Fatos & Fotos – 18/02/2021

Soneto
Carlos Drummond de Andrade

Um inseto cava
cava sem alarme
perfurando a terra
sem achar escape.

Que fazer, exausto,
em país bloqueado,
enlace da noite
raiz e minério?

Eis que o labirinto
(oh razão, mistério)
presto se desata:

em verde, sozinha,
antieuclidiana,
uma orquídea forma-se.

Gravura de Fayga Ostrower


Pintura de Zhiyong Jing – s/d s/t


Mesa Diretora da Câmara dos Deputados defende cassação de Daniel Silveira. Isso, deputados, entreguem os anéis!
O deputado brucutu, transgressor, criminoso, achou que iria intimidar os coronéis do parlamento… Pato novo não mergulha fundo, imbecil bombado. Vai morrer afogado.


Sempre que um picareta disser que o certo é tirar de circulação veículos de imprensa de que não gosta e que não o faz por ser democrata, saiba de algo: não faz porque não consegue. É por falta de poder mesmo, não por amor à democracia. Nada irrita mais um tirano que limites.


Diesel vai subir 15,2% e gasolina terá alta de 10,2% nas refinarias na sexta.


Goryushkin Sorokopudov
Russian – 1873/1954


Israel confirmando a queda crescente de casos graves entre pessoas com mais de 60 anos.
Foi com spray milagroso? Não.
Foi com tratamento precoce? Não.
Foi “imunização natural”? Não.
Foi com lockdown e vacinas. Isso é o que funciona.


Risco real de genocídio! Missionários religiosos e radialistas espalham fakenews sobre a vacina em comunidades indígenas. Resultado: dos 431.983 indígenas que já deveriam ter sido vacinados, apenas 164.592 receberam o imunizante. Medo de virar jacaré, etc.


Prenderam um b**tinha, com um tanto de b**ta grande na fila antes dele, né? Quero que ele se ferre mesmo, mas não vou comemorar porque isso são apenas migalhas com um showzinho pirotécnico de mídia.


Se aquele deputado corrupto que idolatrou o torturador Ustra no dia votação do impeachment de Dilma tivesse sido preso em flagrante no mesmo instante, hoje o Brasil não estaria refém de uma milícia presidencial.


Huck, que disse ter ‘amor fraterno’ por general Villas Bôas, evita criticá-lo por tuíte contra o STF.
Eis o efeito das bactérias do cocô no raciocínio de um coprófago em estado terminal.


Pintura de Mary Hayllar
The tennis party – s/d


No dia de hoje, mas em 1972, o Fusca, carro da Volkswagen, quebra o recorde de carro mais vendido do mundo, antes ocupado pelo ModelT da Ford.


Moluscos que nunca soltaram um pio contra a Lava Jato muito preocupados com a “liberdade de expressão” de Daniel Silveira. Pior do que o bolsonarista tosco, só mesmo o enrustido, que afeta erudição para justificar o vale-tudo da extrema direita nas redes.


Aquarela de Steve Hanks – “Like a angel”


O cramulhão que queria “matar uns 30 mil” já tem 240 mil mortes no currículo. Pense num homem realizado.


O cara teve recomendação de não aprovação em concurso da PMERJ, recebe 60 advertências, fica preso mais de 80 dias por indisciplina em 5 anos de “serviço” e ainda foi considerado apto a candidato a deputado. O problema é deixar uma pessoa com tal perfil chegar a candidatura.


É muito cara de pau. “Brasil consegue vacinar 60 milhões por mês contra covid-19; só falta a vacina”, diz fundador da Anvisa.
E eu quero comprar uma ferrari. Só falta o dinheiro.


Giuseppe Alleto – Ecstasis n.8
grafite e carvão sobre papel


Vão fritar o jumentão Depufede Daniel quem(?) O comedor de alfafa é muito burro. O verme pede a volta do AI5 e, simultaneamente a imunidade parlamentar. Duas coisas incompatíveis. O cérebro de ameba, na vigência do AI-5, à essa altura, já estaria hoapedado no “hotel” do Ustra.


A demora na vacinação em massa no país não é por acaso. Estamos sob o tacão uma necropolítica pentecostalibã que vem se instalando no Brasil, liderada pelo pior presidente da história.


Não falha. Não é mesmo?


