Copa do Mundo de 2014, bola na cara e a bacia das almas

Bolada na cabeça Copa do Mundo Brasil Blog do MesquitaOs Tupiniquins merecem as boladas na cara que recebem.

A Copa do Mundo de de Futebol de 2014 é bancada com dinheiro público. Qualquer gandula sabe disso. A época da escolha do Brasil como sede, o então presidente Lula nos brindou com essa pérola:

-“O Governo Federal, através do BNDES, se dispôs a criar uma linha de financiamento em que nós emprestamos o dinheiro ao governo do estado, se o estádio for público, ou emprestamos à empresa que for dona do estádio, ou seja, não é dinheiro público, é um financiamento (…) os governadores tomarão dinheiro emprestado e terão que pagar…”

Até parece!

Não há sofisma que altere o fato que quem irá pagar a conta desses estádios, ops!, arenas é o contribuinte de cada estado. Cínica também a falácia segundo a qual a iniciativa privada pagaria a conta. Contem outra. Se a iniciativa privada não quis bancar as reformas quando do início das obras, por que irá bancá-las agora?

A mais cínica interpretação do “dane-se o povinho da geral” foi do secretário-geral da FIFA, Jérôme Valcke.
Segundo o Estadão o cartola afirmou: “…não ver diferença entre dinheiro público ou privado para os estádios; o que eu quero é a garantia de que eles serão construídos.” Lindo. Né não?

O que me impressiona e incomoda, é o fato dos que vivem de futebol, jornalistas especializados inclusos, e criticam o governo – sem análise de mérito, do governo – bem como os que gostam de futebol, em significativa maioria, não esbravejam contra a “derrama” de recursos públicos para essas copas, enquanto hospitais, educação e segurança pública catam tostões na bacia das almas.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Demóstenes Torres: a ligações perigosas do senador com o fora da lei

Qual é o papel de um líder? Conseguir que outros o sigam. Inspirar seus subordinados por meio de suas próprias ações. Servir de exemplo para as futuras conquistas de um corpo coletivo.

O senador Demóstenes Torres, do DEM de Goiás, liderava seu partido no Senado Federal. Suas palavras e atitudes, apoiadas num passado de credibilidade no mundo jurídico e como secretário da Segurança Pública de seu Estado, eram respeitadas na cena política nacional. Não mais.

Documentos e escutas telefônicas revelados nas últimas semanas mostram que, em vez de representar seus mais de 2 milhões de eleitores, Demóstenes se concentrou em defender os interesses de um único cidadão brasileiro: o empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Demóstenes fez lobby para Cachoeira no Congresso Nacional, na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e na Infraero, empresa responsável pela infraestrutura dos aeroportos do país.

Uma transcrição obtida com exclusividade por ÉPOCA mostra que Demóstenes também pedia favores a Cachoeira. Ele queria que o bicheiro, influente no Centro-Oeste, ajudasse a agência de publicidade de um amigo a conseguir contratos em Mato Grosso para a Copa do Mundo (leia o documento abaixo). Acumulam-se as evidências de uma relação promíscua entre um legislador e um fora da lei.

saiba mais
STF determina quebra de sigilo bancário de Demóstenes Torres
O bicheiro que assusta os políticos
Senador Demóstenes Torres tinha rádio exclusivo para falar com Cachoeira
As ligações de Carlinhos Cachoeira com políticos

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]Investigações da Polícia Federal mostram que essa relação incluía inúmeras conversas amistosas, acompanhadas de troca de favores. Um desses bate-papos ocorreu num final de tarde, exatamente às 16h38, do dia 11 de abril de 2011. Os dois conversaram sobre negócios ao telefone. Demóstenes pediu ajuda a Cachoeira para vencer uma licitação em Mato Grosso.

