Constituição,Lixo,Blog do Mesquita

Lula e o STJ – 2

Constituição,Lixo,Blog do MesquitaEu não escrevi pela manhã, esquerdinhas tolinhos, que era mais fácil o Carluxo aparecer sem o primo do que o STJ conhecer do recurso impetrado pela defesa do Lula?

E mais; o STJ criou mais um Código de Processo Penal. O Bananil assim passa a ter dois Códigos de Processo Penal. O Código de Processo Penal e o Código de Processo Penal do Lula. Desde quando o então político e juiz Sérgio Moro jogou a Constituição Federal ao lixo, todo o ordenamento jurídico, que é a base de um Estado Democrático e de Direito foi trincado.
Que os saberes de Pontes de Miranda, José Afonso da Silva e Paulo Bonavides nos socorram.

Lixo Urbano,Poluição,Blog do Mesquita

Desafio do lixo é o melhor desafio que a internet já viu e você deveria aderir

Depois do bizarro “Desafio do Preservativo”, a internet se reúne para fins mais produtivos: limpar o mundo. Trata-se do “Desafio do Lixo“, uma brincadeira sustentável que tomou conta das redes sociais.Lixo Urbano,Poluição,Blog do Mesquita

A ideia surgiu quando um usuário do reddit publicou fotos de uma área repleta de lixo, com uma pessoa mostrando o antes e depois do local. A mensagem ia mais longe e desafiava os outros a fazer o mesmo: “Aqui vai um novo desafio para vocês, adolescentes entediados. Tire uma foto de uma área que precisa de um pouco de limpeza ou manutenção, então tire uma foto depois que você tiver feito algo sobre isso e poste aqui“.

Desafio dado na internet é desafio aceito – e, dessa vez, por uma boa causa.

Após a publicação, os usuários da plataforma decidiram em conjunto utilizar a #trashtag para postar imagens de áreas que passaram por suas intervenções. Só no Instagram, mais de 24 mil pessoas já utilizaram a hashtag, mostrando o resultado do desafio.

No reddit, um fórum com mais de 1,5 mil inscritos foi criado para compartilhar os resultados e mostrar que, se cada um fizer a sua parte, podemos juntos caminhar rumo a um mundo mais limpo. Vem ver!

Foto via

Antes e depois de limpeza de lixo no Nepal

Foto via

Foto via

Foto via

Foto via

Foto via

Foto via

Foto via

Foto via

Foto via

Não irá sobrar nada

LIXO PLÁSTICO, UM DESAFIO PARA O PLANETALixo,Plástico,Poluição,Blog do Mesquita

Grandes vítimas

Mesmo os animais maiores sofrem os efeitos do consumo de plástico. Esta baleia foi encontrada na Tailândia. Durante a tentativa de salvamento, o animal vomitou cinco sacos plásticos e morreu. Na autópsia, os veterinários encontraram 80 sacolas de compras e outros dejetos plásticos que entupiam o estômago da baleia, de modo que ela não conseguia mais digerir alimentos nutritivos.

Ambiente: Lixo plástico, um desafio para o planeta

A era do plásticoLixo,Plástico,Poluição,Blog do Mesquita

Leve, durável, flexível e muito popular. O mundo produziu 8,3 bilhões de toneladas de plástico desde o início da produção em massa, nos anos 50. Como o material não é facilmente biodegradável, muito do que foi produzido acaba em aterros como este, nos arredores de Nairóbi. Catadores de lixo caçam plásticos recicláveis para ganhar a vida. Mas muito também acaba no oceano.

O lixão de plástico do Pacífico

The Ocean Cleanup,Blog do Mesquita

 

Clique sobre as imagens para ampliá-las

O sistema de limpeza da The Ocean Cleanup. DIVULGAÇÃO 

O projeto da fundação holandesa The Ocean Cleanup, financiado com 20 milhões de dólares, entra em sua fase operacional.

Durante sua instalação em San Francisco, parecia uma serpente marinha gigante. Mas é uma obra de engenharia realizada para reduzir pela metade, em cinco anos, o enorme lixão oceânico de plástico chamado Great Pacific Garbage Patch (O grande remendo de lixo do Pacífico, em tradução livre). O projeto, desenvolvido pela fundação holandesa The Ocean Cleanup durante os últimos cinco anos, já está em sua etapa de funcionamento. A obra consiste numa barreira formada por um tubo flutuante de 600 metros de comprimento, que criará uma espécie de U para segurar os resíduos graças ao empurrão do vento e das ondas. Um pac-man dos mares, segundo os próprios responsáveis pelo projeto. A ideia é que o plástico seja recolhido com barcos e levado à costa para ser reciclado. Mas parte da comunidade científica levanta dúvidas sobre a eficácia da operação, que custou mais de 20 milhões de dólares (83,2 milhões de reais) e os possíveis riscos para a fauna marinha. Os testes, que começaram neste sábado antes do início da operação, serão fundamentais para averiguar essas possibilidades.

