Daniel Ortega Somoza,Esquerda,Ditadura,Repressão,Censura,Democracia,Nicarágua,Blog do mesquita

Daniel Ortega, a decepção vital da esquerda

O ditador está nu, embora empenhado em cantar hinos sandinistas e lançar discursos vazios

Protestar hoje contra o presidente Ortega é considerado crime de terrorismo.
Bolsonaro irá propor essa mesma Lei para o Brasil. Ditador é Ditador.
Stalinista ou Nazi Fascista todo têm um só inimigo; o povo.Daniel Ortega Somoza,Esquerda,Ditadura,Repressão,Censura,Democracia,Nicarágua,Blog do mesquitaO presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, durante a XVI Cúpula da ALBA. STRINGER REUTERS

A Nicarágua é o país latino-americano onde mais se nota a revolução. Continua pobre, mas aprendeu a ler e a pensar. Toda uma geração que cresceu se sentindo orgulhosa de suas realizações vive o orteguismo como uma decepção vital. A ambição desmedida e a corrupção transformaram um dos pais daquela saga num arremedo do somozismo que ele substituiu.

Daniel Ortega e sua esposa, a vice-presidenta Rosario Murillo, optaram pela violência e a repressão. Dezenas de velhos sandinistas, como Carlos Mejía Godoy, exilaram-se; outros foram detidos ou guardam silêncio. O medo voltou às ruas da Nicarágua. Desde que as manifestações começaram em abril, todas pacíficas, mais de 300 pessoas morreram e outras 500 foram presas.

Os agentes antidistúrbios e os grupos paramilitares atacaram estudantes e mães, chamadas de “vandálicas”. O que começou como um protesto contra a reforma da previdência se transformou numa minirrevolução contra os abusos e a ineficácia do Governo.

Protestar hoje contra o presidente é considerado crime de terrorismo. Acumulam-se denúncias de tortura. O regime criminalizou os manifestantes, bateu nos jornalistas e atacou as instalações dos meios de comunicação que considera inimigos. Nesta semana, a polícia apreendeu computadores e documentos das redações das empresas jornalísticas de Carlos Fernando Chamorro, filho da ex-presidenta Violeta Chamorro. Os agentes não tinham ordem judicial, um puro formalismo porque o presidente acabou com a independência das instituições.

Ortega se comporta como Somoza. Sua Assembleia Nacional acaba de declarar ilegais cinco ONGs consideradas críticas. A polícia saqueou suas sedes pouco depois. Para o casal no poder, tudo o que não seja elogio e obediência devida é alta traição. Os empresários que tanto ganharam na divisão dos recursos com o orteguismo começam a abandonar o mandatário. Mas na surdina, para evitar represálias.

O que acontece na Nicarágua é um desafio para a esquerda. A luta contra um capitalismo descontrolado, que utiliza a globalização para tirar poder dos Estados, e o novo auge da xenofobia e da extrema direita, não podem ser uma desculpa para não criticar os Ortega-Murillo. Seria parte da mesma cegueira que permitiu a irrupção do partido Vox na Espanha.

A batalha não está nos slogans nem no merchandising das revoluções dos anos sessenta e setenta. Está nas pessoas que lutam contra o abuso, sem importar a ideologia do abusador. Ortega escolheu o mesmo bando dos Pinochet. O ditador está nu, embora empenhado em cantar hinos sandinistas e lançar discursos vazios. A impostura acabou. A luta, não.

Ortega y Gasset – Frase do dia – 13/05/2017

“Ser da esquerda é, como ser da direita, uma das infinitas maneiras que um homem pode escolher para ser um perfeito imbecil. Ambas, com efeito, são formas de hemiplegia moral.”
Ortega y Gasset
[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Lava Jato – Moro e a direita da direita com medo da seringa

Não há inocentes no jogo político, tando os atores principais, como os coadjuvantes, em época alguma, em nenhum lugar ou em qualquer parte do espectro ideológico.

Já cansei de escrever aqui que, pior que um comunista de boutique, tipo Roberto Freire, é menos nocivo do que um anti-comunista convertido ao fascismo. Esse é um equilibrista.

Nota-se claramente, a enxurrada de ‘direitopatas‘, ou patos, que de repente não mais que de repente, como cantava o poetinha, abrem espaço em suas colunas e blogs declaradamente anti-PT, uma súbita epidemia de “Lavajatus corruptus” estranho e pernicioso vírus que infesta a nação Tapuia.

