Como a Coréia do Sul está se preparando para a era da sustentabilidade

A Coréia do Sul recicla noventa e cinco por cento de seu desperdício de alimentos, um contraste marcante com a taxa sombria na cidade de Nova York.
Caixas automatizadas, fazendas na cobertura e cultivo subterrâneo de cogumelos ajudam a limpar a bagunça.

Lixo é novo. Durante o século XIX, Nova York estava suja, mas grande parte de seu lixo consistia em sobras, restos e outros itens para reutilização. O assado de domingo se tornou o hash de segunda-feira; O pão de segunda-feira se tornou pudim de pão de quarta-feira. Porcos vagavam pelas ruas, comendo alface e rabanete velhos. As “crianças suadas” iam de casa em casa, coletando restos de comida que eles vendiam aos agricultores como fertilizantes e ração animal. Ossos se tornaram cola. A graxa velha foi transformada em velas de sebo ou misturada com cinzas para fazer sabão. Embalagens descartáveis ​​eram quase inexistentes.

Em quase todas as décadas do século XIX, a população da cidade dobrou. Nova York começou a despejar seu excesso no Oceano Atlântico. Em 1895, George Waring, um ex-oficial militar, tornou-se comissário de saneamento. “Vassoura do coronel Waring. . . salvou mais vidas do que um esquadrão de médicos ”, escreveu o reformista social e jornalista Jacob Riis, do homem que vestia os trabalhadores do saneamento em ternos brancos. Waring fez com que as famílias e empresas de Nova York separassem o lixo e as cinzas de alimentos; ele desviou o esterco para uso como fertilizante. O desperdício de alimentos foi transformado em sabão, graxa ou composto ou transportado para fazendas de porcos em Nova Jersey. Algumas das cinzas se tornaram blocos de concreto. Alguns foram para expandir a área de cobertura da Ilha Rikers. Três anos após sua nomeação, Waring morreu de febre amarela. Seu programa de classificação continuou até a Primeira Guerra Mundial, quando foi abandonada por causa de escassez de mão-de-obra e material. Em 1918, a cidade estava novamente despejando resíduos no oceano. Ou depositá-lo em aterros sanitários.

A história do lixo de Nova York não mudou tanto no século passado quanto você pode imaginar, já que agora temos a tecnologia para imprimir em 3D uma Yoda bebê ou para dirigir um carro com óleo vegetal antigo. Papel e plástico são separados, mas a reciclagem de orgânicos – desperdício de alimentos, lixo de quintal, praticamente qualquer coisa que apodrece – permanece voluntária, mesmo que esse material represente cerca de um terço do lixo de Nova York. Todos os resíduos orgânicos da cidade, com exceção de cinco por cento, são destinados a aterros sanitários.

Os resíduos orgânicos não cheiram mal quando são enviados para aterros; torna-se um veneno climático. Sim, fomos educados repetidamente na importância da reciclagem – por amigos, por inimigos piedosos, e até por “wall-e”. Mas a reciclagem de produtos orgânicos é sem dúvida mais importante do que a de plástico, metal ou papel. A compostagem transforma resíduos orgânicos brutos em uma substância semelhante a húmus que enriquece o solo e melhora a captura de carbono. Nos aterros sanitários, sem oxigênio, os orgânicos em decomposição liberam metano, um gás de efeito estufa cujos efeitos do aquecimento, a longo prazo, são cinquenta e seis vezes os do CO2. Os Estados Unidos têm maiores emissões de aterros do que qualquer outro país, o equivalente a trinta e sete milhões de carros na estrada a cada ano.

Em abril passado, a legislatura do Estado de Nova York promulgou leis exigindo que grandes empresas e instituições reciclassem seu desperdício de alimentos, mas a cidade de Nova York está isenta das novas regras. Em 2013, quando Michael Bloomberg estava em seu último ano como prefeito de Nova York, ele instituiu um programa de reciclagem de orgânicos, que, segundo as autoridades, pode se tornar obrigatório em alguns anos. Bill de Blasio, que era o defensor público na época, apoiou essa visão, mas como prefeito não conseguiu financiar.

