Gabeira e FHC juntos na defesa dos maconheiros

Gabeira e FHC juntos na defesa da maconha.

Os “Fernandos”, o Henrique, e o Gabeira, o revolucionário da sunga de crochê, opostos viscerais na ideologia, quais siameses se unem na descriminalização da maconha.

Acontece que o usuário da maconha alimenta o narcotráfico que por sua vez é instrumento do crime organizado.

Aquele inocente real que compra um “charo” é o mesmo que vai financiar a compra de um “treis oitão” que servirá para assaltar aquele parente do inocente fumador da erva.

Aí assistiremos bestificadas, essas mesmas pessoas, parentes e/ou o amigos do maconheiro, fazerem caminhadas pela paz e, vestais da pureza social, endossarem movimentos contra a violência.

O sociólogo ainda usa o pueril, ou imbecil?

Argumento que a maconha em termos de danos à saúde é similar aos do álcool.

Ah é? É?

Quer dizer, ex-celência, que ao invés de proibir os outros, por analogia maléfica, deve-se liberar tudo que for droga? Tupiniquins, aprendam: tirem o sofá da sala!


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Comissão da verdade e os interesses políticos entrincheirados

Fui, sou e sempre serei contra todo e qualquer regime autoritário e, caso tenha oportunidade, sempre os combaterei.

Mas esta bodega de Comissão da Verdade não passa mais um dos circos armados pelos petistas.

Estas tralhas que hoje ocupam o poder e rotulam-se de democratas naquela época defendiam e posicionavam-se dentro de concepções stalinistas e maoistas (José Serra, José Dirceu, José Genuíno, Fernando Gabeira, Wladimir Palmeira, Tarso Genro, Franklin Martins, Dilma Rousseff etc.).

Não se opunham à ditadura militar defendendo o restabelecimento do Estado Democrático de Direito e sim sua substituição por uma ditadura nos moldes soviético, cubano ou chinês.

Se for para apurar, então que se apure também a atuação das organizações clandestinas que praticaram crimes semelhantes aos dos agentes do Estado (assassinato, justiciamentos, assaltos, tortura etc.).

Essa conversa “do presidenta” de contar a história em sua plenitude é uma bobagem, pois a história não possui uma verdade.

Os historiadores trabalham com fragmentos de acontecimentos do passado e, após muita pesquisa, os interpretam e, como são produtos da sociedade em que vivem, suas interpretações jamais serão neutras, imparciais.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Não existe em história o “do jeito que aconteceu”.

Pesquisem sobre alguns membros da tal Comissão e verão que, de uma forma ou de outra, não são nada isentos. Crimes são crimes e, portanto, não importa qual dos lados os cometeram.

Se é para apurar, que se faça em ambos os lados. Essa gente que se diz de esquerda e que derrotou a ditadura está mentindo. Todos sabem que foram aniquilados e que a ditadura só teve fim porque foi uma concessão dos militares fundamentada na Lei da Anistia, em que foi acordado o esquecimento entre as lideranças civis da época e os militares.

Porque não se constituiu Comissão da Verdade após março de 1985, quando todos ainda estavam bem vivos e revogou-se a Lei da Anistia.

Essa Comissão se prestará somente para o atendimento de interesses políticos e econômicos entrincheirados, além de satisfazer o ódio reprimido numa revanche que não trará contribuição alguma para o país.

De mais a mais, um país que não consegue apurar crimes de homicídio como o assassnato de PC Farias em 1996, Celso Daniel em 2002 ou julgar os réus do escândalo do Mensalão desde 2005, com certeza não apurará coisa alguma em apenas dois anos, ainda com a agravante de pretender abarcar de 1946 a 1988.
Celso Botelho/Tribuna da Imprensa

Eleições 2010: PSDB e DEM são os melhores aliados do PT

Enquanto a fogueira das vaidades, e dos interesses pessoais, das oposições arde, Dilma Rousseff agradece aos pés fogueira junina, a existência de uma oposição pamonha. Para embolar a canjica, Rodrigo Maia, presidente do DEM, declara à Folha de S.Paulo: ” a eleição nos já perdemos. Não podemos perder é a dignidade”! Onde já se viu se perder o que não se tem?
Já o senador Álvaro Dias — uma das ‘vestais’ do PSDB — alimenta a fogueira:
” O DEM é um partido de mensaleiros”! Para não deixar de colocar lenha na ‘fogueira amiga’ o deputado Ronaldo Caiado completou

Será que ao PSDB o ganho de tempo na TV, em função da coligação com DEM, compensará a perda de identidade com o eleitor tucano?

