Ambiente,Saúde,Medicina,Brasil,Blog do Mesquita 01

Proibição de viagens na Europa por Trump é confundida com raiva

Grã-Bretanha e Irlanda não foram incluídas na proibição.

Lideres da União Européia condenaram a proibição. A Itália está trancada e o NBA suspendeu sua temporada.

A Europa luta para entender a proibição de viagens nos EUA, à medida que mais países adicionam restrições.

Nos dois lados do Atlântico, na quinta-feira, as consequências da decisão do presidente Trump de proibir a maioria das viagens da Europa começaram a ser sentidas econômica, política e socialmente.

A Comissão Européia, órgão governante da União Européia, emitiu uma declaração contundente condenando a ação.

“O coronavírus é uma crise global, não se limita a qualquer continente e requer cooperação e não ação unilateral”, afirmou. “A União Europeia desaprova o fato de que a decisão dos EUA de impor uma proibição de viagem foi tomada unilateralmente e sem consulta.”

As restrições se aplicam apenas aos 26 países da zona de viagens livres de Shengen do bloco e não parecem estar vinculadas à gravidade dos surtos em países individuais. .

Dezenas de milhares de americanos na Europa se esforçaram para descobrir o que precisavam fazer antes que a proibição de viagem de 30 dias entre em vigor na sexta-feira, muitos pouco claros sobre o escopo da proibição e temiam que seus vôos para casa fossem cancelados. E companhias aéreas, hotéis e dezenas de outras indústrias – muitas das quais já sofreram com as restrições impostas para retardar a propagação do vírus – preparadas para quedas ainda mais acentuadas.

Em todo o continente, as notícias foram recebidas com confusão, raiva e ceticismo, mesmo quando muitas nações européias passaram a restringir suas próprias restrições ao movimento de pessoas dentro e fora de suas fronteiras.

Um terminal quase vazio no Aeroporto Internacional de Los Angeles na quarta-feira (…) Lucy Nicholson / Reuters

A Itália, que já estava confinada, fechou as portas ainda mais e na quinta-feira de manhã, já que praticamente os únicos locais públicos ainda abertos a seus 60 milhões de cidadãos eram supermercados e instalações médicas.

Na União Européia – onde a livre circulação de pessoas entre os estados membros é considerada uma das principais conquistas da ordem pós-Segunda Guerra Mundial – a República Tcheca se juntou na quinta-feira a outras nações ao anunciar novos postos de controle fronteiriços.

Fora da Europa, a luta contra o vírus também ganhou intensidade, com a Índia se juntando à crescente lista de países que impõe limites drásticos de viagem.

Se o vírus parecia uma ameaça distante para muitos americanos, as notícias de que o ator Tom Hanks e sua esposa haviam testado positivo pareciam abalar essa noção. E a batida constante de más notícias de Wall Street apenas aumentou a ansiedade.

Um após o outro, os países anunciaram na quarta-feira planos para gastar dezenas de bilhões para combater o vírus e as conseqüências econômicas que está causando. Mas as medidas pouco ajudaram a aliviar as preocupações dos investidores, com os mercados asiático e europeu sendo negociados acentuadamente mais baixos na quinta-feira.

O Congresso deve votar um pacote abrangente de ajuda para pessoas afetadas financeiramente pelo coronavírus.

Atrasos nos testes nos Estados Unidos tornaram difícil obter uma noção completa da escala do surto ali. Porém, os estados estão cada vez mais tomando conta das suas próprias mãos, declarando estados de emergência, cancelando as aulas de escolas e universidades, limitando o tamanho das reuniões e ordenando o isolamento de milhares de pessoas com potencial exposição ao vírus.

Embora a Organização Mundial da Saúde tenha declarado a propagação global do vírus uma pandemia, seus líderes instaram os países a não desistir da contenção. Eles alertaram que a disseminação descontrolada do vírus poderia sobrecarregar os sistemas de saúde, mesmo nas sociedades mais ricas, apresentando escolhas desconfortáveis ​​sobre quem tratar primeiro.

Esses perigos estavam sendo levados para casa pela crise em curso na Itália, que registrou mais de 12.000 casos e 827 mortes.