Abaixo um texto do mais festejados adoradores do, hahaha, vá lá que seja – Estado Liberal, e guardião Templário de poleiros e aves plumadas de azul Yves Klein, – revela-se um crítico ácido e contumaz do novo “Bezerro de Ouro” dos contaminados pelo também letal Vírus ‘direitauspatus’. O articulista criador do neologismo “petralha”, estará sofrendo, ainda, das sequelas de um aneurisma que teve em 2016? Difícil saber.

Já há algum tempo, Reinaldo Azevedo vem, digamos metaforicamente – tenho sempre, infelizmente que explicar metáforas elementares – escorregando para a esquerda, atacando o tão antes incensado MBL, a Lava Jato, o juiz Sergio Moro, os conservadores, e agora chegou a endossar até o desarmamento dos cidadãos de bem. O que se passa?

Reconheço, por não ser um cego intelectual, a capacidade de sua argumentação, sua memória, seu embasamento cultural. O problema tem sido mesmo o mau uso dessa habilidade toda.
Por que essa inversão tão radical, de 180 graus, sem aviso prévio ou sinais que pudessem insinuar a guinada?

“Alguns louvam de manhã o que criticam de noite, mas têm sempre por certa a última opinião.” Alexander Pope


Nem Moro esmagou Lula nem o inverso. Mas só um feriu a lei ontem

Infelizmente, a maioria das perguntas do juiz nada tinha a ver com processo no qual depunha o petista. Isso é ruim para a democracia e bom para as esquerdas

Os dias andam agitados demais. Coisas em excesso, demandas as mais variadas. Mas vamos lá. É claro que eu iria, como faço agora, escrever um texto com a minha avaliação sobre o depoimento prestado pelo ex-presidente Lula ao juiz Sergio Moro, em Curitiba.

A minha síntese? Pois não! Sem poder apresentar as provas, que deveriam ter sido fornecidas pelo Ministério Público Federal, de que o tríplex pertence a Lula, Moro optou por uma condução da audiência que fez picadinho do devido processo legal.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Acho que o apartamento é de Lula? Acho. Mas não sou juiz. E o meu achar é irrelevante. No estado de direito, condena-se com provas. E Moro não as tinha. Ao contrário, as evidências materiais apontam que o imóvel pertence à OAS.

Sem ter como dar o xeque-mate ou deixar o depoente numa sinuca, Moro optou por um comportamento lamentável, que agride o devido processo legal. Resolveu fazer perguntas a Lula que diziam respeito aos quatro outros inquéritos a que o petista responde.

Entre as perguntas impróprias, a maioria buscava demonstrar que o petista, afinal, era o verdadeiro chefe da estrutura criminosa que operava na Petrobras.

Observem: no inquérito em questão, há três contratos da OAS com a estatal sob suspeita; eles teriam gerado a propina que o MPF diz ter sido paga a Lula na forma do apartamento de Guarujá e do transporte e armazenamento de seu acervo. Não! Moro não se referiu a nenhum deles em particular.

Na verdade, ele tratava Lula como o chefe da organização criminosa. Ora, posso até concordar com isso. Mas esse é o inquérito que tramita no Supremo.

Mais: o juiz insistiu em fazer indagações sobre o sítio — afinal, as obras nesse imóvel e no apartamento estariam ligadas. Tudo indica que estão mesmo. Mas por que há, então, um inquérito para cuidar de cada caso? Por que não estão juntos?

Mais: o juiz demonstrou incômodo com a liderança política de Lula, o que é um despropósito. Quis saber por que o ex-mandatário emitiu juízos contraditórios sobre o… mensalão!!! O que a dita Ação Penal 470 tinha a ver com o apartamento de Guarujá? Nada!

Teve o desplante de dizer, ainda que o tenha feito de forma interrogativa, que o depoente, ao processar um delegado, um procurador e um juiz (sim, ele próprio: Moro!), estava tentando intimidar as pessoas encarregadas da investigação.

Trata-se de uma afirmação absurda. Apresentar petições ao poder público — e isso inclui recorrer à Justiça — é um direito fundamental das democracias. Vejam a Primeira Emenda da Constituição Americana, por exemplo.

