Desigualdade: Monitoramento de aplicativo escancara política de morte pelo coronavírus em localidades pobres do Rio de Janeiro

A roleta da morte. Morrer de fome ou de Coronavirus?
Pandemia agrava fome nas favelas e o Brasil tem 51% de domicílios em áreas adensadas. Em 48% dos domicílios vivem entre 4 a 7 pessoas, enquanto a Pandemia agrava fome nas favelas.

O aplicativo Covid por CEP, criado pelo urbanista Thales Mesentier, foi colocado no ar este mês. A ideia é ajudar no combate à pandemia a partir de dados georreferenciados, oferecendo visualização espacial dos casos da doença na cidade do Rio de Janeiro, de acordo com o código de endereçamento postal. É possível realizar a busca por CEP específico ou navegar pela cidade clicando nos círculos do mapa, que tem cores correspondentes ao número de casos, indicando ainda se houve óbito na localidade.

De acordo com o aplicativo, os dados mostram uma maior concentração dos casos de Covid-19 nas regiões mais ricas da cidade. Porém, em contrapartida, nas regiões mais pobres, sobretudo na Zona Oeste, a taxa de letalidade pelo vírus é muito maior que a média do estado, uma das maiores do país.

Ainda segundo o aplicativo, em toda a capital, os endereços com maior número de mortes em decorrência da infecção por coronavírus são a Rua do Amparo, em Rio das Pedras; Rua São Miguel, na Tijuca; a Estrada dos Caboclos, em Campo Grande; e a Rua Nilópolis, em Realengo. Não podemos nos esquecer que toda a população do Morro do Borel utiliza como código postal o endereço situado na Rua São Miguel, número 500 e que, portanto, os dados devem refletir a realidade da comunidade moradora da favela. A ferramenta mostra que o CEP 20530-420, que corresponde à região, já teve 83 casos, sendo 75 recuperados, 8 óbitos e nenhum caso ativo até o momento.

Os dados do CoronaZap, um sistema de monitoramento colocado em prática por moradores do Borel por meio do WhatsApp, revelam que foram registrados 16 casos na comunidade, sendo 2 confirmados e 14 suspeitos, no período de março a abril deste ano.

É evidente que o número tende a ser muito maior, devido à falta de testes. Ainda assim, os números divulgados não foram contabilizados pelo poder público de maneira particular para o território, isto é, havendo um agrupamento dos casos para o bairro da Tijuca. A falta de uma política de notificação específica e transparente de casos em favelas, aliada à ausência do Estado com políticas públicas plenas para minimizar os impactos da doença nesses territórios, interferem diretamente no comportamento dos moradores em relação às medidas de proteção e segurança contra a Covid-19.

É impossível não se estarrecer com esses dados. É evidente que a pandemia realçou as profundas desigualdades do país, mas poucas coisas denunciam a prática da política de morte quanto o cruzamento dos dados do Covid por CEP, com os dados apresentados pela Rede de Observatórios da Segurança.

Muito se tem falado sobre necropolítica e em como Achille Mbembe avança, nos componentes racial e colonial, a análise da biopolítica de Foucault, para quem o biopoder funciona a partir da divisão entre as pessoas que devem viver e as que devem morrer. Para o filósofo camaronês, em nosso mundo contemporâneo, as armas são dispostas com o objetivo de provocar a destruição máxima de pessoas e criar formas únicas e novas de existência social nas quais vastas populações são submetidas a condições de vida que lhes conferem o estatuto de mortos vivos.

Favelas e o coronavírus (Free-Photos/Pixabay)

A política sanitária adotada pelo poder público nos territórios de favelas e periferias – onde saneamento básico, água potável, atendimento de saúde, entre outros serviços, são precários – evidencia o “deixar morrer” necropolítico, resultando em altos índices de letalidade da infecção por coronavírus em favelas e bairros da Zona Norte e Zona Oeste, longe dos hospitais de campanha montados no Centro e na Zona Sul da cidade, bem como da ampla cobertura da rede privada de saúde e do acesso a testes para diagnóstico da Covid-19.

Da mesma maneira, o aumento do uso da força letal por parte das polícias do Rio de Janeiro em relação ao ano anterior, especialmente em abril e maio, em meio à pandemia e algumas vezes, inclusive, durante ações humanitárias, concretiza a face do “fazer morrer” fruto da política de controle dos corpos por meio da morte.

Vale lembrar que a escalada de mortes decorrentes de intervenção de agente do Estado, durante operações policiais, somente decresceram em junho por imposição judicial em virtude da decisão liminar no bojo da ADPF 635 – Favelas pela Vida, que proibiu ações injustificadas enquanto durar a pandemia.

A maior parte das vítimas fatais da Covid-19 é negra, pobre, de origem periférica ou favelada – estudo liderado pela PUC-Rio mostra que pretos e pardos com baixo índice de escolaridade morrem quatro vezes mais.

Já uma análise da Agência Pública aponta que de cada três negros internados por Covid-19 um morre, a proporção entre brancos é 4,4 internados. Isso diz muito a respeito da situação da classe trabalhadora do Rio de Janeiro, e do enorme desafio em transformar cotidianamente luto em luta para mudar essa realidade de extrema desigualdade social.


Mônica Francisco é presidente da Comissão de Trabalho Legislação Social e Seguridade Social e vice-presidente da Comissão de Combate às Discriminações e Preconceitos de Raça, Cor, Etnia, Religião e Procedência Nacional da Alerj.

A pandemia e a pena de morte nas prisões brasileiras

Com a pandemia, o quadro geral de precariedade, exclusão e adoecimento nas prisões tornou-se ainda mais preocupante, não só pelo previsível efeito letal da doença em ambientes insalubres, mas também em razão das decisões governamentais e judiciais que agudizaram o problema e ampliaram os riscos da crise sanitária em curso.

As prisões são o lugar onde as violências e desigualdades sociais revelam sua mais brutal expressão. No Brasil, trata-se de celas lotadas e sem ventilação, instalações elétricas com remendos e potencialmente perigosas, comida racionada e de péssima qualidade, muitas vezes estragada, água escassa para o banho, para a limpeza das celas e mesmo para beber.

Os relatos são assustadores e as doenças são uma presença constante nesse universo insalubre. De acordo com dados do próprio Departamento Penitenciário Nacional (Depen), órgão do governo federal responsável pela gestão do sistema prisional, em dezembro de 2019 havia no sistema penitenciário 748 mil pessoas privadas de liberdade no país. Nesse universo, verificava-se um quadro de 170% de déficit de vagas, ou seja, uma realidade de absoluta superlotação.

Os negros são a maioria nesse sistema e estão expostos a uma taxa de encarceramento 1,5 vez maior do que a de um homem branco,2 o que confirma a seletividade da polícia nas abordagens e prisões em flagrante e o viés discriminatório nas decisões dos juízes, que reproduzem tanto estereótipos racializados quanto uma média maior de condenação para mulheres e homens negros.

Agencia Brasil

Com a pandemia, esse quadro geral de precariedade, exclusão e adoecimento tornou-se ainda mais preocupante, não só pelo previsível efeito letal da doença em ambientes insalubres, mas também em razão das decisões governamentais e judiciais que agudizaram o problema e ampliaram os riscos da crise sanitária em curso.

Como forma de propor medidas que contivessem a propagação do vírus nas prisões, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) editou a Recomendação n. 62, que exortou os juízes a adotar medidas para a reavaliação das prisões provisórias, a contenção de novas ordens de prisão preventiva, a concessão de saída antecipada dos regimes fechado e semiaberto para presos que não tivessem cometido crimes com violência ou grave ameaça e a transferência de presos do grupo de risco para prisão domiciliar. Entretanto, a despeito dos esforços do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do CNJ e das manifestações de apoio à agenda de desencarceramento para pessoas do grupo de risco da Covid-19, a Recomendação n. 62 continuou sendo duramente criticada pelo Ministério da Justiça e pelo governo federal e foi acolhida apenas parcialmente pelo Ministério Público e pela magistratura no Brasil.

O ex-ministro Sérgio Moro dedicou-se pessoalmente a deslegitimar a orientação do Conselho e a conceder reiteradas entrevistas afirmando que tudo estava sob controle no âmbito do Departamento Penitenciário Nacional e que, portanto, não era necessário que os juízes adotassem medidas que pusessem presos perigosos em liberdade.

No âmbito do Poder Judiciário, reiteraram-se decisões com indeferimento de pedidos de habeas corpus coletivos e sucessivas diligências que impediam a soltura de presos integrantes do grupo de risco. De modo ilegal, juízes recusaram-se a conceder pedidos de liberdade com o argumento genérico de que se tratava de presos perigosos ou que haveria nas prisões condições para a prevenção e o tratamento adequado ao coronavírus. Os juízes brasileiros optaram por contrariar as evidências médicas, a recomendação do CNJ e os apelos e alertas de organizações de direitos humanos, dos próprios presos e de seus familiares, e não concederam a maioria dos pedidos formulados por integrantes das defensorias públicas e pelos advogados particulares.Blog do Mesquita,Justiça,Brasil

Em pesquisa realizada entre março e maio de 2020 pela Defensoria Pública do Estado de São Paulo, verificou-se que, desde a edição da Recomendação n. 62, houve um aumento dos habeas corpus concedidos; porém, o estudo apurou também que 67% dos presos soltos estavam detidos em caráter preventivo, ainda sem julgamento, por causa de crimes cometidos sem violência, e que dos 783 soltos apenas 37 se encontravam condenados a regime fechado de prisão.

No mesmo sentido, um trabalho realizado por pesquisadoras do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper) e pela Fundação Getulio Vargas (FGV) Direito de São Paulo constatou que, das 6.781 decisões de habeas corpus (entre 18 de março e 4 de maio de 2020) que mencionaram a Covid-19, apenas 12% tiveram o pedido concedido,6 o que também corrobora a tendência já apontada no relatório produzido pelo Conselho Nacional de Justiça, que afirma que 26,9% dos Tribunais de Justiça não apresentaram alteração nas concessões de liberdade de réus presos em regime fechado.

