Um ano sem Humberto Eco

Diversas homenagens lembram 1 ano da morte de Umberto Eco. Escritor italiano faleceu no dia 19 de fevereiro de 2016

A morte de um dos maiores escritores italianos, Umberto Eco, completará 1 ano hoje,19.

No entanto, o criador da obra “O nome da Rosa” ainda continua muito presente na Itália.

Eco faleceu no dia 19 de fevereiro do ano passado em sua própria residência em Milão. Em celebração ao aniversário de sua morte, diversas homenagens estão sendo realizadas no país. A emissora de TV “Rai” vai exibir um documentário sobre o intelectual, que contará com a participação do jornalista e historiador italiano Paolo Mieli.

Nas livrarias, várias obras novas estão sendo lançados sobre o escritor italiano, inclusive seu último livro “Pape Satan Aleppe”, publicado pela editora “I Delfini”. Além disso, personalidades estão relembrando os bons momentos que compartilharam com Eco.

O editor Mario Andreose conta sua longa relação – mais de 35 anos de amizade – que manteve com Eco. “Sua severidade e rigor tinham a capacidade de quebrar barreiras e explorar coisas novas”.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

“Umberto havia compreendido que estava chegando a multimidialidade através das telas. Ele foi o primeiro a perceber”, afirmou Danco Siger, especialista em meios de comunicação e criador, junto com Eco, do Festival da Comunicação e da Enciclomedia, uma enciclopédia multimídia.

Tulio Pericoli, artista e cartunista italiano, durante anos desenhou o rosto de Eco. “Em uma ocasião, Eco me enviou uma carta comentando sobre um desenho que eu havia feito sobre ele”, disse.

“No texto, Eco me agradeceu pelo retrato e contou que jamais havia poderia fazer algo tão semelhante com sua escrita. O máximo que poderia fazer era ter um valor de antiguidade, mas somente depois de alguns séculos, depois do Apocalipse”, ressaltou Pericoli.

Já Paolo Fabbri, semiólogo e um dos grandes amigos de Eco, lembrou que o italiano “escreveu romances e muitos termos de enciclopédia sobre conceitos que são fundamentais. Ele era capaz de qualquer coisa”, ressaltou.

Eco nasceu em Alessandria, no Piemonte, em 5 de janeiro de 1932, e entre os seus maiores sucessos literários estão “O nome da rosa”, de 1980, e “O pêndulo de Foucault”, de 1988.

Sua última obra, “Número zero”, foi publicada no ano passado e fala sobre a redação imaginária de um jornal, com fortes referências à história política, jornalística e judiciária da Itália.

Antes de morrer, Eco recebeu o título de doutor honoris causa em comunicação e cultura na Universidade de Turim. Ele havia feito duras críticas às redes sociais, dizendo que elas deram o direito à palavra a uma “legião de imbecis”.

Crônicas da modernidade – O país está perdido – 04/12/2015

Eça de Queiroz¹

O país está perdido
Estamos perdidos há muito tempo…
O país perdeu a inteligência e a consciência moral.
Os costumes estão dissolvidos, as consciências em debandada.
Os caracteres corrompidos.
A prática da vida tem por única direção a conveniência.
Não há principio que não seja desmentido.


Não há instituição que não seja escarnecida.
Ninguém se respeita.
Não há nenhuma solidariedade entre os cidadãos.
Ninguém crê na honestidade dos homens públicos.


Alguns agiotas felizes exploram.
A classe média abate-se progressivamente na imbecilidade e na inércia.
O povo está na miséria.
Os serviços públicos são abandonados a uma rotina dormente.
O Estado é considerado na sua ação fiscal como um ladrão e tratado como um inimigo.
A certeza deste rebaixamento invadiu todas as consciências.
Diz-se por toda parte, o país está perdido!