Na era da pós-verdade e das verdades alternativas, versões se espalham na cloaca do capeta: as redes sociais. Petistas dizem que seu líder esmagou Moro. Os fanáticos do juiz sustentam o contrário.

Vamos botar os pingos nos is. Lula não esmagou ninguém. Deu-se mal, por exemplo, ao explicar suas relações com Renato Duque, ex-diretor da Petrobras, e deste com João Vaccari, tesoureiro do PT. E digo que se deu mal porque se atrapalhou.

Sergio Moro esmagou, sim, o devido processo legal, mas não o petista, que não foi confrontado com nenhuma prova inequívoca.  Mais: nós o vimos obrigando-se a dizer que nada tem de pessoal contra o presidente e de que nunca foi verdadeira a máxima “Lula vai ser preso amanhã”.

Ao tentar explicar por que fazia perguntas que nada tinha a ver com o processo, o juiz apelou, mais de uma vez, ao “contexto”. Não pode ser. A ser assim, a gente precisa ensinar o teorema de Pitágoras a partir do Big Bang. Já recomendava o poeta latino Horácio: não conte em seu poema a origem das musas…

Moro vai condenar Lula? A sua condução da audiência indica que sim. Se nada de novo aparecer, vai fazê-lo com base na convicção formada a partir do depoimento de delatores, sem as provas. É claro que isso é um mau exemplo.

Reação posterior de um procurador que é estrela da Lava Jato, Carlos Fernando dos Santos, evidencia que a própria Lava Jato avalia que Lula venceu o embate também no tribunal. Na ocupação das ruas, já havia vencido.

A Lava Jato, com o apoio entusiasmado da direita xucra, está, acreditem, cometendo erros em penca. E isso tem seu preço: fortalecimento da esquerda.

Sim, eu considero que Lula era o chefe máximo de um monstrengo criado para assaltar os cofres e a institucionalidade. Acho que tem de ser investigado, processado, julgado e condenado por isso.

Mas que as coisas se façam segundo o devido processo legal. Não darei nem a Moro nem a ninguém a prerrogativa de se comportar e de decidir ao arrepio da lei.

‘El País’: A esquerda brasileira está perdendo os novos pobres

Artigo de Juan Arias diz que grande massa começa a se refugiar na extrema direita.

Juan Arias comenta em seu artigo que no espaço de alguns dias, vários intelectuais se manifestaram em concordância com tal análise.

Em texto para El País, Víctor Lapuente, doutor em Ciências Políticas da Universidade de Oxford alertou sobre o risco de que a esquerda contemporânea “deixe de ser vista como representante da sociedade em seu conjunto”.

E nesse conjunto da sociedade vivem, por exemplo, a grande massa dos trabalhadores desqualificados, os últimos na escala da pirâmide social e os milhões que procuram trabalho. Todos eles esquecidos pelos grandes sindicatos.

O editorial de Arias destaca que o problema da esquerda brasileira, começando pelo PT, que constituía sua espinha dorsal, é, de fato, que acabou se aristocratizando, transformando-se no refúgio da classe média alta, dos artistas e intelectuais.

Os sindicatos se burocratizaram e se comprometeram mais com as categorias ricas, como os banqueiros, do que com o exército dos milhões de trabalhadores marginalizados.

Deixaram para trás valores como os do mérito e a economia, cuja bandeira hoje é empunhada pela direita.

Conheça Verónika Mendoza, a candidata da esquerda que defende o fim do ciclo neoliberal no Peru

Entre as propostas defendidas pela candidata franco-peruana para o país estão mudar a Constituição neoliberal de 1993 e implementar reformas econômicas e sociais de caráter progressista, com maior presença do Estado na economia.

Agência Efe
Entre as propostas defendidas pela candidata franco-peruana para o país estão mudar a Constituição neoliberal de 1993 e implementar reformas econômicas e sociais de caráter progressista, com maior presença do Estado na economia

Se cumprir o objetivo de ganhar a disputa pela Presidência do Peru, Verónika Mendoza será a chefe de Estado mais jovem da história do país, recorde mantido atualmente por um de seus rivais, o neoliberal Alan García, que chegou ao cargo em 1985, quando ela tinha cinco anos.