O Editor


PSDB, DEM e o vice: quem se dispõe a assumir o lugar da razão?

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]Costumo recorrer a Polônio, personagem de Hamlet, como símbolo de que a prudência e a moderação nem sempre são premiadas. Ele é mais lembrado pela famosa frase sobre os delírios do príncipe maluquete: “É loucura, mas tem método” — em versão que acabou quase se popularizando entre nós. Mas era também aquele, se pensarem bem, que atuava para evitar o banho de sangue.

Huuummm… O príncipe quis o banho de sangue, e a dinastia dos Hamlet foi para o vinagre. Não era um exímio político. Não mesmo! Eu espero, para o bem do processo político, que os Polônios, na crise que ora envolve a relação PSDB-DEM, tenham mais sorte, já que há, para continuar na metáfora, um monte de principezinhos ouvindo a voz de fantasmas. A peça deixa claro o que acontece quando se sai usando a espada para lá e para cá, enfiando no primeiro coitado que se move atrás da cortina tentando resolver a crise.

Eu realmente não creio que o DEM tenha motivos para gostar da condução do processo de escolha do vice, embora, na reta final, tenha havido um pouco mais de conversa do que se informa por aí. Foi um processo atrapalhado. Mas agora há um fato que está dado. O senador Álvaro Dias (PSDB) será o vice na chapa de Serra. E ao DEM resta verificar se leva a sua contrariedade ao extremo do rompimento, ignorando o que tem a perder e um passado de parceria com os tucanos que não lhe fez mal nenhum — muito pelo contrário — ou se faz política, admitindo que ela comporta reveses. O maior revés que pode lhe advir, diga-se, é a vitória da candidata do PT. Se o Democratas acha que isso já está dado, então, evidentemente, cessou o seu papel nessa disputa. Mas isso tem algumas implicações.

Quem vai ser o Polônio do DEM? Alguém se dispõe a tal tarefa, ou ficarão todos entre o ódio e a perplexidade, assistindo aos Hamlets a dar gritos de guerra no salão, dispostos a passar no fio da espada o primeiro vulto que se move? Eis uma boa questão.

Reitero: não há razões para o DEM gostar do encaminhamento dado. Este escriba mesmo — que não tem partido, mas, como Dilma, tem lado — já expressou até qual teria sido a sua escolha se escolhesse: o deputado José Carlos Aleluia (BA), depois que o nome da senadora Kátia Abreu (DEM-TO) se tornou inviável porque decidiu se manter à frente da CNA. Não aconteceram nem uma coisa nem outra. É um dado da realidade. A questão agora é saber o que é principal e o que é secundário nesse jogo.

O deputado Rodrigo Maia, presidente do DEM, deu uma declaração ao Globo típica de quem está pronto para a guerra de extermínio, como se alguém lucrasse com ela — a não ser o PT, evidentemente: “A eleição nós já perdemos, não podemos perder é o caráter”. Isso ajuda? A frase não parece nem mesmo à altura da gravidade do momento. Se o presidente da legenda, que deve ser referência de temperança, atua assim, o que se espera? E ele acha que a derrota já está dada por quê? Só porque o DEM não terá o vice? Não posso crer — nem ele. E se, a seu juízo, já não há mais esperanças, a que se deve tanto esforço? É o melhor modo de fazer pressão?

Na Folha de hoje, lê-se:

Maia afirmou que o DEM fará convenção na quarta-feira aprovando a aliança com Serra, mas colocando como candidato a vice um filiado seu. “Vamos esperar ele indicar o nome do DEM. Se não indicar, vamos aprovar o nosso nome”, declarou.

Questionado sobre o possível imbróglio jurídico se os tucanos mantiverem o nome de Dias, foi sucinto: “Pergunte ao advogado do PSDB”.

