O fascismo por ele mesmo: Benito Mussolini

Em entrevista concedida em 1932, questionado sobre se um ditador poderia ser amado, Mussolini disse: ‘Pode. Desde que as massas também o temam. O povo adora homens fortes. O povo é como uma mulher.’

Benito Mussolini (1883-1945), o ditador italiano, nasceu na província de Romagna. Cedo, tornou-se jornalista e responsável por uma publicação socialista, o Avanti. Depois de servir na Primeira Guerra Mundial, fundou um semanário de direita, o Popolo d’Italia, e passou a dirigir o agrupamento dos Fascisti. Em 1921, foi eleito para o Parlamento e fundou o Partido Nacional Fascista. No ano seguinte, liderou os chamados camisas-negras na grande Marcha sobre Roma, que levou o rei Vittorio Emmanuel III a convidá-lo para formar o governo italiano. Em 1928, “II Duce”, como era conhecido, aboliu o Parlamento e, em 1929, decretou o Vaticano um Estado independente da Itália.

Em 1940, a Itália do Duce alinhou-se à Alemanha nazista na Segunda Guerra Mundial. Teria início aí sua decadência política. As tropas italianas foram derrotadas na Grécia e no norte da África. Sua popularidade despencava à medida que perdia as batalhas. O rei o depôs e mandou aprisioná-lo. Liberado pelos alemães, Mussolini foi capturado pelos partisans, morto a tiros e exposto em praça pública nas cidades de Como e Milão.

Emil Ludwig (1881-1948), biógrafo e jornalista alemão, era filho de Hermann Cohn, professor de oftalmologia. Formado em direito pela Universidade de Heildelberg, depois da Primeira Guerra tornou-se representante de diversos periódicos dos países aliados à República de Weimar.

A entrevista “teve lugar no Palazzo di Venezia, em Roma, entre 23 de março e 4 de abril de 1932, com encontros diários de quase uma hora”. Os dois homens falaram em italiano. Ludwig traduziu a conversa para o alemão e Mussolini checou os originais nessa língua. “Não havia secretário dele na sala tomando notas, ele não pediu revisão dos originais. Tratava-se apenas de uma questão de confiança mútua”, disse o jornalista.

Alguém havia me presenteado com a édition de luxe de Maquiavel, que a organização editorial do Estado fascista dedicou, com excesso de lisonjas, ao Duce. Mesmo assim, é sem dúvida melhor que um governo ditatorial reconheça as próprias dívidas para com o instrutor dos ditadores do que agir secretamente de acordo com suas teorias, utilizando, entretanto, o termo maquiavélico como abusivo. Quando Frederico, o Grande, ainda era príncipe, escreveu o moralizante O anti-Maquiavel. Mais tarde, ele se tornou mais direto, governando abertamente de acordo com os princípios de Maquiavel.

“O senhor se familiarizou desde cedo com O Príncipe de Maquiavel?”, perguntei a Mussolini. “Meu pai costumava ler o livro em voz alta à noite, enquanto nos aquecíamos perto do fogo da ferraria e bebíamos o vin ordinaire produzido no nosso próprio vinhedo. O livro me impressionou muito. Quando, aos 40 anos, li Maquiavel outra vez, o efeito foi reforçado.”

“É estranho”, eu disse, “como um homem como Maquiavel teve seu trabalho reconhecido em uma certa época, depois foi esquecido e agora é ressuscitado. Parece existir uma variação periódica.”

“O que o senhor disse é, com toda certeza, verdadeiro em se tratando de nações. Elas têm primaveras e invernos. Com o tempo, elas passam.”

“Como as estações na vida nacional se repetem, nunca fiquei muito alarmado com o inverno que domina a Alemanha no momento”, eu disse. “Há mais de cem anos, quando a Alemanha passou por maus momentos, Goethe ridicularizou aqueles que falaram da nossa decadência. O senhor já estudou qualquer um dos personagens importantes da nossa vida política?”

“Bismarck”, respondeu de imediato. “Do ponto de vista dos acontecimentos políticos, ele foi o homem mais importante do seu século. Nunca pensei nele meramente como a figura cômica com três fios de cabelos na cabeça e passos pesados. O livro escrito pelo senhor confirmou a minha impressão do quanto ele era versátil e complexo. Na Alemanha, as pessoas estão bem informadas sobre Cavour?”

“Não muito”, respondi. “Elas sabem muito mais sobre Mazzini. Há pouco tempo, li uma carta de Mazzini para Carlo Alberto, escrita, acho eu, em 1831 ou 1832; a súplica de um poeta a um príncipe. O senhor concorda com o fato de Carlo Alberto ter dado ordens para a prisão de Mazzini caso este cruzasse a fronteira?”

“A carta”, disse Mussolini, “é um dos documentos mais esplêndidos já escritos. A personalidade de Carlo Alberto ainda não se tornou muito clara para nós italianos. Seu diário foi publicado há pouco tempo e é bastante esclarecedor sobre a sua psicologia. É claro que, no início, ele inclinou-se para o lado dos liberais. Quando em 1832 – não, em 1833 –, o governo sardo sentenciou Mazzini à morte in contumaciam, tal fato ocorreu em uma situação política peculiar.”

A resposta pareceu-me tão cautelosa que, na minha determinação persistente, mas inconfessa, de comparar o presente ao passado, achei necessário falar com maior clareza.

“Naqueles dias, A Jovem Itália era publicado ilegalmente. O senhor não acha que esses periódicos surgem sob qualquer censura? O senhor teria prendido Mazzini?”

“Claro que não”, respondeu. “Se um homem tem ideias, que venha a mim e nós vamos discuti-las. Mas, quando Mazzini escreveu aquela carta, ele estava mais tomado pelos sentimentos do que pela razão. Naquela época, o Piemonte tinha apenas quatro milhões de habitantes e era impossível que formasse uma frente contra a poderosa Áustria com seus trinta milhões.”

“Bem, Mazzini foi preso”, recomecei. “Logo depois, Garibaldi foi sentenciado à morte. Duas gerações depois, o senhor foi preso. Não deveríamos concluir que um governante deve pensar duas vezes antes de punir seus adversários políticos?”

“O senhor quer dizer que nós não pensamos duas vezes aqui na Itália?”, perguntou com certa veemência.

“O senhor reintroduziu a pena de morte.”

“Há pena de morte em todos os países civilizados; na Alemanha, assim como na França e na Inglaterra.”

“Ainda assim, foi na Itália”, insisti, “na mente de Beccaria, que a ideia da abolição da pena de morte surgiu. Por que o senhor a reviveu?”