Os argumentos adotados para negar os pedidos de liberdade revelam total desapreço pela obrigação estatal de zelar pela vida e pela integridade daqueles que se encontram sob sua custódia (ou seja, sob total e absoluta responsabilidade do próprio Estado). Algumas sentenças circularam na mídia e nas redes sociais como maus exemplos em termos de fundamentação constitucional e de respeito a valores éticos e a princípios de direitos humanos.

Um dos episódios mais trágicos foi o do juiz Camilo Léllis, da 4ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, que decidiu não alterar o regime da pena de um preso para o aberto, afirmando que o risco de contágio pelo coronavírus pode ser maior fora do sistema prisional do que dentro e que não seria razoável a determinação, de forma monocrática, de imediata remoção para o regime domiciliar de todos os presos que eventualmente se encontrem no chamado “grupo de risco”. O preso em questão encontrava-se na Penitenciária Compacta de Pracinha, que custodia 1.605 presos, tendo sido projetada para receber no máximo 844 internos.8

Mas por que os juízes decidem assim? Por que, apesar de todas as evidências, eles continuam mandando pessoas para cadeias superlotadas, com grande risco de contaminação e nas quais provavelmente vão morrer?

As respostas a essas perguntas passam, sem dúvida, pela constatação do peso do racismo em nossas relações sociais e do brutal processo de desumanização a que pessoas negras estão submetidas em nossa sociedade. Na prática, as condutas do governo federal e de parte da magistratura brasileira em relação à questão da Covid-19 nas prisões representam condenações à pena de morte na vigência do estado democrático de direito.

São escolhas políticas que constroem um itinerário de violência cujo desfecho letal é iminente e revela o peso do racismo no Brasil e sua força como esquema de anulação das possibilidades de vida e de acesso a direitos para as pessoas negras nos mais diferentes campos da vida social.

Felipe da Silva Freitas é doutor em Direito pela Universidade de Brasília, pesquisador do Grupo de Pesquisa em Criminologia da Universidade Estadual de Feira de Santana e integrante do projeto Infovírus

Pandemia: 40% dos países pobres não apoiam estudantes vulneráveis

De acordo com relatório da Unesco, 40% dos países mais pobres não apoiam os estudantes de menor renda, negros e com deficiência em meio à pandemia

A pandemia de Covid-19 aumentou a exclusão de estudantes, segundo o Relatório de Monitoramento Global da Educação 2020, realizado pela Unesco.

O estudo busca monitorar os avanços de 209 países no caminho para alcançar as metas de educação da ONU da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.

O documento indica que 40% dos países mais pobres – de baixa e média-baixa – não apoiam os alunos de menor renda, negros e com deficiência em meio ao isolamento social, não garantindo o básico, como acesso a dispositivos tecnológicos para o estudo remoto ou a adequação das aulas às deficiências.

De acordo com o texto, 258 milhões de crianças e jovens foram excluídos da educação, sendo a pobreza o principal obstáculo no acesso.

Nos países de renda baixa e média, os adolescentes que pertencem aos 20% mais ricos da sociedade têm três vezes mais chances de concluir o primeiro nível da educação secundária, em relação aos mais pobres.

Na América Latina e no Caribe, 9% dos países não têm oferecido suporte aos estudantes mais vulneráveis em meio à crise. A Unesco não indicou em que grupo o Brasil se classifica nem divulgou a lista dos países que não dão suporte aos alunos.

No mundo, um em cada quatro alunos de 15 anos informa que se sente excluído da escola. Além disso, 335 milhões de meninas vão para escolas que não lhes oferece serviços de água, saneamento e higiene dos quais necessitam para ir às aulas no período menstrual.

O relatório aponta que, em 10 países de renda baixa e média, estima-se que crianças com deficiências tenham uma probabilidade 19% menor de obter proficiência mínima em leitura do que aquelas que não têm deficiências.

No total, apenas 41 países reconhecem oficialmente a língua de sinais. No Brasil, por exemplo, a Língua Brasileira de Sinais (Libras) é reconhecida em lei. Cerca de um quarto dos países possui leis que determinam que crianças com deficiências sejam instruídas em contextos separados.

Ao abordar o Brasil, o relatório destaca a exclusão dos indígenas e alunos com deficiência. Atualmente, apenas 40% das escolas primárias recebem esses estudantes no país.

O relatório também indica outra preocupação no caso brasileiro: a exposição de alunos à violência e ao homicídio na região em que vivem e estudam.

O documento reforça que quase metade dos países de renda baixa e média não reúne dados educacionais suficientes sobre crianças com deficiência.

No entanto, há resultados políticos. O número de países latino-americanos que incluíram pelo menos uma questão sobre etnia em seu censo cresceu de 6, em 1980, para 12, em 2000. Somente a República Dominicana não inclui essa questão na região.

Em relação ao Brasil, o relatório ressalta o aumento de estudantes com deficiência nas escolas regulares de 23%, em 2003, para 81%, em 2015.

A pandemia de covid-19 está forçando a repensar a macroeconomia

Na forma como é conhecido hoje, a macroeconomia começou em 1936 com a publicação de “The The General Theory of Employment, Interest and Money”, de John Maynard Keynes.

Sua história subsequente pode ser dividida em três épocas. A era da política, guiada pelas idéias de Keynes, começou na década de 1940. Nos anos 70, encontrou problemas que não conseguia resolver e, nos anos 80, começou a era monetarista, mais comumente associada ao trabalho de Milton Friedman. Nas décadas de 1990 e 2000, os economistas combinaram idéias de ambas as abordagens. Mas agora, nos destroços deixados pela pandemia de coronavírus, uma nova era está começando. O que ele contém?

A idéia central da economia de Keynes é o gerenciamento do ciclo de negócios – como combater recessões e garantir que tantas pessoas que querem trabalho possam obtê-lo. Por extensão, essa ideia-chave se tornou o objetivo final da política econômica. Ao contrário de outras formas de teoria econômica no início do século XX, o keynesianismo previa um grande papel para o Estado alcançar esse objetivo. A experiência da Grande Depressão convenceu os proto-keynesianos de que a economia não era um organismo naturalmente corretor. Os governos deveriam ter grandes déficits (ou seja, gastando mais do que gastaram em impostos) durante as crises para sustentar a economia, com a expectativa de que pagariam a dívida acumulada durante os bons tempos.

O paradigma keynesiano entrou em colapso na década de 1970. A inflação persistentemente alta e o alto desemprego daquela década (“estagflação“) confundiram os economistas comuns, que pensavam que as duas variáveis ​​quase sempre se moviam em direções opostas. Isso, por sua vez, convenceu os formuladores de políticas de que não era mais possível “sair do caminho da recessão”, como admitiu James Callaghan, então primeiro-ministro britânico, em 1976. Um insight central da crítica de Keyman ao modernismo de Friedman era que, se os formuladores de políticas tentassem estimular sem enfrentar as deficiências estruturais subjacentes, eles aumentariam a inflação sem reduzir o desemprego. E a inflação alta poderia persistir, apenas porque era o que as pessoas esperavam.

Os formuladores de políticas procuraram algo novo. As idéias monetaristas da década de 1980 inspiraram Paul Volcker, então presidente do Federal Reserve, a esmagar a inflação restringindo a oferta de moeda, embora isso também produzisse uma recessão que provocou um aumento do desemprego. O fato de Volcker saber que isso provavelmente aconteceria revelou que algo mais havia mudado. Muitos monetaristas argumentaram que os formuladores de políticas antes deles tinham se concentrado demais na igualdade de renda e riqueza em detrimento da eficiência econômica. Em vez disso, precisavam se concentrar no básico – como inflação baixa e estável – que, a longo prazo, criaria as condições nas quais os padrões de vida aumentariam.

Parece um sussurro

Nas décadas de 1990 e 2000, surgiu uma síntese do keynesianismo e do Friedmanismo. Eventualmente, recomendou um regime político amplamente conhecido como “metas flexíveis de inflação”. O objetivo central da política era atingir inflação baixa e estável – embora houvesse espaço para, durante as crises, colocar o emprego em primeiro lugar, mesmo que a inflação estivesse desconfortavelmente alta. A principal ferramenta de gestão econômica era o aumento e a redução das taxas de juros de curto prazo, que, como se viu, eram determinantes mais confiáveis ​​do consumo e do investimento do que a oferta monetária. A independência dos bancos centrais dos governos garantiu que eles não caíssem nas armadilhas inflacionárias que Friedman advertiu. A política fiscal, como forma de gerenciar o ciclo de negócios, foi deixada de lado, em parte porque era vista como sujeita a influência política. O trabalho da política fiscal era manter as dívidas públicas baixas e redistribuir a renda na medida e da maneira que os políticos entendessem.

Agora parece que esse paradigma econômico dominante atingiu seu limite. Começou a tremer após a crise financeira global de 2007-09, quando os formuladores de políticas foram confrontados com dois grandes problemas. A primeira foi que o nível de demanda na economia – em geral, o desejo agregado de gastar em relação ao desejo agregado de economizar – parecia ter sido permanentemente reduzido pela crise. Para combater a crise, os bancos centrais reduziram as taxas de juros e lançaram flexibilização quantitativa (qe, ou imprimir dinheiro para comprar títulos). Mas, mesmo com uma política monetária extraordinária, a recuperação da crise foi lenta e longa. o crescimento do PIB foi fraco. Eventualmente, os mercados de trabalho cresceram, mas a inflação permaneceu silenciosa (ver gráfico 1). O final de 2010 foi simultaneamente a nova década de 1970 e a anti-década de 1970: inflação e desemprego mais uma vez não estavam se comportando como esperado, embora desta vez os dois fossem surpreendentemente baixos.

