Eleições – Em São Paulo, DEM “demoniza” Alckmin

As eleições municipais na paulicéia desvairada, vai engrossando os ânimos. A garoa da divergência vai se transformando em tempestade, trazidas pelas nuvens desesperançadas do DEM – continuo achando que o nome deste partido é uma gozação à democracia.

Pobre DEM.

Do blog Coturno Noturno

Na briga entre Serra, Alckmin, Kassab e só Deus sabe mais quem, a maior indignidade, que demonstra um sério problema de caráter de quem afirma, veio de Rodrigo Maia, presidente do Democratas: “O eleitor não espera uma atitude tão agressiva de um homem de Deus, que dizem ser ligado à Opus Dei“.

Sai da briga política para usar uma mentira petralha, cantada e decantada na eleição presidencial de 2006, para atingir o lado pessoal de um ex-futuro aliado. É por isso que, após encher muita gente de esperança pela sua renovação, o DEM vai encolhendo Brasil à fora. A nova safra é decepcionante.

E para que não pensem que afirmar que o jovem filho do velho César Maia decepciona como dirigente partidário é uma injustiça, leiam a declaração do senador Jorge Bornhausen, presidente que o antecedeu: “É deplorável o comportamento do Geraldo. Nós o apoiamos com lealdade em 2002 e 2006. Primeiro, ele constrangeu seu partido, impedindo a coligação natural com o DEM. Agora, ataca injustamente o Kassab e, direta e imerecidamente, o governador Serra.” Isto sim, é uma declaração dura, mas honrada. Uma declaração política.