Como os lados da rua são reservados exclusivamente para carros, não há espaço para lixeiras. Em vez disso, a cada noite aparece um muro baixo de sacos de lixo empilhados, como se deixados por elfos malignos. Às vezes, há sacos de kaiser e frutas estragadas. Uma gosma cor de caramelo escorre pela calçada. Caminhando pelo aterro do lixo na outra noite, assustando os ratos que duspararam pelo meio-fio e pelo ralo de esgoto.

O ativismo de Kim remonta aos anos oitenta, quando estudou nutrição e cultura alimentar na universidade. Ela se envolveu nos movimentos estudantis pró-democracia e foi uma líder em campanha pela igualdade de direitos para as mulheres. K.Z.W.M.N. foi formada, em 1997, a partir de uma rede de trinta e uma organizações de base. “Nosso trabalho principal é defender mudanças nas políticas governamentais, nas leis”, disse Kim. “Também temos muitos programas destinados a educar o público.” K.Z.W.M.N. foi fundamental para promover a proibição de Seul em sacolas plásticas, que entrou em vigor no final de 2018.

Durante a infância de Kim, a cidade que agora é uma paisagem de arranha-céus e arranha-céus era em grande parte terras agrícolas. “Após a Guerra da Coréia, o desperdício de alimentos não foi um problema – as pessoas estavam passando fome”, disse ela. “Levamos nossos restos de comida para fora e os demos às vacas e porcos.”

Em 1995, a Coréia do Sul substituiu seu imposto fixo pela disposição de resíduos por um novo sistema. Os materiais de reciclagem foram recolhidos gratuitamente, mas para todos os outros lixos a cidade impôs uma taxa, que foi calculada medindo-se o tamanho e o número de sacolas. Em 2006, era ilegal enviar resíduos alimentares para aterros e lixões; os cidadãos eram obrigados a separá-lo.

As novas políticas de resíduos foram apoiadas com doações para a então nascente indústria de reciclagem. Essas medidas levaram a uma redução no desperdício de alimentos, por pessoa, de cerca de um quarto de libra por dia – o peso de um Big Mac e batatas fritas ou duas toranjas. O país estima que o benefício econômico dessas políticas seja, ao longo dos anos, em bilhões de dólares.

Os moradores de Seul podem comprar sacolas biodegradáveis designadas para seus restos de comida, que são descartados em lixeiras automatizadas, geralmente situadas na área de estacionamento de um prédio de apartamentos. As caixas pesam e cobram por quilo de lixo orgânico. Na Energy Zero House, um complexo de apartamentos modelo em Seul, uma mulher magra vestindo roupas escuras demonstrou como a caixa de compostagem “inteligente” funcionava.

A lixeira parecia uma lavadora de roupas industrial com um top verde-azulado alegre e tinha instruções de uso em coreano e inglês. Ela acenou com um pequeno cartão, que parecia meu cartão de pontos de supermercado, na frente de um scanner. A tampa se abriu de uma maneira lenta, suave e um pouco estranha. Entrou o desperdício. Um peso registrado em vermelho L.E.D. Então a tampa abaixou, com indiferença robótica semelhante. Perto havia um cartucho separado para óleo de cozinha usado. Uma estrutura de treliça arrumada cobria a área, como um ponto de ônibus. Para uma família de Seul, o custo da reciclagem de sucata de alimentos é de cerca de seis dólares por mês.

 

Poluição,Meio Ambiente,Blog do Mesquita 01

Brasileiros nascidos hoje terão dificuldade para respirar no futuro, diz estudo climático

Uma criança nascida hoje no Brasil provavelmente terá dificuldade para respirar durante seu crescimento e sua vida. Também enfrentará mosquitos transmissores de doenças, como a dengue, e eventos extremos, como queimadas, secas e inundações, em maiores quantidades.

Esses são alguns dos problemas de saúde associados às mudanças climáticas apresentados na nova versão do relatório Lancet Countdown: Tracking Progress on Health and Climate Change (em tradução livre, “Acompanhando os Progressos em Saúde e Mudanças Climáticas”), lançado na noite desta quarta-feira (13).