Isso pôs em questão a sabedoria recebida sobre como gerenciar a economia. Os banqueiros centrais enfrentaram uma situação em que a taxa de juros necessária para gerar demanda suficiente estava abaixo de zero. Esse era um ponto que eles não podiam alcançar com facilidade, pois se os bancos tentassem cobrar taxas de juros negativas, seus clientes poderiam simplesmente retirar seu dinheiro e colocá-lo debaixo do colchão. qe era um instrumento político alternativo, mas sua eficácia foi debatida. Tais disputas levaram a uma repensar. De acordo com um documento de trabalho publicado em julho por Michael Woodford e Yinxi Xie, da Columbia University, os “eventos do período desde a crise financeira de 2008 exigiram uma reavaliação significativa da sabedoria convencional anterior, segundo a qual somente a política de taxas de juros. deve ser suficiente para manter a estabilidade macroeconômica. ”

O segundo problema pós-crise financeira estava relacionado à distribuição. Embora as preocupações com os custos da globalização e automação ajudassem a impulsionar a política populista, os economistas perguntaram em cujos interesses o capitalismo vinha trabalhando ultimamente. Um aparente aumento na desigualdade americana após 1980 se tornou central em muitas pesquisas econômicas. Alguns temiam que as grandes empresas tivessem se tornado poderosas demais; outros, que uma sociedade globalizada era muito afiada ou que a mobilidade social estava em declínio.

Alguns argumentaram que o crescimento econômico estruturalmente fraco e a má distribuição dos despojos da atividade econômica estavam relacionados. Os ricos têm uma maior tendência a economizar, em vez de gastar, por isso, se sua parcela da renda aumentar, a economia geral aumentará. Enquanto isso, na imprensa, os bancos centrais enfrentaram acusações de que baixas taxas de juros e qe estavam aumentando a desigualdade, aumentando os preços da habitação e das ações.

No entanto, também estava ficando claro o quanto de estímulo econômico poderia beneficiar os pobres, se o desemprego caísse o suficiente para que os salários das pessoas de baixa renda aumentassem. Pouco antes da pandemia, uma parcela crescente do PIB em todo o mundo rico era acumulada para os trabalhadores na forma de ordenados e salários. Os benefícios foram maiores para os trabalhadores mal remunerados. “Estamos ouvindo em voz alta e clara que essa longa recuperação está beneficiando comunidades de baixa e moderada renda em maior extensão do que se sente há décadas”, disse Jerome Powell, presidente do Fed, em julho de 2019. A crescente crença no o poder redistributivo de uma economia em expansão aumentou a importância de encontrar novas ferramentas para substituir as taxas de juros para gerenciar o ciclo de negócios.

Mesas começando a virar

Então o coronavírus atingiu. As cadeias de suprimentos e a produção foram interrompidas, o que, sendo tudo o mais, deveria ter causado o aumento dos preços, pois as matérias-primas e os produtos acabados eram mais difíceis de encontrar. Mas o maior impacto da pandemia tem sido do lado da demanda, fazendo com que as expectativas de inflação e taxas de juros futuras caiam ainda mais. O desejo de investir caiu, enquanto as pessoas em todo o mundo estão economizando grande parte de sua renda.

A pandemia também expôs e acentuou desigualdades no sistema econômico. Aqueles em empregos de colarinho branco podem trabalhar em casa, mas trabalhadores “essenciais” – os motoristas de entrega, os limpadores de lixo – devem continuar trabalhando e, portanto, correm maior risco de contrair a covid-19, o tempo todo por salários baixos. Aqueles em setores como hospitalidade (desproporcionalmente jovens, mulheres e com pele negra ou marrom) sofreram o impacto da perda de empregos.

Mesmo antes da covid-19, os formuladores de políticas estavam começando a se concentrar mais uma vez no maior efeito do rebentamento e do boom do ciclo de negócios sobre os pobres. Mas desde que a economia foi atingida por uma crise que mais afeta os mais pobres, surgiu um novo senso de urgência. Isso está por trás da mudança na macroeconomia. Criar novas maneiras de voltar ao pleno emprego é mais uma vez a principal prioridade para os economistas.

Mas como prosseguir sobre isso? Alguns argumentam que a covid-19 provou temores errados de que os formuladores de políticas não possam combater recessões. Até agora, neste ano, os países ricos anunciaram estímulos fiscais no valor de US $ 4,2 trilhões, o suficiente para levar seus déficits a quase 17% do PIB, enquanto os balanços dos bancos centrais cresceram 10% do PIB. Esse enorme estímulo acalmou os mercados, impediu que as empresas colapsassem e protegessem a renda das famílias. Ações políticas recentes “repreendem a idéia de que os formuladores de políticas podem ficar sem munição”, argumenta Erik Nielsen, do banco Unicredit.

No entanto, embora ninguém duvide que os formuladores de políticas tenham encontrado muitas alavancas, ainda há divergências sobre o que deve continuar sendo puxado, quem deve fazer o puxão e quais serão os efeitos. Economistas e formuladores de políticas podem ser divididos em três escolas de pensamento, do menos ao mais radical: um que exige apenas mais coragem; um que olha para a política fiscal; e um que diz que a solução são taxas de juros negativas.

Pegue a primeira escola. Seus defensores dizem que, enquanto os bancos centrais puderem imprimir dinheiro para comprar ativos, poderão impulsionar o crescimento econômico e a inflação. Alguns economistas argumentam que os bancos centrais devem fazer isso na medida do necessário para restaurar o crescimento e atingir suas metas de inflação. Se eles falham, não é porque estão sem munição, mas porque não estão se esforçando o suficiente.

Há pouco tempo, os banqueiros centrais seguiram esse credo, insistindo que ainda tinham as ferramentas para fazer seu trabalho. Em 2013, o Japão, que tem mais experiência do que qualquer outro país com condições de baixo crescimento e inflação ultra baixa, nomeou um banqueiro central “o que for preciso”, Kuroda Haruhiko, para liderar o Banco do Japão (boj). Ele conseguiu provocar um boom de empregos, mas aumentou a inflação em menos do que o prometido. Logo antes da pandemia Ben Bernanke, ex-presidente do Fed, argumentou em um discurso para a Associação Econômica Americana que o potencial de compra de ativos significava que apenas a política monetária provavelmente seria suficiente para combater uma recessão.

Mas, nos últimos anos, a maioria dos banqueiros centrais gravitou para exortar os governos a usarem seus orçamentos para impulsionar o crescimento. Christine Lagarde abriu seu mandato como presidente do Banco Central Europeu com um pedido de estímulo fiscal. Powell alertou recentemente o Congresso contra a retirada prematura de sua resposta fiscal à pandemia. Em maio, Philip Lowe, governador do Banco da Reserva da Austrália (rba), disse ao parlamento australiano que “a política fiscal terá que desempenhar um papel mais significativo na gestão do ciclo econômico do que no passado”.

Permanecendo nas linhas de bem-estar

Isso coloca a maioria dos banqueiros centrais na segunda escola de pensamento, que se apóia na política fiscal. Os adeptos duvidam que as compras de ativos do banco central possam oferecer estímulo ilimitado, ou ver essas compras como perigosas ou injustas – talvez, por exemplo, porque a compra de dívida corporativa mantém as empresas vivas que deveriam falir. Melhor para o governo aumentar os gastos ou cortar impostos, com os déficits orçamentários absorvendo o excesso de poupança criada pelo setor privado. Pode significar ter grandes déficits por um período prolongado, algo que Larry Summers, da Universidade de Harvard, sugeriu.

Essa visão não elimina o papel dos bancos centrais, mas os relega. Eles se tornam facilitadores de estímulos fiscais, cuja principal tarefa é manter os empréstimos públicos de longo prazo ainda mais baratos à medida que os déficits orçamentários disparam. Eles podem fazer isso comprando títulos diretamente, ou fixando as taxas de juros de longo prazo perto de zero, como fazem o boj e o rba atualmente. Como resultado da covid-19 “a linha tênue entre política monetária e gerenciamento da dívida do governo ficou turva”, de acordo com um relatório do Bank for International Settlements (bis), um clube de bancos centrais.

Nem todo mundo está feliz com isso. Em junho, Paul Tucker, ex-vice-governador do Banco da Inglaterra, disse que, em resposta às vastas compras de títulos do governo pelo banco, a questão era se o banco “agora voltou a ser o braço operacional do Tesouro”. Mas aqueles influenciados pela escola keynesiana, como Adair Turner, ex-regulador financeiro britânico, querem que o financiamento monetário do estímulo fiscal se torne uma política declarada – uma idéia conhecida como “dinheiro de helicóptero”.Enormes programas de estímulo fiscal significam que os índices de dívida pública / PIB estão aumentando (ver gráfico 2). No entanto, esses não mais preocupam economicamente os economistas. Isso ocorre porque as baixas taxas de juros atuais permitem que os governos paguem dívidas públicas muito mais altas (veja o gráfico 3). Se as taxas de juros continuarem abaixo do crescimento econômico nominal – ou seja, antes de se ajustar à inflação -, uma economia poderá sair da dívida sem precisar ter um superávit orçamentário, um ponto enfatizado por Olivier Blanchard, do Instituto Peterson de Economia Internacional, um think tank. Outra maneira de argumentar é dizer que os bancos centrais podem continuar a financiar governos enquanto a inflação permanecer baixa, porque é a perspectiva de inflação que força os formuladores de políticas a aumentar as taxas para níveis que tornam a dívida cara.

Para alguns, a idéia de transformar a torneira fiscal ao máximo e cooptar o banco central para esse fim se assemelha à “moderna teoria monetária” (mmt). Essa é uma economia heterodoxa que pede que países que podem imprimir sua própria moeda (como os EUA e a Grã-Bretanha) ignorem os índices de dívida em relação ao PIB, confiem no banco central para conter a dívida pública e continuem executando gastos deficitários, a menos e até desemprego e inflação voltam ao normal.

E há de fato uma semelhança entre essa escola de pensamento e a mmt. Quando as taxas de juros são zero, não há distinção entre emitir dívida, que de outra forma incorreria em custos de juros, e imprimir dinheiro, que os livros didáticos supõem que não incorrem em custos de juros. A uma taxa de juros zero, “não importa se você financia com dinheiro ou com dívida”, disse Blanchard em um webinar recente.

Mas a comparação termina aí. Enquanto aqueles que defendem o mmt querem que o banco central atrele as taxas de juros a zero permanentemente, outros economistas do setor defendem uma política fiscal expansionista precisamente porque desejam que as taxas de juros subam. Isso, por sua vez, permite que a política monetária recupere a tração.

A terceira escola de pensamento, que se concentra nas taxas de juros negativas, é a mais radical. Preocupa-se com a forma como as taxas de juros permanecerão abaixo das taxas de crescimento econômico, como Blanchard estipulou. Seus defensores veem o estímulo fiscal, financiado por dívida ou pela criação de dinheiro do banco central, com alguma suspeita, pois ambos deixam contas para o futuro.