Para quem está contestando a prisão do Daniel Silveira e a não-prisão de Flordelis, há diferenças essenciais: – Daniel foi preso em flagrante – No caso de Flordelis não houve flagrante, sua prisão precisa preencher outros requisitos legais.



A tropa de choque Bolsonarista anda dizendo nas redes sociais que não concorda com a opinião do deputado Daniel “mamãe sou forte ” Silveira, mas que ele tem direito a se expressar. Ou seja, o sentimento democrático dessa turma é de emocionar . Pena que não seja verdade.


Reino Unido não financiará mais projetos ligados a petróleo, gás ou carvão pelo mundo. Decisão foi anunciada na Cúpula do Clima que reúne 70 países empenhados em cumprir o Acordo de Paris. Brasil não foi convidado pela ONU. Perda de credibilidade dá nisso.


Pintura de Matteo Massagrande
Interior,2015


Podem anotar aí, ano que vem Europa e EUA vão começar a exigir imunização contra a COVID-19 pra entrar, aí não vai faltar bacana entrando com ação pra conseguir a vacina no Brasil pelo SUS. E não vai faltar liminar. Afinal, voltar a curtir Orlando será essencial.


Foto do dia

Flickr


Inteligente – pro mal – é o Mandetta, que contribuiu para o sucateamento do SUS, apoiou, votou e fez parte do governo Bolsonaro, mas pulou do barco atirando e hoje é visto com respeito e até simpatia por muita gente, inclusive por setores da esquerda. Povo com memória fraca, no mínimo.


Mais mensagens aparecem: cooperação da Lava Jato com EUA foi permanente e ilegal; Deltan e Moro esconderam tudo do STF

Em nova petição ao STF, defesa de Lula prova nesta quarta que a cooperação ilegal da Lava Jato com FBI, Departamento de Justiça e outras instituições dos EUA era intensa e permanente. Ela foi propositadamente escondida do STF e da defesa do ex-presidente.


Grafiti de Carl Alexandersson,NY,USA


O que acontece quando você entrega documento com assinatura falsificada à justiça? E quando o documento é o plano nacional de imunização contra a covid? E quando a justiça é a mais alta côrte do seu país?


A extrema direita no Brasil é de uma estupidez imensurável. É um estranho pais onde uma pessoa vai presa por pedir um novo AI-5 e o pessoal pede sua soltura alegando que é preciso respeitar a Constituição. É consequência de uma dieta de alfafa estragada ao molho de cocô de ameba.

Bolsonaro parece ter raiva dos mortos pela covid-19, afirma Mandetta


Mandetta considera gestão do governo desastrosa no combate à pandemia – Marcello Casal Jr./ABrMarcello Casal Jr./ABr

O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta deu nota 3, de 0 a 10, para o governo Bolsonaro ao avaliar a condução do Executivo no enfrentamento da pandemia de covid-19. Em entrevista ao jornal O Globo, Mandetta disse que o presidente tem atuação desastrosa na crise, que demonstra mais apreço pela economia do que pela vida das pessoas e parece ter raiva dos brasileiros que perderam a vida para o vírus.

“O número de mortes fala por si. Ele (Bolsonaro) teve uma condução desastrosa. A desautorização do ministro em público, ‘manda quem pode e obedece quem tem juízo’; o ‘e daí?’; ‘não sou coveiro’; ‘gripezinha’; ‘está no final’. Está no final nada.

Se teve alguma coisa digna de nota eu não saberia te citar. Nós conseguimos ativar a indústria brasileira de respiradores, foi uma coisa que conseguimos fazer quando eu estava lá, conseguimos abrir 15 mil leitos de UTI, que é uma coisa positiva.

Agora, eles deixaram 7 milhões de kits no almoxarifado. O governo federal deixou as pessoas à própria sorte. Não vi nem sequer se solidarizar com quem perdeu um membro da família. É quase como se tivessem raiva das pessoas que morreram. Quem morreu é culpado.”

Para Mandetta, Bolsonaro militarizou o Ministério da Saúde e abriu uma crise tripla: “de prevenção, atendimento e vacina”. O ex-ministro considera que o titular da pasta, o general Eduardo Pazuello, não conhece nada da área.

“Ele falou várias vezes que entre a saúde e a economia, ele ia ficar com a economia. E a população começou a construir as suas linhas de defesa sem contar com a liderança da figura maior do governo. Vimos o Ministério da Saúde falando uma coisa e ele falando outra.

