Clique Aqui>> Um olhar fora da bolha: Fatos & Fotos 16/07/2020

Boa noite.
Manhã
Guilherme Pavarin

amanheceu na minha esquina
um tanque pixado com flores
e mortalhas sobre o canhão

vizinhos posaram para selfies
homens montaram seus filhos
repórteres alisaram ferrugem

geométrico e tetânico
ele foi ficando jardim
dentadura de pneus

ao lado ergueu-se uma praça
com trânsito, louvores e pipocas
de domingo a domingo

todos à espera dos cuidados
do motorista que lá estacionou
para menos dia

num brecha de nossa vigília
botar outro tanque, mais novo
em seu lugar

Ilustração de Oleg Denisenko

*****

Su Xinping – s/t 2013

*****

Nas plagas dos Tapuias, com cacique representando a direita-jeca-sertaneja-petencostalibão, a Novilíngua ou novafala, penetra sem K&Y.

Paulo Jegues, ops!, ato falho, Guedes faz mega pedalada fiscal e a imprensa – imprensa? Hahaha – chama de ‘drible’. Hahaha.
Pelo menos R$ 55 bilhões em despesas fora do limite estabelecido pelo teto de gastos. A pedalada fiscal do ministro Paulo Guedes, deve se repetir nos próximos anos.
Impeachment? “Cês taun” delirando é? Hahaha.
A distopia do Estado de Exceção é um assombro!

*****

Uma coisa o Tenebroso está fazendo certo. A cloroquina é jujuba para o virus da covid-19. Ela é ineficaz tal e qual.

*****

Não estudou história, excelência?

Mourão disse que retirar 3.500 garimpeiros da terra Yanomami é “complexo”. Há 23 anos, sem tecnologia, o Ibama e a PF retiraram 8.000 garimpeiros da terra Nambikwara Sararéi. Nos anos 90, a PF retirou milhares de garimpeiros dos Yanomami. É impressionante o desconhecimento do Brasil nesse (des)governo ancorado nas trevas Idade Média! O senhor vice-presidente seria aprovado no ENEM?

*****

Da série: “Fique Em Casa”
*****

Soberano

*****

“Você queimará no inferno!”: O caso do professor condenado por ensinar a teoria de Darwin. Há 95 anos, o professor de biologia John Thomas Scopes foi preso e acusado de ter ensinado “uma teoria que nega a história da Criação Divina do Homem, conforme explicado na Bíblia“. Três dias depois, Scopes estava na prisão e o banco da acusado estava esperando por ele no Tribunal do Tenessee, USA.
Qualquer semelhança com o Bananil das trevas, não é mera coincidência.

*****

Cerâmica de Greet Ketelaers

*****

Brasil da série: “A vida como não devria ser”, ou “O Brasil é um Estado em estado terminal”!
À esquerda, o miliciano Queiroz. À direita, uma mãe amamentando filho na prisão e através das grades da incesatez. Esta, é a justiça brasileira. Uma porcaria! Quem tem padrinho forte, não morre pagão.

*****

E o Trofeu Febeapá do dia vai para o secretário do Ministério da Morte, ops!, ato falho – Saúde do desgoverno do langanhento;
“Brasil é um grande exemplo de combate à covid-19”

*****

*****

Pintura de Carl Fredrik Hill
Villa at Seine, Fontainebleau – 1877

*****

O Brasil tem hoje apenas dois países aliados: Estados Unidos e Israel. Pelo menos, assim são considerados por nosso dejeto presidencial. Todas as outras importantes parcerias foram arruinadas por uma diplomacia vergonhosa, baseada em ofensas, infâmias e deboches.

*****

Só para lembrar que foi aqui que o Osmar Terra disse que o Brasil tinha chegado no pico da pandemia.

*****

Monalisas

*****

Paulo da Costa Domingos Quarentena – Poesia

É um ribeiro, uma harpa
com penugem sobre corolas
que despertam par’a Lua.
Um mar gigante com arca,
uma metrópole flutuante,
quarentena de aventura
Eu sozinho, mestre, perplexo
ante a ciência que me deste
do compasso, pétala e agulha.
Paulo da Costa Domingos, Ilícito, Averno, 2020

*****

Ontem foi uma mulher de 51 anos; hoje, um motoboy. Ambos negros. Agredidos e humilhados pela milícia de João Doria. Qualquer projeto político que se preze tem que ter uma agenda de combate radical ao racismo. Ou isso ou uma guerra civil represada há séculos.

*****

Bolsa ditadura já “torrou” R$2,5 bilhões

Brasil: da série “Acorda Brasil”!

Sabe aonde vai parar o seu, o meu, o nosso sofrido dinheirinho? Entre outros sumidouros, para no que está sendo chamado de “bolsa ditadura”.