Segundo o documento, a vida de todas as crianças nascidas a partir de agora será profundamente afetada pelas mudanças climáticas.

No Brasil, a poluição do ar é um dos pontos que trará problemas para as crianças de hoje e de amanhã. Tal poluição conta com a presença do chamado material particulado, que é proveniente de queimadas (que apresentaram aumento significativo neste ano no país), queima de carvão para produção de energia e veículos de transporte.

Esse tipo de poluição está associado a peso baixo em recém-nascidos, menor função respiratória em crianças e maiores taxas de hospitalizações.

Só em 2016, estima-se que a poluição do ar levou a 24 mil mortes prematuras no Brasil.

Para se ter ideia do tamanho do problema, em uma hora de exposição ao trânsito de São Paulo, por exemplo, a população “fuma” cerca de cinco cigarros, como apontam as pesquisas feitas pela equipe de Paulo Saldiva, diretor do IEA (Instituto de Estudos Avançados), na USP, e um dos coautores do relatório Lancet.

Para piorar, o monitoramento da poluição é deficitário no país. Levantamento deste ano da ONG Instituto Saúde e Sustentabilidade mostrou que só seis estados e o Distrito Federal fazem o monitoramento de poluição e divulgação dos resultados para a população. Mais de 90% das estações de monitoramento se concentram no Sudeste.

Outra preocupação quanto ao Brasil é o crescimento do uso de carvão. O documento mostra que o uso desse tipo de fonte de energia no país triplicou nos últimos 40 anos. Em contrapartida, é pequena a participação desse tipo de termelétrica na matriz energética nacional, com participação predominante de fontes renováveis, como hidrelétricas.

O futuro também será marcado por um aumento nas doenças transmitidas por mosquitos, segundo o relatório.

A dengue, por exemplo, sofre forte influência de chuvas, temperatura –elementos relacionados às mudanças climáticas– e urbanização. Desde 1950, a capacidade de transmissão de dengue aumentou em 5% para o Aedes aegypti e em 11% para o Aedes albopictus.

Mundialmente, 9 dos 10 anos mais propícios para a transmissão da dengue ocorreram do ano 2000 para cá, e atualmente metade da população mundial está em risco.

Isso quer dizer que é mais fácil pegar dengue hoje, doença transmitida pelo mosquito que se espalha mais rapidamente pelo mundo. Em 2016, o Brasil teve 1,5 milhão de casos de dengue, três vezes mais do que em 2014. Segundo o documento, o custo da infecção para o SUS entre 2012 e 2013 foi de cerca de US$ 164 milhões (R$ 770 milhões). Ao mesmo tempo, o peso socioeconômico da dengue chegou a US$ 468 milhões (cerca de R$ 1,9 bilhão).

Não é somente a dengue que preocupa os autores do estudo. Desde os anos 1980, dobrou o número de dias mais propícios para a contaminação por vibrio, um dos microrganismos responsáveis por casos casos de diarreia, que pode ter impactos sérios em crianças.

Também não faltarão eventos climáticos extremos. No Brasil, os incêndios florestais afetaram 1,6 milhão de pessoas desde 2001/2004. Até agosto, o Brasil teve seu maior número de queimadas desde 2010.

Uma das recomendações do relatório do Lancet, inclusive, diz respeito às florestas brasileiras. O documento orienta que deve se reafirmar o compromisso com o desmatamento ilegal zero até 2030, aliado a reflorestamento e redução de queimadas.

As cidades brasileiras, com suas variabilidades climáticas extremas, servem como um grande e trágico laboratório para entender o papel das mudanças climáticas na saúde da população, diz o médico e pesquisador Paulo Saldiva.

Ele cita o exemplo de São Paulo. Em determinada fatia dos dias mais quentes e mais frios, a mortalidade aumenta em 50%, com mortes relacionadas principalmente a AVCs (acidente vascular cerebral), pneumonias e infartos.

“A cidade tem uma zona de temperatura onde nada acontece, que varia de mais ou menos 17°C até 25°C, 26°C, mas os desvios aumentam a mortalidade”, afirma Saldiva.