Giorgio Gori, prefeito de Bergamo, uma cidade da Lombardia, escreveu no Twitter que as unidades de terapia intensiva ficaram tão sobrecarregadas que “os pacientes que não podem ser tratados são deixados para morrer”. Ele acrescentou em uma entrevista que os médicos estavam sendo forçados a amortizar aqueles com “menores chances de sobrevivência”.

O presidente Trump diz que é necessário restringir as viagens da Europa.
O presidente, sentado atrás da mesa resoluta com os braços cruzados, finalmente pareceu reconhecer a gravidade do vírus, chamando-o de “infecção horrível” e dizendo que os americanos deveriam reduzir as viagens desnecessárias.

O presidente Trump disse na noite de quarta-feira que estava suspendendo a maioria das viagens da Europa para os Estados Unidos por 30 dias, começando na sexta-feira, para conter a propagação do coronavírus. As restrições não se aplicam à Grã-Bretanha, disse ele.

Trump impôs uma proibição de 30 dias a estrangeiros que, nas duas semanas anteriores, estiveram nos 26 países que compõem o espaço Schengen da União Europeia. Os limites, que entrarão em vigor na sexta-feira à meia-noite, isentarão cidadãos americanos e residentes legais permanentes e suas famílias, embora possam ser canalizados para determinados aeroportos para uma triagem aprimorada.

Mais tarde na quarta-feira, o Departamento de Estado emitiu um comunicado dizendo aos americanos para “reconsiderarem as viagens” para todos os países por causa dos efeitos globais do coronavírus. É o segundo conselho mais forte do departamento, por trás de “não viaje”.

Falando do Oval Office, Trump também disse que as empresas de seguros de saúde concordaram em estender a cobertura para cobrir os tratamentos contra o coronavírus e renunciar a pagamentos relacionados.

O presidente disse que em breve anunciará uma ação de emergência para fornecer ajuda financeira aos trabalhadores que adoecem ou precisam ficar em quarentena. Ele disse que pedirá ao Congresso que tome medidas legislativas para estender esse alívio, mas não detalhou o que seria. Ele disse que instruiria o Departamento do Tesouro a “adiar pagamentos de impostos sem juros ou multas para certos indivíduos e empresas impactadas negativamente”.

Isso sinalizou uma quebra da atitude de negócios como de costume que ele tentava projetar na terça-feira, quando instou os americanos a “manter a calma” e disse que o vírus logo desapareceria. Mas Trump continuou a antecipar um fim rápido do surto, mesmo quando especialistas médicos alertaram que a pandemia pioraria.

“Isso não é uma crise financeira”, disse ele. “Este é apenas um momento temporário que venceremos como nação e mundo.”

Esta é uma pandemia global, diz a OMS

Líderes da Organização Mundial da Saúde (OMS) declararam pandemia de surto de coronavírus na quarta-feira. … Fabrice Coffrini / Agence France-Presse – Getty Images

A disseminação do coronavírus em mais de 100 países agora se qualifica como uma pandemia global, disseram autoridades da Organização Mundial da Saúde na quarta-feira, confirmando o que muitos epidemiologistas vêm dizendo há semanas.

Até agora, o OMS evitaram usar o termo, por medo de que as pessoas pensassem que o surto era imparável e os países desistissem de tentar contê-lo.

“Pandemia não é uma palavra para ser usada de maneira leve ou descuidada”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, chefe da OMS, em entrevista coletiva em Genebra.

“Não podemos dizer isso em voz alta ou clara o suficiente ou com frequência suficiente”, acrescentou. “Todos os países ainda podem mudar o curso dessa pandemia.”

Há evidências em seis continentes de transmissão sustentada do vírus, que já infectou mais de 120.000 pessoas e matou mais de 4.300. A designação da pandemia é amplamente simbólica, mas as autoridades de saúde pública sabem que o público ouvirá na palavra elementos de perigo e risco.

Plantas irlandesas que são incomuns e fascinantes

Aqui está um grupo de plantas irlandesas que são incomuns e fascinantes. Apesar da perda de muitos lugares selvagens nos últimos 30 anos, eles sobrevivem principalmente.

