Biden recebe dossiê recomendando suspensão de acordos entre EUA e governo Bolsonaro

POOL/GETTY IMAGES

O documento surge em momento de intensa expectativa sobre os próximos passos da relação entre Brasil e Estados Unidos sob o governo de Biden e da vice-presidente Kamala Harris

Quatro meses depois de fazer críticas públicas contra o desmatamento no Brasil, o presidente Joe Biden e membros do alto escalão do novo governo dos EUA receberam nesta semana um longo dossiê que pede o congelamento de acordos, negociações e alianças políticas com o Brasil enquanto Jair Bolsonaro estiver na Presidência.

O documento de 31 páginas, ao qual a BBC News Brasil teve acesso, condena a aproximação entre os dois países nos últimos dois anos e aponta que a aliança entre Donald Trump e seu par brasileiro teria colocado em xeque o papel de “Washington como um parceiro confiável na luta pela proteção e expansão da democracia”.

“A relação especialmente próxima entre os dois presidentes foi um fator central na legitimação de Bolsonaro e suas tendências autoritárias”, diz o texto, que recomenda que Biden restrinja importações de madeira, soja e carne do Brasil, “a menos que se possa confirmar que as importações não estão vinculadas ao desmatamento ou abusos dos direitos humanos”, por meio de ordem executiva ou via Congresso.

A mudança de ares na Casa Branca é o combustível para o dossiê, escrito por professores de dez universidades (9 delas nos EUA), além de diretores de ONGs internacionais como Greenpeace EUA e Amazon Watch.

Consultado pela BBC News Brasil, o Palácio do Planalto informou, via Secretaria de Comunicação, que não comentará o dossiê.

Autogolpe de Trump fracassou por não ter apoio militar, diz Steven Levitsky, autor de Como as Democracias Morrem

Um acontecimento que não se via nos Estados Unidos desde o século 19.

Um grupo de apoiadores do presidente americano, Donald Trump, invadiu e depredou a sede do Congresso dos EUA, em Washington, após ultrapassarem as barreiras montadas por agentes de segurança, em meio a confrontos isolados.

O ato violento no Capitólio na quarta-feira (6/1) ocorreu logo depois que Trump discursou para uma multidão em frente à Casa Branca, a quase 3 km dali, repetindo acusações sem prova e rejeitadas por diversos juízes do país de que houve fraude na eleição em que perdeu para Joe Biden.

O que se viu no Capitólio foram cenas de caos, com congressistas deitados no chão, sendo evacuados e colocando máscaras antigás.
Para o professor de governabilidade da Universidade Harvard, Steve Levitsky, a invasão do Congresso foi uma resposta a “quatro anos de descrédito e deslegitimação da democracia” por parte do Partido Republicano e de Trump.

A cidade de Washington impôs um toque de recolher nesta quarta-feira a partir das seis da tarde.

Levitsky é coautor do livro Como as Democracias Morrem, de 2018, no qual expõe “os sinais alarmantes que põem em risco a democracia liberal dos EUA”.

Estudioso também dos processos democráticos e presidenciais da América Latina, Levitsky descreveu a invasão do Capitólio por apoiadores de Trump como uma “tentativa de autogolpe”, em entrevista à BBC News Mundo, serviço da BBC em espanhol.

Para ele, “a grande diferença entre esse autogolpe e os autogolpes na América Latina é que Trump foi completamente incapaz de obter o apoio dos militares” e “um presidente que tenta permanecer no poder ilegalmente sem o apoio dos militares tem poucas chances de sucesso”.

Apoiadores de Trump invadiram o Capitol enquanto as sessões eram realizadas para certificar votos para Joe Biden.

Segundo sua análise, “a democracia sobreviverá a este dia”, mas o que se coloca para o futuro do país é um período de crise bastante incerto.

BBC – Que interpretação o senhor dá para a insurgência de apoiadores de Trump no Capitólio dos Estados Unidos?

Levistky – Pode-se presumir que isso iria acontecer. Donald Trump e muitos, muitos líderes republicanos têm incitado, têm mentido para sua base que os democratas estão arruinando o país e subvertendo a democracia. Eles vêm dizendo isso há cinco anos.

E então, depois de perder a eleição, não só Trump mas também líderes do Partido Republicano estavam lá no Congresso, repetindo a mentira e desacreditando a legitimidade da democracia e das instituições. Depois de anos mobilizando sua base com uma linguagem que incluía termos como socialismo ou traição, pode realmente surpreender que isso esteja acontecendo depois que você perdeu a eleição?

Na história da América Latina, quando os líderes incitam seus seguidores em um ambiente altamente polarizado, as pessoas agem. Palavras têm significado, elas têm poder.

O que me surpreende nisso é como a polícia estava mal preparada.

A Polícia do Capitólio, fortemente armada, deteve alguns manifestantes

BBC – Como o senhor interpreta as reações de alguns membros do Partido Republicano e do próprio presidente Trump, que em um tuíte nesta quarta-feira (6/1) pediu a seus apoiadores que não fossem violentos?

Levistky – O presidente já foi radicalmente violento antes e, se não queria que isso acontecesse, precisava agir mais rápido e se mobilizar para evitar. Ele provavelmente não deveria ter sugerido que marchassem até o Congresso. Trump os enviou para lá, ele os incitou a se mobilizarem para o Congresso. O fato de que os líderes republicanos agora estão rompendo com Trump é hipócrita, depois de o apoiarem por anos, mas é importante e positivo. Parece-me positivo ter visto discursos como o de Mitch McConnell (líder da maioria do Partido Republicano no Senado).

BBC – Estamos diante de uma revolução, de um golpe de Estado, de uma insurreição?

Levitsky – É uma variante do que na América Latina chamaríamos de autogolpe. É um presidente mobilizando seus apoiadores para permanecer no poder ilegalmente. Será um autogolpe fracassado, mas é uma insurreição do poder para tentar subverter os resultados da eleição e permanecer no poder ilegalmente. Eu diria que foi uma tentativa de autogolpe.

BBC – Na América Latina, esse tipo de situações que o senhor descreve são prejudiciais à democracia. O senhor diria que este é um momento perigoso na história americana? Diria que a democracia permanecerá forte, e o presidente eleito Joe Biden será empossado em 20 de janeiro?

Levistky -Tenho esperado com terror por este dia na democracia americana nos últimos quatro anos. Todos os dias durante quatro anos. Nossa democracia está em grave crise e este é o ponto culminante dela. Mas não é que tenha saído do nada. Nossa democracia está em crise há vários anos e acho que vai continuar assim.

Este autogolpe vai fracassar. Aqueles que protestarem em algum momento serão retirados do Capitólio e em algum momento a eleição de Biden também será certificada, e Trump será removido da Presidência. Agora, não está claro como isso vai acontecer. Mas Trump vai fracassar, e a democracia americana sobreviverá aos eventos de hoje.

Mas isso não significa que está tudo bem. São acontecimentos aterrorizantes e prejudiciais como na América Latina. A grande diferença entre esse autogolpe e os autogolpes na América Latina é que Trump foi completamente incapaz de obter o apoio dos militares. Um presidente que tenta permanecer no poder ilegalmente sem o apoio dos militares tem muito poucas chances de sucesso.

