As empresas do Japão que ajudam pessoas a desaparecer

Em todo o mundo, dos Estados Unidos à Alemanha ou Reino Unido, diversas pessoas decidem desaparecer sem deixar rastros, abandonando suas casas, empregos e famílias para começar outra vida. Getty Images

Desaparecimento é facilitado no Japão graças à legislação sobre privacidade

Muitas vezes fazem isso sem nem olhar para trás.

No Japão, essas pessoas são conhecidas como jouhatsu.

O termo significa “evaporação”, mas também se refere a pessoas que desaparecem propositalmente e escondem seu paradeiro, por anos ou às vezes até décadas.

“Fiquei farto das relações humanas. Peguei uma mala e desapareci”, diz Sugimoto, de 42 anos, que pediu para que seu primeiro nome fosse ocultado nesta reportagem.

“Eu simplesmente fugi.”

Ele afirma que em sua pequena cidade natal todos o conheciam por causa da família dele e de seu próspero negócio local, que Sugimoto deveria ter tocado adiante.

Mas ter esse papel imposto a ele causou-lhe tanta angústia que Sugimoto deixou cidade para sempre e não disse a ninguém para onde estava indo.

De dívidas inevitáveis ​​a casamentos sem amor, as motivações que levam ao jouhatsu variam.

O sociólogo Hiroki Nakamori pesquisa jouhatsu há mais de uma década – GettyImages
Mas muitos, independentemente de seus motivos, procuram empresas para ajudá-los no processo.

Essas operações são chamadas de “mudança noturna”, um sinal da natureza secreta do processo para quem deseja virar um jouhatsu.

Essas empresas ajudam as pessoas que desejam desaparecer a se retirarem discretamente de suas vidas e ainda fornecem hospedagem em locais distantes.

“Normalmente, os motivos para a mudança costumam ser positivos, como ir para a universidade, conseguir um novo emprego ou um casamento. Mas também há mudanças tristes, quando o motivo é ter desistido da faculdade, perder o emprego ou quando você quer fugir de alguém que o persegue.”

Assim conta Sho Hatori, que fundou uma empresa de “mudança noturna” na década de 1990, quando a bolha econômica japonesa estourou.

Segundas vidas

Quando criou a empresa, ele acreditava que o motivo pelo qual as pessoas decidem fugir de suas vidas problemáticas era a ruína financeira, mas logo descobriu que também havia “motivos sociais”.

“O que fizemos foi ajudar as pessoas a começar uma segunda vida”, diz ele.

O sociólogo Hiroki Nakamori pesquisa o fenômeno jouhatsu há mais de dez anos.

Ele diz que o termo começou a ser usado na década de 1960 para descrever pessoas que decidiram desaparecer.

As taxas de divórcio eram (e ainda são) muito baixas no Japão, então algumas pessoas decidiram que era mais fácil sair e abandonar seus pares do que passar por procedimentos de divórcio complexos e formais.

“No Japão é mais fácil desaparecer” do que em outros países, diz Nakamori.

Privacidade é algo que é protegido com unhas e dentes.

Seria capaz de fugir e deixar tudo para trás? GettyImages

Pessoas desaparecidas podem sacar dinheiro em caixas eletrônicos sem serem descobertas,. E membros da família não podem acessar vídeos de câmeras de segurança, que poderiam ter gravado seus entes queridos enquanto fugiam.

“A polícia não vai intervir a menos que haja outro motivo, como um crime ou um acidente. Tudo o que a família pode fazer é pagar caro a um detetive particular. Ou simplesmente esperar. É isso.”

Fiquei chocada

Para os que ficam para trás, o abandono e a busca por seu jouhatsu podem ser insuportáveis.

“Fiquei chocada”, disse uma mulher que conversou com a reportagem da BBC, mas optou por permanecer no anonimato.

O filho dela, de 22 anos, desapareceu e nunca mais entrou em contato.

“Ele ficou desempregado duas vezes. Ele deve ter ficado muito triste com isso.”

Quando parou de ter notícias dele, ela dirigiu até onde morava, procurou no local e então esperou em seu carro por dias para ver se ele aparecia.