“Porque li Beccaria”, respondeu Mussolini sem ironia. Continuou com a maior seriedade: “O que Beccaria escreveu é o oposto do que a maioria das pessoas acredita. Além disso, depois que a pena de morte foi abolida na Itália, houve um terrível aumento no número de crimes graves. Se comparado à Inglaterra, o total na Itália era de cinco para um. Nesse assunto, leve em consideração apenas a questão social. Não foi Santo Tomás que disse que seria melhor decepar um braço gangrenado para que o resto do corpo pudesse ser salvo?

De qualquer forma, procedo com a maior cautela. Apenas os casos de assassinato excepcionalmente brutal e confesso são punidos com a pena de morte. Há pouco tempo, dois malandros violentaram e assassinaram um jovem. Os dois foram condenados à morte. Acompanhei o julgamento com muita atenção. No último momento, a dúvida tornou-se persistente. Um dos acusados era um criminoso comum que havia confessado seu crime; o outro, um homem bem mais jovem, havia se declarado inocente, e não havia nenhuma acusação anterior contra ele. Seis horas antes da execução, suspendi a sentença do mais novo.”

“O senhor poderia colocar esse fato no capítulo Vantagens de uma ditadura”, disse. A resposta dele foi rápida e feita em tom de zombaria:

“A alternativa é uma máquina estatal que funcione sem que ninguém tenha o poder de pará-la.”

“O senhor gostaria de abandonar esse assunto controvertido e falar sobre Napoleão?”

“Continue.”

“Apesar da nossa conversa anterior, não sei se o senhor o considera um modelo ou um aviso.”

Ele reclinou-se na cadeira sombrio e disse em tom comedido:

“Um aviso. Nunca tive em Napoleão um exemplo, já que não posso ser comparado a ele em nenhum aspecto. As atividades dele diferiam muito das minhas. Ele acabou com uma revolução enquanto eu comecei uma. A história da vida de Napoleão me fez perceber erros que não são fáceis de evitar.” Mussolini enumerou-os com os dedos: “O nepotismo. Uma disputa com o papado. A falta de compreensão da vida financeira e econômica. Ele não via nada além do aumento dos títulos públicos após as suas vitórias.”

“O que determinou o seu fracasso? Os especialistas dizem que ele naufragou ao chocar-se contra os ingleses.”

“Isso é bobagem”, respondeu Mussolini. “Napoleão fracassou, como o senhor mesmo disse, por causa das contradições da sua personalidade. No final, isso é o que leva um homem à ruína. Ele queria usar a coroa imperial! Queria fundar uma dinastia! Como primeiro-cônsul, estava no auge da própria grandeza. O declínio teve início com o estabelecimento do império. Beethoven estava certo quando retirou a dedicatória da Eroica. Foi o uso da coroa que envolveu o corso em contínuas guerras. Compare-o a Cromwell. Este teve uma ideia esplêndida: poder supremo sobre o Estado sem guerra!”

Tinha levado Mussolini a um tema de importância extraordinária. “Pode então haver imperialismo sem império?”

“Há meia dúzia de tipos diferentes de império. Não há necessidade dos brasões do império. Na verdade, eles são perigosos. Quanto mais vasto for o império, mais ele perderá sua energia orgânica. Apesar de tudo, a tendência ao imperialismo é uma das inclinações básicas da natureza humana, uma expressão do desejo de poder. Hoje, vemos o imperialismo do dólar. Há também o imperialismo religioso e o artístico. De qualquer forma, eles são indícios da energia vital humana. Enquanto um homem viver, ele será um imperialista. Quando morrer, o imperialismo estará terminado para ele.”

Nesse momento, Mussolini pareceu extraordinariamente napoleônico, lembrando-me a gravura de Lefèvre de 1815. Então a tensão de seus traços foi relaxada e, em tom mais tranquilo, ele continuou: “É claro que todo império tem seu apogeu. Como ele é sempre a criação de um homem excepcional, carrega dentro de si a semente da própria decadência. Como tudo que é excepcional, ele tem elementos efêmeros. Pode durar um ou dois séculos, ou menos de dez anos. O desejo de poder.”

“Ele só pode ser levado adiante por meio da guerra?”, perguntei.

“Não”, respondeu. “Não há dúvidas sobre isso.” Ele se tornou um tanto didático. “Os tronos precisam de guerras para se manter, mas as ditaduras às vezes podem sobreviver sem elas. O poder sobre uma nação é o resultado de inúmeros elementos, e eles não são apenas militares. Ainda assim, devo admitir que, até agora, na opinião geral, a posição de uma nação dependeu da sua força militar. As pessoas consideram a capacidade para a guerra como a síntese de todas as energias nacionais.”

“Até o momento”, interrompi. “Mas e de agora em diante?”

“De agora em diante?”, reiterou com ceticismo. “É verdade que a capacidade para a guerra não é mais um critério seguro de poder. Em relação ao futuro, portanto, existe a necessidade de algum tipo de autoridade internacional. Pelo menos, da unificação de um continente. Agora que a unidade dos Estados foi atingida, será feita uma tentativa de unificação do continente. Mas no que se refere à Europa, isso será muito difícil, já que cada nação tem suas próprias características, costumes, símbolos e língua. Para cada nação, uma certa porcentagem dessas características (digamos, x por cento) permanece imutável, e isso induz à resistência a qualquer tipo de fusão. Nos Estados Unidos, sem dúvida, as coisas são mais fáceis. Há 48 Estados, de mesma língua e história muito breve, que podem manter a união.”

“Mas, com certeza”, interrompi, “cada nação possui y por cento de características que são puramente europeias.”

“Essas características ficam de fora do poder de cada nação. Napoleão queria estabelecer a unidade na Europa. A unificação da Europa era sua principal ambição. Hoje em dia, essa unificação talvez tenha se tornado possível, mas mesmo naquela época, ela só era possível no plano ideal, como Carlos Magno ou Charles V tentaram fazer do oceano Atlântico aos Urais.”

“Ou, talvez, só até o Vístula?” “É, talvez, só até o Vístula.”

“A sua ideia é que essa Europa poderia ficar sob a liderança fascista?”

“O que é liderança?”, objetou. “Aqui na Itália, o nosso fascismo é o que é. Talvez ele tenha alguns elementos que outros países possam adotar.”

“Sempre acho o senhor mais moderado do que a maioria dos fascistas”, eu disse. “O senhor ficaria surpreso se soubesse o que um estrangeiro é obrigado a ouvir em Roma. Talvez tenha ocorrido a mesma coisa no auge da carreira de Napoleão. A propósito, o senhor poderia me explicar por que o imperador nunca se uniu à sua própria capital, Paris, por que se limitou ao noivado, sem com ela contrair casamento?”