Há ainda as diferenças regionais, que também impactam nas formas de mortalidade. “Morre-se de calor na zona leste e de frio na zona sul”, diz o especialista do IEA.

Mayara Floss, uma das autoras do relatório Lancet e médica residente de medicina de família e comunidade Grupo Hospitalar Conceição, diz que o cenário negativo apontado pelos dados deve servir de alerta para a tomada de ação, como a manutenção e aceleração dos compromissos climáticos tratados no Acordo de Paris. “Nós estamos na janela [temporal] em que é possível agir”, diz Floss.

O relatório também indica que o Brasil deveria reforçar a vigilância da qualidade do ar, inclusive com sistemas de envio de mensagens para quem estiver em regiões nas quais a exposição à poluição pode apresentar risco, aconselhando, por exemplo, em quais períodos a pessoa pode sair de casa e em quais se exercitar, diz Floss.

Segundo a pesquisadora, para tentar mudar a situação, o cidadão pode atuar com pressão política.

Saldiva diz que colocar a saúde como um ponto central na discussão climática pode ajudar a combater a “ignorância organizada, fruto da própria ignorância e de interesses econômicos de grupos afetados por práticas sustentáveis”.

O especialista compara a situação com a indústria do cigarro. “Ela sabia perfeitamente que o produto dela fazia mal, mas nunca passou na cabeça dela parar. A autorregulação é impossível. O documento aperta uma tecla SAP para colocar ciência no assunto.”
Phillippe Watanabe/FolhaPress SNG

Casa Branca quer que cientistas explorem a controversa geoengenharia

Uma planta de captura de carbono no Mississippi, que é feita para capturar o CO2 de suas próprias emissões e armazená-lo embaixo da terra. Imagem: AP Photo/Rogelio V. Solis.

A geoengenharia, ou hackear o sistema climático para resfriá-lo, é a mais recente ideia de ficção científica a ir para os planos da Casa Branca, depois de um relatório da semana passada sobre como devemos nos preparar para um apocalipse causado por um asteroide. Já que um apocalipse provocado por um asteroide não tem a chance de nos aniquilar se o clima sair de controle, parece que a Casa Branca está tentando cobrir todas as bases.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

O fato da geoengenharia, um assunto controverso que a Casa Branca se recusou a comentar durante anos, começar a ser tratado seriamente agora também é uma indicação que Obama não acha que nós estamos reduzindo nossas emissões rápido o bastante, e que intervenções tecnológicas agressivas podem ser necessárias.

O plano, que foi enviado para o congresso essa semana pelo US Global Change Research Program, o corpo governamental de 13 agências federais que conduz pesquisas sobre a mudança climática, apresenta direções para estudos futuros em tópicos associados, como o rápido aquecimento Ártico e o impacto humano no ciclo das águas. O relatório também incentiva a pesquisa em dois dos dos conceitos mais discutidos de hackear o planeta: engenharia solar ao injetar partículas na estratosfera para a deixar mais reflexiva, e captura de carbono, que suga o CO2 direto do céu.

Por mais que os relatórios não sugiram aos cientistas conduzir um experimento climático a curto prazo, a engenharia solar e a captura direta de carbono do ar são ideias bem especulativas, eles recomendam que nós comecemos a fazer algum trabalho de base, melhorando os modelos e capacidades de observação para que possamos prever as consequências da geoengenharia. “Essa pesquisa também definiria a menor escala dos experimentos de intervenção que nos dariam conhecimento científico significativo”, diz o relatório.

Riscos

Ken Caldeira, um cientista climático da Carnegie Institution for Science que recentemente estava na palestra National Academies que recomendou a pesquisa de engenharia solar e captura de carbono, aplaudiu a Casa Branca “por prestar atenção no que cientistas estão dizendo que devemos fazer. Eu gostaria que a administração Obama tivesse dito essas coisas 8 anos atrás”, ele disse ao Gizmodo por e-mail.