Tudo começou em 2013 por iniciativa de Boyan Slat, um holandês que tinha 18 anos na época. O jovem ficou impressionado com a quantidade de resíduos que encontrava quando ia mergulhar e decidiu arregaçar as mangas para buscar soluções, como informa o site da The Ocean Cleanup. Slat queria criar um método viável de concentração e recolhimento do lixo marítimo, e fundou a organização para desenvolver novas tecnologias. Pouco mais de um ano depois, cerca de 100 cientistas voluntários haviam se somado ao projeto. E a organização arrecadou quase 2,2 milhões de dólares (9,15 milhões de reais) com uma campanha de crowfunding.

Os pesquisadores que aderiram à iniciativa realizaram diversos estudos da área afetada pelo lixão de plástico. Poucos meses atrás, os principais resultados de suas observações saíram na Scientific Reports. O Great Pacific Garbage Patch abrange uma área de 1,6 milhão de quilômetros quadrados, segundo os cálculos da fundação. Ali já se acumulam 1,8 bilhão de resíduos de plástico, ou 80.000 toneladas. “Uma porcentagem significativa dos plásticos acaba retida em redemoinhos criados pelas correntes”, explica a The Ocean Cleanup. “Uma vez preso ali, o plástico se desfaz e se transforma numa armadilha para a fauna marinha, enganada pela aparência de comida.”

The Ocean Cleanup,Blog do Mesquita
Para a organização, tentar coletar todo esse lixo com embarcações e redes seria caro demais e geraria emissões prejudiciais ao meio ambiente, além de danos à fauna marinha. A The Ocean Cleanup diz que é mais viável um método “passivo” de concentração dos resíduos, que se move no mesmo ritmo que as correntes. Daí a ideia de utilizar uma barreira flutuante, chamada System 001: um tubo com uma cortina de três metros de profundidade que captura o plástico e, ao mesmo tempo, deixa livre a passagem de peixes debaixo dela.

A fundação iniciou a fase operacional do projeto. O tubo foi instalado com um barco do porto de San Francisco rumo a uma zona intermediária em relação ao Great Pacific Garbage Path, situado a 240 milhas náuticas da costa. Um período de testes de duas semanas vai averiguar a eficácia do sistema. Se tudo sair como o previsto, a obra de engenharia será transportada diretamente à zona do lixão.

As dúvidas dos cientistas

Ainda restam dúvidas sobre a viabilidade da tecnologia. Alguns oceanógrafos expressaram sua preocupação ante a possibilidade de que o sistema possa causar danos aos animais marinhos. “Na parte superficial do mar, há organismos de todo tipo”, afirma Jesús Gago, do Instituto Espanhol de Oceanografia. “O esquema apresentado parece que vai arrastando tudo. Pode existir esse risco [danos à fauna marinha]. Com os testes, virá a prova de fogo.”

Outra crítica é sobre a viabilidade econômica dessa estrutura tecnológica. “A proposta de Boyan tem muito mérito. É uma pessoa com iniciativa, e o que fez é impressionante. Mas a mensagem de que é preciso investir milhões para retirar plásticos do meio do oceano me deixa mais cético”, diz Gago. Em sua opinião, não se deve esquecer da importância da prevenção para evitar o impacto da poluição de plástico. Quantias tão grandes de dinheiro poderiam ser usadas “para evitar que o plástico chegue ao oceano, em vez de ir pescá-lo em lugares remotos”, considera.

The Ocean Cleanup,Blog do Mesquita
A fundação explica que os testes servirão para esclarecer os aspectos críticos do projeto, já que os protótipos e os experimentos prévios não puderam tirar todas as dúvidas. Por exemplo, será avaliada a resposta do sistema aos movimentos provocados pelo vento e as correntes, além da capacidade de concentrar e reter o plástico capturado e da resistência a elementos disruptivos do oceano, como as ondas e a corrosão provocados pelo sal. A fundação também informa que diversos organismos, como a Universidade de Miami e a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional, dos EUA, ofereceram assessoria para garantir que a barreira flutuante não gere impactos negativos aos animais marinhos.

Os testes do sistema já começaram, segundo a The Ocean Cleanup. O trajeto pode ser monitorado em tempo real no site da fundação, graças a um sistema de localização por GPS instalado no tubo. O Great Pacific Garbage Path fica cerca de 1.000 milhas mais longe. Os engenheiros da fundação estimam que o sistema de coleta de lixo levará duas ou três semanas para alcançar o lixão após o período de testes. As etapas seguintes do projeto preveem que, “de poucos em poucos meses”, um barco se aproximará do lixão para recolher os resíduos concentrados. A organização também estuda formas para reciclar todo o plástico recuperado e tornar economicamente sustentável o processo de limpeza das águas com a venda de produtos feitos a partir desse material. Gago acredita que essa missão terá suas dificuldades. “São materiais afetados pela exposição solar e a água do mar. Não tenho certeza se esse material pode ser usado numa usina de reciclagem de maneira simples”, afirma. A fundação pretende desenvolver até 60 sistemas parecidos para estender as operações de limpeza a outros lixões de plástico oceânicos.
DW

Lixo Nuclear: Um Problemão

A difícil busca pelo depósito definitivo de lixo nuclear

Symbolbild Radioaktivität - Atommüll (picture-alliance/ZB/J. Büttner)

Há mais de seis décadas, usinas nucleares em todo o mundo geram resíduos radioativos, e nunca se encontrou uma solução para o armazenamento final – por milhões de anos.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Em 2016 entraram em funcionamento dez reatores nucleares em todo o mundo, além de outros dois no primeiro semestre de 2017, segundo o relatório World Nuclear Industry Status Report, publicado na sexta-feira passada (08/09).

