Dilma quer Forças Armadas nas ruas até a copa do mundo de 2014

Dilma quer Exército no Rio até a Copa e planeja espalhar modelo pelo Brasil

Satisfeita com ação no Alemão, presidente eleita já cogita, entre outras medidas, o patrulhamento da Baía de Guanabara pela Marinha

Troca. Parceria benéfica também para as Forças Armadas

Foto: Wilton Junior/AE

Baía de Guanabara patrulhada pela Marinha. Envio de tropas e equipamentos militares para cercar e livrar outras comunidades fluminenses do tráfico e garantir investimentos sociais nesses lugares. Repetição da parceria entre polícias e Forças Armadas em outras capitais com problemas de segurança.

O sucesso da invasão no Complexo do Alemão, no domingo, deixou a presidente eleita, Dilma Rousseff, entusiasmada e vai servir de modelo a novas ações em seu mandato, que acaba cinco meses depois da Copa de 2014.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

O Rio de Janeiro foi considerado um excelente “laboratório”, com resultados “mais do que satisfatórios”, para testar o uso de Exército, Marinha e Aeronáutica no combate ao crime.

Por isso, deve ser repetido. O tema foi debatido na noite de anteontem em Brasília durante reunião entre o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), o vice-governador, Luiz Fernando Pezão, a presidente eleita e o futuro ministro da Casa Civil, Antonio Palocci.

O relato do encontro entre o grupo foi feito ao Estado por Pezão. Das três horas de reunião, duas foram ocupadas pela parceria. “Nós não queremos cargos nem ministério. Queremos ajuda das Forças Armadas na segurança pública e para fazer obras dentro das favelas”, disse Pezão.

Segundo o vice-governador, o modelo de parceria entre Exército e polícia deve nortear a política de segurança pública da presidente eleita, que vai suceder dois mandatos presidenciais duramente criticados pela omissão no setor. “Dilma se mostrou entusiasmada em poder colocar tanto homens quanto equipamentos à disposição.

Quando assumiu, o governador Sérgio Cabral disse que até o fim do mandato iria entregar todos os territórios livres de milícias e do tráfico. Esse objetivo se torna mais concreto com a parceria que nos foi oferecida”, afirmou Pezão.

Na avaliação do vice-governador, a parceria será benéfica também para as Forças Armadas. “Sempre se ouve aquela crítica: “Estão (os militares) ajudando no Haiti, por que não ajudam o Rio de Janeiro e o Brasil?”

Isso vai mudar depois da experiência que tivemos aqui”, diz. O governador Sérgio Cabral ainda participa hoje de reunião com o comandante militar do Leste, general Adriano Pereira Júnior, para discutir os rumos da operação.

Lula.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva confirmou ontem que as Forças Armadas continuarão combatendo o tráfico de drogas no Rio por tempo indeterminado.

Em entrevista após visita às obras da Usina Hidrelétrica de Estreito, no Estado do Maranhão, ele ressaltou que o governo federal está determinado a ajudar o Estado a resolver o problema da criminalidade. “(As tropas) vão ficar o tempo que for necessário para garantirmos a paz”, disse.

Lula ressaltou a importância da parceria dos governos federal e estadual para as ações contra o tráfico. E observou que o governo federal só pode enviar tropas após pedido formal do governador, como prevê a Constituição.

“Eu fiquei feliz por o Sérgio Cabral ter pedido apoio. Nós não podemos interferir. Ele teve sensibilidade, humildade e competência de pedir o apoio e prontamente atendemos”, disse.

Lula observou ainda que foi no seu governo que as Forças Armadas passaram a atuar com poder de polícia na vigilância das fronteiras. “Agora, conseguimos que façam o controle das fronteiras.”

O presidente também destacou que o governo estuda a compra de aviões de Israel para o patrulhamento e o combate ao crime organizado. “Vamos controlar melhor nossas fronteiras”, prometeu.

Bruno Paes Manso/O Estado de S.Paulo
COLABOROU LEONÊNCIO NOSSA

Tráfico de drogas no Rio de Janeiro: por que não foi feito antes?

População, a grande vencedora e colaboradora. Policia militar, civil, Marinha, FAB e Exército, merecem os maiores elogios. Mas por que não foi feito antes? E nada terminou na guerra ao tráfico.

