Poesia,BlogdoMesquita 02

Eugênio de Andrade – …em lugar de sol, nevoeiro dentro de si

Ver Claro
Eugênio de Andrade

Toda a poesia é luminosa,
até
a mais obscura.
O leitor é que tem às vezes,
em lugar de sol, nevoeiro dentro de si.
E o nevoeiro nunca deixa ver claro.
Se regressar
outra vez e outra vez
e outra vez
a essas sílabas acesas
ficará cego de tanta claridade.
Abençoado seja se lá chegar.

Literatura,Poesia,Cultura,Filosofia,Frases,Blog-do-Mesquita 09

Eugênio de Andrade – Procuro-te

Procuro-te
Eugênio de Andrade

Procuro a ternura súbita,
os olhos ou o sol por nascer
do tamanho do mundo,
o sangue que nenhuma espada viu,
o ar onde a respiração é doce,
um pássaro no bosque
com a forma de um grito de alegria.

Oh, a carícia da terra,
a juventude suspensa,
a fugidia voz da água entre o azul
do prado e de um corpo estendido.

Procuro-te: fruto ou nuvem ou música.
Chamo por ti, e o teu nome ilumina
as coisas mais simples:
o pão e a água,
a cama e a mesa,
os pequenos e dóceis animais,
onde também quero que chegue
o meu canto e a manhã de maio.

Um pássaro e um navio são a mesma coisa
quando te procuro de rosto cravado na luz.
Eu sei que há diferenças,
mas não quando se ama,
não quando apertamos contra o peito
uma flor ávida de orvalho.

Ter só dedos e dentes é muito triste:
dedos para amortalhar crianças,
dentes para roer a solidão,
enquanto o verão pinta de azul o céu
e o mar é devassado pelas estrelas.

Porém eu procuro-te.
Antes que a morte se aproxime, procuro-te.
Nas ruas, nos barcos, na cama,
com amor, com ódio, ao sol, à chuva,
de noite, de dia, triste, alegre — procuro-te.

Pintura de Paul Klee, 1932

Eugênio de Andrade – Versos na tarde – 17/10/2016

Pastoral
Eugênio de Andrade¹

A terra inocente
abre-se ao ardor
de oiro de uma flauta
– será que o pastor
ou a primavera
desperta e se exalta?

¹ José Frotinhas Rato
* Póvoa de Atalaia, Fundão,Portugal – 19 de janeiro de 1923
+ Porto, Portugal – 13 de junho de 2005
[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Eugênio de Andrade – Versos na tarde – 01/10/2016

Quase nada
Eugênio de Andrade ¹

O amor
é uma ave a tremer
nas mãos duma criança.
Serve-se de palavras
por ignorar
que as manhãs mais limpas
não têm voz.

¹ José Frotinhas Rato
*Póvoa de Atalaia, Portugal – 19 de janeiro de 1923
+Porto, Portugal – 13 de junho de 2005
[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Eugénio de Andrade – Versos na tarde – 10/09/2016

Adeus
Eugénio de Andrade¹

Já gastámos as palavras pela rua, meu amor,
e o que nos ficou não chega
para afastar o frio de quatro paredes.
Gastámos tudo menos o silêncio.
Gastámos os olhos com o sal das lágrimas,
gastámos as mãos à força de as apertarmos,
gastámos o relógio e as pedras das esquinas
em esperas inúteis.

Meto as mãos nas algibeiras e não encontro nada.
Antigamente tínhamos tanto para dar um ao outro;
era como se todas as coisas fossem minhas:
quanto mais te dava mais tinha para te dar.
Às vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes.
E eu acreditava.
Acreditava,
porque ao teu lado
todas as coisas eram possíveis.

Mas isso era no tempo dos segredos,
era no tempo em que o teu corpo era um aquário,
era no tempo em que os meus olhos
eram realmente peixes verdes.
Hoje são apenas os meus olhos.
É pouco mas é verdade,
uns olhos como todos os outros.

Já gastámos as palavras.
Quando agora digo: meu amor,
já não se passa absolutamente nada.
E no entanto, antes das palavras gastas,
tenho a certeza
de que todas as coisas estremeciam
só de murmurar o teu nome
no silêncio do meu coração.

Não temos já nada para dar.
Dentro de ti
não há nada que me peça água.
O passado é inútil como um trapo.
E já te disse: as palavras estão gastas.

Nota do Editor:Mantida a grafia do português de Portugal

¹José Frotinhas Rato
* Fundão, Portugal – 19 de Janeiro de 1923 d.C
+ Porto, Portugal – 13 de Junho de 2005 d.C
[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Eugênio de Andrade – Versos na tarde – 05/08/2016

Corpo habitado
Eugênio de Andrade¹

Corpo num horizonte de água,
corpo aberto
à lenta embriaguez dos dedos,
corpo defendido
pelo fulgor das maçãs,
rendido de colina em colina,
corpo amorosamente humedecido
pelo sol dócil da língua.

Corpo com gosto a erva rasa
de secreto jardim,
corpo onde entro em casa,
corpo onde me deito
para sugar o silêncio,
ouvir
o rumor das espigas,
respirar
a doçura escuríssima das silvas.

Corpo de mil bocas,
e todas fulvas de alegria,
todas para sorver,
todas para morder até que um grito
irrompa das entranhas,
e suba às torres,
e suplique um punhal.
Corpo para entregar às lágrimas.
Corpo para morrer.

Corpo para beber até ao fim –
meu oceano breve
e branco,
minha secreta embarcação,
meu vento favorável,
minha vária, sempre incerta
navegação.

¹José Frotinhas Rato
* Fundão, Portugal – 19 de Janeiro de 1923 d.C
+ Porto, Portugal – 13 de Junho de 2005 d.C


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Eugenio de Andrade – Versos na tarde – 27/07/2016

Glosa
Eugênio de Andrade¹

Que voz se desprende,
hesita, tropeça?
Que pedras tacteia,
que ramos alcança?
Que fonte pressente?
Que rio procura?
Que ritmo persegue,
que palavras ama?
Que sombras repele,
que luzes derrama?

¹ José Frotinhas Rato
* Fundão, Portugal – 19 de Janeiro de 1923 d.C
+ Porto, Portugal – 13 de Junho de 2005 d.C


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]