As máscaras da pandemia no olhar da arte

Das mídias sociais à arte de rua, as máscaras estão surgindo em todos os lugares.

Deborah Nicholls-Lee encontra imagens em todo o mundo refletindo o que está acontecendo agora. Uma foto de perfilcom a boca coberta recebe os visitantes da página do Instagram da designer visual cipriota.

O artista do mash-up pegou uma tesoura virtual e cola em sua própria imagem e sobrepôs uma máscara cirúrgica azul brilhante a uma fotografia monocromática.

Corona Lisa, de Hayati Evren, tornou-se um meme estampado em sacolas e canecas (Crédito: Hayati Evren)

O artista brincalhão, que mexe com obras de arte há quase uma década, é mais conhecido agora por sua atrevida Corona Lisa, que bebe uma cerveja Corona através de uma máscara facial perfurada. Juntamente com a versão teetotal de Antonio Brasko, com sede em Oregon, o meme se espalhou das mídias sociais para camisetas, bolsas e canecas. The Persistence of Corona, a reformulação de Evren de uma obra icônica de Salvador Dali, coloca a máscara no centro do palco novamente, desta vez cercada por outros apetrechos de gerenciamento de coronavírus: desinfetante para as mãos, luvas de borracha e colônia de limão – um desinfetante tradicional na Turquia.

Desde o surgimento do Covid-19, a máscara – o emblema da pandemia – alimentou a criatividade de artistas em todo o mundo, assumindo várias formas, de memes engraçados a declarações sérias. Obrigatória em alguns países e inicialmente desencorajada em outros, a máscara é objeto de controvérsia: símbolo de censura e separação, mas também de cuidado e proteção.Uma paródia de Garota com brinco de pérola de Johannes Vermeer, A garota de Banksy com um piercing no nariz foi recentemente atualizada com uma máscara (Crédito: PA)

Embora a mídia social tenha sido o playground de artistas digitais como Evren, a rua também se tornou uma galeria de máscaras. Recentemente, os lábios gentilmente separados da garota de Banksy com um piercing no nariz foram escondidos durante a noite atrás de uma máscara protetora de tecido. O mural gigante, um riff de Girl With a Pearl Earrings, de Vermeer, mas com um alarme de segurança para um piercing, apareceu pela primeira vez em Albion Dock, em Bristol, em 2014. Se o gesto foi um ato de preservação amoroso ou o escárnio cômico de nossos medos, Banksy negou qualquer envolvimento.Hijack doou 100% dos lucros de seu Pandemonium impresso para a Global Foodbanking

No bairro de Pico-Robertson, em Los Angeles, o grafiteiro Hijack recentemente pintou com spray duas figuras mascaradas em macacões com detergente em spray, um espanador de penas e um aspirador de pó como armas contra o vírus – um comentário irônico, sem dúvida, sobre a nossa impotência . “Em tempos como esse, a criatividade pode nos ajudar a lidar com … uma crise como a que estamos enfrentando”, diz ele à BBC Culture. “A peça em si é mais uma observação do nosso estado mental atual. Parece que estamos travando uma guerra contra um inimigo invisível, deixando alguns de nós em pânico. Eu queria transmitir isso da maneira típica do Hijack. ”

Esse pânico, sugere o fotógrafo alemão Marius Sperlich, às vezes pode ser cego. Sperlich, cujo trabalho normalmente explora de perto o corpo humano, tem os olhos, ouvidos e boca de seu modelo cobertos por máscaras cirúrgicas brancas em uma fotografia recente intitulada Isolation. Comentando a postagem no Instagram, ele escreve: “Nossos sentidos foram restringidos, estamos isolados e com medo, incapazes de pensamentos racionais”.

O retrato de Zabou do grafiteiro de Nova York BK Foxx, Born to Paint, foi criado em 2019, mas teve ressonância especial este ano (Crédito: Zabou)

Embora os novos trabalhos estruturados em torno do meme da máscara tenham se multiplicado, as peças existentes com máscaras também ganharam novos públicos. O retrato de 3m² de Zabou do artista de rua BK Foxx usando sua máscara respiratória trouxe cor à Brick Lane de Londres no início de 2019, mas o mural do artista francês adquiriu um novo significado durante a pandemia, e agora é visto como uma imagem icônica da crise. A máscara, Zabou disse à BBC Culture, agora se tornou parte de nossas vidas diárias. “Representa uma ferramenta de ação e proteção – e às vezes sobrevivência – contra o vírus, e é por isso que as máscaras podem ser uma imagem poderosa neste contexto.”

Homenagens ao NHS de Rachel List – que pinta seus murais à mão livre, em vez de usar estênceis – foram compartilhadas em todo o mundo (Crédito: Rachel List)

Em alguns casos, o poder da imagem da máscara facial atraiu artistas menos conhecidos para os holofotes e transformou os heróis em humildes. Rachel List, de 29 anos, de Pontefract, em West Yorkshire, marcou seu mural gigante de máscara com #itwasntbanksy para terminar com as especulações que começaram quando suas séries anteriores de pinturas na parede de uma pequena enfermeira de desenho animado do NHS em uma máscara facial tendiam no Twitter.

O que chama a atenção na máscara é que você não consegue ver o sorriso das pessoas. Traz o foco de volta aos olhos, o que o torna realmente expressivo – Rachel List
List, que ganha a vida pintando murais nos quartos das crianças, viu seu trabalho secar desde o fechamento, mas uma comissão por uma faixa de agradecimento do NHS para um pub local levou a uma série de pedidos de seus tributos alegres ao serviço de saúde. List está distribuindo impressões para 500 trabalhadores do NHS e angariando fundos para o NHS e o Hospice Prince of Wales através de leilões de seu trabalho. “Para mim, o que chama a atenção na máscara é que você não consegue ver o sorriso das pessoas. Traz o foco de volta aos olhos, o que o torna realmente expressivo ”, ela diz à BBC Culture.

Tom Croft pintou um retrato da enfermeira de A&E Harriet Durkin gratuitamente depois de postar nas redes sociais (Crédito: Tom Croft)

O pintor de retratos de Oxford, Tom Croft, também usou suas habilidades como artista para reconhecer o sacrifício que está sendo feito pelos profissionais de saúde durante a crise. Quando a pandemia o deixou lutando para encontrar um objetivo em seu trabalho, ele decidiu oferecer um retrato gratuito ao primeiro trabalhador do NHS a contatá-lo. Harriet Durkin, uma enfermeira de A&E da Manchester Royal Infirmary, logo foi imortalizada em óleos em EPI completo, com sua estrutura central robusta da máscara facial 3M. Usando a hashtag #portraitsforheroes, Croft convidou outros artistas para participar da iniciativa e formar parceria com os funcionários da linha de frente.

Os sentimentos de Croft sobre a máscara são ambivalentes. “A máscara protege, esperançosamente, mas também cria uma barreira entre paciente e profissional de saúde e afeta a conexão humana com a qual estamos acostumados, que é uma grande parte dos cuidados”, disse ele à BBC Culture. “Só vendo os olhos, é muito mais difícil ler a expressão facial abaixo. Eu entendo que isso pode causar ansiedade adicional para os pacientes. ” Croft planeja produzir um segundo retrato de Harriet com seu EPI, relaxado e sorrindo em casa. “Eu senti que era importante descrever os dois lados para ela, para dar uma imagem mais completa de quem está por trás da máscara que presta os cuidados”, diz ele.

A artista britânica Rowena Dring bordou rostos em máscaras de lona, ​​incluindo The Amsterdammer, na foto (Crédito: Rowena Dring)

“Uma das piadas entre meus amigos é que eu apenas girei minhas habilidades”, diz a artista Rowena Dring, de Amsterdã, que também viu a pandemia como um chamado à ação. A abordagem ambidestro de Dring, que se baseia nas habilidades tradicionais de artesanato para re-contextualizar a costura e a pintura, deu uma nova virada quando ela uniu função e arte para responder à falta de máscaras faciais.

“Eu sou um criador: alguém que responde a situações criando coisas”, ela diz à BBC Culture. “Pesquisei com muito cuidado os materiais que usei com a ajuda de um médico, mas, ao mesmo tempo, queria fazer as pessoas rirem.” O resultado foi uma coleção cada vez maior de máscaras de lona de algodão com cera de abelha, bordadas com bigodes encaracolados, barbas desgrenhadas e sorrisos. À medida que os novos designs saíam de sua oficina improvisada em casa, eles eram enviados para amigos e familiares ou vendidos para clientes on-line. “Gosto dos sorridentes”, diz ela. “É muito engraçado ir ao supermercado com eles”.

A máscara também influenciou o design de moda. Em abril, a estilista nigeriana e estilista de celebridades Tiannah Toyin Lawani criou uma roupa mascarada deslumbrante para aumentar a conscientização sobre o vírus. Lawani agora tem uma equipe de alfaiates trabalhando em sua casa em Lagos – onde as máscaras agora são obrigatórias – fazendo máscaras incrustadas de jóias com tecidos africanos para venda ou doação.Max Siedentopf pediu desculpas por causar qualquer ofensa à sua série, argumentando que seu objetivo era inspirar outras pessoas a “ver as coisas de uma perspectiva diferente” (Crédito: Max Siedentopf)

As máscaras faciais caseiras foram a inspiração por trás de uma série de fotografias explícitas produzidas pelo artista visual namibiano-alemão Max Siedentopf em sua polêmica série Como sobreviver a um vírus global mortal. “Comecei a ver on-line todos os tipos de máscaras de bricolage para proteger contra o vírus que eram feitos de objetos domésticos comuns”, diz ele à BBC Culture. “No meio desta crise, eu queria me concentrar na criatividade dessas máscaras e em como, através de uma barreira ou problema, você ainda pode encontrar soluções inteligentes e criativas”.

Criticadas por serem insensíveis e enganosas, as imagens assustaram alguns e inspiraram outros. Mas observando pelas asas, Siedentopf ficou impressionado ao ver fotografias de pessoas replicando as máscaras da série. “Gostei de como a arte imitava a vida e, em seguida, a vida imitava a arte e se tornou um círculo completo”, diz ele.