Caldeira foi cauteloso ao notar que as duas propostas de intervenção são bem diferentes, e que enquanto a captura de carbono apresenta poucos riscos, a não ser gastar bilhões em uma tecnologia que não funciona, a injeção de aerossol estratosférico “levanta vários novos riscos e preocupações ambientais”. De fato, modelos anteriores sugerem que injetar partículas de sulfato que refletem o sol na estratosfera poderia alterar os padrões climáticos da terra, possivelmente impactando as chuvas de monções que abastecem as plantações que alimentam centenas de milhares de pessoas no sul da Ásia.

“Por outro lado, se a mudança climática se mostrar realmente catastrófica, a geoengenharia solar é a única abordagem conhecida de esfriar o nosso planeta em uma escala de tempo relevante”, ele acrescentou.

Michael Mann, um cientista climático da Penn State University e um crítico aberto da geoengenharia, apresentou uma visão um pouco mais sombria das recomendações da Casa Branca. “Eu acredito ser perigoso considerar grandes intervenções planetárias com um sistema que não entendemos completamente”, ele disse ao Gizmodo. “As consequências não planejadas são perigosas”.

“A única exceção possível é a captura direta do ar, uma forma relativamente benigna de geoengenharia”, Mann continua. “Quanto aos outros esquemas, como a injeção estratosférica de aerossol de sulfato, a única razão para estudarmos eles agora, do meu ponto de vista, é para entender melhor os perigos que podem resultar ao implementarmos tais esquemas”.

Os que temem que a geoengenharia poderia sair do controle podem ficar seguros com o fato que a administração de Trump e o Congresso decidiram ignorar as últimas recomendações de políticas científicas de Obama. Apesar de em linhas gerais, isso não ser um pensamento muito reconfortante.
Maddie Stone/Gizmodo

COP22 quer tirar do papel o Acordo de Paris que limita aumento da temperatura

COP22, em Marrocos, quer tirar do papel o Acordo de Paris que limita o aumento da temperatura do planeta

Ambientalistas e entidades do setor ressaltam a importância simbólica e política para o mundo da COP21 na capital francesa, quando todos os 195 países-membros da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovaram o acordo, depois de 20 anos de negociações desde a primeira conferência. O desafio agora é conseguir consenso sobre as regras.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

O secretário executivo do Observatório do Clima, Carlos Hittl, ressaltou que uma questão relevante é garantir que as metas de redução de emissões, que são estabelecidas domesticamente, sejam reais e não números fictícios para venda de créditos.

“A COP de Paris foi o ponto de partida. A COP de Marrakesh tem por missão começar a implementar o Acordo de Paris, definir as regras e procedimentos, financiamentos, mecanismos de monitoramento e fiscalização efetivos, com transparência”. Em 2023 está previsto o primeiro balanço da aplicação das promessas. O pacto entrou em vigor na semana passada, depois de ter sido alcançado o quórum suficiente de países que ratificaram o acordo, entre eles o Brasil.

De acordo com o secretário de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental do Ministério do Meio Ambiente, Everton Lucero, o principal objetivo do Brasil nesta conferência será atrair investimentos para setores alinhados com as metas de redução de carbono, como os de agricultura de baixo carbono, de reflorestamento e recuperação e de energias renováveis. “Vamos buscar parcerias e cooperação internacionais que apoiem nossa estratégia”, disse ele. “O mercado não vai resolver o problema, mas vai facilitar a implementação das metas”.

Outro ponto fundamental é a ajuda aos países mais pobres para que consigam implementar políticas de redução de desmatamento e poluição. Ficou acordado que entre 2025 e 2030 seria mantido um Fundo Climático com US$100 bilhões por ano para financiar projetos sustentáveis. “É necessário que se avance em como esse montante de dinheiro será assegurado, como os países mais ricos vão dar esse aporte. Precisamos ter até 2020 dez vezes desse montante por ano”.

Para a presidente do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas (PBMC), Suzana Kahn, tanto essa conferência quanto as de 2017 e 2018 serão mais burocráticas. “Por exemplo, é preciso uniformizar o método de monitoramento de reduções de carbono, pois cada país colocou sua proposta, com ano base diferente, soma diferente. O mesmo vale para o monitoramento do fluxo de capitais para financiamento, que tem que ser transparente”, afirmou. “Para evitar que muitos países que precisam contribuir para o fundo coloquem na conta ajudas humanitárias que já costumam fazer”.

