ONU,Nações Unidas,Migração,Venezuela,Economia,Maduro,América Latina,Refugiados

Venezuela: cerca de 3 milhões fugiram da crise política e econômica desde 2015, diz ONU

Êxodo impulsionado pela violência, hiperinflação e escassez de alimentos e medicamentos equivale a cerca de um em 12 da população do paísONU,Nações Unidas,Migração,Venezuela,Economia,Maduro,América Latina,Refugiados

Imigrantes venezuelanos viajam a bordo de um caminhão em Tumbes, Peru, perto da fronteira com o Equador, em 1º de novembro. Fotografia: Juan Vita / AFP / Getty Images

O êxodo dos venezuelanos que fogem da crise econômica e política em sua terra natal acelerou dramaticamente, alcançando um total de cerca de 3 milhões desde 2015, anunciou a ONU .

Os novos números mostram que cerca de um em cada 12 da população deixou o país, impulsionado pela violência, hiperinflação e escassez de alimentos e remédios.

A taxa de migração acelerou nos últimos seis meses, disse William Spindler, do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), que apelou por maiores esforços internacionais para aliviar a pressão sobre os vizinhos da Venezuela.

A vida é uma luta à medida que a inflação na Venezuela se aproxima de um milhão por cento

A Venezuela, rica em petróleo, entrou em crise com seu presidente socialista, Nicolás Maduro, que tem lutado para controlar a hiperinflação e reprimir os opositores políticos.

Dados da ONU em setembro mostraram que 2,6 milhões haviam fugido para países vizinhos, mas os governos regionais estão lutando para lidar com as consequências humanitárias e políticas de uma das maiores migrações em massa da história da América Latina .

“Os principais aumentos continuam a ser relatados na Colômbia e no Peru”, disse Spindler.

A Colômbia está abrigando 1 milhão de venezuelanos. Cerca de 3.000 mais chegam a cada dia, e o governo de Bogotá diz que 4 milhões poderiam estar vivendo lá até 2021, custando quase US $ 9 bilhões.

Cerca de 300 refugiados, que chegaram com nada além do que podiam carregar, fizeram acampamento fora do terminal de ônibus em Bogotá, capital da Colômbia.

“Quando você não consegue encontrar comida, quando sua filha pode ficar doente a qualquer momento, é quando você sabe que tem que sair”, disse Lozada, agarrando o bebê ao peito. “Mas aqui não temos trabalho, não temos nada para fazer, então podemos ter que voltar.”

Outrora uma garçonete em um restaurante sofisticado em Valência, a terceira maior cidade da Venezuela, ela agora passa seus dias implorando por pequenas mudanças fora de um shopping center.

Sem nenhum dinheiro para o resto da jornada, eles percorreram as 345 milhas restantes até Bogotá na esperança de encontrar trabalho. Eles atualmente vivem em uma barraca improvisada, dormindo em um colchão de acampamento que os moradores locais doaram.

” Essa foi uma caminhada longa e cansativa”, disse ela. “Um dia espero voltar para terminar meus estudos, mas é difícil ver as coisas melhorando”.

Maduro rejeitou os números da migração da ONU como ” notícias falsas ” destinadas a justificar a intervenção estrangeira nos assuntos da Venezuela.

“Maduro só se preocupa”, disse Augustín Pérez, de 51 anos, de Caracas, agora acampando em Bogotá com sua esposa e quatro filhos. “Ele não se importa com as pessoas sem nada para comer … enquanto todos os seus amigos engordam.”

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) e o ACNUR disseram que o êxodo estava sobrecarregando vários países vizinhos, especialmente a Colômbia.

“Os países da América Latina e do Caribe mantiveram amplamente uma política louvável de portas abertas”, disse Eduardo Stein, representante especial da ACNUR-IOM para refugiados e migrantes da Venezuela . “No entanto, sua capacidade de recepção é severamente tensa, exigindo uma resposta mais robusta e imediata da comunidade internacional.”

