A pandemia de covid-19 está forçando a repensar a macroeconomia

Na forma como é conhecido hoje, a macroeconomia começou em 1936 com a publicação de “The The General Theory of Employment, Interest and Money”, de John Maynard Keynes.

Sua história subsequente pode ser dividida em três épocas. A era da política, guiada pelas idéias de Keynes, começou na década de 1940. Nos anos 70, encontrou problemas que não conseguia resolver e, nos anos 80, começou a era monetarista, mais comumente associada ao trabalho de Milton Friedman. Nas décadas de 1990 e 2000, os economistas combinaram idéias de ambas as abordagens. Mas agora, nos destroços deixados pela pandemia de coronavírus, uma nova era está começando. O que ele contém?

A idéia central da economia de Keynes é o gerenciamento do ciclo de negócios – como combater recessões e garantir que tantas pessoas que querem trabalho possam obtê-lo. Por extensão, essa ideia-chave se tornou o objetivo final da política econômica. Ao contrário de outras formas de teoria econômica no início do século XX, o keynesianismo previa um grande papel para o Estado alcançar esse objetivo. A experiência da Grande Depressão convenceu os proto-keynesianos de que a economia não era um organismo naturalmente corretor. Os governos deveriam ter grandes déficits (ou seja, gastando mais do que gastaram em impostos) durante as crises para sustentar a economia, com a expectativa de que pagariam a dívida acumulada durante os bons tempos.

O paradigma keynesiano entrou em colapso na década de 1970. A inflação persistentemente alta e o alto desemprego daquela década (“estagflação“) confundiram os economistas comuns, que pensavam que as duas variáveis ​​quase sempre se moviam em direções opostas. Isso, por sua vez, convenceu os formuladores de políticas de que não era mais possível “sair do caminho da recessão”, como admitiu James Callaghan, então primeiro-ministro britânico, em 1976. Um insight central da crítica de Keyman ao modernismo de Friedman era que, se os formuladores de políticas tentassem estimular sem enfrentar as deficiências estruturais subjacentes, eles aumentariam a inflação sem reduzir o desemprego. E a inflação alta poderia persistir, apenas porque era o que as pessoas esperavam.

Os formuladores de políticas procuraram algo novo. As idéias monetaristas da década de 1980 inspiraram Paul Volcker, então presidente do Federal Reserve, a esmagar a inflação restringindo a oferta de moeda, embora isso também produzisse uma recessão que provocou um aumento do desemprego. O fato de Volcker saber que isso provavelmente aconteceria revelou que algo mais havia mudado. Muitos monetaristas argumentaram que os formuladores de políticas antes deles tinham se concentrado demais na igualdade de renda e riqueza em detrimento da eficiência econômica. Em vez disso, precisavam se concentrar no básico – como inflação baixa e estável – que, a longo prazo, criaria as condições nas quais os padrões de vida aumentariam.

Parece um sussurro

Nas décadas de 1990 e 2000, surgiu uma síntese do keynesianismo e do Friedmanismo. Eventualmente, recomendou um regime político amplamente conhecido como “metas flexíveis de inflação”. O objetivo central da política era atingir inflação baixa e estável – embora houvesse espaço para, durante as crises, colocar o emprego em primeiro lugar, mesmo que a inflação estivesse desconfortavelmente alta. A principal ferramenta de gestão econômica era o aumento e a redução das taxas de juros de curto prazo, que, como se viu, eram determinantes mais confiáveis ​​do consumo e do investimento do que a oferta monetária. A independência dos bancos centrais dos governos garantiu que eles não caíssem nas armadilhas inflacionárias que Friedman advertiu. A política fiscal, como forma de gerenciar o ciclo de negócios, foi deixada de lado, em parte porque era vista como sujeita a influência política. O trabalho da política fiscal era manter as dívidas públicas baixas e redistribuir a renda na medida e da maneira que os políticos entendessem.

Agora parece que esse paradigma econômico dominante atingiu seu limite. Começou a tremer após a crise financeira global de 2007-09, quando os formuladores de políticas foram confrontados com dois grandes problemas. A primeira foi que o nível de demanda na economia – em geral, o desejo agregado de gastar em relação ao desejo agregado de economizar – parecia ter sido permanentemente reduzido pela crise. Para combater a crise, os bancos centrais reduziram as taxas de juros e lançaram flexibilização quantitativa (qe, ou imprimir dinheiro para comprar títulos). Mas, mesmo com uma política monetária extraordinária, a recuperação da crise foi lenta e longa. o crescimento do PIB foi fraco. Eventualmente, os mercados de trabalho cresceram, mas a inflação permaneceu silenciosa (ver gráfico 1). O final de 2010 foi simultaneamente a nova década de 1970 e a anti-década de 1970: inflação e desemprego mais uma vez não estavam se comportando como esperado, embora desta vez os dois fossem surpreendentemente baixos.