Um efeito colateral do qe é que ele deixa o banco central incapaz de aumentar as taxas de juros sem pagar juros pela enorme quantidade de dinheiro eletrônico que os bancos estacionaram com ele. Quanto mais dinheiro for impresso para comprar títulos do governo, mais dinheiro será depositado nele. Se as taxas de curto prazo aumentarem, a conta de “juros sobre reservas” do banco central também aumentará. Em outras palavras, um banco central que cria dinheiro para financiar estímulos está, em termos econômicos, fazendo algo surpreendentemente semelhante a um governo que emite uma dívida de taxa flutuante. E os bancos centrais são, em última instância, parte do governo.

Portanto, não há almoços grátis. “Quanto mais alto o qe pendente como parcela da dívida total do governo, mais o governo fica exposto a flutuações nas taxas de juros de curto prazo”, explicou Gertjan Vlieghe, do Banco da Inglaterra, em um discurso recente. Outra preocupação é que nas próximas décadas os governos enfrentarão ainda mais pressão sobre seus orçamentos com os gastos com pensões e assistência médica associados ao envelhecimento da população, investimentos para combater as mudanças climáticas e outras catástrofes no molde da covid-19. A melhor maneira de estimular as economias continuamente não é, portanto, criar contas a serem pagas quando as taxas subirem novamente. É tomar taxas de juros negativas.

À espera de uma promoção
Algumas taxas de juros já são marginalmente negativas. A taxa da política do Banco Nacional Suíço é de -0,75%, enquanto algumas taxas na zona do euro, Japão e Suécia também estão no vermelho. Mas Kenneth Rogoff, da Universidade de Harvard, e Willem Buiter, ex-economista-chefe do Citigroup, um banco, prevê taxas de juros de -3% ou menos – uma proposta muito mais radical. Para estimular gastos e empréstimos, essas taxas teriam que se espalhar por toda a economia: aos mercados financeiros, às taxas de juros dos empréstimos bancários e também aos depósitos nos bancos, que precisariam encolher com o tempo. Isso desencorajaria a poupança – em uma economia deprimida, afinal, muita economia é o problema fundamental – embora seja fácil imaginar taxas de juros negativas provocando uma reação populista.

Muitas pessoas também gostariam de tirar seu dinheiro dos bancos e enfiá-lo debaixo do colchão. Efetuar essas propostas, portanto, exigiria uma reforma abrangente. Existem várias idéias de como fazer isso, mas o método da força bruta é abolir pelo menos as notas de alta denominação, tornando caro e impraticável manter grandes quantidades de dinheiro físico. Rogoff sugere que, eventualmente, o dinheiro possa existir apenas como “moedas pesadas”.

Taxas negativas também apresentam problemas para os bancos e o sistema financeiro. Num artigo publicado em 2018, Markus Brunnermeier e Yann Koby, da Universidade de Princeton, argumentam que existe uma “taxa de juros reversa” abaixo da qual os cortes nas taxas de juros realmente impedem os empréstimos bancários – prejudicando a economia em vez de impulsioná-la. Abaixo de uma certa taxa de juros, que a experiência sugere que deve ser negativa, os bancos podem não estar dispostos a repassar cortes nas taxas de juros para seus depositantes, por medo de levar os clientes irritados a transferir seus depósitos para um banco rival. Taxas de juros profundamente negativas podem esmagar os lucros dos bancos, mesmo em uma economia sem dinheiro.

Pegue o que é deles

Vários fatores ainda podem tornar a economia mais hospitaleira a taxas negativas, no entanto. O dinheiro está em declínio – outra tendência que a pandemia acelerou. Os bancos estão se tornando menos importantes para o financiamento, com cada vez mais intermediação nos mercados de capitais (ver artigo). Os mercados de capitais, observa Buiter, não são afetados pelo argumento da “taxa de reversão”. Enquanto isso, os banqueiros centrais estão brincando com a idéia de criar suas próprias moedas digitais, que podem funcionar como contas de depósito para o público, permitindo que o banco central pague ou pague juros diretamente sobre os depósitos, e não através do sistema bancário. A campanha de Joe Biden para a Casa Branca inclui idéias semelhantes, o que permitiria ao Fed atender diretamente aqueles que não têm uma conta bancária privada.

Os formuladores de políticas agora têm que ponderar os riscos a escolher no mundo pós-cobiçado: ampla intervenção do banco central nos mercados de ativos, aumentos contínuos na dívida pública ou um abalo no sistema financeiro. No entanto, um número crescente de economistas teme que mesmo essas mudanças radicais não sejam suficientes. Eles argumentam que existem problemas mais profundos que só podem ser resolvidos por reformas estruturais.

Um novo artigo de Atif Mian, da Universidade de Princeton, Ludwig Straub, da Universidade de Harvard, e Amir Sufi, da Universidade de Chicago, expande a idéia de que a desigualdade prejudica a demanda da economia. Assim como a desigualdade cria uma necessidade de estímulo, eles argumentam, o estímulo acaba criando mais desigualdade. Isso ocorre porque deixa as economias mais endividadas, ou porque as baixas taxas de juros incentivam as famílias ou empresas a tomar empréstimos, ou porque o governo está com déficits. O endividamento público e privado transfere a renda para investidores ricos que possuem a dívida, diminuindo ainda mais a demanda e as taxas de juros.

As tendências seculares das últimas décadas, de maior desigualdade, maiores índices dívida / PIB e menores taxas de juros, reforçam-se assim. Os autores argumentam que escapar da armadilha “requer consideração de políticas macroeconômicas menos padronizadas, como as que se concentram na redistribuição ou as que reduzem as fontes estruturais de alta desigualdade”. Uma dessas “fontes estruturais de alta desigualdade” pode ser a falta de competitividade. Grandes empresas com mercados cativos não precisam investir tanto quanto investiriam se enfrentassem mais concorrência.

Um novo documento de trabalho de Anna Stansbury, também da Universidade de Harvard, e Summers, rejeita essa visão e culpa o declínio do poder de barganha dos trabalhadores no mercado de trabalho. Segundo os autores, isso pode explicar todos os tipos de tendências econômicas americanas: o declínio (até meados de 2010) da participação dos trabalhadores na renda, redução do desemprego e da inflação e alta rentabilidade corporativa. Eles sugerem que os empresários podem economizar mais do que os trabalhadores, de modo que, à medida que a renda das empresas aumenta, as economias agregadas aumentam.

Stansbury e Summers são a favor de políticas como o fortalecimento dos sindicatos ou a promoção de “acordos de governança corporativa que aumentem o poder dos trabalhadores”. Eles argumentam que tais políticas “precisariam ser cuidadosamente consideradas à luz dos possíveis riscos do aumento do desemprego”. Idéias para aumentar o poder dos trabalhadores como indivíduos podem ser mais promissoras. Uma é fortalecer a rede de segurança, o que aumentaria o poder de barganha dos trabalhadores e a capacidade de se afastar de acordos de trabalho pouco atraentes.

Em um livro recente, Martin Sandbu, colunista do Financial Times, sugere substituir os subsídios isentos de impostos por pequenos rendimentos básicos universais. Outra idéia é fortalecer a aplicação da legislação trabalhista existente, atualmente fraca em muitos países ricos. Uma regulamentação mais rigorosa de fusões e aquisições, para impedir a formação de novos monopólios, também ajudaria.

Todas essas novas idéias agora competirão por espaço em um ambiente político no qual a mudança repentinamente parece muito mais possível. Quem poderia imaginar, apenas seis meses atrás, que dezenas de milhões de trabalhadores em toda a Europa teriam seus salários pagos por esquemas de licença financiados pelo governo ou que sete em cada dez desempregados americanos em recessão ganhariam mais com o seguro-desemprego pagamentos do que haviam feito no trabalho? Devido aos resgates em massa, “o papel do estado na economia provavelmente parecerá consideravelmente maior”, diz o bis.

Falando sobre uma revolução

Muitos economistas desejam precisamente essa intervenção do estado, mas ela apresenta riscos claros. Os governos que já possuem dívidas pesadas podem decidir que se preocupar com déficits é para os fracos e que a independência do banco central não importa. Isso poderia finalmente desencadear inflação alta e fornecer um lembrete doloroso dos benefícios do antigo regime. As reformas do setor financeiro podem sair pela culatra. Uma maior redistribuição pode tirar a economia de uma maneira estranha, como Sufi, Stansbury e seus respectivos colegas descrevem – mas impostos pesados ​​podem igualmente desencorajar o emprego, a empresa e a inovação.

Repensar a economia é uma oportunidade. Atualmente, existe um consenso crescente de que mercados de trabalho restritos poderiam dar aos trabalhadores mais poder de barganha sem a necessidade de uma grande expansão da redistribuição. Uma reavaliação equilibrada da dívida pública pode levar ao investimento público verde necessário para combater as mudanças climáticas. E os governos poderiam desencadear uma nova era das finanças, envolvendo mais inovação, intermediação financeira mais barata e, talvez, uma política monetária que não seja restringida pela presença de dinheiro físico. O que está claro é que o velho paradigma econômico parece cansado. De um jeito ou de outro, a mudança está chegando.
Com dados da The Economist/

Clique Aqui>> Um olhar fora da bolha: Fatos & Fotos 16/07/2020

Boa noite.
Manhã
Guilherme Pavarin

amanheceu na minha esquina
um tanque pixado com flores
e mortalhas sobre o canhão

vizinhos posaram para selfies
homens montaram seus filhos
repórteres alisaram ferrugem

geométrico e tetânico
ele foi ficando jardim
dentadura de pneus

ao lado ergueu-se uma praça
com trânsito, louvores e pipocas
de domingo a domingo

todos à espera dos cuidados
do motorista que lá estacionou
para menos dia

num brecha de nossa vigília
botar outro tanque, mais novo
em seu lugar

Ilustração de Oleg Denisenko

*****

Su Xinping – s/t 2013

*****

Nas plagas dos Tapuias, com cacique representando a direita-jeca-sertaneja-petencostalibão, a Novilíngua ou novafala, penetra sem K&Y.

