• mqt_for@hotmail.com
  • Brasil

Coronavírus: Como trabalhar em casa da maneira certa

Empresas de todo o mundo lançaram trabalho remoto obrigatório. Seja você um novato ou um veterano da WFH, eis o que você precisa fazer para se manter produtivo.

Google, Microsoft, Twitter. Hitachi, Apple, Amazon. Chevron, Salesforce, Spotify. Do Reino Unido aos EUA, Japão e Coréia do Sul, essas são todas as empresas globais que, nos últimos dias, implementaram políticas obrigatórias de trabalho em casa em meio à disseminação do Covid-19.

E é realista supor que a mudança para o ‘escritório em casa’ se tornará o novo normal para muitos de nós por um tempo, dado o anúncio de quarta-feira pela Organização Mundial da Saúde de que o coronavírus atingiu oficialmente o status de ‘pandemia’.

Alguns funcionários trabalharão em casa pela primeira vez, o que significa descobrir como permanecer na tarefa em um novo ambiente que pode não ser adequado à produtividade. Mas existem maneiras de obter resultados e evitar enlouquecer, desde a criação de um bom espaço de trabalho até a maneira como você conversa com sua equipe.

Aumente a comunicação

Com coronavírus ou não, a chave para trabalhar em casa é uma comunicação clara com seu chefe – e saber exatamente o que você espera de você.

“Tenha expectativas muito claras para as comunicações dia a dia”, diz Barbara Larson, professora de administração da Northeastern University, em Boston, que estuda trabalho remoto. “Pergunte ao seu gerente se eles não se importam de ter uma ligação de 10 minutos para começar o dia e encerrar o dia. Muitas vezes, os gerentes simplesmente não pensam nisso.”

Empresas de pequeno e grande porte em todo o mundo começaram a implementar esquemas obrigatórios de trabalho remoto para promover o distanciamento social para impedir a expansão do Covid-19 (Crédito: Getty Images)

A maioria das pessoas passa seus dias nas proximidades de seu chefe, o que significa que a comunicação é fácil e sem esforço. Mas tudo fica fora da janela com o trabalho remoto, e a falha na comunicação é ainda mais provável se o seu local de trabalho não estiver acostumado a trabalhos remotos. Seu gerente pode não estar acostumado a gerenciar pessoas virtualmente, por exemplo, ou sua empresa pode não ter um conjunto pronto de ferramentas para trabalhadores remotos, como o aplicativo de bate-papo Slack ou o aplicativo de videoconferência Zoom, diz Larson.

Mas mesmo para os que estão acostumados, trabalhar em casa pode parecer desestruturado e isolado. No ano passado, um estudo com 2.500 funcionários remotos da agência de desenvolvimento de marcas online Buffer descobriu que a solidão era o segundo desafio mais relatado, vivido por 19% dos entrevistados. A solidão pode fazer com que as pessoas se sintam menos motivadas e menos produtivas.

Fora da vista, fora da mente pode ser um problema real para trabalhadores remotos – Sara Sutton
Então, quando você se comunica com seu chefe e equipe em casa, ajuda se o máximo possível puder ser uma comunicação “mais rica”, cara a cara e instantânea, Larson diz: videochamadas, Skype, Zoom.

“Fora da vista, esquecer pode ser um problema real para os trabalhadores remotos”, diz Sara Sutton, CEO e fundadora do FlexJobs, um site remoto de listagem de empregos. “Os melhores funcionários remotos chegarão regularmente a colegas e gerentes” através de uma variedade de ferramentas.

“Trate como um trabalho de verdade”

Existem também algumas dicas atemporais da WFH para recorrer. Por exemplo, só porque você pode descansar de pijama não significa que você realmente deveria. “Tome um banho e se vista. Trate-o como um trabalho de verdade ”, diz Larson.

Se você não possui um escritório em casa, faça o máximo possível para criar um espaço ad hoc personalizado, exclusivo para o trabalho. “Não ter um escritório em casa bem equipado quando [as pessoas] começam a trabalhar remotamente pode causar uma diminuição temporária da produtividade”, explica Sutton. Ela diz que monitores duplos, teclado e mouse sem fio a tornam mais produtiva em casa.

Um ciclista na Itália treina em casa em uma bicicleta ergométrica para evitar sair de casa, pois o país continua com um bloqueio nacional em meio à pandemia de Covid-19 (Crédito: Getty Images)

Então, em vez de deitar na cama com um laptop, tente algo mais deliberado. A solução pode ser algo tão simples quanto mover uma mesa de cabeceira para um canto longe das distrações, desligar o computador e sentar em uma cadeira ereta, como faria na mesa do escritório. No entanto, lembre-se do “pescoço tecnológico” e de outras necessidades ergonômicas.

Isso também serve como um sinal importante para quem mora com você de que você está no trabalho. “Crie limites dentro de sua casa que os membros de sua família entendam: ‘Quando a porta estiver fechada, finja que não estou lá'”, diz Kristen Shockley, professora associada de psicologia da Universidade da Geórgia.

