Eleições 2010: Eleitor não se interessa por escândalos. Dilma sobe, Serra desce

Cartum de Clayton

Parece, até aqui, que está consolidado a premissa de que o eleitorado, em sua maioria, não dá a menor importância para os sucessivos escândalos que rondam a periferia da candidata Dilma Rousseff. É provável que o denuncismo da mídia comprometida não tenha a credibilidade que as vestais jornalísticas imaginam ter.

Também blogs e twitter, com postagens descaradamente parciais e partidárias, de ambos os lados, não são capazes, por falta de argumentos que não somente o iracundo ódio ideológico de influenciarem os habitantes eleitores das redes sociais. As urnas dirão o grau de influência desses canais no resultado final da eleição.

O Editor


O Datafolha, Dilma, Serra e a teoria do ‘buraco negro’

Saiu mais um Datafolha. A principal novidade da pesquisa é que ela não traz novidades.

Registra um quadro de densa estabilidade na disputa pelos votos que elegerão o sucessor de Lula.

Comparando-se com a sondagem da semana passada, apenas Dilma Rousseff oscilou. Para o alto: de 50% foi a 51%.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

O movimento ocorreu dentro da margem de erro da pesquisa, que é de dois pontos percentuais –para baixo ou para cima.

José Serra manteve-se no mesmo patamar: 27%. Marina Silva, com seus 11%, tampouco se mexeu.

Consolida-se a impressão de que o eleitorado dá de ombros para os escândalos que Serra se esforça para grudar na imagem de sua rival.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Se a eleição fosse hoje, Dilma prevaleceria sobre ele no primeiro turno. Beliscaria 57% dos votos válidos.

O brasileiro parece enxergar o ‘Fiscogate’ e o ‘Erenicegate’ como buracos negros, aqueles furos no universo em que a matéria desaparece.

Autoconvertido em Stephen Hawking da campanha, Serra apresenta suas teorias sobre os buracos negros da eleição.

Num instante em que a platéia já parecia não entender a teoria do buraco do fisco, o físico-candidato a convida para acompanhar o buraco do lobby.

Agora, além daquilo que não se interessou em saber, o eleitor vai ignorar a outra coisa que não se preocupa em conhecer.

Os pesquisadores do Datafolha aferiram o impacto do caso da violação do sigilo fiscal dos tucanos.

A maioria dos entrevistados (57%) disse ter tomado conhecimento do tema. Mas, desse total, apenas 12% consideram-se bem informados.

Não há muita gente disposta a debater os ataques ao IR do Eduardo Jorge e da Verônica Serra no intervalo entre o café da manhã e Passione, a novela noturna.

Num derradeiro esforço, a oposição alega que a candidatura da Dilma é, em si mesma, um buraco negro.

Coisa de efeitos devastadores, capaz de implodir o Sol e empurrar para dentro do buraco o eleitor, a mesa do café e o Toni Ramos.

A bugrada não escuta. Quem ouve não presta atenção. Quem se interessa acha que nada tem a ver com o seu café com leite.

Para usar expressão cara ao Serra, tudo termina em ‘tititi’.

Aliás, tomado pela irritação que exibiu na entrevista à apresentadora Marcia Peltier, os buracos negros já não interessam nem ao Serra.

blog Josias de Souza