Seis dessas novas usinas estão localizadas na China, que passou ao terceiro lugar entre as cinco maiores potências geradoras de energia atômica, depois dos Estados Unidos e da França.

Juntas, as cinco grandes produtoras geram 70% desse tipo de energia no mundo, cabendo a metade aos EUA e França.

Uma vez que, nesse mesmo período, apenas quatro reatores foram desativados, torna-se ainda mais premente a decisão de o que fazer com os resíduos radioativos – uma questão que ainda não foi devidamente respondida.

Oposição da população alemã

Em setembro de 2017, a Alemanha começará a procura por um local definitivo para armazenar seu lixo atômico. Uma comissão especial está encarregada de rastrear o país em busca de um sítio geológico apropriado à construção de um depósito profundo. Nele ficará enterrado, de uma vez por todas, o legado de décadas de produção de energia nuclear.

O governo alemão espera encontrar esse local até o ano de 2031. No entanto, críticos estão céticos de que o prazo seja viável. Há questões técnicas complexas, por exemplo se argila, granito ou sal oferecem a melhor proteção contra vazamento ou contaminação. O sítio deve fornecer segurança por 1 milhão de anos, portanto os cientistas querem estar certos de que ele resistirá a ocorrências como eventuais eras glaciais.

O maior desafio, contudo, será persuadir as comunidades a aceitar um depósito de lixo atômico “no seu quintal”. No fim dos anos 1970, por exemplo, a Alemanha Ocidental decidiu testar uma mina de sal em Gorleben, na Baixa Saxônia, como possível depósito definitivo: seguiu-se uma batalha de décadas, com os moradores locais protestando veementemente contra o projeto.

Os opositores argumentavam que a área pouco populosa e próxima à fronteira com a antiga Alemanha comunista, teria sido escolhida por motivos políticos, e não científicos. Levantaram-se também objeções técnicas.

O especialista americano em assuntos nucleares Robert Alvarez destaca que a Alemanha ao menos dispõe de um conjunto de critérios científicos para selecionar um sítio que seja geologicamente estável e preserve os contêineres da oxidação e consequente corrosão. Em comparação com o governo dos EUA, Berlim “tem prestado mais atenção aos geólogos e aos especialistas em segurança nuclear”.

-Protest (DW/A. Buchberger)Protesto em Berlim contra depósito temporário de Gorleben

Segurança questionável nos EUA

Nos EUA, o presidente Donald Trump tomou iniciativas para reiniciar as obras num depósito na Montanha Yucca, antigo local de testes de armas nucleares no remoto deserto de Nevada. Segundo Alvarez, a escolha do sítio, ocorrida antes da eleição de 1988, foi resultado de uma jogada política do Congresso, que descartou um estudo sobre possíveis locações por todo o país.

“As pessoas ficaram loucas, e isso assustou os políticos que concorriam na eleição. Então, em 1987, quando o processo estava se desenrolando, o Congresso simplesmente mudou a lei e disse: ‘Vamos colocar o depósito em Yucca, vocês todos estão fora de perigo’.”

O pesquisador sublinha que o local já estava contaminado pelos testes nucleares, e que na época Nevada só dispunha de quatro votos no colégio eleitoral que escolhe o presidente. No entanto as condições geológicas na montanha estão longe de ser ideais, exigindo ventilação em grande escala por pelo menos cem anos a fim de manter baixa a temperatura dos resíduos.

“Há um monte de baboseira sobre Yucca ser o melhor local”, afirma Alvarez. Melhor seria um sítio granítico, como os que estão sendo explorados na Finlândia e na Noruega. “Temos uma grande extensão de solo de granito em nosso país, mas fica em áreas populosas”, observa o especialista.

Atommüll Fässer inArchiv 2009 (picture-alliance/dpa)Tonéis contendo lixo atômico em Morsleben, Alemanha, ilustram problema ainda em aberto

Obstáculos em aberto na Europa

A Finlândia ocupa as manchetes internacionais com o que se tem saudado como o primeiro depósito nuclear permanente de longo prazo do mundo, a 400 metros de profundidade no leito granítico do litoral oeste.

Segundo Alvarez, os países escandinavos estão se afirmando como a vanguarda no setor. Ainda assim, não há garantias de que os depósitos de granito profundos continuarão seguros daqui a centenas de anos, como pretendem os finlandeses. “Para dizer o mínimo, essa afirmativa contém fortes elementos de especulação. Como prever como estará o mundo daqui a cem anos?”, objeta o cientista.