Helio Fernandes/Tribuna da Imprensa

Fiz questão de colocar no título meu entusiasmo pela população LIBERTADA, e pela POLÍCIA (toda ela, seja de onde for ou vier) LIBERTADORA.

Pois vou fazer muitas restrições, OBRIGATÓRIAS, e não quero deixar a impressão de que pretendo desmerecer a ação dessas polícias, que tiveram todo o apoio da coletividade dos morros “dominados” pelos traficantes.

Não era apenas o apoio simbólico, mas esses moradores sentiam a aproximação de viverem uma nova vida sem horror, sem intimidação, sem estarem vigiados e controlados dia e noite por esse bandidagem cruel e selvagem. Os moradores se arriscavam de tal maneira, que apenas no sábado, pelo “Disque-Denúncia”, deram 634 informações APROVEITADAS pela polícia. Foras as que não obtiveram confirmação.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Minha primeira restrição: a repetida afirmação feita preventivamente no sábado e apressadamente no domingo: “No fim da tarde, início da noite (ontem, domingo), estará tudo terminado”. Isso é exagero de expectativa, ou melhor, desinformação numa operação baseada toda em informação.

Ontem até podia estar se travando confronto militar importante, mas não final. Os bandidos só poderão ser considerados derrotados, exterminados, fora de circulação, com muitas, várias, diversas medidas fora desse anunciado “confronto militar”.

E isso não se faz num dia, numa semana, num mês, nem quero dilatar ou exagerar nesses prazos. São tantas as medidas indispensáveis no campo puramente administrativo (civil e militar), que sem o menor constrangimento, podemos apurar e estabelecer aqui, o que já foi feito em muitos países.

(México, principalmente, Colômbia, Itália, notadamente em Nápoles, e fundamentalmente nos EUA, com os quais temos enormes semelhanças. E cujos exemplos devemos seguir imediata e exemplarmente).

Antes de mais nada, a recuperação do policial, o homem e sua família. O homem-soldado recebe (fico envergonhado de dizer GANHA) 984 reais, não chega nem aos mil reais, tão badalados nos últimos dias. Também não têm comomanter as famílias, geralmente trabalham num esquema de 24 por 48.

O que significa isso? Que trabalham 24 horas e “descansam” 48. O que podem fazer no intervalo dessa vida que pode terminar de uma hora para a outra? Quando beijam mulher e filhos para irem ao trabalho, pode ser a última despedida, quantas vezes tem sido?

EM NY, POLICIAL GANHA 9 MIL DÓLARES

Comparação obrigatória mas que deveria ser levar à modificação da legislação, para que esses heróis diários, pelo menos pudessem se transportar, pagar aluguel, comer. E o colégio dos filhos, roupas, tudo isso com 984 reais? Vejamos nos EUA.

Em Nova Iorque (Manhattan), um policial fardado, ganha 107 mil dólares por ano. (Lá tudo é calculado e contabilizado por ano). Dá mais ou menos 9 mil dólares mensais, ou seja, 16 mil reais mensais. Não dá nem para escrever, a não ser com vergonha. E outras cidades pagam ainda melhor.

Se aposentam aos 20 ou 25 anos de serviço, de acordo com a ficha, sem qualquer punição. É um incentivo à dignidade, embora uma pequena minoria seja enquadrada no que chama de “policiais sujos”.

Mais ou menos há 100 anos, Nova Iorque era inteiramente dominada por gangues, que dividiam a cidade entre elas. (Existe até um belo filme dirigido por Martin Scorcese, “As Gangues de Nova Iorque”, quase ganhou o Oscar).

Parecia que isso jamais iria terminar, as gangues foram dizimadas. Até que tudo foi eliminado com a campanha vitoriosa do prefeito Rudolph Giuliani, (que pretendia ser presidente), mundialmente conhecida como “TOLERÂNCIA ZERO”. A IMPUNIDADE terminou aí, os corruptos foram presos, julgados, condenados e encarcerados, até muitos figurões,

Quando faremos isso aqui, se a acusação de corruptos e a conseqüente impunidade, estão no centro dessa mesma operação militar inédita? Por que só agora começaram a BLOQUEAR as CONTAS e os BENS dos traficantes e seus familiares? Como os números da mobilização do tráfico chegam a BILHÕES e BILHÕES, por que demoraram a atingir os traficantes no ponto mais importante. Que é o dinheiro para viverem e poderem comprar armas e drogas, nada disso existe no morro.