Estava em disputa a prestação de serviços de marketing relacionados à Copa do Mundo de 2014. Demóstenes diz a Cachoeira que um “amigo nosso”, dono de agência de publicidade, está interessado. “Cê acha que consegue?”, pergunta Demóstenes. “Acho um negócio bacana. Se for do interesse seu… (de Demóstenes)”, responde Cachoeira. “Eu acho que consigo.” Quatro minutos depois, os dois voltam a se falar, e Demóstenes afirma que passará na casa de Cachoeira para conversar mais sobre o assunto.

A ocasião realmente merecia uma discussão mais profunda: estavam em jogo dois lotes, de R$ 13 milhões cada um. Mais tarde, Cachoeira tratou do mesmo assunto com Cláudio Abreu, representante da empresa Delta Construções no Centro-Oeste. “Pega uma (um dos lotes) pra nós”, diz Cachoeira. Em milhares de páginas, o inquérito da Operação Monte Carlo expõe em detalhes como Demóstenes Torres conciliou – e muitas vezes misturou – sua função de senador da República com a de prestador de serviços e parceiro privado de Cachoeira. Tais serviços incluíam lobby, tráfico de influência e corrupção.

Demóstenes defendeu, por exemplo, os interesses da Vitapan Indústria Farmacêutica, laboratório de Carlinhos Cachoeira. Era uma vida dupla. Em público, Demóstenes cobrava rigor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nas licenças concedidas na área de medicamentos.

Pelo caminho legal, um laboratório desenvolve um medicamento, submete o trabalho à Anvisa e pede autorização para fabricá-lo.

ÉPOCA teve acesso a documentos internos e atas de reunião da Anvisa, a registros e planilhas da Vitapan e à troca de correspondência entre o gabinete de Demóstenes, o laboratório e a agência reguladora.

Esses papéis mostram que, nos bastidores, Demóstenes mudava de lado. Ele usava seu prestígio de senador e a estrutura do Senado para pressionar a Anvisa a atender os pleitos de Cachoeira. Entre eles, apressar o registro de uma dúzia de medicamentos.
Revista Época 

Tópicos do dia – 17/01/2012

11:29:17
Fortaleza inicia obras para Copa de 2014
Já? Mas tão prematuramente assim? Pra que tanta pressa?

A Prefeitura de Fortaleza promete iniciar, ainda este mês, grandes intervenções em cinco importantes avenidas da Capital visando às obras para a Copa de 2014. A ordem de serviço será assinada nesta terça (17) durante a visita da Federação Internacional de Futebol Associado (Fifa) e do Comitê Organizador Local da Copa do Mundo de 2014 (COL). Uma das novidades que promete resolver boa parte dos problemas da mobilidade é a implantação dos corredores exclusivos para ônibus.”
Informação do Diário do Nordeste.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Tópicos do dia – 27/11/2011

07:47:44
Mais verba do FGTS vai ajudar empreiteira amiga

A presidenta Dilma continua jurando que detesta a figura do empreiteiro Marcelo Odebrecht, mas seu governo gosta tanto que pode dar para a empresa mais dinheiro do fundo de investimentos do FGTS (mas sem autorização dos trabalhadores, de cujos salários saiu a grana). Colocou R$ 450 milhões numa das empresas do próprio grupo, a Embraport, e adquiriu 26,5% de uma terceira, a Foz, e 30% da Odebrecht Transports.

E vem mais
Agora, o governo autorizou o aumento do uso do FGTS para obras da Copa. Certamente já com destino certo para empreiteiros.

Cadê o juiz?
A Odebrecht constrói ou reforma quatro arenas para a Copa. Lançou site para acompanhamento das obras. Mas para seguir a verba…

Concretando a conta
Só no combalido Maracanã, no Rio, a empreiteira conquistou a conta de duas das três reformas bilionárias realizadas em apenas dez anos.

