Economia: Os 10 países que mais compram armas pesadas (e de quem)

Prontos para a briga. São 153 os países no mundo (ou 75% do total) que importaram alguma quantidade de grandes armas entre 2010 e 2014.
Exército na Coreia do Sul

No entanto, os 5 principais responderam por um terço do volume total, com liderança da Índia. Os números foram divulgados ontem pelo Stockholm International Peace Research Institute.

Com o desenvolvimento de uma indústria de armas própria, a China tem conseguido diminuir brutalmente sua importação, mas segue em terceiro. Ela também aparece no ranking de maiores exportadores, assim como os Estados Unidos.

Em comparação com o período anterior, as importações cresceram 45% na África e 37% na Ásia e Oceania. Na Europa, caíram 36%.

Veja a seguir os 10 maiores importadores de grandes armas entre 2010 e 2014 – incluindo equipamento militar como aviões e navios – e quais são os 3 principais fornecedores de cada um:

1. Índia

ReutersÍndia
Parceiros Parcela das importações
1 Rússia 70%
2 Estados Unidos 12%
3 Israel 7%

2. Arábia Saudita

Riyadh March 26, 2014
Membros das forças especiais da Arábia Saudita treinam

Membros das forças especiais da Arábia Saudita treinam em Darma. (26/3/2014)

Parceiros Parcela das importações
1 Reino Unido 36%
2 Estados Unidos 35%
3 França 6%

3. China

Mark Ralston/AFP
Avião militar exposto na China

Avião militar exposto na China: Pequim reforça continuamente o gasto de Defesa, que subiu 11,2% em 2012 e 10,7% em 2013

Parceiros Parcela das importações
1 Rússia 61%
2 França 16%
3 Ucrânia 3%

4. Emirados Árabes Unidos

Petra News Agency/Reuters

Um jato militar F-16, dos Emirados Árabes Unidos, chega em base aérea da Jordânia

Parceiros Parcela das importações
1 Estados Unidos 58%
2 França 9%
3 Rússia 9%

5. Paquistão

AFP
Soldados fazem uma operação contra militantes do taleban no Paquistão

Soldados fazem uma operação contra militantes do taleban no Paquistão

Parceiros Parcela das importações
1 China 51%
2 Estados Unidos 30%
3 Suécia 5%

6. Austrália

Exército da Austrália / Wikimedia Commons
Soldado australiano em treinamento com o lança-granadas M203 acoplado a um fuzil
Parceiros Parcela das importações
1 Estados Unidos 68%
2 Espanha 19%
3 França 6%

7. Turquia

Mustafa Ozer/AFP
Helicóptero militar turco sobrevoa a região de Hakkari, perto da fronteira com o Iraque

Helicóptero militar turco sobrevoa a região de Hakkari, perto da fronteira com o Iraque

Parceiros Parcela das importações
1 Estados Unidos 58%
2 Coreia do Sul 13%
3 Espanha 8%

8. Estados Unidos

Lockheed Martin
O carro-robô SMSS, usado pelo exército americano
Parceiros Parcela das importações
1 Alemanha 18%
2 Reino Unido 15%
3 Canadá 13%

9. Coreia do Sul

AFP / Kim Jae-Hwan
Tanques sul-coreanos avançam durante as manobras militares conjuntas com os Estados Unidos

Tanques sul-coreanos avançam durante as manobras militares conjuntas com os Estados Unidos

Parceiros Parcela das importações
1 Estados Unidos 89%
2 Alemanha 5%
3 Suécia 2%

10. Singapura

Wikimedia Commons
4º - Singapura
Parceiros Parcela das importações
1 Estados Unidos 71%
2 Alemanha 10%
3 Suécia 6%
Fonte:Exame

Afeganistão: Estados Unidos perto de outro Vietnã?

Mais uma vez, parece que o “grande irmão do norte” parece desconhecer a realidade dos outros países do mundo. Principalmente quando são países islâmicos. O “imbroglio” agora, para as forças de combate americanas, é o Afeganistão.