Depois da Colômbia, o Peru recebeu o segundo maior número de venezuelanos, com mais de 500.000. O Equador tem mais de 220.000, a Argentina 130.000, o Chile mais de 100.000, o Panamá 94.000 e o Brasil 85.000.

A resposta dos países latino-americanos à crise migratória marca uma grande diferença nos esforços da administração Trump para demonizar uma caravana de 7.000 migrantes , a maioria de Honduras, que atualmente atravessa o México em direção à fronteira sul dos Estados Unidos, onde planeja procurar asilo.

Adam Isacson, analista do escritório de Washington na América Latina, twittou : “Um especialista com quem falei hoje pontuou: como é que a Colômbia está recebendo 5.000 venezuelanos todos os dias, mas o governo dos EUA está em pânico com 7.000 centro-americanos? ?

Autoridades do governo regional devem se reunir em Quito, no Equador, de 22 a 23 de novembro, para coordenar esforços humanitários.
Joe Parkin Daniels/TheGuardian

Neo, um robô que dá aula de idiomas para crianças imigrantes

Segundo pesquisadores alemães, os pequenos aprendem melhor e mais rápido com o androide

Inovação, Robótica ,Refugiados, Alemanha ,Imigração ,Europa Central ,Política científica, Migração, Demografia ,Educação, Cultura, Empresas, Eventos,NEO,Tecnologia,Automação,Robôs,Robótica,Mecatrônica,Blog do Mesquita

Menino tenta se comunicar com o robô Neo.
Foto Universidade de Bielefeld

Neo, um simpático robô que mede apenas 60 centímetros, pode ver, ouvir e se mover sozinho e, graças ao trabalho de um pequeno grupo de pesquisadores da Universidade de Bielefeld, o pequeno androide está perto de se tornar um professor bem sucedido que poderá ensinar o idioma alemão a dezenas de milhares de crianças imigrantes que chegaram ao país no último ano.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Confrontados com a realidade e as estatísticas – uma em cada três crianças menores de cinco anos na Alemanha são imigrantes –, a equipe liderada pelo professor Stefan Kopp iniciou o projeto L2TOR, que tem um objetivo invejável: em três anos, quer facilitar a aprendizagem do idioma nos jardins de infância.

Os pesquisadores da Universidade de Bielefeld estão convencidos de que se o projeto, financiado pela União Europeia, for bem sucedido, irá revolucionar o ensino, já que os robôs ajudariam as crianças a se tornarem poliglotas.

“Nossa tarefa é fazer com que o robô possa, além de se comunicar, entender a forma de pensar de uma criança”, falou o professor Kopp, especialista em inteligência artificial. “Com isso vamos oferecer às crianças imigrantes a oportunidade de aprender a língua de uma forma divertida. Mas também temos o objetivo de fazer com que as crianças alemãs aprendam um novo idioma, como o inglês”.

No momento, o androide tem sido levado às salas de jardim de infância em Bielefeld, em uma fase experimental. Segundo a equipe de pesquisadores, as crianças se integram perfeitamente com o robô e não têm problemas para se comunicar com Neo. Os estudos realizados, inclusive, mostraram que as crianças poderiam aprender melhor e mais rápido uma língua estrangeira com este androide do que com métodos tradicionais.

Em um primeiro momento, Neo pode ajudar as crianças a construir frases em alemão, mas a ideia é que elas aprendam a dominar a síntese e a gramática com a ajuda do robô em fases posteriores do projeto. Neo também será programado para compreender gestos e mímicas das crianças, para ensiná-las a se expressarem melhor.

Para facilitar a comunicação com as crianças, Neo tem a aparência de um ser humano, pequeno e simpático. O interesse que ele desperta nas crianças, e a possibilidade de que ajude os pequenos a conhecer a língua do país que sua família adotou, convenceu a União Europeia a destinar 3 milhões de euros para promover o projeto, que envolve, além da Universidade de Bielefeld, outras quatro universidades europeias na Grã-Bretanha, Holanda, Bélgica e Turquia.