Terceiro tempo
Para um governo que jurava não colocar dinheiro público nos estádios, é curioso vê-lo abrir o cofre para as empreiteiras em ano pré-eleitoral.
coluna Cláudio Humberto

07:51:16
Pedófilos: cadastro do mal
Ex-delegado da PF, o deputado federal Fernando Francischini (PSDB-PR) apresentará projeto de lei que cria o cadastro nacional de pedófilos. Acha fundamental para a polícia com o avanço do crime na internet

09:57:55
Internet e ditaduras
A Internet demonstra agora, mais que nunca, o potencial como arma para mobilizar a opinião pública, atropelando com tecnologia avassaladora a vontade imperial e a violência praticada pelos Estados totalitários.
Apesar das ameaças a internet revela os pés de barro das ditaduras.
Quanto maior for a universalização do acesso, mais a verdade deverá se sobrepor à fúria censória e contumaz dos Estado totalitários e seus criminosos ditadores.

10:11:08
Brasil: Oásis no deserto
Crise mundial traz grandes fabricantes para o Brasil.
As grandes potências estão em crise e a salvação está nos países emergentes – os Brics (Brasil, Rússia, China, Índia e África do Sul). Destes, o mais promissor para os fabricantes de motocicletas é o Brasil. E não só para os modelos pequenos, como também para os de média e alta cilindrada. Clima, geografia e políticas de produção e importação favorecem o país.
A análise acima não é de um economista, mas de Massimo Bordi, vice-presidente da fábrica de motos esportivas MV Augusta. Engenheiro, Bordi tem na bagagem 15 anos à frente da também italiana Ducati e um enorme conhecimento de tudo o que se refere às máquinas de duas rodas.

– Se as coisas continuarem assim, o Brasil será nosso principal mercado em cinco anos – afirmou em entrevista exclusiva ao Extra, em Milão.
Jornal Extra 

10:39:02
“Pras e pros Mirians Leitão e Sardenbergs” da vida que acusavam o BNDES de ‘gestão temerária’:
Lucro do BNDES cresce 29,5% em nove meses.
Apesar de prever empréstimos menores neste ano, o BNDES ampliou seu lucro em 29,5% de janeiro a setembro. O banco foi beneficiado pelo ganho gerado na participação acionária em empresas e pela redução da inadimplência.
Em nove meses, o resultado somou R$ 7,9 bilhões – R$1,8 bilhão mais do que no mesmo período de 2010 (R$ 6,1 bilhão).

16:51:21
Brasil: da série “só doi quando eu rio”!
Depois do “a nível de”, do gerundismo do “estarei enviando”, agora é a praga do ecológicamente correto.
Informa o Ancelmo Gois:
“Acredite. Semana passada, um fiscal do Ibama parou um cacique e perguntou se ele tinha… licença para usar as penas de seu cocar.
O índio, claro, disse que não e… teve o cocar apreendido e ainda levou uma multa! A história, verdadeira, chegou a Dilma, que ficou uma fera, e mandou lembrar ao fiscal que índio usa cocar desde sempre.”


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Tópicos do dia – 11/11/2011

12:50:12
Ongs e a realeza. Não escapa nem sua majestade!
No O Globo:
Genro de monarca espanhol é suspeito de irregularidades em ONG.
Acostumada a aparições na coluna social, a família real espanhola foi surpreendida ao ser citada na seção policial dos jornais, depois que uma investigação colocou um dos genros do rei Juan Carlos no centro de um escândalo de desvio de verbas públicas.

A Justiça descobriu que o Instituto Nóos concluiu contratos sem licitação com governos regionais da ordem de 4 milhões entre 2004 e 2006 – quando Iñaki Urdangarin, marido da infanta Cristina, presidia a organização.
Um rombo de quase 1 milhão também foi detectado nas contas da instituição, que teoricamente não tem fins lucrativos. Provas encontradas pelos promotores levam a acreditar que o grupo operava em paraísos fiscais no Caribe.
Segundo fontes da Promotoria, o genro do rei e duque de Palma será acusado formalmente assim que 14 caixas de documentos referentes ao caso forem examinadas. Um ex-sócio e três colaboradores já foram indiciados.

15:04:06
Copa do mundo e a praga das cotas.
Sua ex-celência o Ministro dos Esportes Aldo Rebelo, que pertence ao PCdoBolso, demonstra habitar outro planeta.
Sua (dele) ex-celência está preocupado com a definição de cotas de ingressos para os jogos da copa do mundo de 2014, para as minorias. Índios e afins.
Sua (dele) ex-celência saberá que não há quase nada pronto da relação de obras que devem ser feitas para a realização do evento?