Mussolini sorriu e começou a responder em francês:

“Ses manières n’étaient pas très parisiennes. Talvez houvesse uma violenta tensão sobre ele. Além disso, ele tinha muitos adversários. Os jacobinos se colocaram contra ele porque ele esmagou a revolução, aqueles que eram voltados para a religião, por causa de sua disputa com o papado. Só as pessoas comuns gostavam dele. Eles tinham muita comida durante o governo de Napoleão e se impressionam mais com a fama do que aqueles que pertencem às classes educadas. O senhor não deve esquecer que a fama não é uma questão de lógica, mas de sentimento.”

“O senhor fala de Napoleão com simpatia! Parece que o seu respeito por ele não diminuiu durante o seu próprio controle do poder, o que o tornou capaz de compreender a situação dele a partir da experiência pessoal.”

“Pelo contrário, meu respeito por ele aumentou.”

“Quando ainda era um jovem general, ele disse que sempre se sentia tentado a ocupar um trono vazio. O que o senhor acha disso?”

Mussolini arregalou os olhos, como sempre faz quando se torna irônico, mas, ao mesmo tempo, sorriu.

“Desde o tempo em que Napoleão era imperador”, disse, “os tronos se tornaram bem menos tentadores.”

“É verdade”, respondi. “Ninguém quer ser rei hoje em dia. Quando, há algum tempo, disse ao rei Fuad do Egito: ‘Os reis devem ser amados, mas os ditadores, temidos’, ele exclamou: ‘Como eu queria ser um ditador!’ A história tem registros de algum usurpador que tenha sido amado?”

Mussolini, cujas mudanças de expressão sempre são um prenúncio das respostas (a não ser que ele queira esconder seus pensamentos), ficou sério mais uma vez. A expressão de energia constante foi relaxada, o que fez com que ele parecesse mais jovem do que costuma aparentar. Após uma pausa, e mesmo assim com hesitação, ele continuou:

“Talvez Júlio César. O assassinato de César foi uma desgraça para a humanidade”, e acrescentou em voz baixa: “Adoro César. Ele era único na maneira de combinar a força de vontade de um guerreiro com a genialidade de um filósofo. No fundo, ele era um filósofo que via tudo sub specie eternitatis. É verdade que ele tinha paixão pela fama, mas a ambição não o isolou da humanidade.”

“Então, apesar de tudo, um ditador pode ser amado?”

“Pode”, respondeu Mussolini com determinação renovada. “Desde que as massas também o temam. O povo adora homens fortes. O povo é como uma mulher.”

“Nos meus estudos sobre as grandes carreiras”, comecei, “sempre me preocupei em anotar um aspecto em particular do comportamento dos homens que deixaram o círculo em que cresceram: como se comportaram, por um lado, nas relações com os velhos amigos e, por outro, na solidão que a nova posição impôs aos mesmos. É aí que se revela a personalidade, ou parte dela. O que o homem faz em um conflito como esse entre a bondade humana e a autoridade? Não é natural que ele vá de um extremo a outro? Diga o que acontece quando um dos seus camaradas entra nessa sala! Como o senhor muda sem retomar uma das velhas discussões? Uma vez, o senhor escreveu (e essa é uma boa frase): ‘Somos fortes porque não temos amigos’.”

Quando se sentou à minha frente, Mussolini não fez nenhum gesto ou movimento, mas havia algo incomum, quase infantil, na expressão dele que me revelou que o assunto que eu havia abordado causara-lhe profunda agitação. Quando, por fim, ele respondeu, ficou claro que as suas palavras eram mais frias do que os seus sentimentos, e que ele não estava revelando todas as suas emoções e pensamentos.

“Não posso ter amigos. Não tenho amigos. Primeiro, por causa do meu temperamento, segundo, por causa da minha visão dos seres humanos. É por isso que evito tanto a intimidade quanto as discussões. Se um velho amigo me procura, o encontro é constrangedor para ambos e não dura muito. Só à distância acompanho as carreiras dos meus antigos camaradas.”

“O que acontece quando aqueles que foram amigos tornam-se adversários e o caluniam?”, perguntei, relembrando minhas experiências pessoais. “Qual dos seus velhos amigos permaneceu mais fiel ao senhor? Há algum antigo amigo cujo ataque violento ainda constrange o senhor?”

Ele permaneceu imóvel.

“Se aqueles que um dia foram meus amigos tornaram-se inimigos, o que me interessa saber é se são inimigos na vida pública. Se forem, eu os combato. Se não forem, eles não me interessam. Quando alguns antigos colaboradores me atacaram na imprensa, declarando que eu havia me apropriado de dinheiro pertencente a Fiume, isso, é claro, aumentou minha misantropia. Os meus amigos mais fiéis, eu guardo no fundo do coração, mas, em geral, eles mantêm distância. Justamente porque são leais! São pessoas que não buscam lucro ou ascensão e que, apenas em raras ocasiões, me fazem rápidas visitas.”

“O senhor confiaria a sua vida a eles ou a qualquer outro?”, perguntei. “O senhor tornou alguns deles membros do Gran Consiglio?”

“Três, e apenas por três anos”, disse ele secamente.

“Sendo essa a sua posição, sou levado a perguntar quando o senhor sentiu-se mais solitário. Foi na juventude, como no caso de D’Annunzio, quando estava fora em contato direto com os camaradas de partido, ou hoje em dia?”

“Hoje em dia”, respondeu sem um momento de hesitação. “Mas”, continuou após uma pausa, “mesmo no início, ninguém exercia qualquer influência sobre mim. Basicamente, eu sempre fui sozinho. Além disso, agora, embora não esteja preso, sou um prisioneiro de qualquer forma.”

“Como o senhor pode dizer isso?”, perguntei com considerável agitação. “Ninguém no mundo tem menos razões para fazer uma declaração dessas!”

“Por quê?”, perguntou, tendo a atenção concentrada na minha agitação.

“Porque ninguém no mundo pode agir com tanta liberdade quanto o senhor!”, continuei. Ele fez um gesto conciliatório e respondeu:

“Por favor, não pense que eu estou inclinando a lutar contra o meu destino. Ainda assim, até certo ponto, defendo o que acabo de dizer. O contato com assuntos comuns, uma vida espontânea no meio da multidão – para mim, na minha posição, essas coisas são proibidas.”

“O senhor só precisa sair para um passeio!”

“Eu teria que usar uma máscara”, respondeu. “Uma vez, quando, sem máscara seguia pela via Tritone, fui rapidamente cercado por uma multidão de trezentas pessoas, por isso não consegui dar um passo. Mas não acho minha solidão maçante.”