Com um espaço de trabalho dedicado onde você pode se concentrar, fica mais fácil desbloquear os benefícios do trabalho remoto. Em uma pesquisa com 7.000 trabalhadores no ano passado pela FlexJobs, 65% disseram que são mais produtivos trabalhando em casa, citando benefícios como menos interrupções de colegas, políticas mínimas no escritório e redução do estresse no deslocamento.

“Seguimentos psicológicos”, como um exercício matinal de café ou tarde de 20 minutos, podem colocar você na mentalidade de trabalho correta
No entanto, também é importante reservar o seu dia. Naquela pesquisa do Buffer, a reclamação WFH mais citada foi a incapacidade de desconectar após o trabalho. Se você não pode se deslocar ou entrar e sair de um escritório físico, o que fornece limites mais claros para a jornada de trabalho, Shockley sugere “seguimentos psicológicos” que podem ajudar a colocar você na mentalidade certa: como um café de 20 minutos pela manhã e depois exercite-se logo após o trabalho para abrir e fechar o dia.

“Mesmo que o cuidado das crianças não seja um problema, ainda é fácil quando você está em casa [para pensar]: ‘tenho roupa para lavar, deixe-me fazer isso muito rápido'”, diz ela. “Você precisa se colocar em um estado de espírito que realmente está trabalhando”.

Evite sentir-se isolado

Mesmo assim, mesmo com essas ferramentas, a natureza imposta e abrupta da transição de um escritório para um ambiente doméstico pode deixar alguns problemas para se acostumar com a mudança.

“O coronavírus está empurrando todos para esse tipo de trabalho extremo em casa”, diz Nicholas Bloom, professor de economia da Universidade de Stanford, na Califórnia, que ministra palestras ao TED sobre trabalho remoto. Ele diz que existem dois tipos de trabalho em casa: trabalho a curto prazo ou ocasional em casa e trabalho permanente ou em período integral em casa. “É como comparar exercícios leves com treinamento de maratona”, diz ele.

O último ainda é bastante raro – Bloom diz que apenas 5% da força de trabalho dos EUA, por exemplo, informa que são trabalhadores remotos em período integral. Com o coronavírus, não está claro quanto tempo as pessoas ficarão em casa, o que apresenta problemas adicionais. Os pais, por exemplo, acharão mais difícil trabalhar se as crianças estiverem em casa porque as escolas estão fechadas, o que significa que uma comunicação próxima com os gerentes – que precisam entender – é vital.

Especialistas dizem que a comunicação de “alta fidelidade”, como videochamadas, enquanto trabalha em casa combate o isolamento, salvaguarda a unidade e a produtividade da equipe (Crédito: Getty Images)

O isolamento prolongado também pode impactar potencialmente no moral e na produtividade. É por isso que Larson sugere que as equipes tentem manter uma aparência de normalidade e camaradagem de maneiras não convencionais, como festas virtuais de pizza ou happy hours remotas, onde as pessoas discam e compartilham um coquetel no Slack ou Skype.

“É uma boa maneira de se relacionar – é meio estranho, mas todo mundo está se sentindo estranho, então é divertido”, diz Larson, descrevendo a mentalidade de “estamos todos juntos nisso”. “Isso adiciona um pouco de leveza e leveza ao ambiente difícil.”

Sutton também apóia a idéia de traduzir as atividades sociais no escritório para um ambiente online. “Comemore aniversários, elogie o público por metas alcançadas e projetos concluídos”, diz ela. “Arranje tempo para conversas casuais e bate-papo com ‘bebedouros’.”

“Mantenha o ânimo”

Não se engane, estes são tempos estressantes. Manchetes negativas, preocupação com entes queridos ou idosos e luta contra o desejo de entrar em pânico comprando papel higiênico podem colocar todos os e-mails de trabalho em resposta. Porém, quanto mais esforço você faz para se comunicar com os colegas, maior a chance de evitar sentimentos de isolamento, o que pode levar à depressão.

“No geral, um período curto de, digamos, duas a quatro semanas trabalhando em casa em tempo integral, acho que seria econômica e pessoalmente doloroso, mas suportável”, diz Bloom. “Um período mais longo de, digamos, dois ou três meses em tempo integral trabalhando em casa pode levar a sérios custos econômicos e de saúde”.

As soluções para as armadilhas do trabalho em casa incluem o máximo de interação online possível.

Ele concorda que as soluções para isso incluem o máximo de interação online possível através de videochamadas, check-ins regulares para gerentes – especialmente para os funcionários que moram sozinhos e que podem se sentir mais isolados – e reuniões regulares sem agenda, como agendar café ou uma bebida.

Se você é gerente, cabe a você fornecer uma comunicação clara e também é crucial manter o moral. “É fácil ficar estressado ou deprimido hoje em dia”, diz Larson. Se você é gerente, “reconheça que há estresse e dificuldade. Seu trabalho é ser líder de torcida da equipe. ”

Isso é particularmente importante se as pessoas acabam trabalhando em casa por mais de algumas semanas, o que é uma possibilidade distinta. “Estabeleça algum tipo de norma”, diz Larson. “Mantenha o ânimo das pessoas.”

