Arquitetura – Catedral de Milão, Itália

A maioria das pessoas não fica surpresa ao saber que a maior catedral do mundo está localizada no coração do Vaticano. Para se aproximar do recorde de São Pedro, no entanto, eles teriam que desafiar a segunda maior catedral católica do mundo, o Duomo di Milano

Localizado na cidade de Milão, no norte da Itália, este enorme edifício é uma das estruturas mais impressionantes e intrigantes da Europa. Construída de forma constante ao longo de quase seis séculos e com elementos de design de vários estilos, é uma catedral fascinante como nenhuma outra.

Il Duomo di Milano
Origens
A localização de uma igreja é importante, e muitos arqueólogos acreditam que a localização do Duomo era um local sagrado romano por séculos antes da chegada do cristianismo. A primeira catedral católica naquele local era conhecida como Santa Tecla, construída por volta de 355 CE. Seu batistério ainda pode ser visto nas ruínas sob o Duomo, que os turistas podem visitar hoje. Mais tarde, uma segunda basílica foi construída ao lado de Santa Tecla, chamada Santa Maria Maggiore.

Por quase mil anos, essas duas catedrais cumpriram seus deveres. No entanto, no século XIV, eles foram danificados pelo fogo e pelo tempo. Em 1386, o arcebispo de Milão, Antonio da Saluzzo, anunciou que Milão construiria uma nova catedral para substituir Santa Tecla e Santa Maria Maggiore.

A nova estrutura foi parcialmente para celebrar a chegada de um novo senhor de Milão, Gian Galeazzo Visconti, que estava substituindo seu antigo governante tirânico. A nova igreja foi dedicada a Santa Maria Nascente, e a construção começou em 1387.

Design e Construção
O arcebispo e o novo senhor de Milão queriam construir uma catedral que faria as pessoas se maravilharem com a glória de Deus e o poder da cidade. Mas que estilo eles deveriam usar? Milão tem uma história interessante como parte da cultura italiana e separada dela. Na época, era mais politicamente conectada à França que a Roma, e a nova catedral foi projetada em uma variação local do estilo gótico.

Esse estilo estava no auge de sua glória na época (Notre Dame em Paris foi concluída apenas 40 anos antes), por isso foi uma escolha oportuna. Afinal, Milão é um lugar onde a moda importa.

Visconti estabeleceu uma guilda de artesãos chamada Fabbrica del Duomo, encarregada de construir a estrutura real. O projeto atraiu imediatamente construtores, artesãos e artesãos de toda a Europa. Muitos historiadores se referem ao estilo gótico da época como o gótico internacional, e esse nome é muito apropriado aqui.

Milão sempre foi uma cidade internacional, uma encruzilhada entre o norte, o sul e o oeste da Europa, e a construção do Duomo refletia isso. Cada trabalhador trouxe experiência e gostos de sua própria parte da Europa e, como resultado, dezenas de motivos distintos de todo o continente podem ser encontrados em todo o design do Duomo.

Do Bergoglio conservador ao Francisco liberal

 Jorge Mario Bergoglio não voltou para a Argentina desde que foi eleito papa em 2013, mas isso não foi um problema. Quase todas as personalidades argentinas viajaram para o Vaticano para cumprimentá-lo e tirar fotos. 

O Papa felicita dois recém-casados que trabalham em uma ONG de palhaços que atua em hospitais. / GIUSEPPE FELICI (ALAMY) 

E muitos que o visitaram garantem que há enormes diferenças entre o Bergoglio que foi e o Francisco que é, que sua mensagem atual é muito mais liberal. Outros, talvez os que mais de perto o conhecem, afirmam, no entanto, que apesar de um caráter que é sem dúvida mais cordial agora, suas convicções continuam sendo as mesmas.

Quando alguns de seus velhos conhecidos lhe perguntam sobre essa mudança, ele responde com um sorriso zombeteiro: “É que é muito melhor ser Papa do que arcebispo de Buenos Aires”.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

A ideia mais difundida entre os que o visitam na Santa Sé é que Bergoglio se libertou, que antes tinha de fazer pactos internos dentro da Igreja argentina e que agora, logicamente, tem muito mais poder e liberdade.

