A pior direita: Bolsonaro quer ser Piñera, mas é um Hugo Chávez de sinal trocado

Cópia à direita de Chávez, presidente flerta com a repressão no único polo de extrema direita da região e faz o Brasil perder a liderança no continente.

GOVERNOS LIBERAIS DE DIREITA estão na moda na América Latina. Mesmo com a onda conservadora, Jair Bolsonaro ocupa uma posição singular. O fator de espanto é o radicalismo do governo Bolsonaro, único polo de extrema direita da região desde o final do ciclo de ditaduras militares, na década de 1980.

Após os anos de domínio da esquerda durante a “onda rosa” da virada do milênio, que chegou como alternativa ao neoliberalismo dos anos 1990, a região virou o volante radicalmente. Hoje, do cone sul à América do Norte, com exceção do recém-chegado López Obrador no México, a maioria dos governos se encaixa no espaço que ocupa o novo PSDB – bem mais para João Doria do que para Fernando Henrique Cardoso. No entanto, o partido do atual presidente, o PSL, não tem nada dessa centro-direita, que até virou exemplo de moderação no Brasil diante dos meses de barbárie em 2019.

O nível baixo de política praticado por Bolsonaro fez até o autoritário e desprestigiado presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, trazer uma análise pertinente. Em uma rara entrevista a um veículo brasileiro, o líder chavista, acostumado a refutar fatos e críticas, disse à Folha de S.Paulo, que seu desafeto brasileiro é um “extremista ideológico”.

Maduro não compareceu à posse de Bolsonaro em janeiro, a pedido da própria cúpula de governo. O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, chegou a dizer que o chavista não havia sido convidado para a cerimônia “em respeito ao povo venezuelano”, mas acabou desmentido pelo próprio Itamaraty e pela chancelaria em Caracas. O Ministério confirmou que, na realidade, os convites existiram, mas foram retirados a pedido da nova equipe.

Só mesmo o radicalismo de Bolsonaro seria classificado como extremista por um político que é justamente guiado por uma pauta ideológica agressiva, ainda que com sinal trocado. Maduro disse ainda que seu equivalente brasileiro não é um político “com ‘p’ maiúsculo”. Em uma gestão com discurso falocêntrico, a declaração pode até acabar sendo entendida pelo governo de outra forma.

Bolsonaro não está sozinho em contar com o rechaço de Maduro e, à primeira vista, talvez pudesse parecer que ele seguiria o script da vizinhança: um longevo governo de esquerda perde credibilidade e se vê envolvido em acusações de corrupção; a economia desaba; a população se entorpece de indignação; e um projeto desconhecido de oposição começa a se anunciar como antídoto. Bolsonaro e suas pitorescas figuras-satélite surfaram nessa mesma onda, com uma diferença crucial: cruzaram a linha do absurdo antes mesmo de tomar posse.

Só mesmo o radicalismo de Bolsonaro seria classificado como extremista por um político como Maduro, também guiado por uma pauta ideológica agressiva.

Neoliberal de pai e mãe, o presidente argentino Mauricio Macri foi o primeiro a fazer contato com o capitão recém-eleito. Logo em 16 de janeiro, três semanas depois da posse, o empresário milionário desembarcou em Brasília para falar do Mercosul (apesar de o ministro da Economia, Paulo Guedes, ter dito que o tema não seria prioridade), da Venezuela e das parcerias a serem feitas com os também liberais Chile, Colômbia, Equador, Peru e Paraguai.

Para o argentino, a ida ao Brasil também foi um pedido de ajuda. Vendo seu país com quase 50% de inflação acumulada, desemprego em alta e aumento da pobreza, Macri já começava a juntar os cacos para as eleições presidenciais de outubro. Mas a estratégia não resistiu à toxicidade de Bolsonaro. Mesmo com o triunfo da Argentina nas negociações que culminaram na primeira etapa de acordo entre o Mercosul e a União Europeia, o presidente foi massacrado nas eleições primárias. Na Argentina, as primárias ocorrem meses antes do primeiro turno – que será em 27 de outubro – para eliminar chapas com menos de 1,5% nas intenções de votos. Em 2019, a chapa de Alberto Fernández e Cristina Kirchner somou 47% dos votos, frente a 33% da chapa de Macri.

Bolsonaro se sentiu intimidado pelo possível retorno da esquerda no país vizinho, estudando rever o acordo com o Mercosul. Na reta final de agosto, suas falas sepultaram o esforço do bloco. Desprezando a crise ambiental mais grave dos últimos anos, entrou em desavença com Emmanuel Macron. O mandatário francês, que já torcia o nariz para o acordo entre europeus e sul-americanos, afirmou que na “situação atual”, o pacto não sai.

Chavismo à brasileira

O embrião do bolsonarismo começou na esquerda. Durante a campanha – cheia de memes toscos, montagens chamativas e informações falsas –, era comum ver imagens dos ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff ao lado dos finados Hugo Chávez e Fidel Castro. As mensagens viralizaram nas redes sociais acompanhadas de textos conspiratórios com presságios de uma aliança globalista liderada pelo PT e o Foro de São Paulo.

As mentiras criavam uma falsa ideia de “unidade opositora”, facilitando o trabalho de desprestigiar, numa tacada só, tudo o que não fosse próximo do delírio bolsonarista. A partir desse ponto, tudo estava “à esquerda”. Os críticos, os dados, a ONU, a revista The Economist, o Papa, o jornalista Reinaldo Azevedo e até mesmo os preceitos liberais dos novos presidentes que Jair Bolsonaro viria a bajular.

Mas, ainda que jamais vá admitir, Bolsonaro é uma cópia desajeitada, liberalesca e à direita de uma figura de esquerda: Hugo Chávez. São militares, ex-paraquedistas, anti-imprensa, anticiência, autoritários, homofóbicos, misóginos, populistas, nacionalistas. Apresentaram-se como alternativas antissistema, são contra o multilateralismo, devotos de causas religiosas, pautados por conspirações, apelam a um “perigo estrangeiro”, invocam pautas ideológicas e referem-se aos EUA o tempo todo.

