Paz na Colômbia?

‘Colômbia é uma sociedade totalmente traumatizada’

Pesquisadora Josefina Echavarría diz que resultado do plebiscito não é racionalmente explicável: há um conflito profundo no país, marcado por raiva e luto – EFE

Na prática, portanto, após penosas negociações e a recente assinatura do documento, o povo disse “não” à chance de dar fim a 52 anos de um conflito interno que já custou centenas de milhares de vidas e consome recursos preciosos.

A DW entrevistou a pesquisadora da paz Josefina Echavarría, nascida na Colômbia, que trabalha na Universidade de Innsbruck, na Áustria. Para ela, o profundo trauma da sociedade colombiana explica, em parte, a decisão popular, difícil de justificar com argumentos racionais.

Mas nem tudo está perdido: há iniciativas para implementar o acordo por outros meios. E o processo de paz viu nascer várias pequenas iniciativas de pacificação, em localidades e junto às famílias, que deverão sobreviver ao resultado das urnas. “Espero que esses movimentos não sejam afetados pela grande rejeição ao acordo de paz, em nível nacional”, torce Echavarría.

DW: O acordo de paz entre as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e o governo da Colômbia foi negociado a duras penas. Apesar disso, diversos grupos faziam campanha contrária. Como se explica isso?

Josefina Echavarría: Havia no país uma oposição, liderada pelo ex-presidente Álvaro Uribe, que movimentava os ânimos contra o governo. Essa posição fundamental, em princípio, nada tinha a ver com as negociações de paz. Além disso, uma série de grupos menores simplesmente consideravam injusto o acordo de paz.

Mas esse conflito dura mais de 50 anos, custou mais de 220 mil vidas. Depois de todo o sofrimento que ele tem causado na Colômbia, como alguém pode, a sério, ser contra um acordo de paz?

Não acho que esse resultado seja racionalmente explicável. Para compreendê-lo, é preciso considerar os diferentes estados de espírito entre os diversos grupos colombianos. A Colômbia é uma sociedade totalmente traumatizada, há tanta raiva, tanto luto no país. Muitos não se sentem escutados. E está claro que o governo e todos os que eram a favor do acordo subestimaram o tamanho desse grupo.

Agência Efe

Pesquisadora acredita que sociedade colombiana deve aprender a solucionar problemas de maneira democrática

O que o resultado do plebiscito significa para o processo de paz colombiano?

Já há tentativas para dar forma de lei ao acordo por outros caminhos. É também preciso enfatizar: graças a esse processo de paz, nos últimos anos foram fundadas numerosas iniciativas, a maioria trabalhando em nível local, que deram grande impulso a todo o processo. Justamente por atuarem nas pequenas localidades e, especificamente, com as famílias locais, eu espero que esses movimentos não sejam afetados pela grande rejeição ao acordo, em nível nacional.

A senhora acaba de voltar da Colômbia. Como se anuncia o futuro para as próximas gerações?

Acho que depende inteiramente de como os colombianos se comportarão após essa consulta popular. No momento, todos só estão olhando para esse resultado eleitoral. Vê-se nas urnas que a população estava totalmente dividida. Isso significa que há um conflito profundo na nação. Os colombianos precisam olhar para si e se perguntar: o que esse resultado representa agora, para o dia a dia no país? Acima de tudo, eles precisam aprender, ainda mais, a solucionar todos os seus conflitos de forma democrática.

Ainda há esperança para esse país sul-americano?

Acho que há muitas pequenas ilhas de esperança. A Colômbia é um país marcado por grandes disparidades. Há, por exemplo, em acentuado abismo entre as condições de vida no campo e nas grandes cidades. E, apesar dessas diferenças, dessa polarização da sociedade, sente-se, já agora, a paz em muitíssimos setores da vida quotidiana.

Ex-Ministro de FHC compara PT à Cosa Nostra

O atual deputado federal e ex-ministro da educação durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, Paulo Renato, não usou da menor sutileza.

Foi direto na jugular petista. Com todas as letras, parágrafos e incisos, colocou o PT na mesma seara dos mafiosos da Sicília.
Haverá o PT de preparar uma “vendetta”?
O Editor


Tucano compara o sindicalismo petista à Cosa Nostra

Ex-ministro de FHC e atual secretário de Educação de São Paulo, o deputado tucano Paulo Renato Souza veiculou em seu blog um artigo azedo.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

No texto, o grão-tucano investe contra o que chama de “nova casta de sindicalistas”. Gente acomodada, segundo ele, em “postos estratégicos” do governo Lula.

