Tecnologia,Economia,Amazon,Internet,Brasil,Blog do Mesquita

Coronavírus ameaça a próxima geração de smartphones

Direitos autorais da imagemMAZEN KOUROUCHE
Mazen Kourouche gosta de estar entre os primeiros a obter o iPhone mais recente.

Todo outono, Mazen Kourouche vai para a maior loja da Apple em Sydney, na Austrália, e faz fila por horas para ser uma das primeiras pessoas no mundo a colocar as mãos no iPhone mais recente.

“Desde que o iPhone 7 foi lançado, estive fazendo fila para os novos dispositivos da Apple por alguns motivos: primeiro o hype associado a eles, segundo o valor da revenda e terceiro porque a Austrália é o primeiro país a ter acesso ao dispositivos, para que as pessoas estejam interessadas em ouvir sobre isso “, diz ele.

De acordo com Kourouche, que desenvolve software para o sistema operacional iPhone (iOS), muitas pessoas costumam viajar do exterior para colocar as mãos no iPhone na Austrália. O fuso horário do país significa que suas lojas da Apple são as primeiras a abrir em todo o mundo no dia do lançamento.

Este ano pode ser diferente. Como a maioria dos outros varejistas, a Apple fechou suas lojas em todo o mundo em resposta ao surto de coronavírus.

Ainda é muito cedo para dizer se as lojas voltarão a abrir a tempo do lançamento de novos dispositivos no outono.

Mas em alguns países a imagem não é animadora. No Reino Unido, o governo disse que pode levar de três a seis meses para a retomada da vida normal e isso inclui a reabertura de lojas não essenciais.

Direitos autorais da imagem Getty
Filas fora de uma loja da Apple se tornaram um evento anual para algumas pessoas.

No caso da Apple, o iPhone 12 está à espera. É um telefone particularmente importante, pois é o primeiro a incorporar a tecnologia 5G, permitindo que ele se conecte à nova geração de redes telefônicas mais rápidas.

A produção de telefones já foi interrompida
Fontes disseram à publicação japonesa Nikkei que a Apple está ponderando se deve adiar o lançamento. O mesmo pode ser verdade para dispositivos fabricados pela Samsung e outros rivais que usam o sistema operacional Android.

“Aproximadamente 70% dos smartphones são fabricados na China – assim como a pandemia atingiu a China, houve uma interrupção significativa no fornecimento de dispositivos existentes”, diz Razat Gaurav, executivo-chefe da Llamasoft, uma empresa de análise da cadeia de suprimentos.

Muitos fabricantes de smartphones confiam nos componentes fabricados na China e na Coréia do Sul, dois países que foram os mais atingidos pelo surto.

A cidade sul-coreana de Daegu, onde a maioria dos casos de coronavírus do país está agrupada, fica a apenas 20 minutos da área onde muitos desses componentes são produzidos.

E não é apenas a oferta, a demanda caiu drasticamente. Os embarques de smartphones na China caíram 40% no primeiro trimestre de 2020, em comparação com o mesmo período do ano passado, de acordo com a empresa de pesquisa IDC.

A empresa sugere que os consumidores chineses comprem 33 milhões a menos de telefones nos primeiros três meses do ano.

“É provável que também ocorram quedas significativas na Europa Ocidental e nos EUA”, acrescenta Gaurav.

Direitos autorais da imagem Getty
Um smartphone pode conter partes de 40 países diferentes

O efeito nos dispositivos existentes será uma preocupação para os fabricantes, mas será o impacto em seus novos dispositivos que será uma preocupação maior, principalmente porque os fãs de dispositivos Apple e Android estão acostumados a épocas específicas do ano em que podem comprar. um novo dispositivo, enquanto os fabricantes confiam nele como uma das maiores fontes de receita a cada ano.

“O smartphone é um produto complicado, e há muitos componentes nele. Para obter todas essas partes diferentes, você obtém materiais e peças de cerca de 40 países diferentes”, diz Gaurav.

Diferentes partes do processo de produção serão afetadas de diferentes maneiras.