Hoje um dos alvos mais frequentes de críticas de Bolsonaro e de seus seguidores, o líder venezuelano já chegou a ser aplaudido pelo capitão reformado em uma entrevista em 1999 à Folha de S.Paulo. Ele afirmou que o bolivariano era “uma esperança para a América Latina”, comparando-o aos militares que governaram o Brasil de 1964 a 1985. Sem poupar elogios, o então deputado disse que, assim como o “admirável” Chávez, não era anticomunista. “Gostaria que essa filosofia [militarista] chegasse ao Brasil. Acho ele [Chávez] ímpar”.

Maduro, hoje o substituto sem carisma de Chávez, disse na reportagem divulgada na segunda-feira, 16 de setembro, que Bolsonaro “não conhece a história da América Latina nem da Venezuela”. Ao que parece, o capitão reformado parece dar razão aos líderes controversos através do tempo.

Na época de sua campanha à presidência, Bolsonaro já havia subvertido o discurso – não sem antes dizer que a antiga reportagem era mentirosa. Nem mesmo o que separava o bolsonarismo do discurso chavista, o “temor imperialista” durou. Com o que o governo chamou de “ataques” de lideranças europeias, o apelo à soberania brasileira foi muito usado, principalmente em redes sociais.

Com o argumento de que a Amazônia está sob ameaça e de que deve ser um assunto exclusivo do Brasil, houve até quem questionasse os dados da Nasa. Tudo em nome de blindar o governo e suas mentiras.

É fácil ver a hipocrisia. Os mesmos trolls – robóticos ou não – que desmerecem a ajuda da Europa pedindo em, caixa alta, que a Venezuela seja invadida. Arma no quintal dos outros é refresco.

Bolsonaro repete Chávez

Em 2009, a juíza venezuelana María Lourdes Afiuni foi detida minutos após conceder liberdade ao empresário Eligio Cedeño, em prisão preventiva há três anos por uma acusação de corrupção. A medida desagradou Chávez. No dia seguinte, ele falou ao público que deveriam prender Afiuni “por 30 anos” e que, segundo a filosofia de Simón Bolívar, “os que tomam um só centavo do tesouro público deveriam ser fuzilados e os juízes que não condenam esses casos, também”. A juíza ficou presa em regime fechado, sem qualquer julgamento, por quatro anos, e segue sendo alvos de processos.

Comentários favoráveis à detenção de quem julga como oposição também saíram da boca de Bolsonaro. Ao sugerir que o jornalista Glenn Greenwald poderia pegar “uma cana” no Brasil por conta das reportagens sobre a Lava Jato, o presidente brasileiro age como Chávez. É o que pensa o relator especial para a liberdade de expressão da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, Edson Lanza.

Em entrevista à BBC News, o jurista afirmou que Bolsonaro abandona “rapidamente” a defesa da liberdade de imprensa quando incomodado. E tem sido assim desde os primeiros meses: se o governo não gosta, a culpa é do jornalista, cuja reputação nenhum membro do governo tem vergonha de tentar arruinar.

No caso de Chávez, toda a culpa recaía sobre os EUA. Já para Bolsonaro, a culpa é da esquerda global. E assim o discurso vai.

A luta contra a razão tampouco é pioneira. Chávez também atacou a educação, cercando universidades autônomas com o aparelhamento do acesso ao ensino e seu conteúdo. Já sob Maduro, quando a repressão se intensificou, a situação de luta pela liberdade de ensino e formação independente foi reunida em um relatório denso, publicado pela Coalizão de Cátedras e Centros de Direitos Humanos. Como consequência da crise que afeta o ensino e a ciência, a migração venezuelana, que já supera os 3 milhões, acarreta em uma fuga de cérebros.

Diferentemente de Chávez, que governou de 1999 a 2013, quando morreu vítima de um câncer, Bolsonaro e seu desastre têm menos de um ano de vida – tempo suficiente para que um ministro da Educação já tenha caído, o Enem tenha sido posto em xeque, o MEC esteja sob o comando de um tenente brigadeiro e tenhamos uma intensa fuga de cérebros para chamar de nossa. À la Chávez, Bolsonaro também interferiu em uma decisão democrática em âmbito acadêmico. Ignorando os resultados das consultas e votações internas, indicou reitores e interventores de sua preferência em pelo menos oito universidades e colégios federais.

O ativista da oposição venezuelana, Edgar Baptista, conta que os governos só são diferentes no plano econômico e nas bases eleitorais. Hoje vivendo em Santiago por conta da repressão em Caracas, Baptista diz que sobram semelhanças. “Nos dois governos, as alas ideológica e militar convivem, ainda que não se gostem. Os dois discursos atacam a corrupção, vendendo uma ideia de antipolítica. E os dois, por meio da política, buscam seus próprios privilégios.”

O líder social também cita o início parecido na política externa dos dois. “Bolsonaro anunciou a saída da Unasul e logo em seguida se juntou aos liberais de região para criar o Prosul. Lembra muito o que Chávez fez em 2006, quando saiu da Comunidade Andina de Nações, atacando o livre-comércio. Os dois têm dificuldade de trabalhar com o que já existe e de manter a institucionalidade”.

No caso de Hugo Chávez, toda a culpa recai sobre os Estados Unidos. Já para Bolsonaro, a culpa é da esquerda global. E assim o discurso vai.

Como George Soros se tornou um inimigo da extrema direita

Existem poucos países em que uma teoria da conspiração é razão de Estado. A Hungria é um deles.

George Soros impulsionou a ascensão de Orbán na Hungria.
Corresponsável pela ascensão de Viktor Orbán, o filantropo bilionário passou a ser o “vilão perfeito” a ser construído. Cruzada de difamação contra Soros ultrapassou fronteiras da Hungria e inspira violência terrorista.

 Há cerca de cinco anos o primeiro-ministro Viktor Orbán elegeu o bilionário americano George Soros como inimigo de Estado número um: o filantropo de origem húngara, de 89 anos, seria o mentor de uma conspiração em grande escala, com o suposto fim de derrubar o premiê húngaro, dissolver os Estados nacionais da Europa e substituir suas populações por migrantes.

Entre os supostos “mercenários” e “agentes” de Soros, segundo o governo húngaro, estariam organizações não governamentais, jornalistas e cientistas, mas também a União Europeia (UE) e a Organização das Nações Unidas (ONU).