Também há quem acredite que, na realidade, sempre foi um conservador, um peronista de direita, mas que se deu conta, graças a um pragmatismo e a uma visão política que nunca lhe faltaram, que o que agora convém à Igreja é uma mudança de mentalidade, mais compreensão em questões como o aborto, o divórcio e a homossexualidade nas quais antes se mostrava extremamente duro. Qualquer que seja a opção, a verdade é que conquistou inclusive seus detratores mais ferozes.

Adolfo Pérez Esquivel, prêmio Nobel da Paz em 1980 por seu papel contra as ditaduras latino-americanas e um dos maiores expoentes da teologia da libertação, está entusiasmado com a nova face de Bergoglio.

“Antes, como chefe da Igreja argentina, representava muita gente, e também os mais conservadores. Agora pode dizer como papa o que antes guardava para si. Além disso, o mundo muda, a igreja muda, e o Papa também. Ele fez isso pela via da espiritualidade.

Está causando uma grande surpresa para todos. Provocou uma esperança que há muito tempo não se via na igreja universal”, explica Pérez Esquivel, que se emociona quando ressalta o apoio do Papa aos mais desfavorecidos ou sua “encíclica impressionante” contra as multinacionais.


Bergoglio, como arcebispo em Buenos Aires, em 2005
ENRIQUE MARCARIAN (REUTERS)

Horacio González, diretor da Biblioteca Nacional e líder da Carta Aberta, um grupo de intelectuais kirchneristas, foi duríssimo em suas críticas a Bergoglio quando estava em Buenos Aires. Agora se rendeu: “Realizou uma transmutação político-religiosa fascinante.

Antes o víamos como um grande opositor do Governo, representante dos setores mais conservadores, do peronismo de direita. Agora Francisco está próximo à teologia da libertação que Bergoglio combateu. Mudei minha avaliação sobre ele com uma certa dor pessoal; agora estou de alguma forma pensando contra minha própria convicção. Mas não acredito que a transmutação de Bergoglio seja uma mudança tática. O mundo mudou, e ele faz a leitura do abismo que se abre diante da enorme crise ética da humanidade”.

Dois dos argentinos que afirmam que Bergoglio não mudou são o monsenhor Marcelo Sánchez Sorondo, secretário da Pontifícia Academia das Ciências, e a jornalista Elisabetta Piqué, autora do livro Francisco. Vida e Revolução, no qual se baseia o filme sobre o Papa que estreia agora. Ambos são, além disso, amigos do “padre Jorge”.

Segundo Sánchez Sorondo, Bergoglio continua sendo o mesmo: “Não mudou. Continua sendo contra o aborto, mas adverte os cristãos de que não se pode ser contra o aborto e a favor de jogar 70.000 bombas no Iraque. Mas isso o Papa sempre disse. Ele é a mesma pessoa, o que é mais curioso é que no Governo agora todos sejam amigos de Francisco”.

Piqué reforça que Bergoglio “sempre teve a mesma atitude aberta e de inclusão com homossexuais e divorciados que se casaram novamente, e de misericórdia com as mulheres que passaram pelo drama do aborto”. A jornalista dá uma prova: “Não se pode esquecer que, quando era arcebispo de Buenos Aires, setores conservadores do Vaticano o questionaram por ser morno em todas essas questões, ou por ordenar aos padres de sua diocese que não se negassem jamais a batizar filhos de mães solteiras”.
El País

De “marxista” a “ecologista”, a nova briga do papa Francisco com os conservadores

Chiquinho não perde uma. Incomoda aos montes. Os esquerdistas estão adorando o Papa Francisco e os de direita estão detestando, isso diz alguma coisa? Os neoconservadores em sua esmagadora maioria dizem professar a fé Católica. São católicos e pasmem, considerarem o Papa Francisco um comunista.
Não somente a Igreja, mas o mundo estava precisando de um homem como o Papa Francisco. Ele está resgatando a Igreja ao pregar o verdadeiro cristianismo.
José Mesquita

Papa Francisco,Blog do Mesquita 02


Como explicar que um Papa, pela primeira vez, fala de ecologia num documento do “magistério” da Igreja? O Papa é o chefe espiritual (e político) de mais de um bilhão de homens e mulheres católicos em todos os continentes.