Verónika fez uma campanha de poucos recursos e surpreendeu ao vencer as prévias da Frente Ampla

Entre as propostas defendidas por ela para o Peru estão mudar a Constituição neoliberal de 1993 e implementar reformas econômicas e sociais de caráter progressista, com maior presença do Estado na economia, poder de decisão sobre a exploração dos recursos naturais, luta contra a corrupção e maior participação cidadã na política.

Leia também sobre as eleições no Peru:

Ollanta Humala traiu projeto nacionalista, diz candidata de esquerda à Presidência do Peru
Verónika Mendoza, da Frente Ampla, é a candidata em ascensão na disputa presidencial peruana
A arremetida de Verónika Mendoza
Entrevista: Candidata da esquerda à presidência do Peru é alvo de guerra suja dos meios de comunicação, diz deputado
Duas mulheres disputam as eleições no Peru
Feridas da ditadura Fujimori voltam a sangrar no Peru
O Peru na reta final das eleições

Nascida na cidade de Cusco — histórica capital do império Inca —, filha de mãe francesa, Gabrielle Frisch, e pai peruano, Marcelino Mendoza, tem ambas as nacionalidades.

Estudou Psicologia, Educação e Antropologia na França e, como escreveu em uma autobiografia de 2011, a permanência em Paris “não só contribuiu com minha formação acadêmica, mas também e principalmente com a minha consciência política”. Surpreendentemente, foi no país europeu que Mendoza aprendeu a falar quéchua.

Peru: A um mês da eleição presidencial, Justiça impugna 2 candidatos; Fujimori é beneficiada

Para ativistas, leis antiterrorismo criadas por pressão internacional criminalizam movimentos sociais na América Latina

Justiça decide pela manutenção de Keiko Fujimori nas eleições presidenciais do Peru

“A vida política dinâmica e associativa francesa me enriqueceu muito e assim compreendi que sem lutas não há vitórias, que o bem-estar social nunca é um presente das elites, mas uma conquista do povo organizado”, escreveu em sua autobiografia.
“Apropriei-me da história política de meus pais: meu pai foi militante da Esquerda Unida e fundador do SUTEP (sindicato dos professores); minha mãe foi militante do Partido Socialista Unificado Francês e partícipe da revolução cultural, social e política de Maio de 1968”, contou.

Em 2004, se integrou na França a um núcleo de peruanos em apoio ao nascente Partido Nacionalista, do hoje presidente Ollanta Humala, no qual desempenhou diversas funções no âmbito das relações internacionais. Em 2011 foi eleita parlamentar, representando Cusco.

Agência Efe

Apoiadores de Verónika no encerramento de campanha realizado na última quinta-feira (07/04) em Lima

Entretanto, em junho de 2012 renunciou ao Partido Nacionalista por divergências políticas, devido à repressão de um protesto ambientalista dos moradores da província cusquenha de Espinar. Ela se integrou à bancada da coalizão parlamentar Frente Ampla-Ação Popular, que faz oposição a Humala.

Já em 2015, formou o grupo Sembrar, que a promoveu na eleição interna para a candidatura da Frente Ampla à presidência, ganhando de forma inesperada, pois o favorito era o ex-sacerdote Arana.

Com uma campanha modesta, percorreu o país e recebeu, no trecho final da disputa, um apoio crescente. Segundo dados do Instituto Datum divulgados em 2 de abril, oito dias antes das eleições, Verónika tem 14,8% das intenções de voto e está tecnicamente empatada com Pedro Pablo Kuczynski (do “Peruanos por el Kambio”), com chances reais de disputar o segundo turno com Keiko Fujimori — filha do ex-ditador Alberto Fujimori —, que lidera as pesquisas com 36,1% de preferência dos eleitores.

 

Texto publicado originalmente pela Prensa Latina

América Latina vive o fim da era dourada da esquerda no poder

Maduro conversa com Morales e Correa, em uma reunião na Bolívia.
Maduro conversa com Morales e Correa, em uma reunião na Bolívia.
Fot: Jorge Abrego/efe

Depois de anos de grande crescimento e inclusão social, a crise econômica e uma sociedade latino-americana nova, com gerações exigentes que demandam mais e melhor democracia e não toleram a corrupção nem o poder absoluto, estão derrubando um a um quase todos os Governos da região.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

A Argentina viveu o início do eixo bolivariano, com a reunião de Mar del Plata de 2005, que marcou uma década de afastamento dos EUA e de políticas contrárias à ortodoxia econômica. O país austral também marcou o final, com a derrota do kirchnerismo em novembro passado, depois de 12 anos no poder. Só três semanas depois foi a vez das eleições na Venezuela, que representaram o princípio do fim do chavismo no poder com a conquista de dois terços do Parlamento pela oposição.