Outros países enfrentam dificuldades ainda maiores. “O problema na Finlândia e na Suécia é muito simples”, diz Andy Blowers, do grupo independente de especialistas Nuclear Waste Advisory Associates. “Elas têm um tipo de geologia, e em grande quantidade, têm poucas usinas elétricas e, portanto, um volume definido de resíduos.”

A França, que gera três quartos de sua energia de fontes termonucleares, planejava abrir em 2030 um depósito em Bure, no sul. No entanto, assim como no caso da montanha Yucca, o local apresenta uma série de problemas técnicos e de segurança, e ativistas vêm protestando contra o projeto.

No Reino Unido, os planos para um depósito definitivo próximo ao sítio de desmantelamento e reprocessamento nuclear foram cancelados, em seguida a consultas junto ao público e a autoridades científicas.

Também devido à oposição do público, em meados deste ano o governo da Austrália abandonou seus planos de um depósito internacional, onde iria se armazenar lixo atômico de todo o mundo.

Depósito geológico na Finlândia: solução final – ou não?Depósito geológico na Finlândia: solução final – ou não?

Seco ou molhado?

Assim, antes mesmo de a Finlândia começar a encher seu novo depósito, os resíduos acumulados pelo mundo em mais de seis décadas de energia nuclear estão basicamente esperando sobre o solo, em instalações temporárias. Com graus variáveis de segurança, essas instalações nunca foram pensadas para concentrar tanto lixo radioativo, nem por tanto tempo.

Também neste ponto, Alvarez considera a posição da Alemanha melhor do que a de muitas outras nações: por um lado, ela tem utilizado contêineres que são “Mercedes”, comparados aos “velhos Chevrolets” dos EUA, bem mais espessos e aptos a manter os resíduos em segurança por mais tempo.

Uma decisão importante é se o armazenamento de dejetos atômicos deve ser seco ou em piscinas. Os dejetos precisam ser mantidos resfriados em líquido, mas se este evapora, o lixo radioativo se aquece rapidamente, resultando em incêndios cujas consequências superariam Chernobyl de longe, preveem analistas.

Durante o acidente de Fukushima, em 2011, essa catástrofe esteve em cogitação por um breve período, quando uma piscina contendo um reator inativo foi seriamente danificada. No entanto um outro vazamento voltou a enchê-la. Sem esse acaso feliz, dezenas de milhões de japoneses – talvez até 27% da população total, segundo certos especialistas – teriam de ser removidos.

No entanto, apesar de todos os perigos e das recomendações dos analistas para que se opte pelo armazenamento seco em contêineres, países como França, Reino Unido, Coreia do Sul e EUA continuam depositando resíduos atômicos em piscinas.

Das piscinas para a eternidade

Especialistas apontam que a questão mais premente não é encontrar locais definitivos para o armazenamento, mas assegurar que os temporários sejam seguros e permaneçam assim até estar resolvida a charada de como eliminar os dejetos mais tóxicos que a humanidade já gerou. “Desconfio que o que temos pela frente é um período bem mais longo de depósitos de superfície”, prevê Alvarez.

O alemão Mycle Schneider, analista independente de política nuclear e principal autor do relatório anual sobre o status do setor, diz não estar nem mesmo convencido de que o armazenamento geológico devesse ser a meta final: o lixo atômico precisaria sobretudo estar acessível para o caso de se encontrar um meio mais eficaz de dispor dele.

Por enquanto, a questão é encontrar a solução menos ruim. “A coisa é bem clara: tirar o mais rápido possível o combustível usado das piscinas e colocá-lo em armazenamento seco, mesmo que, para início de conversa, isso não seja o ideal. Depois, passar ao próximo estágio, que é uma construção adequada, e depois a um depósito reforçado, como um bunker. A partir daí, pode-se começar a pensar na eternidade.”

DW

A imprensa e as redes sociais na guerra contra o lixo

São mais de 7 bilhões de pessoas ao redor do mundo gerando lixo diariamente e as previsões são de que até 2025 a tonelagem seja o dobro das atuais.
Lixo urbano Wikimedia CC
Lixo urbano na Indonésia. Foto: Wikimedia / CC

Por Cristiana Cyrino Borges de Andrade e Cláudio Magalhães

Segundo o Banco Mundial (2012), em 2025 serão 4,3 bilhões de habitantes urbanos (contra 2,9 bilhões em 2002), produzindo 1,42 quilo de lixo por dia, num total de 2,2 bilhões t/ano. Além do planeta dar sinais de esgotamento por acumular tantos resíduos, mostra que o modelo de exploração dos recursos naturais está fadado ao fracasso.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

As consequências das mudanças climáticas, nos âmbitos ambiental (degelo da Antártida, desaparecimento de espécies vegetais e animais etc.) e saúde pública (retorno de doenças antes erradicadas e a proliferação de vetores que disseminam outras patologias, como o aedes aegypti, transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus), e mais recentemente o temor de uma epidemia de febre amarela no país, são demonstrativos dessa falência.

De acordo com o Ministério do Meio Ambiente (2013), o Brasil desperdiça, a cada ano, cerca de R$ 10 bilhões por falta de destinação adequada de resíduos. Dados da Abrelpe (2014) mostram que58,4% dos resíduos coletados no país tiveram destinação adequada (aterro sanitário), mas “mesmo com uma legislação mais restritiva […], 3.334 municípios, correspondentes a 59,8% do total, ainda fazem uso de locais impróprios para destinação final dos resíduos coletados”.