Isso pôs em questão a sabedoria recebida sobre como gerenciar a economia. Os banqueiros centrais enfrentaram uma situação em que a taxa de juros necessária para gerar demanda suficiente estava abaixo de zero. Esse era um ponto que eles não podiam alcançar com facilidade, pois se os bancos tentassem cobrar taxas de juros negativas, seus clientes poderiam simplesmente retirar seu dinheiro e colocá-lo debaixo do colchão. qe era um instrumento político alternativo, mas sua eficácia foi debatida. Tais disputas levaram a uma repensar. De acordo com um documento de trabalho publicado em julho por Michael Woodford e Yinxi Xie, da Columbia University, os “eventos do período desde a crise financeira de 2008 exigiram uma reavaliação significativa da sabedoria convencional anterior, segundo a qual somente a política de taxas de juros. deve ser suficiente para manter a estabilidade macroeconômica. ”

O segundo problema pós-crise financeira estava relacionado à distribuição. Embora as preocupações com os custos da globalização e automação ajudassem a impulsionar a política populista, os economistas perguntaram em cujos interesses o capitalismo vinha trabalhando ultimamente. Um aparente aumento na desigualdade americana após 1980 se tornou central em muitas pesquisas econômicas. Alguns temiam que as grandes empresas tivessem se tornado poderosas demais; outros, que uma sociedade globalizada era muito afiada ou que a mobilidade social estava em declínio.

Alguns argumentaram que o crescimento econômico estruturalmente fraco e a má distribuição dos despojos da atividade econômica estavam relacionados. Os ricos têm uma maior tendência a economizar, em vez de gastar, por isso, se sua parcela da renda aumentar, a economia geral aumentará. Enquanto isso, na imprensa, os bancos centrais enfrentaram acusações de que baixas taxas de juros e qe estavam aumentando a desigualdade, aumentando os preços da habitação e das ações.

No entanto, também estava ficando claro o quanto de estímulo econômico poderia beneficiar os pobres, se o desemprego caísse o suficiente para que os salários das pessoas de baixa renda aumentassem. Pouco antes da pandemia, uma parcela crescente do PIB em todo o mundo rico era acumulada para os trabalhadores na forma de ordenados e salários. Os benefícios foram maiores para os trabalhadores mal remunerados. “Estamos ouvindo em voz alta e clara que essa longa recuperação está beneficiando comunidades de baixa e moderada renda em maior extensão do que se sente há décadas”, disse Jerome Powell, presidente do Fed, em julho de 2019. A crescente crença no o poder redistributivo de uma economia em expansão aumentou a importância de encontrar novas ferramentas para substituir as taxas de juros para gerenciar o ciclo de negócios.

Mesas começando a virar

Então o coronavírus atingiu. As cadeias de suprimentos e a produção foram interrompidas, o que, sendo tudo o mais, deveria ter causado o aumento dos preços, pois as matérias-primas e os produtos acabados eram mais difíceis de encontrar. Mas o maior impacto da pandemia tem sido do lado da demanda, fazendo com que as expectativas de inflação e taxas de juros futuras caiam ainda mais. O desejo de investir caiu, enquanto as pessoas em todo o mundo estão economizando grande parte de sua renda.

A pandemia também expôs e acentuou desigualdades no sistema econômico. Aqueles em empregos de colarinho branco podem trabalhar em casa, mas trabalhadores “essenciais” – os motoristas de entrega, os limpadores de lixo – devem continuar trabalhando e, portanto, correm maior risco de contrair a covid-19, o tempo todo por salários baixos. Aqueles em setores como hospitalidade (desproporcionalmente jovens, mulheres e com pele negra ou marrom) sofreram o impacto da perda de empregos.

Mesmo antes da covid-19, os formuladores de políticas estavam começando a se concentrar mais uma vez no maior efeito do rebentamento e do boom do ciclo de negócios sobre os pobres. Mas desde que a economia foi atingida por uma crise que mais afeta os mais pobres, surgiu um novo senso de urgência. Isso está por trás da mudança na macroeconomia. Criar novas maneiras de voltar ao pleno emprego é mais uma vez a principal prioridade para os economistas.

Mas como prosseguir sobre isso? Alguns argumentam que a covid-19 provou temores errados de que os formuladores de políticas não possam combater recessões. Até agora, neste ano, os países ricos anunciaram estímulos fiscais no valor de US $ 4,2 trilhões, o suficiente para levar seus déficits a quase 17% do PIB, enquanto os balanços dos bancos centrais cresceram 10% do PIB. Esse enorme estímulo acalmou os mercados, impediu que as empresas colapsassem e protegessem a renda das famílias. Ações políticas recentes “repreendem a idéia de que os formuladores de políticas podem ficar sem munição”, argumenta Erik Nielsen, do banco Unicredit.