O diretor executivo do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), André Guimarães, também concorda que são muitas questões e centenas de interesses nacionais distintos, mas que a situação do planeta exige pressa. “Temos menos tempo e mais trabalho a ser feito. Este momento mais crítico exige um compromisso e um esforço da humanidade muito maior do que foi feito até agora e teremos que ser mais criativos também”, comentou. “Já estamos vendo uma série de ventos climáticos extremos, empresas já estão preocupadas, pois áreas de produção agrícolas hoje estão sofrendo com a falta de chuva, ilhas do Pacífico já começaram a perder território. Precisamos ser mais proativos”.

Brasil

O Brasil ratificou em setembro o acordo, e os objetivos da Contribuição Nacionalmente Determinada (INDC) agora são lei, com a aprovação do texto pelo Congresso Nacional. O país se compromete no documento a reduzir 37% nas emissões de CO² até 2025 em relação aos níveis de 2005 e 43% até 2030. Outras metas brasileiras são aumentar a participação de bioenergia sustentável na matriz energética para aproximadamente 18%, restaurar e reflorestar 12 milhões de hectares de florestas, bem como aumentar em 45% a participação de energias renováveis na composição da matriz energética até 2030.

O Ministério do Meio Ambiente chegou a anunciar em setembro que apresentaria um rascunho do plano de implementação na COP22, mas voltou atrás. Segundo Lucero, o rascunho será apresentado no final de novembro e discutido com a sociedade ao longo do primeiro semestre do ano que vem. O processo de consultas será concluído em junho, e o documento final deve estar pronto em julho.

“Queremos que a estratégia tenha a contribuição dos ministérios de Minas e Energia, da Agricultura e do Planejamento e da Fazenda, por isso precisamos dar tempo a eles para que possam reagir e contribuir”, afirmou. “A partir da divulgação do rascunho, teremos diálogos estruturados com os setores econômicos relevantes, de acordo com nosso perfil de emissões, pela internet e em reuniões e seminários com cada setor”, acrescentou Lucero.

Além do Brasil, 61 países já ratificaram o texto, incluindo os maiores poluidores do planeta: os Estados Unidos e a China. De acordo com a conta oficial de emissões da Convenção do Clima, o Brasil responde por cerca de 2,5% de todas as emissões do planeta, que o deixa entre os dez maiores poluidores do mundo, embora bem atrás da China (responsável por cerca de 20% das emissões) e dos Estados Unidos (17,89%).
AG.Brasil

Cientistas transformam CO2 do ar em fibras de carbono

Cientistas nos Estados Unidos conseguiram criar nanofibras de carbono a partir de dióxido de carbono (CO2) extraído do ar ─ e dizem que o processo poderia até ajudar a combater a mudança do clima.

Ciências,Fibra de Carbono,CO2,Blog do Mesquita,Poluição,Meio Ambiente 01
O experimento foi capaz de produzir 10g de nanofibras por hora.

O método apresentado nesta semana em um encontro da Sociedade Americana de Química, em Boston, é capaz de produzir 10g por hora das valiosas fibras.

Mesmo se as potenciais aplicações no combate às emissões de CO2 não derem frutos, como suspeitam alguns especialistas, a técnica promete baratear a produção de nanofibras de carbono.

Leia mais: Britânicos criam casa com zero emissão de carbono
Leia mais: 1% das árvores da Amazônia ‘captura metade do carbono da região’

O sistema é alimentado por poucos volts gerados por energia solar. A eletricidade atravessa um tanque cheio de sal derretido, à medida que o CO2 é absorvido, as valiosas nanofibras começam a se formar ao redor dos eletrodos.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

“Até hoje, nanofibras de carbono são caras demais para muitas aplicações”, disse à BBC o professor Stuart Licht, da universidade George Washington.

Redução de custos

O material é usado atualmente na produção de componentes eletrônicos e baterias, mas se fosse mais barato, poderia reforçar materiais usados na fabricação de peças de avião e carro, entre outros.