Nação composta por inúmeras etnias, e por isso mesmo, ou por causa disso, um eterno caldeirão de rivalidades, o Afeganistão tem 50% da população constituída pelos patãs, 30% são tradjiques, além de outra parte em que se incluem usbeques, turcomanos e beluques. No quesito religião 90% são muçulmanos sunitas e 9%, xiitas.

Cerca de 140 mil soldados americanos e da Otan participam da ocupação do país, ocupação essa que ao longo de 9 anos e meio mais aparenta ter entrado em um beco sem saída.
O Editor


Imprensa, TV e Internet fazem EUA desabar no Afeganistão[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

A exemplo do que ocorreu com a guerra do Vietnã, em 75, os jornais, as emissoras de televisão e, agora, a internet, juntos, poderão contribuir para um recuo das forças americanas e da OTAN no Afeganistão, tantos e tão realistas são os documentos secretos que no final da semana o australiano Jules Assange tornou públicos ao mundo.

A dimensão da iniciativa e o risco jornalístico de enveredar por um caminho militar ligado à segurança de estados e de pessoas foram tão grandes que, antes de fazer explodir a comunicação eletrônica, o diretor da ONG Wikileaks antecipou o conteúdo do site ao New York Times, ao inglês The Guardian e à revista alemã Der Spiegel.

A CNN, no inicio da década de 70, precipitou a retirada dos Estados Unidos do Sudeste Asiático a partir do momento em que colocou no ar militares americanos detonando a cabeça de prisioneiros ou então lançando-os, sem paraquedas, de aviões e helicópteros.

Lembro bem que a atriz Jane Fonda valeu-se da reportagem controlada pelo então seu marido, Ted Turner, para liderar uma imensa passeata em Washington, em torno da Casa Branca, pelo fim imediato da guerra que fora iniciada em 62 pelo presidente Kennedy, atravessou o mandato de Lyndon Johnson, o primeiro de Richard Nixon, também o segundo, e só acabou em 75 na administração Gerald Ford que assumiu depois do escândalo de Watergate.

A sociedade norteamericana ficou perplexa com o que a imprensa e televisão destacavam. A frase a liberdade não é de graça, usada por Truman na guerra da Coréia, perdeu o sentido com o segundo fracasso na Ásia. Mas eis que, na sequência do tempo, vieram a absurda invasão do Iraque, desencadeada por George Walker Bush, e até o momento mantida pelo presidente Barack Obama, apesar de compromisso de terminá-la a curto prazo assumido na campanha eleitoral.

Provavelmente o complexo industrial militar – denunciado em livro pelo general Eisenhower, que presidiu os EUA do início de 53 ao começo de 61, pois foi eleito em 52 e reeleito em 56 – entrou em ação e somou o Afeganistão ao Iraque, adicionando Bagdad a Cabul. No Iraque, uma série de torturas praticadas, morte de milhares de iraquianos, luta de guerrilha e sobotagens, mais de 3 mil americanos mortos. No Afeganistão, a lista de mortos aumenta a cada dia e, de acordo dom o site de Julien Assage, fatos nebulosos vinculando setores das forças invasoras com o Taleban de Bin Laden.

Os diamantes são eternos, escreveu Ian Fleming, criador de James Bond. A cada dia mais se comprova a teoria na prática. A indústria de armas está por atrás, pela frente, pelos lados dos conflitos. Um mercado que proporciona lucros à base da vida e da integridade de centenas de milhares de pessoas. Ritual macabro esse que parte do princípio da defesa da liberdade e termina com o aprisionamento e a ocultação dele próprio.

As excelentes matérias de Gustavo Chacra, Andréa Murta e Fernando Ainchenberg, publicadas respectivamente nas edições de 27 de julho de O Estado de São Paulo, Folha de São Paulo e de O Globo, focalizaram nitidamente o panorama extremamente crítico que a divulgação dos quase 100 mil documentos secretos causou.

Por intervenção do New York Times, dezenas de nomes de pessoas não vieram à tona, pelo menos por enquanto, para não colocar em risco suas vidas. O impacto mundial está sendo de tal ordem – acentuam os jornalistas – que em seu conjunto essa página singular da história de hoje pode vir a terminar a guerra do Afeganistão amanhã.

Pedro de Coutto/Tribuna da Imprensa

Irã será um novo Iraque?

