Vídeo da modelo Heidi Klum tirando a roupa no Programa Ellen DeGeneres

Modelo, que está grávida, doou vestido para leilão de caridade

A supertop alemã Heidi Klum protagonizou uma cena inusitada no programa de Ellen DeGeneres, na noite desta segunda-feira, 5. Heidi, que confirmou recentemente sua gravidez, doou o vestido que usava para a caridade. Ellen, então pediu para que a entrevistada trocasse de roupa ali mesmo. Sua produção trouxe um biombo em seguida, e Heidi trocou a peça por um roupão.

Fonte: Saiu no Jornal

Novo modelo de certidão de nascimento

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]O presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai assinar no começo da semana que vem um decreto que determina a padronização das certidões de nascimento em todo o país. De acordo com a Secretaria Especial dos Direitos Humanos (SEDH), os novos documentos terão um modelo padrão e matrícula unificada.

Além de tornar mais seguro os registros de nascimento, o decreto tem como objetivo diminuir a quantidade de crianças nascidas no país que não são registradas. Dados da SEDH mostram que atualmente 12,2% dos nascidos no Brasil não têm a certidão.

Segundo o assessor da SEDH Wellington Pantaleão, os índices são ainda mais preocupantes em estados da região Norte e Nordeste. Em Roraima, por exemplo, 40,1% dos nascidos em 2007 não teriam sido registrados, enquanto no Amapá, o percentual chegou a 33,3%.

Pantaleão explicou que a meta do governo é cruzar os dados da Declaração de Nascido Vivo (DNV) com os registros de certidão de nascimento para mapear os locais onde há maior concentração dos chamados sub-registros.

foto-novo-modelo-de-certidao-de-nascimento-que-sera-padronizada-e-tera-matricula-unica

Em entrevista ao G1, ele disse que, em muitos estados, há uma disparidade na relação entre certidões emitidas e o total de DNV (índice medido de acordo com informações repassadas pelos hospitais públicos e privados do país). É a partir desse dado que se estima a quantidade de pessoas não registradas.

CNJ
Os dados que deverão estar presentes em todas as certidões serão definidos pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), órgão que também deverá fixar prazo para os cartórios se adequarem as novas normas.

Com a matrícula única em todo o país, Pantaleão citou que será possível tirar segunda via da certidão de nascimento em municípios diferentes de onde a criança foi registrada e, até mesmo, em outros estados.

“A nova certidão surge como o resultado de uma série de ações que estão sendo pensadas pelo governo federal para reduzir ou erradicar o número de crianças que nascem e não são registradas no país”, destacou Wellington Pantaleão.

O assessor da Secretaria dos Direitos Humanos apontou a ausência de cartórios em uma série de municípios e as longas distâncias entre cidades localizadas principalmente na Região Norte como as maiores dificuldades para a obtenção do registro civil.

Sem a certidão, as crianças ficam impossibilitadas de exercerem seus direitos fundamentais, pois não existem legalmente para o estado. Sem registro, a pessoa não tem acesso à educação, aos serviços de saúde, à Justiça e a benefícios sociais. Quando adultas, não podem tirar documentos como a identidade, CPF e título de eleitor.

do G1

Modelo divulgou o suicídio no Facebook e morreu horas depois

Mais um que usa o Facebook para divulgar a própria morte

Um modelo americano de 31 anos anunciou seu suicídio no Facebook e, horas depois, de fato se matou.

Paul Zolezzi trabalhava como modelo em Nova York e há três anos recebia tratamento contra a dependência de heroína. O anúncio de um suicídio por meio de ferramentas online não é o primeiro e provavelmente não será o último.

Há um mês, agências de notícias publicaram o caso de um jovem polonês que transmitiu, ao vivo, seu suicídio por uma webcam. O jornal americano New York Daily localizou a mãe de Paul, que disse não ter contato com o filho nos últimos meses de sua vida.

“Acho que ele sentia-se tão sozinho que até para comunicar a morte só tinha o computador”, lamentou a mãe que já havia sofrido com o suicídio do pai de Paul, seu ex-marido, que se atirou da ponte do Brooklin, em Nova York.

O jovem enforcou-se num bar em Nova York.

da Info

A infecção urinária matou a modelo Mariana Bridi, por quê? o médico explica

Especialista diz que diagnóstico precoce pode salvar pacientes.
Modelo foi sepultada neste sábado no Espírito Santo.