Paulo Jegues, ops!, ato falho, Guedes faz mega pedalada fiscal e a imprensa – imprensa? Hahaha – chama de ‘drible’. Hahaha.
Pelo menos R$ 55 bilhões em despesas fora do limite estabelecido pelo teto de gastos. A pedalada fiscal do ministro Paulo Guedes, deve se repetir nos próximos anos.
Impeachment? “Cês taun” delirando é? Hahaha.
A distopia do Estado de Exceção é um assombro!

*****

Uma coisa o Tenebroso está fazendo certo. A cloroquina é jujuba para o virus da covid-19. Ela é ineficaz tal e qual.

*****

Não estudou história, excelência?

Mourão disse que retirar 3.500 garimpeiros da terra Yanomami é “complexo”. Há 23 anos, sem tecnologia, o Ibama e a PF retiraram 8.000 garimpeiros da terra Nambikwara Sararéi. Nos anos 90, a PF retirou milhares de garimpeiros dos Yanomami. É impressionante o desconhecimento do Brasil nesse (des)governo ancorado nas trevas Idade Média! O senhor vice-presidente seria aprovado no ENEM?

*****

Da série: “Fique Em Casa”
*****

Soberano

*****

“Você queimará no inferno!”: O caso do professor condenado por ensinar a teoria de Darwin. Há 95 anos, o professor de biologia John Thomas Scopes foi preso e acusado de ter ensinado “uma teoria que nega a história da Criação Divina do Homem, conforme explicado na Bíblia“. Três dias depois, Scopes estava na prisão e o banco da acusado estava esperando por ele no Tribunal do Tenessee, USA.
Qualquer semelhança com o Bananil das trevas, não é mera coincidência.

*****

Cerâmica de Greet Ketelaers

*****

Brasil da série: “A vida como não devria ser”, ou “O Brasil é um Estado em estado terminal”!
À esquerda, o miliciano Queiroz. À direita, uma mãe amamentando filho na prisão e através das grades da incesatez. Esta, é a justiça brasileira. Uma porcaria! Quem tem padrinho forte, não morre pagão.

*****

E o Trofeu Febeapá do dia vai para o secretário do Ministério da Morte, ops!, ato falho – Saúde do desgoverno do langanhento;
“Brasil é um grande exemplo de combate à covid-19”

*****

*****

Pintura de Carl Fredrik Hill
Villa at Seine, Fontainebleau – 1877

*****

O Brasil tem hoje apenas dois países aliados: Estados Unidos e Israel. Pelo menos, assim são considerados por nosso dejeto presidencial. Todas as outras importantes parcerias foram arruinadas por uma diplomacia vergonhosa, baseada em ofensas, infâmias e deboches.

*****

Só para lembrar que foi aqui que o Osmar Terra disse que o Brasil tinha chegado no pico da pandemia.

*****

Monalisas

*****

Paulo da Costa Domingos Quarentena – Poesia

É um ribeiro, uma harpa
com penugem sobre corolas
que despertam par’a Lua.
Um mar gigante com arca,
uma metrópole flutuante,
quarentena de aventura
Eu sozinho, mestre, perplexo
ante a ciência que me deste
do compasso, pétala e agulha.
Paulo da Costa Domingos, Ilícito, Averno, 2020

*****

Ontem foi uma mulher de 51 anos; hoje, um motoboy. Ambos negros. Agredidos e humilhados pela milícia de João Doria. Qualquer projeto político que se preze tem que ter uma agenda de combate radical ao racismo. Ou isso ou uma guerra civil represada há séculos.

*****

A alternativa para os próximos 20 anos é uma forma sustentável de capitalismo, que não será vista como capitalismo

Paul Mason é autor de “Pós-Capitalismo”: Um Guia para o Nosso Futuro’ – Getty Imeges

Um grande ponto de interrogação se coloca sobre o mundo neste momento: o que vai acontecer depois da pandemia de covid-19?

A pergunta recai sobre as coisas mais mundanas e concretas — como quando voltaremos a dar as mãos ou abraçar nossos amigos — até as mais abstratas e aparentemente mais distantes: nossas liberdades individuais serão afetadas?

Será o fim da globalização? O que acontecerá com o capitalismo?

Esta última parece ir ao cerne do momento que vivemos atualmente. O capitalismo é mais uma vítima da crise ou seu causador? Como o sistema deve mudar para se adaptar a novas realidades? Há apetite para uma mudança desse porte entre as classes dirigentes e os empresários?

O britânico Paul Mason dedicou parte da vida para refletir sobre o capitalismo. Como jornalista, cobriu parte das grandes crises econômicas e dos movimentos sociais das últimas décadas.

Como intelectual, além de um livro de ficção e uma peça de teatro, escreveu sobre os mesmos temas: a classe trabalhadora, a crise financeira de 2008 e os diferentes protestos globais como a Primavera Árabe, Ocuppy Wall Street e os “indignados” da Espanha.

Mas fora suas últimas obras — PostCapitalism: A Guide to Our Future (“Pós-capitalismo: Um guia para o nosso futuro”, editado pela Cia das Letras) e Clear Bright Future: A Radical Defence of the Human Being (ainda sem edição no Brasil) — que o tornaram um nome conhecido internacionalmente, envolvido em vários debates sobre o estado atual do capitalismo e seu futuro.

A BBC News Mundo, serviço em espanhol da BBC, conversou com Paul Mason em Londres, onde ele vive.

Direito de imagemGETTY IMAGES

A peste negra foi a epidemia que mais matou na História

Em um artigo recente, o senhor traça um interessante paralelo entre o que acontece hoje e o que aconteceu depois da epidemia de peste negra, no século 14, que marcou a transição do feudalismo para o capitalismo.

Paul Mason – Um dos temas do meu trabalho é que, como o feudalismo, o capitalismo tem um começo, um meio e um fim.

Em meu último livro (Clear Bright Future: A Radical Defence of the Human Being), digo que o fim de um modo de produção de um sistema econômico é com frequência uma mistura de suas fraquezas internas com o que chamamos de “choques externos” ou exógenos.

Então, para nós, a mudança climática se manifesta como um choque exógeno, porque o único capitalismo industrial que conhecemos está baseado na extração de carvão e na destruição da biosfera.

É possível que, em um universo paralelo, o capitalismo tivesse se desenvolvido a partir da energia limpa e em harmonia com a natureza, mas não foi assim.

Há ainda a questão do envelhecimento populacional, que possivelmente levaria à falência 60% dos países até meados deste século porque não haverá gente o suficiente para sustentar uma população envelhecida.

O coronavírus é outro fator que parece ser um choque externo.

Mas meu argumento é que, ainda que todos pareçam choques externos, na realidades são produzidos pelo próprio capitalismo.

Esse é o problema: o tipo de capitalismo que temos destrói as florestas tropicais e cria condições para que milhões de pessoas vivam em situação vulnerável.

E no mundo desenvolvido — provavelmente não tão óbvio para alguns leitores na América Latina — ele tem criado “doenças da pobreza”. Há muita gente morrendo de obesidade em Londres, com diabetes tipo B ou enfermidades nos pulmões porque fumou a vida inteira.

O paralelo que faço com a peste negra é limitado, mas vale a pena ser explorado, porque a epidemia foi responsável por duas coisas: primeiro, interrompeu o modelo econômico do feudalismo porque não havia componeses para cultivar a terra.

E nas cidades não havia pessoas o suficiente que soubessem trabalhar com o que era a principal matéria-prima da época, a lã. Nas revoltas que eclodiram depois da peste negra, sempre houve participação dos trabalhadores que manufaturavam a lã.

Protestos em Wall Street em 2008: para Mason, capitalismo financeiro é danoso para o próprio capitalismo
Direito de imagemGETTY IMAGES

O outro impacto — e maior — foi a quebra da ideologia. Porque fez com que as pessoas dissessem: “Isso (o modelo) não está funcionando.”

Entre aqueles que estudaram aquele período há um livro brilhante que se chama Lust for Liberty (“Desejo de liberdade”, em tradução livre), de Samuel K. Cohn. O título já diz tudo: ao final da epidemia, as pessoas se deram conta de que o sistema não as estava protegendo.

Se pensa no feudalismo — e acredito que na América Latina a imagem seja desses grandes senhores de terras, pois as revoltas coloniais também foram contra os grandes senhores de terras —, e a cultura entre esses donos de terra era o paternalismo. O proprietário está ali para explorar, mas também para proteger.

E o que aconteceu no século 14 foi que as pessoas disseram: “Espera aí, isso não está nos protegendo”. E a palavra liberdade começou a ser usada e disseminada.

Nós pensamos na palavra “liberdade” no contexto da Revolução Francesa, mas desde 1360 observamos o uso da palavra “libertas”, em latim, pelos revolucionários.

Algo que me chama atenção nesta comparação é que a peste negra marcou a transição do feudalismo para o capitalismo, o que, de alguma maneira, permitiu o Renascimento e o que conhecemos como Idade Moderna. Há mais ou menos 40 anos se fala do fim dessa Idade Moderna e do que, por falta de uma expressão melhor, se chama “pós-modernismo”. Como se novamente uma epidemia estivesse marcando a transição para um período distinto…

Mason – É interessante, mas não vejo as coisas assim. Há muita coisa em jogo. Minha posição é a de que temos em nível global um sistema econômico que não funciona. E é um sistema que depende que um mundo rico bombeie recursos para um mais pobre e, por sua vez, que este mundo pobre bombeie lucro de volta ao rico.

É uma simplificação extrema, mas é assim que funciona.

Isso gerou grande desenvolvimento no hemisfério sul do planeta — algo bom para a região —, mas, ao mesmo tempo, cria pobreza e desigualdade, inclusive no mundo desenvolvido, tanto ao ponto de mostrar que o sistema não é sustentável.

Em 2008, dissemos: “Há muita dívida”. E a razão foi que os bancos centrais imprimiram muita moeda e as pessoas usaram isso para especular. E a solução foi US$ 75 bilhões extras em dívida e mais dinheiro por parte dos bancos centrais.

Estamos tentando curar a doença… com mais doença. E a doença é o capitalismo financeiro.

E qual a cura que se está oferecendo para a crise de covid-19? Mais dinheiro por parte dos bancos centrais, mais dívida.