Paulo Renato menciona o caso do dossiê elaborado contra o ministro petista Guido Mantega (Fazenda).

Enxerga no episódio métodos da máfia italiana, a “Cosa Nostra”. Faz também uma analogia com as práticas adotadas sob Al Capone:

“Nem mesmo os petistas estão livres de serem vítimas de práticas criminosas que se assemelham em muito ao que fazia o sindicalismo de Chicago nos anos trinta, ou o de Nova York”.

Evocando notícia da Folha, Paulo Renato lembra que a investida do sindialismo petista contra Mantega envolve uma disputa pelo controle da Previ.

Ao resumir o episódio, o tucano injeta na encrenca o ex-presidente do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP):

“Até recentemente o comando do Previ estava nas mãos de um grupo de bancários paulistas, berço político e reduto eleitoral do ex-presidente do PT, Ricardo Berzoini…”

“…[…] Ao sentir que a presidência do Previ sairia de suas mãos, pois o ministro [Mantega] pretendia indicar um nome que não pertencia ao grupo…”

“…A turma dos bancários partiu para a ofensiva, divulgando uma carta anônima, na qual apontou atuações heterodoxas de uma das filhas do ministro da Fazenda”.

No dizer de Paulo Renato, “não é a primeira vez que sindicalistas e bancários participantes do governo Lula se veem envolvidos na produção de dossiês”.

Lembrou o caso dos “aloprados”, de 2006: “A Polícia Federal apreendeu R$ 1,7 milhão nas mãos de petistas suspeitos de montar um falso dossiê contra José Serra”.

Acrescentou: “Como se observa, o gangsterismo vem de longe. O inusitado do mais recente ‘dossiê’ é que ele se destina a produzir o chamado ‘fogo amigo’.”

Citou a presidenciável do PT: “Para a candidata Dilma [Rousseff], se é uma carta anônima, não tem problema, pois não se pode chamá-la de dossiê”.

Mencionou o mandachuva do petismo: “Segundo o presidente do PT, [José] Eduardo Dutra, esse é um ‘assunto velho’.”

Lamentou: “Tudo é jogado para debaixo do tapete e não há, sequer, uma defesa veemente do ministro da Fazenda”.

Em seguida, uma frase em timbre de exclamação: “Pasmem, quem o defendeu como um homem honesto foi o candidato José Serra!”

Paulo Renato reproduz no artigo uma frase de Sérgio Guerra, presidente do PSDB e coordenador da campanha de Serra:

“Se eles fazem contra eles, imaginem o que podem fazer contra nós”.

Os ataques de Paulo Renato chegam nas pegadas da polêmica que Índio da Costa, o vice de Serra, ateou na campanha ao vincular o PT às Farc e ao narcotráfico.

Uma controvérsia que resultou na concessão, pelo TSE, de direito de resposta do PT contra o PSDB.

Paulo Renato borrifa gasolina na cena política no mesmo dia em que a resposta do PT foi veiculada no sítio de campanha de Serra, o Mobiliza PSDB.

-> o artigo completo de Paulo Renato de Souza

blog Josias de Souza

Eleições 2010: Marco Aurélio ‘top top” Garcia ganha de Serra adjetivo de troglodita

Leonel Brizola à época já afirmava com todas as letras, vênias e ironias mordazes, que todos os saltitantes que cercavam o então radical Lula eram “direitões disfarçados.
Isso em 1999. Antes da era “nunca na história desse país”…

O Editor


Serra dá troco a Marco Aurélio: ‘Troglodita de direita’
Quando um quer, dois brigam. Quando dois querem, aí mesmo é que se estabelece a pancadaria. Um dia depois de ter sido açoitado verbalmente pelo grão-petê Marco Aurélio Garcia, o presidenciável tucano José Serra foi à forra:
“Acho troglodita de direita quem apoia [Mahmoud] Ahmadinejad [presidente do Irã]…”

“…Um sistema que mata mulheres, uma ditadura que prende jornalistas, enforca opositores”.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Na véspera, o assessor internacional de Lula e redator do programa de Dilma Rousseff previra um “fim de carreira melancólico” para Serra.

Lamentara que o ex-companheiro de exílio –os dois se avistaram no Chile— tenha deslizado para a “direita”.

A resposta de Serra veio numa sabatina organizada pelo portal R7. Aproveitou para remoer os vínculos do PT de Marco Aurélio com a narcoguerrilha.

