, mesmo que não estejam inspirando o mesmo choque que o relatório de meta de 1,5 grau. Mas vale a pena prestar atenção, porque os problemas específicos que eles colocam podem nos indicar soluções específicas.

É provável que o relatório das terras de agosto enfatize ainda mais o que já sabemos – que o uso extensivo da humanidade pelas terras da terra é um dos principais impulsionadores das mudanças climáticas. De fato, o setor de uso da terra é atualmente responsável por um quarto das emissões globais de gases de efeito estufa, bem como pela degradação do solo, desmatamento e perda de biodiversidade.

Mas isso também significa que mudar nossas ações pode beneficiar o futuro do planeta. A maneira como comunidades, proprietários de terras e empresas utilizam, protegem e desenvolvem a terra e a natureza é essencial para esse empreendimento. Pesquisa liderada pela The Nature Conservancy (TNC) mostra que soluções climáticas naturais – estratégias para proteger, restaurar e gerenciar terras para reduzir as emissões e melhorar o armazenamento de carbono – poderiam, em conceito, fornecer mais de um terço das reduções de emissões necessárias até 2030 para manter níveis de aquecimento abaixo de 2 graus Celsius.

As soluções terrestres capturam pouca atenção ou financiamento, pelo menos por enquanto, mas com mais investimento, elas podem ser um complemento poderoso para a transição contínua para a energia limpa. Natureza e tecnologia juntas fornecem a maioria das ferramentas necessárias para limitar as mudanças climáticas. A questão é se temos coragem de usá-los – e usá-los em breve.

As vozes da ação climática estão sendo ouvidas agora de forma mais ampla. Poderíamos estar à beira de uma oportunidade sem precedentes de ação climática corajosa.

Coragem significa ambição – e ambição significa detalhes.
O que quero dizer com coragem? Sim, é corajoso quando os países estabelecem e escalam compromissos de redução de emissões ou quando as empresas trabalham em direção a 100% de fontes de energia limpa ou cadeias de suprimento de desmatamento zero.

Tais compromissos são positivos, passos críticos; Estou animado em ver mais deles. Mas a verdadeira coragem climática não se resume apenas a anúncios grandiosos – ela é encontrada nas profundezas da execução. Requer ambição, mas também detalhes diabólicos – de como, quando, onde e quem – para transformar essas declarações em ações concretas.

Considere: sabemos que precisamos acelerar a transição para a energia limpa – mas também precisamos pensar em como fazemos essa transição e onde colocamos essa nova infraestrutura. A localização mais inteligente é necessária não apenas para proteger as terras naturais da conversão – sequestrando mais carbono naturalmente e protegendo a biodiversidade – mas também para eliminar alguns dos riscos financeiros que impedem a expansão da energia limpa.

Portanto, precisamos de políticas, planejamento e incentivos que direcionem desenvolvedores e investidores para a localização inteligente de infraestrutura de energia – é assim que atraímos investimentos de nível institucional em energia limpa, localizamos bem e garantimos a proteção de terras naturais. Foi exatamente isso que o estado norte-americano de Nevada fez – por meio de um foco de “mineração solar”, o estado está facilitando a localização da energia solar em áreas degradadas de minas. Se olharmos para a escala global, temos terras degradadas suficientes disponíveis para localização para atender às metas de energia limpa do mundo 17 vezes.

Da mesma forma, não basta simplesmente “proteger florestas”. Grande parte das terras florestais intactas do mundo é gerenciada por comunidades indígenas, muitas das quais são líderes em desenvolvimento sustentável de baixo carbono – e, no entanto, muitas delas não têm ou têm direitos tênues a essas terras. Portanto, os países precisam garantir que os povos indígenas garantam seus direitos e posse da terra.

Percorremos um longo caminho em um tempo relativamente curto para entender uma nova realidade climática. O que antes seriam promessas ousadas agora é quase comum. Mas ainda estamos muito aquém do avanço dos mecanismos pelos quais essas promessas são cumpridas – governança, política financeira, estruturas de incentivos e impostos e posse da terra, para citar alguns.

Esses processos raramente atraem a atenção do público, mas são um trabalho duro e corajoso – o tipo necessário para converter a coragem em ação climática tangível.

Nós somos os protagonistas. A única coisa que nos impede de enfrentar as mudanças climáticas é nossa lentidão para agir de maneira proporcional à escala dos desafios.
É necessário um trabalho árduo e corajoso para converter a coragem em ação climática tangível.