Agora a Bolívia também diz não à continuidade de Morales depois de 2019. O presidente equatoriano, Rafael Correa, também com problemas, anunciou que não tentará a reeleição em 2017.  E em poucas semanas, em abril, o Peru deve concluir o ciclo com a saída de cena de Ollanta Humala e o provável regresso de um Fujimori ao poder.

O Brasil, por outro lado, vive uma crise política econômica e política permanente, e o Partido dos Trabalhadores, que governa o país há quase 13 anos, corre sérios riscos de não fazer um sucessor para a presidenta Dilma Rousseff em 2018, quando o ex-presidente Lula, que governou o país de 2003 a 2010, poderia se candidatar novamente. Mas, denúncias de corrupção ininterruptas na mídia que atingem o próprio Lula e outros membros do partido, além de uma recessão que já entra no seu segundo ano, reduzem as chances de que esse intento seja bem-sucedido.

Algo parece evidente: na América Latina há correntes de fundo. Nos anos noventa triunfou o liberalismo. O início do século XXI chegou com um forte grito anti-neoliberal. Agora há uma guinada à direita? Ninguém parece corroborar com essa tese.

Os dados indicam, na verdade, que os cidadãos latino-americanos, sobretudo as novas gerações, depois de conseguir uma maior inclusão social e um aumento da classe média, querem mais, e se tornaram muito críticos com o poder. Reconhecem as conquistas de seus Governos mas não se conformam.

Morales, por exemplo, tem boa avaliação, poderia ganhar as eleições, mas quando esta semana perguntou-se se a população lhe permitiria mais uma reeleição, a ideia foi rechaçada com 51,3%. Querem mudança. Na Argentina, aconteceu algo parecido. Cristina Fernández de Kirchner tinha uma alta avaliação, mas, quando quis mudar a Constituição para poder continuar, perdeu em 2013 as eleições intermediárias, propostas quase como um plebiscito.

Os dados indicam, na verdade, que os cidadãos latino-americanos, sobretudo as novas gerações, depois de conseguir uma maior inclusão social e um aumento da classe média, querem mais, e se tornaram muito críticos com o poder.

Contra a corrupção

Em todos os países há uma linha comum: os protestos exigem maior transparência, luta contra a corrupção e uma troca geracional. A Bolívia foi o país com maior crescimento econômico do eixo bolivariano. No entanto, como aconteceu a seus correligionários, diante do enfrentamento da economia e do surgimento de casos de corrupção, optou por defender-se recorrendo a um discurso do qual os cidadãos parecem já cansados: uma conspiração orquestrada pelos EUA.

O fim da década dourada das matérias-primas também tem muito a ver com esta mudança de ciclo. As economias latino-americanas cresceram, entre 2003 e 2012, acima de 4%, segundo dados da CEPAL. Desde os anos sessenta, a região não registrou um período tão intenso. No entanto, as previsões do Fundo Monetário Internacional destacam que a economia latino-americana acabará 2016 com uma recessão do 0,3%.

A queda das matérias-primas é a principal causa. Entre 2011 e 2015, a queda dos preços dos metais e da energia (petróleo, gás e carvão) foi de quase 50%, segundo a CEPAL. Só em 2015, os produtos energéticos caíram 24%.

Estes anos de bonança e Governos de esquerda mudaram muitas coisas no continente. Durante a década de ouro, entre 2002 e 2012, os níveis de pobreza caíram de 44% para 29%, enquanto que os de pobreza extrema diminuíram de 19,5% para 11,5%, com um aumento considerável das classes médias.

Também houve um aumento notável do gasto público. E isso implicou em inclusão social. Uma amostra: entre 1999 e 2011, segundo a Unesco, o nível de escolarização inicial passou de 55% a 75%. No entanto, os cidadãos não se conformam. Querem mais e melhor. E tudo indica que quase nenhum Governo ficará em pé diante desta onda.
El País