Florbela Espanca – Versos na tarde – 03/11/2017

Que importa?… Florbela Espanca ¹ Eu era a desdenhosa, a indiferente, Nunca sentira em mim o coração Bater em violência de paixão, Como bate no peito à outra gente. Agora, olhas-me tu altivamente, Sem sombra de desejo ou de emoção, Enquanto as asas loiras da ilusão Abrem dentro de mim ao sol nascente. Minh’alma, a … Continued

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , ,

Albano Martins – Poesia – Versos na tarde – 26/04/2017

Dois Poemas Albano Martins ¹ Em que idioma te direi este amor sem nome que é servo e rei? Como o direi? Como o calarei? É como se a noite se molhasse repentinamente, quando choras. É como se o dia se demorasse, quando te espero e tu te demoras. (in «Outros Poemas», 1951/52; «Vocação do … Continued

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , ,

Fernando Pessoa – Versos na tarde – 25/03/2017

Ficções do Interlúdio – extrato Fernando Pessoa¹ Sentir a poesia é a maneira figurada de se viver Eu não sinto a poesia não porque não saiba o que ela é Mas porque não posso viver figuradamente E se o conseguisse tinha de seguir outro modo de me acondicionar A condição da poesia é ignorar como … Continued

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , , ,

Maria Augusta Ribeiro – Versos na tarde – 15/01/2017

Poema Maria Augusta Ribeiro ¹ Se tu fosses ferro Moldava-te ao lume Se tu fosses onda Fazia-te cais Se tu fosses ouro Não tinha ciúme Se fosses pátria Amava-te mais Se tu fosses gente Só por ti orava Se tu fosses vida Dava-te valor Se fosses enfermo Curava-te a dor Se fosses impuro Eu te … Continued

Postado na categoria: Padrão - Palavras chave: , , ,

Alexandre O’Neill – Versos na tarde – 27/12/2016

Gaivota Alexandre O’Neill ¹ Se uma gaivota viesse trazer-me o céu de Lisboa no desenho que fizesse, nesse céu onde o olhar é uma asa que não voa, esmorece e cai no mar. Que perfeito coração no meu peito bateria, meu amor na tua mão, nessa mão onde cabia perfeito o meu coração. Se um … Continued

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , , ,

Nicolau Sião – Versos na tarde – 20/12/2016

Relíquia Nicolau Sião ¹ (ao Le Clézio, c/ o velho abraço) Onde está o silêncio onde jaz o silêncio? Não neste braço sujo cortado Não neste tapete espesso neste bloco de apontamentos onde se cruzam insultos rimas Não no pequeno perímetro das veias – afinal tudo tudo entre nuvens de carbono semelhantes a um bafo … Continued

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , ,

Sophia Andresen – Versos na tarde – 03/12/2016

Data Sophia Andresen¹ Tempo de solidão e de incerteza Tempo de medo e tempo de traição Tempo de injustiça e de vileza Tempo de negação Tempo de covardia e tempo de ira Tempo de mascarada e de mentira Tempo de escravidão Tempo dos coniventes sem cadastro Tempo de silêncio e de mordaça Tempo onde o … Continued

Postado na categoria: Padrão - Palavras chave: , , ,

Melo e Castro – Versos na tarde – 18/11/2016

Arremesso E.M.Melo e Castro ¹ a palavra é de PEDRA a palavra é PEDRA a palavraPEDRA a palaPEvraDRA a paPElaDRAvra a PEpaDRAlavra a PEDRApalavra a PEDRA é palavra a PEDRA é de palavra A PEDRA É DE PEDRA ¹ Ernesto Manuel de Melo e Castro * Covilhã, Portugal – 1932 d.C Poeta, crítico, ensaísta e … Continued

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , , , , , ,

Antônio Gedeão – Versos na tarde – 22/10/2016

Amostra sem valor Antônio Gedeão ¹ Eu sei que o meu desespero não interessa a ninguém. Cada um tem o seu, pessoal e intransmissível; com ele se entretém e se julga intangível. Eu sei que a Humanidade é mais gente do que eu, sei que o Mundo é maior do que o bairro onde habito, … Continued

Postado na categoria: Padrão - Palavras chave: , , , ,