“Grande parte do trabalho de design não requer contato social significativo, o que significa que você não precisa estar próximo das pessoas”, diz Frank Gillett, analista da empresa de pesquisa Forrester.

Mas pode haver algum trabalho de pesquisa e desenvolvimento que exija equipamentos especializados que os funcionários não possam levar para casa.

Muito desse trabalho já teria sido realizado para os dispositivos que serão lançados este ano, mas poderia impedir o lançamento de dispositivos em 2021, nas quais as empresas já estão trabalhando com antecedência.Getty Images

Demanda por telefones pode cair à medida que os compradores economizam dinheiro.

Segundo Emile Naus, sócio da consultoria BearingPoint, a parte mais importante do telefone não é o hardware, é o software, e isso pode ser desenvolvido remotamente. No entanto, testar o dispositivo pode ser mais difícil de executar.

“Os testes podem ser difíceis, já que o setor é muito rígido em segurança e eles provavelmente enfrentariam dificuldades com o conceito de pessoas que levam protótipos para casa do telefone para testar – pois eles geralmente são ocultos em segredo”, diz ele.

A outra questão é sobre remessa; com muitas companhias aéreas suspendendo voos e atrasos no frete marítimo, existe a possibilidade de que materiais e componentes não cheguem às fábricas de montagem e que o produto acabado não chegue aos pontos de venda.

Agora, os efeitos disso e as paralisações das fábricas na China estão começando a repercutir na indústria de smartphones, e o impacto pode ser maior que o esperado.

Gillett acredita que empresas como Apple e Samsung têm mais chances de reter certos recursos para novos dispositivos do que atrasar o lançamento. O tempo para testar certos recursos ou para que os desenvolvedores de software possam trabalhar em aplicativos que fazem uso desses recursos são críticos.

Obviamente, depende muito do que acontecer nos próximos meses. Restrições à entrega e expedição podem forçar as empresas a adiar o lançamento de produtos e, possivelmente, os lançamentos podem até ser adiados até 2021.

Se as lojas permanecerem fechadas, isso pode ser um problema específico para a Apple, que possui uma importante rede de varejo.

“Sabemos que as primeiras semanas e meses da vida de vendas desses novos dispositivos são muito importantes porque são vendidos nos níveis mais altos”, diz Naus.

A demanda pelos novos dispositivos também pode vacilar, já que gastar muito dinheiro com o modelo mais recente pode não ser uma opção para os proprietários que passam por dificuldades financeiras.

Getty Images
Novas redes e telefones 5G são um grande desenvolvimento para a indústria.

Mas a Forrester não vê marcas fazendo grandes mudanças no preço de seus novos aparelhos. Em vez disso, pensa que eles podem reduzir ainda mais os preços de seus modelos mais antigos e talvez aumentar o número de modelos disponíveis de preço básico.

Os preços podem não cair – mas, se a demanda não existir, talvez novas estratégias possam ser adotadas.

“O que você também pode ver são alguns modelos criativos de preços para torná-lo mais acessível e responsivo às situações das pessoas. Talvez haja uma promoção temporária para ajudar as pessoas por um preço mais baixo se elas puderem mostrar uma verificação de desemprego ou uma identificação de serviços de emergência. “, diz Gillett.

No entanto, os maiores fãs da Apple provavelmente permanecerão leais.

“Eu não acho que [a pandemia] tenha impacto sobre o interesse, especialmente entre os consumidores, porque estamos sempre comprando coisas novas: no momento, o importante é que papel higiênico, mas eventualmente voltará a ser iPhones “, diz Kourouche.