Tatsuya Tanaka usou máscaras na entrada de 31 de março de seu Miniature Calendar (Crédito: Tatsuya Tanaka)

No Japão, a máscara facial tornou-se um item doméstico e chegou ao intrincado trabalho da miniatura japonesa Tatsuya Tanaka, que combina objetos do cotidiano em tamanho real com figuras humanas de 2 cm de altura. Desde 2011, Tanaka libera imagens diárias como parte de uma série em andamento do Miniature Calendar. Em 31 de março, uma foto de pequenos surfistas usando máscaras foi publicada com a legenda “superamos muitas dificuldades”. O motivo da máscara reapareceu em 1 de maio, quando Tatsuya divulgou a imagem de um médico mascarado fazendo uma consulta em vídeo em um computador com chocolate.

Com muitos países em confinamento, os itens domésticos comuns estão ressonando com os artistas e o público mais do que nunca. “Tornar o que você vê casualmente na vida cotidiana diferente – chamado de ‘mitigar’ no Japão – torna a vida cotidiana divertida”, disse Tatsuya à BBC Culture. “Eu usava máscaras diariamente no Japão desde antes da crise. Não é incomum, mas recebi muita atenção por causa da crise da corona [vírus], então fiz disso um motivo ”, diz ele.

A micro-arte de Hasan Kale inclui profissionais de saúde pintados em uma máscara e analgésico (Crédito: Hasan Kale)

O trabalho do micro-artista turco Hasan Kale também força uma reavaliação de objetos familiares. Prendendo a respiração para firmar a mão, ele pinta retratos e paisagens com minúsculos estranhos, como cabeças de palitos de fósforo e sementes de maçã, transformando-os no que ele chama de “cápsulas artísticas”.

As telas recentes de Kale incluem uma pastilha de paracetamol e a válvula de uma máscara cirúrgica, ambas pintadas com imagens de profissionais da saúde mascarados como sinal de gratidão pelo serviço prestado à sociedade. Uma inspeção cuidadosa do tablet revela que as máscaras não impediram seus usuários de comunicar uma mensagem microscópica em nome do artista. “Vimos o mal que fizemos ao mundo”, diz Kale. “O coronavírus é uma oportunidade para melhorarmos”.

Negacionismo que nada; o negócio é afirmar o pasto da boiada

O negacionismo climático refere-se à descrença no aquecimento global ou da relação deste com as atividades humanas.

Alguém falou em boiada? Foto: Marcio Isensee e Sá.

Portanto, seus defensores ignoram a quase totalidade de evidências científicas produzidas em todo o planeta que afirmam o nexo de causalidade entre as ações antrópicas e o câmbio climático, a ponto, inclusive, de estarmos na Era do Antropoceno.

Atualmente, um dos mais atuantes políticos negacionistas climáticos é o presidente dos EUA. Por aqui, o presidente da República e seu ministro do Meio Ambiente têm atuado fortemente à revelia das evidências científicas produzidas na área. É recorrente, desde o período eleitoral, o discurso de que a política ambiental é um empecilho ao desenvolvimento brasileiro, especificamente, ao agronegócio.

Sua rejeição à pauta ambiental e climática, inclusive, causou embaraço internacional quando decidiu por não sediar a COP-25 – a Conferência das Partes da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima. A COP-25, presidida pelo Chile, mas realizada na Espanha, em razão das manifestações sociais em Santiago de 2019, colocou o Brasil ao lado dos EUA, tradicional adversário dos esforços mundiais diante da emergência climática. A questão climática discute dois grandes blocos de ações antrópicas: queima de combustíveis fósseis e desmatamento.
Sinistro Ricardo Salles.
O algoz da natureza no Brasil. O “passador de Boiada”

Os EUA preocupados com o lado econômico e sua inserção na geopolítica mundial do petróleo e o Brasil, agora mais do que nunca, voltado para o desmatamento. O ponto de convergência entre esses dois líderes parece, portanto, menos o negacionismo e mais a mera defesa de setores econômicos específicos.

A título de contextualização da realidade brasileira, levantamos 10 eventos nos 18 meses que transcorreram da escolha do atual Ministro do Meio Ambiente até este maio de 2020 – momento em meio à pandemia da COVID-19, doença que, até 26 de maio, contabilizava 391.222 casos confirmados e 24.512 óbitos no Brasil:

Nomeação de Ricardo Salles – dezembro de 2018: sem trajetória na área ambiental, foi uma opção política, definida no bojo das negociações com o agronegócio para manter a existência institucional do Ministério do Meio Ambiental, pasta que o recém-eleito Presidente da República anunciara que seria extinta, tamanho seu desprezo pela questão ambiental;
Reforma administrativa – janeiro de 2019: a política ambiental foi desfigurada; foram retiradas pautas fundamentais como o combate ao desmatamento e às mudanças climáticas. Além disso, a Agência Nacional de Águas foi transferida para o Ministério do Desenvolvimento Regional, e o Serviço Florestal Brasileiro foi movido para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Obstáculos à fiscalização

Em 24 de maio de 2019 o IBAMA, pela primeira vez, anunciou antecipadamente a realização de operação contra o desmatamento ilegal na região da Floresta Nacional do Jamanxim, expondo a segurança da operação e dos agentes envolvidos; vale ressaltar que a Floresta Nacional do Jamanxim foi a terceira unidade de conservação em área desmatada no ano de 2019, com um total de 10.099hectares desmatados;

Decreto n° 9760, de 11 de abril de 2019 (Presidência da República): cria a conciliação nos processos administrativos federais de apuração de infrações por condutas e atividades lesivas ao meio ambiente; na prática, milhares de multas emitidas desde outubro de 2019 (contra desmatamento e garimpo ilegal, por exemplo) estão sem surtir efeitos, pois aguardam audiência de conciliação; o número exato não é conhecido devido à falta de atualização – reconhecida pelo IBAMA – dos dados referentes às multas.

Exploração e produção de petróleo em Abrolhos – março de 2019: o Presidente do Ibama – fruto de indicação política e não técnica – contrariou parecer dos servidores técnicos do órgão ambiental e autorizou a inclusão de blocos de petróleo localizados próximos a Abrolhos na 16ª rodada de licitações da Agência Nacional de Petróleo; a mobilização interna e atuação de diversas instituições surtiram efeito e contribuíram para que não houvessem ofertas na licitação e, por enquanto, Abrolhos está seguro da obtusa visão de mundo do atual governo e do apetite das transnacionais do petróleo a medida beneficia diretamente a JS Manipulação de Pescados, empresa de Jorge Seif, pai do Secretário de Aquicultura e Pesca.

Blog do Mesquita,Agrotóxicos,Alimentos,Meio AmbienteLiberação de agrotóxicos em 2019: o ano registrou um recorde de agrotóxicos autorizados para comercialização no Brasil, com 503 registros, entre os quais 26 novos pesticidas, abrindo ainda mais o mercado nacional para as empresas internacionais do setor.

Relatório Anual do Desmatamento no Brasil – lançado em 26 de maio de 2020: o relatório é um produto do MapBiomas plataforma de dados mantida por universidades, ONGs e empresas de tecnologia. Os dados de 2019 revelam que foram desmatados 1.218.708 hectares ou 12.187 km² de vegetação nativa, dos quais 60% ou 770.000hectares estão na Amazônia brasileira.Em relação às unidades de conservação, também na Amazônia houve a maior concentração de unidades atingidas (12%) e de área desmatada (13%)

Censura no IBAMA – fevereiro e maio de 2020: por meio da Portaria 560/2020 e da Nota Técnica 1/2020 foi instituída uma Lei da Mordaça aos servidores do órgão, definindo condutas passíveis de sanção, com destaque para manifestações contra políticos, projetos do Executivo e decisões do Ibama, inclusive em suas redes sociais pessoais.

Destacamos que nossa lista (construída com enorme esforço de síntese, visto a variedade e multiplicidade de ofensivas contra a proteção ambiental nesse período) limitou-se aos atos materializados (e considerados principais para nossa argumentação) no âmbito do Executivo federal e não incluiu os ataques aos direitos indígenas e de comunidades tradicionais em razão da objetividade buscada nessa análise para tratar da pauta ambiental-climática.

Dos eventos listados podemos compreender que a pauta nacionalista é uma falácia, uma vez que não se sustenta diante da defesa dos interesses de um agronegócio exportador e socioambientalmente predatório e da exploração de petróleo e outros minerais (do litoral ao interior da Amazônia), que também produzem seus princípios benefícios econômicos no mercado internacional e deixam um legado de exploração de trabalhadores e de devastação ambiental.

O Brasil do atual governo, assim, segue acima de todas as evidências científicas sobre os efeitos danosos causados por agrotóxicos à saúde e ao meio ambiente, os impactos do desmatamento sobre os equilíbrios ecológico e climático, os riscos das mudanças climáticas sobre a população em geral, os danos reais e potenciais da atividade petrolífera…

O anticientificismo do governo Bolsonaro procura, assim, garantir o descrédito da política ambiental, mantendo-a no lugar de empecilho ou obstáculo ao ‘seu’ Brasil, e promover sua obtusa (mas intencional e interessada) visão de mundo.

Visão, diga-se nada particular ou nova, na qual o Brasil transfere seu patrimônio natural para grandes grupos transnacionais, em benefício da pequena elite nacional que sustenta seu governo, socializa a precarização das condições de trabalho e de vida da população e promove a destruição das condições ambientais que sustentam a vida da população brasileira.

O ataque ao conhecimento, pesquisadores e instituições não é negacionismo, mas uma estratégia organizada pautada em discursos populistas, uso e aparelhamento dos órgãos públicos, disseminação de notícias falsas, desinformação, ameaças e violência, voltada para desqualificar as evidências científicas e coagir pesquisadores/as e, assim, elaborar e implementar políticas públicas sem qualquer embasamento científico. A visão de mundo do atual governo, portanto, está bem definida, é afirmativa ao setor econômico e reativa ao conhecimento científico e as saberes tradicionais.

Contudo, a resistência tem crescido em mobilização de diversos sujeitos e instituições em defesa da ciência e o fortalecimento de bases de dados e veículos como ((o))eco e tantos outros esforços multi-setoriais-institucionais, como os indicados na lista acima. Essas diversas plataformas críticas e de resistência são fundamentais para a democracia, a informação científica e o engajamento cívico. O momento atual pode contribuir para a disseminação de informações e experiências, o fortalecimento de ações e iniciativas em defesa da ciência e da sociobiodiversidade brasileira. Onde a ciência cria raízes, a boiada não consegue pastar.