Isso nunca aconteceu.

Ela disse que a polícia não tem ajudado muito e que apenas informou que só poderiam se envolver no caso se houvesse suspeitas de que ele havia cometido suicídio.

Mas como não havia nenhuma pista disso, eles não investigam nada.

“Eu entendo que existem agressores e que a informação pode ser mal utilizada. Talvez a lei seja necessária, mas criminosos, agressores e pais que querem procurar seus próprios filhos são tratados da mesma forma por causa da proteção. Como isso pode acontecer?”, questiona.

“Com a lei atual e sem dinheiro, tudo o que posso fazer é verificar se meu filho está no necrotério. É tudo o que me resta.”

Os desaparecidos

Para muitos jouhatsu, embora tenham deixado suas vidas para trás, a tristeza e o arrependimento continuam.

“Tenho a sensação constante de que fiz algo errado”, diz Sugimoto, o empresário que deixou esposa e filhos na pequena cidade.

“Não vejo (meus filhos) há um ano. Disse a eles que faria uma viagem de negócios.”

Seu único arrependimento, diz ele, foi deixá-los.

Sugimoto vive escondido em uma região residencial de Tóquio.

A empresa de “mudança noturna” que o abriga é comandada por uma mulher chamada Saita, que prefere não dizer seu sobrenome para manter o anonimato

Ela mesma é uma jouhatsu que desapareceu há 17 anos.

Fugiu de um relacionamento fisicamente abusivo. “De certa forma, sou uma pessoa desaparecida, inclusive agora.”

Tipos de clientes

“Tenho vários tipos de clientes”, continua.

“Há pessoas que fogem da violência doméstica e outras que fazem isso por ego ou interesse próprio. Eu não julgo. Nunca digo: ‘Seu caso não é sério o suficiente’. Todo mundo tem suas angústias.”

Para pessoas como Sugimoto, a empresa ajudou a enfrentar sua própria batalha pessoal.

Mas mesmo que ele tenha conseguido desaparecer, isso não significa que os rastros de sua antiga vida não permaneçam.

“Só meu primeiro filho sabe a verdade. Ele tem 13 anos”, diz ele.

“As palavras que não consigo esquecer são: ‘O que o pai faz da vida é problema dele, e não posso mudar isso’. Soa mais maduro do que eu, não?”

Coronavirus: Trump elogia a China pelas medidas tomadas

Depois de falar por telefone com o líder da China, Xi Jinping, o presidente Trump disse no Twitter que “ele será bem-sucedido”.
A China anuncia uma investigação após a morte de um médico de Wuhan, que em dezembro de 2019 havia primeiro informado o suto do coronavirus.

Aumento acentuado no número de casos de coronavírus em navios de cruzeiro no Japão.

Equipamentos de proteção são usados perto do navio de cruzeiro Diamond Princess em Yokohama, Japão, na última sexta-feira.

Autoridades japonesas disseram na sexta-feira que 61 pessoas haviam testado positivo para o coronavírus em um navio de cruzeiro em quarentena em Yokohama, um aumento acentuado em relação aos 20 casos confirmados na quinta-feira.

As autoridades examinaram 273 passageiros que, segundo eles, estavam potencialmente expostos ao vírus. Os 41 novos pacientes deveriam ser retirados do navio para tratamento médico.

Mais de 2.000 passageiros do navio Diamond Princess ficaram presos em suas cabines durante dias como parte de uma quarentena de duas semanas. As refeições foram irregulares e somente na quinta-feira foram finalmente permitidos a pequenos grupos sair e respirar um pouco de ar fresco.

“Eu continuo ouvindo tosses dolorosas de um estrangeiro em uma sala próxima”, escreveu um passageiro no Twitter na quinta-feira, observando com preocupação que os membros da tripulação estavam entregando refeições de sala em sala. “Eu posso ser infectado hoje ou amanhã.”

