Fatos & Fotos – 14/02/2021

A Bolsonaro – Apedeuta invertebrado – está apagando todas as fotos dele nas redes sociais com a #cloroquina, então parem de postar as fotos com cloroquina, ele tá ficando nervoso!!
É de uma ignorância profunda; o print é eterno! Hahahahaha.


Frits Thaulow
(Norwegian – 20/10/1847 – 5 /11/1906
“River Boat in Speed” s/d


Não tem vacina para o povo, mas tem armas para a milícia. Bolsonaro prepara o terreno para não aceitar o resultado das urnas em 2022. Ele sempre sonhou com um golpe!


A Bolsonaro genocida vibrando com o decreto que facilita a compra de armas. Ou Minha Taurus, Minha Vida.
Ou melhor, Sua Vida.
#blogdomesquita


Enfim, eis os bandidos. Os cavadores da ruína das empresas brasileiras. Os cavadores do abismo.


Sonetos que não são
Hilda Hilst

Aflição de ser eu e não ser outra.
Aflição de não ser, amor, aquela
Que muitas filhas te deu, casou donzela
E à noite se prepara e se adivinha

Objeto de amor, atenta e bela.
Aflição de não ser a grande ilha
Que te retém e não te desespera.
(A noite como fera se avizinha).

Aflição de ser água em meio à terra
E ter a face conturbada e móvel.
E a um só tempo múltipla e imóvel.

Não saber se se ausenta ou se te espera.
Aflição de te amar, se te comove.
E sendo água, amor, querer ser terra.
– Hilda Hilst, in “Do Amor”.


McDonnell Douglas F-4 Phantom II


Ordem de Desfile das Escolas de Samba do Carnaval “Genocídio 2021”:
1- Unidos da COVID-19
2-Acadêmicos do Tratamento Precoce
3-Império da Cloroquina
4-Mocidade Bolsonarista
5-Unidos do Kit Gay
6-Acadêmicos da Necropolítica
7-União da Familícia
8-Império da Rachadinha


Pintura de Claude Monet



Uma procuradora queria atirar na cabeça do Lula; Dallagnol queria arrancar essa mesma cabeça; uma outra procuradora disse que teria orgasmos; o mesmo Dallagnol disse que teria tesao na denúncia. Atiradores, esquartejadores e tarados! Que gente esquisita essa da lava jato!


Foto do dia – Josef Koudelka,Tres Bohemes


Se Faltava Troca De Mensagens Entre Dallagnol E Gabriela Hardt, Não Falta Mais Nada. Tudo Foi Uma Grande Farsa, Triplex E Sítio.

A procuradora Carolina Rezende, na troca de mensagens da Lava Jato, como este teor: “Precisamos atingir Lula na cabeça (prioridade número 1)”

A procuradora com rosto angelical, que integrava a equipe do PGR Rodrigo Janot, é uma espécie de Bia Kicis vitaminada. Aliás, Bia Kicis, uma das maiores criminosas virtuais, por ser useira e vezeira do gabinete do ódio, tem o apoio unânime, imagina isso, da APDF (Associação dos Procuradores do Distrito Federal) para presidir a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados.

Ou seja, quando em entrevista ao Uol, Gilmar Mendes classificou a Lava Jato de Curitiba de esquadrão da morte, essa correta avaliação se estende a muito mais gente do MPF do que se imagina.


Anna Marinova
Russia, S.Petersbutg, born 1983


Como as pessoas acreditaram que alguém que apoia torturadores, que se tornou réu por apologia ao estupro, que tinha cola escrita na mão no debate, que não sabia nada sobre o país e que tinha Wal do Açaí na folha da Câmara por 12 anos- essa pessoa podia acabar com a corrupção?


Foto – Tumblr


As pessoas acreditam nas mentiras que confirmam seus preconceitos e suas certezas prévias, ainda que delirantes.