Então, antes de falar de Modernidade, devemos falar de algo muito mais recente: o modelo econômico neoliberal, que está baseado em uma profunda desigualdade, especulação financeira extrema e baixos salários. Um modelo que em algum momento funcionou, mas que não funciona mais.

Indústria automotiva destruiu empregos quando surgiu, mas acabou gerando outros – Direito de imagem GETTY IMAGES

Deixemos de lado a questão da dívida. Se você pensa em uma franquia da Starbucks, ela trabalha com uma margem de lucro bem pequena, porque está em constante pressão para reduzir preços.

Se a Starbucks decide aumentar o preço do café, o McDonald’s reduz imediatamente. Então estamos diante de algo que há sido chamado de “capitalismo just in time”, onde praticamente não há estoque.

É o que temos no serviço de saúde britânico: deixamos que ele opere em sua capacidade máxima, assim não há camas ou respiradores sobressalentes. E isso não pode continuar assim. O que se necessita é de capacidade.

No futuro fará sentido que a Starbucks tenha várias lojas com cafés de cada país. Fará sentido que elas tenham empregados adicionais, porque essa situação deve continuar e eles devem em algum momento ter algo como 10% da força de trabalho doente a todo momento.

E, logicamente, o serviço de saúde britânico deveria ter mais camas, mais médicos, mais enfermeiros.

Mas, se tudo isso acontecer, todo o modelo neoliberar vai ruir. Então esse é meu ponto. Estamos diante de um modelo que já se esgotou e acredito que a tarefa para aqueles envolvidos na política é pensar em uma solução.

Porque a resposta não pode ser a mesma que a maioria dos países deu em 2008, certo? Austeridade, cortes em áreas como a saúde… Isso parece estar no centro de tudo o que está errado neste momento.

Mason – Exatamente. Temos que rechaçar a austeridade, não só porque ela afeta mais aqueles que têm menos, mas porque se você a combina com a maior disponibilidade de recursos por parte dos bancos centrais…

Pense em termos da quantidade de dinheiro circulando: se um governo coloca mais dinheiro para circular, mas ao mesmo tempo está cortando gastos, o único lugar para onde esses recursos podem fluir é para os mais ricos.

Então, essa combinação de imprimir mais moeda enquanto se reduz o Estado só vai produzir mais desigualdade.

E digo o seguinte a seus leitores: qualquer governo da América Latina que se proponha a fazer essas duas coisas ao mesmo tempo está conscientemente enchendo o bolso das casses mais altas.

Como jornalista, Paul Mason trabalhou para a BBC e para o Channel 4, na Inglaterra
Direito de imagem GETTY IMAGES

O que você acha que vai acontecer? Porque estamos diante de mudanças que nunca se pensou que ocorreriam com tanta rapidez: países aprovando uma renda básica universal ou a nacionalização de alguns setores da economia… Isso deve continuar?

Mason – Não. Veja, é possível pensar na nossa cabeça que o livre mercado funciona perfeitamente bem e que vai corrigir tudo em circunstâncias normais, mas o que precisamos agora é de forte intervenção estatal.

O que estamos vendo com Trump ou com os conservadores no Reino Unido que estão tomando as medidas corretas, ainda que com lentidão: fechar a economia e a reconversão de algumas companhias às mãos do Estado.

Mas o que vai acontecer quando as pessoas se derem conta de que a normalidade não vai retornar? Acredito que precisamos de três coisas.

Primeiro, que o governo tenha uma participação em todos os negócios estratégicos. Isso não é o mesmo que resgatá-los financeiramente. Pode-se dar-lhes algum dinheiro, mas com algumas condições, como que mantenham toda a força de trabalho que possam — no caso das empresas do setor aéreo e as petroleiras, pode-se pedir que comecem a fazer uma transição para a tecnologia verde. E que o Estado seja dono de parte da empresa.

Você mencionou a renda básica. A longo prazo, a melhor maneira para que isto funcione é através de algo chamado de serviços básicos universais.

Quer dizer, usar o dinheiro dos contribuintes para garantir renda para todo mundo, mas também para prover serviços básicos gratuitos: saúde, educação universitária, moradia acessível e transporte barato ou gratuito nas cidades.

O problema nesta crise é que nada disso vai ajudar, porque o que as pessoas precisam neste momento é dinheiro. Assim, no curto prazo precisamos que cada país tenha um esquema de salário básico universal.

Finalmente, a terceira coisa que creio que precisamos é que os bancos centrais comprem a dívida do governo, se necessário, de maneira indireta.

Isso é um anátema para a economia de livre mercado porque basicamente é o governo decretando o fim da independência dos bancos centrais — algo que era uma ficção, de qualquer maneira. É o governo emprestando a si mesmo.

Para muitos isso não faz sentido, mas teríamos que pensar da seguinte maneira: estaríamos concedendo um “empréstimo ponte” (modalidade que algumas instituições financeiras condecedem quando seus clientes necessitam de liquidez imediata) ao futuro.

A conta seria paga por aqueles que estivesse vivos daqui 50 ou 100 anos. Porque, se pagássemos os custos agora, as pessoas não morreriam apenas pela doença. A própria democracia poderia morrer.

E em um momento em que ela já está frágil — veja Trump e Bolsonaro —, se permitirmos uma depressão na escala de 1929 creio que em muitos países a democracia evaporaria.

Algo que o senhor analisava quase cinco anos atrás em “Postcapitalism”, seu livro anterior, é que o capitalismo havia perdido sua capacidade de se adaptar, em especial o neoliberalismo. O que pensa sobre esse tema hoje?

Mason – O capitalismo pode se adaptar a essa crise, mas assumirá uma forma bem diferente. Ficará tão diferente que muita gente nem o enxergará como capitalismo.

Agora mesmo há muitas oportunidades para o investimento privado. Na área de educação, por exemplo, ou no entretenimento.

O faturamento da Netflix está aumentando, seu problema é não conseguir produzir conteúdo novo neste momento. Mas está lá a oportunidade para que as pessoas criativas o façam. Por exemplo: acho que a animação voltará a ser bastante popular.

Não estou dizendo que essa crise vai significar o fim do capitalismo. O ponto do meu livro era diferente: que o capitalismo havia perdido sua capacidade de se adaptar a mudanças tecnológicas.

Sim, é verdade.

Em essência, em todas as revoluções tecnológicas anteriores, as novas tecnologias eliminavam formas antigas de trabalho.

Por exemplo, as pessoas que usavam cavalos ou carroças ficaram sem trabalho no início do século 20, com a criação do automóvel. Mas novos postos de trabalho foram criados nas fábricas de veículos.

E assim o capitalismo vai se adaptando. O problema é que a tecnologia da informação atualmente destrói formas de trabalho mais rapidamente do que cria — e em particular elimina empregos com alta remuneração.

Claro que ele também cria a função do desenvolvedor de software, que é bem pago, mas agora muito do processo de desenvolvimento de software está automatizado.

O clássico trabalho manual bem remunerado era o de fabricante de ferramentas para maquinário. E então havia um engenheiro talentoso que era capaz de desenhar e fundir em metal algo que era tão precioso que poderia construir aviões com ele. Agora ele faz um computador.

Essa é a ideia que trato de explicar quando falo da capacidade de adaptação do capitalismo, mas a crise causada pela covid-19 é um problema a mais.

O senhor segue acreditando que é possível ver as sementes desse pós-capitalismo no ambiente em que vivemos hoje?

Mason – A tecnologia da informação permite que o lucro venha cada vez mais fácil. Também cria a possibilidade de automatização rápida. Cria um efeito de rede que produz novos materiais.

Por exemplo: quando descobrirmos uma vacina contra o coronavírus, independentemente da decisão dos fabricantes de cobrar ou não por ela, o fato é que ela poderia estar à disposição do mundo inteiro no dia seguinte. E de forma gratuita. Hoje é muito fácil fabricar uma vacina com uso da tecnologia da informação.

Basicamente, a tecnologia da informação está dificultando que o capitalismo seja capitalista. Agora, temos modalidades diferentes de propriedade, como a Wikipedia, o movimento “open source”, plataformas de cooperação.

Em Postcapitalism eu argumento que nos levará tempo para amadurecer um sistema alternativo. E creio que o fato de que agora mesmo estejamos enfrentando uma crise de funcionalidade do modelo existente deveria fazer as pessoas pensarem nas alternativas de que dispomos.

Para mim, a alternativa para os próximos 20 anos é uma forma mais sustentável de capitalismo. Quero dizer mais verde, menos excludente, sem especulação financeira.

Continuará sendo capitalismo, mas muitos não o enxergarão como tal.

Um olhar fora da bolha: Fatos & Fotos 12/07/2020

*****
Pintura de Floriano Teixeira

*****

Grafitti – Autor Desconhecido

*****

Da série: “Fique em Casa”

*****

Arquitetura – Residências
Capadócia,Turquia

*****

Grafitti

– Série Sereníssima – XII
Escultor inglês vive West Sussex, UK.

William Knight (British,1872-1958)
“At Sunset” s/d

*****

*****

Da série: “FiqueEmCasa”

*****

Brasil da série:
“Sem humor não dá para agüentar
o tranco neste hospício”

*****

Sonho de ditaduras: “A Escola sem Patido”.
Com partidos, permitidos só os que lambem rabos.

*****

Com todas a vênias, Ministro Gilmar Mendes, discordo. Não é o exército, mas os nanicos de pijama subordinados ao capetão.
O Exército está se associando a “genocídio” na pandemia do novo coronavírus,” diz Gilmar Mendes – Ministro do STF participou de debate neste sábado (11) ao lado de Luiz Henrique Mandetta e Drauzio Varella.

*****

Da série:”Assim é se lhe parece”!

*****

Entenda como o Facebook relacionou
fake news à família Bolsonaro.

Envolvimento direto de funcionário do presidente. A investigação, que partiu da Atlantic Council’s Digital Forensic Research Lab (DFRLab), descobriu que administradores dessas redes estavam diretamente ligados aos gabinetes dos filhos do presidente, Eduardo e Flávio Bolsonaro e a outros deputados do Partido Social Liberal (PSL). Essa ação do Facebook e DRFLab é inédita no Brasil e exigiu a colaboração de pesquisadores associados na América Latina.