15:12:04
Cão de crédito
Tá feia a coisa. O desespero das operadoras de cartões de crédito para arrebanhar abestados chega às rais do surrealismo.
Telemarqueteira da American Express ligou para o cidadão com a oferta de um cartão adicional sem cobrança de anuidade.
O indigitado possível pagador de anuidade anual da marretagem respondeu que não precisava de outro cartão pois morava só em companhia de um cachorro.
A insistente telemarqueteira perguntou, então, o nome do totó. “Fred”, respondeu o solitário consumidor.
Acredite!!! Passado alguns dias ele recebeu o cartão de crédito adicional com o nome… “Frederico Santos”.

17:55:17
Tá sobrando dinheiro no Ceará.
Deve ser por conta dessa abundância que derrubaram parte do Estádio Castelão.
Hoje o Castelão completaria, sim completaria, pois está incompleto por demolição recente.

Tá sobrando dinheiro no Ceará. Deve ser por isso, ou por falta de vergonha, que se derruba algo que foi feito com o suado “caraminguá da mundiça”, pra faze de novo tudo de novo.

Hospitais e escolas estão com cotação 5 estrelas. Na verdade a Fortaleza bela é a 5ª capital com pior qualidade de sáude na Taba dos Tupiniquins.
O que eu acho mais terrível, ou lastimável, ou retrato do corporativismo “tô levando vantagem”, ou como eu gosto de futebol eu não critico o governo, é o silêncio criminoso e desavergonhado dos que calam a respeito de tal “distrupiço” de inversão de valores.
Mas, tudo bem, José Mesquita implicante; Teremos a copa!!! Né não?


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Orlando Silva: “blindagem” do ministro é prato cheio pra imprensa internacional

Penso não se aplicar a presunção de inocência para afastar alguém de um cargo político enquanto se procede a apuração dos fatos.

Itamar Franco, quando Presidente da República, o afastou o seu amigo Henrique Hargreaves, então Ministro da Casa Civil, que foi investigado, e quando isento de qualquer culpa voltou ao governo.

Será tão difícil Dona Dilma agir assim no caso do Ministro Orlando Silva? Não se trata de linchamento, nem moral, nem político, mas uma simples tomada de posição em nome da ética e da moralidade da coisa pública.

A propósito de falcatruas, provas e presunções lembro-me de duas frases emblemáticas;
“Os políticos acreditam que uma tolice se torna fato se for espalhada aos berros”. Charles Pierce;
“A ausência da evidência não significa evidência da ausência”. Carl Sagan

O Editor


Blindagem do ministro Orlando Silva representa mais uma desmoralização para o Brasil na imprensa internacional.

A preservação do ministro do Esporte, Orlando Silva, no cargo, em meio a gravíssimas acusações de corrupção que envolvem também seu antecessor, Agnelo Queiroz, hoje governador do Distrito Federal, representam mais um vexame internacional para os brasileiros.

Sem ter como responder, somos obrigados a aturar importantes jornais estrangeiros, como o espanhol “El Paíz” e o inglês “Financial Times”, a publicarem matérias que nos desmoralizam, dizendo que o governo do Brasil precisa combater a corrupção, o que significa afirmar que atualmente não o faz.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

O pior é que, como dizia o genial cineasta Orson Welles quando esteve no Brasil, “it’s all true”, ou seja, é tudo verdade. Não há dúvida de que Lula fez um bom governo, superando inclusive uma grave crise internacional, e a sucessora Dilma Rousseff também está indo bem, administrativamente, se não levarmos em conta o problema da corrupção sistemática. E é tudo verdade.