Se depender dos bancos e das grandes fortunas, Paulo Pinochet Tchutchuca Guedes jamais sairá do governo. A transfusão de sangue que ele faz dos pobres para os ricos é impecável!


Quando isso acontece é que a humanidade ultrapassou o fundo do poço. Agora sempre e cada vez mais ao fundo.

Fatos & Fotos – 06/02/2021

Chega ao Brasil o 1º lote de insumos da vacina de Oxford, que renderá 2,8 milhões de doses de vacina contra a Covid-19; material para Fiocruz produzir vacina está pronto desde dezembro


A cada 4 minutos no Brasil uma mulher “cai no banheiro”, “tropeça na escada” ou “escorrega no tapete da sala”. E a cada duas horas, uma delas não sobrevive para inventar a próxima desculpa para os hematomas no rosto e no corpo.


Falta alguém nessa minha lista de ‘amigos da família’ de Jair Bolsonaro
Pastor Everaldo, Pastora Flordelis, Roberto Jefferson, Queiroz, Capitão Adriano, Senador do Cofrinho, turma da rachadinha, Robinho, Pastor Malacheia, Eduardo Cunha



Lucien Victor Guirand de Scevola
Le Bassin d’Amour,1901


Como os “çabios” do governo interpretam “variante do coronavirus”


Mais posse e porte de armas. Que graça! Bolsonaro proibiu rastreamento de armas legais. As milícias e o narcotráfico agradecem. Os reaças sonham com uma luta armada entre bandidos:


A Globo prefere ser fechada por Bolsonaro do que permitir a volta do PT ao governo.


Cristofobia. Na Arábia Saudita Igrejas são proibidas. Assim como a prática do cristianismo. Apoiam grupos jihadistas que matam cristãos sírios. O ditador saudita, Mohammad bin Salman, comanda uma ditadura cruel e assassina.


Sem humor não dá pra aguentar o tranco nesse hospício.


Lava Jato é o maior esquema de corrupção judicial do mundo. Para o jurista e professor Lenio Streck, “Não há escândalo similar. Não se tem conhecimento que, em um Estado constitucional, tenha havido esse grau de uso do direito contra os adversários e inimigos. O Brasil, nesse ponto, é campeão de lawfare”, disse ele.


Luciano Huck disse se canditará à presidência porque houve um chamado.
Eu não chamei, foram vocês?




O que uma dieta de alfafa estragada com molho de cocô de ameba faz:
Jornalista(?) Merval Pereira lança candidatura de “Huck para 2022: “Alternativa à polarização entre PT e Bolsonaro


Foto do dia – Fotografia de Vesa Pihanurmi


The Bauhaus Chess
Design – onde a forma das peças mostram artisticamente sua função (1922)


Aras abre mais 8 apurações na PGR sobre conduta de Bolsonaro na pandemia.

Augusto Aras (Foto: Marcelo Camargo/Agencia Brasil)

O PGR, Augusto Aras, enviou um parecer ao STF informando ter aberto mais oito apurações preliminares sobre a conduta de Jair Bolsonaro durante a pandemia de Covid-19. Uma outra foi aberta na quinta.

247 – O procurador-geral da República, Augusto Aras, enviou um parecer ao Supremo Tribunal Federal (STF) informando ter aberto mais oito apurações preliminares sobre a conduta de Jair Bolsonaro durante a pandemia do novo coronavírus.
Na quinta-feira, 4, a PGR abriu uma para analisar a conduta de Bolsonaro em relação à crise da Covid-19 no Amazonas e no Pará, onde houve falta de oxigênio para tratar os pacientes com a doença.


Pintura de Kees van Dongen
Trinidad Fernandez,1910
Oil on canvas – 66.3-x-53.8-cm


Gofuk Yasan Kimono



Tem caroço nesse angu. Há que investigar. Que o Conselho Federal do Ministério Público se manifeste.