Ainda existem os inocente(?) ou beócios que acreditam que o complexo industrial militar não conduz a política internacional. A historia está lotada de casos em que a panaceia de manutenção da paz escamoteia os reais interesses econômicos que permeiam as ações pseudo libertárias das grandes potências.

Apesar disso,e, por causa disso, não devem ser descartadas as reais más intenções dos maluquetes tipo Ahmadinejah, Chaves e cia.

O Editor


Assim como no Iraque…

A comunidade internacional dispõe de todos os motivos para desconfiar das intenções do Irã, que apesar de haver assinado acordo com o Brasil e a Turquia, continuará enriquecendo urânio a 20% ou mais em seu território. Desconfia-se, também, que o presidente Ahmadinejah permanece disposto a fazer a bomba atômica.

É preciso cuidado e vigilância, apesar de nenhuma reação registrar-se diante da evidência de que Israel possui artefatos nucleares.

Agora tem um problema: não fosse o país dos aiatolás um dos maiores produtores de petróleo do mundo, seria tão grande assim a má vontade das potências nucleares, com os Estados Unidos à frente?

Afinal, de verdade ou de mentirinha, o governo de Teerã assinou um tratado comprometendo-se a enviar 1.200 quilos de urânio pouco enriquecido para a Turquia e a receber, dentro de um ano, 120 quilos enriquecidos a 20%, de uso limitado a atividades energéticas e de medicina.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Estariam os gaviões atômicos empenhados apenas em impedir o Irã de ingressar no seu clubinho?

Ou andam de olho no petróleo do país, hoje exportado para o mundo inteiro, mas pode ser que amanhã, não, por iniciativa de um dirigente radical qualquer?

É bom não esquecer o que aconteceu no Iraque. Saddam Hussein teria sido deposto e condenado à morte por possuir armas de destruição em massa, que afinal não possuía, ou por haver prometido trocar o dólar pelo euro, nos negócios petrolíferos sob sua supervisão?

Hoje, quem comanda as operações de extração e comercialização do petróleo iraquiano, senão as grandes empresas americanas e inglesas?

Não cogitam, por enquanto, da invasão armada do Irã, mas que ela se encontra minuciosamente planejada, não há que duvidar. Assim como no caso da invasão do Iraque, argumentos e pretextos não faltam. Saddam invadiu os poços de petróleo do Kwait, foi posto para fora e ficou marcado para morrer. Ahmadinejah que se cuide.

Carlos Chagas/Tribuna da Imprensa

Eleições Americanas e impostos

Eleição americana – 40% dos impostos vão para militares
De cada dólar pago em impostos pelos americanos, 40 centavos são destinados a gastos militares. A educação recebe dez vezes menos.

Os dados, do Projeto de Prioridades Nacionais, dão uma idéia do peso das Forças Armadas no país, um Estado dentro do Estado que emprega diretamente quase 3 milhões de pessoas e em 2007 fechou 1,4 milhão de contratos com mais de 76 mil empresas privadas.

Para financiar essa estrutura, os EUA terão em 2009 o maior orçamento com a Defesa desde a Segunda Guerra: US$ 585,4 bilhões só como base. O governo estima que o total ultrapasse 20% do Orçamento.

da Folha de São Paulo

Eleição americana – 40% dos impostos vão para militares

Eisenhower – Dwight David Eisenhower presidente dos Estados Unidos da América entre 1953 e 1961 e comandante supremo das forças aliadas durante a Segunda Guerra Mundial -, sabia do que falava quando criou a expressão “complexo industrial militar“.

De cada dólar pago em impostos pelos americanos, 40 centavos são destinados a gastos militares. A educação recebe dez vezes menos. Os dados, do Projeto de Prioridades Nacionais, dão uma idéia do peso das Forças Armadas no país, um Estado dentro do Estado que emprega diretamente quase 3 milhões de pessoas e em 2007 fechou 1,4 milhão de contratos com mais de 76 mil empresas privadas.

Para financiar essa estrutura, os EUA terão em 2009 o maior orçamento com a Defesa desde a Segunda Guerra: US$ 585,4 bilhões só como base. O governo estima que o total ultrapasse 20% do Orçamento.

Fonte: Folha de São Paulo