Uma ligação que deveria ser revelada e desvelada agora. Esses traficantes que sequestraram e aprisionaram milhões de pessoas, fisicamente não têm a menor categoria, são bandidos mesmo. Andam de sandálias e calças sujas ou bermudas, não têm a menor representatividade.

Quem negocia para eles a compra de fuzis (mais de três mil, confirmados) e as drogas que revendem a preços mirabolantes? Devem ter FIGURÕES da Zona Sul ou da Barra para representá-los.

Esses três advogados” presos, cúmplices e também “pés de chinelos”, sem a menor representatividade. Segundo a própria OAB reconhece, não são verdadeiramente advogados. Por que não afastá-los imediatamente da profissão, como faz o OAB dos EUA, lá conhecida como BAR OFFICE? Que age de forma fulminante .

A QUEM PERTENCE A MANSÃO DO TRÁFICO?

Às 14 e 20 minutos, a TV Globo, (com autorização, nada contra) mostrava seguidamente uma bela casa de três andares, luxuosa (luxo mesmo, com mármore, piscina, equipamento diversificado de eletrônica e computador, banheiro suntuoso), casa atribuída “a um alto chefe do tráfico”. Por que não divulgaram o nome desse “chefão”? E por que ele não estava presente? A “inteligência” tem a relação total e nominal dos “chefões” do tráfico.

E na verdade dessa hora em diante, foram “faladas mas não mostradas”, quantidades de drogas e de armamento. Os repórteres pareciam assombrados, perplexos, extasiados. Mas na verdade nada disso é impressionante diante do tempo e da movimentação ILEGAL que esses traficantes comandavam.

ONDE ESTÃO OS TRÊS MIL FUZIS?

(Dois especialistas, os coronéis José Vicente da Silva, da PM de São Paulo, e Paulo César Amêndola, da PM do Rio e fundador do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais), falaram que existiriam cerca de três mil fuzis no Complexo do Alemão. Quantos foram apreendidos?)

Um momento emocionante (apesar de puramente simbólico) foi o hasteamento das bandeiras. Lembrava muito, proporcionalmente, o que acontece na Ilha de Wake, na Segunda Guerra Mundial. E que valeu dois belos filmes dirigidos por Clint Westwood).

A Globo, que fazia boa cobertura fotográfica, cinematográfica, tecnológica, quando entrou no terreno do comentário, comprometeu tudo. Faltou direção, deviam ter limitado atribuições. A análise em profundidade foi feita por quem não estava preparado, disseram textualmente: “É um momento de recuperação da polícia, que havia se desgastado completamente perante a população”.

Deviam fixar os terrenos dos repórteres e dos comentaristas. Em Langley e em Quântico, na Virginia, sedes da CIA e do FBI, há um painel na entrada, esclarecendo: “OPERADOR de campo, é uma coisa, OPERADOR de burocracia, outra muito diferente”. É exatamente o que houve ontem na cobertura da Globo, além do exagero sobre O FIM DO TRÁFICO.

OS BANDIDOS FUGIRAM. HOUVE ACORDO?

Mas a surpresa, a estranheza e a perplexidade, deixam margem para especulações. No sábado, às 8 horas da noite, um dos coronéis que “chefiava” a operação, dizia: “Demos prazo aos bandidos para se entregarem até meia-noite. Se não se entregarem, começaremos a invasão”.

Um repórter não comprometido (existem, desde que fiquem longe dos “proprietários”) perguntou, “e se eles fugirem?” Resposta: “Não podem fugir, o Complexo do Alemão está todo cercado”. No dia seguinte, (ontem) ninguém foi preso, todos fugiram. Mas como e por onde?

Começou então a circular: foi feito acordo, os grandes traficantes “desapareceriam”, não seriam presos, mas deixariam de atuar. (Antonio Santos Aquino, sempre bem informado, deu até os nomes de quem poderia ter participado das conversas e negociações). A verdade é que ninguém dos que movimentam BILHÕES foi preso.

Recapitulando; por volta das 4 da tarde de sábado, uma “oferenda” surpreendente e rigorosamente inexplicável. O traficante Zen, do primeiro time, foi preso e apresentado triunfalmente, era o único.