Diante desse cenário, é importante refletir de que forma os meios de comunicação – analógicos e digitais – podem contribuir de forma assertiva para a disseminação de informações de qualidade e a ampliação do debate sobre o tema na sociedade. Notadamente, percebemos que a grande imprensa rotineiramente abre espaço para temas como aquecimento global, degelo do Ártico, aumento das temperaturas, mas raramente para uma análise local dos problemas, por exemplo, trazendo a questão para o Brasil. Geralmente o tema “resíduos” ganha destaque na mídia nacional quando os garis paralisam os serviços de coleta ou ocorre algum problema em um aterro sanitário.

A greve dos garis no Rio de Janeiro durante o carnaval de 2014 foi uma excelente oportunidade para a sociedade brasileira se debruçar sobre o debate dos resíduos sólidos frente à nova legislação e o desenfreado descarte de resíduos. O que se viu durante sete dias foram montanhas de plásticos, garrafas de água, latas, caixas de papelão e, claro, lixo comum transbordando por toda a capital fluminense. Não teria sido esse um ótimo momento para uma mobilização emergencial de educação ambiental com os cariocas? Com os turistas foliões?

Numa análise superficial do noticiário dos dois jornais de maior circulação no Brasil – O GloboFolha de S.Paulo –, ambos se limitaram a retratar os fatos, claro, dando ênfase à gravidade da situação, às doenças correlacionadas, como leptospirose e diarreias, mas não avançaram no debate chamado a sociedade para a corresponsabilidade, nem situando a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) nesse contexto.

O envolvimento da sociedade

O Globo publicou uma nota de opinião, levantando a hipótese de oportunismo político do movimento, em pleno carnaval, com a cidade repleta de gente e com 3 mil toneladas de lixo pela cidade todos os dias, sem desmerecer que os garis podiam ganhar mais. No bate-pé entre Prefeitura do Rio e garis, os trabalhadores dos resíduos venceram: pediram R$ 1.200 e levaram R$ 1.100, um aumento real de 37%, em cima do salário de R$ 803.

Um dos preceitos da política nacional é reduzir a geração de resíduos, e para isso é necessário que as pessoas acessem o mínimo de informação para se mobilizar, como atestam Braga e Mafra (2000): “Além disso, precisam compartilhar visões, emoções e conhecimentos sobre a realidade das coisas à sua volta, gerando a reflexão e o debate para a mudança.”

Pensar em políticas públicas e de mobilização da sociedade para reduzir a geração de resíduos e fazer seu descarte de forma correta é essencial. Com esse intuito, foi desenhada, depois de 20 anos tramitando no Congresso, a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), legislação que prevê uma série de exigências a todos os 5.570 municípios brasileiros. Entre elas, e uma das mais significativas, é a construção do plano municipal de gestão dos resíduos sólidos, que cada cidade deve ter. Nesses planos devem constar, entre vários itens, a implantação da coleta seletiva com a participação de cooperativas ou outras formas de associação de catadores de materiais reutilizáveis e recicláveis; e a adoção de programas e ações de educação ambiental que promovam a não geração, a redução, a reutilização e a reciclagem de resíduos sólidos .(PNRS, 2012)

Uma das questões colocadas pela nova legislação é a responsabilidade compartilhada, que prevê o envolvimento de toda a sociedade, incluindo população, indústria, comerciantes, importadores, distribuidores, consumidores finais e serviços públicos de limpeza urbana com a questão, considerada um princípio norteador da PNRS, por Costa e Crespo (2012): “É uma mensagem para que todos os atores façam sua parte.”

Comunicação para o desenvolvimento humano

Mais do que envolver a população, é fundamental que a questão seja tomada com política de governo, como bem descreve Acselrad (2000): “A participação democrática e a socialização da política seriam condições do desenvolvimento, que contaria com a participação da sociedade nos fóruns de discussão sobre as decisões de interesse público.”

Na visão de Acselrad, um caminho viável do desenvolvimento é repensar as articulações entre dimensões econômicas, sociais e político-institucionais. Um dos modelos seria movido pelos processos temporais de inovação, velocidade de circulação da informação e o uso do conhecimento tecnológico. O outro teria foco na cidadania como condição do desenvolvimento.

Se o envolvimento da população se mostra como essencial para o sucesso de um processo de mudança – nesse caso, o da redução de geração de resíduos e adoção na prática diária de medidas ambientais, separação de materiais e destinação para a coleta seletiva –, a comunicação para o desenvolvimento humano e social, bem como para a promoção da autonomia dos sujeitos, se apresenta como item fundamental de mobilização social, à medida que, segundo Marteleto e Silva (2004), o acesso à informação é um elemento-chave para o desenvolvimento econômico e social de comunidades e grupos sociais.