“Se a solidão lhe agrada”, eu disse, “como o senhor pode suportar os vários rostos que tem que ver aqui todo dia?”

“Percebendo apenas o que eles me dizem. Não deixo que entrem em contato com o meu interior. Não me emociono mais com eles do que com esta mesa e os papéis que estão sobre ela. No meio deles, conservo minha solidão intocada.”

“Nesse caso”, eu disse, “o senhor não tem medo de perder o equilíbrio mental? O senhor lembra como César, quando retornava de uma vitória no Fórum, trazia com ele na biga um escravo, cuja função era lembrá-lo continuamente da nulidade de todas as coisas?”

“Claro que lembro. O rapaz tinha de lembrar o imperador do fato de que ele era um homem e não um deus. Mas, hoje em dia, esse tipo de coisa é desnecessário. Da minha parte, de qual- quer maneira, nunca tive nenhuma inclinação para imaginar-me um deus, sempre tive profunda consciência de que sou apenas um mortal, com todas as fraquezas e paixões da mortalidade.”

Ele falou com óbvia emoção e depois continuou em tom mais calmo:

“O senhor está sempre preocupado com o perigo que pode resultar da falta de oposição. Esse perigo seria real se vivêssemos tempos tranquilos. Mas, hoje em dia, a oposição é representada pelos problemas que têm de ser resolvidos, pelos problemas econômicos e morais que sempre pedem uma solução. Isso é o suficiente para não permitir que um governante durma! Além disso, criei uma oposição dentro de mim mesmo!”

“Parece que estou ouvindo Lord Byron”, eu disse.

“Com frequência eu leio tanto Byron quanto Leopardi. E quando me canso dos seres humanos, eu viajo. Se pudesse fazer tudo o que quisesse, eu estaria sempre no mar. Quando isso é impossível, contento-me com os animais. A atividade mental deles se aproxima da humana, e, mesmo assim, eles não querem nada de nós: os cavalos, os cães e o meu favorito, o gato. Ou, então, eu observo os animais selvagens. Eles personificam as forças básicas da natureza!”

Essa confissão me pareceu tão misantrópica que perguntei a Mussolini se ele achava que um governante precisava se inspirar no desprezo pela humanidade e não nos sentimentos generosos.

“Pelo contrário”, disse enfático. “Uma pessoa precisa de 99% de generosidade e apenas 1% de desprezo.”

Partindo dele, a declaração me surpreendeu e, para certificar-me de ter entendido bem, perguntei-lhe mais uma vez: “O senhor realmente acha, então, que os seres humanos merecem mais compreensão do que desprezo?”

Ele olhou-me com sua habitual expressão inescrutável e disse em voz baixa: “Mais compreensão e compaixão, muito mais compaixão.”

Essa declaração lembrou-me que, quando lia os discursos de Mussolini, fui surpreendido várias vezes pelo que parecia ser uma exibição de altruísmo. Por que ele, o condottiere, se referia com tanta insistência aos interesses da comunidade? Fui levado a perguntar-lhe:

“Repetidas vezes, em frases excessivamente graciosas, o senhor declarou que um aperfeiçoamento da sua própria personalidade era a meta da sua vida, dizendo: ‘Quero fazer da minha vida uma obra-prima’, ou ‘Quero tornar minha vida muito eficiente’. Algumas vezes, o senhor citou a máxima de Nietzsche: ‘Viva perigosamente!’ Como pode então um homem de natureza tão orgulhosa escrever: ‘Minha principal meta é a promoção do interesse público’? Não existe, aí, uma contradição?”

Ele ficou impassível.

“Não vejo nenhuma contradição”, respondeu. “É perfeitamente lógico. O interesse da comunidade é um assunto comovente. Estando a serviço dele, enriqueço minha própria vida.”

Fui pego de surpresa e não pude encontrar uma resposta efetiva, mas citei as próprias palavras do ditador: “Sempre tive uma perspectiva altruísta da vida.”

“Sem dúvida”, disse ele. “Ninguém pode isolar-se da humanidade. Aí temos algo de concreto – a humanidade da raça a qual pertenço.”

“A raça latina”, interrompi, “nela incluem-se os franceses.”

“Já declarei, ao longo de uma destas conversas, que não existe uma raça pura! A crença de que ela existe é uma ilusão da mente, um sentimento. Mas essa crença deixa de existir só por ser uma ilusão?”

“Sendo assim”, eu disse, “um homem pode escolher a raça a que deseja pertencer.” “Claro.”

“Bem, escolhi ser mediterrâneo e, nesse ponto, tenho um aliado formidável em Nietzsche.” O nome despertou na mente de Mussolini uma associação e, em alemão ele citou uma das declarações mais orgulhosas de Nietzsche: “Pareço esforçar-me para ser feliz? Eu me esforço no interesse do meu trabalho!”

Chamei a atenção para o fato de que aquela ideia, na verdade, se originara de Goethe e perguntei se ele concordava com a opinião de Goethe de que o caráter é moldado pelos revezes do destino.

Ele concordou com a cabeça: “Devo o que sou às crises que tive que superar e às dificuldades que tive que vencer. Portanto, todos devem correr riscos.”

“Por isso o senhor põe em jogo o seu trabalho e a si, correndo riscos desnecessários.”

“A vida tem seu preço”, respondeu. “Não se pode viver sem correr riscos. Hoje mesmo participei de uma luta mais uma vez.”

“Se a sua visão fosse coerente, o senhor não tentaria se proteger”, eu disse. “Eu não tento”, respondeu.

“O quê!”, exclamei. “O senhor não reconhece que várias vezes algum dos seus inimigos arrisca a própria vida na esperança de privá-lo da sua?”

“Eu entendo aonde o senhor está querendo chegar. Também sei dos rumores que correm. Dizem que sou vigiado por mil policiais e que toda noite durmo em um lugar diferente. Na realidade, durmo toda noite na Villa Torlonia e dirijo ou ando a cavalo quando e para onde quiser. Se tivesse de pensar constantemente na minha própria segurança, me sentiria humilhado.”

“Diga-me”, falei para concluir, “qual a importância da fama na sua vida? Não é essa a motivação mais forte para um governante? A fama não é a única maneira de escapar da morte? Ela não é a sua principal meta desde que o senhor era um menino? Todo o seu trabalho não é movido pelo desejo de se tornar famoso?”

Mussolini permaneceu imperturbável.