BBC – O senhor fala com segurança que a democracia sobreviverá e que esta será uma tentativa fracassada.

Levistky – Hoje. Acredito que, no médio prazo, estamos nos aproximando de um período de crise. Eu digo que esta tentativa de hoje irá falhar, porque a correlação de forças não existe para apoiar Trump. Não tem apoio militar. A democracia sobreviverá quando acordarmos amanhã, mas não posso garantir o que acontecerá daqui a cinco anos. A democracia americana é um desastre.

BBC – O presidente eleito Joe Biden mencionou que a democracia estava “sob um ataque sem precedentes” com os acontecimentos desta quarta-feira. Esta situação é extraordinária no contexto da história americana moderna?

Levistky – É extraordinário e sem precedentes no contexto da história americana moderna. No século 19, o país passou por uma era de violência, especificamente nos anos anteriores à Guerra Civil, e também vivenciou violência, especificamente em nível estadual, durante anos após a Guerra Civil. Portanto, em meados do século 19, os EUA experimentaram crises ainda mais graves do que as que vemos hoje. Mas não sofremos algo assim no século 20.

Isso não tem precedentes na história democrática moderna.

Trump discursou para seus apoiadores em Washington na quarta-feira antes de invadirem o Capitólio

BBC – E quais são os mecanismos dos poderes constituídos para lidar com essa crise? Na Constituição ou nas legislaturas?

Levistky – Formalmente, existem dois mecanismos, mas nenhum deles foi usado até agora. Um é o impeachment ou o impeachment que leva à remoção. Nos EUA, ocorreram julgamentos políticos de presidentes, mas não resultaram em sua destituição do poder. É um processo bastante longo, a menos que o façamos à maneira peruana, de retirar o presidente durante a noite. É improvável que isso aconteça.

E há outro mecanismo, a emenda nº 25 à Constituição, que é mais recente porque foi aprovada em meados do século 20, e também não foi usado até agora.

Nenhum desses mecanismos foi adotado.

A América Latina tem muito mais experiência em provocar a destituição de presidentes que abusam do poder do que os EUA. A grande maioria das democracias presidencialistas está na América, mas nunca usamos o mecanismo americano para remover um presidente nos termos constitucionais.

Acho que a melhor saída seria Trump renunciar, seria que aqueles de seu próprio partido pressionassem Trump a renunciar. Ele não vai, mas deveria.

BBC – Mas ele está dizendo que não vai. Então, se ele nunca o fizer, se ele nunca ceder, o que acontece?

Levitsky – Durante o mês de novembro, esperei que sua filha e seu genro o fizessem entender, e há reportagens que indicam que ele sabe que perdeu e que deve ir embora. Uma característica de Trump é que ele não antecipa as consequências do que diz e faz. Então, eu não acho que ele previu o que acabou acontecendo hoje no Capitólio, embora ele o tenha instigado.

Acho que Trump sabe que tem que sair e acho que o cenário mais provável, apesar deste terrível golpe fracassado, é que os americanos virem a página e deixem Trump passar suas últimas duas semanas no cargo. Tudo é possível neste momento, mas parece improvável que ele tente se recusar a sair em 20 de janeiro.

Não teremos mais uma transição pacífica de poder, mas será, mais ou menos, uma transferência de poder habitual.

BBC – O senhor disse que a invasão do Capitólio é o ponto culminante de cinco anos de um intenso jogo político entre o presidente Trump e o Partido Republicano. O que o senhor acha que acontecerá no contexto de uma nova Presidência democrata de Joe Biden?

Levitsky – Eu acho que é muito incerto. Decerto não há tantas pessoas nas ruas; obviamente estão fazendo muito barulho, mas em comparação com a marcha das mulheres depois que Trump foi eleito, esta é uma festa no jardim. Não é que as massas estejam tomando as ruas, isso não é uma revolução. Esta não é a Argentina em outubro de 1945.

Então, o que eu acho, dependendo do que Trump faz, é que em algum momento ele terá que desistir. E se ele desistir e voltar para a Flórida, acho que isso vai ficar mais fraco. Ainda haverá uma direita radicalizada e mobilizada, mas não acho que Biden esteja enfrentando uma crise de governança.

Na verdade, acho que talvez isso o fortaleça. Porque agora os republicanos estão à beira de uma divisão severa. Portanto, acho que há várias coisas que podem acontecer: Uma, que o Partido Republicano finalmente se reunirá e derrubará Trump, de modo que ele acabe isolado, junto com seus aliados como (Rudy) Giuliani e as pessoas a quem perdoou. E que Mitch McConnell, Marco Rubio e até Ted Cruz acabam abandonando Trump.

Ou a outra coisa que pode acontecer é que o Partido Republicano se divida, quebre, como parecia que ia acontecer nesta quarta-feira. Não estou falando de uma divisão formal, mas de uma composição na qual há uma ala do partido que ainda está fortemente alinhada com Trump e outra ala que está tentando ir além de Trump. E se os republicanos estão divididos, isso vai fortalecer Biden.

Tecnologia,Crimes Cibernéticos,Internet,Redes Sociais,Hackers,Privacidade,Malware,Stalkware,WhatsApp,Facebook,Instagram,Twitter

Hackers russos comprometeram clientes de nuvem da Microsoft por meio de terceiros, colocando e-mails e outros dados em risco

Sede francesa da Microsoft em Issy-Les-Moulineaux, perto de Paris. A gigante da tecnologia não comentou publicamente sobre as invasões russas aos dados de clientes dos EUA. (Gerard Julien / AFP / Getty Images)

Hackers do governo russo comprometeram clientes da nuvem da Microsoft e roubaram e-mails de pelo menos uma empresa do setor privado, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto, um desenvolvimento preocupante na campanha de espionagem cibernética em andamento em Moscou visando várias agências dos EUA e redes de computadores corporativas.

As invasões parecem ter ocorrido por meio de um parceiro corporativo da Microsoft que lida com serviços de acesso à nuvem, disseram aqueles a par do assunto. Eles não identificaram o parceiro ou a empresa que teve e-mails roubados. Como outras, essas pessoas falaram sob condição de anonimato para discutir o que continua sendo um assunto altamente sensível.

A Microsoft não comentou publicamente sobre as intrusões. Na quinta-feira, um executivo da gigante da tecnologia procurou minimizar a importância do problema.

“Nossa investigação de ataques recentes encontrou incidentes envolvendo abuso de credenciais para obter acesso, que pode vir de várias formas”, disse Jeff Jones, diretor sênior de comunicações da Microsoft. “Ainda não identificamos nenhuma vulnerabilidade ou comprometimento do produto Microsoft ou serviços em nuvem.”

A revelação preocupante vem vários dias depois que o presidente da Microsoft, Brad Smith, disse que a empresa Fortune 500 não viu nenhum cliente violado por meio de seus serviços, incluindo a alardeada plataforma de nuvem Azure usada por governos, grandes corporações e universidades em todo o mundo.

“Acho que podemos dar uma resposta geral afirmando afirmativamente, não, não temos conhecimento de nenhum cliente sendo atacado por meio dos serviços em nuvem da Microsoft ou de qualquer um de nossos outros serviços por esse hacker”, disse Smith ao The Washington Post em 17 de dezembro.

