Artes Plásticas – XLI

Jean Metzinger – (1883 – 1956)
Woman with a Fan


Henri Marius Camille (1859-1959) s/t s/d


Henri Matisse,Vase of Sunflowers,1898


Jessica Hayllar,Far Away Thoughts,1885


Marc Chagall,The Tribe of Benjamin,1964


Hilde van Sumere
Scheppings Verhaa – Mármore,1981


Henri de Toulouse-Lautrec
Marcelle Lender Dancing the Bolero
in Chilpéric s/d


Louise Garlieb – Orange Tree, Streptocarpus, Oleander
A Calla Lily and Cactus Flowers,1840


Georges Braque
Natureza morta com clarineta, leque e cacho de uvas,1911


 Jessica  Hayllar,A Sunny Corner 1909


Nooshin Sheekhbahi – s/t s/d


German Tatarinov s/t s/d


Alberto Petroccione – s/t s/d


Aaron Shilkler,Portrait – s/d


Carlos Costa
Theres a place remember 21x28cm


Marianne Stokes-Preindlsberger
(Austrian painter),1855 – 1927
Madonna and Child,1907-08
Tmpera on panel,80 x 60 cm


Evgeniy Monahov s/t s/d


Ernst Hugo Lorenz
Die Friedrichbrücke in Berlin,1910


Jessica Hayllar,Apple Blossom 1886


Elisabeth Louise Vegee Le Beun
Autoretrato s/d

Fatos & Fotos – 10/012/2020

Da série 15 razões para preferir jogar golfe


As ilustrações luminosas de
Tang Yau Hoong


O que desabou sobre os infelicitados habitantes de Southern Banânia, faz um estrago que nem o meteoro conseguiria. O brasileiro está impedido de entrar em vários países devido ao Covid. O  dólar explodiu encarecendo as viagens internacionais. E Alexandre Gracinha, ops!,Garcia, sustenta que a mudança do turismo, do mercado externo para o interno, foi fruto do trabalho do presidente da Embratur. O da sanfona.

O bolsonarismo redescobriu que, no Brasil, de nada adianta o racionalismo na política. Sua base está fincada nos instintos arcaicos encontrados nas sociedades de sapiens primitivos. Suas palavras chave são medo & ódio.


Pintura de Marc Chagall
L’écuyère en blanc,1941


O caso de Bolsonaro não é caso de impeachment, mas de insuficiência mental. Já houve precedência na história da Repúclica


A arte e a arte de Artur Bispo do Rosário


Design – Estantes


O plano de Bolsonaro para a vacinação contra a Covid nunca existiu. O Governo(?) primeiro mentiu e depois admitiu que não tem plano contra efeitos econômicos e sanitários do coronavírus.

O plano de Bolsonaro para a vacinação nunca existiu


Seul Coreia – Residência
Apartamento – Lab Architects



Foto do dia – Ballet – Tumblr
Agripina Yakovlevna Vaganova


Esse senhor que nos (des)governa, não é apenas asqueroso, porque asquerosas também são as hienas, mas elas não são antropófagas e cumprem seu papel no meio ambiente. Este senhor é repulsivo e repugnante, representa o que há de mais ojerizante na humanidade. Nem Hitler riu de suas vítimas publicamente.


Pintura de Isaac Levitan
Work through 1892 – Óleo s/cartão,12 x17cm


“O pior canalha que este país já produziu.”

João Ximenes Braga

Como juiz federal, Sérgio Fernando Moro, o mais célebre cidadão maringaense, destruiu a indústria da construção civil no Brasil, além da cadeia de óleo e gás. Levou à falência, numa tacada, as principais multinacionais brasileiras, entre elas a Odebrecht, que atuava em diversos países da América Latina e da África. Nisso, ele destruiu a economia do Rio de Janeiro. Muito se fala de Cabral. Nada, Cabral roubou. Quem destruiu os pilares da Economia do Rio de Janeiro foi Moro.

Os moradores de rua que transformaram o Centro da cidade num grande campo de concentração de desvalidos? Na conta do Moro.
E o que faz o Sérgio Fernando agora? Vai se alimentar da carniça do animal abatido. Foi contratado por uma empresa americana de consultoria, Alvarez & Marsal, que cuida, vejam bem vocês, que administra a falência… da Odebrecht!

Não é lindo isso? Não dá vontade de fazer cuti cuti na bochecha do Merval?
Depois de dar de bandeja a presidência ao sacolé de pus e virar seu ministro, agora ele vai ganhar um troco sugando as tripas da multinacional que ele mesmo destruiu, enquanto sua patroa promove um livro que destaca na capa “Moro X Lula”.

Não tem pra Lacerda. Não tem pra Toninho Malvadeza. Não tem pra Temer. Não tem pra Collor. Não tem nem pra Bolsonaro.
Sérgio Fernando Moro é o pior canalha que este país já produziu.


A pintura de Edvard Munch

Young Woman on the Beach,1896

Edvard Munch
Mother and Daughter,1897

Paesaggio marino,1918


Artes Plásticas – Pinturas

Peder Mork Mönsted
Woodland stream,1895


Gustav Klimt,Garden Landscape


Marc Chagall – L’arc en ciel


Tonm Dubbeldam – “Primavera”


Pablo Picasso – “Maternità”,1901


Emil Node – “Landscape”


Konstantin Korovin
Nightlife on the Rue Venis, 1932


Harold Clayton
Inglaterra (1896-1979)


Alicia Scavino


Konstantín Flavitski
Princesa Tarakânova, 1864


Nicolas Lambert – “Camille”


Edouard Vuillard
Figures Eating in a GardenWater,1913


Essam Marouf , Egypt


Bruno Varatojo – “Forms of being”


Borromeo Arese
Portrait of Charles IV,c.-1675
Detalhe


Goli Mahalati

Artes Plásticas – Pinturas

Odilon Rendon
Composizione floreale,1885


CAMILLE PISSARRO
Autunno, Montfoucauldond,1875


Ivan Shishkin
Mountain path Crimea, 1879


Léon Spilliaert – s/d – s/t


Marc Chagall


Albrecht Dürer
Self Portrait


Emil Nolde
Rain over a Marsh, c. 1938


Carl Rice Embrey, Edith, 1978


Darek Grabus
The Sea and solitude


Teresa Kershaw

Artes Plásticas – Pinturas

Marc Chagall,1959

Arne Ekeland – Norwegian,1908

Gustave Leonerd de Jonghe (1829-1893)

Edouard Vuillard – Madame Hessel,1900

Anita Malfatti-The Lighthouse,1915

Odilon Redon
Ophelia among the flowers,1900

Monet – Landscape at Giverny,1888