Compartilha, com o outro bilhão de cristãos (evangélicos, protestantes, anglicanos, ortodoxos), a narração bíblica da criação (no Gênesis), que impõe ao homem dominar e proteger a terra e todos os frutos de uma natureza criada por Deus.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Da noite dos tempos, o Papa intervém, em tempo oportuno (e com frequência inoportuno!), nos afazeres terrestres, fala de tudo o que diz respeito à humanidade, sua grandeza e suas fraquezas, condena as guerras e a opressão, exalta os pobres, milita “pela vida”, prega a favor da justiça social, por um mundo mais justo, um gênero humano mais solidário.

E precisamos esperar este dia 18 de junho de 2015 para que um Papa publicasse, finalmente, uma encíclica, quase inteiramente escrita por seu próprio punho, dedicada ao ambiente, à “salvaguarda da Criação” e daquela que com razão define “a casa comum”, com as relações entre os seres vivos num mundo vivo, as ameaças ecológicas e climáticas que pesam sobre o futuro do planeta e sobre o destino da humanidade.

Tomada de consciência

Alguns o deplorarão, como aqueles bons católicos tradicionalistas (não necessariamente integralistas) que ainda identificam a ecologia com uma batalha dos “esquerdistas”, dos filhos do ’68 e do Larzac. São a favor de uma “ecologia humana” (defesa da vida, da lei natural, da família, luta contra o aborto e o matrimônio para todos), mas desconfiam de uma “ecologia ambiental e global”. O Papa será também criticado – e a coisa já começou nos Estados Unidos – por todos os conservadores céticos sobre as causas das mudanças climáticas, para os quais o aquecimento não é, em primeiro lugar, o resultado da atividade humana e social, mas de dados puramente naturais.

Mas muitos outros ficarão bem felizes com esta (tardia) tomada de consciência na cúpula da Igreja. Todos aqueles, certamente, crentes e ateus, que, no mundo militante, estão na vanguarda das batalhas ecológicas. Também todos aqueles que, nas comunidades cristãs, têm uma experiência direta, em particular no mundo rural, no qual se protege – ou se destrói – o elo com a vitalidade dos seres da natureza. Enfim, todos aqueles que compartilham desta sensibilidade cristã ao tema bíblico da “salvaguarda da Criação”, indissociável das outras lutas evangélicas pela “paz” e a “justiça”.

Sobre isto, os cristãos protestantes e ortodoxos sempre estiveram mais na frente dos católicos. Desde 1990, o Conselho mundial das Igrejas (com sede em Genebra) reunia em Seul uma assembleia geral sobre o tema “Justiça, paz e salvaguarda da Criação”. Os católicos não estavam presentes. A eclipse, sobre este tema, da doutrina católica, demasiado presa apenas pela “ecologia humana”, iludiu por muito tempo os teólogos da vanguarda. Como o patriarca ortodoxo de Constantinopla, chamado o “patriarca verde”, está na chefia de muitas associações de defesa do ambiente.

Certamente se poderá dizer que os predecessores do Papa Francisco foram totalmente mudos sobre o argumento. Mas Paulo VI, João Paulo II, Bento XVI ligavam os desafios ecológicos à esfera da “moral”, ou seja, dos interrogativos sobre a família e sobre a bioética. Para eles, a “degradação” do mundo era uma constatação entre as outras, consciente ou não, do projeto de Deus para a humanidade e para a Criação.

Em sua encíclica sobre a “caridade” (Caritas in veritate [Caridade na verdade] de junho de 2009, Bento XVI punha em discussão os entusiasmos de uma globalização que perturba todos os esquemas de desenvolvimento, os modelos econômicos e as estruturas sociais até as “bases” materiais da existência do planeta. Mas defendia em primeiro lugar uma “ecologia do homem”, no qual a liberdade e a responsabilidade individual se articulavam com o desenvolvimento. “Existe uma ecologia do homem”, sublinhava ele ainda em 2011, diante do Bundestag em Berlim.

Ecologia global

O Papa atual ultrapassa um novo limiar. Passa da ecologia do homem à ecologia global. Não é por nada que ele escolheu, na tarde de sua eleição, o nome de Francisco, alusão a Francisco de Assis, santo patrono dos ecologistas, símbolo de fraternidade universal, que dedicou sua vida à reconciliação de todo o mundo criado, terra e céu Acumular bens era para ele uma loucura. Francisco de Assis percorria as estradas, mendigava o seu pão, pregava a conversão. Antes de morrer, compôs o famoso Cântico das criaturas, universalmente conhecido, no qual convidava o “irmão Sol” e “nossa mãe Terra” e todas as criaturas a louvarem Deus.