No entanto, embora ninguém duvide que os formuladores de políticas tenham encontrado muitas alavancas, ainda há divergências sobre o que deve continuar sendo puxado, quem deve fazer o puxão e quais serão os efeitos. Economistas e formuladores de políticas podem ser divididos em três escolas de pensamento, do menos ao mais radical: um que exige apenas mais coragem; um que olha para a política fiscal; e um que diz que a solução são taxas de juros negativas.

Pegue a primeira escola. Seus defensores dizem que, enquanto os bancos centrais puderem imprimir dinheiro para comprar ativos, poderão impulsionar o crescimento econômico e a inflação. Alguns economistas argumentam que os bancos centrais devem fazer isso na medida do necessário para restaurar o crescimento e atingir suas metas de inflação. Se eles falham, não é porque estão sem munição, mas porque não estão se esforçando o suficiente.

Há pouco tempo, os banqueiros centrais seguiram esse credo, insistindo que ainda tinham as ferramentas para fazer seu trabalho. Em 2013, o Japão, que tem mais experiência do que qualquer outro país com condições de baixo crescimento e inflação ultra baixa, nomeou um banqueiro central “o que for preciso”, Kuroda Haruhiko, para liderar o Banco do Japão (boj). Ele conseguiu provocar um boom de empregos, mas aumentou a inflação em menos do que o prometido. Logo antes da pandemia Ben Bernanke, ex-presidente do Fed, argumentou em um discurso para a Associação Econômica Americana que o potencial de compra de ativos significava que apenas a política monetária provavelmente seria suficiente para combater uma recessão.

Mas, nos últimos anos, a maioria dos banqueiros centrais gravitou para exortar os governos a usarem seus orçamentos para impulsionar o crescimento. Christine Lagarde abriu seu mandato como presidente do Banco Central Europeu com um pedido de estímulo fiscal. Powell alertou recentemente o Congresso contra a retirada prematura de sua resposta fiscal à pandemia. Em maio, Philip Lowe, governador do Banco da Reserva da Austrália (rba), disse ao parlamento australiano que “a política fiscal terá que desempenhar um papel mais significativo na gestão do ciclo econômico do que no passado”.

Permanecendo nas linhas de bem-estar

Isso coloca a maioria dos banqueiros centrais na segunda escola de pensamento, que se apóia na política fiscal. Os adeptos duvidam que as compras de ativos do banco central possam oferecer estímulo ilimitado, ou ver essas compras como perigosas ou injustas – talvez, por exemplo, porque a compra de dívida corporativa mantém as empresas vivas que deveriam falir. Melhor para o governo aumentar os gastos ou cortar impostos, com os déficits orçamentários absorvendo o excesso de poupança criada pelo setor privado. Pode significar ter grandes déficits por um período prolongado, algo que Larry Summers, da Universidade de Harvard, sugeriu.

Essa visão não elimina o papel dos bancos centrais, mas os relega. Eles se tornam facilitadores de estímulos fiscais, cuja principal tarefa é manter os empréstimos públicos de longo prazo ainda mais baratos à medida que os déficits orçamentários disparam. Eles podem fazer isso comprando títulos diretamente, ou fixando as taxas de juros de longo prazo perto de zero, como fazem o boj e o rba atualmente. Como resultado da covid-19 “a linha tênue entre política monetária e gerenciamento da dívida do governo ficou turva”, de acordo com um relatório do Bank for International Settlements (bis), um clube de bancos centrais.

Nem todo mundo está feliz com isso. Em junho, Paul Tucker, ex-vice-governador do Banco da Inglaterra, disse que, em resposta às vastas compras de títulos do governo pelo banco, a questão era se o banco “agora voltou a ser o braço operacional do Tesouro”. Mas aqueles influenciados pela escola keynesiana, como Adair Turner, ex-regulador financeiro britânico, querem que o financiamento monetário do estímulo fiscal se torne uma política declarada – uma idéia conhecida como “dinheiro de helicóptero”.Enormes programas de estímulo fiscal significam que os índices de dívida pública / PIB estão aumentando (ver gráfico 2). No entanto, esses não mais preocupam economicamente os economistas. Isso ocorre porque as baixas taxas de juros atuais permitem que os governos paguem dívidas públicas muito mais altas (veja o gráfico 3). Se as taxas de juros continuarem abaixo do crescimento econômico nominal – ou seja, antes de se ajustar à inflação -, uma economia poderá sair da dívida sem precisar ter um superávit orçamentário, um ponto enfatizado por Olivier Blanchard, do Instituto Peterson de Economia Internacional, um think tank. Outra maneira de argumentar é dizer que os bancos centrais podem continuar a financiar governos enquanto a inflação permanecer baixa, porque é a perspectiva de inflação que força os formuladores de políticas a aumentar as taxas para níveis que tornam a dívida cara.