Hackers do governo russo estão por trás de uma ampla campanha de espionagem que comprometeu agências dos EUA

No entanto, dois dias antes, a Microsoft notificou a empresa de segurança cibernética CrowdStrike sobre um problema com um revendedor terceirizado que lida com o licenciamento para seus clientes do Azure, de acordo com uma postagem do blog CrowdStrike publicada na quarta-feira. Em sua postagem, o CrowdStrike alertou os clientes de que a Microsoft detectou um comportamento incomum na conta do Azure do CrowdStrike e que “houve uma tentativa de ler o e-mail, que falhou”. CrowdStrike não usa o serviço de e-mail da Microsoft. Não vinculou a tática à Rússia.

Pessoas familiarizadas com o roubo de e-mail não divulgado disseram que ele não explora nenhuma vulnerabilidade da Microsoft. A própria empresa não foi hackeada – apenas um de seus parceiros, disseram.

No entanto, o desenvolvimento preocupante levanta preocupações sobre a extensão das obrigações de divulgação da Microsoft, disseram especialistas em segurança cibernética.

“Se for verdade que os dados de um cliente provedor de serviços em nuvem foram exfiltrados e estão nas mãos de algum ator ameaçador, essa é uma situação muito séria”, disse John Reed Stark, que dirige uma empresa de consultoria e é ex-chefe de Securities and Exchange Escritório de Aplicação da Internet da Comissão. “Deve gerar todos os tipos de alertas dentro desse provedor de nuvem que podem desencadear uma litania de requisitos de notificação, remediação e divulgação – tanto nacionais quanto internacionais.”

Em uma postagem de blog na semana passada, a Microsoft afirmou que estava notificando “mais de 40 clientes” que eles haviam sido violados. Alguns deles foram comprometidos por terceiros, disseram pessoas a par do assunto.

Especificamente, o adversário hackeou o revendedor, roubando credenciais que podem ser usadas para obter amplo acesso às contas do Azure de seus clientes. Uma vez dentro da conta de um determinado cliente, o adversário tinha a capacidade de ler – e roubar – e-mails, entre outras informações.

A Microsoft começou a alertar clientes do setor privado sobre o problema na semana passada. Jones disse que a empresa também informou ao governo dos EUA na semana passada “que alguns parceiros revendedores foram afetados”. No entanto, duas pessoas familiarizadas com o assunto disseram que o governo não foi notificado.

A própria Microsoft não anunciou publicamente o hack do revendedor. Por outro lado, quando a firma de segurança cibernética FireEye soube que havia sido violada por meio de uma atualização de software, ela divulgou as informações. Esse patch de software, de uma empresa chamada SolarWinds, tem sido o caminho pelo qual os russos comprometeram pelo menos cinco grandes agências federais em uma grande campanha em andamento que tem funcionários dos EUA trabalhando durante o feriado.

A SolarWinds reconheceu o hack, chamando-o de “muito sofisticado”.

Acredita-se que espiões do serviço de inteligência estrangeira da Rússia tenham hackeado uma importante empresa de segurança cibernética americana e roubado suas ferramentas confidenciais

Jones, da Microsoft, caracterizou o problema do revendedor como “uma variação do que temos visto e não um novo vetor importante”. Ele disse: “O abuso de credenciais tem sido um tema comum que foi relatado como parte das ferramentas, técnicas e práticas desse ator.”

Jones se recusou a responder perguntas sobre quando a empresa descobriu o acordo do revendedor, quantos clientes o revendedor tem, quantos foram violados e se o revendedor estava alertando seus clientes.

“Temos vários acordos com pessoas e não compartilhamos informações específicas sobre nosso envolvimento com parceiros ou clientes específicos”, disse ele.

O fato de os hackers violarem um parceiro da Microsoft não isenta a empresa da responsabilidade legal, dizem os especialistas. Quando os hackers roubaram mais de 100 milhões de aplicativos de cartão de crédito no ano passado da nuvem de um grande banco, que era fornecida pela Amazon Web Services, os clientes processaram o banco e a AWS. Em setembro, um juiz federal negou a moção da Amazon para rejeitar, dizendo que sua “conduta negligente” provavelmente “tornou o ataque possível.”

Stark disse: “Só porque um provedor de nuvem nega responsabilidade, não significa necessariamente que o provedor está fora do gancho.”

(Jeff Bezos, executivo-chefe da Amazon, é dono do The Post.)

A investigação agora se tornou a principal prioridade para o general Paul Nakasone, que chefia a Agência de Segurança Nacional e o Comando Cibernético dos EUA. Desenvolver uma imagem coerente e unificada da extensão das violações tem sido difícil porque nem a NSA, nem o Departamento de Segurança Interna, nem o FBI têm autoridade legal ou jurisdicional para saber onde estão todos os compromissos.

O desafio de Nakasone, como disse um funcionário dos EUA, é “espera-se que ele saiba como todos os pontos estão conectados, mas ele não sabe quantos pontos existem ou onde estão todos”.

Parte dessa incapacidade é causada por regras de contratação federal para proteger a privacidade da agência, disse Smith da Microsoft. Em sua entrevista na semana passada, ele disse que a empresa foi a primeira a alertar várias agências federais sobre as violações que ocorreram por meio da atualização da SolarWinds. Mas, disse ele, a empresa foi proibida por contrato federal de compartilhar essas informações fora da agência afetada.

“Em muitos casos, devido às restrições de confidencialidade que nos são impostas por contratos federais, teríamos de ir ao governo e dizer:‘ Encontramos outra agência federal. Não podemos dizer quem eles são. . . . Mas estamos pedindo que liguem para você ”, disse ele.

Fontes do governo e do setor privado dos EUA agora dizem que o número total de vítimas – de agências e empresas que viram dados roubados – provavelmente será de no máximo centenas, e não milhares, como se temia anteriormente. Mas mesmo um hack de agência importante é significativo.

Vários anos atrás, hackers do governo chinês comprometeram o Office of Personnel Management, expondo os registros de mais de 22 milhões de funcionários federais e suas famílias.

Na época, como agora, as violações eram vistas como atos de espionagem. Não houve evidência de interrupção ou destruição da rede, ou de esforços para usar os bens roubados em, digamos, uma operação para interferir em uma eleição ou realizar uma campanha de desinformação.

O esforço russo não é um ato de guerra, dizem as autoridades americanas.

“Eu quero que a garganta engasgue com essa coisa – estou com raiva que eles nos pegaram, mas a realidade é que os russos realizaram uma intrusão cibernética altamente direcionada, complexa e provavelmente cara que foi uma operação de espionagem sofisticada”, disse o Dep. Jim Langevin (DR.I.), um membro do Comitê de Serviços Armados da Câmara que co-preside o Congressional Cybersecurity Caucus.

As violações são semelhantes ao fato de os russos colocarem toupeiras em vários lugares em altos escalões do governo, disse Langevin, acrescentando que o governo dos EUA deve responder como faria a uma campanha de espionagem física. “Podemos expulsar diplomatas ou espiões suspeitos, ou talvez impor sanções”, disse ele. “Mas também queremos ter cuidado para não desestabilizar a Internet ou nossas próprias operações de espionagem.”