“Todo mundo sabe da ligação do PT com as Farc. As Farc são uma força do narcotráfico…”

“…O PT errou ao tratar como força política, sendo que é, na verdade, do narcotráfico”.

Definiu-se como político “de esquerda”. Cudou de adjetivar o seu esquerdismo, distanciando-o do de Marco Aurélio:

“Para mim, falar de esquerda é falar de direitos humanos e ter ações realmente populares, e não ficar fazendo jogo de grupos econômicos”.

A despeito da sequência de golpes abaixo da linha da cintura, Serra disse que seu objetivo é outro: “Eu vivo o tempo inteiro querendo discutir teses”.

Para não perder a viagem, reesfregou na face do petismo o MST. Definiu-o como movimento “político, socialista revolucionário”.

Reforma agrária? Mero instrumento retórico, do qual o MST se serve para ter acesso às burras do Tesouro.

Instado a comentar as multas que o TSE impôs a ele e à rival, Serra insinuou que, na gincana do desrespeito à lei eleitoral, apenas seguiu a trilha aberta por Dilma:

“Aquele que não segue tem vantagem porque a multa é pequena”, disse.

Janine Moraes/ABr

Eleições 2010: As Farcs, o narcotráfico o PT e o Índio da Costa

O texto abaixo vai de encontro ao princípio básico do ônus da prova. Quem acusa é que tem que provar. A acusação feita pelo vice de Serra, Índio da Costa, de que o PT está ligado às Farcs e ao narcotráfico, até agora só provocou desgastes na campanha dos tucanos. Todas as denúncias constantes no artigo foram, e continuam sendo, amplamente divulgadas ao longo dos últimos anos, e o jornalista está no seu direito de divulgá-las e comentá-las. O erro está em cobrar posicionamento dos acusados. A mesma Constituição Federal que dá ao jornalista a liberdade de expressão é a mesma que homenageia o Princípio da Presunção da Inocência. Não cabe ao PT demonstrar a improcedência da acusação. No entanto o que mais compromete a imparcialidade da peroração é que o referido articulista, ao que consta, trabalha na campanha de José Serra. Em sendo assim sua (dele) peça opinativa tem o viés da parcialidade. Será mais um argumento a favorecer os petistas ao invés de prejudicar.
O Editor.


Índio, Farc e PT
Por Ruy Fabiano/jornalista

Há um dado a registrar nos desdobramentos das acusações de Índio da Costa sobre as ligações do PT com as Farc: nenhuma das manifestações em contrário tratou do conteúdo do que disse.

Todas, sem exceção, centraram-se em desqualificar quem as disse.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

O que está em pauta, porém, não é apenas o denunciante, mas o teor do que foi denunciado, que vai muito além de sua dimensão pessoal ou política.

Se o que disse é verdadeiro, então cumpriu seu papel de homem público. Se não é, deve ser responsabilizado judicialmente e o que contra ele já se disse ainda terá sido pouco.

Só se pode chegar à segunda assertiva depois de elucidada a primeira. No entanto, ignorou-se a primeira e aplicou-se a segunda.

O PT acabou estabelecendo a solução: levou o caso à Justiça. Lá, Índio terá que provar o que disse ou se submeter às penas da lei. Ele diz que tem provas do que disse. O país as aguarda. O que disse, afinal, não é pouca coisa – e o lugar que ocupa confere-lhe ao menos o benefício da dúvida, negado desde o primeiro momento.

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia surgiram em 1964, como guerrilha política, de índole marxista-leninista.

A partir dos anos 80, derivaram para ações criminosas.

São hoje a principal organização narcotraficante do continente e mantêm relações, já comprovadas pela Polícia Federal brasileira, com organizações criminosas como Comando Vermelho e PCC.

Estão no centro da presente discórdia (mais uma) entre Venezuela, acusada de fomentá-las, e a Colômbia.

Em 1990, ao criar o Foro de São Paulo, que teve como seu primeiro presidente Lula e presidente de honra Fidel Castro, o PT convidou as Farc a integrá-lo.

Reconheceu assim a legitimidade do papel político que exerce.

Em 2002, com o sequestro da senadora e candidata à Presidência da Colômbia Ingrid Bettencourt, as Farc deixaram formalmente o Foro, a cujas reuniões, no entanto, continuaram a comparecer informalmente.

“Esse sujeito é um perturbado”, disse Marco Aurélio Garcia. “Quando terminar as eleições, vai ser vereador no Rio de Janeiro”. Tem sido essa a linha de argumentação, o que, convenhamos, está longe de obedecer à mais elementar norma de debate público.