Eça de Queiroz
José Maria Eça de Queirós
* Póvoa de Varzim, Portugal – 25 Novembro 1845 d.C
+ Paris, França – 16 Agosto 1900 d.C


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Gilberto Freire – Versos na tarde

As mangueiras
Gilberto Freire¹
As mangueiras
o telhado velho
o pátio branco
as sombras da tarde cansada
até o fantasma da judia rica
tudo esta à espera do romance começado

um dia sobre os tijolos soltos
a cadeira de balanço será o principal ruído
as mangueiras
o telhado
o pátio
as sombras
o fantasma da moça
tudo ouvirá em silêncio o ruído pequeno.

¹Gilberto Freire
* Recife, PE. – 15 de Março de 1900 d.C
+ Recife, PE. – 18 de Julho de 1987 d.C

Biografia de Gilberto Freire

Ariano Suassuna – Escritor – Biografia

Retrato de Ariano Suassuna - Biografia - Escritor

Ariano Vilar Suassuna
* João Pessoa, PB. – 16 de Junho de 1927 d.C
Dramaturgo, romancista e poeta brasileiro

Ariano Suassuna é um dos mais importantes dramaturgos brasileiros, autor dos célebres Auto da Compadecida e “A Pedra do Reino”, é um defensor militante da cultura brasileira.

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]Ariano nasceu em João Pessoa, na capital da Paraíba (Parahyba em ortografia arcaica), num dia de Corpus Christi, o que acabou por ocasionar a parada de uma procissão que ocorrera no dia de seu nascimento na frente do palácio do governo do estado. Ariano viveu os primeiros anos de sua vida no Sítio Acauã, no sertão do estado da Paraíba.

Aos três anos de idade (1930), Ariano passou por um dos momentos mais complicados de sua vida com o assassinato de seu pai, João Suassuna (1886-1930), no Rio de Janeiro, por motivos políticos, durante a Revolução de 1930, o que obrigou sua mãe, Rita de Cássia Vilar, a levar toda a família a morar na cidade de Taperoá, no Cariri paraibano.

Ainda em Taperoá, Ariano teve conhecimento da morte do seu pai, que ocorreu dentro da cadeia de eventos que sucederam e estavam ligados à morte de João Pessoa Cavalcanti de Albuquerque, e, como produto destes acontecimentos, sua família precisou fazer várias peregrinações para diferentes cidades, a fim de fugir das represálias dos grupos políticos opositores ao seu falecido pai.

De 1933 a 1937, Ariano residiu em Taperoá, onde “fez seus primeiros estudos e assistiu pela primeira vez a uma peça de mamulengos e a um desafio de viola, cujo caráter de “improvisação” seria uma das marcas registradas também da sua produção teatral.”

Em 2008, Suassuna foi o personagem escolhido pela escola de samba Mancha Verde em seu carnaval com o tema “És Imortal. Ariano Suassuna. Sua vida, sua obra, patrimônio cultural.”. Ele desfilou junto com sua esposa (Zélia) em um dos carros da escola.

Estudos

Em 1942, ainda criança, Ariano Suassuna muda-se para cidade de Recife, no vizinho estado de Pernambuco, onde passou a residir definitivamente. Estudou o antigo ensino ginasial no renomado Colégio Americano Batista, e o antigo colégial (ensino médio), no tradicionalíssimo Ginásio Pernambucano e, posteriormente, no Colégio Oswaldo Cruz. Posteriormente, Ariano Suassuna concluiu seu estudo superior em Direito (1950), na célebre Faculdade de Direito do Recife, e em Filosofia (1964.)

De formação calvinista e posteriormente agnóstico, converteu-se ao catolicismo, o que viria a marcar definitivamente a sua obra.

Ariano Suassuna estreou seus dons literários precocemente no dia 7 de outubro de 1945, quando o seu poema Noturno foi publicado em destaque no Jornal do Commercio do Recife.