O título da encíclica do Papa Francisco, “Louvado seja”, é inspirado neste Cântico das criaturas de Francisco de Assis. O Papa Francisco – Jorge Mario Bergoglio – vinha de um continente, a América Latina, no qual as urgências ecológicas estão entre as mais graves. Já tinha mostrado sua grande sensibilidade aos problemas do ambiente por ocasião da conferência dos bispos latino-americanos de Aparecida, no Brasil, em 2007. “Eu ouvia os bispos brasileiros falarem do desflorestamento da Amazônia”, contará ele mais tarde. Como arcebispo de Buenos Aires, apresentou recursos diante da Corte suprema da Argentina para bloquear empresas de desflorestamento no norte de seu país. Hoje se diz em Roma que, para a redação da encíclica, ele consultou padres empenhados em todas as lutas da terra da Amazônia.

Mas, não basta. Tornado Papa, o bispo jesuíta latino-americano fez da luta à pobreza o objetivo prioritário de seu pontificado. A crítica violenta do “neocapitalismo selvagem”, que formula regularmente, do “neocapitalismo selvagem”, do modelo econômico ultraliberal e produtivista, do acúmulo de riquezas improdutivas, não é nova no discurso da Igreja.

Desde a encíclica “Rerum novarum” do Papa Leão XIII – em 1891 – a Igreja produziu um corpus de “doutrina social” sólido, que denunciava vigorosamente as desigualdades sociais, respeitado e seguido por gerações inteiras de responsáveis políticos, patronais, sindicais, associativos. Mas, pela primeira vez – e é a novidade da encíclica publicada no Vaticano aos 18 de junho – a Igreja menciona as consequências, em termos ecológicos, traduzidas em outras tantas ameaças para o inteiro planeta, de sua radical contestação dos modos de produção, distribuição e consumo.

Após o texto de 2013 que denunciava a “cultura do descarte” e do esbanjamento dos países ricos, a imprensa conservadora dos Estados Unidos havia definido Francisco como “Papa marxista”. Amanhã, tornar-se-á o “Papa ecologista”, louvado por uns, detestado pelos outros.
DCM

A invisibilização de Francisco

Em resposta a Papa que repercute mal-estar com o capitalismo e busca de alternativas, poder global adotou estratégia astuta: em vez da polêmica, o silêncio…

Papa Francisco,Blog do Mesquita

Laudato Si, a encíclica social apresentada por Francisco, foi recebida por um sugestivo coro de elogios. Só destoaram alguns representantes da direita norte-americana, como Jeb Bush, Rick Santorum e outros, católicos e republicanos, para os quais “o Papa está vendendo uma linha de socialismo de estilo latino-americano” e deveria ocupar-se de “fazer as pessoas melhores, ao invés das questões que têm a ver com política”.

Tanta unanimidade no elogio a um documento que critica com dureza o sistema capitalista e o consumismo parece, pelo menos, estranha. Mais natural seria que uma encíclica para a qual a solução da crise é política, já que “o próprio mercado não garante o desenvolvimento humano integral, nem a inclusão social” recebesse também a crítica de uma longa fila de políticos, empresários, economistas, jornalistas e religiosos que se alimentam do sistema e agora se fazem de distraídos, ou lançam elogios formais.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Gerentes, representantes e defensores do sistema mencionado pela encíclica como causador de desastre humanitário e ecológico – a quem seguramente não faltam motivos para mandar o Papa “ocupar-se de outras coisas” – foram mais astutos que Jeb Bush. Calam-se e esperam que a inércia conservadora, que também arrasta a igreja católica, termine por inviabilizar a Laudato Si, como aliás já fez com outro documento de Francisco com fortes definições sociais, a Evangelii Gaudium.

Para comprovar a vigência desta estratégia, basta reparar nos elogios parciais com que a encíclica foi recebida por empresários e jornalistas que desde sempre defenderam as supostas virtudes da desregulamentação liberal. Basta ver os sonoros silêncios dos políticos e meios de comunicação que apregoam a necessidade de um retorno – este, sim, disfarçado de “mudança” – às políticas de mercado e de ajuste dos anos 1990. Aconselhados pela “prudência política”, calam e esperam. Confiam que Laudato Si será em pouco tempo, por ação ou omissão da igreja, tão invisível como Evangelii Gaudium. Um ano e meio depois de sua publicação, já poucos nos lembramos deste documento, que também fez os acomodados rangerem dentes.