“Um drama épico”
Comecei por esse caminho pensando em coragem e figuras míticas como Cassandra depois de ouvir o autor David Wallace-Wells falar recentemente para uma audiência de conservacionistas comprometidos.

A luta atual da humanidade com as mudanças climáticas, disse David, “é um drama épico, do tipo que costumávamos ver apenas na mitologia ou na teologia, mas estamos vivendo em tempo real e como protagonistas – porque o clima futuro do planeta será escrito pelo que fazemos.”

Nós somos os protagonistas. A única coisa que nos impede de enfrentar as mudanças climáticas é nossa lentidão para agir de maneira proporcional à escala dos desafios.
Estranhamente, esse é um pensamento encorajador – porque ainda temos escolhas. E isso me faz pensar em outro termo para protagonista: herói.

Esse momento é revigorante: os alunos estão saindo das escolas; os líderes indígenas estão reivindicando seu lugar de direito nas negociações internacionais; Estados como Nova York e cidades de Nairóbi a Brasília estão estabelecendo planos de mitigação mais detalhados e ambiciosos do que qualquer governo nacional. Agora é hora de mais heróis nacionais e internacionais também.

Aqueles que se adiantam para realizar o trabalho árduo dessa jornada enfrentam incerteza – sobre as conseqüências de suas ações, intencionais e não intencionais; sobre se o resto do mundo seguirá o exemplo deles; sobre quais detalhes diabólicos da ação realmente produzirão grandes resultados; e sobre o tipo de impacto que experimentaremos, mesmo no melhor cenário.

É por isso que requer coragem. Mas a alternativa não é uma opção viável.

Meio Ambiente – Captura de carbono

O corte de florestas contribui para as mudanças climáticas. Mas restaurar a natureza – em todos os tipos de paisagens – é uma ferramenta poderosa na corrida para parar as mudanças climáticas.

As florestas da Serra da Mantiqueira, no Brasil – ou pelo menos o que resta delas – podem levar a julgamento precipitado. Estendendo-se por 320 quilômetros perto da fronteira com o estado de São Paulo, a região da Mantiqueira faz parte da outrora vasta Mata Atlântica. Séculos atrás, essa floresta tropical famosa por sua diversidade cobria uma área com o dobro do tamanho do Texas, em uma faixa norte-sul paralela à costa. Hoje, as encostas das montanhas da Mantiqueira ficam praticamente sem árvores, cobertas por pastagens e campos agrícolas.

“Temos apenas 12% da Mata Atlântica original”, diz Rubens Benini, cientista da Nature Conservancy que trabalha há 22 anos para restaurar as florestas do Brasil. “E é muito fragmentado.”

A história da região da Mantiqueira é um conto clássico de destruição ambiental generalizada em nome do progresso econômico. Mas a história das florestas tropicais da região ainda não acabou.

Mais de uma década atrás, o governo de Extrema, um município da região da Mantiqueira, iniciou um programa de plantio de árvores como parte de um esforço para ajudar a garantir o abastecimento de água. O nome Mantiqueira vem de uma palavra indígena que significa “onde estão as nuvens”. Os picos das montanhas abrigam milhares de nascentes e córregos, cursos de água que abastecem São Paulo e Rio de Janeiro. As florestas ajudam a reter a água nos solos e retardam o escoamento das chuvas em córregos e rios. Sem florestas, os córregos da Mantiqueira agora mudam drasticamente de altos fluxos na estação chuvosa para baixos fluxos em tempos secos. Depois que o trabalho em Extrema ajudou a moderar alguns fluxos, os agricultores e pecuaristas locais se uniram aos esforços de reflorestamento – assim como a TNC. Desde 2005, o projeto replantou quase 5.000 acres de floresta e o plantio continua.

Em 2016, o Brasil assinou o Acordo de Paris e prometeu reduzir suas emissões para 43% abaixo do nível de 2005 até 2030. Para Benini, esse compromisso colocou o esforço de Extrema sob uma nova luz. Extrema havia replantado árvores para proteger sua água, mas essas mesmas árvores também absorviam dióxido de carbono todos os dias. E se houvesse dezenas de mais Extremas? Centenas? O Brasil poderia cumprir parte de seu compromisso climático e suportar melhor as secas futuras colocando árvores de volta em terras marginais que antes eram florestas.