*****

*****

Emil Nolde
Rain over a Marsh, c. 1938

*****

PANDEMIA DE CORONAVÍRUS

Dois cientistas vinculam maior gravidade da covid-19 a DNA herdado dos neandertais. Os suecos Svante Pääbo, ganhador do Princesa de Astúrias, e Hugo Zeberg sustentam que uma variante genética de origem neandertal tem “trágicas consequências” hoje.

Um estudo preliminar com 35.000 pacientes detectou uma taxa de mortalidade por covid 19% maior nesses cidadãos originários do sul da Ásia em comparação com os grupos classificados como “brancos”.

*****

Gravura de Hiromi Sumida

*****

Uma país que acha linda a primeira criança e quer exterminar a segunda, não deu certo!

*****

Francis Bacon – Superficialidade Popular

Como se a multidão ou os mais sábios em nome da multidão não estivessem prontos a dar passagem muito mais àquilo que é popular e superficial do que ao que é substancial e profundo; pois a verdade é que o tempo parece ter a natureza de um rio ou correnteza, que carrega até nós tudo o que é leve e inflado, mas afunda e afoga tudo aquilo que tem peso e solidez.

*****

Breve em uma escola perto de você

*****

Trump livra a cara do amigo do peito.

O presidente Donald J. Trump ordenou uma clemência executiva para comutar a injusta sentença de “Roger Stone“, acrescentando que Roger Stone “já sofreu muito” Hahaha.
“Com essa comutação, Trump deixa claro que existem dois sistemas de Justiça na América: um para seus amigos criminosos e outro para todos os outros”, disse Adam Schiff, presidente do Comitê de Inteligência da Câmara.

*****

Da série: “Fique em Casa”

*****

Mortes crescentes entre Xavantes

A situação é tensa também entre os Xavantes, etnia de 23 mil pessoas que vive em uma área fragmentada em nove terras indígenas no Mato Grosso. Já são mais de 200 casos de infecção confirmados e 23 óbitos em decorrência da Covid-19, segundo dados do Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei).

*****

Da série: “Fique em Casa”

*****

Em um mês, terra indígena do Vale do Javari registra aumento de 630% em casos confirmados de Covid-19

*****

Outlet de propaganda chinesa pagou US $ 19 milhões a jornais por publicidade

Um dos principais meios de propaganda da China pagou aos jornais americanos quase US $ 19 milhões por despesas de publicidade e impressão nos últimos quatro anos, de acordo com documentos arquivados no Departamento de Justiça.

Nicolas Asfouri – Pool/Getty Images

O China Daily, um jornal em inglês controlado pelo Partido Comunista Chinês, pagou mais de US $ 4,6 milhões ao The Washington Post e quase US $ 6 milhões ao The Wall Street Journal desde novembro de 2016, mostram os registros.

Ambos os jornais publicaram suplementos pagos que o China Daily produz chamados “China Watch”. As inserções foram projetadas para parecerem com artigos de notícias reais, embora muitas vezes contenham uma opinião pró-Pequim sobre os eventos de notícias contemporâneos.

Uma publicação de setembro de 2018 divulgou uma iniciativa promovida pelo presidente chinês Xi Jinping com a manchete: “Cinturão e Rota se alinham com os países africanos”. A mesma publicação publicou uma matéria intitulada “Tarifas para cobrar pedágio nos compradores de casas nos EUA”, que afirmavam que as tarifas dos EUA sobre madeira chinesa aumentariam o custo de construção de casas nos Estados Unidos.

O China Daily também pagou pela publicidade em vários outros jornais: The New York Times (US $ 50.000), Política Externa (US $ 240.000), The Des Moines Register (US $ 34.600) e CQ-Roll Call (US $ 76.000).

Gastou um total de US $ 11.002.628 em publicidade nos jornais dos EUA e outros US $ 265.822 em publicidade no Twitter.

O China Daily também pagou mais de 7,6 milhões de dólares a jornais e empresas de impressão por seus jornais para os leitores dos EUA, mostra o arquivo do Departamento de Justiça.

Estações da PBS que receberam milhões em fundos federais firmaram parceria com agente estrangeiro chinês em filme pró-Pequim.

O Los Angeles Times, o Seattle Times, o Atlanta Journal-Constitution, o Chicago Tribune, o Houston Chronicle e o Boston Globe estão todos listados como clientes do China Daily. A agência chinesa pagou ao Los Angeles Times US $ 657.523 por serviços de impressão, segundo os registros da FARA.

Uma mulher usando uma máscara é vista após um retrato do presidente chinês Xi Jinping em Xangai (REUTERS / Aly Song)

O Departamento de Justiça exige há anos que o China Daily divulgue suas atividades semestralmente sob a Lei de Registro de Agentes Estrangeiros (FARA). O arquivo mais recente, enviado pelo China Daily em 1º de junho, é o primeiro a incluir detalhadamente os pagamentos aos meios de comunicação americanos. O canal divulgou essas despesas para o período entre novembro de 2016 e abril de 2020.

Não está claro se o China Daily enviou os arquivos mais detalhados sob pressão do Departamento de Justiça ou por conta própria.

Grupos pró-democracia há muito tempo alertam sobre as tentativas do governo chinês de fazer propaganda através dos meios de comunicação americanos. A Freedom House e a Hoover Institution chamaram a atenção para as inserções pagas do China Daily em relatórios sobre os esforços do governo chinês para influenciar a mídia.

O China Daily e outras fábricas de propaganda controladas por Pequim estão sob intenso escrutínio em meio à pandemia de coronavírus. Autoridades do governo chinês tentaram desviar a culpa pela disseminação do vírus para os Estados Unidos e outras nações ocidentais. Muitos dos veículos controlados pelo regime, incluindo o China Daily, ecoaram os argumentos dos líderes comunistas.

O China Daily diminuiu seus gastos com publicidade nos últimos meses, mostram os registros. O China Daily pagou pela última vez ao Washington Post por publicidade em dezembro de 2019. Seus pagamentos ao The Wall Street Journal foram menos da metade do seu valor médio desde fevereiro de 2020, mostram os documentos.

Fonte: Chuck Ross/Dayly Caller

A pandemia e a pena de morte nas prisões brasileiras

Com a pandemia, o quadro geral de precariedade, exclusão e adoecimento nas prisões tornou-se ainda mais preocupante, não só pelo previsível efeito letal da doença em ambientes insalubres, mas também em razão das decisões governamentais e judiciais que agudizaram o problema e ampliaram os riscos da crise sanitária em curso.

As prisões são o lugar onde as violências e desigualdades sociais revelam sua mais brutal expressão. No Brasil, trata-se de celas lotadas e sem ventilação, instalações elétricas com remendos e potencialmente perigosas, comida racionada e de péssima qualidade, muitas vezes estragada, água escassa para o banho, para a limpeza das celas e mesmo para beber.

Os relatos são assustadores e as doenças são uma presença constante nesse universo insalubre. De acordo com dados do próprio Departamento Penitenciário Nacional (Depen), órgão do governo federal responsável pela gestão do sistema prisional, em dezembro de 2019 havia no sistema penitenciário 748 mil pessoas privadas de liberdade no país. Nesse universo, verificava-se um quadro de 170% de déficit de vagas, ou seja, uma realidade de absoluta superlotação.1

Os negros são a maioria nesse sistema e estão expostos a uma taxa de encarceramento 1,5 vez maior do que a de um homem branco,2 o que confirma a seletividade da polícia nas abordagens e prisões em flagrante e o viés discriminatório nas decisões dos juízes, que reproduzem tanto estereótipos racializados quanto uma média maior de condenação para mulheres e homens negros.3

Com a pandemia, esse quadro geral de precariedade, exclusão e adoecimento tornou-se ainda mais preocupante, não só pelo previsível efeito letal da doença em ambientes insalubres, mas também em razão das decisões governamentais e judiciais que agudizaram o problema e ampliaram os riscos da crise sanitária em curso.

Como forma de propor medidas que contivessem a propagação do vírus nas prisões, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) editou a Recomendação n. 62, que exortou os juízes a adotar medidas para a reavaliação das prisões provisórias, a contenção de novas ordens de prisão preventiva, a concessão de saída antecipada dos regimes fechado e semiaberto para presos que não tivessem cometido crimes com violência ou grave ameaça e a transferência de presos do grupo de risco para prisão domiciliar. Entretanto, a despeito dos esforços do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do CNJ e das manifestações de apoio à agenda de desencarceramento para pessoas do grupo de risco da Covid-19, a Recomendação n. 62 continuou sendo duramente criticada pelo Ministério da Justiça e pelo governo federal e foi acolhida apenas parcialmente pelo Ministério Público e pela magistratura no Brasil.

O ex-ministro Sérgio Moro dedicou-se pessoalmente a deslegitimar a orientação do Conselho e a conceder reiteradas entrevistas afirmando que tudo estava sob controle no âmbito do Departamento Penitenciário Nacional e que, portanto, não era necessário que os juízes adotassem medidas que pusessem presos perigosos em liberdade.4

No âmbito do Poder Judiciário, reiteraram-se decisões com indeferimento de pedidos de habeas corpus coletivos e sucessivas diligências que impediam a soltura de presos integrantes do grupo de risco. De modo ilegal, juízes recusaram-se a conceder pedidos de liberdade com o argumento genérico de que se tratava de presos perigosos ou que haveria nas prisões condições para a prevenção e o tratamento adequado ao coronavírus. Os juízes brasileiros optaram por contrariar as evidências médicas, a recomendação do CNJ e os apelos e alertas de organizações de direitos humanos, dos próprios presos e de seus familiares, e não concederam a maioria dos pedidos formulados por integrantes das defensorias públicas e pelos advogados particulares.