Tentativa de explicação: esse bandido, cruel e sanguinário, covarde implacável, é um dos assassinos do jornalista Tim Lopes, barbaramente torturado. Mas esse Zen, que estava FORAGIDO há anos, sem que ninguém o encontrasse, o que foi fazer no Complexo do Alemão, na véspera e no dia da invasão?

O que diziam e com insistência: a “inteligência” das policiais sabia há muito onde estava esse Zen. Não quiseram prendê-lo a não ser numa emergência, que chegou ontem. Segundo informes, ele não estava no Alemão, foram buscá-lo e entregaram por caminhos diversos, para dar impressão de que estava no Alemão. E a “cobertura” da Globo, “terminava” gloriosamente.

E NINGUEM FALAVA NAS MILÍCIAS

Mas nada terminava aí, exatamente como a chamada invasão. Ninguém dava uma linha sobre as milícias, como se elas não existissem. Mas fontes me confidenciavam; “Helio, você não pode jogar fora uma existência de apaixonado pela informação, acreditando no que sugerem ou espalham como INVASÃO VITORIOSA”.

Acrescentou: “Tome nota, Helio, As milícias, ligadíssimas a Sergio Cabral, desde os tempos do Panamericano, receberiam aquele território enorme do Alemão e se implantariam ali. Os moradores, sempre enganados, mudariam de donos”.

E terminava: “Os milicianos não permitiriam DROGA, e como são menos cruéis, exaltam mais a alma de negociante e são ótimos em divisão, seriam os grandes vitoriosos”. (Pode não acontecer, mas não é hipótese surrealista).

Havia um clima de velório, abatimento, não prenderam ninguém importante? Então, depois da “falcatrua” prisional praticada contra um dos assassinos de Tim Lopes, desenterraram um episódio menor da véspera. E a TV concordou em retumbar, já havia sido recompensada. Um garoto assustado, simples “olheiro”, foi levado pela mãe (a TV Globo disse que foi o pai) à delegacia, explicaram: “Isso é prova de que TODOS CONFIAM na polícia”. Ha!Ha!Ha!

***

PS – A trombeteada invasão do Alemão, não foi invasão espetacular ou sensacional. Dava a impressão de “Tropa de Elite 3”, com roteiro e direção modificada. Por isso, ao contrário do filme de José Padilha, fracasso de público.

PS2 – Quanto ao sucesso de bilheteria, não se contabilizado, porque igual ao “mensalão”, não havia pagamento à vista. Mas muita gente enriquece “há 30 anos”. (Royalties para cabralzinho).

PS3 – Outros sinais de acordo. Pelo menos, na aparência. As polícias, todas, estão concentradas na descida e subida do Alemão, para fingir de “guerra” mesmo. Mas as ruas do Centro, Zona Sul e Barra, estão silenciosas, tranqüilas, bares movimentados.

Tráfico e tráfico. A farsa cultivada

As perguntas que não querem calar são: o que virá depois? As forças armadas ocuparão permanentemente as “comunidades” da Vila Cruzeiro e do Complexo do Alemão? Quais os planos para recuperar as relações sociais deterioradas dessas populações? O que vai acontecer com o “espetáculo” dos desfiles das escolas de samba, descaradamente financiadas pelos bicheiros, leia-se, crime oreganizado? Quando o indignado e revoltado povo carioca irá boicotar a ostensiva contravenção que exibe suas garras de plumas e paetês no sambódromo? Quando será que alguma ou qualquer autoridade vai ter coragem de dizer com todas as letras que a culpa desse estado paralelo é do viciado?
Não adianta colocar a culpa em Dilma, FHC, Pedro Álvares Cabral ou Ramsés. Sem demanda não existe oferta. Simples assim.
O Editor


O inimigo agora é o mesmo

O governador do Rio declarou que os traficantes estão desesperados.
Enquanto isso, o porta-voz da Polícia Militar orientava a população a manter a calma durante os ataques da bandidagem, explicando que é melhor perder o patrimônio do que a vida.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

E assim, com os bandidos em pânico e a população em paz, o Rio de Janeiro e o Brasil celebrarão mais uma vitória dos seus Napoleões de hospício contra o crime.

Foram décadas de investimento público na formação do exército de marginais. Proibição de drogas altamente rentáveis, tolerância populista aos territórios das “bocas de fumo”, polícia corrupta garantindo o ir e vir da cocaína e dos fuzis, governantes fazendo acordos tácitos com chefes de morro em nome da paz e dos votos. De repente, as autoridades resolvem melar o jogo — ou a parte mais visível dele.