Blog do Mesquita,Fotografias, Arte,iPhone

As melhores fotos feitas com iPhone – 01/10

Blog do Mesquita,Fotografias, Arte,iPhoneGrande Prêmio, Fotógrafo do Ano. Um grupo de rohingyas assite a um filme sobre a importância da saúde e da higiene perto do campo de refugiados Tangkhali em Ukhiya (Bangladesh).JASHIM SALAM IPPAWARDSBlog do Mesquita,Fotografias, Arte,iPhone Primeiro lugar, Fotógrafo do Ano. Baiana em amarelo e azul, Salvador da Bahia (Brasil)
ALEXANDRE WEBER IPPAWARDSBlog do Mesquita,Fotografias, Arte,iPhone

Segundo lugar, Fotógrafo do Ano. Uma criança na orla, YanTai ShanDong (Chinesa)
HUAPENG ZHAO IPPAWARDSBlog do Mesquita,Fotografias, Arte,iPhoneTerceirolugar, Fotógrafo do Ano Uma criança que teve a perna amputada joga futebol com os amigos em Yangon (Miannmar).ZARNI MYO WIN IPPAWARDSBlog do Mesquita,Fotografias, Arte,iPhonePrimeiro lugar, Fotografia abstrata Ondulações.GLENN HOMANN IPPAWARDSBlog do Mesquita,Fotografias, Arte,iPhonePrimeiro lugar, Fotografia animal Django.ROBIN ROBERTIS IPPAWARDSBlog do Mesquita,Fotografias, Arte,iPhonePrimeiro lugar, Fotografia de arquitetura Via Allegri, Roma (Itália).MASSIMO GRAZIANI IPPAWARDSBlog do Mesquita,Fotografias, Arte,iPhonePrimeiro lugar, Fotografia de crianças Spray.MELISA BARRILLI IPPAWARDSBlog do Mesquita,Fotografias, Arte,iPhonePrimeiro lugar, Fotografia floral Luz.ALISON HELENA CAMPBELL IPPAWARDS

Blog do Mesquita,Fotografias, Arte,iPhonePrimeiro lugar, Fotografia de paisagem Ser humano versus natureza
CHARLES THOMAS IPPAWARDS

Celular,Tecnologia,Economia,Blog do Mesquita

O celular se reinventará em 2019: estas são as novidades que veremos

Celular,Tecnologia,Economia,Blog do Mesquita

O mundo dos smartphones pode se deparar com uma necessária reinvenção em 2019. Os fabricantes estão fazendo tudo o que podem para atrair um cliente que já parece ter perdido o incentivo para mudar de aparelho antes do tempo. Em média, o celular é trocado a cada 22 meses (de acordo com dados da Kantar nos Estados Unidos), um prazo inferior ao realmente necessário se nos ativermos à vida útil do equipamento. No entanto, este ritmo frenético de crescimento começou a se desacelerar por um duplo motivo, segundo os especialistas: por um lado, porque os mercados do Primeiro Mundo praticamente atingiram o nível de saturação; por outro, porque os consumidores deixaram de encontrar incentivos para renovar o celular, dada a ausência de novidades substanciais.

Mas os fabricantes (e as operadoras) podem influenciar o segundo motivo e esta batalha hercúlea tem sido preparada com a encomenda para o próximo ano de uma série de novidades que justificariam a troca de celular. Convém lembrar também que as marcas, diante de uma demanda cada vez menor em volume, se viram forçadas a aumentar o preço de venda de telefones celulares para manter as margens. Como resultado dessa estratégia, a Apple anunciou que deixará de informar o número de unidades vendidas de seu iPhone e se concentrará apenas no volume de faturamento.

Quais são as novidades que podem reverter essa tendência?

Celulares dobráveis
Este é possivelmente o maior efeito-trator que o mercado vê em 2019: tanto a Samsung como outras empresas do setor vão comercializar as primeiras unidades de um novo formato que tem boa perspectiva de se consolidar no mercado. Um celular que se carrega dobrado no bolso e é desdobrado na hora do uso oferece muitas vantagens e multiplica a utilidade do dispositivo. No entanto, o novo formato enfrenta desafios poderosos que ainda não abriram o caminho para este tipo de equipamento: 2019 será o ano da estreia oficial deste tipo de celular.