O sofrimento e a morte prematuros da modelo Mariana Bridi causam ainda mais impacto quando se pensa na causas do episódio. É muito raro uma pessoa morrer em consequência de uma infecção urinária. Mas aconteceu. Pode acontecer de novo?

Foto da Modelo do Espirito Santo que teve que amputar as mãos e os pés
Segundo o médico especialista em infecções, Ricardo Lima, tudo depende do tempo entre o diagnóstico da infecção e o início da medicação.

Mariana já estava em estado grave quando foi internada. Mas as bactérias identificadas no corpo da modelo não são comuns em infecções urinárias.

Pseudomonas e estafilococos são bactérias comumente encontradas dentro de um hospital, principalmente dentro de uma unidade de pacientes críticos, pacientes graves como a terapia intensiva”, explica Ricardo.

Poderia ter havido, então, uma infecção hospitalar? “Há uma luta constante da terapia intensiva, dos hospitais para que essas infecções cheguem a zero e a gente consegue em determinados momentos. Mas às vezes elas são consequências da agressividade do tratamento a que nós temos que submeter esses pacientes”, esclarece o médico.

Ricardo Lima explica ainda que o poder de uma infecção depende de três fatores, como num triângulo. O tipo de bactéria, a força dessa bactéria e o sistema de defesa da pessoa.

No caso de uma infecção urinária, se for diagnosticada logo, os antibióticos atuam e acabam com ela. Mas se o corpo está debilitado, ou se o diagnóstico chega tarde, a situação se complica.

No caso da modelo capixaba, a contaminação por pseudomonas e estafilococos chegou à corrente sanguínea. E foi atingindo outros órgãos, provocando microcoágulos que, obstruindo a passagem do sangue, teriam provocado entupimentos – conhecidos como tromboses – que levaram à necrose das mãos e dos pés de Mariana. Eles tiveram de ser amputados. Depois foi retirada uma parte do estômago. O corpo, cada vez mais enfraquecido, não resistiu.

“Não é comum o jovem de 20 anos iniciar um quadro com infecção – no caso dela urinária que, a principio, é uma infecção com uma bactéria de virulência resolvível – tão agressivo”, afirma o médico.

Para os pacientes, um alerta: “Em casos de sintomas de infecção procure um médico, evite a automedicação, faça os exames para que o médico decida qual é o melhor antibiótico”, avisa o médico.

Tristeza

Foi um domingo de luto na pequena cidade de Marechal Floriano, região serrana do Espírito Santo, onde Mariana foi sepultada.

Mariana Bridi tinha apenas 20 anos. Aos 18, ganhou o mundo. Fez fotos na África, na China. Destacou-se em concursos de beleza. Virou orgulho na cidade onde nasceu.

“Por ela ser nossa amiga, por ela existir em nossas vidas, por ser determinada e ir atrás dos sonhos, não ficar esperando sentada. Esse é o nosso orgulho”, conta a estudante Heloísa Cardoso.

No fim do ano passado, no dia 30 de dezembro, Mariana sentiu dores nas costas. Procurou o hospital-maternidade de Vila Velha, na Grande Vitória. Os médicos disseram que era cólica renal e receitaram um analgésico.

Alguns dias depois, a modelo voltou a sentir dores e foi para um posto de saúde da prefeitura de Vitória. Os exames de urina constataram a infecção. Com dificuldades de respirar, ela foi transferida para o Hospital Dório Silva na Grande Vitória.

O quadro já era grave. A infecção já havia se espalhado pelo corpo. Os médicos tiveram que amputar pés e mãos. As complicações aumentaram. Ela entrou em coma e não resistiu. “É uma dor que não tem tamanho”, define o pai da modelo.

O enterro foi neste sábado (24) em Marechal Floriano. A missa reuniu centenas de pessoas que também seguiram o cortejo para se despedir.

A cidade, nesse domingo, parecia vazia, não havia praticamente ninguém nas ruas. A família de Mariana, muito abalada, também preferiu ficar mais recolhida. Foram 20 dias de internação e de muito sofrimento da modelo.