Outros passageiros que passaram o tempo nas redes sociais relataram sinais mais esperançosos. Observou-se que os suprimentos estavam sendo transferidos para o porto e que as ambulâncias estavam em posição. Outro disse que equipes de entretenimento estavam visitando quartos de hóspedes para animar as pessoas e que papel higiênico havia sido distribuído.

O presidente Trump falou na quinta-feira na Casa Branca – Foto: Doug Mills / The New York Times.

O presidente Trump elogiou a resposta da China ao surto de vírus na sexta-feira depois de falar por telefone com seu líder, Xi Jinping, que ele disse estar liderando “o que será uma operação de muito sucesso”.

“Ele é forte, afiado e poderosamente focado em liderar o contra-ataque ao Coronavírus”, disse Trump em um par de posts no Twitter na sexta-feira. “Ele sente que eles estão indo muito bem, até construindo hospitais em questão de dias. Nada é fácil, mas ele será bem-sucedido, especialmente quando o tempo começar a esquentar e o vírus, esperançosamente, ficar mais fraco e depois desaparecer. ”

Trump frequentemente elogia Xi e fala calorosamente de seu relacionamento, mesmo durante uma guerra comercial feroz contra a China.

Dos 41 novos casos, 21 eram japoneses, afirmou o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar do Japão. Nenhum desses 41 passageiros estava em estado grave na manhã de sexta-feira.

Separadamente, um navio de cruzeiro com 3.600 pessoas a bordo permanece preso em Hong Kong. Yu Li, mãe de dois bebês no cruzeiro World Dream, disse que a parte mais difícil foi a falta de clareza das autoridades locais sobre onde os passageiros seriam colocados em quarentena.

“A maioria dos passageiros está disposta a ficar isolada, com ou sem sintomas”, disse ela em entrevista. “Espero que o governo possa nos dar uma resposta o mais rápido possível e nos dizer se ocorrerá em casa, no cruzeiro ou em centros de quarentena designados”.

Mapa dmostrando a expasão doda epidemia do coronavírus
O vírus adoeceu mais de 31.500 pessoas na China e em 24 outros países.


Outros passageiros que passaram o tempo nas redes sociais relataram sinais mais esperançosos. Observou-se que os suprimentos estavam sendo transferidos para o porto e que as ambulâncias estavam em posição.

Um outro disse que equipes de entretenimento estavam visitando quartos de hóspedes para animar as pessoas e que papel higiênico havia sido distribuído.

Famílias com crianças pequenas estão em sua maioria lotadas em seus quartos e assistindo a filmes distribuídos pela companhia de cruzeiros para ajudar a aliviar o tédio, disse Li. Os passageiros mais velhos, disse ela, estavam menos dispostos a ficar confinados em seus quartos, escolhendo jogar mahjong em espaços comuns.

As preocupações se estenderam a outras empresas de cruzeiros, incluindo a Royal Caribbean, que afirmou estar trabalhando com os Centros de Controle de Doenças, a Organização Mundial da Saúde e as autoridades locais de saúde para proteger os passageiros.

“Como as companhias aéreas, estamos participando de níveis elevados de triagem de convidados para verificar a propagação do coronavírus”, afirmou em comunicado. “Estamos monitorando de perto os desenvolvimentos em relação ao coronavírus e temos protocolos médicos rigorosos em vigor a bordo de nossos navios”.

Dos 41 novos casos, 21 eram japoneses, afirmou o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar do Japão. Nenhum desses 41 passageiros estava em estado grave na manhã de sexta-feira.

O número de mortos e o número de infecções continuaram a subir na China, segundo dados oficiais divulgados no início da sexta-feira.

Os novos números elevaram o número total de mortes na China para pelo menos 636. E o número total de casos confirmados subiu para 31.161.

Sessenta e nove das mortes recentemente relatadas ocorreram na província de Hubei, o coração do surto, disseram as autoridades, mas também houve quatro mortes fora da província: uma nas províncias de Jilin, Henan, Guangdong e Hainan.

Muitos médicos acreditam que as mortes e infecções na China são subestimadas, porque hospitais e laboratórios estão sob severa pressão para testar o vírus.