Covid-19; Isolamento reforça importância dos parques para a saúde

O objetivo maior de uma unidade de conservação é a proteção da natureza, mas por debaixo dessa missão há na verdade uma troca, na qual a própria sociedade é protegida e beneficiada pela presença da área preservada.Amazônia,Desmatamento,Grilagem,Floresta,Brasil,Meio Ambiente,Queimadas,Ecocologia,Fauna,Flora,Pecuária,Biodiversidade,Crimes Ambientais.Blog do Mesquita (6)

A quarentena pode ser um convite para repensar nossas conexões com a natureza e a importância das áreas protegidas.

Dentre os benefícios que a natureza nos presta, também conhecidos como serviços ambientais ou ecossistêmicos, está a saúde promovida tanto diretamente pelo contato com a natureza, quanto indiretamente, por nos proteger contra doenças, como a febre amarela, a malária e, especula-se, o próprio coronavírus.

A lista de serviços ecossistêmicos prestados por uma área de natureza preservada é maior do que imaginamos. “A natureza nos presta serviços pelos quais a gente não paga nada: nascentes de água, regulação de clima, solo fértil… E há também o efeito de diluição. A biodiversidade tem a capacidade de diluir o processo de transmissão de agentes infecciosos e manter esses agentes numa proporção muito baixa dentro de uma área com grande biodiversidade. Esse é um serviço da natureza que a gente nunca fala”, ressalta a coordenadora do Centro de Informação em Saúde Silvestre da Fiocruz, Marcia Chame.

“Para quê que serve uma unidade de conservação? Serve para água, pra gente passear, pra ficar perto da natureza, desestressar, para tudo isso, mas também serve para diluir o processo de transmissão dos agentes infecciosos. A gente precisa fazer as pessoas entenderem o quanto as unidades de conservação nos protegem”, aponta Chame.

A pesquisadora lembra que essa rica biodiversidade também é fonte para remédios e princípios ativos de vacinas. “Quando você tem uma unidade de conservação grande, bem conservada, o que a gente tem ali dentro? Uma diversidade de espécies grandes também. É desse conjunto biológico que o homem se aproveita para produzir várias coisas, entre elas remédios. Mais de 75% dos remédios utilizados são baseados em compostos naturais, a maior parte de plantas. E o que não é produzido a partir dessas moléculas da natureza, é inspirado nessas moléculas. Quando você perde biodiversidade, você perde esse potencial todo de produção de remédio e de inspiração”.

Dentre as unidades de conservação, parques são a categoria que mais se aproximam da sociedade e que têm a missão de ser “a janela do sistema”, em referência ao SNUC (Sistema Nacional de Unidades de Conservação). Apesar dessa vocação ao público, ainda há um grande gargalo no Brasil para consolidar essa conexão entre parque e sociedade.

O voluntariado pode ser uma oportunidade para engajar as pessoas na conservação da natureza. Foto: Duda Menegassi.

De acordo com o diretor-presidente do Instituto Semeia, Fernando Pieroni, uma das dimensões mais importantes para construir essa cultura de parques entre os brasileiros começa no imaginário. “Os parques são um patrimônio da sociedade. Parte desse processo inclui trazer os parques para o imaginário coletivo, inclui explicar para sociedade a conexão que os parques têm com saúde pública, com bem-estar, e com mais do que normalmente associamos à função de conservação ambiental do parque”, analisa Pieroni.

A publicação “Parques do Brasil: Percepções da População”, produzida e divulgada pelo Semeia em março deste ano, ajuda a mapear as percepções dos brasileiros sobre os parques e a entender como traduzir o papel deles para sociedade, tanto os naturais quanto os urbanos. “Há uma complementaridade. O parque urbano normalmente é o primeiro contato e que depois tende a te levar para um parque natural. Normalmente a experiência de imersão na natureza é diferente nos dois, assim como o tipo de atividade. O parque natural é visto como oportunidade de contato com a natureza, enquanto o parque urbano está mais relacionado com aquele esporte corriqueiro, passear, encontrar amigos”, descreve Pieroni baseado nos levantamentos do estudo.

O diretor acredita que os parques terão um papel importante na hora do fim do isolamento e pós-crise do coronavírus. “Tem muita gente sofrendo com esse confinamento em casa e se os parques já tinham um papel importante antes, na hora que as pessoas voltarem a sair de casa e quiserem se reconectar com espaços públicos e naturais, os parques terão um papel de descompressão emocional fundamental – principalmente os urbanos, que são mais acessíveis”.

O vice-presidente da Comissão Mundial de Áreas Protegidas da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), Cláudio Maretti, acredita que o fim da quarentena será uma oportunidade para quem trabalha com áreas protegidas. “Acho que as pessoas que gostam da natureza e de estar ao ar livre vão sentir a necessidade de retomar esse contato o mais rápido possível, mesmo que seja em parques urbanos e mais antropizados. Principalmente as pessoas que estão confinadas em apartamentos nas grandes cidades”, analisa. “Isso seria uma oportunidade. Existe uma intenção manifesta, reprimida por causa do distanciamento social”.

Abrir a porta dos parques e colocar o tapete de bem-vindos, entretanto, não será suficiente para ganhar novos aliados da conservação. “Eu acho que vai ter essa corrida no início, e eu espero que ela seja ampla e duradoura, mas os outros estímulos, como cinemas e shoppings, vão continuar competindo. E competir com a indústria do entretenimento, com o consumismo, vai ser igualmente difícil. Cabe a nós, profissionais das áreas protegidas, abrir mais oportunidades com a oferta de atividades, mais áreas para visitação e a criação de programas de engajamento, como o voluntariado”, pondera o especialista em conservação.

Enquanto a quarentena não acaba e a fruição dos parques e de outras áreas protegidas fica comprometida, cabe buscar formas alternativas de manter o contato com a natureza – uma conexão que, inclusive, faz muito bem para saúde. Maretti, que em janeiro publicou em ((o)) eco uma coluna sobre a relação de áreas protegidas e saúde, pontua a quantidade de artigos científicos da área médica que indicam como o contato com a natureza contribui com o bem-estar, ajuda no combate ao estresse e até na recuperação de doenças.Ambiente,Amazônia,Brasi,Desmatamento,Grilagem,Floresta,Meio Ambiente,Queimadas,Ecologia,Fauna,Flora,Pecuária,Pesticidas,Agrotóxicos,Biodiversidade,CrimesAmbientais,Sustentabilidade,VidaSelvagem,AquecimentoGlobal,Água,Alimentos,Clima,Agricultura

“Tem uma gradação que vai desde você ver uma foto, até você ter uma janela pro verde urbano, até você morar numa parte da cidade que é mais arborizada, ou numa área próxima a parques. É o que eu faço aqui em casa, vou para sacada ver o verde para me sentir melhor. Isso está nas pesquisas científicas. Há teorias que dizem que esse sentimento é uma herança do tempo em que a gente vivia no mato, uma convivência que perdemos com a vida urbana. Da mesma forma que você olha a foto de um ente querido e isso pode te fazer bem, faz bem olhar a natureza, mesmo que por uma imagem ou pela janela”, explica Maretti.

Medidas de isolamento aumentam a quantidade de lixo doméstico e hospitalar

Mesmo com a interrupção dos trabalhos em grande parte dos setores, a coleta de resíduos entrou na lista dos serviços considerados “essenciais” e que, portanto, não podem parar, por vários motivos, mas, principalmente, pela importância em relação à proteção do meio ambiente e da saúde humana, mesmo durante processos epidêmicos.

As medidas de quarentena e isolamento social geraram no país um aumento de 15% a 25% na quantidade lixo residencial e, para os resíduos hospitalares, o cálculo é de um crescimento de 10 a 20 vezes. A Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), estima que as medidas de quarentena e isolamento social geraram no país um aumento de 15% a 25% na quantidade lixo residencial. Já para os resíduos hospitalares, o cálculo é de um crescimento de 10 a 20 vezes.

Descarte correto é fundamental.

Crédito: Alamy Stock Photo.

Durante o período de quarentena imposto por autoridades de saúde globais para controle da pandemia do coronavírus (Covid-19), a população deve reforçar os cuidados com o descarte dos resíduos. O isolamento social e a prática do trabalho em casa aumentaram o volume de lixo produzido nas casas.

“Por conta desse caráter de essencialidade, é indispensável assegurar que tais serviços sejam diariamente executados, porque eles contribuem para auxiliar na prevenção da transmissão do coronavírus, bem como de outras doenças e endemias decorrentes de acúmulo e má gestão de resíduos. Se não houver trabalho efetivo nessa área, a imunidade e a saúde das pessoas ficariam comprometidas, o que seria um agravante bem sério diante do quadro atual”, observa Carlos Silva Filho, diretor-presidente da Abrelpe.

Em relação aos trabalhadores, a Abrelpe recomendou o afastamento das atividades dos empregados que integram grupos de risco (idosos, portadores de doenças crônicas, grávidas e lactantes, por exemplo), o uso e a higienização constantes dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), além de orientações frequentes para que os funcionários evitem de tocar olhos, nariz e boca antes de sempre higienizar muito bem as mãos.

No Paraná, a Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo estima que a produção do lixo residencial dobrou nas últimas semanas. Segundo o engenheiro e coordenador de Projetos Sustentáveis, Charles Carneiro, os restaurantes e comércio em geral pararam de funcionar, mas as pessoas estão produzindo mais lixo em casa. Parece ser uma transferência simples de local. Porém, a situação é mais complexa.

“O agravante desse cenário é que esses setores compram no atacado e a aquisição da sociedade civil é no varejo. As pessoas em casa geram, portanto, muito mais material de acondicionamento de produtos, assim como sobras e aquilo que não é aproveitável para o consumo, aumentando, com isso, ainda mais o volume de lixo”, explicou o secretário Márcio Nunes.

Edélcio Marques dos Reis, diretor de limpeza pública de Curitiba, afirma que não houve aumento na produção de resíduos na capital paranaense, devido a um equilíbrio que ocorreu com a paralisação da atividade de bares, restaurantes, empresas e a presença menor de moradores da Região Metropolitana circulando na cidade.