TEXTO-MEIO
Evangelli Gaudium, é preciso recordar, é o documento em que Francisco diz que o desequilíbrio entre ricos e pobres “provém de ideologias que defendem a autonomia absoluta dos mercados e a especulação financeira. Por isso negam o direito de controle dos Estados, quando estes se encarregam de velar pelo bem comum”. Que fez a igreja, que fizeram os bispos e padres para que esta ideia penetre na consciência e resulte em ação? Uma primeira impressão é que fizeram pouco ou nada. Esta atitude é demonstrada pela afirmação do diretor de uma importante editora católica argentina, ao explicar sua decisão de não publicar um livro sobre a encíclica. “Não vai vender, porque a Evangelii Gaudium não foi incorporada pelos agentes pastorais”, afirmou ele. O diretor não o disse, mas é claro que esta falta de penetração é consequência ou de uma decisão expressa, ou do desinteresse de quem define as formas de agir da instituição.

Apesar desta confissão, seria interessante comprovar a hipótese por meio de um trabalho de sociologia religiosa, que verifique quantos cursos ou seminários sobre a Evangelii Gaudium foram organizados pela igreja católica; quantos documentos ou pregações dedicaram-lhe os bispos; em quantas instruções pastorais sua difusão foi estimulada; em quantas matérias das universidades católicas ela é estudada; quantas paróquias organizaram alguma atividade inspirada na encíclica; quantas organizações de laicos a tomam como referência para sua ação; de que forma as Comissões de Justiça e Paz vêm trabalhando com ela etc etc etc.

Seria de esperar que a igreja, seus bispos e instituições trabalhassem de maneira que a Laudato Si não seguisse o mesmo caminho obscuro e, pelo contrário, se convertesse no que deve ser: um novo paradigma de evangelização. Mas é algo que está por acontecer. Enquanto isso, a invisiblização da Evangelii Gaudim é muito recente, e muito evidente, para não temermos que a história se repita. E que se justifique, assim, a estratégia dos poderosos, que mentem adesão ou calam… e esperam.
Por Rodolfo Luís Brardinelli/Tradução: Antonio Martins

Papa Francisco considera inaceitável para um cristão apoiar a pena de morte

Discurso à Associação Internacional de Direito Penal / Foto: L’Osservatore Romano

No seu discurso o Santo Padre reafirmou a condenação absoluta da pena de morte, que para um cristão é inadmissível; assim como as chamadas “execuções extrajudiciais”, quer dizer, os homicídios cometidos deliberadamente por alguns estados ou seus agentes e apresentados como consequência indesejada do uso aceitável, necessário e proporcional da força para aplicar a lei.

Francisco assinalou que os argumentos contra a pena de morte são conhecidos. A Igreja –indicou-, mencionou alguns, como a possibilidade de erro judicial e o uso que lhe dão os regimes totalitários como “instrumento de supressão da dissidência política ou de perseguição das minorias religiosas ou culturais”.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Do mesmo modo, expressou-se contra a prisão perpétua por ser “uma pena de morte disfarçada”.

O Santo Padre também condenou a tortura e advertiu que a mesma doutrina penal tem uma importante responsabilidade nisto por ter permitido, em certos casos, a legitimação da tortura em determinadas condições, abrindo o caminho para abusos posteriores.

No seu discurso, Francisco também exortou os magistrados a adotarem instrumentos legais e políticos que não caiam na lógica do “bode expiatório”, condenando pessoas acusadas injustamente das desgraças que afetam uma comunidade.

Além disso, abordou a situação dos presidiários sem condenação e dos condenados sem julgamento. Assinalou que a prisão preventiva, quando usada de forma abusiva, constitui outra forma contemporânea de pena ilícita disfarçada.

Também se referiu às condições deploráveis dos penitenciários em boa parte do planeta. Disse que embora algumas vezes isso ocorra devido à carência de infraestruturas, muitas vezes são o resultado do “exercício arbitrário e desumano do poder sobre as pessoas privadas de liberdade”.

Francisco não esqueceu a aplicação de sanções penais às crianças e idosos condenando seu uso em ambos os casos. Além disso, condenou o tráfico de pessoas e a escravidão, “reconhecida como crime contra a humanidade e crime de guerra tanto pelo direito internacional como em tantas legislações nacionais”.

