Eleições: PSDB, PDT, Cristovam Buarque e o caixa 2

Afinal, com o correr da história se vai revelando que o famigerado caixa 2 não é prática recente na política brasileira, nem que o PT foi o inventor do “recursos não contabilizados”, aforisma criado pelo inefável Delúbio Soares, para justificar as manobras financeiras de Marcos Valério.

Convém lembrar que além dos mensaleiros e cuequeiros, também o Senador Eduardo Azeredo do PSDB responde a ação que corre no STF sobre caixa 2, tendo como coadjuvante, ainda no idos de 90, o operante Marcos Valério.

O Editor


Cristovam Buarque manobra para evitar o conselho de ética.

Numa manobra para tentar inibir denúncia contra ele no conselho de ética Senado, por suposta quebra de decoro, Cristovam Buarque fez carta ao procurador-geral da República pedindo “auditoria rigorosa” nas contas de sua campanha presidencial de 2006.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

É uma “resposta” à revelação do presidente do PDT-DF, Ezequiel Nascimento, de que sua campanha presidencial foi secretamente financiada pelo PSDB.

Testemunha

Além da credibilidade de presidente do PDT-DF, Ezequiel Nascimento participou ativamente da campanha de Cristovam para presidente.

Para boi dormir

A “auditoria rigorosa” verificará se a prestação de contas de Cristovam ao TSE, em 2006, está regular. Exclui o que não foi contabilizado.

Batom na cueca

O PSDB declarou ao TSE haver feito pagamentos de R$ 200 mil à F2 Filmes, produtora da campanha de Cristovam Buarque (PDT) na TV.

coluna Claudio Humberto

PSDB financiou campanha de Cristovam Buarque contra Lula em 2006

“Greta Garbo, quem diria, acabou no Irajá.”
Mais uma vestal perde o manto da pureza.

E Zé Bêdêu – o derradeiro abestado crédulo da Praça do ferreira, em Fortaleza – acreditava, por todos os juros, que caixa 2 era coisa privativa do PT e que Marcos Valério não tinha sido “inaugurado” na campanha do atual senador do PSDB, Eduardo Azeredo. Pobres trópicos

Ah!, os sepulcros caiados. Ética? Há, há, há.
O Editor


A candidatura do senador Cristovam Buarque (DF) à presidência da República pelo PDT, em 2006, recebeu doações financeiras da campanha presidencial de Geraldo Alckmin (PSDB), segundo revelou a esta coluna o próprio presidente do PDT-DF, Ezequiel Nascimento.

Ele diz que no total foram R$ 950 mil.

O PSDB investia na candidatura de Cristovam para tirar votos de Lula (PT), que disputava a reeleição.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Caixa 2

Ezequiel Nascimento afirmou que a campanha de Cristovam recebeu R$ 250 mil oficialmente e R$ 700 mil no “caixa 2” de origem tucana.

Intermediação

As doações da campanha do PSDB à Cristovam Buarque teriam sido realizadas por uma produtora que trabalhava para os tucanos.

Colaboração

Ezequiel Nascimento se coloca à disposição do conselho de ética do Senado para investigar Cristovam pela suposta quebra de decoro.

Pressão

O presidente do PDT-DF denunciou o financiamento tucano a Cristovam irritado com a pressão do senador para retirá-lo do cargo.

coluna Claudio Humberto