“A capacidade de obter informações, além dos contornos restritos da própria comunidade, é parte do capital relacional dos indivíduos e grupos. As transformações dependem das redes existentes entre os indivíduos do grupo e atores localizados em outros espaços sociais, ou seja, do capital social da comunidade [na relação com o Estado].”

Uma iniciativa interessante de mobilização adotada pela Prefeitura de Belo Horizonte, em 2011, foi a colocação de um lixômetro na Praça Sete, Centro da capital, com os resíduos que são recolhidos diariamente no local, atirados ao chão pelos pedestres.

Lixômetro Lixo Reciclagem

Sensibilização social: lixômetro colocado na Praça Sete . Foto: Divino Advíncula/Portal PBH

Comunhão e compartilhamento

Nesse cenário, pode-se afirmar que o acesso à informação se revela como uma das formas de tornar os sujeitos mais conscientes sobre seu papel nesse contexto dos resíduos sólidos. Para Henriques et.al (2007), a mobilização social vai ao encontro de “um projeto que permita o desencadeamento de ações concretas de cooperação e colaboração. Onde os cidadãos se sintam efetivamente envolvidos no problema que se quer resolver e compartilhem a responsabilidade por sua solução”.

O autor afirma ainda que “a comunicação no processo de mobilização é dialógica, na medida em que não é a transferência do saber, mas um encontro de sujeitos interlocutores. […] Isso significa dizer que a existência humana é, por si, uma existência dialógica, porque o homem é um ser de relação”.

Mas apenas isso não é suficientemente bastante, na visão de Henriques et.al (2007), que afirma ser “necessário cumprir outras funções que devem estar integradas e articuladas”, como:

“Difundir informações – […] a rede comunicativa se estabelece por meio da difusão (divulgação e publicização) do tema mobilizador […] dando visibilidade da iniciativa aos diversos atores.

Promover a coletivização – a simples difusão não é garantia de que as pessoas irão se sensibilizar e participar da mobilização. A coletivização pode ser alcançada pelo sentimento e certeza de que não se está sozinho na luta pela mudança, há outros atuando com o mesmo sentido e propósito.

Registrar a memória do movimento – a existência de um banco de dados e outros modos de organização do acervo e da memória do movimento com o intuito de registrar sua trajetória também é fundamental para fortalecer a mobilização.

Fornecer elementos de identificação com a causa e com o projeto mobilizador – cabe à comunicação uma articulação entre valores e símbolos no processo de construção da identidade de um movimento, estabelecendo uma maneira estruturada a produção de elementos que orientem e gerem referências para a interação dos indivíduos, possibilitando, assim, um sentimento de reconhecimento e pertencimento capaz de torná-los corresponsáveis.”

Busca-se então na comunicação a ferramenta para articular a necessidade de mobilizar e conscientizar a sociedade sobre a redução de geração dos resíduos. É importante lembrar que a comunicação passou por uma verdadeira transformação nos últimos anos, haja visto o processo de globalização, que rompeu de vez com os limites geográficos, principalmente a partir da evolução tecnológica, que interligou países, processos, informações e pessoas de todo o mundo.

Conforme Castro (2012), as mudanças do mundo analógico para o digital impactaram profundamente as relações e influências na vida social. “Uma das características mais marcantes desse processo de mudança é a passagem da comunicação unidirecional (produção-mensagem-recepção) para a comunicação bidirecional, dialógica e interativa”, que se resume: “Produção-mensagem-recepção-resposta ao campo da produção. Nesse sentido, a digitalização permite recuperar o sentido latino da palavra comunicação, no sentido de comunhão e compartilhamento.”

Uma política pública de reciclagem

O uso dos aparelhos celulares inteligentes (smartphones), com acesso à internet e cada vez mais difundidos, principalmente entre jovens e adolescentes, e também as redes sociais permitem uma vastidão de conexões, compartilhamentos de ideias, imagens (fotos e vídeos) e também a troca de informações, pensamentos e reflexões. Como atualmente vive-se uma realidade cada vez mais digitalizada, em que “novos atores sociais vêm aparecendo no cenário midiático – “eles acessam e se apropriam das novas mídias de maneira formal (através de cursos) ou informal” (Castro, 2012) –, seria possível pensar a difusão de informações sobre a nova política de resíduos por canais/plataformas diferenciados.

Para se ter ideia, segundo dados do Relatório Consolidado Indicadores de 2012 a 2016 da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o ano de 2016 fechou com 244.066.759 de linhas telefônicas móveis em operação no Brasil, para uma população de 205,2 milhões de pessoas. Diante disso, pensar como usar essa poderosa ferramenta em favor do meio ambiente e da melhoria da qualidade de vida nas cidades é um desafio interessante. Pode ser por meio de parceria com as operadoras de telefonia? Sim, por que não? Elas também têm sua responsabilidade dentro da política nacional de resíduos. Os fabricantes de celulares também, já que são responsáveis pelo recolhimento das baterias e aparelhos inservíveis. Todos da cadeia produtiva são responsáveis. O setor de eletroeletrônicos já está se organizando e discutindo como trabalhar essa logística.