Advocacia e teatro

Na Faculdade de Direito do Recife, conheceu Hermilo Borba Filho, com quem fundou o Teatro do Estudante de Pernambuco. Em 1947, escreveu sua primeira peça, Uma mulher vestida de Sol. Em 1948, sua peça Cantam as harpas de Sião (ou O desertor de Princesa) foi montada pelo Teatro do Estudante de Pernambuco. Seguiram-se Auto de João da Cruz, de 1950, que recebeu o Prêmio Martins Pena, o aclamado Auto da Compadecida, de 1955, O Santo e a Porca – O Casamento Suspeitoso, de 1957, A Pena e a Lei, de 1959, A Farsa da Boa Preguiça, de 1960, e A Caseira e a Catarina, de 1961.

Entre 1951 e 1952, volta a Taperoá, para curar-se de uma doença pulmonar. Lá escreveu e montou Torturas de um coração. Em seguida, retorna a Recife, onde, até 1956, dedica-se à advocacia e ao teatro.

Em 1955, Auto da Compadecida o projetou em todo o país. Em 1962, o crítico teatral Sábato Magaldi diria que a peça é “o texto mais popular do moderno teatro brasileiro”. Sua obra mais conhecida, já foi montada exaustivamente por grupos de todo o país, além de ter sido adaptada para a televisão e para o cinema.

Em 1956, afasta-se da advocacia e se torna professor de Estética da Universidade Federal de Pernambuco, onde se aposentaria em 1994. Em 1976, defende sua tese de livre-docência, intitulada “A Onça castanha e a Ilha Brasil: uma reflexão sobre a cultura brasileira”.

Ariano acredita que: “Você pode escrever sem erros ortográficos, mas ainda escrevendo com uma linguagem coloquial.”

Movimento Armorial

Ariano foi o idealizador do Movimento Armorial, que tem como objetivo criar uma arte erudita a partir de elementos da cultura popular do Nordeste Brasileiro. Tal movimento procura orientar para esse fim todas as formas de expressões artísticas: música, dança, literatura, artes plásticas, teatro, cinema, arquitetura, entre outras expressões.

Obras de Ariano Suassuna já foram traduzidas para inglês, francês, espanhol, alemão, holandês, italiano e polonês.

Em 1993, foi eleito para a cadeira 18 da Academia Pernambucana de Letras, cujo patrono é o escritor Afonso Olindense.

Academia Brasileira de Letras

Desde 1990, Ariano ocupa a cadeira número 32 da Academia Brasileira de Letras, cujo patrono é Manuel José de Araújo Porto Alegre, o Barão de Santo Ângelo, (1806-1879).

Academia Paraibana de Letras

Assumiu a cadeira número 35 na Academia Paraibana de Letras em 09 de outubro de 2000, cujo patrono é Raul Campêlo Machado. Sendo recepcionado pelo acadêmico Joacil de Brito Pereira.

Teatro

Uma mulher vestida de Sol, (1947);

Cantam as harpas de Sião ou O desertor de Princesa, (1948);

Os homens de barro, (1949);

Auto de João da Cruz, (1950);

Torturas de um coração, (1951);

O arco desolado, (1952);

O castigo da soberba, (1953);

O Rico Avarento, (1954)

Auto da Compadecida, (1955);

O casamento suspeitoso, (1957);

O santo e a porca, (1957);

O homem da vaca e o poder da fortuna, (1958);

A pena e a lei, (1959);

Farsa da boa preguiça, (1960);

A caseira e a Catarina, (1962);

As conchambranças de Quaderna, (1987);

Fernando e Isaura, (1956)”inédito ate 1994″;

Romance

A História de amor de Fernando e Isaura, (1956)

O Romance d’A Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta, (1971).

História d’O Rei Degolado nas caatingas do sertão/Ao sol da Onça Caetana, (1976).

Poesia

O pasto incendiado, (1945-1970)

Ode, (1955)

Sonetos com mote alheio, (1980)

Sonetos de Albano Cervonegro, (1985)

Poemas (antologia), (1999)

Artur da Távola – Jornalista – Biografia

Retrado do jornalista, poeta e escritor Artur da Távola

Paulo Alberto Monteiro de Barros
* Rio de Janeiro, RJ. – 03 de Janeiro de 1936 d.C
+ Rio de Janeiro, RJ. – 09 de Maio de 2008 d.C

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]

Artur da Távola, pseudônimo de Paulo Alberto Monteiro de Barros, político, escritor, poeta e jornalista brasileiro.