É uma resposta com laivos de surrealismo ao que já era bastante confuso. O que Rodrigo Maia e os demais democratas precisam se perguntar é quem sai ganhando com tais arroubos. Ademais, como conciliar o que ele disse à Folha com o que disse ao Globo? Pode recorrer à Justiça só para ser sócio da derrota certa? Acho que não! Parece que o melhor seria ter um pouco mais da prudência de Polônio e um pouco menos de ímpeto de Hamlet, né? —- buscando uma solução que não seja trágica.

Rodrigo Maia e alguns outros radicais precisam descobrir o valor que a “reação proporcional” tem em política. E precisa pôr na balança o que a associação de seu partido com os tucanos rendeu até agora. E eu tendo a dizer que o resultado é bastante satisfatório. E se deve começar pelo óbvio.

Serra bancou Gilberto Kassab como candidato à Prefeitura de São Paulo em 2008, comprando uma briga feia com o seu próprio partido. Fez Guilherme Afif, atual vice na chapa de Geraldo Alckmin, seu secretário. E é evidente que a legenda ganhou um peso no estado e na cidade que jamais teria na marcha em que historicamente vinha. O upgrade foi dado por Serra. Fosse a personagem que alguns democratas querem pintar agora, teria deixado Kassab no sereno para não ter de administrar a confusão.

“Ah, ele não o fez por amor ao DEM, mas porque se tratava de defender a gestão que também era sua…” Claro, claro! Em política, idealistas sempre somos nós, e oportunistas, os outros. O que interessa é saber se o partido ganhou ou perdeu quando o então governador tomou aquela decisão. Estamos falando da maior cidade do país, de um orçamento maior do que o da maioria dos estados. E também de um provável cargo de vice-governador da maior unidade da federação. O DEM ganhou ou perdeu?

A aproximação nem é tão recente assim. Derrotado em 2002 — e o então PFL estava rompido com ele —, Serra assumiu a presidência do PSDB em 2003, e teve início um movimento de reaproximação entre os dois partidos, que resultou juntamente na indicação, no ano seguinte, de Kassab para vice na sua chapa à Prefeitura de São Paulo

Rodrigo Maia sabe que Serra atuou de forma importante para formar o palanque na Bahia, que tem o democrata Paulo Souto como candidato ao governo. Sabe também que, num dado momento, Geddel Vieira Lima (PMDB) se dispunha até a deixar o ministério em favor de composição com os tucanos no Estado. Mas o tucano apoiou a opção DEM. O presidenciável se movimentou também em Santa Catarina, onde o PMDB decidiu enfrentar a direção nacional do partido para apoiar a candidatura de um democrata.

Serra foi crucial para convencer o peemedebista dissidente Jarbas Vaconcelos a se candidatar ao governo de Pernambuco, o que é visto como essencial para que o senador Marco Maciel tente a reeleição. Rodrigo deveria se perguntar se a aliança com Fernando Gabeira (PV), no Rio, que dá um bom palanque à pretensão de Cesar Maia se eleger ao Senado, teve ou não o dedo de Serra, que também arrumou o palanque para DEM no Piauí, no Sergipe e no Rio Grande do Norte.

Isso tudo fica longe da imprensa porque, afinal, a exemplo de Rodrigo, boa parte do jornalismo também acha que a eleição já está decidida. O que vai acima é informação, não juízo de valor. O presidente do DEM certamente não está disposto a abrir mão dessas composições. Mesmo certo, diz, de que não haverá vitória, ele não se mostra disposto nem mesmo a abrir mão do apoio a Serra. Mas também não quer renunciar à guerra.

Querem que eu escreva de novo? Escrevo! Não acho que a condução tenha sido a mais hábil, e há motivos efetivos para a direção do Democratas estar descontente. Mas também há um limite para a contrariedade. E o limite é não atuar contra a sua própria causa porque, afinal, se considera alvo de uma deslealdade ou algo assim. Ademais, essa confusão não foi construída unilateralmente. A posição do partido de vetar qualquer nome tucano menos um — só aceitava Aécio Neves, que não aceita — é, por qualquer ângulo que se queira, heterodoxa. Sempre parece uma intromissão indevida não na aliança — o partido tem o direito de tentar indicar o vice —, mas no partido alheio.