O pai, mãe e irmãos dela, agora, procuram forças para tentar diminuir a tristeza que tomou conta de todos.

do G1

Morre a modelo que teve os pés e mãos amputadas, após infecção, causada por bactérias

A modelo Mariana Bridi, de 20 anos, que teve os pés e as mãos amputados após uma infecção morreu na madrugada deste sábado (24). A jovem, que foi duas vezes finalista do concurso Miss Mundo Brasil, estava internada desde o dia 3 no hospital Dório Silva, em Serra (ES). A morte dela foi confirmada por funcionários do hospital.

“Perdemos uma jóia rara”. Foi desta forma que Agnaldo Bridi, 56 anos, pai da modelo Mariana Bridi, de 20 anos, falou  sobre a morte da filha na madrugada deste sábado (24). Ela estava internada em estado gravíssimo no Hospital Dório Silva, em Serra (ES), desde o dia 3 deste mês.

Ele afirmou que a morte da filha comoveu amigos e parentes. “Até mesmo quem não a conhecia ficou sensibilizado com a morte dela. Ninguém consegue explicar como isso foi acontecer com ela”, disse Agnaldo Bridi.

A Secretaria de Estado da Saúde do Espírito Santo, divulgou, em nota, durante a semana, que Mariana respirava com ajuda de aparelhos e realizou hemodiálise durante o tempo de internação.

Ainda segundo a secretaria, a jovem teve um choque séptico, causado por bactérias Pseudomonas aeruginosa, tendo como provável foco uma infecção urinária.

Prêmio
Mariana trabalhava como modelo e participava de concursos de beleza. O diretor do Miss Mundo Brasil, Henrique Fontes, disse ao G1 que a jovem foi duas vezes finalista do concurso.

No ano passado, Mariana participou do Miss Bikini Internacional, na China. Ela ficou em sexto lugar e ganhou o prêmio de melhor corpo.

Inflamação grave e rara
A inflamação que acometeu a modelo Mariana Bridi é considerada grave e rara por especialistas do Instituto Latino Americano de Sepse (Ilas). Ela teve as mãos e pés amputados após um choque séptico.

Apesar de rara, a sepse atingiu 400 mil pacientes e provocou a morte de 230 mil pessoas em 2004, segundo estudo realizado pelo Ilas. “Isso representa uma mortalidade cerca de 12 vezes maior do que o número de mortes provocadas por infarto”, disse Nelson Akamine, diretor do Ilas e integrante do comitê de sepse da Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB).

Resposta do organismo
De acordo com o diretor do Ilas, sepse é uma resposta sistêmica do organismo, desencadeada por uma infecção. “Nem todas as respostas sistêmicas do organismo são desencadeadas por infecção, mas, se ela for provocada por uma, trata-se de sepse”, disse Akamine.

“Outro aspecto é que não existe uma relação de intensidade ou de gravidade de uma infecção com a resposta, que é a sepse. Não podemos dizer que se uma infecção for grave vai dar sepse e vice-versa”, afirmou o diretor do Ilas.

Respostas do corpo
“A resposta sistêmica do organismo é caracterizada por uma alteração de diversos órgãos ao mesmo tempo. Se eu tiver um paciente com quadro de infecção urinária, pulmonar, neurológica, só haverá uma manifestação em cada um desses sitemas, de maneira pontual. Quando ocorre a sepse, a resposta é do corpo todo à infecção. Essa resposta não é de defesa e é tecnicamente prejudicial ao paciente”.

A caracterização genética de predisposição à sepse ainda está em estudo. “Não temos pesquisas prontas ainda. Há estudos grandes, em vários centros médicos, que ainda não definiram esse panorama”, disse Akamine.

O médico informou que a sepse não é uma inflamação exclusiva de pacientes que estejam internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs). “Na UTI tem muita gente com sepse porque, na verdade, quem tem sepse vai para o hospital. O paciente não é acometido por sepse, como por uma infecção hospitalar. Isso pode acontecer dentro ou fora do hospital”, disse o diretor do Ilas.

Diagnóstico
“A caraterização da sepse é feita por infecção, comprovada ou não. Além disso, tem de haver a resposta sistêmica, que pode ser a febre, taquicardia ou a taquipnéia. A temperatura do corpo tem de estar acima de 38 graus, a frequência cardíaca, acima de 90 batimentos por minuto e apresentar mais de 14 movimentos respiratórios por minuto”, explicou Nelson Akamine.