O Papa também se referiu à pobreza absoluta que sofrem um bilhão de pessoas e a corrupção. “A escandalosa concentração da riqueza global é possível por causa da conivência dos responsáveis pela coisa pública com os poderes fortes. A corrupção, é em si mesmo um processo de morte… e um mal maior que o pecado. Um mal que mais que perdoar é preciso curar”, advertiu.

“O cuidado na aplicação da pena deve ser o princípio que rege os sistemas penais… e o respeito da dignidade humana não só deve atuar como limite da arbitrariedade e dos excessos dos agentes do Estado, como também como critério de orientação para perseguir e reprimir as condutas que representam os ataques mais graves à dignidade e integridade da pessoa”, concluiu.

Papa Francisco deve visitar Cuba em Setembro

Autoridades do Vaticano informaram na última sexta-feira que o pontífice estuda visitar Cuba no fim de setembro, antes de sua viagem aos Estados Unidos.

O papa Francisco está considerando a possibilidade de visitar Cuba durante sua próxima viagem aos Estados Unidos prevista para o fim de setembro, informou nesta sexta-feira (17) a assessoria de imprensa do Vaticano.

Em nota, o porta-voz da Santa Sé, Federico Lombardi, explicou que os contatos com as autoridades cubanas para a possível visita do pontífice à ilha “ainda estão em um momento muito inicial para se falar de uma decisão já tomada ou de um projeto operacional”.

O Vaticano divulgou a nota depois de o jornal americano “The Wall Street Journal” ter revelado que o Papa Francisco estava avaliando a possibilidade de visitar Cuba.

O trabalho da diplomacia vaticana foi decisivo no histórico processo de reaproximação entre as autoridades de Cuba e dos EUA.

A visita a Cuba poderia ser a primeira etapa do périplo pelos EUA, onde Francisco se tornará o primeiro papa da história a discursar no Congresso americano.

A possível viagem à ilha seria um dos temas abordados no encontro previsto com o presidente americano, Barack Obama, na Casa Branca, no dia 23 de setembro, assim como no discurso que o pontífice fará na Assembleia Geral da ONU, em Nova York.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

A viagem será encerrada na Filadélfia, onde o papa participará do Encontro Mundial das Famílias, organizado pela Igreja Católica.

Apesar de os contatos com as autoridades cubanas estarem na fase inicial, o Vaticano está se movimentando há muito tempo para viabilizar a visita de Francisco à ilha.

O secretário de Estado, cardeal Pietro Parolin, uma espécie de primeiro-ministro do Vaticano, participou da VII Cúpula das Américas, no Panamá, reunião que contou com a presença de Obama e do presidente cubano, Raúl Castro.

Além disso, a imprensa italiana informou que entre 22 e 28 de abril outro colaborador próximo ao papa, o prefeito da Congregação para o Clero, o cardeal Beniamino Stella, viajará a Cuba. Ele foi núncio da ilha entre 1993 e 1999.

Cuba e a Santa Sé também celebram em 2015 os 80 anos do início de suas relações diplomáticas.
O papa Bento VXI viajou a Cuba em março de 2012. Quatorze anos antes, João Paulo II tinha visitado à ilha.
Fonte:MPortal

Papa telefona para refugiados no Iraque e diz que eles ‘são como Jesus’

Papa Francisco se dirigiu a cristãos que fugiram do avanço jihadista.
Depois, ele foi à Basílica de São Pedro rezar a Missa do Galo.

O Papa Francisco beija uma estátua do menino Jesus durante sua chegada para celebrar na Basílica de São Pedro, no Vaticano   (Foto: Max Rossi/Reuters)O Papa Francisco beija uma estátua do menino Jesus durante sua chegada para celebrar na Basílica de São Pedro, no Vaticano (Foto: Max Rossi/Reuters)

O papa Francisco desejou Feliz Natal nesta quarta-feira (24) ao grupo de cristãos refugiados em uma igreja de Erbil, após fugir do avanço jihadista no Iraque, e lhes disse que são “como Jesus”, pois “ele também foi expulso e teve que fugir ao Egito para salvar-se”. Depois, ele foi à Basílica de São Pedro rezar a Missa do Galo.

Em uma ligação telefônica à igreja do bairro de Ankawa, na capital do Curdistão iraquiano, retransmitida ao vivo pela emissora de televisão italiana ‘TV2000’, o pontífice repassou sua ‘proximidade’ e ‘ternura’ aos deslocados pelo conflito.