Li Wenliang, o médico de Wuhan que foi silenciado após alertar os colegas sobre o coronavírus no final de dezembro. Na sexta-feira, o Dr. Li morreu do vírus, que ele pegou de um paciente.

Li Wenliang no Hospital Central de Wuhan no mês passado.
Crédito … Li Wenliang, via Agence France-Presse – Getty Images


Os trabalhadores de hospitais de Hong Kong terminaram a greve.

Dos 7.000 funcionários do hospital que votaram na sexta-feira, cerca de 4.000 votaram contra a extensão da paralisação … Crédito: Philip Fong / Agence France-Presse – Getty Images

Líderes sindicais representando funcionários de hospitais que realizam uma paralisação de cinco dias anunciada na sexta-feira no final do protesto, depois que a maioria dos membros votou para voltar ao trabalho.

O voto dos membros do sindicato, a Aliança dos Funcionários da Autoridade Hospitalar, veio horas antes de uma nova regra que sujeitaria todas as pessoas que entravam na cidade através da China continental a uma quarentena obrigatória de 14 dias. A regra estava programada para entrar em vigor à meia-noite. O governo anunciou as restrições no início da semana, depois que os trabalhadores do hospital começaram sua ação industrial.

Milhares de trabalhadores do sindicato – formados durante o movimento de protesto contra o governo em Hong Kong – participaram da greve para exigir que o governo fechasse todos os postos de controle fronteiriços do continente para combater o surto de coronavírus.

“Sem o trabalho, o apoio e a perseverança de todos, nosso ato de resistência não teria acontecido”, disse Winnie Yu, a presidente do sindicato, em lágrimas, aos trabalhadores médicos que se reuniram na sede da Autoridade Hospitalar.

Censura: Os pedidos de liberdade de expressão aparecem nas mídias sociais chinesas – por um tempo.

Para muitos usuários de mídia social chineses que lamentaram Li Wenliang na sexta-feira, a tragédia foi uma lição sobre a importância da liberdade de expressão – uma que o governo não entendeu.

Pequim aumentou sua censura por relatos de investigações que expuseram erros cometidos por autoridades que subestimaram e minimizaram a ameaça do coronavírus. Os principais líderes da China intensificaram os esforços para fazer com que a cobertura jornalística se concentrasse mais em desenvolvimentos positivos na batalha contra a epidemia.

A hashtag #wewantfreedomofspeech #, criada no serviço semelhante ao Twitter Weibo às 2 da manhã de sexta-feira, tinha mais de dois milhões de visualizações e mais de 5.500 postagens às 7 da manhã, em meio ao clamor online pela morte de Li. Ele foi excluído pelos censores, juntamente com tópicos relacionados, como aqueles dizendo que o governo de Wuhan devia ao Dr. Li um pedido de desculpas.

“Eu amo meu país profundamente”, dizia um post sobre esse tópico. “Mas não gosto do sistema atual e do estilo de governo do meu país. Cobriu meus olhos, meus ouvidos e minha boca.


Aviões fretados dos Estados Unidos estão evacuando os americanos que estão em Wuhan. Pousam no Canadá e na Califórnia.

Por outro lado as companhias aéreas dos USA suspederam os voos entre os Estados Unidos e a China continental: Delta Air Lines, American Airlines e United Airlines suspenderam seus serviços na semana passada.

Uma aeronave fretada pelo Departamento de Estado para evacuar funcionários do governo e outros americanos de Wuhan, China, na Base da Reserva Aérea de março, no condado de Riverside, Califórnia, na semana passada. Crédito: Mike Blake / Reuters

Dois vôos que evacuaram americanos de Wuhan, China, o centro do surto de coronavírus, aterrissaram na sexta-feira na Base da Força Aérea Travis, no norte da Califórnia, e em Vancouver, na Colúmbia Britânica. Os vôos, fretados pelo Departamento de Estado, levavam aproximadamente 300 passageiros. Sua chegada eleva o número total de vôos de evacuação para cinco.

A OMS – Organização Mundia de Saúde – diz que o suprimento global de máscaras e outros equipamentos está acabando.