Você pode visitar algumas das áreas selvagens restantes nos Parques Nacionais.

O medronheiro (Arbutus unedo) é uma árvore irlandesa nativa rara.
Pode ser encontrada de Cork a Sligo.

Originalmente mais comum, agora é mais frequentemente encontrado ao longo das margens dos lagos Killarney. Sua forma grisalha e casca única são lindas.

Como irlandês que largou Harvard se tornou o bilionário mais jovem do mundo

John Collison
Foto: Divulgação/Stripe

John Collison não fica totalmente à vontade quando fala de sua fama: com apenas 27 anos, ele é o bilionário mais jovem do mundo, se considerarmos aqueles que construíram suas fortunas – e não as herdaram, por exemplo. Por outro lado, aparenta ter qualidades comuns a empreendedores e líderes de negócios lucrativos: é confiante e ótimo comunicador.

Ele fica encabulado quando é questionado sobre o tamanho de sua fortuna. “As pessoas sempre me perguntam sobre isso, e eu acho que elas esperam uma resposta interessante. Mas eu não tenho o que responder para elas”, diz o irlandês.

“As pessoas perguntam: ‘como sua vida mudou?’, e esperam um novo hobby excêntrico, como uma coleção de ovos de ouro ou corridas de iate”, acrescenta – o empresário gosta de correr em seu tempo livre.

John é cofundador de uma empresa de software chamada Stripe, que tem sede em San Francisco e talvez seja desconhecida para a maioria das pessoas.

Ele montou e agora administra a empresa com seu irmão mais velho, Patrick Collison, de 29 anos, o terceiro bilionário mais jovem do mundo – a segunda colocação pertence a Evan Spiegel, de 27 anos, cofundador da rede social Snapchat.

Fundada em 2011, a Stripe não é muito conhecida porque não vende nada que possa ser comprada por consumidores “normais”. A empresa produz softwares que facilitam sistemas de pagamento online para empresas e sites em todo o mundo.

Pessoal usando Apple Pay
A empresa Apple, uma das maiores do setor de tecnologia, usa o software da Stripe

Com mais de 100 mil clientes, a companhia anunciou uma nova rodada de financiamento, sendo avaliada em US$ 9 bilhões – R$ 29,3 bilhões.

Segundo a revista Forbes, cada um dos irmãos tem uma fortuna estimada em US$ 1,1 bilhão – cerca de R$ 3,5 bilhões. É um valor considerável para uma dupla que começou a programar ainda na adolescência e que, mais tarde, abandonou a universidade.

Do campo ao Vale do Silício

Os irmãos cresceram em Country Tipperary, uma pequena vila rural no oeste da Irlanda.

Depois de terminar o ensino médio, os dois escolheram universidades americanas para estudar: em 2007, Patrick começou matemática no tradicional Massachusetts Institute of Technology (o famoso MIT) e, dois anos depois, John foi aceito na respeitada Universidade Harvard.

“Obviamente foi mais fácil para mim porque Patrick já tinha conseguido. Nós até consideramos estudar no Reino Unido, mas queríamos um lugar mais longe. Éramos estudiosos, e entrar em uma universidade de ponta nos Estados Unidos era tentador”, diz John.

Mas antes mesmo de ele começar os estudos em Harvard, ambos já haviam se tornado milionários graças ao primeiro negócio da dupla, uma companhia de software que ajudou empresas e consumidores a fazerem negócios mais facilmente no site de vendas eBay.

John Collison (à esquerda) e seu irmão, Patrick
John (à esquerda) e seu irmão Patrick ficaram ricos depois de abandonar a faculdade e lanças projetos próprios
Foto: Divulgação/Stripe

Em 2008, um ano depois de ter sido criada, a Auctomatic foi vendida por US$ 5 milhões (R$ 16,3 milhões, em valores atualizados).

Depois do negócio, os irmãos voltaram sua atenção para a Stripe, e continuaram a trabalhar juntos quando John começou a estudar em Harvard. Os dois acabaram desistindo da universidade para a lançar a empresa no Vale do Silício, região que concentra companhias de tecnologia na Califórnia.