Vão querer arrastar essa crise até quarta, levá-la além, como anuncia o presidente do Democratas, apelando à Justiça? E quem ganha com isso? Alguém pode se confortar: “Ah, a gente perde, mas eles também”. E aonde isso os leva? Há um ditado italiano sobre a tolice de arrancar os próprios olhos só porque o outro o desafiou a provar que é macho — o ditado se refere a outra parte da anatomia masculina; eu só o estou tornando mais “domingável”… Também não dá para imitar o gesto daquele esquadrão que foi demonstrar seu inconformismo com a injusta crucificação de Brian no filme A Vida de Brian, de Monty Python: eles protestaram praticando suicídio coletivo…

Rodrigo Maia acha que a derrota já está dada? Se acha mesmo, deve ceder o lugar àqueles que, no partido, não acham — se é que existem. Se não existirem, então é a hora de todos eles brincarem de outra coisa. Mas eu tendo a crer que isso é só retórica um tanto desastrada. O DEM tem, sim, do que reclamar. Mas também tem o que preservar. Que tal todo mundo decidir pensar só um pouquinho no reino da Dinamarca?

Até porque, caros democratas, não existe solução em que todos perdem. No Brasil, ultimamente, quando quase todos perdem, ganha o PT.

Respeitem os milhões de eleitores que reiteram sua intenção de votar na oposição e tratem de tentar ganhar a eleição.

blog Reinaldo Azevedo

No Rio, Marina pode superar Serra que já começa a cair em São Paulo

Creio ter algum crédito junto aos meus leitores. Afinal, tenho informado com alguma antecedência, em relação aos jornalões esclerosados, alguns fenômenos e tendências eleitorais que se confirmaram plenamente, como foi o caso da ascensão de Marina, principalmente no Rio, e a queda de Serra em Minas, em função do fenômeno Dilmasia (Dilma/Anastasia) que só este fim de semana a Folha e o Globo começaram a admitir. Antônio Anastasia é o candidato ao governo de Minas apoiado por Aécio Neves.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Agora, vou gastar um pouco por conta, para dizer que a candidata verde já esta batendo nos 20% da preferência do eleitorado fluminense e deverá superar Serra dentro de 30 dias. Mas a pior notícia para o tucano é que ele começa a perder terreno também em São Paulo, seu maior reduto.

Não se trata de adivinhação nem de especulação barata. Tenho informado aos leitores que os grandes institutos de pesquisas fornecem, aos seus clientes preferenciais, análises de conjuntura que, de certa forma, antecipam tendências e até números de pesquisas ainda em andamento.

É o caso, por exemplo, do IBOPE de Montenegro que antecipa prováveis resultados para as Organizações Globo que, geralmente, as repassam para o comando da campanha tucana. Quando isso acontece, as informações vazam e chegam até nós que temos ouvidos atentos. Além disso, existe uma série de pesquisas menos importantes ou locais, que, com os devidos cuidados, também ajudam a compor o quadro.

Pois, através desses canais transversos, o comando da campanha tucana já foi informado que a diferença de Serra para Dilma em São Paulo caiu para seis milhões de votos. Ainda é uma vantagem respeitável. Ocorre que ela era de dez milhões há 120 dias e de oito milhões há dois meses. Se for assim, o naufrágio e inevitável.

Mas, mais grave é a situação do Rio, onde os caciques do Partido Verde dão como certo que dentro de um mês Marina Silva estará ultrapassando Serra. Situação semelhante ocorre em Brasília, onde a candidata da Antônio Anastasia já está próxima dos 15%.

Já disse em outros textos que, como capital e ex-capital, Brasília e Rio são sintomáticas, antecipam uma tendência nacional. Marina cresce também no Nordeste (sempre roubando votos de Serra) e já ultrapassou o paulista em Alagoas, em função do apoio informal que recebe ali de sua amiga Heloisa Helena.

É por conta disso tudo que Fernando Gabeira e Alfredo Sirkis, os manda-chuva do PV, estão rifando José Serra, de quem dependiam financeiramente há alguns meses atrás. Agora, o tucano é tratado como um estorvo já que não faz sentido dividir o palanque com ele, quando é Marina a puxadora de votos.

Francisco Barreira/blog Fatos Novos,NovasIdeias

Eleições 2010: Serra cai e Ibope projeta segundo turno com Dilma e Marina

Pesquisa do IBOPE no Rio confirma tendência de queda de José Serra.