Por
Ellen Nakashima é repórter duas vezes vencedora do Prêmio Pulitzer que cobre assuntos de inteligência e segurança nacional para o The Washington Post. Ela ingressou no The Post em 1995 e trabalha em Washington, D.C.

Enquanto Bolsonaro patina em se aproximar de Biden, oposição brasileira ganha terreno com democratas

Deputada Deb Haaland – Enviado climático e cotada para secretária do novo presidente se aproximaram de lideranças políticas indígenas do Brasil

Se o presidente brasileiro Jair Bolsonaro demorou 38 dias para reconhecer a vitória de Joe Biden à Presidência dos Estados Unidos e patina para estabelecer conexões com os democratas, a oposição ao seu governo no Brasil tem se mostrado mais efetiva em construir pontes com a nova administração, que começará oficialmente no dia 20 de janeiro.

E uma parte importante dessa conexão tem sido operada por meio de lideranças indígenas, com quem Bolsonaro tem acumulado embates.

A última prova disso é o lançamento de uma parceria entre a parlamentar americana democrata Deb Haaland e a deputada federal brasileira Joênia Wapichana (Rede-RR).

Na semana passada, as duas conversaram pelo telefone para coordenar esforços interamericanos para avançar em pautas de respeito aos direitos dos povos nativos e proteção ao meio ambiente nos dois países.

“Continuaremos colocando Bolsonaro na fogueira enquanto ele cometer violações dos direitos humanos, seguir no esforço para destruir a Floresta Amazônica e colocar nosso planeta em risco de um desastre climático ainda maior”, afirmou Haaland em nota enviada à BBC News Brasil.

Entusiasta da gestão do republicano Donald Trump, que tentou sem sucesso a reeleição, Bolsonaro já havia se posicionado publicamente em favor de um segundo mandato para Trump, de quem se disse fã.

Seu filho e deputado federal, Eduardo Bolsonaro, que em 2019 acalentou o desejo de ser embaixador em Washington, fez campanha por Trump em suas redes sociais.

Após a divulgação do resultado do pleito, o Itamaraty mergulhou em silêncio enquanto até duas semanas atrás Bolsonaro dizia ter informações sobre “fraude eleitoral”. Na terça-feira (15), o presidente enviou “saudações” a Biden”, “com meus melhores votos e a esperança de que os EUA sigam sendo “a terra dos livres e o lar dos corajosos”.

E acrescentou: “Estarei pronto a trabalhar com o novo governo e dar continuidade à construção de uma aliança Brasil-EUA”.

Haaland é a primeira mulher indígena a ser eleita para o Congresso americano – Reuters
Haaland: crítica a Bolsonaro e cotada para o gabinete de Biden

O caminho dessa cooperação, no entanto, pode ser acidentado. Isso porque existe uma sincronia de movimentos de atores políticos nos legislativos tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos que dificultam a aproximação.

“A gente tem visto um Itamaraty disfuncional, declinante, com o filho do presidente (Eduardo) como uma eminência parda da política externa. Então outros atores políticos passaram a atuar, como o legislativo brasileiro, que geralmente não têm protagonismo no tema. Do lado do Brasil, vemos uma politização histórica da política externa”, afirma Guilherme Casarões, professor de relações internacionais da Fundação Getulio Vargas.

“Ao mesmo tempo, pela primeira vez, o Congresso americano mostrou interesse em se aproximar do legislativo brasileiro e a vitória de Biden empoderou esse grupo de deputados democratas que está na Câmara.”

Primeira mulher indígena a ser eleita para o Congresso americano, Haaland é cotada para ser a secretária do Departamento de Interior do presidente-eleito Joe Biden, o que a colocaria no primeiro time da nova administração.

Haaland se tornou uma das principais críticas de Bolsonaro no partido — e na Câmara —, e tem trazido nomes proeminentes da agremiação consigo para as manifestações públicas contra o mandatário brasileiro, como o senador Bernie Sanders e a deputada Alexandria Ocasio-Cortez. Ela passou a atuar tanto na pressão pública a Bolsonaro, por meio de cartas, quanto na proposição de medidas contra os interesses do governo brasileiro no Congresso americano.

A deputada americana tentou, por exemplo, barrar a aprovação do status do Brasil como aliado militar extra-OTAN, uma das conquistas mais comemoradas pelo Itamaraty sob Bolsonaro.

Nas últimas semanas, ela se empenhava em cortar do Orçamento de Defesa dos EUA a previsão de verba pública para o acordo de salvaguardas tecnológicas entre os países, que deve viabilizar lançamentos de satélites americanos da base de Alcântara, no Maranhão.

Em maio de 2019, pouco depois do anúncio do acordo para uso da base de Alcântara, Haaland conseguiu angariar assinaturas de 54 congressistas americanos para uma carta enviada ao secretário de Estado americano, Mike Pompeo, na qual alertava para “violações dos direitos humanos de comunidades indígenas e quilombolas no Brasil”.

Meses antes, além de Wapichana, a política americana recebeu no Congresso dos EUA as parlamentares oposicionistas Erika Kokay (PT-DF) e Fernanda Melchionna (PSOL-RS).

GIOVANNI BELLO/BBC
Wapichana encontrou-se com Haaland no Congresso americano em fevereiro de 2020

Em junho desse ano, voltou à carga com uma carta enviada ao presidente da Câmara brasileira, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em que pedia a derrubada de um projeto de lei que previa ampla regularização fundiária na Amazônia e que acabou batizado pelos críticos de “PL da Grilagem“.

“Entendemos que esse projeto é muito prejudicial para a floresta amazônica, uma vez que legalizará grandes áreas de terras públicas que já foram ocupadas e desmatadas ilegalmente”, escrevia Haaland, na carta assinada por 18 de seus colegas.

No mesmo período, seus colegas da Comissão de Orçamento e Tributos da Câmara enviaram comunicação às autoridades comerciais americanas dizendo que se opunham a qualquer avanço em tratados comerciais com o Brasil de Bolsonaro.

E em dezembro, Haaland assinou com outros 21 colegas um pedido de proteção à deputada federal Talíria Petrone (PSOL-RJ), em que qualificava as políticas de Bolsonaro como “antidemocráticas e xenófobas”.

“O que estamos fazendo é expor para o mundo as ações do governo Bolsonaro que precisam parar e teremos intercâmbio de relações legislativas intensas”, afirmou à BBC News Brasil a deputada Joênia Wapichana.

Segundo ela, o governo Bolsonaro deveria “ter atuado de forma mais diplomática e menos de acordo com preferência individual” com os democratas. Questionado repetidas vezes sobre o assunto, o embaixador brasileiro em Washington, Nestor Forster, afirma manter bom trânsito nos dois partidos.

John Kerry e os Munduruku

Mas não para por aí. Em outubro de 2020, enquanto a disputa para a Presidência da Casa Branca chegava à reta final, em Washington D.C., a líder indígena Alessandra Korap Munduruku recebia o prêmio Robert F. Kennedy de Direitos Humanos.

Korap ganhou proeminência ao pedir a expulsão de garimpeiros das terras de seu povo, motivo pelo qual passou a ser ameaçada de morte.

A líder tem denunciado que desde a chegada ao poder de Bolsonaro, a situação das populações nativas se deteriorou.