Microsoft redefine o PC com o Surface Studio

O Windows 10 será atualizado no primeiro semestre de 2017 para se adaptar à realidade virtual

https://www.youtube.com/watch?v=BzMLA8YIgG0

Com o sistema operacional Windows e o computador pessoal, a Microsoft se tornou onipresente.

Três décadas e meia depois de sua introdução, a empresa de tecnologia de Redmond — depois de jogar a toalha com relação aos celulares — decide apostar fortemente na máquina que serviu para democratizar o uso de computadores no mundo inteiro com a apresentação do Surface Studio, a versão de mesa tudo em um de seu tablet híbrido.

[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

“É mais do que um simples PC”, destacou na apresentação Panos Panay, vice-presidente da Microsoft encarregado dos aparelhos Surface, “esta máquina foi construída para transformar a criação”.
A ideia é simples: criar a mesa de trabalho em um estúdio. Os produtos, afirma o executivo, “ajudam a dar vida às ideias” e, com essa intenção, desenvolveu-se um computador que “proporciona possibilidades ilimitadas à imaginação”.

O Surface Studio, que será vendido inicialmente por 2.999 dólares (9.300 reais), pretende fazer a diferença no mercado dos PCs, criando uma nova categoria, como ocorreu com o Surface Pro no caso dos tablets.

“A questão não era fazer mais um computador pessoal”, insistiu. “Trata-se de um passo adiante”.

A Microsoft o apresenta, com efeito, como o melhor equipamento que os criadores de conteúdo digital poderão ter para dar vida a suas ideias.

Satya Nadella, principal executivo da Microsoft, explicou que nos últimos anos proliferaram muitos produtos voltados para o consumo. Acredita, no entanto, que a próxima etapa será dominada pela criação, afirmando, por isso, que o computador pessoal continua sendo uma ferramenta essencial para atender ao “desejo inato de criar, conectar e se expressar”.

A Microsoft também dobrou o rendimento do portátil SurfaceBook para torna-lo mais versátil. “Os usuários nos pediam mais, e aqui está”, disse Panos. O equipamento disporá de bateria com até 16 horas de autonomia.

“Não há nada comparável no mercado”, afirma o executivo. O novo modelo, com um design mais sofisticado, custará 2.399 dólares (7400 reais). O Surface básico sai por 899 (2800 reais).

A apresentação da Microsoft ocorreu na véspera da apresentação das novidades para iPad e Mac pela sua superconcorrente Apple. Enquanto as vendas dos tabletes híbridos tiveram um crescimento de 38% no último trimestre em comparação com o mesmo período do ano anterior, os computadores da empresa da maçã tiveram uma contração de 14%, e os tabletes, de 9%.

A Microsoft não facilita em nada a vida da empresa de Cupertino na faixa mais alta do mercado, para uso profissional. A Apple tem sofrido também com os equipamentos de baixo custo Chromebook da Alphabet. Os investidores, com efeito, estão bastante atentos aos movimentos neste campo, no momento em que ele começa a se estabilizar.

Windows para criadores

A ponte entre o real e o virtual é o sistema operacional. A Microsoft apresentou os primeiros detalhes da próxima atualização do Windows 10, prevista para o primeiro semestre de 2017. Seu nome será Creators Update.

Como explicou Terry Myerson, cada usuário tem um interesse diferente do outro quando usa o computador. O próximo passo, na evolução da plataforma, é melhorar a experiência com a realidade virtual.

Para isso, os aplicativos de produtividade Paint e PowerPoint terão uma evolução no sentido da criação em 3D, simplificando o seu uso e tornando-o mais intuitivo. “Nosso mundo é tridimensional”, observou Megan Saunders. Os dois programas permitem a inclusão, com facilidade, de imagens tridimensionais digitalizadas de objetos reais, exportadas do Minecraft ou de comunidades como SketchUp.

A atualização do Windows 10 também incrementará a experiência com as HoloLens, criando espaços virtuais ou combinados com cenários reais. O sistema operacional da Microsoft conta com mais de um bilhão de usuários no planeta. O objetivo, com essa evolução, é chegar às novas gerações, que têm uma percepção diferente da criação de conteúdo.

A Microsoft, assim, aposta muito na realidade virtual. Para democratizar esses “efeitos”, ela apresenta os óculos de realidade aumentada da HP, Dell, Lenovo, Asus e Acer, a um preço inicial de 299 dólares (930 reais).

Todos esses equipamentos contêm sensores que permitem identificar o entorno. A atualização do sistema operacional vai melhorar, paralelamente, a criação de competições na plataforma para games Xbox Live.

O Windows 10 Creators permitirá também uma simplificação na maneira de compartilhar conteúdo, podendo-se juntar na barra de tarefas uma única caixa que integra todas as plataformas que cada contato usa para se comunicar.

Pretende-se evitar, dessa forma, que as mensagens importantes se percam em meio à abundância das redes sociais, complicando a comunicação.