O leitor que me acompanha nesta jornada quixotesca pelo Twitter (só não digam brancaleônica ) sabe que valorizo muito as pesquisas eleitorais do Rio e de Brasília. Como ex-capital e capital, estas grandes cidades tem a peculiaridade de exprimir, no seu eleitorado, uma tendência nacional.

Se for assim, a última pesquisa do IBOPE abala ainda mais a candidatura de José Serra: entre os cariocas (capital) e fluminenses ( interior do Estado), ele já aparece catastróficos 17 pontos atrás de Dilma. Em Brasília, na média dos demais institutos , a diferença é de 5 pontos a favor da petista.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Como, porém, Montenegro (o dono do IBOPE) não perde a mania de manipular, ele, para evitar a desmoralização, já fez as contas de chegar em relação a Dilma e Serra, mas para proteger o tucano, continua tentado segurar Marina num nível mais baixo do que o real.

Então temos:
Dilma 44%,
Serra 27%
Marina 10% (pesquisa relativa ao Estado Rio).

Os 10% de Marina vão por conta da manipulação. Na média de todos o outros institutos, ela já está com 18% no Rio e 16% em Brasília.

Agora, se o querido leitor tiver a bondade de comparar estes números com os que antecipei, ontem, para o IBOPE nacional constará que a única discrepância é em relação a Marina que, na minha modesta opinião já deve ter ultrapassado os 15% em todo o País.

Na reta de chegada das campanhas, os candidatos passam a agir, com cega superstição, em função das pesquisas. Ao invés de tentar alterar essas pesquisas, como camaleões, vão se adaptando às tendências reveladas.

Vejam o caso de Marina: nos últimos 60 dias ela focou a classe média e, com um discurso conservador, posicionou-se de forma a herdar os votos do expelido Ciro Gomes, bem com os que se desprendem do decadente Serra. Bem sucedida nesse intento, ela agora tenta refluir para o lulismo, rendendo-se ao avassalador neopopulismo do presidente.

“Eu ainda me inspiro em Lula“,disse ela, ontem, com a cara mais santa.

Ainda sobre o IBOPE do Rio, vale destacar que o ex-prefeito Cesar Maia (DEM), estigmatizado preconceituosamente por seus ex-companheiros Fernando Gabeira e Alfredo Sirkis (PV) está dando a volta por cima. Como candidato ao Senado, ele provavelmente terá mais votos do que Gabeira para governador.

blog Fatos Novos Novas Ideias

Eleições 2010: Presidente da Natura será o vice de Marina Silva

Marina Silva anunciou o empresário Guilherme Leal, da Natura, como seu vice.
Foto: Carolina Laureano

‘Convocação é impossível de ser negada’, afirmou o presidente da Natura.

Artistas e o pré-candidato ao governo do RJ Gabeira estão presentes.

O presidente da Natura, Guilherme Leal, foi anunciado neste domingo (16) como candidato à vice-presidente da República na chapa do Partido Verde encabeçada pela senadora Marina Silva. O evento do PV acontece em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.

Foi Marina quem anunciou Leal, mas ela ainda não tinha feito o seu discurso até às 13h35.

O empresário afirmou: “Não foi uma decisão fácil (aceitar a candidatura), mas essa convocação é impossível de ser negada”, disse Leal: “é com enorme satisfação, entusiasmo e senso de grande responsabilidade que aceito o convite do PV”.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

“Meu ingresso na vida política e minha falta de experiência me deixam sem a fluidez de discurso que tem Marina, (Fernando) Gabeira, e outros companheiros, mas a emoção é grande”, afirmou também Leal, citando o pré-candidato ao governo do RJ pelo partido, Fernando Gabeira.

Além de Gabeira, estão presentes na mesa: a cantora Adriana Calcanhotto, o cantor e ex-ministro Gilberto Gil, o poeta amazonense Thiago Melo entre outros.

Carolina Lauriano/G1

Gabeira, aliado do PSDB no Rio, é acusado por Marta Suplicy no caso do sequestro do embaixador americano no Brasil

Como já era previsto, na campanha eleitoral, “abaixo do pescoço tudo é canela”. Tanto os partidários do PT como os do PSDB, ignoram que houve uma anistia, e continuam revolvendo o passado.