Gula sem fim: PGR descobre R$ 270 mi da JBS para “ONG da Lava-Jato”

O Conjur publica que o Procurador Geral da República, Augusto Aras, pediu a anulação de cláusula do acordo de leniência da JBS que previa a entrega, pela empresa de R$ 270 milhões para uma “ONG” criada pela Força Tarefa da lava Jato com a Transparência Internacional para a fundação de uma entidade “para atender a imposição de investimentos sociais” das obrigações impostas ao frigorífico.

É uma espécie de “replay” do que a Lava Jato tentou fazer com os recursos que a Petrobras pagou nos EUA por um acordo de leniência com o Departamento de Justiça daquele país, num acordo bem mais “gordo”, que daria aos procuradores poderes cobre como destinar R$ 2,5 bilhões.

O dinheiro da JBS – que não tem sequer nada a ver com a Lava Jato – ia servir para uma “campanha educativa contra a corrupção”, certamente desenvolvida pelos “reizinhos” de Curitiba, em parceria com o diretor-executivo da filial brasileira da Transparência Internacional, Bruno Brandão, destinatário de pedidos de Deltan Dallagnol para produzir manifestações de apoio à Lava-Jato, como revelaram as mensagens publicadas pelo The Intercept e pela Agência Pública.

É espantoso que continue a existir este cancro que é a Força Tarefa da Lava Jato. Usar a função de fiscal da lei, paga pelo dinheiro do contribuinte, para arquitetar negócios escusos só é menos escandaloso do que o escãndalo de continuarem impunes nos seus cargos.

Os efeitos da condenação de Lula

As considerações de ordem moral, a justiça ou os aspectos jurídicos a respeito da condenação do ex-presidente Lula ficam por conta do leitor.

Foto:Pedro Ladeira /Folhapress

Por: Carlos Melo¹

Cabe ao analista tatear as implicações políticas do fato: o simbolismo do veredito do juiz Sérgio Moro, suas consequências mais imediatas e seus efeitos sobre o processo eleitoral de 2018. Mesmo entre os especialistas do mundo das leis e das sentenças jurídicas há muita controvérsia a respeito, aponta-se acertos e deslizes de Moro; não será o comentarista político que dará a última palavra.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

O que se pode dizer é que a condenação não compreende nenhuma surpresa, toda e qualquer araucária de Curitiba sabia que Moro condenaria Lula; Pule de dez, sequer cabia fazer apostas. Os próprios advogados de Lula compreendiam isto, tanto que desde sempre optaram pelo enfrentamento ao juiz, ressaltando haver no magistrado disposições e orientações de ordem política em oposição ao ex-presidente e seu partido. Verdadeiro ou falso, foi a linha de defesa nessa fase do processo.

Imaginava-se, como de fato ocorreu, que o juiz não mandaria o réu imediatamente para a prisão e sabia-se que Lula não se tornaria inelegível imediatamente. Segundo o ex-juiz Walter Maierovitch, havia mesmo base para que Moro não o fizesse, uma ”jurisprudência de remanso”— calma, tranquila, contra a qual não há indisposição. Chama atenção, no entanto, que Moro assinalasse em seu arrazoado que preferiu agir assim em virtude da condição política de Lula, compreendendo que pudesse, já nesta fase, causar comoção.

Com efeito, a prisão — se viesse ou se vier a ocorrer — teria esse efeito. Contudo, há um aspecto interessante em torno deste ponto: polêmica e ”comoção” residirão tanto na prisão como também na eventual não prisão de Lula. Distante dos 83% de popularidade que um dia o abraçou, figura controversa, Lula divide o país entre os que o apoiam e o aprovam a despeito de qualquer coisa e aqueles que o desaprovam também a despeito de tudo. Da tensão e do desgaste de uma definição não haverá fuga, quando chegar, por fim, o momento.