Se é um despropósito atribuir vínculo do PT com as Farc, então, antes de condenar o acusador, ou simultaneamente a essa condenação, é preciso mostrar a improcedência dessa acusação.

Dizer algo como: o PT não tem e nunca teve vínculo com as Farc. O PT condena – e considera criminosa – a ação narcoguerrilheira das Farc.

E aí outras explicações se impõem: por que então o governo Lula deu refúgio político ao narcoguerrilheiro Olivério Medina e requisitou sua mulher, Angela Slongo para trabalhar na Casa Civil da Presidência da República?

Dizer também porque o mesmo Marco Aurélio Garcia, assessor especial de Lula, se negou a considerar as Farc terroristas, não obstante sua prática de sequestro e assassinatos de pessoas, inclusive gente alheia à luta política na Colômbia – e não obstante ser essa a classificação que lhes dão União Europeia e Estados Unidos.

Mais: por que o PT, ao criar o Foro de São Paulo, em 1990, convidou as Farc, que, já naquela época, praticavam sequestros e tráfico de drogas?

Não basta dizer que o acusador é um nada, até porque não o é. É deputado federal e candidato a vice-presidente da República.

Se fosse um nada, o PT não o levaria à Justiça. Se o levou, é porque viu gravidade no que disse. E, se o que disse é grave – e é -, precisa ser respondido, e até agora não foi.

blog do Noblat

Eleições 2010: TSE concede direito de resposta ao PT no site do PSDB

Fico com a impressão de que quanto mais o Índio da Costa brande indiscriminadamente o tacape adolescente e pueril, mais pontos vai ganhando a candidata do chefe dos Tupiniquins. Com oposição nesse baixo nível de acusar por acusar, a nau das velas vermelhas navega em mares plácidos.
O Editor


TSE defere direito de resposta a PT em site do PSDB
O ministro Henrique Neves, do TSE, deferiu o pedido de resposta do PT às declarações de Índio da Costa, vice na chapa de José Serra.

Deu 24 horas ao PT para redigir sua resposta. E determinou que a peça seja veiculada durante dez dias no portal “Mobiliza PSDB”.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Foi nesse recanto da web, vinculado à campanha de José Serra, que o vice Índio concedeu, na última sexta, a fatídica entrevista.

Nela, vinculou o PT às “Farc“, ao “narcotráfico” e ao que “há de pior”.

Para Henrique Neves, “o tom ofensivo é evidente”.

O despacho do ministro anota:

“Tenho que a afirmação de ser o PT ligado ao narcotráfico e ao que há de pior é, por si, suficiente para a caracterização da ofensa e o deferimento do direito de resposta”.

Ao estipular a veiculação do repto por dez dias, Henrique Neves concedeu ao PT o dobro do prazo previsto em lei.

Por quê? Alegou que o PSDB já havia recorrido ao mesmo “expediente” — a vinculação do PT às Farc — na campanha presidencial de 2002.

Uma campanha em que o candidato tucano era o mesmo José Serra que agora mede forças com Dilma Rousseff.

“Adversários políticos não devem se tratar como inimigos. Mas ainda que assim se considerem, que seja, a cortesia é um dever”, ensinou o ministro.

A decisão, por monocrática, tomada por um julgador solitário, comporta recurso ao plenário do TSE.

blog Josias de Souza

Eleições 2010: o índio pode afundar a campanha do cacique tucano pra governar a aldeia

É preciso que deem um apito pro índio para ele não ter tempo de usar a borduna irresponsável.
O Edito
r


O amigo do Zorro
Pelo antigo Código Civil de Clóvis Bevilacqua, índio era considerado incapaz. Carecia de direitos políticos. Ressurgindo do passado, eis aí um exemplo de incapacidade total do Índio da Costa, feito candidato a vice-presidente da República na chapa de José Serra, sabe-se lá porque desígnios da Providência, da tucanagem ou dos salvados do PFL.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

O indigitado silvícola acaba de definir Dilma Rousseff como “atéia e esfinge do pau oco”, acusando também o PT de “ligado às Farcs e ao narcotráfico, o que há de pior”.

Convenhamos, no nome o personagem lembra o amigo do Zorro, o Tonto. No comportamento, ultrapassa qualquer medida de bom-senso.

Se denunciado e chamado a comprovar as acusações em juízo, acaba parando na cadeia.

Ignora-se a reação de José Serra diante de seu parceiro.