A mamata, destinada aos coitadinhos “perseguidos” pelo governo militar, já destinou a “mincharia” de R$ 2,5 bilhões para pulhas como Ziraldo, Jaguar, Carlos Heitor Cony, a viúva do eco chato Chico Mendes e outros mais.

Os supostos “perseguidos” ou “prejudicados” pela ditadura, são regiamente contemplados pelo ervanário graciosamente liberados por uma “Comissão de Anistia do Ministério da Justiça“.

A famigerada comisão — será que recebe alguma comissão por ser tão graciosa? —, segurem a carteira, examinou apenas 38 mil dos 60 mil pedidos. Uma simples conta de divisão entre o montante liberado e o número de beneficiados revela que se a divisão fosse igualitária, cada nababo teria ganho R$ 65 mil de indenização.

Existem alguns casos em que os “pobrezinhos” dos “perseguidos”, foram contemplados individualmente com até com R$ 2 milhões.

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]Alguns cínicos beneficiados, como Jaguar, Cony e Ziraldo, ainda tem a cara de pau de criticar malfeitorias com o dinheiro público. Ziraldo e Jaguar receberam, cada um do bolsa anistia, R$ 1,2 milhão e R$ 1 milhão respectivamente.

Mas, nem tudo está perdido.

O grande Millor Fernandes, que também amargou, censura, cerceamento de trabalho e até prisão durante o regime militar, recusa qualquer tipo de boquinha e ainda fulmina:
“…então eles não estavam fazendo uma rebelião, mas um investimento?”

Outro gesto decente contra a famigerada bolsa anistia é o do Fundador do PT, o jornalista Hélio Doyle que é contra enormes indenizações. Lembra que suas cinco prisões políticas não o impediram de trabalhar.

Juiz cobra transparência da turma do Pasquim

Brasil: da série “quem te viu quem te vê”!

Ziraldo, Jaguar e mais diversos outros que se dizem vítimas do regime de exceção que se estabeleceu no Brasil em 1964, recebem o que prosaicamente se denomina de bolsa ditadura.

A indignação por tal ato indenizatório, continua suscitando protestos de todos os lados. Inclusive de antigos admiradores do Pasquim. Este é o caso do Juiz Ilton Dellandrea, cujo desabafo transcrevo a seguir:

Prezados Ziraldo e Jaguar:

Eu fui fã número 1 do PASQUIM (em seguida saberão porquê). Por isto me sinto traído pela atitude de vocês (Ziraldo e Jaguar). Vocês, recebendo essa indenização milionária, fizeram exatamente aquilo que criticavam na época: o enriquecimento fácil e sem causa emergente da e na estrutura ditatorial. Na verdade, vocês se projetaram com a Ditadura. Vocês se sustiveram da Ditadura. Vocês se divertiram com a Ditadura.

Está bem, vocês sofreram com a Ditadura, mas, exceto aquela semana na cadeia – que parece não foi tão sofrida assim – nada que uma entrevista regada a uísque e gargalhadas na semana seguinte não pudesse reparar.

A cada investida da Ditadura vocês se fortaleciam e a tiragem seguinte do jornal aumentava consideravelmente. Receber um milhão de reais e picos por causa daquela semana,convenhamos, é um exagero,principalmente quando se considera que o salário mínimo no Brasil é de R$ 480,00 Por mês…

Vocês não podem argumentar que a Ditadura acabou com o jornal. Seria a mais pura mentira, se é que a mentira pode ser pura. O ‘O Pasquim’ acabou porque vocês se perderam. O Pasquim acabou nos estertores da Ditadura porque vocês ficaram sem o motor principal de seu sucesso, a própria Ditadura. Vocês se encantaram com a nova ordem e com a possibilidade de a Esquerda dominar este país que não souberam mais fazer humor. Tanto que mais tarde voltaram de Bundas – há não muitos anos – e de bunda caíram porque foram pernósticos e pedantes.

Vocês só sabiam fazer uma coisa: criticar a Ditadura e não seriam o que são sem ela. Eu vi o nº 1 de ‘O Pasquim’ num tempo em que não tinha dinheiro para adquiri-lo. Mais tarde, estudante em Florianópolis, passei a comprá-lo toda
semana na rua Felipe Schmidt, próximo à rua 7 de Setembro, numa banca em que um rapaz chamado, se não me engano Vilmar, reservava um exemplar para mim.Eu pagava no fim do mês.