A Organização Mundial da Saúde disse na sexta-feira que havia uma escassez crônica mundial de vestidos, máscaras, luvas e outros equipamentos para proteger contra a propagação do coronavírus.

Tedros Adhanom Ghebreyesus, chefe da organização, disse que conversaria com os fornecedores “para identificar os gargalos e encontrar soluções”, além de pressionar pela “justiça na distribuição de equipamentos”.

Em Angers, França, uma empresa pertencente à empresa de suprimentos médicos Kolmi Hopen faz 170 milhões de máscaras faciais médicas por ano.

À medida que os pedidos chegam a um ritmo impressionante, Kolmi Hopen está contratando mais trabalhadores para acompanhar a demanda.

“Estamos fazendo máscaras o mais rápido possível”, disse Guillaume Laverdure, diretor de operações da empresa-mãe de Kolmi Hopen, a Medicom, sediada no Canadá.

“Mas a demanda ainda está aumentando”, acrescentou.

O aumento da demanda por equipamentos de proteção individual, como máscaras faciais, elevou os preços e os estoques esgotados necessários por médicos e enfermeiros nas linhas de frente da epidemia de coronavírus, disse na sexta-feira o Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde. .


Australianops residentes em Wuhan serão evacuados e colocados em quarentena em uma vila mineira vazia no Território do Norte da Austrália, disse o primeiro-ministro Scott Morrison na sexta-feira.

Descarregando alimentos e suprimentos frescos de um avião militar australiano na sexta-feira na Ilha Christmas, onde estão abrigados refugiados de Wuhan. Crédito: Richard Wainwright / EPA, via Shutterstock.

Cerca de 270 australianos que foram evacuados de Wuhan na segunda-feira estão atualmente alojados em um antigo centro de imigração na Ilha Christmas, a 2.000 milhas a oeste do continente australiano.

Mas como esse centro tem pouca capacidade, o governo está agora preparando a vila de Manigurr-ma, perto da cidade de Darwin, no norte, para abrigar o novo grupo de evacuados. A vila era usada anteriormente pela Inpex, uma empresa de petróleo e gás, para abrigar trabalhadores da construção civil, e possui uma academia, uma sala de jantar e uma piscina.

Como suicídio de funcionária exausta levou à renúncia do presidente de gigante japonesa

Mãe de Yukimi Takahashi com foto da filhaDireito de imagemGETTY

O presidente da principal agência de publicidade do Japão anunciou sua renúncia ao cargo após o suicídio de uma funcionária que se dizia física e mentalmente exausta por causa do excesso de trabalho.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Tadashi Ishii liderava a Dentsu, uma gigante nipônica de publicidade, e assumiu a responsabilidade pela morte da jovem. Ele afirmou que vai tornar a renúncia efetiva na próxima reunião da diretoria da empresa, em janeiro.

Matsuri Takahashi tinha 24 anos e trabalhava na companhia havia sete meses quando pulou da janela de um prédio onde morava – que era da própria Dentsu – na noite de Natal de 2015.

O caso veio à tona nesta semana, depois da decisão do Ministério do Trabalho japonês de processar a empresa pela morte dela.

O governo chegou a fazer uma investigação e uma varredura na Dentsu para obter informações sobre as práticas de trabalho. Foi determinado que a empresa descumpriu as leis trabalhistas e, portanto, tem responsabilidade legal pela morte da jovem.

Na última quarta-feira, a empresa admitiu que cerca de 100 trabalhadores ainda faziam cerca de 80 horas extras por mês.

Exausta

As mortes por excesso de trabalho são um problema tão grande no Japão que já existe até um termo para descrevê-las: “karoshi”.

Antes de se matar, Takahashi deixou um bilhete para a mãe, no qual escreveu: “você é a melhor mãe do mundo, mas por que tudo tem que ser tão difícil?”.

Tadashi Ishii, presidente de DentsuDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionIshii admitiu que alguns funcionários da Dentsu trabalham mais de 80 horas extras por mês

Semanas antes da morte, ela escreveu uma mensagem nas redes sociais em que dizia: “quero morrer”. Em outra, alertava: “estou física e mentalmente destroçada”.

