Música: quem os poderosos escutam

Playlist

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]O jornal londrino “The Daily Telegraph” acaba de publicar uma reportagem sobre os gostos musicais de alguns dos homens mais poderosos do mundo.

Diz ela que o primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, acorda ouvindo Arctic Monkeys.

Seu antecessor, Tony Blair, é fã declarado do grupo The Darkness.

O premiê de Zimbabuê, Robert Mugabe, gosta de Cliff Richard e torce o nariz para Bob Marley (faz sentido).

Osama bin Laden não é propriamente um líder mundial, mas também está na lista. Diz o Telegraph que ele é fã da infiel Whitney Houston (ué? Sempre achei que ele tem uma cara de fã da Celine Dion!)

Segundo o poeta sudanês Kola Boof, que foi mantido como prisioneiro da al-Qaeda em 1996, o terrorista saudita também é fã de Van Halen e dos B-52s.

Já o ditador líbio Muamar Kaddafi certa vez pediu um autógrafo a Lionel Richie dizendo-se fã do The Commodores.

Outra flor de pessoa, o ex-presidente iugoslavo Slobodan Milosevic, que morreu quando respondia processo por genocídio, ouvia Frank Sinatra em sua cela, com especial predileção pela música “My Way”, aquela que diz “eu fiz do meu jeito”. Parece que ele começou a ouvir Sinatra nos anos 1970, quando era banqueiro em Nova York.

Kim Jong-il, que se auto-intitula líder supremo da Coréia do Norte, é fã de Eric Clapton. O ex-guitarrista do Cream chegou a recusar um convite milionário do ditador para tocar no país.

E, veja só que amoreco: o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, gosta das músicas de Chris de Burgh, autor de “Lady in Red”. Não fossem os protestos nas eleições iranianas no ano passado, o cantor irlandês teria sido o primeiro artista ocidental a se apresentar em Teerã desde 1979, ano em que o aiatolá Khomeini tomou o poder.

blog da Barbara Gancia

Internet. Inglaterra terá rede de acesso ultra rápida

Por aqui vamos nos contentando somente com a “banda”, pois a “larga” é promessa que “passa ao largo”.
Ainda assim, estamos sujeitos aos contratempos dos provedores de acesso, que aliam um atendimento “estreito” a uma rede de conexões que não suportam a mais leve garoa.

Chove chuva, certamente, não é a música de preferência dos técnicos que dão manutenção aos precários e paleolíticos equipamentos.

E ainda por cima, o preço…

Reino Unido anuncia ‘operação banda larga’ a longo prazo.

Promessa é garantir 100% de internet rápida até 2012.
Plano foi lançado pelo premiê Gordon Brown.

O Reino Unido planeja fornecer acesso rápido e universal à internet na tentativa de se tornar mais competitivo e tentar sair da recessão.

Relatório do ministro das Comunicações, Lord Carter, afirma que o Reino Unido vai trabalhar para fornecer acesso à internet a todo o país a uma velocidade de cerca de 2 megabits por segundo.

A tecnologia será fornecida por meio de uma combinação de conexões fixas e sem fio até 2012.

Carter também pretende lançar uma legislação para forçar provedores de internet a reduzirem a pirataria na web. Nos planos também está promoção de conteúdo e direitos autorais no Reino Unido e apoiar emissoras de televisão a se adaptarem aos novos tempos.

“Não há um setor, com uma possível exceção sendo o de energia, que o restante da economia não dependa mais que este”, disse Carter a jornalistas.

Atualmente, cerca de 60% do país tem banda larga, mas nem sempre na velocidade de 2 megabits por segundo.

“Nossas redes digitais serão a espinha dorsal de nossa economia nas próximas décadas”, disse o premiê britânico, Gordon Brown. “Elas são essenciais para nossa prosperidade futura no século 21 quanto estradas, pontes, trens e eletricidade foi no século 20”, acrescentou.

do G1

Abin: Amazônia é avaliada em US$ 50 bilhões

Brasil: da série “Acorda Brasil”

E continua a descarada apropriação da amazônia brasileira. Não bastassem sites na Internet que colocam à venda terras na região, agora o descaramento dos “gringos” chega ao ponto de se propagar valores.

Do O Globo
De Ilimar Franco e Jailton de Carvalho:

Ao estimular compra de lotes na região, empresário sueco investigado pela PF estipulou preço da floresta, diz relatório.

Um relatório reservado da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) informa que o empresário sueco Johan Eliasch, consultor do primeiro-ministro inglês Gordon Brown, avaliou que poderia comprar toda a Floresta Amazônica por US$ 50 bilhões. Eliasch fez a declaração para estimular empresários ingleses a comprar ou fazer doações para a aquisição de terras na Amazônia.

A Polícia Federal e a Abin investigam o suposto envolvimento de Eliasch com a compra de 160 mil hectares de terra no Amazonas e em Mato Grosso, como revelou ontem a coluna Panorama Político, do GLOBO