“Talvez a resposta esteja aí. As pessoas estão em casa, estão gerando um pouco mais de resíduo, mas, em compensação, milhares de pessoas deixaram de vir diariamente à cidade, que são moradores da Região Metropolitana da cidade. Essas pessoas ficam nos municípios de origem e deixam de gerar lixo na capital”, avalia.

Curitiba gera, em média, 1,6 toneladas de resíduos domésticos por dia, de acordo com a média do ano de 2019. Nos primeiros meses de 2020, essa média se manteve e houve até uma pequena redução em março, para 1.585 quilos por dia.

Quanto aos resíduos recicláveis, a coleta pública cresceu. De 1.600 a 1.700 toneladas por mês e o total passou para o volume de duas mil toneladas. Mas isso não significa que a população esteja separando mais, mas sim, que existem menos coletores informais transitando pelas ruas.

Descarte em larga escala de máscaras de proteção
contamina oceanos

Algumas das muitas máscaras cirúrgicas achadas na praia das Ilhas Soko. Crédito: OceansAsia

Em alguns pontos do mundo, a pandemia pelo Covid-19 gerou contaminações tão inéditas quanto preocupantes. O alerta é de ambientalistas da ONG OceansAsia, que denunciaram o impacto desse novo tipo de lixo nas Ilhas Soko, na costa sudoeste de Hong Kong.

A equipe da OceansAsia realiza vários projetos de pesquisa sobre poluição plástica e, duas vezes por mês, visita as ilhas para realizar análises de microplásticos e do acúmulo de lixo na praia, procurando pistas da origem dos detritos. Também em conjunto com a WWF, a pesquisa monitora a superfície do oceano com drones. No início da epidemia, já foram vistas máscaras no ambiente marinho e, com o agravamento do problema, elas foram vistas ao longo da linha da maré alta e do litoral, à deriva nas correntes, chegando até a costa.

O município está fazendo um tipo de quarentena com o lixo coletado que é enviado às associações de catadores parceiras. Unidades que têm espaço nos barracões recebem o material em um ponto do depósito, onde ele fica por, no mínimo, por 24 horas. Só depois desse tempo é que o material vai para triagem e para venda. Para o diretor de limpeza pública, Edélcio Marques dos Reis esse é o protocolo adequado para que se evite a propagação do coronavírus e se garanta mais segurança para a saúde dessas pessoas que prestam um trabalho fundamental para o meio ambiente.

“Também vivemos um momento de epidemia de dengue. É muito importante para quem está em casa, até para ocupar o tempo, que faça a limpeza do quintal, desentulhe e desapegue das coisas sem uso. Se for material reciclável, as pessoas podem apresentá-los para a coleta seletiva. Se for orgânico, entregar para o caminhão da coleta. Jamais jogue o lixo em terreno baldio, nos cantos das ruas ou na beira dos rios.”

Iniciativas privadas também perceberam alteração na geração de lixo doméstico. A startup Composta+ coleta sobras orgânicas em mais de duzentas casas e em mais de cem empresas para fazer compostagem e fabricação de adubo e fertilizantes orgânicos. Em épocas normais, a empresa coletava uma média de 45 toneladas por mês. Após a quarentena iniciar, a quantidade de lixo orgânico gerada nas casas aumentou 26%.

A humanidade precisa repensar o consumo de plástico e o descarte do lixo. Essa imagem nos faz lembrar a urgência de medidas responsáveis, para que não se tornem tão frequentes como hoje.Meio Ambiente,Oceanos,Plásticos,Poluição,Blog do Mesquita

A startup viu neste momento uma oportunidade de negócio e, para as pessoas, uma chance de construir hábitos sustentáveis e saudáveis. A empresa até lançou promoções, com uma isenção no 1°mês, para conseguir mais clientes dispostos a separar os resíduos para compostagem. O serviço funciona por assinatura. A empresa leva os baldinhos até os locais e passa uma vez por semana recolhendo os orgânicos gerados. O custo mensal inicial para residência é de R$55 por mês.

“Mesmo com esse momento difícil, queremos compostar o máximo que a gente puder, pois essa é a nossa forma de ajudar a sociedade a enfrentar esse desafio. Queremos levar essa experiência para mais pessoas e famílias, para que possamos gerar esse impacto positivo no mundo – junto com a entrega de mudas e adubo, revivendo momentos como o de cultivo de uma mudinha, até para dar uma desestressada”, diz Igor Gonçalves Oliveira, representante da Composta.

Covid-19, menu degustação da crise climática

O abismo no qual um coronavírus precipitou muitos países ilustra o custo humano da negligência em relação a um perigo já perfeitamente identificado.

Evocar o destino não pode esconder o óbvio: prevenir é melhor que remediar. Os adiamentos atuais na luta para mitigar o aquecimento global, porém, podem levar a fenômenos muito mais dramáticos. Em março de 2020, a crise da saúde relegou as notícias sobre o clima para longe das manchetes. No entanto, este mês será marcado como o décimo consecutivo com uma temperatura média acima do normal na França. “Uma série de dez meses ‘quentes’ consecutivos em escala nacional é sem precedentes”, observa a Météo France, cujos dados permitem voltar até 1900.

O inverno passado bateu todos os recordes, com temperaturas 2 °C acima do normal em dezembro e janeiro e 3 °C em fevereiro. Como forma de se tranquilizar, as pessoas preferiram lembrar a espetacular melhoria na transparência atmosférica. Vislumbres de esperança: o Himalaia tornou-se de novo visível no horizonte de cidades do norte da Índia, assim como o Mont Blanc nas planícies de Lyon.

Não há dúvida de que a interrupção de grande parte da produção levará a uma redução sem precedentes nas emissões de gases de efeito estufa. Mas podemos realmente acreditar que um declínio histórico vai começar? Ao revelar a vulnerabilidade de nossa civilização e as fragilidades associadas ao modelo de crescimento econômico globalizado, por causa da hiperespecialização e dos fluxos incessantes de pessoas, bens e capitais, a Covid-19 causará um eletrochoque salutar? A crise econômica e financeira de 2008 também gerou uma queda significativa nas emissões, mas em seguida elas rapidamente voltaram a subir, quebrando novos recordes…

Prenúncio de possíveis colapsos mais sérios, o atual naufrágio sanitário pode ser visto ao mesmo tempo como um modelo em escala e como uma experiência acelerada do caos climático que se aproxima. Antes de se tornar um problema de saúde, a multiplicação de vírus patogênicos remete também a uma questão ecológica: o efeito das atividades humanas na natureza.2 A exploração interminável de novas terras perturba o equilíbrio do mundo selvagem, enquanto a concentração de animais nas fazendas favorece as epidemias.

O vírus afetou primeiro os países mais desenvolvidos, porque sua velocidade de propagação permanece intimamente ligada às redes de comércio marítimas e sobretudo aéreas, cujo desenvolvimento constitui igualmente um dos vetores crescentes das emissões de gases de efeito estufa. A lógica do curto prazo, do just in time, e a extinção das precauções mostram a capacidade autodestrutiva aos seres humanos da primazia concedida ao ganho individual, à vantagem comparativa e à competição.

Ainda que certas populações ou regiões se mostrem mais vulneráveis que outras, a pandemia afeta gradualmente todo o planeta, assim como o aquecimento global não se limita aos países que emitem mais CO2. A cooperação internacional se torna então essencial: frear o vírus ou as emissões de gases do efeito estufa localmente será inútil se o vizinho não fizer o mesmo.

Difícil fingir ignorância diante do acúmulo de diagnósticos. A intensidade da pesquisa e do debate científico tornou a maioria das informações acessíveis, e a precisão destas está sendo constantemente refinada. No caso da Covid-19, vários especialistas alertam sobre ela há anos, em particular o professor Philippe Sansonetti, docente do Collège de France, que apresenta a emergência infecciosa como um grande desafio do século XXI.

Não faltaram alarmes claros: vírus da influenza como o H5N1 em 1997 e o H1N1 em 2009; coronavírus como o COV-1 em 2003, depois o Mers em 2012. Da mesma forma, o relatório Charney, enviado ao Senado dos Estados Unidos há quarenta anos, já alertava sobre as possíveis consequências climáticas do aumento da quantidade de gases de efeito estufa na atmosfera. As estruturas multilaterais de compartilhamento de conhecimento e ação conjunta existem há cerca de trinta anos, com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) e, depois, a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (UNFCCC). Finalmente, os cientistas não evitam esforços para informar os tomadores de decisão e as empresas sobre a ameaça de um aquecimento que se acelera.

Os cenários de crise também são conhecidos. Muito rapidamente após o aparecimento da Covid-19, vários pesquisadores e autoridades de saúde alertaram para o perigo de uma pandemia. A ironia da situação é que, em meados de abril de 2020, os países menos afetados são os vizinhos mais próximos da China: Taiwan, seis mortos; Cingapura, dez mortos; Hong Kong, quatro mortos; Macau, zero. Escaldados pelo episódio da Sars em 2003 e conscientes do risco da epidemia, eles imediatamente colocaram em prática as medidas necessárias para reduzi-la: controles sanitários nas entradas, testes em quantidade, isolamento de pacientes e quarentena para os potenciais contaminados, uso generalizado de máscara etc.Aquecimento Global,Ambiente,Meio Ambiente,BlogdoMesquita 01

Na Europa, os governos continuaram a administrar o que consideravam suas prioridades: reforma previdenciária na França, Brexit do outro lado do Canal da Mancha, crise política quase perpétua na Itália… Então, para as semanas que estavam por vir, eles prometeram ações ou meios que já deveriam ter aplicado meses antes! Esse descuido os levou a tomar medidas muito mais drásticas que aquelas que poderiam ter sido suficientes no devido tempo, não sem maiores consequências no plano econômico, social ou das liberdades públicas. Sempre deixando para amanhã o cumprimento de seus compromissos assumidos em 2015 no âmbito do Acordo de Paris sobre o clima – ou negando a assinatura dele por seu país, como fez o presidente norte-americano –, os Estados procuram ganhar tempo. Na verdade, eles o estão perdendo!