Bolsonaro já se posicionou publicamente a favor do garimpo em terras indígenas, contra a destruição de maquinário usado por madeireiros para derrubar ilegalmente a floresta na Amazônia e, durante a campanha, prometeu que não demarcaria mais nem “um centímetro quadrado” de área para essas populações.SUSANA VERA/REUTERS
Kerry foi Secretário de Estado dos Estados Unidos entre 2013 e 2017

No evento de homenagem a Korap, coube a John Kerry, recém-nomeado por Biden como enviado especial de mudanças climáticas para o Conselho Nacional de Segurança, fazer o principal discurso da noite. Ali, ele disse à Korap que se comprometia a lutar a seu lado.

“O povo Munduruku no Brasil é guerreiro de muitas formas diferentes. Tem resistido ativamente à pressão constante, violenta, ilegal e, às vezes, patrocinada pelo Estado, de madeireiros e mineradores para explorar suas terras. Alessandra, você falou e continua a falar a verdade ao poder. E é extraordinária a maneira como você luta pelos pulmões do planeta, a maneira como você luta para proteger nossa terra e por todos os bens comuns que precisamos nos esforçar para salvar”, disse Kerry, responsável pela formulação das propostas para meio ambiente da campanha de Biden.

Naquele mesmo mês, o democrata surpreendeu o governo brasileiro ao citar o desmatamento na Amazônia como um exemplo de como mudaria sua liderança global em relação à gestão Trump durante um debate televisivo entre os candidatos.

Ao anunciar que pretendia criar um fundo para a preservação do Bioma, Biden afirmou: “Aqui estão US$ 20 bilhões, pare de destruir a floresta. E se não parar, vai enfrentar consequências econômicas significativas”. A fala foi vista pelo governo Bolsonaro como uma ameaça à soberania do país.

O poder da oposição americana a Bolsonaro

Para Casarões, é difícil dimensionar o poder desse grupo de deputados democratas, no qual Haaland é uma liderança. Isso porque, diferente do Brasil, o presidente americano depende essencialmente do legislativo para aprovar medidas centrais e por enquanto a Câmara é a única das duas casas que os democratas controlam por enquanto — a maioria no Senado para o próximo ano ainda está indefinida.

Considerado um moderado e centrista entre os Democratas, Biden terá que fazer concessões à ala mais à esquerda do partido para poder governar.

E um tema no qual seria mais fácil chegar a um consenso é justamente a agenda ambiental, na qual Bolsonaro é visto como um antagonista claro para o partido. Biden já anunciou, por exemplo, que recolocará os EUA no Acordo de Paris, de onde Trump retirou o país, em um movimento que Bolsonaro admitiu ter vontade de copiar.

ADRIANO MACHADO/REUTERS
Bolsonaro tem relação conflituosa com povos indígenas

No final de novembro, dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) mostraram que a Amazônia brasileira perdeu mais de 11 mil quilômetros quadrados de área de floresta no período entre agosto de 2019 e julho de 2020.

É o maior desmatamento registrado nos últimos 12 anos. Nesta quarta, dia 16, a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), grupo de países do qual o Brasil quer se tornar membro, divulgou relatório em que aponta que o Brasil tem falhado em coibir a devastação ambiental.

“As discussões políticas enviaram sinais contraditórios sobre o compromisso (do governo) com a estrutura de proteção ambiental existente”, afirma o relatório, que exorta o governo a aumentar o orçamento para a fiscalização.

Reservadamente, democratas afirmam não ver condições de interlocução nesses temas com o chanceler Ernesto Araújo, que, em setembro de 2019, deu uma palestra em um think tank conservador na capital americana no qual questionava premissas científicas do aquecimento global.

“O negacionismo climático que uniu Bolsonaro a Trump simplesmente não funcionará com Biden, que priorizará ações climáticas globais ambiciosas, incluindo a proteção da floresta Amazônica. O problema não é apenas dos ministros atuais e seus discursos públicos, mas as políticas destrutivas do governo Bolsonaro no assunto continuarão a isolar o Brasil de governos e investidores internacionais”, afirma Andrew Miller, um dos diretores da organização ambiental Amazon Watch.

BBC

Os EUA estão falidos – é uma enorme bolha de economia totalmente sustentada por dívidas, diz Peter Schiff

Um dos médicos que aconselhou Joe Biden sobre o coronavírus disse que os EUA precisam impor um bloqueio completo por quatro a seis semanas, já que o governo pode simplesmente pagar a todos. Peter Schiff diz que tal proposta é ridícula.

“Desligar a economia por quatro a seis semanas, de acordo com esse cara, realmente nos permitiria impulsionar a economia porque realmente erradicaríamos a doença – embora não haja realmente nenhuma prova de que um bloqueio realmente vá fazer alguma coisa”, Schiff disse em seu podcast. “Mas o que esse gênio está propondo é que, bem, isso não vai realmente afetar a economia, porque de acordo com esse cara – acho que ele não é apenas um conselheiro da Covid, acho que ele também é um conselheiro econômico – mas o que ele está dizendo é: ‘Teremos apenas um governo federal pagando a todos.’ ”

De acordo com Schiff, “Esse é o tipo de absurdo que realmente é discutido agora. Porque todo mundo pensa, bom, não importa, porque o governo federal vai pagar por isso. Agora, é claro, o governo federal não tem dinheiro. O governo federal está falido. ”

O economista destacou que o governo dos EUA acabou de registrar um déficit de US $ 284 bilhões em outubro, o maior déficit orçamentário de outubro na história americana.

Ao mesmo tempo, mais de 700.000 pessoas entraram com pedido de seguro desemprego, de acordo com o último relatório semanal divulgado em 12 de novembro. “Se a economia está se recuperando, por que tantas pessoas ainda perdem seus empregos?” Schiff perguntou.

Ele explicou que toda a impressão de dinheiro pelo Federal Reserve causaria muito mais danos à economia do que qualquer dano causado pela Covid-19. “Mesmo se o bloqueio acabasse dobrando a curva e salvando algumas vidas, realmente valeria a pena o custo? Na verdade, quem sabe quantas pessoas mais podem morrer como resultado não apenas do bloqueio, mas do dano econômico causado por todo o dinheiro que o Fed precisa imprimir para apoiar o bloqueio. ”

Falando sobre o crescente fardo da dívida dos aposentados americanos, o veterano corretor da bolsa disse que é apenas um sinal de uma enorme bolha econômica totalmente sustentada por dívidas.

“Isso mostra como a economia está fraca. Porque se realmente tivéssemos uma economia forte, você acha que as pessoas de 70 e 80 anos teriam que se endividar? Não! Por que tantos americanos mais velhos estão sendo forçados a assumir dívidas? Porque eles estão falidos. Porque eles não podem sobreviver sem dívidas. “

As decisões internacionais de Trump que Biden deve reverter

O presidente eleito Joe Biden prometeu restaurar o papel de liderança dos Estados Unidos no mundo, revertendo o unilateralismo do governo de Donald Trump e se reorientando para alianças internacionais de longa data.

Biden afirma ainda que seu governo irá promover a diplomacia e liderar pelo “poder do exemplo”, em vez de pelo “exemplo do poder”.

Da saída do acordo climático de Paris até o compromisso nuclear com o Irã, expectativa é de que presidente eleito desfaça muitas das medidas unilaterais adotadas por Donald Trump.