Desde então, o Brasil estabeleceu uma meta de reflorestar 30 milhões de acres em seu território, parte de um crescente reconhecimento global de que a própria natureza pode ajudar as nações a cumprir seus compromissos climáticos. Gerenciados de forma inteligente, florestas, pântanos e solos têm a capacidade de armazenar carbono. Os próprios pesquisadores da Conservancy foram os primeiros a analisar de maneira abrangente o quanto as mudanças na conservação e no gerenciamento da terra poderiam fazer, não apenas nas florestas, mas em todos os tipos de paisagens.

A resposta, ao que parece, é muita.

Benini agora lidera a estratégia de restauração florestal da TNC para a América Latina. Ele permanece na vanguarda de uma iniciativa ambiciosa para ajudar o Brasil a levar o modelo Extrema para outros 283 municípios e, assim, restaurar quase 3 milhões de acres de floresta. Fazer isso exigirá ajuda de financiadores internacionais, mas esse investimento valerá a pena, diz Benini. A iniciativa retirará aproximadamente 280 milhões de toneladas de excesso de dióxido de carbono da atmosfera em 30 anos – o equivalente às emissões de mais de 55 milhões de carros – e cumprirá 10% da meta de reflorestamento do Brasil.

“Esta é uma nova maneira de olhar a paisagem”, diz Benini. “Quando estamos falando de restauração, não estamos falando apenas de trazer a floresta de volta. Estamos falando de enfrentar as mudanças climáticas “.A replantação de florestas – como Vinicius Uchoa faz aqui nas montanhas da Mantiqueira – é uma poderosa estratégia climática. Foto de Robert Clark
Em uma caminhada em um dia de primavera perto de sua casa em Harrisonburg, Virgínia, Bronson Griscom fala sobre as descobertas de pesquisa de sua equipe da maneira que alguém ainda acorda de um sonho profundo. Ecologista de florestas tropicais em treinamento, o diretor de ciência do carbono florestal da TNC há muito pressentia que a natureza era uma grande parte da solução para as mudanças climáticas.

A Griscom encontrou um corpo substancial de pesquisa publicada avaliando uma ou outra maneira específica de usar a natureza para combater as mudanças climáticas, seja restaurando florestas ou cultivando de maneiras que imitem mais a natureza. Mas ele diz: “Eu estava examinando essa [pesquisa], pensando: ‘Todo mundo está olhando para isso de diferentes ângulos, mas ninguém está realmente pregando a pergunta: como tudo isso se encaixa?’ Essa pergunta realmente não tinha sido respondida. em um nível abrangente. ”

Em 2014, Justin Adams, diretor-gerente global de terras da TNC, fez a mesma pergunta em uma reunião. Griscom se aproximou dele depois. “Eu estava tipo, ‘Devemos fazer um pequeno trabalho de revisão sobre isso'”, diz Griscom. Ele se lembra de ter pensado: “Vai ser divertido. Nada demais. Apenas execute alguns números.

Adams insistiu com ele – mas aconselhou, como Griscom coloca: “Isso é um grande negócio, e precisamos fazer isso da maneira certa”.

A busca para acertar os números rapidamente assumiu a sensação de uma expedição científica. Os sistemas naturais são muito mais confusos do que os projetados. Segundo Griscom, calcular quanto carbono, digamos, um hectare de pastagem de estepe seco pode absorver, “é muito mais complicado do que calcular os benefícios climáticos de uma turbina eólica”.

Foi preciso contratar uma equipe de funcionários adicionais e dois anos de horas atrasadas e fins de semana – além de um mergulho em técnicas estatísticas esotéricas, como simulações de Monte Carlo, curvas de custo de redução marginal e o método Delphi para obtenção de especialistas – para finalmente obter uma resposta.

Em 2017, Griscom e sua equipe calcularam, na Proceedings da Academia Nacional de Ciências, que as soluções climáticas naturais podem fornecer 37% das reduções de carbono necessárias para atender às metas do acordo climático de Paris – além de fornecer ar limpo, água e habitat para animais selvagens.

“Nós tendemos a pensar na natureza como uma vítima”, diz Griscom. “Mas houve menos atenção à resiliência fenomenal e ao poder da natureza para curar. A capacidade da natureza de resolver problemas simplesmente não recebe atenção suficiente. ”

As conclusões destacam as ações em três grandes linhas (“O caminho verde para um clima estável”, oposto). Um abraça o que muitos conservacionistas supuseram intuitivamente: na maioria dos lugares, simplesmente manter a natureza intacta ajuda a absorver o carbono da atmosfera. Deixe as florestas tropicais em pé, deixe os pântanos costeiros subdesenvolvidos, e a vegetação nesses lugares continuará crescendo e armazenando carbono.