No momento a crise do coronavírus alimenta essa campanha de perseguição. Afirma-se que Soros estaria por trás da crítica internacional às medidas autoritárias de Budapeste no contexto da pandemia. Ele seria o “grão-mestre” dos “burocratas de Bruxelas”, declarou Orbán em pessoa, numa edição recente de suas entrevistas semanais à estatal Kossuth Rádió.

Chega a ser irônico Orbán ter declarado guerra justamente ao homem que impulsionou decisivamente sua ascensão. Filho de judeus e sobrevivente do Holocausto na Hungria, George Soros primeiro se exilou em Londres após a tomada de poder pelos comunistas. Em 1956, emigrou para os Estados Unidos, onde fez fortuna com especulações financeiras.

Marcado tanto pelo horror nacionalista e comunista como pela filosofia de Karl Popper da “sociedade aberta”, Soros fundou em 1984 a fundação Open Society. Desde então, ela tem apoiado por todo o mundo a democracia e os direitos de liberdade e humanos, até hoje com mais de 15 bilhões de dólares, segundo seus próprios dados.

Também o jovem Viktor Orbán e seu partido Fidesz (Liga dos Jovens Democratas) se beneficiaram do engajamento filantrópico do bilionário, que patrocinou com somas generosas a legenda originalmente radical-liberal. Soros lhes possibilitou publicar o próprio jornal, financiou cursos de idiomas e escritórios do partido. Mais tarde, numerosos membros do Fidesz receberam dele bolsas para estudar no Ocidente; Orbán foi para Oxford.

Quando, após o fim do regime comunista na Hungria, em 1989, os nacionalistas passaram a difamar Soros por seu apoio às forças liberais, o Fidesz defendeu o engajamento do filantropo contra tais “ataques infames”.

Orbán e companhia saudaram entusiásticos a fundação da Universidade Centro-Europeia, cofinanciada por Soros, a qual em breve se tornou a mais prestigiosa instituição de ensino superior do país. Cerca de 30 anos mais tarde, o partido de Orbán, agora nacional-conservador e populista de direita, expulsaria justamente essa universidade da Hungria.

De benfeitor a vilão

Depois de uma fragorosa derrota nas eleições de 2002, Orbán foi para a oposição. Somente oito anos mais tarde foi eleito primeiro-ministro pela segunda vez, com sucesso esmagador e um programa totalmente diverso. Contando com uma maioria de dois terços no parlamento, o ex-liberal passou a transformar a Hungria num “Estado não liberal”.

Ele mudou a Constituição, cerceou a liberdade de imprensa e ocupou o Tribunal Constitucional com juízes leais a si. Para assegurar seu poder no longo prazo, porém, Orbán precisava de um inimigo simbólico. No país, ninguém mais era páreo sério para ele: a oposição estava fragmentada, e a maior parte da mídia, alinhada com o Fidesz. Então onde encontrar um bode expiatório?

A inspiração decisiva veio do exterior: em 2008, Orbán conheceu o influente consultor político americano Arthur Finkelstein, que desde a década de 1970 assessorara com sucesso os presidentes republicanos, de Richard Nixon a George W. Bush. Em meados dos anos 1990, ele fizera Benjamin Netanyahu premiê israelense.

Não deixemos Soros rir por último, diz slogan em outdoors na Hungria
“Não deixemos Soros rir por último”, diz slogan da maior campanha de outdoors da história húngara,

Inúmeras campanhas eleitorais haviam ensinado a Finkelstein como era importante dar um rosto ao inimigo. Há muito, o empenho de Soros pelo liberalismo e democracia era uma pedra no sapato da direita internacional.

Os nacionalistas dos Bálcãs também o detestavam por apoiar a oposição democrática; o presidente russo, Vladimir Putin, o abominava pelo engajamento em prol da Ucrânia e Geórgia. E também para os republicanos dos EUA, Soros se tornara uma figura odiada por suas doações ao Partido Democrata, seu empenho pela proteção climática e sua crítica ferrenha à guerra do Iraque.

Soros era o inimigo perfeito para Orbán, pensaram Finkelstein e seu parceiro George Birnbaum: era de origem húngara, mas já vivia há décadas nos EUA, era rico e politicamente engajado em âmbito global. Em meados de 2013, começou a campanha contra o filantropo, que alcançaria o auge dois anos mais tarde, no contexto da crise migratória.

De “ideia genial” a motivação terrorista

Seguiu-se a possivelmente maior e mais custosa campanha de outdoors da história húngara: “Não deixemos Soros rir por último”, incitava o governo seus cidadãos. Pouco mais tarde, era aprovada a “lei Stop Soros”, voltada contra ONGs engajadas pelos direitos de refugiados e migrantes. Por fim, foi expulsa de Budapeste a Universidade Centro-Europeia, cofundada por Soros.

Progressivamente, Orbán adicionou tons antissemitas a sua cruzada contra Soros. “Estamos lutando contra um inimigo que é diferente de nós: não aberto, mas escondido; não direto, mas ardiloso; não honrado, mas ignóbil; não nacional, mas internacional; que não acredita em trabalho, mas sim especula com dinheiro; que não tem sua própria pátria, mas age como se fosse dono de todo o mundo”, disse num discurso em 2018.

De lá para cá, a imagem hostil de George Soros ganhou vida própria: seja o presidente americano, Donald Trump, seu colega turco Recep Tayyip Erdogan, Netanyahu ou Putin, todos adotaram de Orbán o rótulo do “marionetista todo-poderoso”. Nas redes sociais, o filantropo bilionário é apresentado como a vilania em pessoa, partidos populistas de direita da Europa à Austrália incitam contra ele.

Com intensidade crescente, tais campanhas de agitação redundam em violência. Funcionários das fundações Open Society são repetidamente agredidos. Em 2018, um apoiador fanático de Trump enviou uma bomba caseira ao endereço particular de Soros. Da mesma forma, terroristas de extrema direita cada vez mais justificam seus atos como tentativas de impedir uma “troca da população” supostamente planejada pelas elites globais.

Essa teoria de conspiração, em que Soros igualmente desempenha um papel central, fazia parte de “manifesto” racista do terrorista de Christchurch, Nova Zelândia, que custou as vidas de dezenas de muçulmanos. O assassino de Pittsburgh matou judeus por pretextos semelhantes. Também o autor do atentado em Halle, Alemanha, acreditava numa suposta conspiração judaica e afirmou que Soros queria transformar o país num Estado multicultural.