Justamente por conta dessa natureza emocional e da capacidade de dividir opiniões, o veredito de Moro é carregado de paradoxos: como marco, significa exatamente o quê? O fim de uma era, em que Lula ocupou o centro da política nacional, o ocaso do discurso moral do PT, a emergência de um novo Brasil ”onde os poderosos vão para a cadeia” — haveria ainda tantos poderosos soltos por aí… — ou a consolidação de juízes e promotores como agentes centrais no processo político nacional? Difícil saber, provavelmente só o tempo e a história dirão.

No curtíssimo prazo, a condenação de Lula significa uma enorme apreensão também para seus adversários: os riscos para tucanos e peemedebistas arrolados com a Lava Jato aumentam, é evidente. Haverá pressão de parte da opinião pública, tanto sobre o Judiciário quanto sobre o Ministério Público, para que também Aécio Neves e Michel Temer, por exemplo, sejam igualmente julgados e punidos com rigor. Certo ou errado, justo ou injusto, é o que menos importa: o ambiente entra no clima do ”olho por olho, dente por dente”.

Agudiza-se, assim, a polarização entre os ”pró” e os ”contra” Lula, simpáticos ou antipetistas. O debate político se dará em torno de sua figura, candidato ou não: algoz do Brasil ou vítima de perseguição política. Os ânimos e as ruas se dividirão ainda mais, portanto, e um debate racional e comedido será impossível. As dificuldades para construção do diálogo nacional aumentam — estando Lula preso, como também, sendo, por fim, absolvido em segunda instância.

No curto prazo, não haverá quadro bom, ainda que no médio e no longo a tendência seja mesmo de isolamento do PT. Mas, isto somente se definirá no pós-eleição, de 2018, a depender do resultado. Uma derrota acachapante da legenda colocará uma pedra sobre o assunto, reduzindo a base social do lulismo ao gueto. Mas, a eventual vitória — ou mesmo um desempenho extraordinário diante das circunstâncias — significará manter a chaga aberta, a ferida purulenta, o nervo e a fratura expostos.

O PT sabe disso e também por isso investirá na retórica da vitimização de seu principal líder. A tentativa de transformá-lo de réu/condenado em vítima; mais que um preso, um perseguido político —  reduzindo a questão e desviando o debate a respeito dos fatos que fizeram explodir a Operação Lava Jato, Joesley Batista e outros tais que, na verdade, dizem respeito a todo o aparelhamento do Estado no Brasil realizado por grande parte de seu sistema político. Este será o cominho e a tangente eleitoral do PT.

Mas, é evidente que a estratégia da vitimização não é exclusividade do lulismo. Não se comportam de modo diferente tucanos e peemedebistas quando apontam nas acusações a Aécio Neves e a Michel Temer as digitais da politização, da armação e do ”golpe” contra seus próceres. Curioso notar a euforia dos adversários de Lula ao comemorar a condenação: o raciocínio que desfilam diante das câmeras serve também contra eles e os seus; efeito Orloff, os Lulas de amanhã. Seriam todos vítimas do complô de um mundo injusto? A resposta fica para o leitor.

¹Carlos Melo, cientista político. Professor do Insper.

Bilhetinho ao Lula à moda do Zé Rodrix e Cartola.

Lula, faça promessa a seu santo de fé, pra encerrar seus dias em uma ‘casa no campo’ de Garanhuns onde você possa tomar sopa com colher, e não, terminar seus dias jogando truco com o Zé Dirceu na prisão.

A OAS poderá construir essa morada, ‘do tamanho ideal pau-a-pique e sapê.’

O triplex que “que não é seu”, ruiu, e o sítio, que também “não é seu”, o MDPCP – Movimento dos Procuradores com Provas – , já o ocupou.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

A lista do Palocci, caso não o “Celso Danielem”, haverá de lhe tão somente contemplar ‘carneiros e cabras pastando’.

Ps. A coisa está braba. Até adivinhação já ilumina a mágica revista Veja para publicar uma capa com você estrelando, antes mesmo da delação do ladrão da OAS haver sido feita lhe empurrado ao ‘abismo que cavas-te a teus pés’.