Inteligência artificial é desafiada a aprender a jogar Minecraft

Projeto da Microsoft quer utilizar game para testar e desenvolver programas inteligentes

Desenvolvedora do Minecraft foi comprada pela Microsoft no ano passado por US$ 2,5 bilhões | Microsoft/Divulgação

Desenvolvedora do Minecraft foi comprada pela Microsoft no ano passado por US$ 2,5 bilhões Microsoft/Divulgação

Para muitos pais pouco familiarizados com o universo dos videogames, o Minecraft é um fenômeno difícil de compreender.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]
Um jogo com gráficos pobres e quadrados e sem um objetivo aparente, mas capaz de hipnotizar crianças e adolescentes que se revezam entre os controles e os milhares de vídeos do game no YouTube, postados por jovens celebridades como o londrinense Rezende Evil.

No entanto, o popular jogo que mistura construção de ambientes com exploração, lembrando uma espécie de “Lego virtual”, tem muito mais a oferecer do que parece aos olhos de estranhos.

A Microsoft anunciou nesta semana um novo projeto, chamado de AIX, em que pesquisadores da empresa vão utilizar o jogo para desenvolver e testar programas de inteligência artificial.

Na prática, o AIX é uma plataforma de desenvolvimento de softwares que os cientistas da empresa vão usar para criar personagens dentro do game que farão o mesmo que um jogador comum: criar construções, explorar os ambientes e combater monstros. A diferença é que esses personagens serão movidos pela inteligência artificial.

O projeto está sendo conduzido por cinco cientistas de computação da Microsoft. A intenção não é programar o personagem para que ele faça ações básicas de forma automática dentro do Minecraft, mas sim treinar a inteligência artificial para que ela aprenda, por si só, como fazer coisas simples dentro do ambiente do jogo, incluindo escalar os blocos ou levantar construções.

Assim, o desafio dos pesquisadores será fazer com que esses personagens se comportem como o avatar comandado por um humano, que dá de cara com o jogo pela primeira vez, sem nem sequer conhecer os comandos.

“Nós estamos tentando programar a inteligência artificial para aprender, em vez de programá-la para fazer tarefas específicas”, diz em nota divulgada pela Microsoft Fernando Diaz, um dos pesquisadores.

Ferramenta

A intenção da Microsoft – que comprou a desenvolvedora do Minecraft ano passado por US$ 2,5 bilhões – é passar a disponibilizar a plataforma AIX para outros pesquisadores e cientistas de instituições públicas e privadas ao redor do mundo.

A previsão é que nos próximos meses a AIX comece a ser disponibilizada por meio de uma licença com código aberto – o que permite a desenvolvedores fazer suas próprias alterações e incrementos.

“O Minecraft é a plataforma perfeita para este tipo de pesquisa porque oferece um mundo muito aberto”, relata a desenvolvedora da Microsoft e responsável pela AIX, Ktja Hofmann. “Você pode fazer um modo de sobrevivência, fazer ‘batalhas de construções’ com seus amigos, pode dar cursos, implementar seus games próprios. Isto é realmente excitante para inteligência artificial porque permite a nós criar games que vão além da capacidade atual”, completa.
Rafael Waltrick

Inteligência artificial da Microsoft é “corrompida” por usuários no Twitter

A intenção era boa: testar como uma inteligência artificial conseguiria interagir com humanos na internet e aprender por meio desse contato. No entanto, um experimento feito pela Microsoft no Twitter, semana passada, acabou tendo um resultado desastroso e que fala muito sobre as limitações dessa tecnologia.

Tay se despede dos internautas no último tuíte: Microsoft se viu obrigada a desativar perfil após mensagens racistas e antissemitas | Reprodução/Twitter

Tay se despede dos internautas no último tuíte: Microsoft se viu obrigada a desativar perfil após mensagens racistas e antissemitas – Reprodução/Twitter

A intenção era boa: testar como uma inteligência artificial conseguiria interagir com humanos na internet e aprender por meio desse contato.
No entanto, um experimento feito pela Microsoft no Twitter, semana passada, acabou tendo um resultado desastroso e que fala muito sobre as limitações dessa tecnologia.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

O sistema inteligente, chamado de Tay, foi lançado pela companhia no microblog na última quarta-feira (23), sendo apresentado como uma jovem norte-americana de 19 anos.

Segundo a Microsoft, o objetivo do experimento era pesquisar como a inteligência artificial compreenderia as mensagens endereçadas a ela e de que modo responderia a essas interações – cientistas da companhia programaram o perfil para responder de forma “descolada”, justamente para se aproximar do linguajar utilizada por humanos na faixa etária entre 18 e 24 anos.

Desde o início, os demais usuários do Twitter sabiam que se tratava de um sistema de computador.

No começo, Tay publicou uma série de tuítes inofensivos. Mas, no dia seguinte à sua ativação no Twitter, conforme os demais internautas direcionavam mensagens a ela, o sistema passou a incorporar e retuítar algumas das publicações – várias, nada amistosas.

O sistema, por exemplo, aprendeu rapidamente uma série de expressões antisemitas e de ódio enviadas por outros usuários.