A petista Marta Suplicy não só lembrou o passado de Fernando Gabeira — é do PV e aliado dos tucanos no Rio de Janeiro — como sequestrador, como insinuou que Gabeira era o escalado para matar o embaixador americano, Charles Elbrick, sequestrado em 4 de setembro de 1969. O sequestro foi executado pela Ação Libertadora Nacional (ALN), liderado por Virgílio Gomes da Silva, codinome Jonas. Em troca do embaixador o grupo conseguiu libertar 15 militantes de esquerda, entre os quais o então líder estudantil e deputado federal cassado José Dirceu e o ex-parlamentar comunista Gregório Bezerra.

O editor


Marta afirma que Gabeira foi sequestrador

Em evento, Marta defende Dilma e diz que Fernando Gabeira era o escolhido “para matar embaixador americano”

Em reforço à estratégia do PT nacional de abordar a participação da pré-candidata à Presidência, Dilma Rousseff, na luta contra a ditadura, a ex-prefeita Marta Suplicy introduziu neste domingo ao debate político a atuação de Fernando Gabeira (PV-RJ) contra o regime militar e afirmou que “esse sim sequestrou”.

Em um discurso a militantes petistas da zona leste de São Paulo, acompanhada do pré-candidato ao governo, Aloizio Mercadante, Marta insinuou que Gabeira, aliado dos tucanos no Rio de Janeiro, estaria mais exposto a críticas por sua participação na luta armada que Dilma.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

“Todo mundo aqui já ouviu falar do Gabeira? A maioria. Pois é. Vocês notaram, Aloizio, que do Gabeira ninguém fala? Esse sim sequestrou.

Eu não estou desrespeitando ele, ao contrário, mas ele sequestrou. Ele era o escolhido para matar o embaixador. Ninguém fala porque o Gabeira é candidato ao governo do Rio e se aliou com o PSDB. Então ninguém fala”, disse a petista, pré-candidata ao Senado na chapa com Mercadante.

A estratégia de trazer Gabeira para o debate foi vista com receio por aliados da petista. Segundo alguns de seus interlocutores, ela fez as afirmações “no calor do discurso”.

Marta disse que foi questionada por um de seus filhos sobre o passado de Dilma.

“Outro dia meu filho chegou e falou: ‘mamãe, é verdade que a Dilma sequestrou pessoas e assaltou bancos?”

“E eu falei para ele: de onde você tirou isso? E ele: ah, está na internet. O tempo inteiro na internet”, disse a petista.

“A Dilma pertenceu a uma organização na época da ditadura. E isso, gente, não merece desqualificação. Merece respeito. Porque alguém com 20 anos que põe a sua vida em risco para defender a liberdade do País, que é presa e torturada durante três anos, merece nosso respeito”, defendeu.

Agência Estado

Eleições 2010: Ciro acusa José Serra de ‘aparelhar’ o Estado

A ‘coisa’ começou a esquentar. Do pescoço pra baixo, tudo é canela.


Ciro afirma que Serra ‘aparelha’ gestão paulista

O deputado federal Ciro Gomes (PSB-CE), pré-candidato à Presidência, acusou ontem o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), presidenciável tucano, de aparelhar o Estado para se beneficiar eleitoralmente.

“Serra pegou o Márcio Fortes, um banqueiro do Rio, e o nomeou para dirigir a empresa de eventos de São Paulo. Todo mundo sabe que o Márcio Fortes, na verdade, ajuda a captação de dinheiro na campanha [presidencial]”, disse Ciro, em entrevista à rádio CBN, no Rio.

À Folha Fortes afirmou que Ciro “demonstrou sua ignorância”. Ele disse que não é banqueiro, mas engenheiro. “Não estou tratando de recursos para campanha. já tratei disto no passado, como político do PSDB.”

Ex-secretário e ex-tesoureiro do PSDB, Fortes dirige a Emplasa (Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano), vinculada à Secretaria Estadual de Planejamento.

Márcio Fortes está cotado para ser o vice da chapa encabeçada pelo deputado federal Fernando Gabeira (PV-RJ) na disputa pelo governo fluminense.

Na entrevista, Ciro Gomes disse que é “remotíssima” a possibilidade de ser candidato à sucessão de Serra e negou que vá se encontrar com o presidente Lula para discutir tal tema. Ele também voltou a dizer que é mais preparado que Dilma para a corrida eleitoral.