Cavando nossa dívida ambiental

A súbita aceleração experimentada pela propagação do vírus na Europa antes do confinamento deveria deixar uma impressão duradoura nas pessoas. Os sistemas naturais raramente evoluem de maneira linear em resposta a distúrbios significativos. Nesse tipo de situação, é preciso saber detectar e levar em consideração os primeiros sinais de desequilíbrio antes de se confrontar com acelerações incontroláveis que podem levar a pontos de não retorno. Quando cuidadores ou funcionários de casas de repouso, deixados sem proteção e sem rastreamento, tornam-se eles próprios portadores do vírus, isso cria focos de contaminação em ambientes altamente sensíveis, que podem levar ao colapso dos sistemas de saúde, o que impõe um confinamento generalizado.

Da mesma forma, em termos de mudança climática, efeitos de retardo e retroações positivas – efeitos de retorno que amplificam a causa de partida – aprofundam nossa dívida ambiental, como um tomador de empréstimo sem dinheiro cujos novas contratações para pagar uma dívida antiga seriam feitas a uma taxa cada vez mais alta. A diminuição da cobertura de neve e o derretimento das geleiras se traduzem no desaparecimento de superfícies que refletem naturalmente a radiação solar, criando condições para uma aceleração do aumento da temperatura nas regiões envolvidas, resultando em um derretimento ainda mais reforçado que alimenta ele próprio o aquecimento. Assim, o derretimento do permafrost do Ártico – que cobre uma área duas vezes maior que a Europa – poderia levar a emissões maciças de metano, um poderoso gás de efeito estufa que multiplicaria por dez o aquecimento global.

Parte crescente da população sente a urgência de agir, faz suas próprias máscaras, organiza ajuda para os idosos. Mas qual é o sentido de pedalar, fazer compostagem ou reduzir seu consumo de energia quando o uso de combustíveis fósseis ainda é amplamente subsidiado e sua extração alimenta o aparato de produção e os números do “crescimento”? Como sair do repetitivo fenômeno das crises amplificado pelo discurso político-midiático: negligência, agitação, terror e depois esquecimento?Aquecimento Global,Meio Ambiente,Poluição

Porque existem duas diferenças fundamentais entre a Covid-19 e as mudanças climáticas: uma diz respeito às possibilidades de regular o choque sofrido, e a outra, à nossa capacidade de se adaptar a ele. A autorregulação das epidemias por aquisição de imunidade coletiva não faz da Covid-19 uma ameaça existencial para a humanidade, que já superou a peste, o cólera ou a gripe espanhola em condições sanitárias mais difíceis.

Com uma taxa de mortalidade provavelmente situada em torno de 1% – bem inferior a outras infecções –, a população do planeta não está ameaçada de extinção. Além disso, e mesmo que tenham sido negligentes no início, os governos dispõem do conhecimento e das ferramentas apropriadas para vir em socorro dessa autorregulação natural e diminuir o choque.

Relativamente circunscrita, a crise da Covid-19 pode ser comparada em sua dinâmica aos incêndios que queimaram a floresta australiana em 2019. Há um começo e um fim, embora este último atualmente seja muito difícil de definir e um retorno sazonal da epidemia não esteja descartado. As medidas adotadas para se adaptar a ela são relativamente bem aceitas pela população, desde que sejam percebidas como temporárias.Seca,Queimadas,Ambiente,Meio Ambiente,BlogdoMesquita 03

Por outro lado, a inação em questões climáticas nos fará sair dos mecanismos de regulação sistêmicos, levando a danos graves e irreversíveis. Podemos esperar uma sucessão de choques variados, cada vez mais fortes e frequentes: ondas de calor, secas, inundações, ciclones, doenças emergentes. O gerenciamento de cada um desses choques se assemelhará ao de uma crise de saúde do tipo Covid-19, mas sua repetição nos fará entrar num universo no qual as tréguas se tornarão insuficientes para se recuperar. Imensas áreas com uma grande parte da população mundial se tornarão inviáveis para viver ou simplesmente não mais existirão, pois serão invadidas pela subida do nível das águas.

É todo o edifício de nossas sociedades que está ameaçado de colapso. O acúmulo de gases de efeito estufa em nossa atmosfera é ainda mais deletéria pelo fato de que o CO2, o mais difundido deles, só desaparecerá muito lentamente, com 40% permanecendo presente na atmosfera após cem anos e 20% após mil anos.

Cada dia perdido em reduzir nossa dependência de combustíveis fósseis torna ainda mais caras as ações a serem tomadas no dia seguinte. Cada decisão rejeitada como “difícil” hoje levará a decisões ainda mais “difíceis” amanhã, sem esperança de “cura” e sem outra escolha a não ser adaptar-se, seja qual for o caso, a um novo ambiente, cujo funcionamento teremos dificuldade para dominar.

Devemos afundar no desespero enquanto aguardamos o apocalipse? A crise da Covid-19 ensina, pelo contrário, a imperiosa utilidade da ação pública, mas também a necessária ruptura com a marcha anterior. Após uma aceleração tecnológica e financeira predatória, esse tempo suspenso se torna um momento de tomada de consciência coletiva e de questionamento de nosso modo de vida e de nossos sistemas de pensamento.

O vírus Sars-COV-2 e a molécula de CO2 são objetos nanométricos, invisíveis e inodoros para o comum dos mortais. No entanto, sua existência e seu efeito (patogênico em um caso; criador do efeito estufa no outro) são amplamente aceitos, tanto pelos tomadores de decisão como pelos cidadãos. Apesar da inconsistência do que os governos apregoam, o essencial da população rapidamente compreendeu as questões envolvidas e a necessidade de certas medidas de precaução. A ciência representa nos tempos atuais um guia precioso para a decisão, com a condição de não se tornar uma religião que foge das necessidades de demonstração e de contradição. E a racionalidade deve mais do que nunca levar à exclusão de interesses particulares.

Decrescimento de produtos insustentáveis

Todos os países dispõem de reservas estratégicas de petróleo, mas não de máscaras de proteção… A crise da saúde coloca em primeiro plano a prioridade que deve ser dada aos meios de subsistência: alimentação, saúde, moradia, meio ambiente, cultura. Ela também lembra a capacidade da maior parte das pessoas de entender o que acontece por vezes mais rapidamente que os tomadores de decisão. As primeiras máscaras caseiras apareceram assim, quando a porta-voz do governo francês, Sibeth Ndiaye, ainda considerava seu uso inútil…

Por outro lado, parecemos mais bem preparados para reagir a ameaças concretas imediatas que para construir estratégias que nos permitam fazer frente aos riscos mais distantes, com efeitos ainda pouco perceptíveis.5 Daí a importância de uma organização coletiva motivada apenas pelo interesse geral e de um planejamento que articule necessidades.

Muito mais que a Covid-19, o desafio climático leva a questionar nosso sistema socioeconômico. Como tornar aceitável uma evolução tão drástica, uma mudança ao mesmo tempo social e individual? Antes de tudo, não confundindo a atual – e deletéria – recessão com a redução benéfica de nossa produção insustentável: menos produtos exóticos, que desperdiçam muita energia, caminhões, carros, seguros; mais trens, bicicletas, camponeses, enfermeiras, pesquisadores etc. As consequências concretas desse decrescimento só se tornarão aceitáveis para o maior número de pessoas quando recolocarmos a justiça social entre as prioridades e promovermos a autonomia dos coletivos em todos os níveis.

Um teste muito concreto e rápido da capacidade dos governos de derrubar os dogmas de ontem estará em sua atitude em relação ao Tratado da Carta da Energia. Esse acordo, que entrou em vigor em 1998 e vem sendo renegociado desde novembro de 2017, criou um mercado internacional “livre” de energia que envolve 53 países. Com o objetivo de tranquilizar os investidores privados, ele lhes concede a possibilidade de processar em tribunais arbitrais com poderes exorbitantes qualquer Estado que possa tomar decisões contrárias à proteção de seus interesses, decidindo, por exemplo, sobre a interrupção do uso da energia nuclear (Alemanha), a moratória das perfurações no mar (Itália) e o fechamento de usinas a carvão (Holanda).

E não se priva de sancionar os Estados por suas atitudes ambientalmente responsáveis: no fim de março de 2020, pelo menos 129 casos desse tipo foram objeto de uma “resolução de controvérsias”,6 um recorde em matéria de tratados de livre-comércio. Resultado: condenações para os Estados em um total de mais de US$ 51 bilhões.7 Em dezembro passado, 280 sindicatos e associações pediram à União Europeia que se retirasse desse tratado, que consideram incompatível com a aplicação do Acordo de Paris sobre o clima.Fome,Economia,Capitalismo,A vida como não deveria ser,Pobreza,Crianças,Fotografias

Trata-se menos de um plano para reviver a economia de ontem, da qual os países industrializados precisarão ao sair da crise da saúde, do que um plano de transformação em direção a uma sociedade na qual todos possam viver com dignidade, sem colocar em perigo os ecossistemas. A amplitude do recurso indispensável ao dinheiro público – que ultrapassará tudo que um dia conhecemos – oferece uma oportunidade única de condicionar apoios e investimentos à sua compatibilidade com a mitigação da mudança climática e a adaptação a essa mudança.

Philippe Descamps é jornalista do Le Monde Diplomatique; Thierry Lebel é hidroclimatologista, diretor de pesquisa do Instituto de Pesquisa para o Desenvolvimento (IRD) e do Instituto de Geociências Ambientais (IGE, Grenoble, França) e colaborador dos trabalhos do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC).

Em meio à pandemia, fome ameaça maior favela de São Paulo

Em Heliópolis, onde milhares dependem do trabalho informal, falta de alimentos é uma agonia diária para famílias.

Marcia, moradora de Heliópolis.
Ao lado da filha de um ano e do filho de cinco, Márcia conta que a avó teve covid-19 e que o marido perdeu o emprego.

Doações e distribuição de comida ajudam a amenizar cenário de escassez durante a crise do coronavírus.

Heliópolis, maior favela de São Paulo. No cômodo onde mora com os três filhos, Jucileide, de 32 anos, diz que a comida está faltando. Sem poder trabalhar devido à pandemia do novo coronavírus, a diarista usou a renda emergencial dada pelo governo para pagar o aluguel de 400 reais. Sem saneamento básico, ela vive às margens de um córrego a menos de três quilômetros do monumento imponente que marca o local onde a história oficial conta que a independência do Brasil foi declarada, em 1822.