“A fama não me atraía quando eu era menino”, disse, “e não concordo que o desejo de se tornar famoso seja a mais forte das motivações. No que se refere à morte, o senhor tem razão; existe um certo consolo em saber que não se está completamente morto quando se é famoso. Mas meu trabalho nunca foi exclusivamente direcionado pelo desejo da fama. A imortalidade é garantida pela fama.” Ele fez um gesto largo em direção a um futuro remoto e incontrolável e acrescentou:

“Mas ela vem – mais tarde.”

(*) Esta entrevista foi publicada no livro ‘A Arte da entrevista’ (Editora Boitempo, 2004), organizado por Fábio Altman e com ilustrações de Cássio Loredano. As traduções são de Inês Antonia Lohbauer, Maria dos Anjos Santos Rouch e Rosanne Pousada. O texto se encontra entre as páginas 135 e 143.
OperaMundi

Kim Jong-Un,Consumo,Economia,Capitalismo,Ditaduras,Coreia do Norte

Falso Adidas e Hello Kitty: um gosto do consumismo para a elite da Coréia do Norte

Kim Jong-Un está silenciosamente permitindo que poucos bem-sucedidos controlados em Pyongyang tenham acesso a imitações de estilistas, smartphones e até mesmo uma versão do Amazon.Kim Jong-Un,Consumo,Economia,Capitalismo,Ditaduras,Coreia do Norte

NA fábrica de sapatos Ryuwon, em Pyongyang, os treinadores da Adidas brilham em um suporte ao lado da linha de produção, um presente pessoal do ditador Kim Jong-un para inspirar os trabalhadores que produzem imitações para os fiéis norte-coreanos.

“O Grande Marechal enviou sapatos de outros países para que os trabalhadores possam vê-los e tocá-los”, disse o guia da fábrica. As sugestões de estilo de Kim foram adotadas. O showroom de fábrica possui cópias virtuais de marcas ocidentais da Puma à Nike, juntamente com híbridos mais experimentais, incluindo padrões da Asics em sola de vadio.

O design de calçados pode parecer uma preocupação incongruente para um homem mais famoso por construir seu arsenal nuclear , assassinar parentes e jogar jogos diplomáticos de alto risco com o presidente dos EUA, Donald Trump. Mas Kim tem administrado uma espécie de transição para sua nação eremita.

Sua visão de mudança não é política. Kim manteve firme o culto da personalidade dinástica, o brutal estado policial apoiado por uma rede gulag e a ideologia oficial de auto-suficiência isolacionista transmitida por seu pai e seu avô.

Kim Jong-Un,Consumo,Economia,Capitalismo,Ditaduras,Coreia do NorteKim manteve firme o culto da personalidade dinástica herdada de seu pai e avô.
Foto: Ekaterina Ochagavia para o The Guardian.

Em vez disso, ele aparentemente decidiu que a vida deveria se tornar um pouco mais agradável para a minúscula e rigidamente controlada elite – um pouco mais parecida com a visão da sociedade de consumo ocidentalizada que entra no país através de filmes estrangeiros estritamente proibidos, mas avidamente consumidos. mostra.

A natureza opaca da sociedade norte-coreana significa que não houve reconhecimento oficial do surgimento dessa versão cuidadosamente gerenciada da sociedade de consumo, muito menos qualquer percepção de por que Kim permitiu que ela florescessem em seu relógio. Mas na semana passada uma explicação possível veio de Oh Chong Song, um soldado que fez uma corrida dramática pela fronteira em uma chuva de balas no ano passado.

Em sua primeira entrevista desde a deserção extraordinária, Oh, que parece ter pertencido a esse mundo dourado, Kim disse que enfrentava a falta de lealdade de seus colegas, mesmo que eles devessem falar em público para a dinastia.

Luxo importado oferece a Kim uma maneira de cooptar sua elite – ou pelo menos distraí-los
“Pessoas da minha idade, cerca de 80% delas são indiferentes” , disse ele ao jornal japonês Sankei Shimbun . “Não ser capaz de alimentar as pessoas adequadamente, mas a sucessão hereditária continua – isso resulta em indiferença e sem lealdade”.

Filho de um grande general, Oh descreveu-se como “classe alta” e disse que a maioria dos membros da elite norte-coreana tinha um gosto bem desenvolvido pelos prazeres importados, apesar da doutrina formal de autoconfiança .

“O povo norte-coreano condena o Japão na política, mas respeita o Japão em economia”, disse ele, citando os utilitários esportivos da Patrulha da Nissan usados ​​exclusivamente por oficiais militares como um exemplo do gosto pelos produtos japoneses.

Durante décadas, uma indulgência limitada à dinastia Kim e seu círculo íntimo, esse tipo de luxo importado hoje oferece a Kim uma maneira de cooptar sua elite – ou pelo menos distraí-los. Facebook Twitter Pinterest

Kim Jong-Un,Consumo,Economia,Capitalismo,Ditaduras,Coreia do NorteOs táxis – cujas tarifas mais baixas são o equivalente a um mês de salário para muitos trabalhadores – esperam do lado de fora de uma loja que vende alimentos importados caros.
Foto: Ekaterina Ochagavia para o The Guardian

Em supermercados estatais na capital, Pyongyang – onde a maioria dos clusters de elite – jornalistas em uma turnê oficial no início deste ano, viu compradores de prateleiras de Pumas e Nikes falsificados, pasta de dente Colgate e fraldas Pampers, uísque japonês e até mesmo latas de californiano La Tourangelle óleo de noz, à venda por cerca de US $ 30 (£ 23).

Táxis esperavam do lado de fora para levar os poucos afortunados ao redor das vastas estradas vazias da cidade. A tarifa para uma única viagem começa em torno de 16.000 won, o equivalente a pouco menos de 2 dólares na taxa de câmbio do mercado negro usada pelos norte-coreanos, mas em torno de um mês de salário para muitos trabalhadores na capital.

Kim Jong-Un,Consumo,Economia,Capitalismo,Ditaduras,Coreia do Norte (4)Em parques e monumentos, as famílias desfrutam de um dia tirando fotos em smartphones, como fazem ao redor do mundo, e nos passageiros do metrô, olhando para as telas, digitando mensagens e folheando as fotos. Foto: Ekaterina Ochagavia para o The Guardian

A crescente presença de smartphones e o afrouxamento de restrições não oficiais ao redor de roupas e joias são marcas de mudança – para a elite, pelo menos.

A comunicação com o mundo além da Coréia do Norte é estritamente proibida, mas há uma rede interna com dados, além de chamadas, e até mesmo uma resposta norte-coreana à Amazon, vendendo de tudo, desde cabos de conexão até roupas.