Para alguns, a idéia de transformar a torneira fiscal ao máximo e cooptar o banco central para esse fim se assemelha à “moderna teoria monetária” (mmt). Essa é uma economia heterodoxa que pede que países que podem imprimir sua própria moeda (como os EUA e a Grã-Bretanha) ignorem os índices de dívida em relação ao PIB, confiem no banco central para conter a dívida pública e continuem executando gastos deficitários, a menos e até desemprego e inflação voltam ao normal.

E há de fato uma semelhança entre essa escola de pensamento e a mmt. Quando as taxas de juros são zero, não há distinção entre emitir dívida, que de outra forma incorreria em custos de juros, e imprimir dinheiro, que os livros didáticos supõem que não incorrem em custos de juros. A uma taxa de juros zero, “não importa se você financia com dinheiro ou com dívida”, disse Blanchard em um webinar recente.

Mas a comparação termina aí. Enquanto aqueles que defendem o mmt querem que o banco central atrele as taxas de juros a zero permanentemente, outros economistas do setor defendem uma política fiscal expansionista precisamente porque desejam que as taxas de juros subam. Isso, por sua vez, permite que a política monetária recupere a tração.

A terceira escola de pensamento, que se concentra nas taxas de juros negativas, é a mais radical. Preocupa-se com a forma como as taxas de juros permanecerão abaixo das taxas de crescimento econômico, como Blanchard estipulou. Seus defensores veem o estímulo fiscal, financiado por dívida ou pela criação de dinheiro do banco central, com alguma suspeita, pois ambos deixam contas para o futuro.

Um efeito colateral do qe é que ele deixa o banco central incapaz de aumentar as taxas de juros sem pagar juros pela enorme quantidade de dinheiro eletrônico que os bancos estacionaram com ele. Quanto mais dinheiro for impresso para comprar títulos do governo, mais dinheiro será depositado nele. Se as taxas de curto prazo aumentarem, a conta de “juros sobre reservas” do banco central também aumentará. Em outras palavras, um banco central que cria dinheiro para financiar estímulos está, em termos econômicos, fazendo algo surpreendentemente semelhante a um governo que emite uma dívida de taxa flutuante. E os bancos centrais são, em última instância, parte do governo.

Portanto, não há almoços grátis. “Quanto mais alto o qe pendente como parcela da dívida total do governo, mais o governo fica exposto a flutuações nas taxas de juros de curto prazo”, explicou Gertjan Vlieghe, do Banco da Inglaterra, em um discurso recente. Outra preocupação é que nas próximas décadas os governos enfrentarão ainda mais pressão sobre seus orçamentos com os gastos com pensões e assistência médica associados ao envelhecimento da população, investimentos para combater as mudanças climáticas e outras catástrofes no molde da covid-19. A melhor maneira de estimular as economias continuamente não é, portanto, criar contas a serem pagas quando as taxas subirem novamente. É tomar taxas de juros negativas.

À espera de uma promoção
Algumas taxas de juros já são marginalmente negativas. A taxa da política do Banco Nacional Suíço é de -0,75%, enquanto algumas taxas na zona do euro, Japão e Suécia também estão no vermelho. Mas Kenneth Rogoff, da Universidade de Harvard, e Willem Buiter, ex-economista-chefe do Citigroup, um banco, prevê taxas de juros de -3% ou menos – uma proposta muito mais radical. Para estimular gastos e empréstimos, essas taxas teriam que se espalhar por toda a economia: aos mercados financeiros, às taxas de juros dos empréstimos bancários e também aos depósitos nos bancos, que precisariam encolher com o tempo. Isso desencorajaria a poupança – em uma economia deprimida, afinal, muita economia é o problema fundamental – embora seja fácil imaginar taxas de juros negativas provocando uma reação populista.

Muitas pessoas também gostariam de tirar seu dinheiro dos bancos e enfiá-lo debaixo do colchão. Efetuar essas propostas, portanto, exigiria uma reforma abrangente. Existem várias idéias de como fazer isso, mas o método da força bruta é abolir pelo menos as notas de alta denominação, tornando caro e impraticável manter grandes quantidades de dinheiro físico. Rogoff sugere que, eventualmente, o dinheiro possa existir apenas como “moedas pesadas”.

Taxas negativas também apresentam problemas para os bancos e o sistema financeiro. Num artigo publicado em 2018, Markus Brunnermeier e Yann Koby, da Universidade de Princeton, argumentam que existe uma “taxa de juros reversa” abaixo da qual os cortes nas taxas de juros realmente impedem os empréstimos bancários – prejudicando a economia em vez de impulsioná-la. Abaixo de uma certa taxa de juros, que a experiência sugere que deve ser negativa, os bancos podem não estar dispostos a repassar cortes nas taxas de juros para seus depositantes, por medo de levar os clientes irritados a transferir seus depósitos para um banco rival. Taxas de juros profundamente negativas podem esmagar os lucros dos bancos, mesmo em uma economia sem dinheiro.