Contratada em abril do ano passado, a jovem chegava a fazer cerca de 105 horas extras por mês.

Além disso, a família acusou a empresa de obrigá-la a registrar menos horas do que de fato trabalhava. Em muitos casos, o registro mostra que ela trabalhou 69,9 horas por mês, perto do máximo de 70 horas permitidas, mas a cifra era bem maior.

Takahashi havia acabado de se formar na prestigiosa Universidade de Tóquio e expunha as condições duras de trabalho na sua conta no Twitter, onde detalhava jornadas de até 20 horas diárias.

Sede da Dentsu em TóquioDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionA Dentsu é a principal agência de publicidade do Japão

A carga horária disparou em outubro de 2015, quando ela só chegava em casa por volta de 5h, depois de ter trabalhado dia e noite. Além disso, ela não teve nenhum dia de folga em sete meses.

Ao anunciar sua demissão, o presidente da Dentsu afirmou que jamais deveriam ser permitidas essas quantidades excessivas de trabalho.

“Lamento profundamente não ter prevenido a morte da nossa jovem funcionária por excesso de trabalho e ofereço minhas sinceras desculpas”, disse Ishii.

Fujie Sugiyama com a foto do filhoDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionO filho de Fujie Sugiyama, Takanori, morreu vítima de karoshi em 2007

Outros casos

A morte de Takahashi não foi a única por esse motivo no quadro de funcionários da Dentsu.

As autoridades concluíram que o falecimento de um jovem de 30 anos, ocorrido em 2013, também teria ocorrido pelo mesmo motivo.

Antes disso, o Ministério do Trabalho havia determinado uma mudança nas práticas de trabalho da Dentsu desde o suicídio de outro empregado, Ichiro Oshima, em 1991, também por causa de carga de trabalho excessiva.

A morte de Ichiro foi a primeira a ser oficialmente atribuída ao trabalho em excesso. Ele havia tirado apenas um dia de folga em 17 meses e só conseguia dormir uma média de duas horas por noite.

Mesmo assim, a empresa argumentou na Justiça em 1997 que o suicídio havia sido motivado por “problemas pessoais”.

Funcionários do Ministério do Trabalho saindo da DentsuDireito de imagemGETTY IMAGES
Image captionFuncionários do Ministério do Trabalho fizeram uma varredura na Dentsu

Mais de 2 mil ‘karoshis’

O caso de Takahashi reacendeu o debate sobre o karoshi e levou o governo a aprovar, nesta semana, um pacote de medidas destinadas a prevenir novas mortes.

A sociedade japonesa valoriza estilos de vida que incluem uma extrema dedicação à profissão. Dados oficiais apontam que mais de 2 mil pessoas se suicidam anualmente pelo estresse relacionado ao trabalho excessivo.

Mas a quantidade de mortes pode ser maior se considerados problemas de saúde, como falhas cardíacas ou acidentes vasculares cerebrais, também causados pela prática.

Um relatório apresentado pelo governo em outubro revelou que, em 22,7% das empresas analisadas, alguns empregados fazem mais de 80 horas extras todos os meses

Temer minimiza acusações contra Geddel, Moreira e Jucá

“Se um dia se consolidarem, o governo verá o que fazer”todos-os-homens-do-presidenteblog-do-mesquita

O presidente Michel Temer comentou nesta terça-feira (18), durante visita ao Japão, as denúncias da Odebrecht contra o ministro Geddel Vieira Lima, da Secretaria de Governo, Moreira Franco, secretário executivo do Programa de Parcerias de Investimentos, e Romero Jucá, presidente do PMDB.

Segundo Temer, elas precisam se consolidar. “Sabe o que acontece? O envolvimento dos nomes se deu, convenhamos, por enquanto, por uma simples alegação, por uma afirmação. É preciso que essas coisas se consolidem. Se um dia se consolidarem, o governo verá o que fazer”.

