Marco Maciel e a engenharia de trânsito

Brasil: da série “O tamanho do Buraco”!

Não há escapatória, Tupiniquins. De onde menos se espera é que não vem nada mesmo, que não seja com odor se sarjeta. Agora é a vez do longilíneo, “ex-tudo”, Marco Maciel, derrotado à reeleição ao senado, e que trafega no poder desde Cabral, mas está sempre em alguma boquinha, comendo as migalhas do poder.

Aliás, talvez seja mesmo por essa capacidade de trafegar pelas amplas avenidas do nepotismo, é que o prefeito Kassab — Gilberto Kassab usa a prefeitura para homenagear políticos de outros estados, e a paulicéia desvairada paga a conta — tenha nomeado o derrotado Marco Maciel para conselheiro da Companhia de Engenharia de Tráfego e da SPTuris.

Mais que o mimetismo ideológico o que mais me impressiona é a capacidade “técnica” dos políticos brasileiros. Dormem, por exemplo, fazendeiros, e acordam especialistas em energia nuclear, para daí a pouco se revelarem especialistas em varicocele dos nativos da Bora-Bora.

O Editor

O mimetismo ideológico dos políticos brasileiros.

PS. Informa o colunista Ilimar Franco do O Globo:

O presidente do DEM, senador José Agripino (RN), e o líder na Câmara, ACM Neto (BA), estão chocados com o ex-senador Marco Maciel (PE), que aceitou integrar dois conselhos de órgãos ligados à prefeitura de São Paulo. Ocorre que Maciel é presidente do Conselho Político do DEM, e Kassab, o principal articulador do PSD. José Agripino e ACM Neto fizeram um pacto de silêncio e só vão se manifestar após ouvir as explicações de Maciel.


Marco Maciel pisou na bola

Do ex-senador Marco Maciel (DEM-PE) sempre se disse que era o vice ideal para qualquer presidente da República. Conquistou a fama durante os oito anos em que foi vice de Fernando Henrique Cardoso.

Ajudou-o em tudo o que pode sem cobiçar-lhe o cargo.

De Maciel, antes e depois de ser vice, sempre também se disse que era dono de uma folha corrida imaculada.

Político de formação conservadora, ocupante de cargos de relevo durante o regime militar de 64, dele se afastou somente no fim.

Mas seu nome jamais figurou em episódios que pusessem em xeque sua honra pessoal.

Nem mesmo de leve ou de forma indireta.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Nada há de ilegal no fato de Maciel ter sido agora nomeado pelo prefeito Gilberto Kassab para o cargo de conselheiro da Companhia de Engenharia de Tráfego e da SPTuris, empresas que cuidam do trânsito em São Paulo.

Participará de suas reuniões mensais.

Embolsará R$ 12 mil.

É razoável, contudo, que se ponha em dúvida o valor da contribuição que Maciel poderá dar para a melhoria do trânsito na maior cidade do país.

Ele não é especialista em trânsito.

Os anais do Congresso não registram discursos nem projetos de Maciel com idéias originais sobre o trânsito em São Paulo ou fora dali.

A essa altura da vida, e sem nenhuma necessidade, o ex-senador corre o risco de ser apontado como alguém premiado com uma sinecura.

E premiado por quem?

Pelo principal líder de um partido em formação, interessado no passe futuro de Maciel.

Alguns políticos ligados a Maciel em Pernambuco trocaram o DEM pelo PSD de Kassab.

Por ora, Maciel ainda se mantém como presidente do Conselho Político do DEM.

E se um dia ele também migrar para o PSD?

O que não dirão seus adversários?

blog do Noblat