Em pesquisa realizada entre março e maio de 2020 pela Defensoria Pública do Estado de São Paulo, verificou-se que, desde a edição da Recomendação n. 62, houve um aumento dos habeas corpus concedidos; porém, o estudo apurou também que 67% dos presos soltos estavam detidos em caráter preventivo, ainda sem julgamento, por causa de crimes cometidos sem violência, e que dos 783 soltos apenas 37 se encontravam condenados a regime fechado de prisão.5

No mesmo sentido, um trabalho realizado por pesquisadoras do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper) e pela Fundação Getulio Vargas (FGV) Direito de São Paulo constatou que, das 6.781 decisões de habeas corpus (entre 18 de março e 4 de maio de 2020) que mencionaram a Covid-19, apenas 12% tiveram o pedido concedido,6 o que também corrobora a tendência já apontada no relatório produzido pelo Conselho Nacional de Justiça, que afirma que 26,9% dos Tribunais de Justiça não apresentaram alteração nas concessões de liberdade de réus presos em regime fechado.7

Os argumentos adotados para negar os pedidos de liberdade revelam total desapreço pela obrigação estatal de zelar pela vida e pela integridade daqueles que se encontram sob sua custódia (ou seja, sob total e absoluta responsabilidade do próprio Estado). Algumas sentenças circularam na mídia e nas redes sociais como maus exemplos em termos de fundamentação constitucional e de respeito a valores éticos e a princípios de direitos humanos.

Um dos episódios mais trágicos foi o do juiz Camilo Léllis, da 4ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, que decidiu não alterar o regime da pena de um preso para o aberto, afirmando que o risco de contágio pelo coronavírus pode ser maior fora do sistema prisional do que dentro e que não seria razoável a determinação, de forma monocrática, de imediata remoção para o regime domiciliar de todos os presos que eventualmente se encontrem no chamado “grupo de risco”. O preso em questão encontrava-se na Penitenciária Compacta de Pracinha, que custodia 1.605 presos, tendo sido projetada para receber no máximo 844 internos.8

Mas por que os juízes decidem assim? Por que, apesar de todas as evidências, eles continuam mandando pessoas para cadeias superlotadas, com grande risco de contaminação e nas quais provavelmente vão morrer?

As respostas a essas perguntas passam, sem dúvida, pela constatação do peso do racismo em nossas relações sociais e do brutal processo de desumanização a que pessoas negras estão submetidas em nossa sociedade. Na prática, as condutas do governo federal e de parte da magistratura brasileira em relação à questão da Covid-19 nas prisões representam condenações à pena de morte na vigência do estado democrático de direito.

São escolhas políticas que constroem um itinerário de violência cujo desfecho letal é iminente e revela o peso do racismo no Brasil e sua força como esquema de anulação das possibilidades de vida e de acesso a direitos para as pessoas negras nos mais diferentes campos da vida social.


Felipe da Silva Freitas é doutor em Direito pela Universidade de Brasília, pesquisador do Grupo de Pesquisa em Criminologia da Universidade Estadual de Feira de Santana e integrante do projeto Infovírus (www.instagram.com/infovirusprisoes).

1 Departamento Penitenciário Nacional (Depen), Relatório Sintético – Sistema de Informações do Departamento Penitenciário Nacional, Brasília, 2019.

2 Mapa do Encarceramento: Jovens do Brasil, Brasília, SNJ, 2015.

3 Sérgio Adorno, “Discriminação racial e justiça criminal em São Paulo”, Novos Estados, n.43, 1995; e Marcelo Paixão, Relatório Anual das Desigualdades Raciais no Brasil, Rio de Janeiro, Garamond, 2008.

4 Sérgio Moro e Fabiano Bourguion, “Prisões, coronavírus e solturavírus”, Estadão, 30 mar. 2020.

5 Ricardo Balthazar, “Juízes tratam presos com rigor ao analisar pedidos de soltura na pandemia”, Folha de S.Paulo, 7 jun. 2020.

6 A pesquisa foi coordenada por Maíra Machado e Natália Pires e os resultados finais ainda não foram publicados. Essas informações foram obtidas pela apresentação realizada no webinar “Covid-19 nas prisões”, promovido pelo Insper em 11 de junho de 2020. Ver: https://www.insper.edu.br/agenda-de-eventos/covid-19-nas-prisoes-decisoes-do-tjsp-em-habeas-corpus/.

7 Monitoramento CNJ, Covid-19 Efeitos da Recomendação n. 62/2020. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/2020/06/Monitoramento-CNJ-Covid-19-Abril.20.pdf.

8 Caio Spechoto, “Juiz diz que risco de pegar Covid-19 pode ser maior fora do que dentro da cadeia”, Poder 360, 13 jun. 2020.

As surpreendentes semelhanças entre o coronavírus e a peste bubônica

Novas pesquisas da Universidade de Barcelona analisam os paralelos entre a atual pandemia e a doença que varreu o Império Bizantino, há 1.500 anos

A pandemia se originou em uma terra estrangeira e se estendeu rapidamente por todos os portos onde os passageiros infectados chegaram – assintomáticos ou não. Não havia cura médica disponível para detê-lo, todos os moradores estavam confinados em suas casas para evitar contágio, a economia parou, o exército foi colocado nas ruas, os médicos exaustos se esforçaram até os ossos e havia milhares de vítimas cujos corpos ficaram sem enterro “por dias a fio, porque escavadores não podiam trabalhar rápido o suficiente …”

Este não é um relato da pandemia de coronavírus de 2020. É a crônica fornecida pelo historiador Procópio de Cesareia sobre o surto de peste bubônica que ocorreu no mundo conhecido entre 541 e 544, sob o imperador bizantino Justiniano I. A doença varreu vasto território, da China às cidades portuárias da Hispânia, como os romanos chamavam de Península Ibérica.

PROCÓPIO HISTÓRIADOR DE CAESAREA
Um novo estudo chamado La Plaga de Justinià, Segons el Testimoni de Procopi (ou A praga de Justiniano segundo o testemunho de Procópio), de Jordina Sales Carbonell, pesquisadora da Universidade de Barcelona, ​​acrescenta nova relevância a esse conto antigo escrito 1.500 anos atrás.

“A partir de 1º de abril de 2020, certas semelhanças e paralelos observados no comportamento humano em relação a um vírus e suas conseqüências parecem tão familiares e contemporâneas que, apesar da tragédia que todos estamos enfrentando pessoalmente, permanece uma fonte de espanto como a história se repete. , Escreve este arqueólogo e historiador Sales Carbonell, que trabalha no Instituto de Pesquisa de Cultura Medieval da universidade.

No ano de 541, sob o governo bizantino Justiniano, houve um surto de peste bubônica no império. “O alarme soou no Egito, de onde a infecção se expandiu rápida e letalmente.” Procópio refletiu isso em seu livro History of the Wars, onde contou as campanhas militares de Justiniano na Itália, norte da África e Hispânia, e como os soldados espalharam a doença pelos portos em que pararam – fundamentalmente na Europa, norte da África, Império Sasaniano (Pérsia). ) e de lá até a China.

Como consultor jurídico de Belisarius, principal comandante militar de Justiniano, Procópio acompanhou as campanhas deste último e, assim, tornou-se uma “testemunha privilegiada” dos efeitos de uma pandemia que passou a ser conhecida como a Praga de Justiniano.

Continua sendo uma fonte de espanto como a história se repete.

“Surgiu uma epidemia que quase aniquilou toda a raça humana e é impossível encontrar uma explicação com palavras, nem mesmo com pensamentos, exceto para atribuí-la à vontade de Deus”, escreveu Procópio. “Essa epidemia não afetou uma porção limitada da Terra, nem um conjunto específico de homens, nem foi reduzida a uma estação específica do ano […], mas se espalhou e atacou toda a vida humana, não importa quão diferente os indivíduos podem ser, sem levar em conta a natureza ou a idade. ” A doença atingiu “todos os cantos do mundo, como se tivesse medo de perder um lugar”.

Um ano após a primeira detecção, a praga atingiu a capital do império, Bizâncio (atual Istambul), devastando-a por quatro meses. “Houve confinamento e isolamento completos”, escreve Sales Carbonell em seu estudo. “Era absolutamente obrigatório para pessoas doentes. Mas havia também um tipo de autocontrole espontâneo e intuitivamente voluntário, amplamente motivado pelas circunstâncias. ”

“Não foi nada fácil ver alguém em espaços públicos, pelo menos em Bizâncio; em vez disso, todos que estavam saudáveis ​​estavam em casa, cuidando dos doentes ou chorando por seus mortos ”, escreveu Procópio.

Enquanto isso, a economia estava em queda livre. “As atividades cessaram e os artesãos abandonaram todo o trabalho que estavam fazendo.” Ao contrário de hoje, no entanto, as autoridades não conseguiram garantir o fornecimento de serviços essenciais. “Parecia muito difícil obter pão ou qualquer outro tipo de alimento, de modo que, no caso de alguns pacientes, o fim de sua vida foi sem dúvida prematuro devido à falta de itens essenciais”, escreveu Procópio em History of the Wars.

“Muitos morreram porque não tinham ninguém para cuidar deles”, acrescentou. Os cuidadores da época “caíram de exaustão porque não conseguiam descansar e estavam sofrendo constantemente. Por causa disso, todos sentiram mais pena deles do que dos doentes.”

Patrulhas nas ruas

À luz da situação desesperadora, o imperador enviou grupos de guardas do palácio para patrulhar as ruas e os corpos de pessoas que morreram sozinhos foram enterrados às custas dos cofres imperiais, escreveu o historiador. Até o próprio Justiniano foi vítima da peste, mas a superou e continuou a reinar por mais de uma década.

Os picos de mortalidade aumentaram de 5.000 para 10.000 vítimas por dia e mais, de modo que, “embora, a princípio, todos cuidassem de seus mortos em casa, o caos se tornou inevitável e cadáveres também foram jogados dentro dos túmulos de outros, furtivamente ou usando violência. ” Com o tempo, os corpos começaram a se acumular dentro das torres e não havia serviços funerários para eles.

Quando a pandemia finalmente terminou, uma coisa positiva surgiu.

“Os que apoiaram as várias facções políticas abandonaram as acusações mútuas. Mesmo aqueles que haviam sido dados anteriormente a atos baixos e maus abandonaram todo o mal em suas vidas cotidianas, porque necessidades imperiosas os fizeram aprender sobre a honestidade ”, escreveu Procópio.

“Esse elemento da poesia oferece um pouco de esperança de que talvez possamos superar isso e não tropeçar novamente na mesma pedra”, diz Sales Carbonell, parecendo mais esperançoso do que certo de si mesma.