Além dos meios de comunicação mais tradicionais, como TVs e rádios, e, claro, via projetos nas escolas, as prefeituras de todo o país poderiam pensar em como articular seus cidadãos para a questão dos resíduos fazendo uso das redes sociais mais acessadas por jovens (Facebook, Snapchat, Instagram e Twitter) para difundir não apenas conceitos, mas também programas de educação ambiental e mobilização social.

Produzir vídeos, fotos e textos curtos informativos, usando essas plataformas, seria uma forma de colocar a temática no cotidiano da cidade pelo meio digital, além de esquetes e peças teatrais em praças, parques e locais de grandes aglomerações. Esse tipo de campanha de comunicação pode se tornar uma ferramenta ágil e efetiva em municípios de pequeno a grande porte, desde que com um planejamento bem executado e com foco no resultado de diminuir a geração de resíduos e alavancar uma política pública local de reciclagem.

Novas ferramentas de comunicação estão aí e devem ser usadas para que o tema de resíduos sólidos seja amplamente divulgado. Campanhas de educação para o cidadão devem fugir das antigas e corriqueiras cartilhas. Afinal, economizar papel é um dos primeiros passos que deveriam ser seguidos para manter mais florestas de pé e evitar o desperdício.

***

Cristiana Cyrino Borges de Andrade e Cláudio Magalhães são, respectivamente, jornalista e mestre em Gestão Social, Educação e Desenvolvimento Local e jornalista, doutor em educação e professor do Centro Universitário UNA

Holanda: Conheça o primeiro vilarejo ‘autossustentável’

Holanda prepara uma cidade capaz de produzir energia limpa e de se abastecer com autonomia

Imagem da ReGen Villages gerada por computador.
Imagem da Re Gen Villages gerada por computador.

Uma estufa transformada em moradia capaz de produzir energia e alimentos. Ou, em outras palavras, a ciência aplicada à arquitetura da vida cotidiana.

Este é o cartão de visita do primeiro vilarejo projetado para diminuir o impacto ambiental das atividades humanas, em especial o do lixo, para se autoabastecer e gerenciar o fornecimento de água em um novo tipo de agrupamento urbano, que começará a ser construído nos próximos meses na cidade holandesa de Almere, a 25 minutos de Amsterdã.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Projetado pelo estúdio de arquitetura dinamarquês Effekt, o programa-piloto da ReGen Villages prevê uma primeira entrega de 25 casas em 2017. Dominados por vidraças que envolvem vegetais cultivados em seu interior, os terrenos constituem quase que uma metáfora da tão desejada harmonia com o ambiente. Principalmente levando-se em conta que, em 2050, a população mundial ultrapassará os 10 bilhões de habitantes.

Regen quer dizer “regeneração”, e tanto a maquete do projeto quanto a sua versão animada, em vídeo, mostram a imagem em miniatura de uma cidade reluzente. A partir de 250.000 euros (cerca de um milhão de reais), com uma capacidade média para três ou quatro pessoas (de 300 a 400 pessoas para um total de 100 casas), as moradias parecem transparentes, tamanha a profusão de vidros. Dentro delas, a cultura vertical das estufas convive com pequenas hortas e pomares, unidades de aquicultura e painéis solares.

Há torres de armazenamento de água, granjas de animais, áreas de recreação e um estacionamento para veículos elétricos. Assim como um centro comunitário para reuniões, além de “espaços sociais”. Segundo os cálculos do Effekt, “uma família de três pessoas necessitaria de uma área total de 639 metros quadrados viver autonomamente. Uma casa do tipo médio tem 120 metros quadrados, e eles se acrescenta uma estufa (40 m2); a aquicultura respectiva (300 m2); uma horta e pomar de estação (100 m2); a parcela proporcional da granja (25 m2); dos painéis solares (34 m2) e da água armazenada (20 m2)”.

Não se trata, de modo algum, de um retorno ingênuo à vida na natureza. Ao contrário: aproveitando a tecnologia atual e incorporando os confortos da vida moderna, a comunidade que está sendo construída pretende ser autossuficiente. Assim foi ela idealizada por James Ehrlich, fundador da ReGen Villages, pesquisador da universidade norte-americana de Stanford e especialista na aplicação de tecnologia e da biodiversidade na produção de alimentos.

Segundos os dados de que dispõe, cerca de 40% da superfície do planeta são usados para a produção de nutrientes. Essa atividade contribui para a liberação de CO2 (parcialmente responsável pelos gases de efeito-estufa), para o desmatamento e para o consumo indiscriminado de água potável. Ao mesmo tempo, jogamos fora 30% da comida, enquanto uma em cada sete pessoas passa fome no mundo.

Projetado pelo estúdio dinamarquês de arquitetura Effekt, o vilarejo será construído em Almere, perto de Amsterdã

“Embora esperemos acomodar as primeiras famílias, inclusive a minha, no primeiro semestre de 2017, a produção de alimento e o tratamento dos resíduos levará um pouco mais de tempo. A ideia original era construir na Dinamarca, mas o Governo fazia uma ideia um tanto quanto menos ecológica do projeto. Fomos então convidados pela prefeitura de Almere, e pudemos ver que a Holanda é um lugar bastante apropriado para a estreia mundial de ReGen Villages. Vamos fundar aqui a nossa empresa, como parte da União Europeia”, afirma Ehrlich.