Será que Arthur Finkelstein e George Birnbaum – ambos também judeus – contavam com a dimensão letal de sua invenção supostamente “genial”? Não se pode mais perguntar a Finkelstein, pois ele morreu em 2017. E Birnbaum se recusa a falar a respeito, tendo recusado o pedido de entrevista da

Filosofia,Literatura,Blog do Mesquita 03

Quando a economia se torna o berro agonizante dos eugenistas

Em entrevista, a filósofa estadunidense Judith Butler afirma que vivemos um tempo de cuidado ao outro, ideal para elaborarmos redes de apoio, e que o afeto é um dos desafios do século XXI

Em seu livro “Corpos em Aliança e a Política das Ruas” de 2015, a filósofa estadunidense Judith Butler afirma que as discussões acerca da expressão “nós, o povo” deveriam compreender a complexidade cultural e ideológica do tecido social que compõe uma nação.

Na publicação ela faz apontamentos em relação à questão da precariedade populacional – quando corpos em situações interseccionais entre gênero, raça e classe vivenciam o aumento da sensação de serem descartáveis. Butler debate que a divisão dessa sensação de precariedade não é distribuída de maneira igualitária dentro de nossas sociedades. Alguns corpos nitidamente parecem valer mais do que outros aos olhos da ótica neoliberal.

Voltando-se para manifestações públicas, o livro defende a aglomeração de corpos nas ruas como um grito democrático onde “nós, o povo” ganhamos forma para a reivindicação política através de práticas não-violentas, porém performativas.

Em fevereiro deste ano, em meio à crise pandêmica, Butler lançou sua última produção teórica, “A Força da Não-Violência”, na qual imagina um novo método para o convívio social, que chama de “igualdade radical”, onde nenhuma vida possa valer mais do que outra.

Butler é uma filósofa pós-estruturalista, uma das principais teóricas da questão contemporânea do feminismo, teoria queer, filosofia política e ética. Ela é professora do departamento de retórica e literatura comparada da Universidade da Califórnia em Berkeley. Desde 2006, Butler também é professora de Filosofia no European Graduate School (EGS), na Suíça.

Judith Butler – Arte de Luciana Siebert

Seu livro mais recente, A Força da Não-Violência (2020), traz o conceito de interdependência como a base da igualdade social e política. Ou seja, temos obrigações com o outro independente da forma como esse outro se apresente. O livro evoca fantasmas culturais, tradições que justificariam existir uma hierarquia de práticas violentas exercidas contra vidas marginais. Você já escrevia sobre vidas marginalizadas em “Corpos em Aliança e a Política das Ruas” (2015), no qual manifestações públicas asseguravam a importância de que corpos se reunissem nas ruas para protestar em favor de seus direitos, colocando o discurso político em ação. Agora, quando todos esses corpos são forçados a ficarem em casa, seria o momento ideal para repensarmos práticas não-violentas de comunicação nas plataformas digitais?

Judith Butler Poderíamos analisar práticas como o doxxing (pesquisar e transmitir dados privados sobre um indivíduo ou organização) e o trolling (atrapalhar o discurso racional para desestabilizar o raciocínio lógico, muitas vezes através de cyberbullying), afetam, especialmente, as mulheres e outras minorias nesse momento. Porém, me pergunto se não seria mais importante considerarmos como as políticas sociais são armadas e aplicadas de maneira a se configurar como a morte das populações marginalizadas, especialmente, das comunidades indígenas e das populações carcerárias, também daqueles que, como resultado de políticas públicas racistas, nunca tiveram um tratamento de saúde adequado. Afinal, a taxa de mortes nos Estados Unidos neste momento está diretamente correlacionada à pobreza e privação de direitos das populações negras. Quando nos referimos àqueles com “complicações prévias de saúde” estamos geralmente nos referindo àqueles que nunca tiveram a assistência e diagnóstico que precisaram e certamente mereciam. E esse é apenas um dos efeitos mórbidos do capitalismo de mercado. Nós deveríamos usar esse momento para pensar em práticas universais de sistemas de saúde e sua relação com um socialismo global que esclareça o jeito como somos todos interdependentes.

Pensando sobre manifestações públicas e vidas precárias, esses novos tempos nos mostraram que para alguns corpos é permitido o home-office e a quarentena, enquanto outros corpos precisam continuar a trabalhar para que todos possam tomar seus cafés recém passados e comerem bagels. Outros corpos foram desligados de suas empresas imediatamente para que a economia não quebre – qualquer coisa menos a economia. Voltemos então a uma pergunta que parece importante ao longo do seu trabalho: quando atingimos esses momentos de pico, quais humanos contam como humanos?

JB: Temos que deixar bem claro que todos os humanos possuem igual valor. E ainda assim a maioria de nossas ideias sobre o que é ser humano implica em estruturas radicalmente desiguais porque algumas pessoas tornam-se mais “humanas” ou “valiosas” aos olhos do mercado e do Estado. Nós ainda não sabemos como seria o humano se nos imaginássemos todos possuindo o mesmo valor. Essa seria uma nova imagem de humano, uma nova ideia e horizonte. Quando ouvimos falar sobre a “saúde” da economia sendo mais importante do que a “saúde” dos trabalhadores, dos idosos e dos mais pobres, somos convidados a desvalorizar o humano para que a economia reine acima dele. Agora se “saúde econômica” significa expor o trabalhador à doença e à morte, então nos voltamos à produtividade e ao lucro, não à “economia”. A brutalidade do capitalismo se apresenta às claras, sem nenhum pudor: o empregado deve ir trabalhar para conseguir viver, porém o local de trabalho é onde sua vida é colocada em risco. Marx já dizia isso na metade do século XIX e assustadoramente esse pensamento ainda se aplica à nossa realidade.

Em fevereiro, você disse ao jornal New Yorker que “a maior parte das pessoas educadas dentro das tradições do individualismo liberal realmente se percebem como criaturas radicalmente separadas uns dos outros”. Aqui estamos, três meses depois, completamente às cegas sobre esse novo momento ou novo mundo que as pessoas parecem idealizar. Não podemos negar que há um burburinho otimista sobre igualdade de classe, a queda do neoliberalismo ou até uma nova consciência para as massas – isso está por toda a mídia. Esse choque será suficiente para ultrapassar as barreiras de nosso individualismo? Ele é um sentimento verdadeiro ou apenas um sintoma de nossa dormência coletiva?