“Vocês são como Jesus na noite de seu nascimento: para ele não havia um lugar, foi expulso e teve que fugir ao Egito para salvar-se. Vocês, hoje, são como ele e eu lhes abençoo”, disse o bispo de Roma.

“Estou perto de vocês com o coração e peço a Jesus que lhes acaricie com sua ternura e à Virgem Maria que lhes dê seu amor”, acrescentou.

Em sua ligação, o pontífice transmitiu sua mensagem ao pároco Behanam Benoka, que trabalha com os deslocados no Iraque após o avanço dos jihadistas do Estado Islâmico.

O papa Francisco condenou em reiteradas ocasiões a situação na qual vivem os refugiados sírios, palestinos e iraquianos.

Em sua viagem este ano à Terra Santa, Francisco renovou o compromisso de ajuda da Igreja Católica com estas pessoas e fez, ao mesmo tempo, um pedido à comunidade internacional para que contribua para superar os conflitos armados no Oriente Médio.
G1


[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

João XXIII e João Paulo II – Como funciona a máquina de fazer santos da Igreja Católica

Uma vida repleta de virtudes heroicas, exemplos de fé e devoção a Deus. Some-se a isso dois milagres comprovados e estão cumpridos basicamente os requisitos mínimos para se criar um santo da Igreja Católica.

Papa Francisco santifica papas João Paulo 2 e João 23. Foto: AFP
Papa Francisco dá sinais de que retomará ritmo intenso de santificações

O processo, no entanto, depende de uma máquina burocrática complexa em que qualquer desvio de caráter pode custar o título ao candidato – e a certeza de que, invariavelmente, cairá no esquecimento dos fiéis.

Por esse processo, passaram João Paulo 2º, João 23 – com variações em função das épocas e dos casos – e centenas de santos reconhecidos pelo Vaticano até hoje.

Cabe à Congregação para as Causas dos Santos a função de “regular o exercício do culto divino e de estudar as causas dos santos”.

Por meio desse “ministério da santidade”, dirigido pelo cardeal italiano Angelo Amato, que passam as “fichas” dos candidatos à canonização.

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]No entanto, a palavra final sempre é do papa, o único com poder para decretar, de fato, a santidade. Nas últimas décadas, esse poder vem sendo exercido cada vez com mais assiduidade.

Durante seu papado, João Paulo 2º nomeou mais de 480 santos, mais do que o restante dos pontífices desde o século 16 juntos.

Apesar de o ritmo ter sido reduzido por Bento 16, que canonizou 44 santos durante seu curto papado, Francisco dá sinais claros de que quer retomá-lo. Em pouco mais de um ano como pontífice, o argentino já realizou mais de dez canonizações.

Em uma delas, Francisco canonizou de uma vez só 800 mártires, os chamados “mártires de Otranto”, que, por razões metodológicas, são contabilizados como uma única canonização.

Segundo especialistas, essa proliferação dos santos se deveu à reforma do processo de canonização nas últimas décadas. O próprio papa João Paulo 2º, tratou de simplificá-lo em 1983.

Enquanto que alguns criticam a multiplicação e o ritmo acelerado das canonizações, considerando que isso diminui o valor da santidade, a Igreja busca estabelecer “exemplos de vida” mais próximos dos cristãos contemporâneos.

Quem pode ser santo?

A santidade, como tantos outros temas relacionados com a religião, é uma questão de fé.

“Qualquer um pode ser canonizado, independentemente de sua origem, condição social ou raça… É preciso apenas que tenha tido uma vida de santidade, que tenha vivido as virtudes cristãs de um modo heroico e que haja ausência de obstáculos insuperáveis”, afirmou à BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC, Santiago Blanco, bispo de Cruz del Eje e juiz delegado da Congregação para as Causas dos Santos, na Argentina.

Floribeth Mora na santificação de João Paulo 2. Foto: AP
Missa teve presença de Floribeth Mora, fiel que disse ter sido curada por milagre de João Paulo 2°

No entanto, para que o processo de canonização seja iniciado, o nome do candidato deve ser proposto à diocese, geralmente do lugar onde morreu. Este é considerado o primeiro “filtro” rumo à canonização.