Biden herdou uma situação em que os aliados questionam a credibilidade dos EUA e com as relações entre Washington e outras capitais ao redor do mundo passando por um momento de tensão.

O presidente eleito prometeu reparar o máximo de danos possível em seus primeiros cem dias de mandato, revertendo uma série de ordens executivas assinadas pelo atual governo. Tais ordens derrubaram acordos e alianças internacionais que Trump alegou serem injustos para os EUA por diversas razões. Segundo os críticos, porém, essas medidas foram contraproducentes, com o isolacionismo americano simplesmente permitindo que a China expandisse sua influência na ausência dos EUA.

Estas são algumas das principais medidas da política externa que o presidente eleito prometeu reverter assim que tomar posse:

Acordo nuclear com o Irã

O presidente Trump criticou regularmente o acordo nuclear com o Irã como “um dos piores negócios da história”, retirando os EUA do pacto em 8 de maio de 2018. Trump também restabeleceu as sanções ao Irã e a qualquer um que fizer negócios com a nação persa.

Assinado em 2015 pelo governo de Barack Obama, ao lado de China, França, Rússia, Reino Unido e Alemanha, além do Irã, o acordo concordou em estabelecer o diálogo e o monitoramento do programa nuclear iraniano em troca de alívio econômico. O governo Trump chamou o acordo de fraco e, em vez disso, optou pela chamada “campanha de pressão máxima”.

Biden acusa a política de Trump de ser ineficaz e de ter servido apenas para o aumento das tensões. Ele prometeu retornar ao acordo, mas disse que só retirará as sanções após a confirmação da estrita adesão do Irã às regras do pacto.

De forma mais geral, Biden também pode buscar distanciar os EUA da Arábia Saudita, adversário regional do Irã e maior aliado árabe de Washington no Oriente Médio. Durante seu mandato, Trump manteve forte proximidade com a monarquia autoritária, cujo reino desempenhou um papel fundamental na aliança anti-iraniana do presidente. Tal distanciamento poderia começar com o fim do apoio dos EUA à guerra da Arábia Saudita no Iêmen.

Acordo Climático de Paris

Biden, eleito em parte com o compromisso de combater as mudanças climáticas, tem afirmado que retornará imediatamente ao Acordo de Paris sobre o Clima. Trump, um negacionista do aquecimento global, retirou os EUA do acordo em 1º de junho de 2017, alegando que o pacto favorecia injustamente a China.

Os EUA são o segundo maior poluidor do mundo, atrás apenas da China.  Enquanto Trump enquadrou a questão em termos econômicos de soma zero, priorizando os lucros dos combustíveis fósseis em detrimento da proteção ambiental, Biden prometeu investir numa economia de energia limpa para financiar programas ambiciosos de redução de emissões.

Organização Mundial da Saúde (OMS)

O governo Biden se comprometeu a retornar imediatamente à OMS e a liderar os esforços no combate ao coronavírus. Antes de Trump, os EUA tinham grande influência nessa importante autoridade de saúde pública, contribuindo com 15% de seu orçamento. Em 7 de julho de 2020, porém, o presidente americano anunciou que o país iria se retirar da organização – que, entre outras coisas, coordena os testes de vacinas globais – em 6 de julho de 2021.

No início de novembro, os EUA registram o maior número de infecções por coronavírus num único país (quase 10 milhões), bem como recorde de mortes (237 mil), com infecções e mortes globais em mais de 50 milhões e 1,2 milhão, respectivamente.

Nações Unidas

Trump ameaçou deixar as Nações Unidas, embora até agora os EUA só tenham deixado duas instituições integrantes da organização: o Conselho de Direitos Humanos (UNHRC) e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Em ambos os casos, a justificativa foi um suposto tratamento injusto dado ao aliado Israel.

Em 19 de junho de 2018, a embaixadora da ONU Nikki Haley chamou o UNHRC de “uma organização hipócrita e egoísta que zomba dos direitos humanos”, apontando para o que ela chamou de “preconceito crônico contra Israel” e se opondo à presença de China, Cuba e Venezuela no conselho. Os EUA exigiram reformas do órgão e várias vezes se desentenderam com ele por causa de Israel.

Como motivo para a retirada da Unesco, o governo Trump mencionou divergências na escolha de locais como Patrimônio Cultural da Humanidade. EUA e Israel disseram que vínculos históricos judaicos foram ignorados nas decisões, que ainda tocaram em questões mais profundas de soberania internacional coma declaração da velha cidade de Hebron e do  Túmulo dos Patriarcas como locais palestinos.

Os EUA já haviam deixado a Unesco em 1984, sob o governo de Ronald Reagan, e retornaram novamente em 2002, no governo de George W. Bush. Os pagamentos foram congelados por nove anos sob o governo de Barack Obama, mas os EUA mantiveram sua adesão.

Biden é um forte apoiador de Israel e recebeu bem os acordos recentes entre a nação judaica e os Emirados Árabes Unidos, mas seu governo provavelmente fará pressão para impedir a construção de assentamentos israelenses e anexações, além de ser um defensor mais explícito das necessidades dos palestinos na ONU.

OMC e Otan

Outras questões que Biden abordará incluem a situação das relações comerciais, bem como a Organização Mundial do Comércio (OMC).

Na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Biden buscará superar divergências criadas e expandir a cooperação, mas os objetivos de política externa permanecerão os mesmos.

Resta saber se ele conseguirá recuperar a confiança e ser bem-sucedido na conquista dos objetivos por ele declarados: “Promover a segurança, a prosperidade e os valores dos Estados Unidos, tomando medidas imediatas para restaurar a nossa própria democracia e nossas alianças, proteger nosso futuro econômico e, mais uma vez, colocar os Estados Unidos na dianteira, liderando o mundo no enfrentamento dos desafios globais mais urgentes” – ou se o mundo mudou nos últimos quatro anos.

Eleição americana: Comportamento de Eduardo ratifica o seu despreparo para ser embaixador

Integrantes do Itamaraty avaliam que, se ainda restava dúvidas sobre o despreparo do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para ocupar o posto de embaixador do Brasil nos Estados Unidos, estas acabaram de vez, durante a eleição presidencial entre Donald Trump e Joe Biden.

A atuação do filho “02” do presidente Bolsonaro, que resolveu questionar a legitimidade da apuração nos EUA, sem provas, reproduzindo o discurso de Trump, foi descrita como uma grande “gafe” para quem já teve (ou tem) a ambição de ocupar um posto diplomático. A avaliação de diplomatas é que Eduardo fere um princípio básico da boa diplomacia, de não interferir na política de outro país.

INTERFERÊNCIA – “Uma das boas práticas diplomáticas, já que ele queria ser embaixador, é não interferir em processos eleitorais de outros países, para manter a capacidade de interlocução com quem quer que seja eleito no fim do processo”, disse um integrante do Itamaraty.