As madeiras empregadas são procedentes de florestas sustentáveis da Escandinávia. Os demais materiais serão tratados com a tecnologia mais avançada que existe, de forma a aproveitar ao máximo a energia durante o dia, e ao longo das estações do ano. O sistema fechado de abastecimento proposto permitirá que os dejetos orgânicos dos moradores se transformem em biogás e em alimento para os animais.

Os excrementos do gado, por sua vez, serão utilizados como esterco para fertilizar as plantações. Qualquer resíduo suscetível de se transformar em adubo alimentará depois as moscas-soldado, alimento adequado para os peixes dos viveiros. As fezes destes últimos também serão usadas: elas servem para fertilizar o sistema de aquicultura destinado a produzir frutas e verduras. A água da chuva, por fim, será canalizada para ser usada na irrigação. O projeto, na Effekt, é sintetizado em cinco pilares: “casas com energia positiva; alimentos próximos e com cultivo sustentável; produção e armazenamento de eletricidade; reciclagem de água e resíduos; e autogestão por parte dos grupos locais”.

Cada casa terá suas próprias estufas.
Cada casa terá suas próprias estufas.
Se for bem-sucedida, a prática da agricultura permanente (permacultura), com a cultura em ambiente aéreo sem utilização do solo, pulverizando as raízes com uma solução aquosa (aeroponia) e com o uso de sementes orgânicas de alto rendimento, será em seguida experimentada na Suécia, Noruega, Dinamarca e Alemanha.

Durante a apresentação do projeto, Ehrlich destacou que espera, com isso “redefinir o conceito de zona residencial com este ciclo de cultura orgânica e reciclagem de resíduos; não é possível continuar a crescer e a urbanizar como temos feito até agora”. Por isso, ele já pensa em se expandir para regiões com superpopulação e de clima difícil. A Índia e a África subsaariana encabeçam a sua lista.
Isabel Ferrer

Por incrível que pareça, a Suécia está sem lixo!

 A Suécia possui um programa de reciclagem que os habitantes conhecem bem. De fato, segundo dados difundidos pela empresa sueca de reciclagem Returnpack, cada habitante recicla em média 146 latas e garrafas, o que representa quase 90% do total destes materiais que se reciclam e 88% do sistema nacional de reciclagem.

Via Plataforma Urbana

Como o efeito desta política foi tão positivo, as autoridades ampliaram a reciclagem a outros itens, como a fabricação de roupas, incentivando o uso de materiais orgânicos, como algodão.

Isto permitiu que se desenvolvesse a feira Vintagemässan, a primeira e única feira de roupas vintage, que anualmente atraem mais de 6.000 visitantes por ano.

Por outro lado, o Estado promoveu a instalação de empresas de produção de tecnologia para que fossem desenvolvidas estratégias sustentáveis que pudessem ser aplicáveis ao país nórdico e ao resto do mundo.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

No entanto, estas não são as políticas mais recentes de incentivo à reciclagem.

De fato, o estado sueco criou em 1940 um programa de incineração de resíduos, que anualmente reduz mais de duas toneladas de lixo, e que permite fornecer aquecimento a 810.000 casas e entregar energia elétrica a 250.000.

Tudo isto significa que 96% do lixo é convertido em eletricidade, sendo que somente os 4% restantes são enviados para aterros sanitários. Isso permite imaginar um panorama alentador.

O país começa a ficar sem lixo para reciclar, o que poderia ameaçar a certas práticas que são baseadas em resíduos. O que fará para obter mais lixo?

Via Plataforma Urbana

Segundo Catarina Ostlund, conselheira da Agência de Proteção Ambiental Sueca, “o país possui mais capacidade para gerar energia do que para produzir lixo.”

Por isso, o governo decidiu importar os resíduos da Noruega, com o fim de incinerá-lo e gerar eletricidade para as edificações. Os resíduos que não puderem ser incinerados serão devolvidos ao país vizinho para serem enterrados em aterros sanitários.

Por enquanto a Suécia deve importar aproximadamente 800.000 toneladas anuais, o que favorecerá o manejo de resíduos na Noruega.

Para o futuro, o governo sueco não descarta ampliar seu plano de incineração a outros países que apresentem dificuldades no tratamento de resíduos.

Entre os potenciais países que poderiam somar ao programa estão Bulgária, Itália e Romênia, já que não contam com indústrias de incineração ou de reciclagem.

Fonte: ecoosfera.com

De fato, crê-se que Nápoles é uma das cidades que mais produz lixo por metro quadrado, uma vez que em 1944 o governo italiano teve de declarar a cidade como uma área de desastre, pois a máfia italiana despejava ilegalmente resíduos em aterros, provocando o colapso do mesmo.

Claramente o governo sueco vem ditando pautas de reciclagem e de manejo de resíduos, pois implementam um sistema eficiente que realmente geram uma consciência entre os habitantes. Se este plano for imitado por outros países, a contribuição para o meio ambiente seria considerável.

Via fastcoexist.com