Fifa, trabalho voluntário, a lei e o “eu quero é que o país se exploda.”

Voluntario da Copa de Futebol de 2014,Fifa,EsportesA Taba Tapuia é mesmo um lupanar.

A mafiosa Fifa determinou aos bananas que dirigem essa pocilga o que bem quis para autorizar a realização da nefanda Copa do Mundo de Futebol.

Leis foram modificadas, violadas e jogadas à sarjeta, e outras leis foram feitas para facilitar ação da turma de Mr. Blatter.

E o número de abestados que a tudo isso assiste passivamente é impressionante.

Alguns mais parciais que os panfletinhos de circulação semanal – torcedores que diuturnamente criticam, com razão, os gastos e roubalheiras do governo, não necessariamente nessa ordem, mas que gostam do chamado rude esporte bretão pelos locutores de rádio d’antanho – não reclamam dessa imoralidade, nem tampouco irão deixar de comparecer aos jogos nos estádios superfaturados. Interessam assistir aos canelas de paus, e que hospitais e escolas se danem.

Pois bem; entre as aberrações jurídicas promovidas pelos mafiosos está a descarada violação da legislação trabalhista em vigor no Brasil.

Ouvi no noticiário um dos prepostos da entidade futebolística, que ainda existem vagas para os que queiram trabalhar como voluntários no biliardário evento. Isso mesmo.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Trabalho voluntário.

Mas – tem sempre um mas, essa incômoda conjunção coordenativa, para atrapalhar – determina a Lei n. 9.608/98 – que dispõe sobre o serviço voluntário e dá outras providências – em seu Art.1º “Considera-se serviço voluntário, para fins desta Lei, a atividade não remunerada, prestada por pessoa física a entidade pública de qualquer natureza, ou a instituição privada de fins não lucrativos, que tenha objetivos cívicos, culturais, educacionais, científicos, recreativos ou de assistência social, inclusive mutualidade.”

A “famiglia” que “toma de conta” do futebol mundial não é nem uma entidade pública, e muito menos uma entidade sem fins lucrativos. Em março de 2014 a FIFA já anunciou que em 2013 obteve o maior lucro de sua história! E isso antes da copa. Imaginemos o depois!

“Pois pois” diriam espantados os correligionários de Eça.