A desmoralização do país se agrava em função da Copa do Mundo de 2014, que torna ainda mais escandalosas as notícias sobre gravíssimas irregularidades justamente no setor que cuida dos preparativos do campeonato esportivo mais importante do mundo. A imprensa britânica, ainda mordida porque a Fifa não aceitou fazer as próximas Copas na Inglaterra, vai deitar e rolar. Sexta-feira, o jornal “The Guardian” já repercutia as más notícias sobre o Brasil.

Os britânicos, que deveriam se contentar em difamar o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, nos últimos tempos vivem a acusar também João Havelange, o dirigente esportivo internacional mais importante da História, como se ele fosse tão corrupto quanto seu ex-genro. Não sabem (ou não querem saber) que Havelange sempre foi um empresário de sucesso, um homem rico, dono da Viação Cometa, uma das maiores transportadoras do país, e de várias outras empresas. Jamais precisou se corromper para ganhar dinheiro, o maior erro de sua vida foi colocar o genro na CBF, e hoje paga caro por essa falha.

Na sexta-feira, o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, já considerava decidida a demissão do ministro Orlando Silva. Em coletiva para jornalistas de vários países, na sede da entidade em Zurique, Valcke disse que está pronto para conversar com um novo interlocutor da presidente Dilma, em novembro, quando virá ao Brasil para discutir a organização da Copa do Mundo de 2014.

“Terei um encontro com a nova pessoa indicada pela presidente para conduzir a Copa no plano governamental. Tenho a confiança de que a presidente tomará a decisão correta, independentemente do que acontecer com o ministro Orlando Silva”, anunciou.

O maior escândalo esportivo do Brasil, na verdade, não são as fraudes com as ONGs no Ministério do Esporte. O que mais nos desmoraliza são os inacreditáveis gastos com a construção e reforma dos estádios de futebol, que sairão quatro ou cinco vezes mais caros do que obras semelhantes que acabam de ser realizadas na Itália e na Alemanha.

Quase todas as reformas estão sendo feitas sem projeto previamente detalhados. Consequentemente, sem licitações sérias e disputadas com lisura. Os aditivos aos contratos se multiplicam, impunemente, enquanto os órgãos responsáveis pela fiscalização (os Tribunais de Contas da União e dos Estados) fazem seguidas denúncias que não adiantarão nada.

Em matéria de corrupção, ninguém tirará do Brasil o título de campeão mundial. Neste particular, a Copa de 2014 realmente está destinada a ficar na História. E repetindo Orson Welles, é tudo verdade.

Carlos Newton/Tribuna da Imprensa

A idiotização do futebol brasileiro

A panaceia me fez lembrar uma música Aparências, interpretada pelo cantor Marcio Greick, e que começa a segunda estrofe assim:
“Quantas vezes nós fingimos alegria sem o coração sorrir ? ”
O Editor
Ps. Quem deve ostentar um sorrisão deve ser o fabricante do boneco.


Foi iniciada nos últimos dias mais uma nova etapa do “Plano Nacional de Idiotização do Futebol Brasileiro”.

O João Sorrisão surgiu como personificação do torcedor de futebol brasileiro, pelo menos para quem controla o futebol nesse país.

Idealizado pela TV Globo, através dos ministros da pornochanchada esportiva Tadeu Schmidt e Tiago Leifert, a maneira de se cobrir o futebol no Brasil vem se transformando em comédia barata, que abandona os princípios básicos do bom Jornalismo e passa a tratar o torcedor (e o público em geral) como o próprio “João Sorrisão”, que ri estupidamente de tudo.

A manipulação do maior veículo de comunicação do país é tão grande, que a cultura nacional que envolve o futebol já começa a ser modificada por essa maneira de tratar o esporte como um circo, onde o palhaço está sentado na arquibancada e no sofá.

E antes que alguém diga “troque de canal”, uso essa tuitada do mestre Xico Sá para defender o direito de dar meu pitaco. E claro que não posso generalizar e dizer que todos os veículos de comunicação tratam o torcedor como babaca.

A ESPN Brasil (canal fechado de TV) faz um trabalho primoroso, com jornalismo esportivo de altíssima qualidade que trata seu público com respeito.