JB: Talvez ainda não tenhamos nos decidido entre ficar chocados pela compreensão de que existe uma interdependência global como um fato inerente à nossa existência no planeta ou se seremos puxados de volta ao relato de nossas fronteiras e identidades, lógicas de mercado e individualismo. O que parece claro é que essa dúvida faz parte do nosso desafio contemporâneo. Depende de conseguirmos nos enxergar como criaturas porosas, aquelas em constante troca com os ambientes pelos quais transitam, coabitando com todas as outras formas de vida. E mesmo assim as fantasias da autossuficiência ainda são os resquícios de nossa cultura masculina, e as fantasias de autossuficiência nacional são formas fracas (porém atraentes) de ideologia. Faria toda a diferença nos entendermos como seres interpelados (chamados à ação) por um vírus para conseguirmos nos tornar uma comunidade global, não uma que é apenas efeito da globalização. Agora temos a chance de criarmos novas formas de solidariedade baseadas na ideia de que nossa vida é uma corrente de relações interdependentes. Ambos, indivíduo e nação, terão que ser repensados através dessa nova ótica.

Esse momento também parece ser propício para discutirmos um conceito mais amplo de interseccionalidade. O que ele nos diz a respeito das lacunas entre classe, raça e gênero?

JB: A interseccionalidade (categoria teórica que focaliza múltiplos sistemas de opressão a um mesmo sujeito, em particular, articulando raça, gênero e classe) permite que enxerguemos quem é desproporcionalmente afetado pelo vírus, aqueles desproporcionalmente desprotegidos e expostos. Isso porque aqueles cuja morte é mais provável tendem a ser pobres, indígenas, pessoas de raças marginalizadas, aqueles que não possuem o privilégio de ter seguro de saúde. Mulheres que antes já eram impedidas de desempenhar certas funções, que aceitam o trabalho doméstico sem salário, que sofrem abuso em suas casas – todas essas comunidades estão em grande perigo. Deste modo, o que a interseccionalidade nos permite ver é que uma ameaça de doença e morte aumenta em populações que acumulam categorias de discriminação, aqueles corpos que não podem escolher a qual minoria pertencem por estarem com mesma intensidade na intersecção de várias minorias.

Na atual situação, a maneira como pessoas se encontram é dentro de suas casas por meio do uso de tecnologias de comunicação Como a articulação individual e coletiva para a disputa política e identitária se comporta nesse cenário?Pawel Kuczynski,Privacidade,Facebook,Redes sociais,Tecnologia,Internet

JB: As pessoas estão mais interessadas do que nunca naquilo que está sendo escrito e postado, então estamos conectados como escritores e leitores no momento, e o trabalho artístico que antes era reservado aos espaços culturais de repente torna-se acessível a diversos públicos. Talvez esse seja um momento de reflexão. Todo movimento social precisa de tempo para pensar onde esteve e para onde deveria caminhar. Esse é também um tempo de cuidado, o cuidado do indivíduo para outro indivíduo, mas também de elaborarmos redes de cuidado que envolvam pessoas ajudando aqueles que precisam de auxílio médico, comida, abrigo, representação legal. Nenhuma dessas necessidades foi coletivamente satisfeita, e todos esses desafios ainda são necessários nas condições contemporâneas. Percebo que as pessoas ainda se reúnem em grandes grupos pela internet, e que ainda continuamos formando grupos de ajuda ao próximo, planejando greves coletivas de aluguel, greves de mensalidades de universidades que realmente resultam em ações efetivas. Manifestações sempre dependeram de conexões que se formavam fora das ruas. Ou melhor, manifestações acontecem quando pessoas incorporam suas reivindicações. Não podemos simplesmente desarticular o corpo e a rede.

Nesse momento, o neofascismo que elegeu Trump e Bolsonaro protesta pelo fim do isolamento social, mesmo sabendo da experiência de países como os Estados Unidos, que nos mostra quão letal pode ser a pandemia. Como podemos negar que existe uma vontade de exterminar corpos marginais usando o vírus como gatilho?

JB: Pensando como ambos, Trump e Bolsonaro, são favoráveis à abertura da economia mesmo que isso signifique o aumento de mortes de populações vulneráveis, entendemos que esses líderes políticos percebem que essas “comunidades vulneráveis” são mais propensas a sofrerem as consequências do colapso da saúde, e não veem problema algum nisso. Eles não imaginam que seus operários mais jovens e produtivos morrerão. Mas muitos deles podem contrair o vírus e se tornarem focos de transmissão quando voltam para suas casas. Pode ser que eles não compreendam a seriedade da situação, mas também pode ser o caso de estarem dispostos a deixarem corpos morrerem em favor da economia. Bolsonaro parece acreditar no darwinismo social onde apenas os mais fortes sobreviverão, e que apenas os fortes merecem sobreviver. Ele até se imagina imune ao vírus – sua última forma de fantasia narcisista. O narcisismo de Trump difere do de Bolsonaro, pois seu único feito é contabilizar votos em sua mente. E ele não vencerá a próxima eleição se a economia estiver fraca. “É a economia!” se torna agora o grito agonizante dos novos eugenistas.

Como a posição da extrema direita de pedir o retorno ao trabalho, negligenciando a participação do estado durante a crise, pode ser ligada à ideia de uma identidade, ou até mesmo de uma divisão entre masculinidade e feminilidade? É possível pensar que o neoliberalismo ainda desdobra-se em relações de gênero estruturais?