Pegue o que é deles

Vários fatores ainda podem tornar a economia mais hospitaleira a taxas negativas, no entanto. O dinheiro está em declínio – outra tendência que a pandemia acelerou. Os bancos estão se tornando menos importantes para o financiamento, com cada vez mais intermediação nos mercados de capitais (ver artigo). Os mercados de capitais, observa Buiter, não são afetados pelo argumento da “taxa de reversão”. Enquanto isso, os banqueiros centrais estão brincando com a idéia de criar suas próprias moedas digitais, que podem funcionar como contas de depósito para o público, permitindo que o banco central pague ou pague juros diretamente sobre os depósitos, e não através do sistema bancário. A campanha de Joe Biden para a Casa Branca inclui idéias semelhantes, o que permitiria ao Fed atender diretamente aqueles que não têm uma conta bancária privada.

Os formuladores de políticas agora têm que ponderar os riscos a escolher no mundo pós-cobiçado: ampla intervenção do banco central nos mercados de ativos, aumentos contínuos na dívida pública ou um abalo no sistema financeiro. No entanto, um número crescente de economistas teme que mesmo essas mudanças radicais não sejam suficientes. Eles argumentam que existem problemas mais profundos que só podem ser resolvidos por reformas estruturais.

Um novo artigo de Atif Mian, da Universidade de Princeton, Ludwig Straub, da Universidade de Harvard, e Amir Sufi, da Universidade de Chicago, expande a idéia de que a desigualdade prejudica a demanda da economia. Assim como a desigualdade cria uma necessidade de estímulo, eles argumentam, o estímulo acaba criando mais desigualdade. Isso ocorre porque deixa as economias mais endividadas, ou porque as baixas taxas de juros incentivam as famílias ou empresas a tomar empréstimos, ou porque o governo está com déficits. O endividamento público e privado transfere a renda para investidores ricos que possuem a dívida, diminuindo ainda mais a demanda e as taxas de juros.

As tendências seculares das últimas décadas, de maior desigualdade, maiores índices dívida / PIB e menores taxas de juros, reforçam-se assim. Os autores argumentam que escapar da armadilha “requer consideração de políticas macroeconômicas menos padronizadas, como as que se concentram na redistribuição ou as que reduzem as fontes estruturais de alta desigualdade”. Uma dessas “fontes estruturais de alta desigualdade” pode ser a falta de competitividade. Grandes empresas com mercados cativos não precisam investir tanto quanto investiriam se enfrentassem mais concorrência.

Um novo documento de trabalho de Anna Stansbury, também da Universidade de Harvard, e Summers, rejeita essa visão e culpa o declínio do poder de barganha dos trabalhadores no mercado de trabalho. Segundo os autores, isso pode explicar todos os tipos de tendências econômicas americanas: o declínio (até meados de 2010) da participação dos trabalhadores na renda, redução do desemprego e da inflação e alta rentabilidade corporativa. Eles sugerem que os empresários podem economizar mais do que os trabalhadores, de modo que, à medida que a renda das empresas aumenta, as economias agregadas aumentam.

Stansbury e Summers são a favor de políticas como o fortalecimento dos sindicatos ou a promoção de “acordos de governança corporativa que aumentem o poder dos trabalhadores”. Eles argumentam que tais políticas “precisariam ser cuidadosamente consideradas à luz dos possíveis riscos do aumento do desemprego”. Idéias para aumentar o poder dos trabalhadores como indivíduos podem ser mais promissoras. Uma é fortalecer a rede de segurança, o que aumentaria o poder de barganha dos trabalhadores e a capacidade de se afastar de acordos de trabalho pouco atraentes.

Em um livro recente, Martin Sandbu, colunista do Financial Times, sugere substituir os subsídios isentos de impostos por pequenos rendimentos básicos universais. Outra idéia é fortalecer a aplicação da legislação trabalhista existente, atualmente fraca em muitos países ricos. Uma regulamentação mais rigorosa de fusões e aquisições, para impedir a formação de novos monopólios, também ajudaria.

Todas essas novas idéias agora competirão por espaço em um ambiente político no qual a mudança repentinamente parece muito mais possível. Quem poderia imaginar, apenas seis meses atrás, que dezenas de milhões de trabalhadores em toda a Europa teriam seus salários pagos por esquemas de licença financiados pelo governo ou que sete em cada dez desempregados americanos em recessão ganhariam mais com o seguro-desemprego pagamentos do que haviam feito no trabalho? Devido aos resgates em massa, “o papel do estado na economia provavelmente parecerá consideravelmente maior”, diz o bis.