“Se a cada momento que alguém mencionar o nome de alguém isso passar a dificultar o governo, fica difícil”, completou.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Japão planeja primeiro trem ‘invisível’ do mundo para 2018

Famoso pela extensa malha ferroviária e pela alta tecnologia neste tipo de transporte, como o trem-bala, o Japão ganhará agora o primeiro trem “invisível” do mundo.

Modelo será revestido de materiais super-refletores e transparentes, permitindo que comboio se encaixe de forma harmoniosa na paisagem urbana ou rural.
Image copyright Kazuyo Sejima and Associates

Projetado pela premiada arquiteta japonesa Kazuyo Sejima, a novidade está prevista para entrar em funcionamento a partir de 2018 e faz parte das comemorações de 100 anos da empresa ferroviária Seibu Railway.

Esta será a primeira incursão da arquiteta na concepção de um trem. “A maior diferença com a arquitetura padrão é que o trem é capaz de percorrer uma variedade de locais”, disse Sejima em um comunicado enviado à BBC Brasil.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

“O trem expresso (da linha Seibu) passa por cenários variados, das montanhas de Chichibu ao centro de Tóquio, então pensei que seria bom se ele pudesse gentilmente coexistir com esta variedade de paisagens”, explicou.

O modelo imaginado por Kazuyo será revestido de materiais super-refletores e transparentes, permitindo que o comboio se encaixe de forma harmoniosa na paisagem urbana ou rural.

A locomotiva, segundo o protótipo divulgado para a imprensa, terá um formato arredondado, muito parecido com uma bala de revólver.

Interior

Mas não é somente a aparência externa que a arquiteta quer revolucionar. Ela diz estar desenvolvendo um interior muito diferente do que existe hoje no sistema ferroviário.

“Também gostaria que fosse um trem no qual um grande número de pessoas pudessem relaxar com conforto, da sua própria maneira, como se estivessem em uma sala de estar”, sugeriu a japonesa. “Assim eles poderiam pensar: ‘Não vejo a hora de subir nesse trem de novo’.”

Ao todo, serão sete trens com oito vagões cada que passarão pela remodelação.

Kazuyo Sejima ganhou ‘Nobel da Arquitetura’ em 2010 e projetou prédios para várias cidades do mundo – Foto de Aiko Suzuki

Para chegar ao conceito, Kazuyo formou uma equipe, composta principalmente de funcionários mais jovens de Seibu Railway e de outras empresas do Grupo Seibu, da qual ouviu ideias e coletou informações.

Partindo do ponto de vista do usuário, a arquiteta resolveu projetar então um trem “nunca visto antes”.

Arquiteta premiada

Kazuyo Sejima é conhecida por seus desenhos minimalistas e modernos, que incorporam superfícies brilhantes, como metais e vidros.

A superfície reflexiva que ela pensa em implantar nos trens da Seibu, por exemplo, já foi utilizada por ela anteriormente em edifícios, como o Museu Louvre-Lens, na França.

A japonesa, junto com seu sócio na empresa de arquitetura SANAA, Ryue Nishizawa, foi ganhadora do prêmio Pritzker, considerado o Nobel da arquitetura.

Entre os diversos trabalhos de destaque da dupla estão o Novo Museu de Arte Contemporânea de Nova Iorque; o Pavilhão Serpentine, em Londres; o Centro Rolex de Ensino Experimental, em Lausanne, na Suíça; e o prédio da Christian Dior em Tóquio.
Ewerthon Tobace/BBC

Mitsubishi admite ter fraudado dados de consumo em mais de 600.000 veículos

 A Mitsubishi Motors, sexta maior empresa automobilística do Japão, admitiu, na manhã desta quarta-feira, ter manipulado os dados de testes de emissões de gases de até 625.000 veículos com o objetivo de apresentar taxas de consumo de combustível melhores do que as obtidas na realidade.

O presidente da Mitsubishi Motors, Tetsuro Aikawa.

 Tratou-se, segundo o presidente da companhia, Tetsuro Aikawa, de uma ação “premeditada”. Não só se falsificaram os resultados dos testes, como também nem sequer seguiram os protocolos definidos pela legislação japonesa.