“Você pode imaginar como é árduo começar um negócio na internet. Criar um produto que as pessoas querem de fato comprar, e fazer com que elas ouçam falar (da empresa), são coisas difíceis. Fazer dinheiro na internet pode ser extremamente difícil”, diz John.

“Eu lembro de perguntar para o Patrick ‘como pode ser tão difícil? Será que devemos continuar tentando?'”

Eles continuaram desenvolvendo um software que permitisse a empresas de todos os tamanhos receberem pagamentos de forma mais fácil, além de executar outras tarefas em seus sites, como armazenar dados de clientes e oferecer sistemas de segurança.

Apesar de ter vários concorrentes, a Stripe viu seus usuários crescerem rapidamente, o que garantiu financiamento e apoio de pesos-pesados do setor, como o chefe da Tesla, Elon Musk, e o fundador do Paypal, Peter Thiel.

Simples e lucrativo

O modelo de negócios é relativamente simples: a companhia cobra um percentual por transação processada pelo seu software. No Reino Unido, o índice é de 1,4% por transação.

Embora a Stripe não revela detalhes de sua receita anual, o valor da empresa (R$ 29 bilhões) sugere tratar-se de um negócio lucrativo. “Apenas 5% dos gastos dos consumidores ocorrem na internet, nós queremos aumentar isso”, diz John.

Elon Musk
Elon Musk, dono da empresa Tesla, é um dos investidores da Stripe Direito de imagemGETTY IMAGES

“Nós acompanhamos o crescimento da economia na internet. Enquanto ela crescer, a Stripe vai continuar crescendo. Não sei o que você acha, mas acredito que é um negócio seguro para se apostar”, brinca.

A Stripe tem hoje 750 funcionários, incluindo 500 em San Francisco e 150 em lugares como Dublin, Londres, Paris e Berlim.

O jornalista Martin Veitch, editor de tecnologia do site IDG Connect, afirma não ser surpresa que a companhia esteja recebendo tamanha atenção, mas que seu modelo de negócios é bastante “novo”.

“Qualquer empresa com potencial de ser grande na internet vai gerar interesse, e é isso que os irmãos Collison estão fazendo com os pagamentos online”, diz.

“Mas é um mercado competitivo. Claro que o valor da Stripes gera inveja, mas ainda é cedo para avaliar (se o negócio fará mais sucesso)”, explica.

John, que tem o título de presidente da empresa, diz que gasta mais tempo com assuntos externos como vendas e parcerias, enquanto Patrick se concentra nas questões internas, como a engenharia.

Os irmãos ainda dividem um apartamento em San Francisco. Mas não pergunte a John sobre como é ser um bilionário.

“É mais uma questão de calculadora. Essa avaliação (da empresa) é baseada em nossa capacidade de continuar lançando bons produtos em um mercado competitivo. Temos bons resultados, mas ainda há muito a fazer.”

Yeats – Versos na tarde – 12/08/2017

O prazer do difícil
Yeats ¹

O prazer do difícil tem secado
A seiva em minhas veias. A alegria
Espontânea se foi. O fogo esfria
No coração. Algo mantém cerceado
Meu potro, como se o divino passo
Já não lembrasse o Olimpo, a asa, o espaço,
Sob o chicote, trêmulo, prostrado,
E carregasse pedras. Diabos levem
As peças de teatro que se escrevem
Com cinqüenta montagens e cenários,
O mundo de patifes e de otários,
E a guerra cotidiana com seu gado,
Afazer de teatro, afã de gente,
Juro que antes que a aurora se apresente
Eu descubro a cancela e abro o cadeado.

Tradução: Augusto de Campos

¹ William Butler Yeats
* Dublin, Irlanda – 13 de Junho de 1865
+ Menton, França – 28 de Janeiro de 1939

[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

A ‘multa’ de US$ 15 bi que a Irlanda não quer cobrar – e que opôs a Apple à União Europeia

Ao fim de uma investigação que durou três anos, a Comissão Europeia determinou que a Irlanda cobre cerca de US$ 15 bilhões ─ ou R$ 50 bilhões ─ da gigante de tecnologia Apple em impostos atrasados.