Falando sobre uma revolução

Muitos economistas desejam precisamente essa intervenção do estado, mas ela apresenta riscos claros. Os governos que já possuem dívidas pesadas podem decidir que se preocupar com déficits é para os fracos e que a independência do banco central não importa. Isso poderia finalmente desencadear inflação alta e fornecer um lembrete doloroso dos benefícios do antigo regime. As reformas do setor financeiro podem sair pela culatra. Uma maior redistribuição pode tirar a economia de uma maneira estranha, como Sufi, Stansbury e seus respectivos colegas descrevem – mas impostos pesados ​​podem igualmente desencorajar o emprego, a empresa e a inovação.

Repensar a economia é uma oportunidade. Atualmente, existe um consenso crescente de que mercados de trabalho restritos poderiam dar aos trabalhadores mais poder de barganha sem a necessidade de uma grande expansão da redistribuição. Uma reavaliação equilibrada da dívida pública pode levar ao investimento público verde necessário para combater as mudanças climáticas. E os governos poderiam desencadear uma nova era das finanças, envolvendo mais inovação, intermediação financeira mais barata e, talvez, uma política monetária que não seja restringida pela presença de dinheiro físico. O que está claro é que o velho paradigma econômico parece cansado. De um jeito ou de outro, a mudança está chegando.
Com dados da The Economist/

Economia: E se Milton Friedman comandasse o Federal Reserve?

Recentemente, o senador Rand Paul, potencial candidato à presidência dos Estados Unidos e autoproclamado especialista em questões monetárias, foi entrevistado pela revista Bloomberg Businessweek. Não foi bem-sucedido.
Por: Paul Krugman

Por exemplo: Paul disse que os Estados Unidos terão “um déficit de US$ 1 trilhão por ano”; na verdade, o déficit deverá ser de apenas US$ 642 bilhões em 2013, e essa cifra está caindo muito rápido.

Porém, o momento mais interessante talvez tenha sido quando perguntaram a Paul quem ele escolheria, idealmente, para comandar o FED, e ele sugeriu Milton Friedman – “ele não é austríaco, mas seria melhor do que o que temos hoje”. Então, o entrevistador informou gentilmente a Paul que, na verdade, Friedman – que hoje teria 101 anos de idade se estivesse vivo – estava morto. OK, Paul disse: “Vamos ficar com os mortos mesmo, pois assim provavelmente o FED não precisaria ser tão ativo”.

Isso sugere uma pergunta interessante: o que houve com o papel de Friedman como um ícone do livre mercado? A resposta a essa pergunta diz muito sobre o que aconteceu com o conservadorismo moderno.

Friedman, que costumava ser o último avatar da economia conservadora, basicamente desapareceu do discurso da direita. É certo que o nome dele é mencionado de vez em quando – mas só por causa de suas polêmicas políticas, nunca devido a suas teorias monetárias.

Em vez disso, Rand Paul recorre à visão “austríaca” de pensadores como Friedrich Hayek – uma visão que Friedman descreveu certa vez como uma “caricatura atrofiada e rígida” -, enquanto Paul Ryan, o líder intelectual de fato do Partido Republicano, baseia sua economia monetária em Ayn Rand ou, mais precisamente, nos personagens fictícios de “Atlas Shrugged” (“A Revolta de Atlas”).[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Como isso ocorreu? Friedman, ao que parece, era uma figura muito realista e cheia de nuances para a direita moderna, que não gosta de nuances e rejeita a realidade – que tem um conhecido viés liberal.

IDEOLOGIA DE MERCADO

Uma maneira para definir Friedman seria afirmar que ele era o homem que tentou salvar a ideologia do livre mercado dela mesma ao oferecer uma resposta para esta óbvia pergunta: “Se os mercados livres são tão bons, por que é que nós temos depressões?”

Até Friedman surgir, a resposta da maioria dos economistas conservadores a essa questão era basicamente que as depressões serviam a uma função necessária e deveriam simplesmente ser suportadas. Hayek, por exemplo, argumentava que “talvez sejamos capazes de evitar as crises aos restringirmos a expansão a tempo”, mas, segundo ele, “após as crises terem se instalado, não podemos fazer nada para sair delas antes de seu fim natural”. Essas respostas sombrias levaram muitos economistas para os braços de John Maynard Keynes.

Friedman, entretanto, deu uma resposta diferente. Ele estava disposto a recuar um pouco e a admitir que as medidas adotadas pelo governo são, de fato, necessárias para prevenir as depressões. Mas as ações governamentais necessárias, insistia ele, eram de um tipo bastante restrito: a única coisa necessária, nesse sentido, era ter um Fed ativo o suficiente.

Em particular, Friedman argumentava que o Fed poderia ter evitado a Grande Depressão – sem a necessidade da implantação de novos programas governamentais – se o banco central tivesse pelo menos agido para salvar os bancos falidos e bombeado reservas suficientes no sistema bancário para evitar uma queda acentuada na base monetária.