Telas perfuradas
O mercado exige celulares cada vez mais finos e compactos, e os fabricantes não sabem muito bem como resolver um problema de fabricação: o espaço dedicado no chassi para as câmeras, em especial a frontal, a das selfies. A Apple optou por uma solução controversa no iPhone X: o polêmico entalhe (notch), uma área inserida na tela frontal e que ocupa uma parte mínima na qual se localiza a ótica frontal. Esta solução foi considerada tosca pelos rivais e, nessa busca pelo minimalismo, o último grito consiste em integrar a câmera na tela através de um entalhe que ocupe espaço mínimo.

5G, a hipervelocidade
As novidades relacionadas ao hardware foram necessárias para incentivar um mercado um tanto entediado por ver sempre a mesma coisa, mas as operadoras desempenham um papel fundamental no que diz respeito à experiência do usuário. Nesse sentido, a próxima coisa que veremos será uma revolução absoluta na rede: o 5G. É uma evolução na rede atual, o 4G, que fará disparar a utilidade dos telefones celulares, mas, acima de tudo, a velocidade de conexão: o 5G é até cem vezes mais rápido que a rede anterior. Mas esta rede está muito mais bem preparada para a conhecida Internet das coisas e a conexão com múltiplos dispositivos será muito mais econômica, permitindo o uso de módulos mais baratos. O consumo da bateria será muito menor.

Câmeras incríveis à espreita
Você não será pego desprevenido se ficar sabendo que os celulares revolucionaram o mundo da fotografia e que, em 2017, estimativas indicavam que 85% das fotos do mundo foram tiradas de dispositivos móveis. Como as coisas estão, é compreensível que os fabricantes se esforcem para oferecer câmeras cada vez mais potentes e inteligentes. No primeiro caso, algumas marcas embarcaram em uma corrida louca por megapixels e, em 2019, veremos vários modelos atingirem a figura inimaginável de 48 MP, algo impensável há alguns anos. Em relação ao segundo, o Google e a Apple, especialmente o primeiro, mostraram ao mundo que a inteligência artificial é ótima para o mundo da fotografia móvel: em dispositivos como os Pixel da empresa Mountain View, quando se clica no disparador entram em ação uma série de processos nos quais a fotografia resultante é analisada e otimizada, contemplando todas as variáveis.

Novo presidente dos EUA, Trump anunciou medidas que vão encarecer o iPhone

A confirmação de que Donald Trump será o próximo presidente dos Estados Unidos deve trazer impactos diretos para o mercado de tecnologia pessoal, uma vez que, quando candidato, o republicano afirmou que obrigaria as empresas americanas a repatriar suas linhas de produção.

“Nós vamos fazer a Apple construir os seus ‘malditos’ computadores e coisas neste país, em vez de outros países”, afirmou Trump no início do ano.

“A Apple e todas estas grandes empresas terão de fazer seus produtos nos Estados Unidos e não na China ou Vietnã.”

Na época, o professor Jason Dedrick , da Syracuse University, ressaltou à Wired que a Apple não apenas terceiriza sua produção a um único fornecedor em um único país, ela conta com uma vasta e complexa cadeia de fornecimento para compilar um iPhone.

Além de o próprio equipamento de fabricação custar bilhões de dólares e os conhecimentos necessários para executá-lo praticamente só existirem nesses locais, as cadeias de fornecimento são lucrativas para a companhia, que consegue reter cerca de 60% do valor de cada smartphone vendido.

Mais problemático que a “falta de patriotismo”, o impedimento de produzir fora dos Estados Unidos seria logisticamente impossível para as empresas, que aproveitam a mão de obra barata de outros locais para reduzir os preços de seus produtos.
[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

A polêmica sobre a decisão da Apple de acabar com a conexão para fones de ouvidos tradicionais no novo iPhone

O rumor que corria há meses finalmente se confirmou na quarta-feira, com o lançamento oficial do iPhone 7. A Apple removeu o conector “mini jack”, saída de áudio padrão para fones de ouvido usada há décadas, e, assim, abriu polêmica entre seus usuários.