Tecnologia,Economia,Trabalho,Emprego,Blog do Mesquita 01

JB: Não me vejo como uma teórica do neoliberalismo e tenho consciência da complexidade desse debate. Eu diria que neste momento há uma estrutura econômica em que números crescentes de pessoas estão em condições limítrofes de vida, expostos à morte, acumulando precariedades. Também há poucas restrições às corporações bilionárias que acumulam riquezas, superando o poder econômico da maior parte dos países. Nós deixamos que essa desigualdade econômica ganhasse forma e agora estamos vendo através de gráficos o quão facilmente a vida dos mais vulneráveis é abandonada e destruída. Minha aposta é de que as versões inalteráveis de masculinidade e feminilidade serão reencenadas dentro de novas formas no liberalismo, mas que o neoliberalismo não é capaz de produzir novas formas de gênero radicalmente diferentes. Ao pedir que pessoas fiquem em casa, os governantes presumem que as casas possuem uma estrutura de cuidado, que a divisão de gênero do trabalho funciona, que mulheres – mesmo quando ainda empregadas e trabalhando de casa – também assumirão os afazeres domésticos e os cuidados com os filhos. Algumas casas não são constituídas por famílias tradicionais, algumas pessoas vivem sozinhas, outras em abrigos com desconhecidos. E mulheres são profundamente atingidas pela violência de gênero quando ficam impedidas de procurar ajuda externa. Então devemos ter em mente que o gênero está sendo redefinido pelo confinamento, para então fazermos o possível para manter vivas as correntes de afeto, comunidades, alianças queer e solidariedade online até podermos, mais uma vez, demonstrar nossos números nas ruas.

Preconceito,Feminismo,Blog do Mesquita

A Itália é o Marco Zero para a guerra contra as mulheres

Uma aliança de políticos italianos de extrema direita, russos afiliados a Putin e ativistas anti-LGBT dos EUA estão se reunindo em uma cidade italiana no centro da guerra contra as mulheres.

BuzzFeed News; Getty Images

Brian Brown (esquerda), Matteo Salvini e Alexey Komov.

Brian Brown fez seu nome lutando contra a igualdade no casamento na Califórnia, e sua Organização Nacional para o Casamento uma vez teve um orçamento de milhões. Mas suas ações despencaram quando a Suprema Corte permitiu que casais do mesmo sexo se casassem em todo o país com o apoio da maioria dos americanos. Sua “Marcha para o Casamento” anual em Washington foi tão mal frequentada que os progressistas alegremente compartilharam fotos de grama vazia em torno de seu ponto de encontro no National Mall.

Mas agora ele está de volta.

Neste fim de semana, Brown estará no centro das atenções novamente, como a conferência do Congresso Mundial de Famílias (WCF) que ele organiza para a cidade italiana de Verona. Anunciado como um encontro para “defender a família natural como a única unidade fundamental e sustentável da sociedade”, o evento será realizado durante três dias em um palácio do século XVII. Brown deve falar no mesmo programa que um dos políticos mais influentes – e divisores – da Europa, o vice-primeiro ministro italiano Matteo Salvini, do partido de extrema-direita Lega, que se tornou famoso pela retórica anti-imigração e sua personalidade no Facebook. Outros oradores incluem um ministro do governo húngaro de extrema direita, um ativista anti-LGBT da Nigéria, e o presidente da Moldávia alinhado pela Rússia.

NBC Newswire / Getty Images

Brian Brown

Por trás de tudo isso está uma aliança de ativistas conservadores que conecta um grupo de russos próximos a Vladimir Putin com políticos italianos de extrema direita e grandes atores da direita religiosa dos Estados Unidos. Em um momento em que as conseqüências da investigação do advogado especial Robert Mueller questionam se as preocupações sobre a interferência da Rússia na política ocidental foram exageradas, o WCF é um lembrete das muitas maneiras pelas quais Putin ajudou a virar a política do Ocidente de cabeça para baixo. Um movimento conservador social que perdeu muito de seu apoio popular procurou Moscou para encontrar novos canais para o poder.

Depois de alguns anos de reuniões em pequenas e antigas capitais comunistas, a reunião em Verona dá ao WCF a chance de retornar ao Ocidente com o apoio de um partido que está na vanguarda de uma aliança européia de direita . A localização é significativa: a pequena cidade a uma hora a oeste de Veneza tornou-se o marco zero para um novo ataque aos direitos das mulheres sob o partido Lega de Salvini.

O governo local de Verona declarou recentemente que a cidade é “ pró-vida ” e desviou fundos para grupos antiaborto, uma medida que foi introduzida pelos governos locais em todo o norte da Itália. O ex-vice-prefeito de Verona, que agora serve como ministro da família da Itália, quer desfazer a linguagem da Constituição italiana garantindo o direito ao aborto, e está buscando novas medidas para evitar que casais gays se tornem pais. Outro legislador local propôs que as pessoas possam adotar fetos como forma de impedir que as mulheres façam abortos. E um senador de uma região vizinha está procurando rever as leis de divórcio para enfraquecer as proteções para as mulheres e abusar das vítimas.

Todas essas iniciativas foram possíveis graças ao terremoto político que fez do partido Lega a força política dominante da Itália em 2018. Salvini não é um conservador social comprometido – na verdade, ele é um ex-comunista divorciado. Mas ele buscava o apoio dos mesmos círculos de Moscou que cultivavam laços com a direita religiosa do Ocidente, e desde então ele acolheu fundamentalistas católicos em seu partido, ao tentar unir a direita italiana por trás dele. A Itália é o teste mais claro para saber se a mesma fórmula que devolveu o direito religioso à influência na Casa Branca pode funcionar na Europa Ocidental.

Mas ex-membros do partido Lega vêem o cortejo de Salvini pelo direito religioso como um movimento calculado e cínico. Flavio Tosi, ex-prefeito de Verona e ex-rival do partido Lini, de Salvini, disse ao BuzzFeed News que Salvini reconheceu que grupos neofascistas foram “órfãos” pelos principais partidos da Itália e perseguiram seus partidários.

E assim, assim como os imigrantes, Salvini acha que feministas e outros progressistas sociais são alvos políticos úteis.

“Ele entendeu que tinha que encontrar o inimigo.”

J. Lester Feder / Notícias do BuzzFeed

Alberto Zelger

Quando foi lançado pela primeira vez na década de 1990 por um trio de historiadores e sociólogos obscuros , o Congresso Mundial das Famílias se intitulou como uma conferência acadêmica voltada para a reversão das taxas de natalidade em declínio no Ocidente. Ao longo dos anos, seus fóruns semestrais incluíam desde especialistas em educação da primeira infância até cruzadas contra a pornografia, passando a querer a realeza européia.