Os visitantes do país, incluindo jornalistas, só podem participar de tours rigorosamente controlados, onde eles são constantemente monitorados por guardas do governo e devem seguir um itinerário rigoroso. Isso sugeria que as autoridades norte-coreanas queriam que os jornalistas vissem algo dessa sociedade de consumo em expansão, e sua inclinação para o individualismo.

Está muito longe das imagens de frugalidade, uniformidade e coordenação de massa ao estilo militar – sintetizadas em desfiles de armas e “ jogos de massa ” – que o país tradicionalmente apresenta ao mundo.

Kim Jong-Un,Consumo,Economia,Capitalismo,Ditaduras,Coreia do Norte (5)“Eu acho que ele (Kim) realmente quer esse estilo de vida; ele não é fã de austeridade, ele cresceu na cultura do consumo do Ocidente e vê isso como normal e bom ”, disse o professor Andrei Lankov, da Universidade Kookmin, em Seul. Hello Kitty e outros personagens aparecem agora em roupas e acessórios da elite – símbolos de um mundo capitalista que os norte-coreanos denunciaram há muito tempo. Foto: Ekaterina Ochagavia para o The Guardian

“É assim que a elite, o velho apparatchik e a nova burguesia estão vivendo agora. Eles querem consumo, prazeres materiais e uma medida de escolha do consumidor, e estão conseguindo. ”

O afrouxamento dos controles é apenas para poucos afortunados. A maioria dos norte-coreanos ainda enfrenta uma rotina diária de pobreza e privação. Uma em cada cinco crianças do país é raquítica, um indicador de desnutrição, de acordo com Unicef, e 40% dos adultos são subnutridos.

As estatísticas são difíceis de encontrar em Pyongyang, mas analistas que seguem a Coréia do Norte pensam que talvez 10% dos 25 milhões de habitantes pertençam ao que efetivamente é uma nova classe média.

Em um prédio alto de casas modelo, o abastecimento de água é intermitente, embora ninguém se queixe. Apenas uma pequena fração dessa elite pode viajar pela capital em táxis comprando imitações de estilistas, e mesmo os mais luxuosos benefícios fornecidos pelo Estado podem parecer relativamente modestos para os padrões ocidentais.

Num prédio alto de casas modelo, os moradores tinham todos os móveis e móveis atribuídos pelo estado, e mantinham o banho e os baldes de reserva cheios de água, porque o fornecimento é intermitente, embora ninguém se queixe.

“A água é fornecida três vezes ao dia”, explicou a dona de casa Ro Kyong Ae, cujo marido é um proeminente professor de ciências. “Eu amo este apartamento.”

O jovem líder, que tinha seu próprio tio expurgado e, provavelmente, ordenou o dramático assassinato de seu próprio irmão , não demonstrou nenhum interesse pela democracia nem afrouxou os controles que reforçam seu governo. Em vez disso, são provavelmente o resultado de cálculos cuidadosos.

No entanto, mesmo uma vida um pouco mais confortável dá a uma fatia da sociedade norte-coreana mais interesse na sobrevivência do regime e menos razão para considerar a deserção ou a oposição.

Kim Jong-Un,Consumo,Economia,Capitalismo,Ditaduras,Coreia do Norte (6)Kim pode, em parte, estar abraçando as realidades econômicas de seu país, em um mundo onde nenhum país patrocinará provisões estatais como a União Soviética. O comércio informal e semi-legal tornou-se vital para alimentar a Coreia do Norte, e o mercado negro canaliza dinheiro para a Coreia do Norte, incluindo propinas que alimentam o estado.

Usando turnês cuidadosamente gerenciadas para estrangeiros e um pouco de liberdade para uma classe de elite, a Coréia do Norte parece estar tentando diluir a imagem de seu povo como autômatos virtuais. Foto: Ekaterina Ochagavia para o The Guardian.

“Provavelmente não é apenas uma questão de política, eu também não acho que, mesmo que ele queira pará-lo, ele pode, porque há limites sobre o que ele pode controlar e também a Coréia do Norte precisa de dinheiro”, disse Lankov.

“Ele é o líder mais pragmático que a Coreia do Norte teve em décadas. Ele sabe que se ele começar a fechar as oportunidades de ganhar dinheiro, eles perderão o desejo de trabalhar. Se as pessoas não têm coisas para comprar, por que elas vão tentar ganhar dinheiro? ”

Outra consideração pode ser relações públicas. Para um país que vive constantemente em busca de ajuda internacional e combate as sanções impostas sobre armas nucleares e outros programas, a visão do mundo sobre o seu governo é extremamente importante.

Ele transformou a face que a Coreia do Norte mostra para estrangeiros com viagens curadas cuidadosamente, a maioria das turnês tem projetos de prestígio incluindo um novo parque aquático, um amplo museu da ciência, apartamentos altos e novas feiras.

Alguns foram iniciados sob seu pai, mas juntos eles se tornaram emblemas de um país que quer diluir a imagem de seu povo como autômatos virtuais, projetando o máximo de proficiência em construir armas nucleares do que as montanhas-russas do estilo “super-homem” .

O projeto Pyonghattan: como a capital da Coréia do Norte está se transformando em uma “terra das fadas socialista”

As mulheres usam brindes mais sutis de mudança em suas orelhas e em torno de seus pescoços. Durante décadas, distintivos com retratos da dinastia Kim eram o único adorno permitido na Coreia do Norte – sob um código de vestimenta não oficial que também proibia calças e cores brilhantes para mulheres jovens.

Agora, calças, colares e um ocasional toque de cor ou conjunto de brincos podem ser vistos nas jovens mulheres mais elegantes de Pyongyang, possivelmente inspiradas pela esposa de Kim Jong-un, Ri Sol Ju . O casal rompeu décadas de precedentes ao aparecer juntos em público, com Ri muitas vezes usando jóias e carregando bolsas de grife.

Para crianças da elite, imagens de Hello Kitty e Winnie the Pooh são pintadas em bolsas e guarda-chuvas – símbolos duradouros de um mundo capitalista que os norte-coreanos há tempos são ensinados a denunciar. E assim como as fronteiras da moda foram estabelecidas pelo primeiro casal, fica claro que uma diretiva para gastar – para os poucos que têm dinheiro – vem direto do topo.

O lugar de destaque na fábrica de bolsas Pyongyang é uma foto do tamanho de um mural de Kim Jong-un radiante em uma mochila infantil com um animado desenho de coelho estampado na frente, aparentemente tomado pelo desejo de gastar.

“Quando o líder supremo Kim Jong-un estava aqui, ele estava realmente satisfeito com a bolsa com o coelho”, explicou o guia da fábrica. “Ele até disse que teve a sensação de que quer comprá-lo.”