No ano passado, o presidente Jair Bolsonaro disse que pretendia indicar o filho para o posto de embaixador dos EUA. Eduardo se movimentou e fez um beija-mão no Senado para garantir a aprovação de seu nome. O governo, porém, nunca teve a garantia que teria votos suficientes para aprová-lo. Eduardo acabou anunciando sua desistência da indicação em outubro de 2019.
Bela Megale
O Globo

Bolsonaristas criticam Eduardo por compartilhar postagem sobre denúncias de fraudes nos EUA

O ex-quase embaixador e fritador de hambúrguer dissemina desinformação

Aliados e assessores de Jair Bolsonaro criticaram a atitude do filho do presidente, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que, ao compartilhar mensagem de um blogueiro bolsonarista, endossou denúncias de fraudes nas eleições dos Estados Unidos.

As alegações de fraude são uma estratégia da campanha do presidente Donald Trump, candidato à reeleição, que está atrás do rival Joe Biden na contagem dos votos. Autoridades norte-americanas não apontaram nenhum indício de irregularidade na votação. O presidente Bolsonaro e o bolsonarismo em geral apoiam Joe Biden .

“ERRO” – Para um aliado e para um assessor presidencial, a postagem do deputado, presidente da Comissão de Relações Exteriores, é um “erro” porque, como filho do presidente, a leitura que sempre será feita é que o pai tem a mesma opinião.

“Ele já foi criticado por deputados democratas no passado. Agora, compartilha uma mensagem de um blogueiro dando razão às teses defendidas pelo Trump, de que houve fraude. E não há nada concreto nesse sentido. Mesmo que houvesse, não cabe ao Brasil interferir nesse processo”, disse ao blog reservadamente um aliado do presidente no Congresso.

“ESTRANHO” – Ao compartilhar a mensagem do blogueiro com alegação de fraude, o filho do presidente escreveu a palavra “estranho”. Para um assessor presidencial, isso mostra como foi acertada a decisão de Bolsonaro de recuar na indicação do filho para ser embaixador do Brasil nos Estados Unidos.

Segundo o assessor, se Eduardo Bolsonaro tivesse sido indicado e o Senado aprovado seu nome, o que era considerado difícil, hoje ele poderia estar criando mais problemas para o Palácio do Planalto como embaixador brasileiro nos EUA. Poderia estar dando declarações de apoio a Trump num cenário em que Biden pode ganhar a eleição americana.

Redes Sociais e o fascismo de Trump

Quando o presidente dos Estados Unidos propôs no Twitter a suspensão das eleições de novembro, ele deixou claro que a tarefa em mãos é mantê-lo no cargo de outra forma.

“Com a votação por correspondência universal (não a votação de ausência, o que é bom), 2020 será a eleição mais imprecisa e fraudulenta da história. Será um grande constrangimento para os EUA. Atrase a eleição até que as pessoas possam votar de forma adequada, segura e segura ??? ” Isso é o que o presidente dos EUA, Donald Trump, escreveu em uma mensagem no Twitter em 30 de julho de 2020.

O que significa para o presidente dos Estados Unidos propor a suspensão das eleições de novembro? O tweet de Trump proclama que a próxima eleição será “imprecisa e fraudulenta“. No entanto, na medida em que os americanos têm problemas para votar, eles são culpa do presidente e de seus aliados. Trump está fabricando uma crise: criando um problema, culpando os outros por ele e usando-o para reivindicar o poder.

Metade dos estados americanos aprovou recentemente leis que parecem ter o objetivo de dificultar a votação dos americanos não brancos. Qualquer pessoa que desejasse que os Estados Unidos fosse uma democracia representativa iria reverter isso. Nos últimos meses, mais americanos do que nunca se conscientizaram do racismo que exclui as vozes negras da política. No entanto, longe de buscar uma solução para esse problema, Trump usou os protestos como desculpa para colocar uma nova polícia secreta americana nas ruas.

Quando em 2019 o Congresso aprovou um projeto de lei que teria acabado com esses abusos e facilitado o voto de todos os americanos, ele foi bloqueado pelo Senado, que é controlado pelo partido de Trump, os republicanos.

A maior fonte de imprecisão e fraude na democracia americana é a privação de direitos dos eleitores negros

Uma segunda ameaça às eleições de novembro é a intervenção estrangeira. Aqui, novamente, Trump é a fonte do problema e o tornou pior. Nas eleições de 2016, Trump conscientemente ganhou vantagens com uma campanha russa na Internet destinada a torná-lo eleito. A Rússia divulgou e-mails de seu oponente, Hillary Clinton, e a Rússia influenciou as conversas políticas nas redes sociais. Uma importante cientista política, Kathryn Hall Jamieson, concluiu que eles provavelmente levaram a eleição para Trump. Como sabemos pelo novo livro do historiador David Shimer, Rigged: America, Russia and 100 Years of Covert Electoral Interference, a administração Obama acreditava que a Rússia em 2016 também tinha a capacidade de intervir diretamente na contagem dos votos.

No cargo, Trump negou que nada disso tenha acontecido e puniu aqueles que chamaram a atenção para o curso real dos negócios. Agora sabemos que Trump no cargo continuou a solicitar ajuda de governos estrangeiros para ser reeleito. Ao perdoar seu aliado Roger Stone, que serviu como intermediário entre a campanha de Trump e a Rússia em 2016, Trump enviou um sinal óbvio de que espera se beneficiar da intervenção russa em 2020. O Congresso aprovou um projeto de lei que foi criado para tornar o sistema eleitoral americano mais defensável da Rússia ou qualquer intervenção estrangeira. Isso também foi bloqueado pelo Senado controlado pelos republicanos.

A questão que Trump menciona no tweet, a alta taxa de votação por correspondência, também é resultado de suas próprias ações. É importante notar, entretanto, que não há nada de errado em votar pelo correio. O próprio Trump vota pelo correio, assim como muitos de seus conselheiros mais próximos. Votar em papel é muito mais seguro do que votar digitalmente.

A razão pela qual os americanos desejam votar pelo correio em 2020 é sua própria segurança. O país está no meio de uma pandemia que já matou 150.000 pessoas. A escala do sofrimento, da morte e do medo é resultado das próprias decisões de Trump: contestar a ciência, enviar o sinal de que as pessoas não devem usar máscaras, se opor ao teste sistemático que é uma condição necessária para o tratamento e para impedir a propagação da doença.

Na medida em que o serviço postal dos EUA não pode lidar com a correspondência extra, isso também é claramente culpa de Trump. Ele vem atacando o serviço postal há anos e recentemente nomeou um doador não qualificado como chefe dos correios. O novo postmaster general tomou decisões que parecem destinadas a fazer o serviço postal funcionar mal. Os americanos já notaram que seu correio está atrasado.

Trump deixou claro que a tarefa em mãos é mantê-lo no cargo de alguma outra forma que não seja pela eleição.

Dadas essas contradições, que não são segredo para ninguém, como Trump pretendia que sua mensagem fosse entendida? Trump não é tolo. Ele sabe que tem poucas chances de vencer a eleição em novembro por meios normais. Ao enviar esta mensagem, ele está concedendo a eleição a seu rival democrata Joe Biden e iniciou a busca por outra forma de permanecer no cargo. Seu tweet se destina não àqueles que discordam dele, mas àqueles que estão dispostos a segui-lo para a tirania.

Em seu tweet, Trump deixou claro que a tarefa em mãos é mantê-lo no cargo de alguma outra forma que não seja por eleição. Ele sabe que não tem poder para atrasar as eleições. O que ele busca com este tweet são aliados nos Estados Unidos, ou no exterior, que ajudem a criar uma situação em que uma eleição parece impossível.

