Corrupção no ISS em São Paulo

Nos tempos áureos da Máfia nos USA, o bando roubava um banco e a turma tinha que ficar uns cinco anos sem mexer na grana.

O primeiro que não obedecesse a essa regra e saisse gastando por aí, terminava no fundo do Rio Hudson com sapatos de concreto.

Já nas plagas Tapuias, mais especificamente no caso da gangue do ISS em S.Paulo, o ladrão tem logo que exibir que ficou rico.

No mínimo um Porsche e uma amante coberta de joias. Próxima cena;
1. Ninguém sabia de nada – o Lula deveria ter patenteado essa frase cínica;
2. Não aparecem os corruptores;
3. “Cherchez la femme” ensinava Dumas, o Alexandre.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]