Marina Silva sai do aético PT e vai pro PV de Zequinha Sarney

Brasil da série: “Perguntar não ofende!”

“Cumequié?”

Só os deuses da lógica e as deusas da semiótica podem explicar. A senadora Marina Silva, uma das mais atuantes ‘ecochatas’ no parlamento brasileiro, deixa o PT porque o partido perdeu a ética, as bandeiras, e tal, e coisas mais…

Muito bem. Aí, a senadora que nunca se manifestou sobre as estripulias do José Sarney, se filia ao Partido Verde, que além de ter as contas não aprovadas pelo Superior Tribunal Eleitoral, ainda tem no Deputado Federal Zequinha Sarney — filho do marimbondo de fogo — um dos seus (deles) líderes.

Uáu!

Sarney e o auxílio moradia: o Maranhão na lama

Brasil: da série “só dói quando eu rio”!

O Maranhão, berço de Gonçalves Diasbiografia de Gonçalves Dias -, de Ferreira Gullar, Josué Montello e tantos outros grandes nomes da história e da literatura brasileira, não mereceria, nesse momento em que a população sofre com as implacáveis inundações – passam de 300 mil o número de desabrigados -, ainda ser aferroado pelo marimbondo de fogo do atraso.

Os descendentes da brava e altiva nação Timbira assistem abismados as estripulias nepotistas do cacique Sarney.

Um povo que tendo Alexandre de Moura, à frente de uma expedição de 600 soldados, em 1º de novembro de 1614 tomou o forte de São Luís e expulsou os franceses que ocupavam o Maranhão. Que foi capaz de dar um ultimato ao comandante francês La Ravardiére para evacuar a ilha, não deve se sujeitar a novas,velhas, oligarquias.

Sua (dele) ex-celência, Zé Sarney, pegue com a mão na botija do imoral, e indevido, auxílio moradia, tem a desfaçatez de considerar os Tupiniquins, Tapuias, Aimorés, Xingus, Atroaris, Bororos, Caipós e demais habitantes da terra brasilis, todos um bando de idiotas.

O cidadão em questão, vestuto membro da Academia Brasileira de Letras, ex-presidente da República e atual Presidente do Senado,vem recebendo, mensalmente, mais de R$ 3.000,00 de auxílio-moradia, verba essa destinada para aqueles parlamentares que não possuem residência em Brasília. O senador em questão, além de possuir residência própria na capital federal, ainda goza do direito de residir na residência oficial reservada para quem esteja na presidência do senado.

José Sarney pediu desculpas e alegou que não pediu auxílio-moradia e que “alguém” o teria feito em seu lugar.

Essa, nem Zé Bêdêu – o derradeiro abestado crédulo da Praça do Ferreira, em Fortaleza – engole. É muito marimbondo pra quem já foi vítima das ferroadas do estelionato eleitoral do plano cruzado. Não esqueceremos.

Ao contrário do Sarney, o povo do Maranhão vem pagando um “aluguel” oneroso para essa elite que transformou o estado em capitania hereditária.

Abaixo transcrição de artigo da jornalista Lucia Hippolito

Sarney, o escorregadio
Sarney,Auxílio Moradia,Cartuns,Humor,Política,Brasil,Políticos,Corrupção,Nepotismo

Francamente, Excelência!

Apanhado com a boca na botija recebendo mais de R$ 3.000,00 de auxílio-moradia, sendo proprietário de uma confortável residência em Brasília e dispondo ainda da residência oficial da Presidência do Senado, José Sarney pediu desculpas e alegou que não pediu auxílio-moradia e que “alguém” vem depositando em sua conta o auxílio-moradia desde meados de 2008.

(Na última terça-feira Sarney afirmara categoricamente que não recebia auxílio-moradia. Pelo visto, a memória voltou subitamente.)

O que dizer de um cidadão brasileiro que, checando sua conta bancária, encontra depósitos mensais de mais de R$ 3.000,00 e não tem a curiosidade de conhecer a identidade desse benfeitor anônimo que todo mês pinga um “capilé” em sua conta?

Sarney é um fofo!

E dizer que uma pessoa assim foi presidente da República por cinco longos anos!

José Sarney não é um iniciante na política. Bem ao contrário. Deputado federal em 1958 (há 51 anos!), governador em 1965 (com uma ajudinha do recém-criado SNI), senador, presidente da República, três vezes presidente do Senado. Sarney já foi tudo neste país.

Criou uma dinastia. Tem a filha e o filho na política.

Será que Sarney não sabe o que é certo e o que é errado? O que pode ser legalmente aceitável mas é eticamente inaceitável? Ou sabe e não se importa?

Um senador da República, presidente do Senado Federal e do Congresso Nacional, que tem residência em Brasília e tem ainda ao seu dispor a residência oficial do Senado, não lê seu contracheque ou não sabe que auxílio-moradia não se aplica?!

Desde a terceira eleição de Sarney para presidente do Senado, em 2009, os cidadãos brasileiros já tomaram conhecimento de que ele requisitou seguranças do Senado para fazer a segurança de sua residência em São Luís (MA), embora ele seja senador pelo Amapá.

Os cidadãos brasileiros também tomaram conhecimento de que, das 181 diretorias descobertas no Senado, pelo menos 50 foram criadas por José Sarney.

Os cidadãos brasileiros tomaram conhecimento, ainda, de que uma assessora para as campanhas de Sarney e da famiglia Sarney era também, nas horas vagas, diretora do Senado.

Flagrado, Sarney afastou a diretora… E a nomeou como assessora especial.

O que será que o senador Sarney pensa de nós, eleitores? Que somos um bando de bobos. Que aceitamos qualquer coisa.

Francamente, Excelência. Isto é inadmissível.

O melhor a fazer é renunciar à presidência do Senado. Além de devolver o dinheiro público, naturalmente.

blog da Lúcia Hippolito

Camões, socorro!!!

Abaixo um texto do acadêmico e ex-presidente da república José Sarney. Como pode ser constatado, o nóvel senador e autor de obras como “Maribondo de Fogo”, é fogo no quesito de escrever com clareza.

Aliás, pra manter a coerência com o ininteligível texto, o título do livro ficaria melhor assim:
“Inseto himenóptero da fammília dos vespídeos e pompilídeos, sociais ou solitários e com ferrão de Fogo.

“A verdade é que o nosso modelo, que vem dos primórdios do século 20, é de concentração de renda, de sublimação dos extremos de riqueza e pobreza que se exerce sobre pessoas, famílias e território. Nele, as regiões pobres e esquecidas do país serviram de abastecedoras de matéria-prima barata, mão-de-obra pior ainda, para criar bolsões de concentração de riqueza em determinadas áreas do Sudeste, que terminaram na tragédia de quase metade da população nacional viver em favelas, mergulhadas na miséria, na periferia das grandes capitais.”

Uáu!