Uma forma de interromper essa cascata de aleivosias seria mantê-lo afastado da campanha, mas como ninguém poderá garantir o seu silêncio, melhor a iniciativa oposta: amarrá-lo ao candidato presidencial, mas amordaçado, com direito apenas a abanar a mão para as platéias.

A gente se pergunta como o PSDB aceitou a indicação de Índio da Costa e, pior ainda, como o DEM ousou indicá-lo.

Há quem suponha a vingança dos Maia, César e Rodrigo.

Carlos Chagas/Tribuna da Imprensa

Guerra às drogas na Corte Internacional de Haia

O Plano Colômbia foi concebido no governo do democrata Bill Clinton, pelo general Barry Mc-Caffrey, herói de guerra no Vietnã e escolhido como czar antidrogas da Casa Branca, apesar de republicano.

O milionário e militarizado “Plano Colômbia” foi enfiado goela-abaixo do presidente Andrés Pastrana.

Para o general Mc-Caffrey, a solução seria a erradicação das folhas de coca, usadas como matéria prima na elaboração do cloridrato de cocaína.

Tudo muito simples, na visão do supracitado czar: sem coca, fim da cocaína.

Então, aviões da norte-americana Dyn Corp foram contratados para derramar herbicida nas áreas de cultivo da coca.

O herbicida escolhido e derramado por avião foi o “glifosato“, vendido pela Monsanto. É encontrado em supermercados brasileiros.

Para derramar o herbicida, a privada Dyn Corp embolsou US$ 170 milhões, em cinco anos de Plano Colômbia.

Não se sabe quanto lucrou a Monsanto, pelas toneladas de glifosato despejadas.

Dispensável dizer que o Plano Colômbia foi um fracasso.

As áreas de plantio de coca migram, inclusive para o Peru e Bolívia. Até para as reservas e parques ecológicos colombianos, onde era proibida a fumigação. Clareiras foram abertas na floresta amazônica (lado colombiano) para o plantio de coca, ou seja, em áreas onde os derrames eram proibidos.

Segundos fotografias tiradas por satélite, o plantio migrou e, nos cinco anos de Plano Colômbia, as áreas continuaram do mesmo tamanho. Ou seja, nem um pé de coca a menos, embora em outras áreas.

Nada afetou a produção do cloridrato de cocaína. E em nenhum momento se verificaram “narinas ” consumidoras agitadas, pelo risco de abstinência. A indústria das drogas não foi abalada e os bolsos dos “barões” do tráfico não perderam nenhum centavo.

Os danos ecológicos foram enormes na Colômbia. Também no Equador, na região de fronteira. Os ventos carregaram os herbicidas para o território equatoriano. E as águas dos rios penetrantes, como o San Miguel, ficaram contaminadas pelo glifosato.

A população ribeirinha perdeu plantações e animais que bebiam nos rios contaminados pelo glifossato. Índios adoeceram. Muitos foram internados em hospitais, pela intoxicação.

Para se ter idéia, em 2004, quando o Equador tornou-se sede do concurso de miss Universo, os jardins da embaixada dos EUA foram invadidos por ativistas de direitos humanos. Referidos ativistas regaram os jardins com glifosato e todas as plantas secaram e morreram.

Com Rafael Correa na presidência, cuidou o Equador de tentar junto à Colômbia e aos EUA um ressarcimento amigável. Uma indenização pecuniária a ser distribuída à população afetada e, também, necessária para a recuperação ambiental.

Os entendimentos foram suspensos quando aviões colombianos, em 2008, invadiram o território do Equador e mataram Raul Reyes, segundo homem das Farcs (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia). Ele estava acampado em território do Equador, próximo à divisa com a Colômbia.

Agora, com relações diplomáticas interrompidas (as comerciais não estão suspensas), o presidente do Equador acaba de propor uma ação indenizatória contra a Colômbia, com pedido cumulativo de suspensão das fumigações em área próximo à fronteira. Pede-se à Corte de Haia estabelecer distâncias, de modo a se criar uma faixa de proteção.

As autoridades colombianas, a respeito da ação do Equador, já falam em estado de necessidade, ou seja, as Farc tinham colocado, na região de fronteira e debaixo dos arbustos de coca, minas explosivas. Tal situação impedia, segundo os colombianos, a erradicação manual.

Ontem, a Colômbia, pela embaixada na Holanda, foi citada para se defender. O prazo para contestar termina, pasmem, em março de 2010. Pelo jeito, vai demorar mais do que o chamado “processo do mensalão”, que tramita no nosso Supremo Tribunal Federal.