O trabalho da equipe liderada por Stefan Kopp está apenas começando, mas o grupo de cientistas está convencido de que Neo pode revolucionar o ensino de idiomas estrangeiros. “Quando demonstrarmos sua eficácia, poderemos conseguir em menos de dois anos um pequeno exército de robôs nas salas de aula”, afirma o cientista.
Enrique Müller/ElPais

Refugiados, desconhecido drama global

Retrato da globalização totalitária: número de perseguidos dobrou em dez anos, e chega a 60 milhões. Esqueça as visões pré-concebidas: 86% deles não buscam refúgio na Europa ou EUA, mas nos países do Sul.

Refugiados,Blog do Mesquita

O fenômeno das migrações forçadas sempre esteve presente na história mundial, quer oriundo de desequilíbrios sociais e econômicos, como fome e calamidade natural, quer ocasionado por guerras e opressões. Na maioria das vezes, indivíduos nessas circunstâncias são obrigados a deixar o próprio país para buscar proteção em território estrangeiro, e frequentemente, para salvar a própria vida. O direito internacional contempla uma categoria específica de migrante forçado, o refugiado, que deve conter elementos conceituais bem determinados.

Vale lembrar que este número cresce exponencialmente. De acordo com o último relatório do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados — Acnur (Tendências Globais), são quase 60 milhões de pessoas (59,5 milhões) em fuga devido a guerras, conflitos e perseguições. Há dez anos, este número era de 37,5 milhões.

Na Europa, esta realidade intensificou-se a partir da Primavera Árabe. Desde então, com a chegada dos sírios e libaneses, este número aumentou de forma massiva. Nos dias de hoje, uma imagem que remete automaticamente à questão são os sucessivos naufrágios no Mediterrâneo. Segundo a Organização Internacional para as Migrações (OIM), mais de 1.750 pessoas morreram na tentativa de cruzar o mar e chegar à Europa no ano de 2014; número 30 vezes maior do que o apurado no mesmo período do ano anterior1. Ainda, conforme relatório da ONU, desde 2000 mais de 22 mil pessoas morreram tentando ingressar no continente europeu”.

A desumanização do migrante e o desprezo generalizado à sua figura colaboram para agravar uma crise humanitária sem precedentes. Coincidência ou não, a Europa só recebe 10% deste “mar de gente”, 86% dos refugiados encontra asilo nos países de “terceiro mundo”. O Líbano, a Turquia e Jordânia acolhem mais refugiados do que os 28 países da União Europeia juntos. Em 2014 a Turquia tornou-se o país que mais acolhe refugiados no mundo, com 1,59 milhão de sírios.

Mesmo que a Itália, sobretudo a ilha de Lampedusa, sirva como principal ponto de entrada da região, grande parte das demandas de refúgio são feitas na Alemanha e Suécia. Como analisa o jornalista Pedro Estevam Serrano, o continente dos direitos humanos, que a partir da Revolução Francesa introduziu um arcabouço de direitos fundamentais do homem, “nega ao imigrante (sobretudo ao africano e ao árabe) a humanidade que automaticamente lhe transferia o direito ao acolhimento”.

Quase sempre, a problemática carrega consigo uma expectativa que não muda com o passar dos anos: a de um lugar melhor para se viver. Este não é o único fator que permanece imutável, os dois lados da moeda também continuam os mesmos: de um lado, políticas migratórias cada vez mais rígidas; do outro, a mercantilização de um produto potencial: a venda de um sonho. Muitos pagam a partir de 500 dólares a traficantes por lugares em barcos “quase tão superlotados e mortais quanto os navios negreiros do passado”, e somente cerca de 10% destes deslocados chega à Europa.

Mas este não é o único mar de refugiados. As dramáticas jornadas marítimas ocorrem também no Golfo do Áden, no Mar Vermelho e no Sudeste da Ásia.