Uma segunda estratégia intrigante centra-se no gerenciamento de áreas de trabalho – como fazendas, fazendas e bosques – com o carbono em mente. A contribuição em termos de carbono é menor que a de restauração, mas a estratégia pode ser aplicada em grandes áreas sem tirar terras da produção ou prejudicar as economias locais. O truque é encontrar a combinação certa de incentivos para convencer os produtores agrícolas e proprietários de terras a mudar a maneira como gerenciam as propriedades sob seus cuidados.

A terceira estratégia é restaurar sistemas naturais que foram danificados ou destruídos, assim como Benini e seus colegas esperam fazer no Brasil. A replantação de florestas oferece um enorme potencial para capturar carbono. Mas restaurar outras terras – pradarias, pântanos, manguezais costeiros e até ervas marinhas – também ajuda significativamente a imagem climática.

Além disso, o documento chega a uma verdade esquecida sobre os objetivos do acordo climático de Paris: eliminar as emissões de gases de efeito estufa de combustíveis fósseis é muito importante, mas reduzir as emissões por si só não será suficiente para manter a temperatura subir bem abaixo de 2 graus Celsius por 2030. A humanidade precisa descobrir como absorver muito carbono que já está na atmosfera, e Griscom acredita que suas descobertas oferecem um caminho claro para a ação.

É preciso ir além do norte de Nova York para encontrar um exemplo de como a análise da Griscom pode ser transformada em prática. Aqui, a TNC está ajudando o Albany Water Board a encontrar uma maneira de aumentar lucrativamente a capacidade de armazenamento de carbono em cerca de 6.500 acres de floresta pertencente à cidade, cujo único potencial de geração de dinheiro no passado era como madeira.

“Historicamente, a floresta era usada para preencher buracos fiscais”, diz Troy Weldy, gerente sênior de conservação da TNC em Nova York. Albany dificilmente está sozinho nessa prática, observa ele. Muitas cidades registram suas propriedades por dinheiro para complementar seus orçamentos.

Após a decisão dos EUA de se retirar do Acordo de Paris em 2017, no entanto, a prefeita de Albany Kathy Sheehan comprometeu-se a assumir parte da promessa que o governo dos EUA havia acabado de abandonar. Ao mesmo tempo, a TNC procurava parceiros para ajudá-la a criar um novo modelo de como os proprietários de florestas gerenciam suas propriedades florestais.

Sob um novo plano focado em carbono desenvolvido pela TNC, a floresta de Albany começou a parecer menos madeira em pé e muito mais créditos de carbono. “Mantemos as árvores no solo por um longo período de tempo, para que cultivemos árvores maiores”, diz Weldy. “E à medida que a floresta amadurece, ela absorve e armazena mais carbono”. Usando certificação de terceiros e mercados de carbono existentes, como os da Califórnia e Quebec, a Albany pode ganhar créditos pelo carbono extra que está armazenando e vendê-los a compradores que buscam compensar suas próprias emissões.

Além de ganhar créditos, as árvores maiores também significam maiores lucros com as vendas de madeira cuidadosamente planejadas que acontecem. As árvores maiores podem ser utilizadas de maneira muito melhor como madeira para construção. “Se você registra uma árvore e ela é moída e colocada em uma casa, o carbono ainda é armazenado”, diz Weldy. “O ciclo de vida de uma casa será de 100 a 200 anos, e esse carbono ainda está bloqueado durante esse período.” Por outro lado, a colheita de árvores menores geralmente é para lenha, que retorna imediatamente o carbono armazenado para a atmosfera quando queimado.

Está se transformando em uma mudança que faz sentido financeiro. Quando a TNC calculou as receitas potenciais para a autoridade hídrica, diz Weldy, “nossa estimativa conservadora foi de meio milhão de dólares em 10 anos, permitindo que as árvores crescessem por mais tempo”. Agora, com um inventário florestal mais detalhado em mãos e a decisão de Albany de incluir mais terras, Weldy acredita que o novo esquema de manejo pode realmente ser mais próximo
US $ 1 milhão para os cofres da cidade.A Julia Wangari faz parte de um projeto da TNC que está testando 10 variedades de bambu, novos fornos a carvão e fogões com eficiência energética para produzir um combustível de madeira mais sustentável.
Foto de Tate Drucker

Observar os esforços de conservação através de uma lente climática pode levar os projetos a novas direções, dependendo dos fatores econômicos que afetam as decisões de uso da terra.