Veja mais: Tecnologia tenta proteger aviões de raios
Leia mais: Pioneiros de fibras ópticas e câmeras digitais ganham Nobel de Física

A questão é se o sistema criado pela equipe do professor Licht será capaz de reduzir estes custos.

Ciências,Fibra de Carbono,CO2,Blog do Mesquita,Poluição,Meio Ambiente 02
O método teria o potencial de ser aplicado em larga escala, segundo o autor

O cientista diz que aumentar a produção seria fácil, e que o equipamento consome pouca energia.
A maior promessa, porém, é a possibilidade de usar o sistema para reduzir os níveis de CO2 na atmosfera, considerados os culpados pelo aquecimento global pela grande maioria dos cientistas.

Para isso, seria necessário construir enormes reatores ─ algo que suscita o ceticismo de especialistas.
“Como estão capturando CO2 do ar, o processo precisa lidar com enormes volumes de gás para coletar a quantidade necessária de carbono, o que, em grande escala, pode aumentar o custo do processo”, afirmou a engenheira química Katy Armstrong, da universidade de Sheffield.

Leia mais: Quantidade de gases do efeito estufa alcança nível recorde, diz ONU

Outro que levanta dúvidas sobre a viabilidade da ideia é o pesquisador da Imperial College London Paul Fennell.

“Se o objetivo deles é fazer nanofibras, é louvável, e vão ter um produto que vale a pena. Mas se a sua ideia é tirar CO2 da atmosfera e produzir uma quantidade de nanofibras suficiente para fazer diferença na mudança climática, eu ficaria muito surpreso se conseguir”, afirmou Fennell.

Ciências,Fibra de Carbono,CO2,Blog do Mesquita,Poluição,Meio Ambiente 03

As nanofibras se cristalizam em torno de eletrodos no experimento do grupo de Licht

O professor Licht, no entanto, diz que vai ser preciso trabalhar conjuntamente, com recursos da sociedade, para testar o processo em larga escala.

“Não tem pegadinha”, afirmou.
De toda forma, outros químicos ficaram impressionados com o simples fato de a equipe do professor Licht ter produzido nanofibras a partir do carbono atmosférico.
BBC

Não existe aquecimento global, diz representante da OMM na América do Sul

Eis uma rara oportunidade conhecermos uma opinião, solidamente assentada sobre o debate do clima na terra, como contraponto à enxurrada midiática difundida pelos eco chatos. Pode até ser que exista algo com que devamos nos preocupar em relação ao uso racional dos recursos naturais do planeta. Contudo, na entrevista reproduzida abaixo, o professor Molion, com números irrefutáveis, desaquece o que existe de mito em torno da questão ambiental.

Outro cientista, Bjorn Lomborg, cientista político da Universidade da Dinamarca, é “persona non grata” para todos os abandonados do clima do raciocínio lógico. Bjorn vai contra a maré catastrofista com um discurso totalmente contrário ao que se faz na Cop15.

Enquanto do porteiro, ao laureado cientista ecologicamente engajado, só se discute o corte de emissões de gases responsáveis pelo efeito estufa, Lomborg argumenta que de nada adiantará os países selarem um acordo ao final da semana que vem. A razão? Simples: eles não conseguirão cumpri-lo.

“Copenhague vai resultar em desperdício de dinheiro, diz Lomborg”

O debate teleológico que está posto em Copenhague, pelo exposto, não contribui para o debate científico.

O Editor


Não existe aquecimento global, diz representante da OMM na América do Sul
Por Carlos Madeiro/UOL

Com 40 anos de experiência em estudos do clima no planeta, o meteorologista da Universidade Federal de Alagoas Luiz Carlos Molion apresenta ao mundo o discurso inverso ao apresentado pela maioria dos climatologistas. Representante dos países da América do Sul na Comissão de Climatologia da Organização Meteorológica Mundial (OMM), Molion assegura que o homem e suas emissões na atmosfera são incapazes de causar um aquecimento global. Ele também diz que há manipulação dos dados da temperatura terrestre e garante: a Terra vai esfriar nos próximos 22 anos

Em entrevista ao UOL, Molion foi irônico ao ser questionado sobre uma possível ida a Copenhague: “perder meu tempo?” Segundo ele, somente o Brasil, dentre os países emergentes, dá importância à conferência da ONU. O metereologista defende que a discussão deixou de ser científica para se tornar política e econômica, e que as potências mundiais estariam preocupadas em frear a evolução dos países em desenvolvimento.