Começou a disparar várias mensagens, dizendo que Hitler estava correto, que o atentado terrorista de 11 de setembro foi um ato do próprio governo norte-americano e inclusive compartilhou mensagens apoiando a política de Donald Trump contra os imigrantes.

Em uma ocasião, tuitou que “feminismo é câncer”, em resposta a outro usuário do microblog que tinha publicado a mesma mensagem.

“Profundamente arrependida”

Com a repercussão do caso entre os internautas e na imprensa, a Microsoft se viu encurralada e desativou o perfil de Tay no Twitter ainda na quinta-feira (24). Em nota, a companhia se disse “profundamente arrependida” pelas mensagens racistas e sexistas publicadas pela inteligência artificial.

veja também

“Estamos profundamente arrependidos sobre os tuítes ofensivos de Tay, que não representam quem nós somos ou o que defendemos, nem como nós projetamos a Tay”, disse Peter Lee, vice-presidente de pesquisa da Microsoft.

Após os problemas durante o experimento, a Microsoft disse que vai reativar o perfil de Tay apenas se seus engenheiros puderem encontrar uma maneira de impedir que os internautas influenciem o sistema de forma negativa. O desafio será justamente programar o perfil para distinguir entre o que é razoável e o que vai contra os princípios e valores da companhia – e da sociedade como um todo.
Fonte:Gazeta do Povo

Microsoft é acusada de ‘truque sujo’ para fazer atualização do Windows 10

“A Microsoft recomenda que você atualize este computador para Windows 10”.

Microsoft boxImage copyright MICROSOFT

O aparecimento súbito de uma janela com esta mensagem, em inglês, irritou usuários do Windows e atraiu críticas para a sua fabricante, a Microsoft.

O que parecia uma simples recomendação para atualizar o sistema operacional foi considerado um “truque sujo” da empresa para levar os usuários a fazer o upgrade.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Ao clicar no botão vermelho no canto superior direito da caixa de pop-up, o usuário em vez de simplesmente fechar a janela – como geralmente acontece – agora aceita a atualização do software para a data indicada na janela.

A confusão ocorreu porque o upgrade está agora marcado como “recomendado”, e muitos usuários têm seus computadores configurados para aceitar automaticamente as recomendações para atualizações de segurança.

O jornalista especializado Brad Chacos, editor da revista eletrônica PC World, descreveu o recurso como um “truque sujo” da Microsoft.

“Usar esses truques sujos apenas frustra usuários antigos do Windows, que têm razões muito válidas para continuar usando um sistema operacional que já conhecem e de que gostam”, escreveu Chacos.

A empresa disse que a atualização ainda pode ser cancelada nas configurações para mudar ou cancelar a hora da instalação.

A companhia frisou que o upgrade gratuito para o Windows 10 termina em 29 de julho, por isso quer alertar os usuários para uma “versão melhor” do programa.

O Windows 10 está disponível desde julho do ano passado e em seu primeiro mês conseguiu 75 milhões de instalações.
BBC

Offshores escondem milhões de multinacionais norte-americanas

As 50 maiores empresas dos EUA terão enviado cerca de 1,4 biliões de dólares (1,2 biliões de euros) para paraísos fiscais entre 2008 e 2014.

Offshores escondem milhões de multinacionais norte-americanas

O montante, superior ao Produto Interno Bruto de Espanha, México e Austrália, foi colocado a salvo de tributação através de uma rede secreta de cerca de 1600 sociedades criadas em offshores, afirma a Oxfam.

Num relatório divulgado faz hoje uma semana, a organização não-governamental acusa as principais beneficiárias de apoio dos contribuintes norte-americanos de estarem no topo deste opaco esquema, e recorda que, no mesmo período, entre garantias públicas e ajudas federais, as multinacionais em causa receberam do erário público qualquer coisa como 11 biliões de dólares.

Aquela evasão fiscal custa às finanças dos EUA aproximadamente 111 mil milhões de dólares, calcula ainda a Oxfam.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

De acordo com a mesma fonte, citada por agências internacionais, a Apple (181 mil milhões de dólares), General Electric (119 mil milhões), Microsoft (108 milhões) e Pfizer (74 mil milhões) encabeçam a lista, mas nela encontram-se igualmente gigantes financeiras como o Bank of America, Citigroup, JPMorgan Chase ou Goldman Sachs, a construtora automóvel Ford e a aeronáutica Boeing, a Exxon-Mobil, a Coca-Cola, a Intel e a IBM.

Favorecimento

Sublinhando que o fosso entre ricos e pobres tem vindo a agravar-se continuamente nos últimos anos, a Oxfam considera que para tal contribui o facto de os ganhos de crescimento económico não estarem a ser distribuídos por quem cria riqueza.

“Não podemos continuar numa situação em que os ricos e poderosos evadem impostos deixando para os restantes o pagamento da factura», frisou o principal consultor fiscal da organização, Robbie Silverman.”

Nos EUA, as 50 maiores empresas suportaram apenas, entre 2008 e 2014, um bilião de dólares em impostos, tendo sido favorecidas por uma taxa média 8,5 pontos percentuais inferiores à taxa legal, e tendo recebido 337 milhões de dólares em incentivos fiscais.