Segundo ele, não há ordem de importância dos sintomas até se diagnosticar a sepse. “Há outros detalhes, muito técnicos, que nos permitem identificar o quadro.”

Níveis de gravidade
O primeiro estágio de gravidade da inflamação (sepse) é quando os sintomas acima são identificados. “O segundo estágio, que é a sepse grave, ocorre quando há o comprometimento de um órgão. É quando o paciente tem febre, taquicardia e taquipnéia e a falência de algum outro órgão”, disse Akamine.

O último nível de gravidade da sepse é o choque séptico. “É quando o paciente, já diagnosticado com sepse grave, obrigatoriamente tem pressão baixa. É quando o paciente não responde ao tratamento para elevar a pressão”, afirmou o diretor do Ilas.

Faixa etária
Segundo o Ilas, a sepse pode ocorrer com mais frequência em crianças com imunidade indefinida, que vai do recém-nascido até 2 anos de idade. Outra faixa etária é de adultos com mais de 65 anos. “São as pessoas que têm mais chances de ter infecção.”

As exceções são pessoas consideradas como adulto-jovem e de meia idade. “Os casos de sepse com mais representatividade nesta faixa etária ocorrem em pessoas que sofreram alguma alteração de imunidade, como um traumatismo, por exemplo”, disse Akamine.

Ele afirmou ainda que, quando forem concluídos os estudos genéticos de predisposição à sepse, esses fatores etários deixarão de ser considerados como são na atualidade. “Essa é a forma que temos, nos dias de hoje, de identificar padrões de predisposição à sepse.”

Mortalidade
O índice de mortalidade é de 20% dos pacientes, segundo o médico. Ele afirmou ainda que a sepse grave registrou índice de 50% de mortalidade. “Já o choque séptico apresenta índice de mortalidade, em média, de 60%, podendo atingir o pico de 80% de mortes.”

do G1

Modelo teve que amputar as mãos e os pés após infecção

Este é o tipo de acontecimento triste e profundamente lamentável no qual não desejaria para nenhum ser vivo!

ATUALIZAÇÃO: É com imenso pesar que informamos que a Mariana não resistiu e veio a falecer nesta madrugada (sábado, 24/01/2009). À sua família e amigos deixamos nosso sentimentos enlutados.

Leia matéria abaixo.

Foto da Modelo do Espirito Santo que teve que amputar as mãos e os pésA modelo capixabaMariana Bridi (Foto), 20 anos, vítima de uma infecção generalizada, teve que amputar os pés e as mãos.

Ela foi internada no dia 3, no Hospital Dório Silva, em Serra, região metropolitana de Vitória (ES), com uma infecção urinária. O estado da modelo é grave e ela respira com a ajuda de aparelhos.

Ao dar entrada na unidade, Mariana se queixava de fortes dores na região lombar.

Internada, foi diganosticada uma infecção urinária que atingiu os rins e se espalhou por todo o corpo.

Mariana está na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) desde que foi internada.

A amputação dos pés, devido a um problema de circulação sangüínea, foi na semana passada.

Na segunda-feira, ela teve que ser submetida a uma cirurgia para amputar as mãos.

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, a modelo teve um “choque séptico, causado por bactérias das espécies estafilococos e pseudomonas aeroginosa”. Ela “teve o quadro agravado com insuficiência renal aguda, com compressão dos vasos sanguíneos periféricos e com necrose das mãos e pés”.

A família de Mariana pede que amigos, parentes e pessoas que se solidarizem com o caso façam doações de sangue.

A coordenadora da Hemo Rede do Espírito Santo, Maria Tereza Botelho, explica que quem possui este tipo sanguíneo não pode receber transfusões de nenhum outro tipo.

Além disso, o tipo O negativo é o mais raro de todos. “Apenas 2% da população mundial possui este tipo sanguíneo. Nossos estoques são baixíssimos e precisamos muito de doadores para atender a demanda”, explicou a coordenadora.

A modelo foi finalista das edições de 2006 e 2007 do Miss Mundo Brasil.

Mariana foi convidada a representar o Brasil no concurso Face of the Universe, realizado em Gana.

Ela também representou o Brasil no Miss Bikini International 2007, quando esteve em Hong Kong, Taiwan e China.

por ALEX CAVALCANTI
Direto de Vitória

Visite: Site da Mariana / Blog da Mariana