Jean Cocteau – Poesia – Versos na tarde – 27/04/2017

A Poesia Jean Cocteau ¹ Aproveitei-me, confesso, de certos acidentes Do mistério e de erros de cálculos celestes. Aí está toda a minha poesia: eu decalco O invisível (o que para vós é invisível). Ao crime disfarçado em traje desumano, «Mãos ao alto!», gritei eu, «É inútil reagir», A encantos informes tratei de dar contorno; … Continued

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , ,

Charles Baudelaire – Reflexões na tarde – 23/03/2017

O imprevisto que se mostra Charles Baudelaire ¹ Aquilo a que chamam amor é bem pequeno, bem restrito, e bem fraco, comparado à inefável orgia, à santa prostituição da alma que se dá toda inteira, em poesia e caridade, ao imprevisto que se mostra, ao desconhecido que passa. É bom ensinar por vezes aos felizes … Continued

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , ,

Paul Eluard – Versos na tarde – 21/06/2016

A Noite Paul Eluard¹ Acaricia o horizonte da noite, busca o coração de azeviche que a aurora recobre de carne. Ele te porá nos olhos pensamentos inocentes, chamas, asas e verduras que o sol ainda não inventou. Não é a noite que te falta, mas o seu poder. ¹Eugène Émile Paul Grindel * Saint-Denis, França … Continued

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , , ,

Verlaine – Versos na tarde – 05/06/2015

Canção do outono Verlaine ¹ Os soluços graves Dos violinos suaves Do outono Ferem a minh’alma Num langor de calma E sono. Sufocado, em ânsia, Ai! quando à distância Soa a hora, Meu peito magoado Relambra o passado E chora. Daqui, dali, pelo Vento em atropelo Seguido, Vou de porta em porta, Como a folha … Continued

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , , ,

Paul Elouard – Versos na tarde – 07/05/2015

Gritar Paul Elouard¹ Aqui a ação simplifica-se Derrubei a paisagem inexplicável da mentira Derrubei os gestos sem luz e os dias impotentes Lancei por terra os propósitos lidos e ouvidos Ponho-me a gritar Todos falavam demasiado baixo falavam e escreviam Demasiado baixo Fiz retroceder os limites do grito A acção simplifica-se Porque eu arrebato à … Continued

Postado na categoria: Padrão - Palavras chave: , , , ,

Yves Bonefoy – Versos na tarde – 24/01/2015

A Murta Yves Bonnefoy ¹ Por vezes te sabia a terra, eu bebia Em teus lábios a angústia das nascentes Quando brota das pedras quentes, e o verão Dominava alto a pedra airosa e quem bebia. Por vezes te dizia de murta e queimávamos árvore de teus gestos todos todo um dia. Eram fogaréus breves … Continued

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , , , ,

Sully Prudhomme – Versos na tarde – 11/01/2015

Le Vase Brisé Sully Prudhomme ¹ O vaso, em que desmaia esta verbena, De um leque a asa lépida o feriu; E a tênue contusão foi tão pequena Que o mínimo sonido não se ouviu! No entanto, a oculta falha pequenina, Imperceptível para o humano olhar – Foi se alastrando,e silenciosa e fina, Veio todo … Continued

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , , , , , , ,

Paul Elouard – Versos na tarde – 07/01/2015

Seus olhos sempre puros Paul Elouard ¹ Dias de lentidão, dias de chuva, Dias de espelhos quebrados e agulhas perdidas, Dias de pálpebras fechadas ao horizonte [ dos mares, De horas em tudo semelhantes, dias de cativeiro. Meu espírito que brilhava ainda sobre as folhas E as flores, meu espírito é desnudo feito o amor, … Continued

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , , , , ,

Paul Verlaine – Versos na tarde – 07/01/2016

Em surdina Paul Verlaine¹ Calmo, na paz que difunde a sombra dos altos ramos, que o nosso amor se aprofunde neste silêncios em que estamos. Coração, alma e sentidos se confundam com estes ais que exalam, enlanguescidos, medronheiros e pinhais. Fecha os olhos mansamente e cruza as mãos sobre o seio. Do teu coração dolente … Continued

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , , ,

Yves Bonnefoy – Versos na tarde – 22/07/2017

A Murta Yves Bonnefoy ¹ Por vezes te sabia a terra, eu bebia Em teus lábios a angústia das nascentes Quando brota das pedras quentes, e o verão Dominava alto a pedra airosa e quem bebia. Por vezes te dizia de murta e queimávamos árvore de teus gestos todos todo um dia. Eram fogaréus breves … Continued

Postado na categoria: Artes, Literatura - Palavras chave: , , ,