Para alimentar os filhos, Jucileide agora depende de doações. O frango que acaba de receber de voluntários da Cufa (Central Única de Favelas), vai reforçar as próximas refeições. “Com ajuda, com força do povo, com cesta básica que a gente recebe a gente vai vivendo”, conta Jucileide à DW Brasil.

A vizinha, Márcia, de 30 anos, também conseguiu um frango. Com a filha de um ano no colo e na companhia do filho de cinco anos, ela conta que o marido perdeu o emprego como pedreiro. “A minha avó chegou a pegar esse coronavírus. Ela está em casa agora, não pode ver ninguém”, afirma sobre a familiar com covid-19.

Na manhã fria de outono em que a DW Brasil acompanhou o trabalho da Cufa por Heliópolis, filas se formavam rapidamente quando a distribuição de alimentos era notada pelos moradores. Diante da multidão, os voluntários pediam para que as pessoas não se aglomerassem para evitar o contágio.

Dentro do veículo que usam para fazer entregas, cedido por uma empresa para que a ONG execute atividades do tipo durante a pandemia, a quantidade de alimento não é suficiente para todos que aguardam. Na esperança de conseguir algo, alguns seguem o carro até a sede da Cufa. Na porta da organização, outros moradores de Heliópolis aguardam na expectativa de voltar pra casa com alguma doação.

“A gente não esperava que essa pandemia fosse chegar na favela. Foi um susto quando chegou”, diz Marcivan Barreto, que coordena as atividades da Cufa em Heliópolis. “São 220 mil pessoas que moram aqui. A maioria tem um trabalho informal e está sem renda agora”, explica o morador da comunidade, que todos conhecem pelo nome. “A gente quer ajudar todo mundo. Já tem gente sofrendo com a fome”, relata Barreto.

A maior favela de São Paulo tem uma população difícil de estimar. Segundo o Censo de 2010 do IBGE, há pelo menos 65 mil pessoas em Heliópolis, mas dados da subprefeitura do Ipiranga apontam 180 mil. Já a Cufa estima que sejam 220 mil.

Covid-19 em Heliópolis

Os primeiros moradores da área que ficou conhecida como Heliópolis chegaram por vias oficiais: em 1971, um alojamento provisório foi construído para abrigar famílias retiradas da favela Vila Prudente e Vergueiro para a construção de um viaduto. Desde então, o número de habitantes não parou de subir. A subprefeitura do Ipiranga, que administra a região, estima 18 mil imóveis e 3 mil comércios no bairro.

Marcivan, que coordena equipe de de voluntários da Cufa, distribui alimentos a moradores de Heliópolis.

Vestidos como uma camiseta preta gravada “Cufa contra o vírus”, a equipe de de voluntários coordenada por Marcivan Barreto fica atenta para distribuir os alimentos de forma justa. Além de Heliópolis, outras 250 favelas no estado São Paulo contam com a Cufa para aliviar o sofrimento de famílias sem renda.

Por várias ruas estreitas de Heliópolis, folhas afixadas em muros explicam o perigo da covid-19, a importância de lavar as mãos, do uso de máscaras e do distanciamento social. Na prática, porém, algumas medidas são difíceis de serem seguidas.

“São ambientes muito escuros, pequenos e com bastante gente”, diz sobre as moradias da comunidade a agente de saúde comunitária que prefere não ter o nome publicado. “A gente tem encontrado muitas pessoas com sintomas da covid-19, desempregadas ou sem salário”, revela o cenário que se depara durante as visitas aos moradores.

Em toda a cidade de São Paulo, que concentra o maior número de casos do país, mais de 28 mil pacientes sofrem com a doença, e pelo menos 2.430 pessoas morreram até a tarde desta terça-feira (12/05). Em Heliópolis, a Cufa estima pelo menos 30 óbitos.

Algumas das vítimas eram clientes de Cícero Silva, de 62 anos, dono de um mercadinho na comunidade. “A gente fica muito triste porque as pessoas estão morrendo”, lamenta. De máscara, ele diz que nunca duvidou da seriedade da doença. “Quando vi que tanta gente morria de um dia para outro, eu já sabia que era grave, mesmo antes de a pandemia chegar no Brasil”, diz.

Desemprego e fome

Assim que soube da distribuição de alimentos feita pela Cufa, Alaíde caminhou dois quilômetros, de sua casa até a sede da ONG, com a filha mais nova no colo. Ela já havia passado por um outro ponto de doação de cesta básica nas redondezas, sem sucesso.

“Está faltando tudo em casa. Sem trabalho, como a gente vai comprar?”, diz Alaíde.. “Trabalhava como doméstica. Agora estou parada, nenhum condomínio deixa a gente entrar, ainda mais quando sabem que a gente vive em Heliópolis”, adiciona.

Os alimentos que a ONG doa nas comunidades têm origens diferentes: vêm de grandes empresas, redes de supermercados, doadores famosos e anônimos.

Barreto, que chegou com os pais da Bahia a Heliópolis aos seis anos, em 1978, se emociona quando tem que negar os abraços que os moradores querem dar, como retribuição. “Eu sou gente. Gosto de cuidar das pessoas”, justifica.

“Não tem feriado, não tem domingo, todos os dias é assim, no meio da comunidade”, fala sobre as ações de distribuição de comida e emergência trazida pela pandemia.

Em 2019, cerca de 170 mil brasileiros entraram para a linha da pobreza extrema.

O fenômeno já havia se iniciado antes, em 2015, mas tem se acelerado nos últimos anos.

O grupo que vive em pobreza extrema no Brasil é constituído de pessoas que ganham menos de 1,9 dólar por dia.

Mais de 170 mil novos integrantes entraram no grupo, em 2019, totalizando 13,8 milhões de pessoas, o equivalente a 6,7% da população do país, informa o DW.

O primeiro ano do governo de Jair Bolsonaro foi pior para quem mais precisa de assistência: as pessoas em situação de vulnerabilidade social. Com a chegada da pandemia da Covid-19 no Brasil, as condições de vida desse grupo foram drasticamente afetadas, ainda que muitos estejam recebendo o auxílio emergencial do governo federal no valor de R$ 600.

Desde a chamada crise de 2015, o Brasil veio se recuperando de cima para baixo: os ricos ampliaram a sua renda e diminuíram as suas “perdas”, enquanto os mais pobres se viram mais empobrecidos.

Já a classe média teve, em 2019, uma avanço médio de renda, de acordo com o PNAD, que não avalia os ganhos financeiros e não capta a evolução da renda do 1% mais rico da população – o que, provavelmente, revelaria uma desigualdade ainda mais brutal na sociedade brasileira.

O sociólogo Rogério Barbosa, pesquisador do Centro de Estudos da Metrópole da Universidade de São Paulo (USP), analisa que estamos passando por um período de “recessão duradoura”: dúvida, entra para a conta do avanço da desigualdade social no Brasil a paralisia no programa Bolsa Família, que retraiu desde o início da gestão Bolsonaro.

O Bolsa Família, no ano passado, chegou a ter uma fila de mais de 1 milhão de famílias aptas a receber o benefício que não foram incluídas como beneficiárias pelo governo. No nordeste, a situação é ainda mais agravante, por concentrar 36,8% das famílias em pobreza ou pobreza extrema na fila de espera, informa o UOL. Para 2020, o quadro tampouco é animador, visto que o novo coronavírus está provocando uma desaceleração econômica no mundo todo.

Os scammers¹ da Dark Web exploram o medo e a dúvida do Covid-19

Os golpistas e criminosos que habitam a “dark web” que encontraram um novo ângulo – a ansiedade em relação ao Covid-19.

Direitos autorais da imagem – GettyImages

“Eles estão explorando o medo, a incerteza e a dúvida que as pessoas experimentam durante a pandemia, e usando a ansiedade e o desespero para levar as pessoas a comprar coisas ou clicar em coisas que não teriam de outra forma”, diz Morgan Wright, ex-consultor sênior ao programa de assistência antiterrorismo do Departamento de Estado dos EUA.

¹Scammers (ou fraudadores, em tradução livre) são perfis maliciosos usados para realizar golpes na Internet.

Wright, que atualmente é consultor chefe de segurança da empresa SentinelOne, costumava ensinar analistas comportamentais da Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA) sobre a exploração do comportamento humano.

Ele agora vê algumas dessas técnicas sendo usadas na dark web, uma parte criptografada da internet que pode ser acessada usando redes populares como o Tor.

O navegador Tor é focado na privacidade, o que significa que pode obscurecer quem o está usando e quais dados estão sendo acessados. Ele oferece a maus atores uma maneira de operar com um certo grau de impunidade, já que as forças da lei acham muito mais difícil rastrear criminosos que o usam.Wright costumava ensinar analistas comportamentais na Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA)

Desde o início da pandemia global, os mercados na dark web têm visto um aumento nos produtos e serviços relacionados ao Covid-19. Máscaras N95, vestidos, luvas e a droga cloroquina foram todos listados nesses mercados. No mês passado, a empresa de software de segurança IntSights descobriu que sangue supostamente pertencente a pacientes com coronavírus recuperados estava sendo oferecido para venda.

Os criminosos esperam que um maior sentimento de medo faça as pessoas se apressarem em comprar esses produtos e, como resultado, esses itens não são baratos; um relatório do Instituto Australiano de Criminologia descobriu que a vacina falsa média estava sendo vendida por cerca de US $ 370 (£ 300), enquanto uma supostamente originária da China estava vendendo entre US $ 10-15.000 (£ 8-12.000).

Uma das razões para o aumento dessas vendas pode ser o fato de muitos fraudadores terem que abandonar seus métodos normais de ganhar dinheiro na dark web – como a venda de voos falsos reservados usando aeronaves roubadas – porque essas indústrias estão atualmente inativas.

Muitos criminosos também vêem uma oportunidade – como a maioria das pessoas está trabalhando em casa, há uma chance maior de segurança cibernética negligente.

“De repente, houve uma grande mudança [na dark web] de falar sobre vulnerabilidades em software de colaboração quando eles perceberam que as pessoas estavam trabalhando em casa”, diz Etay Maor, diretor de segurança da IntSights.

Os golpes de phishing também estão aumentando. É aqui que os fraudadores fingem ser uma organização ou pessoa diferente por e-mail, esperando que a pessoa forneça alguns detalhes de login ou dados pessoais, que podem ser usados ​​para roubar dinheiro ou identidade de alguém.