Ele começou a criticar todo e qualquer prefeito e governador que fizesse qualquer coisa para diminuir a velocidade de transmissão para não carregar o sistema de saúde, que era o principal problema da doença. Depois ele me troca, coloca um médico. É impossível para um médico com base científica fazer política de governo, firmar uma recomendação, uma prescrição médica.

Aí ele põe um militar para oferecer ordem. Faz uma intervenção militar na Saúde, mas um militar não tem a menor noção do que é Saúde. A gente passa a ter um governo federal que sai completamente do enfrentamento da Saúde e com o argumento de que o problema era de logística. Nunca foi, o problema era de Saúde pública, muito mais complexo do que carregar caixa para lá e para cá. E agora tem uma crise tripla, de prevenção, atendimento e vacina.

Mandetta, que foi demitido após confrontar o presidente ainda no início da pandemia, admite que esperava que o vírus não se propagaria de forma tão acelerada.

“Gostaria muito de ter tido melhor percepção, porque quando a China apresentou a doença, eles apresentaram como um vírus pesado, que se você identificasse a pessoa e bloqueasse os contatos dela, ele parava (de disseminar). A gente se preparou com essas informações para um vírus lento. Somente quando ele entrou na Itália, que fez aquele estrago no sistema italiano, e foi fazendo estrago na Inglaterra, na Espanha e se mostrou extremamente capaz de transmitir, é que vimos que estávamos diante de um vírus extremamente competente. Se eu soubesse que era um vírus tão competente em termos de transmissão, teria feito um sobredimensionament

Esse é o golpe que vão tentar nos aplicar em 2022: vender lobo extremista em pele de cordeiro centrista

Folha, Globo e Estadão querem te convencer de que os ex-bolsonaristas Moro e Huck são ‘de centro’

Ilustração: Rodrigo Bento/The Intercept Brasil; Getty Images

Pelos próximos dois anos, a grande imprensa irá martelar que Moro-Huck e Doria-Mandetta são as únicas opções para unir o Brasil. Não chega a ser um estelionato novo.

Um novo embuste eleitoralestá sendo armado no Brasil. Luciano Huck e Sergio Moro estão articulando uma chapa para concorrer à presidência em 2022. A ideia é formar uma candidatura que seja anti-bolsonarista e anti-petista para vendê-la como uma opção moderada de centro. Moro citou também Mandetta e Doria como nomes de centro que poderiam integrar a frente.

Direitistas se vendendo como centristas não chega a ser um estelionato eleitoral novo, pelo contrário. Até a chegada do bolsonarismo, a direita tinha vergonha de se assumir. Direitistas eram liderados pelo PSDB, um partido de origem centro-esquerdista que migrou para a centro-direita, mas nunca se assumiu como tal. Essa vergonha era algo natural depois que a direita ficou marcada pelos anos de ditadura militar. Bolsonaro, que era voz única na defesa do regime militar, ajudou a resgatar o orgulho direitista. Mas, após a tragédia implantada pelo bolsonarismo no Planalto, parece que a vergonha começa a voltar – para alguns.

A grande imprensa brasileira ajudou a forjar o engodo, comprando exatamente o que Moro disse na ocasião. Noticiou o nascimento de uma terceira via moderada, como se dois dissidentes do bolsonarismo, que até ontem surfavam a onda do radicalismo, pudessem liderar um projeto moderado de centro. Criou-se, assim, um consenso no noticiário de que eles são o que realmente dizem que são. É o jornalismo declaratório e acrítico, que se limita a reproduzir as falas de políticos, mesmo as mais absurdas.

Algumas manchetes mentirosas passaram a circular na praça: “Moro, Huck e o caminho do centro contra Bolsonaro e o PT em 2022” ou “Moro Huck, Doria Mandetta: centro se articula para 22″, entre outras tantas.

Fabio Zanini, da Folha de São Paulo, escreveu que Huck e Moro são “dois dos principais nomes do centro no espectro ideológico na política”.

O que são essas frases senão a mais pura e cristalina definição de fake news? Como é que ex-apoiadores do bolsonarismo podem ser considerados de centro? Moro, Huck, Doria e Mandetta romperam com o bolsonarismo não por questões ideológicas, mas por conflitos de interesses. Entre um professor progressista e um apologista da tortura e da ditadura militar, todos eles, sem exceção, optaram pelo apologista da tortura e da ditadura militar. De repente, toda essa gente virou moderada de centro? Uma ova.