AirdropA sétima versão do iPhone tem opção para fones de ouvido sem fio, os ‘AirPods’, que serão vendidos separadamente – Image copyrightAP

O tradicional conector de fones de ouvido de 3,5 milímetros é usado em praticamente todos os dispositivos como celulares, reprodutores de música e consoles de videogames desde o século passado.

Esteve presente, por exemplo, nos modelos que marcaram a evolução dos “tocadores de música” como o Walkman, Discman, MiniDisc e até mesmo o iPod.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Esses conectores de áudio são, na verdade, uma versão em minitura do “jack clássico”, de 6,35 milímetros, criado em 1878.

Agora, não existem mais no iPhone7. E muito provavelmente não estarão presentes nos próximos produtos da Apple.

O iPhone 7 oferece duas opções para ouvir áudio. Os usuários poderão conectar os fones com fio que acompanham o aparelho por meio da entrada/saída “Lightning”, já comum na Apple e usada para carregar os novos modelos de telefone e transferir dados.

A outra opção é comprar um fone wireless, sem fio, que se conecta ao celular através da tecnologia Bluetooth. Há vários no mercado.

O próprio fabricante lançou, na quarta-feira, o AirPods, um earphone (colocado dentro do ouvido) sem fio, que vem acompanhado de um carregador e custa cerca de US$ 150 (cerca de R$ 500).

Novos fones de ouvido do iPhone 7Conector “Lightning”, usado para recarregar o aparelho e transferência de dados, também vai ser a nova entrada de áudio do iPhone 7 – Image copyrightREUTERS

Críticas

Desde que se passou a falar na possibilidade de acabar com o fone de ouvido clássico, usuários de vários países protestaram em fóruns de discussão especializados. Chegaram a assinar uma carta pedindo à Apple para desistir de eliminar o conector de 3,5 milímetros.

O principal argumento dos insatisfeitos é que milhões de fones vão ficar obsoletos. Dizem ainda que, ao acabar com o conector “mini jack”, há grandes chances de se produzir toneladas de lixo eletrônico desnecessariamente.

A petição dos que defendem o conector de áudio padrão foi assinada por 200 mil usuários.

Base do iPhone 7O tradicional conector de áudio de 3,5 mm não existe mais no iPhone 7 e deve ser excluído das próximas versões do aparelho – Image copyrightAP

Não há consenso em relação à decisão da Apple. Especialistas divergem se a fabricante está certa ou errada em alterar uma tecnologia que existe há mais de 100 anos.

Há quem defenda que está na hora de mudar e apostar em outras tecnologias.

Outros questionam a decisão, argumentando que ainda não há razões para “aposentar” um conector que ainda funciona muito bem e se tornou universal.

Os defensores da mudança argumentam que a decisão pode ter a ver com a redução da espessura do novo iPhone e também com a iniciativa de torná-lo à prova d’água.
BBC

Cuidado com as fotos: o Facebook apagará pastas privadas

A rede social obrigará os usuários a utilizar Moments pelo “perigo” de publicação por engano das fotos particulares que existem em sua nuvem.

Assim é Moments

A melhor maneira de conseguir que os usuários adiram a um novo serviço é, sem dúvida, não dar opção a outra coisa, e disso o Facebook entende muito. A rede social aprendeu logo a lição do Messenger: primeiro foram recomendações, depois avisos insistentes e, por fim, a obrigatoriedade.

O colosso de Mark Zuckerberg quer agora que abracemos um novo aplicativo, batizado como Moments, e desta maneira simplesmente apagará uma pasta de fotos privadas que é sincronizada automaticamente a partir do celular.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Até hoje, e ao baixar o Facebook no celular, o sistema nos instava a sincronizar a postagem automática de fotos na rede social, de forma que as fotos que o usuário ia tirando fossem inseridas de forma automática quando o celular estivesse conectado a uma rede Wi-Fi.

Tratava-se de uma maneira simples de ir armazenando lembranças que, além disso, eram guardadas em uma pasta privada de onde poderia ser compartilhada facilmente com amigos ou familiares no Facebook. No entanto, os responsáveis pela rede social encontraram uma forma muito mais eficaz de compartilhar essas fotos e fizeram isso graças ao Moments.