“Os ataques de phishing começaram com aqueles que fingiam ser do NHS e depois se estenderam a organizações secundárias relacionadas ao Covid-19, como bancos ou HMRC, enviando e-mails sobre financiamento, subsídios ou concessão de licenças”, diz Javvad Malik, advogado de segurança da empresa de treinamento KnowBe4.

“Agora, existem modelos de phishing relacionados ao Covid-19 entrando em todos os kits de phishing disponíveis na dark web – o que significa que as pessoas podem imitar a Apple ou o LinkedIn com um conjunto de modelos padrão”, acrescenta ele.

Além disso, muitos serviços e produtos, incluindo kits de phishing, estão sendo oferecidos com desconto nas “vendas de coronavírus”.

“Há pessoas especializadas em páginas de phishing, VPNs obscuras ou serviços de spam por vários anos, que agora oferecem descontos porque acreditam que é a melhor hora para ganhar dinheiro e espalhar esses kits”, diz Liv Rowley, inteligência de ameaças. analista da Blueliv, empresa de segurança de computadores e redes.O analista de inteligência Liv Rowley monitora golpistas da dark web – Direito de imagem BLUELIV

A dark web foi projetada pelo Laboratório de Pesquisa Naval dos EUA, com a idéia de permitir que ativistas de direitos humanos e pessoas do exército conversem e colaborem de maneira anônima e segura.

Embora a introdução do bitcoin tenha permitido aos criminosos ganhar dinheiro na dark web, ainda existe um grande número de usuários que optam por usá-lo para seu objetivo inicial – falando anonimamente em outros fóruns.

Segundo Malik, esses fóruns costumam ser usados ​​para alimentar teorias da conspiração em torno do vírus.

“Conspirações sobre o 5G ser o veículo desse vírus, ou armamento biológico ou que Bill Gates é o homem por trás dele tendem a surgir na dark web”, diz ele.

À medida que as empresas de mídia social e outros meios de comunicação reprimem as informações erradas, muitas outras podem ser empurradas para a dark web. Esses fóruns costumam atuar como uma porta de entrada para os mercados, para que as pessoas conectem seus produtos ou serviços a um público-alvo. Essa pode ser uma maneira dos fraudadores ganharem mais dinheiro nos próximos meses.Teorias da conspiração florescem na dark web, diz Javvad Malik
Direitos de imagem jAVVAD MALIK

O outro lado disso é que muitos jornalistas, ativistas e cidadãos podem estar usando a dark web para se comunicar em países onde há muita censura. As versões Tor de muitos meios de comunicação, incluindo a BBC e o New York Times, podem ser usadas se os sites originais forem bloqueados por governos ou estados, por exemplo.

O Netblocks, um grupo de defesa dos direitos digitais, diz que muitos países cortaram o acesso à Web de maneiras diferentes, pois procuram controlar o fluxo de informações sobre o surto de coronavírus.

Dois grupos de ransomware disseram que não atacariam nenhum hospital ou organização de saúde durante a pandemia, mas, como destacou o secretário de Relações Exteriores Dominic Raab em uma recente coletiva de imprensa, há evidências de que as quadrilhas criminosas têm como alvo ativo organizações nacionais e internacionais que estão respondendo à pandemia. – incluindo hospitais.

“Essas organizações são direcionadas devido à vulnerabilidade delas no momento e à probabilidade de pagamento de um resgate”, diz Charity Wright, consultora de inteligência contra ameaças cibernéticas da IntSights.

A coordenação e orquestração de muitos desses ataques geralmente começam na dark web.Os golpistas da Dark Web têm como alvo os cuidados com a saúde, diz Etay Maor – Direitos autorais da imagem IntSights

“Estamos vendo mais ofertas na dark web especificamente para informações relacionadas à assistência médica e para direcionar unidades de saúde e médicos. Existe até um banco de dados criado por alguém na dark web com todos os tipos de informações sobre a equipe médica”, diz Etay Maor, da IntSights .

No essencial, a dark web ainda pode estar sendo usada pelos mesmos motivos pelos quais se destinava – sob uma perspectiva de privacidade e segurança. Mas os criminosos estão usando isso para tentar explorar uma crise global para obter ganhos financeiros.

“Essa é a faca de dois gumes que, como sociedade, ainda não elaboramos: como salvaguardamos a liberdade de expressão e garantimos a privacidade, mas ao mesmo tempo rastreamos e impedimos que as pessoas abusem dessas liberdades?” diz Javvad Malik.

Por que os céus claros do confinamento não são uma boa notícia para o planeta

Nem as águas limpas dos canais de Veneza. Nem as fotos de animais conquistando a cidade

Um grupo de cabras montesas anda pelas ruas de Llandudno, em Gales.

Mudaremos tanto por dentro após a vida de confinamento?
Irrelevante, insignificante, trivial. Esse é o efeito da redução dos gases poluidores (fundamentalmente, dos carros e da indústria) no aquecimento global. Aqueles que vociferam que o novo coronavírus deu um respiro ao planeta, como se espera que prove um céu azul claro poucas vezes visto em cidades poluídas, estão misturando conceitos, como o de qualidade do ar e mudança climática. “O primeiro tem a ver com emissões que nas cidades vêm, principalmente, do tráfego. Aí realmente veremos benefícios na saúde a curto prazo, pois caíram muito pelo confinamento. Mas, se o assunto é mudança climática, o importante é o CO2, cujas emissões quase não caíram a nível mundial”, diz Julio Díaz Jiménez, cientista titular na Escola Nacional de Saúde no Instituto de Saúde Carlos III (ISCIII).

E continua: “De fato, há somente três dias batemos um novo recorde de PPM na atmosfera [unidade que mede a concentração de dióxido de carbono]. A pandemia não mudou nada”. E mais, foi postergada, por segurança, uma importante reunião que verdadeiramente poderia ter feito algo para evitar secas, incêndios e catástrofes, a Conferências das Nações Unidas sobre a Mudança Climática (COP26), em que os países se dispunham a aumentar seu compromisso contra o aquecimento global (até agora, insuficiente). No melhor dos casos só ocorrerá em novembro de 2021.Poluição,Meio Ambiente,Blog do Mesquita 01

Não há copo meio cheio que chegue. Enquanto algumas previsões dizem que os estragos do coronavírus farão com que finalizemos o ano com uma queda nas emissões de CO2 de 5%, o necessário é chegar a 7,6% durante dez anos (ou, pelo menos, quedas de 10% mensais nos próximos 12 meses). As conversas para tentá-lo ―agora sepultadas pela urgência da situação― eram muito mais importantes do que essa parada forçada, concordam os especialistas. E meses de negociações foram perdidos… Também não é tão idílica essa nova imagem dos canais de Veneza com águas límpidas e transparentes (até peixes foram vistos). “Sem medições é impossível saber se é pela qualidade da água ou se, pela falta de barcos, os sedimentos não se removem e permanecem no fundo”, afirma Davide Tagliapietra, do Instituto de Ciências Marinhas da Itália.

O plástico sai de seu esconderijo

De acordo com a Bloomberg, nos EUA se passou uma semana entre o primeiro caso de covid-19 e a proibição da Starbucks de que seus clientes levem xícaras de casa para beber seus cafés. Os copos de plástico descartáveis se tornaram obrigatórios por motivos de saúde. A empresa editorial e de assessoria financeira lançou por sua vez um relatório pormenorizado no qual anuncia uma etapa dourada à indústria das embalagens do até bem pouco tempo desprezado material, “já que suas alternativas ecológicas apresentam dúvidas de higiene e segurança”.

Para não falar da altíssima demanda de máscaras, luvas, papel filme transparente e outros artigos muito procurados. O Greenpeace tem certeza de que a poluição por plásticos será um dos assuntos de sua agenda durante a gestão da crise. As corridas aos supermercados não ajudam. “Não temos dados, mas é evidente que há um aumento do consumo de produtos embalados em plásticos descartáveis”, diz a ONG.

Não está tudo perfeito aos animais

Pode parecer, pelas imagens de patos, javalis e cabras perambulando por locais até pouco tempo monopolizados pelos avarentos humanos (não acredite em todas: atenção ao fascículo, que você pode encontrar no PDF do novo número de BUENAVIDA, em espanhol, disponível grátis nesse link). São muitas as espécies, entretanto, que sofreram pela ausência de pessoas durante o confinamento (e continuarão sofrendo no que, previsivelmente, está por vir).

Como denunciou há pouco uma reportagem da revista Wired, qualquer animal com chifres na África, como é o caso dos rinocerontes, hoje corre mais riscos de ser caçado. “[Pela destruição dos empregos dos guardas florestais], se perderá todo o trabalho de conservação feito nos últimos dez anos na região”, avalia, na reportagem, um porta-voz da ONG The Nature Conservancy. É um lamento generalizado de todos os que se dedicam à conservação de espécies, de aves à fauna marina: com laboratórios fechados e fundos paralisados, seu trabalho está em perigo.

A fauna urbana, por sua vez, não está melhor. “As colônias de gatos, os patos, pavões-indianos de alguns parques e as pequenas aves que comem as sobras dos terraços estão desamparados”, afirmou Matilde Cubillo, presidenta da Federação de Associações Protetoras e de Defesa Animal da Comunidade de Madri, ao EL PAÍS. Nos abrigos de animais, não há adoções e voluntários.

Então não há esperança ao meio ambiente?Natureza,Ambiente,Meio Ambientea,Clima,Blog do Mesquita 01

O cientista Julio Díaz, chefe do departamento de Epidemiologia e Bioestatística do ISCIII, lança uma luz sobre o momento crucial ao planeta: “Aprendemos que a saúde pode vir antes da economia. E a defesa do meio ambiente é uma defesa da saúde: não se entende um sem o outro. Mas precisamos lembrar disso após a recessão, e não continuar com o ritmo de crescimento e emissões tão selvagem que fazíamos”.

A questão mais espinhosa: a crise econômica que se espera com a pandemia pode ser uma oportunidade para realizar a transição energética ou se transformará na desculpa perfeita para deixá-la para trás? Díaz tenta, com dificuldades, ser otimista… “Já tenho certa idade. E a história nos diz que ocorrerá a segunda opção.