A Oxfam alerta, porém, que este não é um cenário exclusivo das companhias sediadas em território norte-americano, mas, antes, generalizado e extensível a cerca de 90 por cento das grandes empresas mundiais, estima a ONG, para quem o prejuízo causado em países pobres custa 100 mil milhões de dólares em receitas tributárias por ano.
Osvaldo Bertolino

O robô racista, sexista e xenófobo da Microsoft acaba silenciado

A Microsoft se viu obrigada a retirar um robô do Twitter porque em sua interação com seres humanos elaborava mensagens com conteúdo racista, sexista e xenófobo.Microsoft,Tray,Blog do MesquitaImagem da conta de Tay no Twitter.

 O chatbot(sistema virtual capaz de gerar conversas que simulam a linguagem humana) foi projetado pela empresa para responder perguntas e entabular conversas no Twitter numa tentativa de capturar o mercado dos millenials nos Estados Unidos.

O plano da Microsoft fracassou em poucas horas de operação. Tay se dirigia aos jovens entre 18 e 24 anos, com os quais pretendia estabelecer uma conversa “casual e brincalhona”, mas não foi capaz de lidar com insultos racistas, piadas e comentários que, por exemplo, endossavam teorias conspiratórias sobre os atentados de 11 de setembro.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Entre outros comentários, Tay parecia negar o Holocausto, apoiava o genocídio e chamou uma mulher de “puta estúpida”. Outra de suas respostas era condizente com a linha do candidato Donald Trump: “Vamos colocar um muro na fronteira. O México terá de pagá-lo”.

O robô rebelde não parecia ter muito respeito por sua própria empresa. Um usuário disse a ele que o Windows Phone lhe dava nojo. Ele respondeu: “Estou totalmente de acordo, hahaha”.

Em todos os casos vistos até agora a falha é a mesma: a geração da conversa. Embora os robôs encontrem a primeira resposta, falta-lhes acompanhar o contexto

O sistema incentivava manter longas conversas para obter respostas mais inteligentes, mas muitos usuários optaram por perguntas polêmicas, que foram repetidas por Tay. Depois de detectar as falhas, o sistema se despediu anunciando que estava sendo desligado para “absorver” tudo o que tinha acontecido em “um dia ocupado”.

Os comentários foram apagados da timeline de Tay, mas podem ser encontradosem uma página que fez uma cópia deles e os publicou. A Microsoft limitou-se a dizer que está fazendo alguns ajustes em Tay.

A inteligência artificial é um dos campos mais candentes em Silicon Valley. Siri –a assistente virtual da Apple que permite dar ordens ao telefone com certa naturalidade– foi a pioneira. O Google respondeu com o Now, que pretende ser menos pessoal, mas mais eficiente. A Amazon –com o seu aparelho doméstico Echo– também entrou no terreno dos assistentes virtuais. Alexa é o personagem virtual que responde às perguntas.

A Amazon deu um passo a mais do que seus concorrentes: Alexa dá informações em tempo real sobre tráfego, meteorologia, notícias de última hora, mas também permite manejar aplicativos externos para reproduzir música em casa ou explorar seu catálogo de filmes e séries a partir do Fire TV.

Quando o Flickr permitiu a marcação intuitiva de fotos, várias pessoas negras viram como suas lembranças das férias apareceram sob o título de chimpanzés

Em todos os casos vistos até agora a falha é a mesma: a geração da conversa. Embora os bots (programas de computador que imitam o comportamento humano) encontrem a primeira resposta, falta-lhes acompanhar o contexto e gerar uma conversa de maneira natural, tomando como referência as respostas anteriores.

A intenção da Microsoft com essa conta era demonstrar seus progressos em Inteligência Artificial. Como aconteceu com o Flickr, quando permitiu a marcação intuitiva de fotos em seu serviço, várias pessoas negras viram como suas lembranças das férias aparecerem sob o título de chimpanzés.

O Google, no entanto, usou fotos para mostrar seus progressos, mas de uma forma mais particular e suave. O aplicativo permite organizar as imagens por assuntos, lugares e objetos. Também permite buscas nos mesmos termos. A opção mais sugestiva é a que convida a marcar, internamente, as pessoas dos arquivos do telefone celular. Depois que o sistema aprende quem são elas, é possível armazená-las dentro dessa tag sem ter que indicar. Ou seja, ele reconhece a imagem da pessoa.

O Facebook pretende aderir a essa iniciativa, que está sendo experimentada internamente há algum tempo, com um assistente semelhante para o Messenger. O plano do Facebook está voltado ao comércio eletrônico. O projeto, por enquanto, é conhecido pelo codinome “M”. A empresa sediada em Menlo Park o vê como a fórmula perfeita para se aproximar do cliente de maneira suave e natural com ofertas, assim como prestar serviço ao cliente sem ter um grande centro de chamadas.