Em locais com extensas florestas, manter as árvores em pé torna-se extremamente importante – e isso deu nova atenção ao empoderamento das comunidades indígenas para gerenciar suas terras tradicionais. Na Colúmbia Britânica, por exemplo, a Great Bear Rainforest possui uma das maiores lojas de carbono do mundo. Aqui, a TNC trabalhou com 27 Primeiras Nações para ajudá-las a obter direitos para gerenciar grande parte de seus territórios tradicionais e treinar uma nova geração de líderes e empresários no manejo florestal sustentável. Essas comunidades indígenas finalizaram um acordo com os governos canadenses e provinciais em 2016, após mais de uma década de planejamento e negociação. O acordo coloca 9 milhões de acres de floresta tropical fora do alcance da exploração madeireira e coloca milhões de acres mais sob estritas diretrizes de manejo florestal.

Na Indonésia, onde a silvicultura teve um papel importante no crescimento econômico nas últimas cinco décadas, o Griscom da TNC ajudou a desenvolver técnicas para minimizar a quantidade de carbono emitida durante as operações legais de extração de madeira. Mudanças simples, mais notavelmente garantindo que apenas árvores comercialmente valiosas sejam cortadas, podem reduzir as emissões pela metade. Este ano, o governo indonésio adotou o sistema para uso em todo o país e a TNC está adaptando-o para uso no México, Peru, Gabão e Suriname.

Fazendas e fazendas também oferecem muito potencial. “Isso não requer repensar fundamentalmente o que está sendo produzido em áreas de trabalho”, diz Griscom. “Mas precisamos repensar nossas práticas nessas terras”.

Por exemplo, práticas como plantar plantas de cobertura entre as estações de crescimento aumentam a quantidade de carbono armazenada nos solos. De longe, os maiores ganhos de baixo custo na agricultura poderiam vir simplesmente do uso correto de fertilizantes. As plantas podem consumir apenas uma certa quantidade de nitrogênio; portanto, quando os agricultores aplicam muito fertilizante à base de nitrogênio, isso desnecessariamente custa tempo e dinheiro. Pior, o fertilizante reage com o ar e forma óxidos nitrosos, que são um potente gás de efeito estufa.

Da mesma forma, mudanças pragmáticas no manejo de pastagens – por exemplo, permitindo que a grama se recupere entre os episódios de pastoreio – podem ajudar. No Quênia, a TNC trabalha com o Northern Rangeland Trust há uma década para criar normas apoiadas pela comunidade em torno de como as pastagens comunitárias são gerenciadas. Ao dar mais tempo para as pastagens se recuperarem, os proprietários de gado acumulam a quantidade de grama no chão – um resultado bom para o rebanho, bom para as pastagens e mensurável para armazenar mais carbono. Os trabalhadores no Quênia colhem bambu maduro. Iniciativas favoráveis ​​ao clima como esta ajudam a melhorar a saúde e os meios de subsistência humanos. Foto de Tate Drucker

A equação do carbono deu a muitos conservacionistas um zelo renovado pela proteção do habitat. As zonas úmidas costeiras, por exemplo – manguezais, manguezais e gramíneas marinhas – armazenam carbono nos solos, onde a água a sela. Drene ou desenvolva essas áreas e “são milhares de anos de carbono sendo liberados na atmosfera”, diz Emily Landis, Estratégia da zona úmida costeira da TNC.

Por outro lado, manter intacto o mesmo habitat faz sentido para o clima. As florestas de mangue podem armazenar até quatro vezes mais carbono por hectare do que as florestas terrestres. Os manguezais também ajudam a proteger as comunidades costeiras de tempestades.

Nesse sentido, proteger os manguezais – assim como usar menos fertilizante nos campos agrícolas – melhora a vida das pessoas.

No Brasil, Rubens Benini viu essa dinâmica. Apenas quatro anos depois de iniciar o trabalho de restauração no terreno nas montanhas da Mantiqueira, Benini começou a ver evidências de grandes mamíferos como pumas voltando para as áreas reflorestadas.

“Passei quase uma vida inteira trabalhando nisso”, diz ele. “Quando vemos os animais que imaginávamos terem desaparecido completamente desta região, é uma sensação muito agradável. Mas quando você entra em uma floresta restaurada e vê os animais, a água limpa e os rios – o cenário todo – a sensação é completamente incrível. ”