“Todo cristão pode propôr o nome de alguém, mas geralmente os nomes são propostos por dioceses, comunidades religiosas de homens ou mulheres ou grupos de leigos”, disse à BBC Mundo Gerardo Sanchéz, juiz supremo para as Causas dos Santos do arcebispado da Cidade do México.

“Nihil obtat”

“Em primeiro lugar, a história do candidato é analisada, incluindo depoimentos de pessoas que conviveram com ele. Em seguida, o bispo pergunta as outras dioceses do país se o caso deve ser aberto. E depois disso a petição segue à Roma onde recebe o nihil obstat , uma espécie de certificado de que não há coisas insuperáveis que tornam impossível o início do caso”, acrescentou White.

Após o “nihil obstat”, a primeira das duas fases do processo de canonização, começa a “fase diocesana”, que, uma vez concluída, passa a ser chamada “fase romana”.

Na fase diocesana, o bispo constitui um tribunal ou uma comissão de investigação que estuda em detalhes a história do indivíduo, de sua família e do contexto em que ele viveu. Cabe ao “postulatore della causa” a realização do processo de recolha e pesquisa, como explicou à BBC Brasil o padre Marco Sanavio, diretor de comunicações da diocese de Pádova, na Itália.

Dois milagres

A partir desse momento, para concluir o processo de canonização, a Igreja pede a comprovação de dois milagres atribuídos ao candidato.

No entanto, o papa pode dispensar o candidato desta condição. Isso aconteceu, por exemplo, com João 23, que nomeou São Francisco com apenas um milagre reconhecido.

Segundo White, os “mártires” também estão isentos dessa premissa, uma vez que, segundo a Igreja, eles “morreram como resultado de sua fé”.

A verificação de um milagre é talvez um dos problemas mais complexos e controversos e segue um processo semelhante para as duas fases anteriores da canonização, uma na diocese e uma em Roma.

A fase romana inclui a revisão por um tribunal médico e outros peritos teólogos antes de uma comissão de bispos e cardeais compartilharem sua opinião .

“Se o parecer for favorável, cabe apenas ao Santo Padre assinar o decreto de canonização”, disse White.

O que significa ser santo ?

Enquanto o culto dos beatos é local, o dos santos pode ser exercido em qualquer lugar.

“Teologicamente significa que podemos garantir que não haja risco de erro que a pessoa que está nos céus”, disse à BBC Fermín Labarga, professor de Direito Canônico na Universidade de Navarra.

“Para o Papa canonizar exerce a sua infalibilidade . Certamente isso é um fato da fé”, conclui Labarga.
Pablo Esparza/Enviado especial da BBC Mundo ao Vaticano
Colaborou Luis Barrucho, enviado especial da BBC Brasil ao Vaticano

Papa Francisco e o fim do populismo na América latina

Políticos Demagogia Blog do Mesquita

Fico com a certeza que com seus modos afáveis, a fala mansa, ambos mais incisivos que qualquer grito, o Papa Francisco enterrou de vez o populismo na América Latina.

O Papa ocupou todos os espaços. Se ele conclamou os jovens para irem às ruas contra a corrupção, que populista terá crédito para fazer o mesmo? Retirou a igreja latino americana da falaciosa Teoria da Libertação. Iremos notar de imediato a mudança nos artigos do Boff e cia.

Desde o sírio Gregório III, no século VIII, Francisco é o primeiro Papa não europeu a ocupar a cadeira do Vaticano.

Nas entrelinhas, claras de suas homilias, fica nítida a intenção do Papa de “fazer uma Igreja pobre para os pobres”.

Põe assim uma pá de cal nos atuais donos do poder, e bate de frente com a tentativa de um mundo globalizado e anômalo, controlado pelas oligarquias financeiras trinacionais.

Segundo  Gaetano Lettieri, professor de História do Cristianismo e das Religiões da Universidade La Sapienza, de Roma, “Francisco usa a simplificação como um desafio cultural para transmitir uma linguagem mais radical”.

Deixou sem bandeiras os políticos populistas que se apropriaram do discurso da miséria como demagogia eleitoreira.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Papa Francisco e políticos brasileiros

Borduna Políticos Blog do MesquitaFazendo aqui um exercício de puro surrealismo, fico imaginando Sarney, Renan, políticos e governantes em geral, todos, e demais pulhas andando de carro sem blindagem, sem seguranças, de vidro aberto em qualquer cidade do Brasil.

E descendo de seus blindados e indo cumprimentar o povo.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]