Telegram, o aplicativo de mensagens, começou a testar esses bots para resolver dúvidas.
ElPaís

Skype é espionado na China

Censura,Internet,China,Blog do MesquitaSob uma imagem falsamente propagada de um país moderno, os mandarins vermelhos, continuam, ditatorialmente, comandando um Estado policial.
A internet chinesa é controlada através do “Escudo Dourado”, um firewall, sistema de segurança que bloqueia sites que contenham certas palavras consideradas “perigosas” pelo governo.

Os sites bloqueados entram em uma espécie de lista negra e, a partir deles, tenta-se chegar a outras URLs “subversivas”. Por mais rigoroso que seja, o governo não consegue controlar trocas de informações entre pessoas.

Além de folhetins “subversivos” que circulam de forma clandestina, há também brechas digitais. Um canal de comunicação ainda não controlado pelo governo, por exemplo, é a transmissão de textos, fotos e vídeos via celular
Contra a censura! Sempre!
José Mesquita


A China espiona mensagens do Skype, dizem pesquisadores. A Skype diz que respeita as leis chinesas.

A China vem monitorando e censurando mensagens enviadas pelo serviço de internet Skype, de acordo com pesquisadores.

Citizen Lab, um grupo de pesquisas ligado à Universidade de Toronto, no Canadá, disse que encontrou um banco de dados contendo milhares de palavras consideradas ‘politicamente sensíveis’ bloqueadas pelas autoridades chinesas.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

O banco de dados, disponibilizado para o público, também mostra informações pessoais de assinantes do serviço.

A Skype, conhecida mundialmente por oferecer serviços de telefonia pela internet, disse que sempre foi aberta em relação ao escrutínio de dados por parceiros chineses, mas está preocupada com a violação da segurança do site.

Sistema de vigilância

Os pesquisadores do Citizen Lab disseram que descobriram um enorme sistema de vigilância que pegou e armazenou mensagens enviadas através do telefone online e serviço de mensagens por texto.

Ele continha mais de 150 mil mensagens de vários tipos.

“Cerca de metade das mensagens continham obscenidades. Quando eu as filtrei, ficaram mensagens – a maioria em chinês – que tinham conteúdo de natureza sensível politicamente”, disse Nart Villeneuve, da Universidade de Toronto.

“Eu não sei quais as palavras exatas que estão acionando a filtragem, mas sei que a maioria das mensagens contém críticas ao Partido Comunista, mensagens sobre a independência de Taiwan, sobre a Falun Gong (movimento espiritual banido na China) e outros tópicos políticos sensíveis”, disse o pesquisador.

O relatório da Citizen Lab, intitulado Breaching Trust (Violando a Confiança) disse que “mensagens de texto, junto com milhões de registros contendo informações pessoais, estão armazenados em servidores de internet inseguros”.

Segundo os pesquisadores, ao usar um nome-senha, é possível identificar todas as pessoas que enviaram mensagens para alguém ou receberam-nas do usuário original.

Leis e regulamentos

A Skype opera na China como Tom-Skype, uma joint venture envolvendo o site de leilões americano, eBay, e a companhia chinesa TOM-Online.

O Citizen Lab disse que está “claro” que a Tom estaria “se envolvendo com ampla vigilância aparentemente com pouca preocupação em relação à segurança e à privacidade de usuários do Skype”.

Mas o presidente da Skype, Josh Silverman, disse que o monitoramento feito pela China é conhecido e que a TOM-Online “estabeleceu procedimentos para se enquadrar em leis e regulamentos locais”.

“Estes regulamentos incluem a exigência para monitorar e bloquear mensagens instantâneas que contém determinadas palavras consideradas ofensivas pelas autoridades chinesas”, afirmou ele.

Silverman disse que é política da TOM-Online bloquear determinadas mensagens e depois apagá-las, e ele investigará porque a política mudou para permitir que a empresa pegue e armazene estas mensagens.

Embora o uso de internet seja alto na China, as autoridades impedem há muito tempo o acesso de sites que consideram politicamente sensíveis.

Empresas ocidentais de internet como Google, Microsoft e Yahoo foram criticadas por grupos de direitos humanos por aceitar os rigorosos regulamentos da China.
Com dados da BBC London

Tecnologia: Microsoft criou o jogo Paciência com um único objetivo

Popular nos anos 1990 e 2000, o jogoPaciência que vem instalado no Windows não tinha somente a função de entreter.

Foto do jogo Paciência, do Windows 7

Paciência: jogo tinha outro objetivo além de entreter

Ele foi criado para ensinar fluência de mouse para as pessoas em uma época em que usar um computador era sinônimo de digitar linhas de código, de acordo com o site da revista Mental Floss.

Com esse jogo, os usuários de PCs praticavam o uso do mouse, clicando sobre cartas e arrastando-as para seu destino.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

O Paciência existe desde o século XVIII como um jogo de cartas, mas a sua versão digital chegou com o Windows 3.0 (1990) – e outros games como esse também tinham funções pouco conhecidas.

Campo Minado, FreeCell e Copas

O Campo Minado tinha um objetivo semelhante ao doPaciência.

A diferença é que a ideia era acostumar os usuários do Windows a clicar com os botões direito e esquerdo do mouse no momento certo.