Logo da AppleComissão Europeia determinou que Irlanda cobre US$ 15 bi da Apple por ‘impostos atrasados’ Image copyrightGETTY IMAGES

Mas tanto Irlanda quanto a Apple discordam da multa recorde e dizem que vão apelar contra a decisão.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Por quê?

Segundo a Comissão Europeia, órgão executivo da União Europeia, os benefícios fiscais concedidos pela Irlanda à Apple são ilegais.

O organismo alega que a Irlanda possibilitou à empresa americana pagar substancialmente menos que outras instaladas no país, ferindo as regras do bloco econômico europeu.

Margrethe VestagerComissária Europeia para assuntos de concorrência, dinamarquesa Margrethe Vestager diz que benefícios fiscais à Apple são ‘ilegais’
Image copyrightREUTERS

“Estados-membros não podem conceder benefícios fiscais a companhias específicas ─ isso é ilegal de acordo com as regras da União Europeia”, disse a dinamarquesa Margrethe Vestager, comissária europeia para assuntos de concorrência.

“A investigação da Comissão concluiu que a Irlanda concedeu benefícios fiscais ilegais à Apple, que lhe permitiram pagar substancialmente menos do que outras empresas por muitos anos”, acrescentou ela.

A alíquota padrão dos impostos sobre pessoas jurídicas na Irlanda é de 12,5% – uma das mais baixas do mundo desenvolvido, o que lhe dá vantagens em atrair empresas estrangeiras. Mas, segundo a Comissão Europeia, a Apple pagou apenas 1% sobre os lucros registrados na Europa em 2003. Em 2014, a taxa foi ainda menor: 0,005%.

‘Efeito profundo e nocivo’

A Apple afirmou que a decisão teria um impacto negativo na criação de empregos e nos investimentos.

“A Comissão Europeia lançou um esforço para rescrever a história da Apple na Europa, ignorando as leis fiscais da Irlanda e virando de cabeça para baixo o sistema tributário internacional nesse processo”, informou a Apple em comunicado.

“O caso da Comissão não é sobre quanto a Apple paga em impostos, mas sobre o quanto o governo recolhe o dinheiro. (A decisão) terá um efeito profundo e nocivo nos investimentos e na criação de empregos na Europa. A Apple segue a lei e paga todos os impostos que deve onde opera. Vamos apelar e estamos confiantes em que a decisão será revertida”.

O governo da Irlanda também criticou a decisão da Comissão Europeia.

“Discordamos profundamente da Comissão”, disse o ministro das Finanças irlandês, Michael Noonan, em nota.

“A decisão me deixa sem alternativa senão buscar a aprovação do ministério para entrar com recurso. Isso é necessário para defender a integridade de nosso sistema tributário, possibilitar a segurança tributária para empresas e contestar a intromissão da União Europeia em assuntos tributários de cada Estado-membro soberano”, acrescentou.

Para a Irlanda, aparentemente a multa bilionária não compensaria eventuais perdas em seu poder de atração de investimentos estrangeiros, além de considerarem indevida a interferência do bloco europeu.

Mas o americano Joseph Stiglitz, prêmio Nobel de economia em 2001, avalia a decisão de maneira diferente. Segundo ele, a isenção fiscal – em que empresas buscam pagar menos impostos dentro da lei ─ vem “minando o sistema financeiro internacional”.

“Trata-se do lado escuro da globalização. Essas multinacionais buscam locais onde podem evitar pagar impostos e onde há um conjunto de leis do qual podem se beneficiar”, afirmou ele em entrevista à BBC, elogiando a decisão da União Europeia.

Ao mesmo tempo, o episódio fomenta o debate sobre como taxar gigantes de tecnologia que conseguem movimentar facilmente seus lucros e suas operações – além de seus bens, muitas vezes digitais – entre fronteiras nacionais.

A multa recorde pode não ser um problema para a Apple, cujo lucro líquido (auferido depois de impostos) no ano financeiro de 2015 foi de US$ 53 bilhões (R$ 172 bilhões).