O escândalo afeta quatro modelos de carros pequenos. Dois deles são da própria Mitsubishi, o eK Wagon e o eK Space, e os outros dois (DayZ e DayZ Roox) foram produzidos para a Nissan.

A fraude foi descoberta por esta última empresa, também japonesa, que percebeu que os seus dados sobre emissão de gases não batiam com os da Mitsubishi.

Os números da Nissan mostravam que a eficiência energética se situava em torno de 7% abaixo do informado pela Mitsubishi. Depois de realizar uma investigação interna, o fabricante concluiu que os dados haviam sido manipulados.

“Pedimos as nossas mais sinceras desculpas a todos os clientes afetados”, disse Aikawa, em entrevista coletiva dada ao lado do ministro dos Transportes do país asiático. “Um dos nossos clientes, a Nissan, descobriu as diferenças entre os dados divulgados e os reais e nos pediu para corrigirmos os nossos números”, acrescentou.

“Continuaremos a investigar para saber o que aconteceu e quem são os responsáveis”. Akinawa destacou também que “considerando a gravidade do caso”, a empresa irá rever todos os dados sobre consumo de energia de outros veículos exportados para outros países, cujos procedimentos para testes variam conforme a legislação local.

A Mitsubishi afirmou em nota que o problema foi detectado nos veículos produzidos desde meados de 2013 e que está avaliando se os veículos vendidos fora do Japão também foram afetados.

Trata-se de modelos pequenos, com motores à gasolina de até 660 centímetros cúbicos, que obtiveram grande sucesso no mercado japonês, mas cuja receptividade foi fraca em outros países.

Aikawa pediu desculpas aos consumidores e aos acionistas, prometeu pagar indenizações e anunciou a suspensão da produção e da venda desses modelos.

A fraude nos testes se deu por meio de uma alteração da pressão do ar utilizada nos pneus, o que repercutiu nos dados sobre consumo de combustível divulgados pela empresa para as autoridades japonesas, informa Kyodo.

A empresa não precisou quantos funcionários poderiam estar envolvidos no escândalo, mas prometeu criar uma comissão independente para investigar o caso. Aikawa afirmou que não tinha conhecimento dessas práticas, mas assumiu a responsabilidade pelos números finais desses testes.

Questionado sobre a possibilidade de se demitir de seu cargo, o executivo afirmou que se concentrará primeiramente em “saber o que aconteceu”.

As ações da empresa japonesa caíram mais de 15% no fechamento da Bolsa de valores de Tóquio, o equivalente a cerca de 1 bilhão de euros (cerca de quatro bilhões de reais), antes mesmo de que a companhia anunciasse as dimensões de um escândalo que tem grandes semelhanças com o que atingiu a alemã Volkswagen no ano passado.

Foi a maior queda de suas ações na Bolsa desde 2004, quando a empresa se encontrava à beira da falência. No ano passado, a Mitsubishi vendeu pouco mais de um milhão de veículos.

As ações da empresa japonesa caíram mais de 15% no fechamento da Bolsa de valores de Tóquio

No último mês de outubro, depois de realizar um levantamento entre as empresas do setor, o Governo do Japão afirmou que nenhum dos principais fabricantes de veículos do país havia fraudado o software de controle de emissões de gases tóxicos de seus veículos.

Em 2014, os fabricantes sul-coreanos Hyundai e Kia já haviam concordado com o pagamento de uma multa de 100 milhões de dólares (cerca de 360 milhões de reais) para que se pusesse fim a uma investigação nos EUA relativa à adulteração –para baixo—dos dados de consumo dos carros vendidos em 2013 e 2014, mas o anúncio da Mitsubishi se dá em um momento bastante complicado para a indústria automobilística, submetida a controles mais rígidos desde a explosão do caso Volkswagen, em setembro do ano passado.

Os números disponíveis até agora indicam que a dimensão deste segundo escândalo é significativamente menor: 625.000 veículos atingidos, ante 11 milhões no caso da montadora alemã.

No ano passado, a Mitsubishi vendeu um milhão de veículos, além dos componentes que fornece para outras empresas automobilísticas. O grupo japonês apresentará seu balanço na semana que vem.
ElPais