Como no sistema anterior, o proprietário do celular não tem de fazer nada, já que todo o processo é automático. Mas esse aplicativo oferece uma série de avanços que, assim que forem conhecidos, não seria necessário forçar o usuário a adotá-lo.

Em primeiro lugar, Moments não cria uma pasta a mais no Facebook, pois as fotografias são armazenadas em um servidor ao qual só se pode ter acesso pelo aplicativo. Uma forma simples de evitar possíveis erros ao confundir as fotos privadas e públicas de nosso perfil na rede social, mas também de compartilhar e colecionar momentos em um entorno fechado.

Moments emprega para isso dois elementos: localização e data da fotografia e as pessoas que aparecem nelas. Combinando esses dois dados o sistema propõe um momento determinado para compartilhar e múltiplas maneiras de fazer isso, não só dentro do app, mas enviando um hiperlink de qualquer aplicativo de mensagem ou até em outra rede social.

Outra vantagem desse aplicativo é que outros usuários podem adicionar fotos a nossos momentos e, possivelmente, a melhor maneira de ver suas vantagens é um casamento: vários amigos utilizando o aplicativo criariam um mesmo álbum de casamento da perspectiva subjetiva de cada um.

Para forçar o usuário a utilizar esse novo aplicativo, o Facebook apagará em breve a pasta com as fotos privadas sincronizadas do celular. “As fotos que a pessoa sincronizou de modo privado a partir do telefone com o Facebook serão eliminadas em breve”, é a mensagem que cada usuário pode ler ao tentar acessar suas fotos sincronizadas.

Contudo, o Facebook não eliminará por completo essas fotografias, mas as colocará nos servidores do Moments, onde o usuário poderá recuperá-las assim que baixar o aplicativo, disponível para Android e para o iPhone.
JOSÉ MENDIOLA ZURIARRAIN

Saiba como é a vida dentro de uma fábrica de iPhones na China

Quem conhece um pouco da indústria de tecnologia sabe que praticamente tudo é produzido na China.

O curioso truque que permite liberar espaço em seu iPhone

Seguindo estes passos você consegue acabar com o estresse da falta de memória no dispositivo.

Quatro passos para aumentar a memória do iPhone.

À medida que aumenta nossa atividade nas redes sociais, a movimentação do WhatsApp e o inevitável hábito das fotos e selfies, logo chega o momento em que o iPhone manda o primeiro alerta de que o espaço está acabando.

Neste caso, o bom senso nos diz que o certo a fazer é ir eliminando fotografias, vídeos e demais conteúdos que vão se acumulando no terminal e também desinstalar aquelas aplicações que quase não utilizamos.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

O problema é que, muitas vezes, isso também não basta e, em pouco tempo, o celular está saturado novamente.

Esse problema, logicamente, afeta sobretudo os proprietários de iPhone com 16 GB de memória, que em pouco tempo podem se deparar com o desagradável aviso de falta de espaço, mas um truque pode liberar bastante espaço dependendo do dispositivo (uns conseguem apenas poucos megas, outros dizem ter liberado gigas de espaço).

Não há uma explicação clara que justifique essas diferenças entre uns dispositivos e outros, mas o truque funciona e, para reproduzi-lo, é preciso seguir estes passos:

MAIS INFORMAÇÕES

1. Ir para Ajustes/Geral/Informação e memorizar o espaço disponível para verificar o ganho depois.

2. Em seguida, vamos à iTunes Store do dispositivo e procuramos um filme cujo espaço seja superior ao que está livre.

3. Neste ponto, tenta-se comprar ou alugar o filme (por ocupar mais espaço que o disponível nenhum download será efetuado) e, após alguns segundos, aparecerá um alerta avisando que não há espaço disponível.

4. Pressione ‘OK’ sobre esse alerta e verifique o espaço liberado.

O curioso é que esse processo pode ser repetido várias vezes para aumentar pouco a pouco o espaço disponível no terminal, mas isso, como se pode ler nos comentários do Reddit, depende muito de cada iPhone.