Iniciou sua vida política em 1960, no PTN, pelo estado da Guanabara. Dois anos depois, ele se elegeu deputado constituinte pelo PTB. Cassado pela ditadura militar, viveu na Bolívia e no Chile entre 1964 e 1968. Tornou-se um dos fundadores do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) e líder da bancada tucana na assembléia constituinte de 1988, ano em que concorreu, sem sucesso, à prefeitura do Rio de Janeiro, sendo posteriormente presidente do PSDB entre 1995 e 1997. Exerceu mandatos de deputado federal de 1987 a 1995 e senador de 1995 até 2003.

Como jornalista, atuou como redator e editor em diversas revistas, notavelmente na Bloch Editores e foi colunista dos jornais O Globo e O Dia, sendo também diretor da Rádio Roquette Pinto. Tornou-se especialmente notável por apresentar o programa “Quem tem medo de música clássica?”, na TV Senado.

Foi redator e editor em diversas revistas, notavelmente na Bloch Editores.
Exerceu mandatos de deputado federal e senador, até 2003.
Desde os tempos no Senado Federal, apresenta, na TV Senado, o programa “Quem tem medo de música clássica?”.
Concorreu à Prefeitura da cidade do Rio, em 1988, mas não foi eleito.
Atualmente, era reitor de uma universidade particular carioca e escrevia uma coluna para o jornal carioca O Dia.

Gabriel Garcia Marques – Escritor – Biografia

Retrato de Gabriel Garcia Marques

Gabriel José Garcia Marques
* Aracataca, Colômbia – 06 Março 1928 d.C
Prêmio Nobel de Literatura 1982

Gabriel José Garcia Márquez, a quem os amigos chamam de Gabo, nasceu às 9 horas da manhã do dia 6 de março de 1928 na aldeia de Aracataca na Colômbia, não muito distante de Barranquilla.

Seu pai, homem de onze filhos, tinha uma pequena farmácia homeopática, e seu avô materno era um veterano da Guerra dos Mil Dias, cujas histórias encantavam o menino. Costumavam levar o neto ao circo; às vezes se detinha na rua, como se sentisse uma pontada, e com um sussurro, inclinando-se para ele, dizia: “Ay, no sabes cuánto pesa um muerto!” – referindo-se a um homem que matara. Gabo tinha 8 anos quando esse avô morreu: “desde então não me aconteceu nada de interessante.”

A família deixou então Aracataca (a macondo de seus livros) devido à crise da plantação bananeira, e Gabriel estudou em Barranquilla e no Liceu Nacional de Zipaquirá. Iniciou o curso de Direito em Bogotá entre 1947 e 1948, e nessa época publicou seu primeiro conto. Trabalhou como jornalista em Cartagena, Barranquilla e depois em El Espectador de Bogotá, onde fez grandes reportagens e críticas de cinema.

Em 1955 ganhou um concurso nacional de contos e foi enviado especial do jornal à Conferência dos Quatro Grandes, em Genebra; estudou no Centro Experimental de Cinema de Roma e fez uma viagem de três meses aos paises socialistas, radicando-se depois em Paris.

Em 1956 voltou à Colômbia para casar-se com Mercedes Barcha: tem dois filhos: Rodrigo e Gonzalo. Mais tarde trabalhou como jornalista em Caracas e em 1960 foi para New York como representante da Prensa Latina, agência cubana, nas Nações Unidas, indo em seguida para o México, onde viveu seis anos escrevendo roteiros para cinema.

Como influências que considera importante, Garcia Márquez indica as seguintes: Virgínia Woolf, Faulkner, Kafka e Hemingway, do ponto de vista técnico. Do ponto de vista literário, As Mil e Uma Noites, que foi o primeiro livro que leu aos 7 anos, Sófocles e seus avós maternos.