Mas a “massa” vê futebol na telinha do plim plim, por isso o efeito é devastador.[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Vivemos atualmente, talvez o período mais sujo da história do futebol.

Estamos diante de uma série de escândalos gigantescos na FIFA, que envolvem até o pescoço o dono do futebol brasileiro Ricardo Teixeira, presidente da CBF (parceira comercial da TV Globo).

A maior emissora do país esquece do seu compromisso com o jornalismo e não divulga absolutamente nada sobre os sérios problemas da FIFA, de Ricardo Teixeira e o caos generalizado que é a organização da Copa do Mundo de 2014, financiada quase inteiramente com dinheiro do povo.

No lugar do Jornalismo, que deveria cobrir o esporte como cobre a política e a economia, (até por ser um dos assuntos de maior interesse da população brasileira), temos a desmoralização desse tipo de cobertura dando lugar ao humor idiota feito para idiotas.

O novo modelo é amplamente promovido pela emissora, que detém os direitos de transmissão (entenda “o poder supremo”), de quase tudo relacionado ao futebol nesse país. Tratar o futebol como comédia pastelão, de deixar constrangido Carlos Alberto de Nóbrega, é regra e padrão editorial na emissora que controlar tudo que o público vê.

Há o empobrecimento da cobertura simples do futebol no seu dia-a-dia. Quer um exemplo? Dias atrás, na edição mineira do Globo Esporte, foi feita uma entrevista com o zagueiro uruguaio Victorino, do Cruzeiro.

Qual foi o assunto em pauta com o defensor? Pasmem! Foi a maneira peculiar com que ele corre até a bola em uma cobrança de pênalti.

Isso mesmo, o único jogador do futebol mineiro convocado para a Copa América é convidado a falar sobre sua “corridinha” e não sobre a maior competição de seleções do continente.

Era exatamente sobre isso que o João Sorrisão, queria saber, não é mesmo?

É aí que o tal João Sorrisão entra. Ele é a exata personificação do que a turma do novo jornalismo esportivo acha ser o torcedor brasileiro.

Um babaca sem pés e mãos, que balança de um lado para o outro de acordo com a pancada que recebe na cara, que tem a boca não para falar, mas apenas para sorrir e babar.

Jogadores, na maioria das vezes sem formação educacional nem estrutura familiar para emitir opinião sobre o próprio ofício, também possuem personalidade de João Sorrisão.

Caem como patinhos na nova onda de promover personagem tão simbólico.

Mas a minha revolta é inútil. A idiotização do futebol brasileiro não vai acabar. Sabe por que? Porque há quem goste disso. De João Sorrisão esse país tá cheio.

Volta Léo Batista!!!

Fonte: http://www.futeboldeminas.com.br/coluna/a-idiotizacao-do-futebol-brasileiro.html

Sarney é contra sigilo nas obras da Copa do Mundo

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), manifestou-se nesta segunda-feira, 20, contrário ao artigo da medida provisória 527, editada pela presidente Dilma Rousseff, que permite ao governo manter em sigilo os orçamentos feitos por órgãos da União, Estados e municípios para as obras da Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016.

Ele previu que os senadores derrubarão o artigo, para manter o texto original da MP.

Veja também:

ÁUDIO: Mundial e Olimpíadas não devem ter regime diferenciado, diz Sarney

Ministro do STF defende modelo de licitações mais ‘flexível’

Para Romário, Brasil precisará de milagre para organizar o melhor Mundial

Aprovado pelos deputados na semana passada, dentro do chamado Regime Diferenciado de Contratações (RDC), o sigilo foi criticado pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, para quem não se pode ter despesa pública protegida por sigilo.

Para Sarney, o Senado deve encontrar uma maneira de retirar esse artigo da MP, uma vez que ele dá margem a que se levantem muitas dúvidas sobre os orçamentos da Copa.

“Não vejo nenhum motivo para que se possa retirar a Copa das normas gerais que têm todas as despesas da administração pública”, alegou.

Rosa Costa/O Estado de S.Paulo


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]