Essa seria, como afirmei, uma medida voltada para o realismo (embora ela pareça errada à luz das experiências recentes). Mas o realismo não tem lugar no Partido Republicano de hoje: Paul e Ryan têm atacado furiosamente Ben Bernanke devido ao fato de ele ter regido à crise financeira de 2008 fazendo exatamente o que Friedman disse que o Fed deveria ter feito na década de 1930 – conselho que ele repetiu para o Banco do Japão em 2000. “A coisa mais insidiosa que um país pode fazer contra seus cidadãos”, Ryan repreendeu Bernanke, “é depreciar sua moeda”.

CÂMBIO FLEXÍVEL
Bom, e já que estamos falando sobre depreciação de moedas: uma das defesas mais duradouras da análise econômica direta de Friedman foi o argumento de 1953 a favor das taxas de câmbio flexíveis, por meio do qual ele demonstrou que os países que têm salários e preços excessivamente altos em relação aos praticados por seus parceiros comerciais – como os países do sul da Europa atualmente – se sairiam melhor se desvalorizassem suas moedas, em vez de terem que suportar anos de desemprego elevado “até que a deflação percorra seu triste caminho”. De novo, não existe espaço para esse tipo de pragmatismo em um partido dentro do qual muitos dos membros são favoráveis ao retorno do padrão-ouro.

Mas não quero colocar Friedman em um pedestal. Na verdade, eu diria que a experiência dos últimos 15 anos, primeiro no Japão e agora no mundo ocidental todo, mostra que Keynes estava certo e que Friedman estava errado sobre a capacidade da política monetária sozinha para combater depressões. A verdade é que precisamos de um governo mais ativo do que Friedman estava disposto a tolerar.

A questão, porém, é que o conservadorismo moderno avançou tanto em direção à direita que ele já não tem espaço nem para fazer pequenas concessões à realidade. Friedman tentou salvar o conservadorismo de livre mercado de si mesmo – mas os ideólogos que dominam hoje em dia o Partido Republicano estão além da salvação.

Internet e o destino dos seus dados

Desde quando grafada por Milton Friedman, a frase “não há almoço grátis”, continua sempre atual e aplicável nas mais diversas situações, onde as pessoas possam achar que estão levando vantagem sobre os grandes grupos capitalistas.

A metáfora do prêmio Nobel de economia é mais explícita com uma leitura mais pragmática e menos retórica, é que nada é de graça, pelo menos não por muito tempo, nem mesmo uma refeição paga pelos outros.

O Editor


O que parece grátis é pago com seus dados
Por Tatiana de Mello Dias/O Estado de S. Paulo

Para onde vão as informações que você coloca em um cadastro em um site de compras coletivas? Quem sabe o que você curtiu no Facebook?

O que suas pesquisas no Google dizem sobre você?

Provavelmente elas dizem mais do que o seu terapeuta sabe. Tudo isso está por aí, guardado em algum banco de dados.

E, até agora, não há nenhuma norma que defina como essas informações devem ser tratadas.

“Estamos em um típico momento em que a indústria está prestes a criar uma situação de desbalanceamento, determinando como será feita a coleta de informação”, diz Danilo Doneda, advogado e pesquisador do Centro de Tecnologia e Sociedade da Fundação Getúlio Vargas.

Ele participa da elaboração de um anteprojeto de lei encabeçado pelo Ministério da Justiça que definirá regras para a guarda e o uso de dados pessoais.

O principal ponto do projeto, que está em consulta pública, é o seguinte: o cidadão precisa ter o controle sobre sua própria informação.

Precisa saber qual dado está sendo coletado, para que será usado e por quanto tempo a empresa ou o governo poderá armazenar essa informação. Hoje não há nenhum tipo de controle – são comuns os casos de venda de banco de dados a terceiros, por exemplo, ou cruzamento de dados.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Informação vale ouro. “Quando temos uma sociedade em que qualquer segmento do consumo trabalha a partir das informações de seus consumidores, a informação vira um insumo do mercado. Em algumas situações vale mais do que dinheiro”, explica Juliana Pereira, diretora do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor do Ministério da Justiça.

Dá para ter uma dimensão mais exata do poder ao olhar para as empresas online. “A utilização dos nossos dados é o que justifica a existência de tantos serviços gratuitos na internet”, explica Doneda. O crescimento de empresas como Google e Facebook – que anunciou a chegada ao Brasil com registro na área de “consultoria em publicidade” – demonstra o potencial bilionário da perda de privacidade. “O momento é o da economia da informação pessoal.

Por isso as redes sociais são importantes: elas são quase como um pote de mel para as pessoas se sentirem à vontade para fornecerem suas informações”, define Doneda.