Também atraiu várias figuras importantes da direita religiosa dos EUA, à medida que se transformou em um centro de grupos antiaborto e anti-LGBT em todo o mundo. Sua importância cresceu durante os anos em que o presidente Barack Obama e a secretária de Estado Hillary Clinton estavam promovendo os direitos LGBT e das mulheres em todo o mundo. Isso foi especialmente útil para Brown – assim como ele estava sendo derrotado em sua cruzada de anos para parar a igualdade no casamento nos EUA, ele começou a planejar se tornar internacionalBrown não respondeu a vários pedidos de comentários.

A organização de Brown escolheu Verona após a aprovação de uma legislação anti-aborto inédita em 2018. Conhecido pelo nome de seu patrocinador, Alberto Zelger, a legislação financia os que são conhecidos nos EUA como “centros de gravidez em crise” para desviar as mulheres de abortos. Embora esses centros sejam comuns nos EUA, eles quebraram um tabu na Itália. Os italianos votaram esmagadoramente para manter o aborto legal em 1981, mas agora o dinheiro do governo estava sendo usado para impedir as mulheres de acessar o procedimento.

A lei Zelger, que já foi introduzida em dezenas de outros governos locais no norte da Itália, é especialmente alarmante para os defensores dos direitos reprodutivos, porque as fortes proteções legais italianas para o acesso ao aborto também estão sendo minadas por um movimento crescente entre os médicos para se recusarem a realizar o procedimento. por motivos religiosos. No início deste mês, o líder de uma associação ginecológica italiana alertou que a escassez de provedores de aborto estava atingindo níveis críticos, porque muitas universidades agora se recusam a ensinar o procedimento.

Os tribunais da Itália também recentemente desferiram golpes chocantes nos direitos das mulheres. No início deste mês, um tribunal reduziu a sentença de um homem por matar sua esposa, citando sua “raiva e desespero” sobre seu relacionamento com outro homem. Em outro, uma condenação por estupro foi descartada em um caso em que os juízes duvidaram da suposta vítima porque ela parecia “muito masculina” para ser um alvo atraente.

Em nível nacional, os ativistas pelos direitos das mulheres estão especialmente alarmados com a revisão das leis de divórcio propostas por um senador do partido Lega, que um oficial de direitos humanos da ONU alertou que poderia reverter drasticamente as proteções para mulheres e vítimas de abuso doméstico.

“É apenas uma maneira de colocar as mulheres de volta em seu lugar”, disse Giulia Siviero, uma jornalista de Verona que também é porta-voz de uma coalizão feminista chamada Non Una di Meno que está organizando protestos contra a reunião do WCF.

Ivan Romano / Getty Images

Matteo Salvini

Siviero vê a Itália como um campo de provas do que acontece com os direitos das mulheres quando um nacionalista oportunista ganha o poder. Salvini foi eleito em 2018 com uma campanha com retórica anti-imigrantes Trumpianos, mas ele ganhou pouco mais de 17% dos votos e foi forçado a fazer parceria com um partido maior para assumir o controle do governo. Ele é agora o político mais popular na Itália com seu partido apoiado por 1 em cada 3 italianos, e seu melhor caminho para o poder é consolidar tantas facções à direita quanto possível.

“É um terreno comum na ideologia. Eles se reúnem em questões de imigração e no corpo das mulheres – eles se encaixam ideologicamente ”, disse Siviero. “É como se a Lega criasse uma espécie de tanque onde todas essas partes pudessem se juntar em uma grande panela.”

Quando perguntado se ele estava tentando defender a “família cristã” durante um fórum de direita no verão passado, Salvini respondeu: “Não para mim – eu sou divorciado”. Mas ele também está feliz em se apresentar como um defensor dos fundamentalistas católicos. Quando ele tomou posse como vice-primeiro ministro em junho passado, Salvini segurou um terço na mão, um gesto que chocou até mesmo alguns membros de seu próprio partido por cruzarem regras bem estabelecidas na política italiana sobre as fronteiras entre religião e política.

Ele é agora um dos maiores heróis da direita global e os maiores vilões da esquerda. “A Itália é agora o centro do universo da política”, Steve Bannon tem dito da ascensão de Salvini ao poder.

O líder não oficial da direita religiosa de Lega é o ex-vice-prefeito de Verona e membro do Parlamento da União Européia, Lorenzo Fontana, que pediu a Salvini para ser uma testemunha de seu casamento. O mentor espiritual de longa data de Fontana é considerado um padre que acredita que a homossexualidade é “uma rebelião contra Deus” causada pelo diabo.

J. Lester Feder / Notícias do BuzzFeed
Flavio Tosi

“Eu sei que Salvini não dá a mínima para o rosário – eu lhe disse que ele é cínico”, disse ao BuzzFeed News Flavio Tosi, ex-prefeito de Verona que já foi o mentor de Fontana. Tosi disse que a Lega não estava interessada em causas fundamentalistas até que Fontana se aproximou de Salvini.

O porta-voz de Salvini, após perguntas sobre alegações de que ele estava apoiando causas sociais conservadoras por conveniência política, disse em uma mensagem do WhatsApp: “Controvérsias inexistentes. Nós protegemos as famílias italianas. Mas o divórcio, o aborto, a igualdade de direitos entre mulheres e homens, liberdade de escolha para todos não estão em questão ”. O porta-voz de Fontana não respondeu a um pedido de comentário.

Salvini, cuja maneira favorita de se comunicar com o público é por meio de livestreaming no Facebook, se destaca no tipo de chauvinismo que excita as pessoas que odeiam o feminismo. Em 2016, ele ridicularizou uma das mulheres mais importantes da Itália dizendo que uma boneca sexual era sua “dupla”. A polícia italiana está investigando outro incidente, no qual uma mulher de 22 anos recebeu centenas de mensagens insultuosas depois de Salvini. postou uma foto dela on-line carregando uma placa durante um protesto contra Salvini que dizia “Melhor uma puta do que uma fascista”.

“Que moça adorável”, ele twittou.

“Salvini é um católico fundamentalista convicto? Absolutamente não. Ele é sexista ”, disse Siviero, o porta-voz da coalizão feminista. “Mas ele acompanha pessoas que representam esse outro mundo em que ele não acredita completamente, e assim sela a relação entre a extrema direita e o catolicismo.”

Os líderes do WCF ficaram entusiasmados em abraçar Salvini apesar de sua retórica freqüentemente abusiva em relação a mulheres e imigrantes. “Orgulho de estar em cromo com o vice-primeiro-ministro italiano, Matteo Salvini”, twittou Brown após uma reunião no final do ano passado.