Logo da AppleLucro da Apple foi de US$ 53 bi no ano financeiro de 2015
Image copyrightGETTY IMAGES

‘Investimento prejudicado’

“A Apple vem se beneficiando de rios de dinheiro e, embora a decisão (da UE) não seja de curto prazo, investidores terão de avaliar se a conta de impostos mais alta terá um impacto sobre o lucro líquido da companhia”, afirmou Neil Wilson, analista de mercado da ETX Capital.

O Departamento de Tesouro dos Estados Unidos, que na semana passada disse que a Comissão Europeia corria o risco de se tornar uma “autoridade fiscal supranacional”, afirmou que a decisão mais recente do órgão poderia “prejudicar o investimento estrangeiro, o ambiente de negócios na Europa e o importante espírito de parceria econômica entre os Estados Unidos e a União Europeia”.

“Vamos continuar a monitorar esses casos na medida em que eles avançam, e continuaremos a trabalhar com a Comissão em direção a um objetivo em comum de evitar a erosão de nossas bases fiscais das empresas”, disse um porta-voz do Tesouro americano.

A Apple não é a única companhia acusada de receber benefícios fiscais na União Europeia.

No ano passado, a Comissão Europeia determinou que a Holanda cobrasse 30 milhões de euros (R$ 108,6 milhões) da rede de cafés americana Starbucks, enquanto o principado de Luxemburgo foi obrigado a recolher quantia semelhante da montadora italiana Fiat.

Oscar Wilde – Reflexões na tarde – 18/01/2016

Desobediência: virtude original do homem
Oscar Wilde¹

Qualquer pessoa que tenha lido a história da humanidade aprendeu que a desobediência é a virtude original do homem. O progresso é uma conseqüência da desobediência e da rebelião. Muitas vezes elogiamos os pobres por serem econômicos. Mas recomendar aos pobres que poupem é algo grotesco e insultante.

Seria como aconselhar um homem que está morrendo de fome a comer menos; um trabalhador urbano ou rural que poupasse seria totalmente imoral. Nenhum homem deveria estar sempre pronto a mostrar que consegue viver como um animal mal alimentado. Deveria recusar-se a viver assim, roubar ou fazer greve – o que para muitos é uma forma de roubo.
Extraído da Obra “A Alma do Homem Sob o Socialismo”, de 1891

¹Oscar Fingall O’Flahertie Wills Wilde
* Londres, Inglaterra – 16 de Outubro de 1854 d.C
+ Londres, Inglaterra – 30 Novembro de 1900 d.C

>> Biografia de Oscar Wilde


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Olhe essa – Ladrão pinguço

Em Dublin, Irlanda, um, digamos, apreciador da “velha cerva”, invadiu uma fábrica e levou “apenas” 450 barris de cerveja.

Certveja,Irlanda

Informações da polícia irlandesa – polícia lá é chamada de Garda, em gaélico, a língua ancestral da Irlanda – diz que o furto foi feito por apenas uma pessoa. Ainda segundo as autoridades policiais esse foi o maior roubo já ocorrido em uma cervejaria na Irlanda.

Aliás, para ficarmos na área dos recordes, assim como o famoso livro que registra tais recordes, a cervejaria invadida foi a Guinness, a maior do país.

A polícia disse que “um homem sozinho entrou dirigindo um veículo na fábrica – um marco de Dublin e uma das principais atrações turísticas da cidade – e engatou o seu caminhão a um trailer totalmente carregado estacionado no pátio, cuja carga deveria ser distribuída nos pubs da cidade”.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Na contabilidade da fábrica, o pinguço larápio levou 180 barris de cerveja escura Guinness, 180 barris da cerveja americana Budweiser e 90 barris da cerveja dinamarquesa Carlsberg. A Guinness fabrica essas marcas estrangeiras sob licença para venda na Irlanda. O valor de mercado das “loirinhas” supera os US$ 235 mil (R$ 420 mil).

Ainda, segundo a polícia, o ladrão terá dificuldades para vender a cerveja sem chamar a atenção, a menos que conte com comparsas donos de redes de pubs.

Caso não venda, a ressaca estará garantida.