O tweet de 30 de julho é, portanto, um ponto de viragem. Antes dessa data, os apoiadores de Trump podiam dizer a si mesmos que estavam envolvidos em uma campanha presidencial normal. Após essa data, os apoiadores de Trump devem enfrentar sua alegação aberta de que a eleição de novembro não contará. Isso levanta a questão de o que significa agora estar do lado do presidente dos Estados Unidos. É claro que significa ser contra a democracia e a favor do autoritarismo.

Qualquer pessoa que apoiar Trump depois de 30 de julho fez uma escolha moral: por uma pessoa e contra a constituição americana. Todos que trabalham para a campanha de Trump, doam dinheiro ou planejam votar nele foram avisados: agora são todos atores de uma charada, mantendo as aparências até novembro, fornecendo cobertura para a ação real, que será em algum lugar outro. Esses três pontos de interrogação no final do tweet são um sinal de que alguém deve encontrar uma maneira não democrática de manter Trump no poder. Há um consenso notável entre os pensadores americanos, desde um importante intelectual público de esquerda a um importante professor de direito de direita, que o tweet de Trump foi “fascista”.

Eu mesmo escrevi nessa linha. Mas isso pode ser profundamente verdadeiro em um sentido que até agora foi esquecido. Como mostrou o historiador inglês Ian Kershaw, o estilo nazista era “trabalhar em direção ao Führer”: entender uma mensagem de um líder não como uma série de proposições lógicas ou observações empíricas, mas como um guia de como o mundo deveria ser, como uma dica de para o que os seguidores devem fazer. Nesse caso, a dica é que as eleições devem ser estragadas: uma dica que pode ser aproveitada pelo postmaster geral de Trump, ou por legislaturas estaduais republicanas, ou por americanos armados.

Qualquer um que tentar cumprir as ordens de Trump e estragar a eleição se arrependerá

É improvável que prevaleçam, entretanto. Demorou um pouco, mas agora muitos americanos, mesmo que não entendam bem o significado mais profundo do estilo de Trump, estão cientes de que precisam estar preparados para uma eleição diferente de qualquer outra. Qualquer um que tentar cumprir as ordens de Trump e estragar a eleição se arrependerá. Esse é o outro significado desses três pontos de interrogação: Trump espera que outra pessoa infrinja a lei para que ele possa permanecer no poder, mas não tem intenção de assumir a responsabilidade pelo que acontecerá a seguir. Ele deixará para outros a tarefa de paralisar a democracia americana para que ele possa viver com conforto. Se a Rússia tentar isso, quase certamente enfrentará toda a ira de um governo Biden. Se os americanos tentarem “trabalhar para o Führer”, seu líder os trairá no final.

Essa é a única maneira pela qual Trump é perfeitamente consistente: tudo se refere a ele e todos devem ser sacrificados a ele. Ao contrário dos fascistas tradicionais, ele não sonha com uma causa grande e terrível. Ele simplesmente espera que outros sofram por ele.

Timothy Snyder é o professor Levin de História na Universidade de Yale e membro permanente do Instituto de Ciências Humanas de Viena. Ele é o autor, mais recentemente, de On Tyranny e The Road to Unfreedom. Seu novo livro, Our Malady, será publicado em setembro.

Outlet de propaganda chinesa pagou US $ 19 milhões a jornais por publicidade

Um dos principais meios de propaganda da China pagou aos jornais americanos quase US $ 19 milhões por despesas de publicidade e impressão nos últimos quatro anos, de acordo com documentos arquivados no Departamento de Justiça.

Nicolas Asfouri – Pool/Getty Images

O China Daily, um jornal em inglês controlado pelo Partido Comunista Chinês, pagou mais de US $ 4,6 milhões ao The Washington Post e quase US $ 6 milhões ao The Wall Street Journal desde novembro de 2016, mostram os registros.

Ambos os jornais publicaram suplementos pagos que o China Daily produz chamados “China Watch”. As inserções foram projetadas para parecerem com artigos de notícias reais, embora muitas vezes contenham uma opinião pró-Pequim sobre os eventos de notícias contemporâneos.

Uma publicação de setembro de 2018 divulgou uma iniciativa promovida pelo presidente chinês Xi Jinping com a manchete: “Cinturão e Rota se alinham com os países africanos”. A mesma publicação publicou uma matéria intitulada “Tarifas para cobrar pedágio nos compradores de casas nos EUA”, que afirmavam que as tarifas dos EUA sobre madeira chinesa aumentariam o custo de construção de casas nos Estados Unidos.

O China Daily também pagou pela publicidade em vários outros jornais: The New York Times (US $ 50.000), Política Externa (US $ 240.000), The Des Moines Register (US $ 34.600) e CQ-Roll Call (US $ 76.000).

Gastou um total de US $ 11.002.628 em publicidade nos jornais dos EUA e outros US $ 265.822 em publicidade no Twitter.

O China Daily também pagou mais de 7,6 milhões de dólares a jornais e empresas de impressão por seus jornais para os leitores dos EUA, mostra o arquivo do Departamento de Justiça.

Estações da PBS que receberam milhões em fundos federais firmaram parceria com agente estrangeiro chinês em filme pró-Pequim.

O Los Angeles Times, o Seattle Times, o Atlanta Journal-Constitution, o Chicago Tribune, o Houston Chronicle e o Boston Globe estão todos listados como clientes do China Daily. A agência chinesa pagou ao Los Angeles Times US $ 657.523 por serviços de impressão, segundo os registros da FARA.

Uma mulher usando uma máscara é vista após um retrato do presidente chinês Xi Jinping em Xangai (REUTERS / Aly Song)

O Departamento de Justiça exige há anos que o China Daily divulgue suas atividades semestralmente sob a Lei de Registro de Agentes Estrangeiros (FARA). O arquivo mais recente, enviado pelo China Daily em 1º de junho, é o primeiro a incluir detalhadamente os pagamentos aos meios de comunicação americanos. O canal divulgou essas despesas para o período entre novembro de 2016 e abril de 2020.

Não está claro se o China Daily enviou os arquivos mais detalhados sob pressão do Departamento de Justiça ou por conta própria.

Grupos pró-democracia há muito tempo alertam sobre as tentativas do governo chinês de fazer propaganda através dos meios de comunicação americanos. A Freedom House e a Hoover Institution chamaram a atenção para as inserções pagas do China Daily em relatórios sobre os esforços do governo chinês para influenciar a mídia.

O China Daily e outras fábricas de propaganda controladas por Pequim estão sob intenso escrutínio em meio à pandemia de coronavírus. Autoridades do governo chinês tentaram desviar a culpa pela disseminação do vírus para os Estados Unidos e outras nações ocidentais. Muitos dos veículos controlados pelo regime, incluindo o China Daily, ecoaram os argumentos dos líderes comunistas.

O China Daily diminuiu seus gastos com publicidade nos últimos meses, mostram os registros. O China Daily pagou pela última vez ao Washington Post por publicidade em dezembro de 2019. Seus pagamentos ao The Wall Street Journal foram menos da metade do seu valor médio desde fevereiro de 2020, mostram os documentos.

Fonte: Chuck Ross/Dayly Caller