Como se consegue esse espaço extra?

Não há uma explicação clara, mas as suspeitas recaem sobre caches e diferentes resíduos de instalações que são liberados pelo sistema operacional para abrir espaço para o download do filme.
El País

A web na China: ataques contra o iPhone e sequestro de tráfego

Bandeira da ChinaUm aspecto bastante conhecido da web na China é a censura. O sistema Escudo Dourado mantido pelo governo chinês filtra e impede o acesso a diversos serviços ou mesmo o acesso a certos conteúdos.

Mas a web chinesa tem se destacado por mais duas práticas: os ataques contra o iPhone e a injeção de tráfego com publicidade, ataques e vírus.

Os ataques contra sistemas iOS (iPhone e iPad) são curiosos. Enquanto o sistema se mantém mais ou menos ileso no ocidente, chineses – especialmente os que aventuram em “lojas alternativas”, com programas piratas -, têm sido alvo de uma série de ataques.

Mas até quem se limita ao iTunes App Store, da Apple, não escapa: hackers chineses conseguiram contaminar vários apps da loja por meio de um ataque contra os desenvolvedores desses apps. É algo sem paralelo em outros países até hoje.

Alguns dos vírus distribuídos na China para iPhone:

AceDeceiver: instalado via USB por meio de um programa que promete fazer “jailbreak” do iPhone, backup e outras tarefas. O programa chegou a ser colocado na iTunes App Store, mas apenas em lojas fora da China, onde o app se comporta de maneira inofensiva. Na China, o app tenta roubar contas Apple ID. Funciona em aparelhos sem jailbreak.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

TinyV: Praga destinada a iPhones desbloqueados (jailbreak) capaz de instalar outros apps no dispositivo e alterar o arquivo “/etc/hosts”, que pode ser usado para redirecionar sites (para publicidade ou roubo de dados).

YiSpecter: Praga distribuída por diversos meios, inclusive um vírus que se espalhou por comunicadores e redes sociais no Windows. Tem a capacidade de instalar outros apps, substituir apps do dispositivo (substituir apps de pagamento, por exemplo) e interceptar tráfego para exibir publicidade.

Xcodechost: Versão contaminada do programa Xcode da Apple usado por desenvolvedores. Ele modifica os apps criados para incluir uma rotina que rouba algumas informações do aparelho e podia receber comandos de um servidor de controle para abrir páginas ou roubar outros dados, como o conteúdo da área de transferência (do copiar e colar). Os aplicativos contaminados eram todos legítimos e foram colocados no iTunes App Store.

Keyraider: Distribuído em lojas alternativas somente para iPhones desbloqueados. Rouba contas da Apple para auxiliar a distribuição de aplicativos piratas para alguns poucos usuários “privilegiados”.

Wirelurker: Distribuído por meio de um programa para OS X, infectava qualquer iPhone conectado ao computador via USB.

O sequestro de tráfego é outra característica da web na China. Segundo um levantamento de pesquisadores israelenses divulgado no fim de fevereiro, essa atividade é realizada pelos próprios provedores de acesso no país: eles monitoram o acesso a certos conteúdos e, em vez de transmitirem o que o internauta pediu, substituem os dados por um código diferente. Os pesquisadores encontraram 14 provedores envolvidos com essa prática, dos quais 10 são da China (2 são da Malásia, um é da Índia e o outro é dos Estados Unidos).

Assim, um internauta vê uma publicidade em um site, porém a publicidade foi trocada para ser uma peça ligada ao provedor e não ao site visitado, prejudicando a página. Nas piores situações (4 dos 10 provedores chineses), esse redirecionamento é usado para distribuir vírus, prejudicando o próprio internauta. A praga YiSpecter também foi distribuída com essa “ajudinha”.

A substituição pode ocorrer em provedores intermediários, atingindo inclusive internautas fora da China que acessarem páginas chinesas.