Mas como é possível enganar a população assim de maneira tão descarada? Bom, os jornais gastaram muita tinta nos últimos anos pintando Lula e Bolsonaro como dois radicais, como dois lados de uma mesma moeda. Choveram editoriais equiparando os dois nesses termos. O ex-presidente é notoriamente um homem de centro-esquerda, que liderou por oito anos um governo de coalizão que abrigava até mesmo partidos de direita. Portanto, pintá-lo como o equivalente de Bolsonaro dentro do espectro de esquerda é uma mentira grosseira. Diante desse cenário forjado, artificialmente polarizado por dois extremistas que já estiveram no poder, fica mais fácil vender a ideia de que a única saída é pelo centro. Ainda mais quando esse centro é representado por um apresentador da Globo e um ex-juiz que é o herói da imprensa lavajatista.

A única participação de Moro na política partidária foi integrando um dos principais ministérios de um governo de extrema direita. O tal centrismo de Moro fica ainda mais ridículo quando ele sugere que general Hamilton Mourão, outro defensor da ditadura militar e do torturador Ustra, é também um homem de centro apto a fazer parte da sua articulação.

Sergio Moro não abandonou o bolsonarismo por divergências ideológicas. Não rompeu porque suas ideias centristas colidiram com o radicalismo. Ele pulou fora porque Bolsonaro interveio no seu trabalho, que até então era elogiadíssimo pelos extremistas de direita. Não há nenhuma razão objetiva que justifique enquadrá-lo no centro a não ser os desejos da ala lavajatista da grande imprensa, que ainda é hegemônica. É uma bizarrice conceitual que lembra a pecha de “comunista” que Moro ganhou das redes bolsonaristas após sua saída do governo. É a ciência política aplicada no modo freestyle.

Esse é o golpe que vão tentar nos aplicar em 2022: vender lobo extremista em pele de cordeiro centrista.

Doria e Mandetta até pouco tempo atrás apoiavam o bolsonarismo. São homens de direita que toparam o radicalismo de Bolsonaro sem nenhum problema. São direitistas que estão mais próximos da extrema-direita do que do centro. E Luciano Huck? Bom, a sua trajetória não deixa dúvidas de que é um homem de direita (escrevi a respeito no ano passado). O seu voto em Bolsonaro deixou claro que ele é capaz de apoiar a extrema direita para evitar alguém de centro-esquerda.

A ideia de que Huck poderia ser presidente nasceu na cabeça de Paulo Guedes, o economista que colaborou com o regime sanguinário de Pinochet e que foi — e ainda é — o fiador da extrema direita no Brasil. O apresentador da Globo foi cabo eleitoral do seu amigo Aécio Neves e já exaltou o Bope nas redes sociais. É um histórico incompatível com a aura de centrista moderado que ganhou da grande imprensa.

Apesar de algumas pinceladas progressistas em questões envolvendo o meio ambiente, por exemplo, Huck também está mais próximo da extrema direita do que do centro. A Folha de S. Paulo tem dado enorme contribuição para a consolidação dessa imagem de centrista moderado, já que frequentemente oferece espaço para que este condenado por crime ambiental possa escrever em defesa do….meio ambiente.

O fato é que o centro na política brasileira é uma ficção. Ele é a direita que se pretende moderada, mas que topa apoiar um candidato fascistoide se o seu adversário for um homem com perfil moderado de centro-esquerda. A grande imprensa está tratando esse oportunismo como uma alternativa para o país que chegará em 2022 arrasado pelo bolsonarismo. Durante as últimas eleições, a Folha emitiu um comunicado interno exigindo que seus jornalistas não classificassem Bolsonaro como alguém de extrema direita. Isso significa que a direção do jornal não quis contar a verdade para o eleitor. Tudo indica que esse ilusionismo continuará com a fabricação dessa chapa centrista e moderada formada por legítimos direitistas que suportaram um projeto neofascista.

As chances dessa terceira via fake não vingar são grandes. As pretensões dos envolvidos são grandes demais. Moro, Huck ou Doria aceitariam ser o vice dessa chapa? Difícil, mas a tática direitista de se camuflar de centro deverá ser aplicada, mesmo que com outros personagens.
Blog do João Filho