Já o FreeCell era mais voltado para software do que para o usuário. Ele vem com o pacote Win32s, que permitia que aplicações de 16 bits funcionassem no Windows 3.1.

O objetivo era testar a camada thunking de 32 bits. Se houvesse um problema, o jogo não rodava.

O caso do Copas é um pouco diferente. A ideia da Microsoft era estimular o uso da tecnologia NetDDE, que permitia a comunicação com outros clientes de Copas em uma rede local. Diferentemente dos demais, ele chegou no Windows for Workgroups 3.1.

No Windows 8, a Microsoft tirou os jogos clássicos do seu software. Mas, atendendo a pedidos, o Paciência voltou no Windows 10.

Os demais também estão disponíveis, apesar de estarem “escondidos” na loja virtual da Microsoft, a Windows Store.
Lucas Agrela/EXAME

Saiba como funciona ‘M’, o assistente pessoal que você poderá ter no Facebook

Assistentes digitais como o Siri da Apple, o Cortana da Microsoft e o Google Now têm uma coisa em comum: quanto mais aprendem sobre você, mais úteis se tornam.

Foto: Getty
Assistente digital do Facebook pode poupar aborrecimentos com telemarketing
Image copyrightGetty

Por causa disso, presumivelmente, o Facebook acaba de lançar seu próprio assistente digital, M, para algumas centenas de pessoas na região de San Francisco.

Como não fui uma delas, temos por enquanto que acreditar no que o Facebook diz sobre o que o M é capaz de fazer.

“M é um assistente pessoal digital dentro do Messenger que realiza tarefas e acha informações para você”, explica David Marcus, chefe do Messenger no Facebook.

“Ele é provido de inteligência artificial treinada e supervisionada por pessoas”.

Diferente de outros serviços baseados em inteligência artificial disponíveis no mercado, M pode completar tarefas em seu nome. Ele pode comprar itens, fazer com que presentes sejam entregues para suas pessoas amadas, reservar restaurantes, fazer arranjos de viagem, marcar encontros e muito mais”.

‘M, pague US$ 300 para minha mãe’

Marcus trabalhou anteriormente no PayPal. Isso significa que sua experiência pode estar sendo utilizada para tornar o Facebook uma grande plataforma de pagamentos. “M, pague U$ 300 para minha mãe”. Imagine.

Apesar dos serviços monetários, o Facebook está em uma posição forte na corrida por assistentes digitais. Como uma plataforma, ele sabe mais sobre nós do que qualquer outra rede social.

Também sabe mais sobre nós que a Apple ou a Microsoft. O ponto fraco, entretanto, tanto do Siri como do Cortana, é que eles precisam ser alimentados com informações antes de se tornarem úteis.

Uma conclusão a que se pode chegar a partir das afirmações divulgadas pelo Facebook – de que o assistente é supervisionado por pessoas – é que pode haver atualmente equipes lidando com os pedidos mais difíceis e complexos. Isso pode explicar a afirmação de que mais tarefas têm de ser automatizadas para que o M seja expandido para mais pessoas.

O Facebook terá que ser transparente. Ele terá que evitar a repetição de um escândalo como o que envolveu a empresa Spinvox – um serviço de transcrição de correio de voz que foi anunciado como se fosse automatizado, para mais tarde admitir que humanos (mal pagos) estavam fazendo o trabalho pesado para fazer o serviço funcionar.

Treinadores e assistentes

Foto: AFP
Atendentes executam tarefas complexas demais para software
Image copyrightAFP

Mas a intervenção humana nos assistentes é uma coisa ruim? Recentemente, perdi horas em espera em uma ligação para meu banco após ter meu cartão bloqueado por um mecanismo de prevenção de fraudes.

A visão de Marcus sobre M, da forma como foi divulgada, é que será possível pedir ao assistente para resolver isso para mim. Ao invés de ter que ficar no telefone com um telemarketing às quatro da manhã (por causa de fuso horário), um “treinador do M” fará isso para mim.

Marcus disse à revista Wired: “Os treinadores do M do Facebook têm experiência de serviços de atendimento ao consumidor, e fazem tarefas que os softwares não fazem”.

Ele descreve uma equação clara. Quanto mais esperta é uma inteligência artificial, menos trabalho terão os treinadores do Facebook.

Quanto mais a inteligência artificial for capaz de fazer, menos empregados o Facebook terá que manter.

Mas o Facebook parece estar interessado em garantir que o M tenha um toque humano.

Em um momento em que o mundo se preocupa com as empresas do Vale do Silício inventando tecnologias que acabam com trabalhos para mão de obra pouco qualificada, a possibilidade de um call center global é uma mudança de direção interessante.

E para todas as outras pessoas, isso pode significar o fim das horas em espera, perguntas de segurança sem fim e menus ativados pela voz.

Por outro lado, você compartilhará dados com o Facebook como nunca fez antes.

Como sempre somos lembrados: perder elementos de nossa privacidade é a consequência de usar um serviço grátis.

Mas que tal essa: você trocaria fornecer mais dados pessoais em troca de uma vida sem os aborrecimentos do serviço ao consumidor?
Dave Lee/BBC