Formado em Direito, em 1976 fui para Taió. Lá assinei o jornal que não chegava na papelaria do meu amigo Horst. Em 1981 vim para o Rio Grande do Sul e morando, inicialmente, em Iraí, continuei assinante. Em fins de 1982 fui promovido para Espumoso e sempre assinante. Eu tenho o nº 500 de O Pasquim, aquele que foi apreendido nas bancas e que os assinantes receberam…Nessa época, não sei se lembram, o jornal reduziu drasticamente seu número de folhas. Era a crise. Era um arremedo do que fora, mas ainda assim conservava alguma verve. A Ditadura estava saindo pelas portas dos fundos e vocês pelas portas da frente, famosos e aplaudidos.

Vocês lançaram uma campanha de assinaturas. Eu fui a campo e consegui cinco ou seis. Em Espumoso! Imaginei que se cada assinante conseguisse cinco assinaturas, ajudaria muito.Eu era Juiz de Direito. Convenhamos: não fica bem a um Juiz sair vendendo assinatura de jornal. Mas fiz isto com o único interesse de ajudar o Pasquim a se manter. Na verdade, as assinaturas foram vendidas a amigos advogados aos quais explanei a origem, natureza e linha editorial do jornal. Uns cinco ou seis adquiriram assinaturas anuais. No máximo dois meses depois todos paramos de receber o jornal, que saiu de circulação.

O “O Pasquim” deu o calote…. Eu fiquei com cara de tacho e, como se diz por aqui, mais vexado que guri cagado. Sofri constrangimento por causa de vocês Devo pedir indenização por isto? Não. esqueçam! Mas agora que vocês estão milionários, procurem nos seus registros e devolvam o dinheiro dos assinantes de Espumoso que pagaram e não receberam a assinatura integral.

Naquele tempo vocês não tinham como faze-lo. Agora têm. Paguem proporcionalmente, mas com juros e correção monetária, como manda a lei. Caso contrário, além de traidores, serei obrigado a considerá-los também caloteiros.

Ilton Dellandrea
Juiz de Direito

Ziraldo, mamatas e a Comissão de Anistia

Brasil: da série “Acorda Brasil”!

Um dos melhores negócios no Brasil é fazer parte da  bolsa “coitadinho-vítima-de-perseguição-do-regime-militar”.

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]O gestor desse baú sem fundo é uma tal, explorada pelos mamadores dessa terra varonil, de Comissão de Anistia.

Esse distrupiço (em cearencês é o mesmo que coisa mal feita, mostrengo, indecência) continua, inclusive por outros caminhos, fazendo a festa no bolso dos coitadinhos tipo Ziraldo, Carlos Heitor Cony, Jaguar, Chico Mendes — esse das profundas da Amazônia, propiciou a invenção da ‘bolsa viúva de perseguido político’ e outros que se dizem vítimas de perseguição política.

Claro que a grana sai do seu, do meu, do nosso sofrido dinheirinho. Agora, mais uma vez, o Ziraldo, que já recebeu uma bolada além de pensão vitalícia de 3mil e cacetada de reais, vai mamar mais uma vez nas têtas da pátria mãe indefesa.

Não cabe mais nem o indignado Argh! Só o bom e velho ARRE ÉGUA!!!

Olhem só, aí abaixo, a conta que os Tupiniquins terão que pagar pro “Menino Sabidinho”.

Papai Noel do Ziraldo

Após pagar R$ 1 milhão e 854 mil pelos direitos autorais do Ziraldão, a TV Pública deu mais um reforço às finanças do chargista: contratou o próprio Ziraldo por R$ 150 mil para apresentar a série televisiva.

coluna Claudio Humberto

Moto Jaguar, mas velocidade de lebre

Moto JaguarClique na imagem para ampliar
Feita em fibra de vidro, escultura do felino ‘abraça’ a moto.
Apesar do motor de 1.200 cc, a invenção não chega aos 100 km/h.

Do G1

O designer inglês Barend Hemmes teve uma ‘brilhante’ idéia enquanto fazia estudos com logos de montadoras em sua oficina particular. Revestir uma motocicleta com o logo da Jaguar que, segundo ele, teria o formato perfeito para essa invenção. Hemmes procurou a ajuda da empresa especializada em motos, Polar Cycles, que fica em South Yorkshire, para concretizar o projeto.

Para servir de base, o designer recorreu a um famoso site de leilões e arrematou uma Buell S3 Thunderbolt de 1.200 cilindradas, ano 1997. A ‘moto Jaguar’, batizada de Cat 1, porém, está longe do desempenho esportivo dos modelos da marca inglesa – não atinge nem sequer os 100 km/h de velocidade máxima.

Mas, segundo o designer, o baixo desempenho não chega a ser um defeito, pois “o Jaguar cuidadosamente esculpido em fibra de vidro é uma peça de arte e, andando devagar, ele pode ser melhor apreciado pelas outras pessoas.”