A ocupação policial de favelas, enxotando traficantes, foi uma medida ousada. Só faltou combinar com a indústria da delinquência, alimentada a pão-de-ló por tanto tempo.

Para o público, que se sente vingado pelo Capitão Nascimento quando ele espanca um político na tela do cinema, está tudo OK. As coisas são simples assim. O ideal seria que Wagner Moura assumisse o lugar do secretário Beltrame e acabasse de vez com a raça dos vilões — cuja vocação é essa mesma, apanhar.

O problema é que na vida real o roteiro é diferente. Não basta dizer que o inimigo agora é outro e ensinar o pessoal a detestar as milícias enquanto come pipoca. O inimigo agora é o mesmo — exatamente aquele que o poder público cultivou carinhosamente por uns 30 anos, com a hipocrisia bilionária das drogas proibidas e da inundação das favelas com armamento de última geração (que ninguém sabe, ninguém viu por onde passou).

Uma indústria robusta, que teve até blindagem ideológica: a claque do Capitão Nascimento chegou a apontar, como vilão da violência urbana, o maconheiro do Posto Nove.

Até Michael Jackson pediu autorização ao tráfico do Morro Dona Marta para filmar seu clipe mundial. O Rio de Janeiro e o Brasil assistiram, consentiram, dançaram conforme a música. O poder marginal virou uma instituição em solo carioca.

Na dinastia Garotinho, o antropólogo Luiz Eduardo Soares tentou depurar a polícia e quebrar a espinha dessa indústria. Foi expelido. Seu pecado: atacar a cadeia de complacências jamais quebrada por qualquer governo do Rio ou de Brasília.

De repente, como no cinema, vem a ordem: vamos invadir. Um ato heroico do governador Sérgio Cabral e de seu respeitável secretário de Segurança. Apenas um ato heroico.

Quem quebrou a espinha da indústria “Drogas & Armas S.A.”? Quem asfixiou seu poder de fogo (econômico e bélico)? Quem interveio para valer nas polícias fluminenses, madrinhas e sócias da firma? Não se tem notícias. Com quantos soldados confiáveis se finca UPPs suficientes para empurrar o poder marginal sabe-se lá para onde? Melhor convocar o exército chinês.

As autoridades do Rio de Janeiro iniciaram, com amplo respaldo do eleitorado, uma guerra que não sabem como vai terminar.

Foi interessante ver alguns morros libertados do tráfico. Não foi interessante ver a proliferação de arrastões em áreas nobres e relativamente tranquilas da cidade. O que é pior?

No cardápio das escolhas de Sofia, surge a onda de atentados. Quem já foi arrancado de seu carro para não tostar junto com o patrimônio não está achando a menor graça nesse “Tropa de Elite 3”. Qual é o final possível desse filme?

O Bope vai tomar a Rocinha numa batalha sangrenta e ficar lá para sempre? O tráfico, conformado, vai desistir dos territórios e das armas e se mudar pacificamente para a internet? Mais fácil o Rio virar Bagdá.

Não se combate um sistema criminoso enraizado no Estado com um punhado de operações policiais estoicas. Na Itália, a operação Mãos Limpas parou o país. No Brasil, o governo federal sequer se envolve. No máximo, tem espasmos de solidariedade e empresta umas tropas para o teatro de operações.

A pouco mais de um mês de sua posse, a presidente eleita não dá uma palavra sobre a guerra. Parece estar preparando a transição para governar a Noruega.

Possivelmente Dilma Rousseff esteja sendo orientada por seus marqueteiros a ficar longe das chamas do Rio. É o que os especialistas chamam de “evitar o desgaste”. Desgaste mesmo é entrar num ônibus que pode virar um microondas na próxima esquina. Mas esse calor não chega até Brasília.

Os estrategistas do novo governo estão muito ocupados com temas mais urgentes, como a cota de mulheres no ministério. O show tem que continuar (com CPMF, que ninguém é de ferro).

Enquanto isso, o Rio se firma como capital nacional de um flagelo internacional, torcendo pela TV para que o Capitão Nascimento apareça no “Jornal Nacional” enxotando todos os bandidos da tela.

Quem sabe o super-homem não aparece também, com um plano nacional de segurança pública?

Guilherme Fiuza/O Globo