A prática é conhecida na China há sete anos, mas só ganhou exposição no ocidente em março do ano passado, quando foi usada para realizar um ataque de negação de serviço contra o site “Greatfire”, que monitora a censura chinesa. Dados foram trocados para incluir em vários sites um código que ficava secretamente acessando páginas ligadas ao Greatfire, recrutando milhões de internautas desavisados para participar do ataque.

O risco de sequestro de tráfego é um dos argumentos para a crescente utilização de “páginas seguras” (com HTTPS ou o “cadeado” de segurança). Essas páginas têm proteção contra qualquer intervenção ou grampo durante a rota, o que dificulta esse tipo de ataque.

Da mesma forma, a Apple mudou no iOS 9 o comportamento do iPhone e iPad para a instalação de programas com certificados corporativos, com impacto direto na rotina de empresas que precisam dessa função. A mudança é uma resposta ao constante abuso desse recurso na China – o que mostra como ataques ou problemas regionais podem influenciar a tecnologia para todas as pessoas.
Altieres Rohr/G1

Tecnologia: Pesquisadores clonam digitais com foto e impressora jato de tinta

Impressora,Biometria,Blog do MesquitaKai Cao e Anil Jain, pesquisadores da Universidade Estadual de Michigan, nos Estados Unidos, conseguiram clonar digitais e burlar os leitores biométricos de dois aparelhos celulares usando uma impressora jato de tinta com cartuchos e papel da AgIC.

O processo exige uma foto ou digitalização das digitais do usuário autorizado no aparelho para que a mesma possa ser impressa.

A técnica é ainda mais simples do que outras já desenvolvidas para burlar leitores biométricos. Em 2013, o leitor biométrico do iPhone 5S foi burlado pelo pesquisador “starbug” a partir de digitais colhidas da própria tela do aparelho (colocado em um scanner), mas a cópia da digital se dava por um processo de diversas etapas até o material resultante adquirir as propriedades necessárias para ser reconhecido pelo iPhone. É preciso expor a digital impressa à laser em um papel fotossensível para placas de circuito e criar a digital forjada com látex ou cola branca.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

A nova técnica, que foi testada em um Samsung Galaxy S6 e em um Huawei Hornor 7, pula todas essas etapas usando a tecnologia da japonesa AgIC, desenvolvida em 2014.

As tintas AgIC podem ser usadas em impressoras Brother e são baseadas em prata. A empresa obteve seu financiamento em uma campanha de arrecadação no site Kickstarter e a tecnologia foi criada para facilitar a criação de placas de circuito impresso (PCI), principalmente para projetos eletrônicos caseiros, acadêmicos e protótipos, mas também é viável para algumas aplicações industriais.

O kit com todos os materiais necessários – impressora, cartuchos, papel e marcador – custa cerca de US$ 600, ou R$ 2.300.

Os pesquisadores da Universidade Estadual de Michigan descobriram que a tinta e o papel da AgIC também funcionam para gerar uma digital falsa com as propriedades necessárias para burlar os leitores de digitais. (Assista ao vídeo dos pesquisadores no YouTube)

Segundo os pesquisadores, porém, não são todos os celulares que podem ser enganados pelo truque. Apesar disso, a facilidade de se realizar esses ataques demonstra, segundo eles, que há uma necessidade de melhorias urgentes para tornar os leitores de digitais menos suscetíveis a digitais forjadas.

Os pesquisadores também afirmam que é uma “questão de tempo” até que hackers desenvolvam métodos para burlar outras tecnologias de biometria, como análise da íris do olho, reconhecimento facial e voz.

Em uma declaração para o jornal “The Guardian”, a Samsung minimizou o impacto do ataque, alegando que são necessários “suprimentos equipamentos específicos” para burlar a digital e que a empresa agirá para imediatamente investigar e corrigir o problema “se em algum momento houver uma vulnerabilidade crível”.

A Huawei disse que está comprometida com o desenvolvimento de novas tecnologias que aumentem a segurança e a privacidade dos usuários.
Altieres Rohr/G1