Um dos fatores que determinou este aumento em grande escala foi sim a guerra da Síria, que começou em 2011 e desde então é tida como o “maior evento individual causador de deslocamento no mundo”. No entanto, o relatório do ACNUR revela que a tendência é a mesma em todos os continentes, sem exceção. A situação é alarmante: hoje, mostra o documento, um em cada 122 indivíduos é refugiado, deslocado interno ou solicitante de refúgio. Na hipótese do número representar a população de um país, seria a 24° nação mais populosa do mundo.

Somente no continente africano, oito países se encontram em situação de conflito: Costa do Marfim, República Centro Africana, Líbia, Mali, nordeste da Nigéria, República Democrática do Congo, Sudão do Sul e Burundi. Em termos de deslocamento forçado, a Europa precede o ranking com aumento de 51%. A Ásia assume a segunda posição registrando um crescimento de 31%, seguida pelo Oriente Médio e norte da África com 19%. Na sequência, África Subsaariana e Áméricas com um aumento de 17 e 12% respectivamente.

Arsène Bolouvi, da Anistia Internacional, esclarece que fatores como as vendas de armas, o controle dos recursos, as tramas multinacionais e os governos autoritários apoiados pela França, por exemplo, interferem diretamente nas condições de vida dos migrantes forçados e na decorrente fuga destes indivíduos de circunstâncias de perigo, fome e guerra. A conjuntura política e econômica de regiões como a do Magreb e da África subsaariana estão relacionadas ao vinculo desequilibrado mantido com as ex-colônias10.

Não seria então, mais uma das armadilhas da geopolítica, uma vez que o mesmo Estado que patrocina as guerras promove intervenções “humanitárias” e enrijece fronteiras e políticas para refrear um êxodo descontrolado? Além disso, a própria política exterior e comercial dos países do Norte acarreta a emigração dos países do Sul. Como bem lembrava o sociólogo franco-argelino Abdelmalek Sayad “a imigração é antes de tudo uma emigração”.

Será que essa situação não passa de um “efeito boomerang” causado pela consolidação da histórica, porém atual, divisão internacional do trabalho? Isso não seria somente um sintoma, proveniente de uma causa muito mais ampla e complexa?

As causas das migrações forçadas envolvem um debate ideológico delicado e exaustivo, uma vez que preconiza a existência de imperfeições no sistema econômico e social que a “maioria da classe política e midiática aceita como fato”.

Na Ásia, um episódio no mês de maio “jogou os holofotes” ao Mar de Andamão, evidenciando como o fenômeno de migrações forçadas possui proporções significativas nesta parte do globo. Cerca de 350 imigrantes vindos do Mianmar, da minoria muçulmana Rohingya, permaneceram à deriva em um barco de pesca que foi impedido de entrar na Tailândia.

Em entrevista à Reuters, Puttichat Akhachan alegou que a entrada no país foi negada, mas que alimento e água foram fornecidos em respeito as obrigações dos direitos humanos. Na realidade, com cerca de 9 milhões de refugiados13, a região desempenha papel fundamental no fomento das correntes migratórias globais.

A etnia Rohingya é vista pela ONU como uma das minorias mais perseguidas do mundo. Agora, atores da sociedade civil alertam sobre um efetivo risco de genocídio na região do Sudeste Asiático. Pela primeira vez os países envolvidos começam a tomar providências diante da problemática. Para Benjamim Zawacki, integrante do programa de direitos humanos da Universade de Harward baseado em Bancoc, uma solução regional é necessária há pelo menos seis anos.

O representante do Acnur no Brasil, Andrés Ramirez, relata que desde o ano passado 88 mil pessoas, prevalentemente rohingayas de Mianmar e Bangladesh tentaram transpassar a baía de Bengala. Estima-se que existam de 3 a 8 mil pessoas à deriva no golfo.

Na maioria das vezes, a situação é análoga ao caso supracitado, já que os botes que chegam a Tailândia, Bangladesh ou Malásia são escoltados de volta a águas internacionais depois que recebem uma pequena quantia de mantimentos básicos.
Por Raissa Leite Zoccal/Blog Outras Palavras