Chile destitui coronel por saudação a genocida da ditadura Pinochet em ato

Tortura,Blog do Mesquita

Coronel Germán Villarroel, ex-diretor da Escola Militar de Chile. EJÉRCITO DE CHILE

Coronel Germán Villarroel, diretor da Escola Militar, permitiu homenagem a brigadeiro da reserva Miguel Krassnoff, condenado por 71 crimes cometidos durante o regime militar. 

O Exército chileno passou compulsoriamente à reserva o coronel Germán Villarroel, que até esta segunda-feira dirigia a Escola Militar do país, por sua “responsabilidade de comando” na homenagem feita nas dependências da instituição ao genocida Miguel Krassnoff Martchenko, que cumpre pena por 71 crimes contra a humanidade cometidos durante a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990). Em meio à premiação de uma competição esportiva na Escola Militar, onde são formados os oficiais do país, em 6 de outubro, o filho do genocida, coronel Miguel Krassnoff Bassa, tomou a palavra para agradecer publicamente “o carinho, a lealdade e a dignidade do diretor da Escola Militar, com o subdiretor e todo o seu pessoal, (…), de poder recordar o soldado, porque nem todos se lembram”. “Para nós, é super importante que nossos pais, que deram a cara e a vida pelo Chile e suas famílias, estejam sempre presentes no coração de todos vocês”, disse Krassnoff Bassa. “Coube a eles combater, e deram o ar que respiramos em nossa querida pátria”, acrescentou.

A decisão do Exército foi motivada pelo repúdio generalizado à homenagem, que se tornou pública em um vídeo divulgado neste domingo. O ministro da Defesa, Alberto Espina, do governo conservador de Sebastian Piñera, considerou o fato “inaceitável” e deu 24 horas para que uma investigação apontasse as responsabilidades. Enquanto isso, dirigentes da oposição de esquerda opositora e entidades de defesa dos direitos humanos pediam a demissão de Villarroel. A diretora do Instituto de Direitos Humanos, Consuelo Contreras, havia declarado que “atos como este, realizados nas dependências de uma instituição do Estado, constituem uma nova afronta à dignidade das vítimas, com ações de caráter negacionista contrárias ao direito internacional”.

Junto com a ordem de aposentadoria do diretor da Escola Militar, o Exército removeu o coronel Krassnoff Bassa, que era diretor da Escola de Idiomas. Como estava próximo de passar à reserva, como havia solicitado antes mesmo da homenagem, foi convidado “a entregar imediatamente” a direção da escola. Para o Exército, os dois militares provocaram “um gravíssimo dano” à instituição, como declarou o general Miguel Alfonso Bellet, comandante de Educação e Doutrina, que leu uma declaração pública na tarde desta segunda. “Nossa instituição é e sempre será respeitosa com as resoluções da Justiça”, disse o general.

Ferida aberta, Ustra e Mourão

O Golpe de Estado de 1973 é uma ferida aberta no Chile, e, a propósito de diversas efemérides, novamente se acendeu o debate sobre o passado recente do país. Em 11 de setembro completaram-se 45 anos da ruptura democrática, em 5 de outubro se festejaram os 30 anos do plebiscito de 1988 – em que triunfou o não a Pinochet –, e nesta terça-feira se comemoram as duas décadas da detenção do ditador em Londres, de 16 de outubro de 1998. Em agosto passado, as críticas ao Museu da Memória e Direitos Humanos de Santiago – que relata o golpe de Estado de 1973 e a ditadura através da experiência das vítimas –, custaram o cargo ao historiador Mauricio Rojas, que havia assumido o ministério da Cultura apenas quatro dias antes.

O brigadeiro reformado Miguel Krassnoff Martchenko, que cumpre penas de 668 anos de prisão na penitenciária de Punta Peuco, é filho e neto de cossacos que em 1947 foram fuzilados no pátio da prisão de Lefortovo após serem condenados pelo tribunal supremo da União Soviética por crimes de guerra, traição à pátria e colaboração com o inimigo. No golpe de Estado de 1973, o militar chileno dirigiu o ataque à casa do presidente Salvador Allende. Depois foi lotado na Direção Inteligência Nacional (DINA), o órgão repressivo da ditadura, onde se tornou um dos mais ferozes torturadores. Suas vítimas recordam que era um dos poucos que não se importavam em dizer seu nome real.

O panorama contrasta com o brasileiro. Além de não ter punido os criminosos do regime militar brasileiro (1964-1985), no Brasil não há resposta institucional a oficiais que enalteçam o período ditatorial e seus agentes apontados como violadores pelo relatório oficial da Comissão Nacional da Verdade (CNV). O general da reserva, Hamilton Mourão, agora candidato a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro, se despediu do serviço militar em fevereiro em uma concorrida cerimônia no Salão de Honras do Comando Militar do Exército, em Brasília. No discurso, chamou de “herói” o coronel Carlos Brilhante Ustra (1932-2015), também evocado por Bolsonaro. Ustra foi chefe de um importante centro da repressão durante a ditadura militar e reconhecido como torturador pela Justiça brasileira, além do relatório CNV. Mourão foi elogiado no mesmo dia pelo comandante do Exército, Eduardo Villas Bôas, como “exemplo”.
ElPais

Fidel Castro: um genocida a menos

Não é porque morreu um dos párias da humanidade, que desensarilho as armas.

Fidel era um idiota, um ditador esc**to, e com os FDP acólitos que lhe lambiiam as botas, Che incluso, um ditador genocida.

Faltam Pyong Yong, todos Kmer, mais todos os que habitaram, e habitarão na Av. Pensilvânia 1600, os da Pç. Vermelha, o cabo Austríaco, 55 Rue du Faubourg Saint-Honoré, 10 Dowing Street, Vaticano, Torquemadas tais, Riad e todos desde Saladino no Crescente Fértil até o marido da Asma-Al, os Mandarins desde Qin, todos os antes – de Ivan aos Romanofs – até o bigodudo das estepes e seus seguidores putins.

E todos os simpatizantes desses pulhas, que espero, estejam, ou os que Caronte transportar aos subterrâneos de Hades.

E aos crentes, que Lúcifer os receba com o tridente sem KY na ponta.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Fidel: um a menos

orlando-zapatapreso-politicocubafidel-castroblog-do-mesquitaA mídia brasileira é um lixo…vocês já sabem né?

Pois é. As obras do Lula/Dilma/BNDES – Porto de Mariel e outros tais – em Cuba, foram demonizadas durante os 13 anos dos governos dos vermelhinhos. Fidel e o hermano foram reduzidos a nitrato de pó de pe*do pelos globais globalistas e pelos “consultores” do Soros.