O que é assustador, disse Siviero, é que essas idéias são “contagiosas”. Seja ou não as propostas mais radicais da Lega para reverter os direitos das mulheres se tornarem lei, eles estão “plantando uma semente” que está dando vida a novas facções marginais direitistas . Estes incluem grupos neofascistas em um país onde a ideologia foi proibida desde a Segunda Guerra Mundial.

Mas nesta conferência, ao contrário dos realizados na Europa Oriental, Siviero disse que o WCF enfrentará uma reação adversa. Non Uno di Meno realiza quatro dias de protestos , incluindo uma conferência internacional com o fundador da organização feminista argentina que os inspirou. E o líder do parceiro de coalizão de Lega no governo denunciou a conferência, dizendo que o grupo tem “visões medievais sobre as mulheres”.

Paul Archuleta / FilmMagic

Alexey Komov

No centro da rede de alianças que liga o WCF à Itália está um russo pouco conhecido chamado Alexey Komov, com conexões com grandes potências em Moscou.

Komov tornou-se conhecido pelos círculos conservadores religiosos ocidentais há cerca de uma década, se autodenominando “defensor da família cristã e profissional de marketing e consultor imobiliário e empresário”. Komov estava “muito ansioso” por desempenhar um papel de liderança no WCF Um membro americano do comitê organizador chamado Austin Ruse disse ao BuzzFeed News, mas sua primeira tentativa de levar a conferência a Moscou foi rejeitada porque estava quase pronta.

O grupo aceitou sua candidatura para o WCF de 2014 quando retornou com o apoio de alguns poderosos oligarcas russos, incluindo um banqueiro de investimentos chamado Konstantin Malofeev. Eles começaram a planejar uma cúpula de 2014 a ser realizada no Kremlin, que eles promoveram como as ” Olimpíadas ‘do movimento pró-vida internacional apoiando a Família Natural’.

A cúpula de Moscou aconteceu em um momento extraordinário. Todos os olhares estavam voltados para a Rússia, com as Olimpíadas de Inverno a serem realizadas em Sochi em janeiro de 2014. A preparação para os Jogos foi ofuscada por um confronto global sobre os direitos LGBT. Putin, que estava no poder desde 1999, começou a se colocar como defensor dos valores ortodoxos contra o Ocidente hedonista, a saber, através de uma campanha para demonizar a homossexualidade, resumida na aprovação de uma lei que proíbe a chamada propaganda gay. Grandes atores da direita religiosa dos EUA – que amadureceram com uma mentalidade da Guerra Fria que via a Rússia como um inimigo sem deus – de repente estavam se perguntando se Putin era o contrapeso à administração Obama que eles estavam esperando.

Logo, Komov começou a empurrar os limites do que alguns organizadores americanos estavam acostumados. Ruse disse que sua organização e outros patrocinadores do WCF quase saíram de uma reunião de planejamento em outubro de 2013 porque Komov queria incluir Scott Lively, um ativista anti-gay de Massachussets que desempenhou um papel fundamental em inspirar a infame lei “Kill the Gays” de Uganda. autor de um livro que sugeria que os homossexuais eram responsáveis ​​pelo Holocausto. Komov também discursou de forma espetacular durante uma coletiva de imprensa em Washington no início de fevereiro de 2014, sugerindo que centenas de pessoas foram assassinadas para encobrir a verdadeira história do assassinato de John F. Kennedy e questionar se a al-Qaeda foi responsável pelos ataques de 11 de setembro.

Quando a Rússia tomou a Crimeia em fevereiro de 2014, de repente pareceu uma má ideia estar abertamente alinhada com os russos. O governo dos EUA impôs sanções a Malofeev, que financiava rebeldes seperatistas no leste da Ucrânia ao mesmo tempo em que apoiava o WCF. O WCF finalmente retirou seu nome da conferência de Moscou, mas muitos de seus principais participantes participaram do encontro, que foi rapidamente redigitado .

Um porta-voz de Malofeev se recusou a comentar esta reportagem, escrevendo: “Não comentamos rumores e conjeturas extraídas de recursos desconhecidos para nós por jornalistas”.

Dezenas de e-mails de Komov sobre a reunião foram vazados em 2014 por um grupo de hackers, que mostraram que Komov estava envolvido em outro dos principais projetos de Malofeev – construindo relações com grupos de extrema direita em toda a Europa. Em uma nota, Komov chamou um dos líderes neofascistas mais conhecidos da Itália de “amigo”.

O vazamento incluiu um e-mail de Brown, no qual ele disse a Komov, “o Fórum foi incrível e toda essa imprensa funcionará para o maior benefício do movimento mundial pró-família se respondermos adequadamente”.

Komov encaminhou este e-mail para Malofeev com a nota: “O império contra-ataca :)”

Brown negou que os russos tivessem domínio sobre o WCF, dizendo ao BuzzFeed News no verão de 2018 que “nunca havia sido absolutamente solicitado por seus associados russos, amigos ou Alexey Komov para fazer algo que pudesse minar os Estados Unidos. ”

“Acho triste que haja uma tentativa de pintar todos os russos como antiamericanos e não unidos a nós na família”, disse ele. Komov não respondeu a um pedido de comentário para este artigo.

Komov começou a cortejar Lega desde o momento em que Salvini assumiu o controle da festa. Ele foi convidado a participar da convenção de 2013, na qual Salvini foi selecionado como secretário do partido. E ele tem um papel de liderança em uma organização que foi fundamental na mediação de uma reunião entre Salvini e Putin em 2014. Salvini, desde então, provou ser um aliado importante para a Rússia na UE, trabalhando para desfazer as sanções impostas pelo bloco. Há também novas alegações da revista italiana Espresso de que a petroleira estatal russa estava procurando maneiras de canalizar dinheiro para o partido de Salvini.

A conferência de Verona faz com que essas relações completem o ciclo.

Verona é uma “combinação perfeita” para o WCF, escreveu Brown em um e-mail de captação de recursos no ano passado, pouco depois do anúncio do evento. “O vice-primeiro ministro Matteo Salvini nos receberá em seu maravilhoso país de braços abertos.”

“Nunca fomos mais eficazes do que somos agora”, continuou ele, “e pretendemos fazer ainda mais no próximo ano”.