João Paulo Gondim/Folha de S.Paulo

Eleições 2010: PSOL não quer aliança com Gabeira e rompe com Marina Silva

O partido de Heloisa Helena detectou mau cheiro no acordo com o Partido Verde, no qual identificou rastro do DEM e do PSDB. Assim, a senadora Marina Silva perde o apoio da bolivariana alagoana.

O Editor


PSOL rompe aproximação com Marina Silva após aliança PV-PSDB no Rio

A Executiva Nacional do PSOL decidiu nesta quinta-feira encerrar as conversas com o PV para o apoio à candidatura da senadora Marina Silva (PV-AC) à Presidência da República. Segundo a direção do partido, o principal motivo do rompimento é a decisão do PV de se coligar com o PSDB na disputa para o governo do Rio de Janeiro.

“Não queremos relações próximas com candidaturas conservadoras. Queremos uma candidatura autônoma, independente, não satélite das que estão aí”, disse o secretário-geral do PSOL, Afrânio Boppré, após reunião da Executiva Nacional, em Brasília.

O coordenador-geral da pré-candidatura de Marina Silva, o vereador do Rio de Janeiro, Alfredo Sirkis (PV), afirmou que a decisão do PSOL não surpreende. “De fato nunca considerei essa hipótese [de aliança]. Há diferenças substanciais entre os dois partidos”, afirmou.

No entanto, para ele, é possível fechar com o PSOL alianças estaduais como no caso de Alagoas, onde Heloísa Helena sairá candidata ao Senado. Segundo Sirkis, a desistência do PSOL é de certa forma positiva. “É preocupante fazer uma aliança, escamoteando as divergências, que podem aparecer no meio da campanha. É melhor não haver aliança nacional e haver acordos estaduais”, diz o vereador.

Com a decisão da Executiva Nacional, o grupo da presidente nacional do PSOL, Heloisa Helena (AL), decidiu lançar o presidente do partido em Goiás, Martiniano Cavalcanti, como pré-candidato do partido à Presidência. Além de Cavalcanti, os ex-deputados Babá e Plínio de Arruda Sampaio também já lançaram suas pré-candidaturas.

A convenção nacional do partido, marcada para os dias 10 e 11 de abril, vai decidir quem será o candidato da legenda ao Palácio do Planalto.

Heloísa Helena, que disputou a Presidência pelo PSOL em 2006, ficando em terceiro lugar, deve tentar neste ano voltar ao Senado por Alagoas. Ela não concedeu entrevista após a reuniu porque não estava se sentindo bem.

Fernando Gabeira

A movimentação contra a aproximação com o PV começou depois que o deputado Fernando Gabeira (PV-RJ) admitiu a possibilidade de entrar na disputa estadual em coligação com o PSDB. Apontado como o candidato ideal do governador José Serra (PSDB), Gabeira tem aval de Marina Silva.

Segundo reportagem da Folha publicada na terça-feira (19), Gabeira não apoiará o governador de São Paulo e pré-candidato do PSDB à Presidência, José Serra. Pelo menos no primeiro turno. Ele disse que apoiará “unicamente” Marina Silva.

Na semana passada, um manifesto divulgado pela deputada Luciana Genro (PSOL-RS) e mais dois integrantes da Executiva Nacional já indicava o possível rompimento das negociações com o PV. Na ocasião, eles condicionaram o apoio à Marina Silva à desistência da candidatura de Gabeira ao lado PSDB.

“Quando iniciamos a discussão para a aliança [com Marina], um dos pressupostos era uma candidatura independente das forças políticas”, afirmou Luciana. Segundo ela, essa independência deve refletir nos palanques estaduais.

Gabriela Guerreiro/Folha Online, em Brasília

Eleições 2010. PV e PSDB negociam protocolo para fechar acordo no Rio

Fazemos qualquer negócio! Não é mesmo?
Os mesmos PSDB e DEM que, através de declarações de seus militantes e de alguns de seus(deles) parlamentares, — ignorando o sentido pacificador da Lei de Anistia — têm adjetivado a candidata do PT, Dilma Roussef, de terrorista, agora, de olho nas eleições, monta palanque, no Rio de Janeiro, com o também terrorista e sequestrador — foi um dos que à época do regime militar participou do sequestro do embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Charles Burke Elbrick —
Fernando Gabeira. Dois pesos e duas medidas?