Agora o Demo de lá ‘cola o relé’, ‘bate a cassuleta’, e desde as 5h da manhã – GloboNews no topo – que essa mídia esc**ta enche o saco com o trololó sobre o ditador.
E os “líderes” mundiais também ‘bodejam’ sobre.
Obozo, o vaselina, lamenta a morte do “histórico líder” hahaha – Ivan o Terrível, Ricardo III, Hitler, Saladino, Calígula, Gegis Khan, Ratko Mladic (aos livros. Eia! Massacre de Srebrenica), Mao o mau, Menachem Begin, Kissinger, Kim Il-sung…todos também estão na história.
Né não?[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]
A revolução de Fidel foi a revolução do ódio, da vingança e das vítimas. Por lá, provavelmente rezando pela alma desse homem tão bom, ainda estão 800 Presos Políticos.
Seria oportuno se um médium conseguissem que esses midiotas entrevistassem Orlando Zapata, que morreu nos calabouços dos Castros no dia 23 de fevereiro de 2010.
Preso político, Orlando Zapata era um preso de consciência. Não roubou nem matou. Ousou pensar fora da curva.
Esse preso político quando morreu, Lula comemorou com Fidel a morte de um verdadeiro preso político num calabouço cubano. Ele era negro, pobre e democrata. Morreu de fome.

Aí vem o Trump, no Twitter e coloca as coisas no lugar:

“Today, the world marks the passing of a brutal dictator who oppressed his own people for nearly six decades,” Trump said in a statement issued a couple of hours after his tweet.
“Fidel Castro’s legacy is one of firing squads, theft, unimaginable suffering, poverty and the denial of fundamental human rights. While Cuba remains a totalitarian island, it is my hope that today marks a move away from the horrors endured for too long, and toward a future in which the wonderful Cuban people finally live in the freedom they so richly deserve.”
PS. Agora “se me lasquei”! Esquerdinhas, sionistas, democratas todos de tacape no meu ‘quengo’.

 

 

 

Obama: EUA precisam analisar seu papel em ditaduras da América Latina

Jura Mr.Hussein? Incrível pois nunca houve disso por aqui. Aquela estória do movimento Rearmamento Moral, apoiado pela TFP, Opus Dei e por “voismicês”, que percorreu a América Latina foi só ficção. Né? Então tá
Ps. Dê uma passadinha pela Rua Tutoia em São Paulo, e depois “nóis cunversa”.

José Mesquita"Existem polêmicas sobre as políticas norte-americanas" aplicadas nos anos 1960, 1970 e 1980 e "isso é algo no qual estamos trabalhando", disse Obama, em Buenos Aires

O presidente norte-americano, Barack Obama, disse, durante ato de homenagem às cerca de 30 mil vítimas da ditadura argentina, cujo golpe completa 40 anos hoje, dia 24, que Washington precisa “analisar o passado” que levou a apoiar regimes autoritários na América Latina.

Existem polêmicas sobre as políticas norte-americanas” aplicadas nos anos 1960, 1970 e 1980 e “isso é algo no qual estamostrabalhando”, acrescentou.

Obama ainda pronunciou em espanhol a frase que se converteu no símbolo da luta pela retomada da democracia: “Nunca más!”.

“Vocês serão os que farão com que o passado não se repita”, disse em evento no Parque da Memoria, em Buenos Aires, na companhia do colegaargentino, Mauricio Macri.

“Existem polêmicas sobre as políticas norte-americanas” aplicadas nos anos 1960, 1970 e 1980 e “isso é algo no qual estamos trabalhando”, disse Obama, em Buenos Aires

O líder norte-americano ainda reiterou a desclassificação de arquivos militares e de Inteligência referentes à ditadura argentina (1976-1983).

Organizações e familiares de vítimas consideraram uma falta de respeito a presença de Obama no ato após Washington ter ajudado a orquestrar o golpe militar no final dos anos 1970.

Desta forma, organizações dos direitos humanos, como as Mães e a Avós da Praça de Maio, não participaram do evento.

Ainda hoje, as Mães e a Avós realizarão um ato na Praça de Maio em repúdio ao golpe. Milhares de pessoas são esperadas.
Via agência ANSA

Censura: Blogueiro condenado a mil chibatadas por ‘insultar’ governo

Chicote, Blog do MesquitaA Arábia Saudita divulgou um comunicado por meio de sua agência de notícias oficial condenando o ataque à revista francesa Charlie Hebdo, que resultou na morte de 12 pessoas.

Na mesma semana, contraditoriamente, o governo retirou um blogueiro chamado Raif Badawi de sua cela em Jedá, levou-o a uma praça em frente a uma mesquita e o puniu com 50 chibatadas.

Badawi foi preso e castigado por publicar textos questionando as rígidas restrições islâmicas do país.

O blogueiro deve sofrer mais 50 chibatadas todas as sextas-feiras durante 19 semanas consecutivas – totalizando mil chibatadas –, além de ter sido condenado a 10 anos de prisão e a pagar uma multa cujo valor gira em torno de 650 mil reais.

O site de Badawi também foi retirado do ar pelo governo saudita.

Conspiração contra o governo

Quando Badawi, pai de três filhos, foi preso, em 2012, foi acusado de conspirar contra a segurança saudita, o que poderia resultar em pena de morte automática. No entanto, em 2013 esta sentença caiu.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Na quinta-feira, em uma rara intervenção no sistema judiciário saudita, o Departamento de Estado convidou o governo a “cancelar a punição brutal” e a avaliar tanto o caso quanto o “castigo desumano” ao qual Badawi estava sendo submetido.

Waleed Abu al-Khair, advogado do blogueiro, também foi sentenciado a 15 anos de prisão por “insultar o Judiciário, incitando a opinião pública e minando o regime e seus governantes”.

Em outubro de 2014, três outros advogados foram condenados de cinco e oito anos de prisão por criticar o Ministério da Justiça.

Sarah Leah Whitson, da entidade Human Rights Watch, criticou a postura do governo saudita.

“Em vez de perseguir seus críticos pacíficos, as autoridades sauditas seriam mais bem empregadas caso fizessem a realização de reformas necessárias”.

O governo dos Estados Unidos também pediu o cancelamento da pena de Badawi.

Grupos de direitos humanos afirmam que o caso contra o blogueiro é apenas parte de uma repressão mais ampla da liberdade de expressão.
Tradução: Fernanda Lizardo, edição de Leticia Nunes. Com informações de Robin Wright [“A Saudi Whipping”, The New Yorker, 9/1/15] e de Aya Batrawy e Cara Anna (Associated Press) [“Saudi Blogger Convicted For Insulting Islam Flogged In Public 50 Times”, The Huffington Post