Pano Rápido. O governo do Equador foi à Corte Internacional de Justiça (conhecida por Corte de Haia), criada em 1945 e tem função arbitral, com relação aos conflitos nas fronteiras.

Quando se pretende dar solução militarizada para enfrentar o fenômeno das drogas, paga-se caro, em todos os sentidos. Até, indenizações são devidas e estas, por exemplo, independem do sucesso ou do fracasso de um Plano Colômbia da vida.

blog Wálter Maierovitch

Guerrilheiros do Sendero: da droga da ideologia à ideologia da droga

O ressurgimento do grupo que espalhou o terror pelo Peru nos anos 80 e 90 ameaça desatar um novo conflito em algumas regiões do país.

Fortalecidos pela associação com o narcotráfico, remanescentes da guerrilha Sendero Luminoso voltaram a agir principalmente no Vale dos Rios Apurimac e Ene – conhecido como VRAE .

Seu objetivo não é mais substituir as “instituições burguesas” por um regime comunista camponês, como no passado. Nos últimos meses, porém, seus líderes estão tentando revalorizar o componente ideológico do grupo para dar ares de “guerra popular” ao que hoje não passa de uma luta pelas rotas da droga.

O nome da operação que o governo peruano pôs em prática para combater o novo Sendero no VRAE é “Excelência 777”. Trata-se da maior operação militar da última década no Peru. Ela começou em agosto, mas nos últimos meses ficou clara a necessidade de mais investimentos.

Desde janeiro, 32 militares já morreram em 11 emboscadas na região. Na sexta-feira, no mais recente ataque, dois militares foram mortos por senderistas nas selvas do Peru. O chefe do Exército, Otto Guibovich, admitiu que o número de integrantes do Sendero pode chegar a 600 – o dobro do que as autoridades reconheciam até então.

“O Sendero Luminoso conseguiu mudar sua relação com a população e está avançando tanto que lembra as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc)”, disse Guibovich em abril. “Não descarto que haja uma relação com esse grupo, as técnicas empregadas são muito parecidas.”

De inspiração maoista, na esteira da proliferações de guerrilhas na região durante a Guerra Fria, o Sendero ganhou fama como a mais feroz e sanguinária organização revolucionária da América Latina. Chegou a ter 10 mil integrantes e foi responsável por mais de 35 mil mortes entre 1980 e 1999 – uma média de 5 assassinatos por dia.

por Ruth Costas –  O Estado de São Paulo

Brasil – Da série “Relembrar é preciso” – As Farc e a turma do FHC

Não somente os maluquetes do PT – participaram, sob a batuta do aloprado Marco Aurélio “top-top” Garcia -, de um tal “Foro de São Paulo”, no qual os narcotraficantes colombianos foram incensados como os redentores da humanidade.

Mas, pasmem!, a curriola tucana esquerdete do sociólogo da entregação, também entabulou namoricos com os doidivanas das selvas do Uribe.

Confira nota abaixo.

Aloysio nega outra vez encontro com Reyes.
Coluna do Claudio Humberto
O ex-ministro de FHC Aloysio Nunes Ferreira insiste que não se encontrou com o bandidão das Farc Raúl Reyes, recentemente morto pelo exército colombiano. “Esta novela já ultrapassou as raias do delírio”, disse ele, para depois garantir que não é um desmemoriado: “Eu tenho uma excelente memória – como iria me esquecer de um encontro campestre com João Hermann?”

Arapongas ouvidos pela coluna, e que participaram do monitoramento da presença de Reys no País, em 1997, garantem que o então ministro de FHC se encontrou com o bandidão das Farc em um sítio, nos arredores de São Paulo, na companhia do então deputado João Hermann (PPS-SP) e outras figuras da esquerda brasileira.

Nota do editor.
Aliás, circula no território livre da Internet que FARC significa:
“Forças Armadas para o Refino de Cocaína”.

Da série “perguntar não ofende” – Bebês, Farcs e Estocolmo

A notícia da libertação das duas reféns que estavam em poder das Farcs, emociona todos os que abominam qualquer tipo de violência, em nome de qualquer ideologia ou teologia.

Agora, nenhum orgão, imprensa e/ou governamental,  informa se a ex-refém, Clara Rojas, teve o filho fruto de um romance com um dos seus carcereiros – síndrome de Estocolmo? – ou se o filho é fruto de um estupro.