“Uma proteção de dados efetiva é fundamental para a democracia e sustenta os outros direitos e liberdades”, diz Viviane Reding, vice-presidente da Comissão Europeia de Justiça, Direitos Fundamentais e Cidadania, durante o Data Protection Day, que aconteceu no dia 28 de janeiro. Como garantir que esses dados não sejam usados para fins discriminatórios ou que de alguma forma prejudiquem o consumidor? “As pessoas jogam as informações e não sabem o que acontece. Estão em uma posição fraca”, diz Doneda. Para o advogado, o setor que mais requer preocupação é o de marketing online. Hoje há ferramentas que monitoram silenciosamente o usuário – como por onde ele navega ou quais suas últimas compras, sua localização e suas preferências.

“Rastreando o comportamento do usuário através de vários sites você consegue montar um perfil”, explica Philip Klien, CTO do BT Buckets, empresa de behavioral targeting, tecnologia capaz de traçar perfis do usuários para segmentar a audiência. É um recurso útil para anunciantes conseguirem atingir um público específico.

A área está em alta. Um levantamento do Wall Street Journal revelou que há mais de 200 ferramentas monitorando conexões. Todos os 50 sites mais populares dos EUA têm algum mecanismo do tipo. Em 2010, o total de investimento em anúncios na web foi de US$ 8.9 bilhões. Destes, US$ 1,1 bilhão foram para os anúncios segmentados – e o valor deve dobrar até 2014.

Tudo que é grátis tem preço. Para Klien, o principal problema é a falta de esclarecimento. “Esse controle está sendo feito em vários sites em domínios diferentes. E aí muitas vezes o usuário não sabe disso”, diz. É preciso se assustar? A publicidade também não pode ser vista como vilã – ela custeia os serviços que tanto usamos e também nos proporciona anúncios mais relevantes. Mas é preciso saber que tudo que é grátis tem um preço.

Enquanto não há regras claras, a responsabilidade sobre informações valiosas fica para as empresas. “Por não haver regulamentação e você ter muito poder, é preciso agir com cautela”, diz Klien. Nos EUA, o setor de behavioral targeting tem uma organização de autorregulação e há uma carta de boas práticas, que é seguida pela startup brasileira. Recentemente a deputada norte-americana Jackie Speier apresentou o projeto de lei Do Not Track Me Online (não me monitore na internet), que criaria uma lista de internautas que não querem ser monitorados – como já existe, por exemplo, com o telemarketing.

Na Europa, a prática foi regulamentada no meio do ano: é preciso consentimento livre e informado para a instalação de um cookie de rastreamento; ele não pode ser eterno e a revogação deve ser livre e fácil; e, por fim, o monitoramento deve ser facilmente perceptível.

No Brasil, o projeto de lei que está em consulta pública não regulará os tópicos específicos de mercados – como é o caso da publicidade e de bancos – mas a ideia é fomentar a autorregulação das áreas. “O projeto estabelecerá um padrão mínimo de proteção. Queremos regulamentar uma coisa que está na Constituição: o direito à privacidade. Todo o mercado quer ter segurança jurídica”, diz Juliana Pereira.

Daqui para frente, as regras do jogo ficarão – senão mais rígidas – pelo menos mais claras.


Economia: O capitalismo catastrófico ou a catástrofe capital

Da série: “quem te viu e quem te vê”!

Nessa altura da “marola” que se transformou numa tsunami que engolfou o tal “estado mínimo”. Não se ouve, nem se lê, nada oriundo das viúvas do monetarismo de Friedman, o arauto do livre mercado. Ouve-se, muito ao longe, tímidas loas ao intrevencionismo Keyniano.

por Josias de Souza
O papel central do Estado na economia é o de promover a distribuição.

Sob o capitalismo, distribui favores de maneira desigual. Sob o socialismo, promove a distribuição igualitária das misérias.

A crise global trouxe à tona um novo sistema econômico: o Capitalismo Anárquico-Estatal.

Eis o seu primado doutrinário: Se a farinha é pouca, o pirão do mercado vem primeiro.

Antes, dizia-se que Estado moderno era Estado modesto. Agora, afirma-se que a modernidade está na no expansionismo.

No Brasil, a fila do socorro intervencionista do Estado é seletiva: primeiro a banca. Depois os exportadores, os agronegociantes e os construtores.

Nesta sexta (24), um novo pires achegou-se à fila. Industriais encomendaram a Lula a constituição de um fundo. Coisa de R$ 10 bilhões.

Dinheiro do BNDES, da Caixa Econômica, dos fundos de pensão das estatais… O pretexto é a necessidade de financiar projetos de infra-estrutura.

A Viúva vive uma quadra de assédio hediondo. Antes, a veneranda senhora convivia com o capitalismo catastrófico.

Agora, flerta com a catástrofe capital. O risco de tunga é iminente. Sobretudo quando se considera um detalhe muito importante:

O maior déficit do Estado não está nas arcas do Tesouro, mas entre as orelhas dos gerentes da chave do cofre.