Porventura terá o a até então execrado Gabeira de apologista da maconha se transformado em uma madre Tereza?
O Editor


Gabeira (PV), candidato de Serra, em aliança DEM, PSDB, PPS. Marina será linha auxiliar demo-tucana?

O PV e o PSDB estão terminando os últimos detalhes para lançar juntos a candidatura do deputado federal Fernando Gabeira (PV) a governador do Estado do Rio. Um protocolo está sendo negociado para que não haja problemas com a participação do deputado nos palanques dos candidatos à Presidência José Serra (PSDB), atual governador de São Paulo, e Marina Silva, senadora eleita pelo PV do Acre.

O maior problema, segundo Gabeira, é esta dupla candidatura presidencial. O acordo está sendo desenhado para que nenhum dos candidatos se sinta constrangido. “Tudo está sendo feito para que o acordo final seja anunciado nos próximos dias”, explica Gabeira.

A vereadora Aspásia Camargo (PV-RJ) diz que, no partido, tudo está decidido. Ela agora sairá candidata a senadora e Gabeira a governador. “Aqui no PV estadual vimos que não há problema nesta superposição, desde que seja respeitado o protocolo. O Gabeira quer ser governador e teve resultado muito positivo com a coligação que o apoiou a prefeito”, explica.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

No segundo turno de 2008, o deputado perdeu a eleição para prefeito da capital para Eduardo Paes (PMDB) numa disputa acirrada com diferença de apenas 1,6 ponto percentual. Pesquisa feita pelo Datafolha em dezembro mostra que, em uma disputa com o governador Sérgio Cabral (PMDB) e o ex-governador Anthony Garotinho (PR), o deputado fica em terceiro, com 17% dos votos.

Gabeira mostrou-se cauteloso e explicou que só baterá o martelo quando o acordo estiver costurado. No entanto, acredita que isto não será difícil. O deputado também fez questão de afirmar que não sairá candidato a governador se só tiver o apoio do PV. “Não serei candidato só com 30 segundos de televisão”.

A coligação também deve envolver o DEM e o PPS. Para o ex-prefeito Cesar Maia a candidatura já está acertada. “Os quatro partidos darão os candidatos da coligação. Governador do PV, vice e dois senadores do PPS, PSDB e DEM”, afirmou por e-mail.

O governador Aécio Neves (PSDB), que almoçou ontem no Rio com o presidente nacional do DEM, deputado federal Rodrigo Maia, contou que o próprio José Serra tem participado das negociações com Gabeira. Aécio explicou que veio ao Rio para definir as coligações estaduais com o DEM. Ele disse que é necessário definir situações como a do Ceará, onde o senador Tasso Jereissati, principal expoente do PSDB no Estado, não quer enfrentar o atual governador Cid Gomes (PSB), e a do Amazonas onde o partido não tem candidato forte.

Perguntado se a decisão de não concorrer à Presidência da República era irreversível, Aécio afirmou que “irreversível só a morte”. Ele disse que poderá trazer uma contribuição maior à vitória de Serra trabalhando em Minas: “Estou cada vez mais convencido de que vencer em Minas Gerais é muito importante para o nosso candidato à Presidência da República. E para ajudar nessa vitória em Minas Gerais eu devo estar em Minas Gerais. E, obviamente e eventualmente, em outras partes do país, mas devo centrar o meu esforço em Minas.”

Aécio também explicou o que o impediu de receber o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, que estarão hoje em Minas para inaugurar obras. Segundo o governador, ele foi comunicado do evento no fim de semana e não teve tempo de modificar sua agenda.

O governador também explicou que não vai se distanciar do presidente. “As pessoas que me conhecem na política sabem que eu não considero alguém meu inimigo ou com ele sou descortês porque está em outro campo político”. E garantiu que, quando o presidente for à Minas e sua agenda permitir, ele o receberá oficialmente e administrativamente como governador do Estado. “Mas os meus compromissos políticos e, acho que isso está absolutamente claro, estão no campo da oposição”.

Paola de Moura/VALOR

siga o blog do Mesquita no Twitter