Nos EUA, Donald Trump anunciou que relaxará as leis ambientais à indústria automotiva para diminuir a recessão. A China já emite gases poluidores pelo tráfego no mesmo nível do que antes da pandemia. Ainda assim, escolhi acreditar”. Gestos individuais? Também os espera: “Acredito que tenhamos aprendido que a bicicleta é um grande meio de transporte, e que não é preciso pegar um avião quando é possível se reunir pela Internet”.

O capital não dorme! Coronavírus: os negócios globais que conseguiram crescer durante a pandemia

Muitos estão usando a internet para fazer compras, o que pode ser uma notícia boa para o comércio eletrônico; custos, no entanto, têm crescido para as empresas.

Direito de imagem GETTY IMAGES

A pandemia de coronavírus causou muitos problemas para a economia global, mas as medidas de isolamento social que restringem a circulação de pessoas também ajudaram, por outro lado, algumas empresas a prosperar.

No entanto, mesmo nas histórias de sucesso, é preciso interpretar os dados com cuidado.

Por exemplo, muitos estão usando a internet para fazer compras, o que pode ser uma notícia boa para o comércio eletrônico. Mas os números da gigante americana Amazon, no entanto, contam uma história diferente.

Pertencente ao homem mais rico do mundo, Jeff Bezos, a empresa ganhou as manchetes em meados de abril como uma das vencedoras claras da crise dos coronavírus, com hordas de clientes entrando em seu site e gastando cerca de US$ 11 mil (R$ 63 mil atualmente) por segundo.

Em resposta, as ações da Amazon registraram um aumento histórico.

Mas duas semanas depois, os contadores do grupo se viram diante de uma situação diferente. Dizem que a empresa poderá sofrer perdas pela primeira vez em cinco anos, quando seus dados financeiros forem divulgados entre abril e junho.

Direito de imagem GETTY IMAGES

A empresa diz que terá que gastar US $ 4 bilhões para lidar com a disseminação da covid-19.

Despesas em tempos de coronavírus

Apesar de ter gerado muito mais dinheiro entre janeiro e março, a Amazon enfrenta custos crescentes para lidar com o aumento de pedidos, forçando-a a contratar 175 mil trabalhadores a mais.

A empresa diz que terá que gastar US$ 4 bilhões para lidar com a disseminação da covid-19, que inclui fornecer a seus trabalhadores equipamento de proteção individual e realizar operações de desinfecção em seus gigantescos armazéns.

Esse valor excede os ganhos da Amazon durante o primeiro trimestre de 2019 (US $ 2,5 bilhões).

A Amazon tem resistido há muito tempo aos sindicatos, argumentando que prefere falar diretamente com seus funcionários sobre quaisquer preocupações que eles tenham.

Antes de seu anúncio sobre o custo dos custos da covid-19, a Amazon havia sido criticada por razões de segurança pela forma como trata sua força de trabalho durante a pandemia.

A Netflix ganhou 16 milhões de novos assinantes nos últimos meses – Direito de imagem GETTY IMAGES

O boom do streaming

O setor de entretenimento doméstico tem sido um vencedor claro na quarentena, mantendo uma tendência crescente que já vinha de antes.

Nos últimos anos, o streaming vem se tornando cada vez mais popular.

Apesar do número de pessoas que foram ao cinema em todo o mundo ter crescido 18% nos últimos dois anos, as assinaturas da Netflix aumentaram 47% no mesmo período.

Não é de surpreender que o setor de entretenimento doméstico prospere quando tantas pessoas não têm escolha a não ser ficar em casa.

“Na Itália e na Espanha, por exemplo, as novas instalações de aplicativos da Netflix aumentaram 57% e 34% durante o confinamento (respectivamente)”, disse à BBC o analista de tendências Blake Morgan.

“As pessoas precisam de entretenimento e escapismo agora mais do que nunca.”

A Netflix anunciou em 22 de abril que ganhou quase 16 milhões de novos clientes entre janeiro e abril.

Produções paralisadas e câmbio desfavorável

Mas, mesmo em um caso tão bem-sucedido, há aspectos negativos. As condições de confinamento paralisaram a produção de novas séries e filmes.

Além disso, muitas moedas nacionais perderam valor devido à pandemia, o que significa que os mais novos clientes internacionais da Netflix não estão trazendo tanto dinheiro para a empresa americana.

Outra grande empresa de entretenimento americana que teve lucro mas também perdas durante a pandemia é a Disney.

A empresa teve que fechar seus parques de diversões quando as medidas de contenção foram implementadas. Isso custou à Disney pelo menos US$ 1,4 bilhão, de acordo com o CEO Bob Chapek.

Mas, ao mesmo tempo, a demanda pelos serviços de streaming da Disney explodiu.

A plataforma Disney+, lançada em novembro, agora tem quase 55 milhões de assinantes, número que a Netflix levou cinco anos para obter.

Duas das maiores empresas de entrega do mundo, Fedex e UPS, com sede nos Estados Unidos, pediram ao governo dos EUA apoio para lidar com problemas logísticos causados ​​por restrições impostas pelo confinamento. Direito de imagem GETTY IMAGES

Problemas de logística durante o confinamento.

Poderíamos esperar que o crescente comércio eletrônico também trouxesse lucros para as empresas de entrega que deixam pacotes à sua porta, mas também nesse caso há problemas.

Duas das maiores empresas de entrega do mundo, Fedex e UPS, com sede nos Estados Unidos, pediram ao governo dos EUA apoio para lidar com problemas logísticos causados ​​por restrições impostas pelo confinamento.

Embora tenha havido um aumento no número de clientes particulares comprando online, as operações mais lucrativas são entre empresas, e a demanda dessas empresas caiu porque muitas tiveram que fechar suas portas ou reduzir suas atividades durante a pandemia.

Até agora, os lucros da UPS caíram mais de 26% neste ano.

Profissionais do sexo estão sofrendo com a pandemia.
Direito de imagem GETTY IMAGES

Sexo vende, mas não traz tanto lucro aos profissionais.

Da Colômbia à Dinamarca, houve um aumento na venda de brinquedos sexuais durante o confinamento.

É um ótimo negócio, com um mercado que movimentou quase US$ 27.000 milhões em 2019.

A covid-19 parece ter dado um impulso à indústria de brinquedos sexuais, com empresas especializadas em dispositivos de alta tecnologia que oferecem “experiências de longa distância” se beneficiando do distanciamento social.

Mas o coronavírus gerou perda de renda – e aumentou os riscos à saúde – para profissionais do sexo.

Em muitos países, as trabalhadoras do sexo não têm direitos trabalhistas e não são elegíveis para programas de ajuda do governo, colocando-as na pobreza e deixando algumas sem moradia durante a pandemia.

O Japão é uma exceção, sendo um país que ofereceu ajuda financeira a profissionais do sexo durante esta crise.

Vendas de colchões de ioga cresceram – Direito de imagemGETTY IMAGES

Exercício em confinamento

As restrições de movimento e viagens foram má notícia para as academias, mas a venda de equipamentos de treinamento para quem faz exercício em casa aumentou.

Na Austrália, por exemplo, houve uma corrida por itens de fitness, de pesos a tapetes de ioga.

As vendas do Smartwatch cresceram 22% no início de 2020, em comparação com o mesmo período de 2019, de acordo com um relatório da consultoria Strategy Analytics.

“Muitos clientes usam relógios inteligentes para monitorar sua saúde e exercícios durante o confinamento”, disse à BBC Steven Waltzer, analista da empresa.

Os personal trainers tentam usar a internet para substituir as sessões tradicionais, mas essa situação é difícil para muitos profissionais do setor e várias academias tiveram que fechar suas portas.

Plataforma Zoom permite que músicos no Equador façam transmissões aos fãs – Direito de imagemGETTY IMAGES

Comunicação online e trabalho remoto

Com milhões de pessoas em todo o mundo trabalhando em casa, as ferramentas de comunicação online ganharam popularidade.

A empresa que lidera o negócio de videoconferência é a Zoom; o aplicativo teve mais de 131 milhões de downloads em todo o mundo em abril, segundo a empresa de pesquisa Sensor Tower, 60 vezes mais que o mesmo período do ano anterior.

Mais de 18% desses downloads foram feitos na Índia, e o segundo país da lista são os Estados Unidos, com 14%.

O Zoom tornou-se a escolha preferida de muitas empresas e membros do público.

Embora a maioria das pessoas use a versão gratuita do aplicativo, que possui restrições como limites de tempo em uma chamada, o Zoom ganha dinheiro com usuários que pagam por seus recursos premium. Nos primeiros três meses de 2020, a empresa ganhou US$ 122 milhões, dobrando o que alcançou no mesmo período do ano passado.

Outro vencedor da tendência do “teletrabalho” foi o Slack.

A plataforma de mensagens instantâneas usada pelas empresas para comunicações internas disse que seus assinantes quase dobraram de número entre janeiro e março.

Ações do PayPalbateram recorde no dia 7 de maio
Direito de imagem GETTY IMAGES

Ações do PayPal

Uma das maiores empresas de pagamento digital do mundo, o PayPal, foi severamente afetada pela covid-19. Seu lucro líquido nos primeiros três meses de 2020 caiu para US$ 84 milhões, quase oito vezes menos que no mesmo período do ano passado.

Mas, ao mesmo tempo, as ações do PayPal atingiram seu valor mais alto em 7 de maio.

Como os analistas de mercado explicam isso?

Muitas pessoas enfrentam dificuldades financeiras e podem estar menos dispostas a gastar durante o confinamento, mas a mesma situação também pode incentivá-las a migrar para serviços de pagamento digital, um sinal potencialmente positivo para o futuro do PayPal.

O PayPal registrou 10 milhões de novas contas entre janeiro e março e processou até US$ 199 bilhões, um aumento de US$ 161,5 bilhões em relação ao mesmo período em 2019.

“Acreditamos que estamos alcançando um ponto de inflexão em todo o mundo, onde as pessoas estão vendo como é simples e fácil usar pagamentos digitais para serviços”, disse Dan Schulman, CEO do PayPal, a investidores em uma teleconferência em 6 de maio.

“Pesquisas mostram que agora as pessoas estão mais inclinadas a comprar online do que a voltar à loja”, acrescentou.