UOL: Enquanto todos os países discutem formas de reduzir a emissão de gases na atmosfera para conter o aquecimento global, o senhor afirma que a Terra está esfriando. Por quê?

Luiz Carlos Molion: Essas variações não são cíclicas, mas são repetitivas. O certo é que quem comanda o clima global não é o CO2. Pelo contrário! Ele é uma resposta. Isso já foi mostrado por vários experimentos. Se não é o CO2, o que controla o clima? O sol, que é a fonte principal de energia para todo sistema climático. E há um período de 90 anos, aproximadamente, em que ele passa de atividade máxima para mínima. Registros de atividade solar, da época de Galileu, mostram que, por exemplo, o sol esteve em baixa atividade em 1820, no final do século 19 e no inicio do século 20. Agora o sol deve repetir esse pico, passando os próximos 22, 24 anos, com baixa atividade.

UOL: Isso vai diminuir a temperatura da Terra?

Molion: Vai diminuir a radiação que chega e isso vai contribuir para diminuir a temperatura global. Mas tem outro fator interno que vai reduzir o clima global: os oceanos e a grande quantidade de calor armazenada neles. Hoje em dia, existem boias que têm a capacidade de mergulhar até 2.000 metros de profundidade e se deslocar com as correntes. Elas vão registrando temperatura, salinidade, e fazem uma amostragem. Essas boias indicam que os oceanos estão perdendo calor. Como eles constituem 71% da superfície terrestre, claro que têm um papel importante no clima da Terra. O [oceano] Pacífico representa 35% da superfície, e ele tem dado mostras de que está se resfriando desde 1999, 2000. Da última vez que ele ficou frio na região tropical foi entre 1947 e 1976. Portanto, permaneceu 30 anos resfriado.

UOL: Esse resfriamento vai se repetir, então, nos próximos anos?

Molion: Naquela época houve redução de temperatura, e houve a coincidência da segunda Guerra Mundial, quando a globalização começou pra valer. Para produzir, os países tinham que consumir mais petróleo e carvão, e as emissões de carbono se intensificaram. Mas durante 30 anos houve resfriamento e se falava até em uma nova era glacial. Depois, por coincidência, na metade de 1976 o oceano ficou quente e houve um aquecimento da temperatura global. Surgiram então umas pessoas – algumas das que falavam da nova era glacial – que disseram que estava ocorrendo um aquecimento e que o homem era responsável por isso.

UOL: O senhor diz que o Pacífico esfriou, mas as temperaturas médias Terra estão maiores, segundo a maioria dos estudos apresentados.

Molion: Depende de como se mede.

UOL: Mede-se errado hoje?

Molion: Não é um problema de medir, em si, mas as estações estão sendo utilizadas, infelizmente, com um viés de que há aquecimento.

UOL: O senhor está afirmando que há direcionamento?

Molion: Há. Há umas seis semanas, hackers entraram nos computadores da East Anglia, na Inglaterra, que é um braço direto do IPCC [Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática], e eles baixaram mais de mil e-mails. Alguns deles são comprometedores. Manipularam uma série para que, ao invés de mostrar um resfriamento, mostrassem um aquecimento.

UOL: Então o senhor garante existir uma manipulação?

Molion: Se você não quiser usar um termo tão forte, digamos que eles são ajustados para mostrar um aquecimento, que não é verdadeiro.

UOL: Se há tantos dados técnicos, por que essa discussão de aquecimento global? Os governos têm conhecimento disso ou eles também são enganados?

Molion: Essa é a grande dúvida. Na verdade, o aquecimento não é mais um assunto científico, embora alguns cientistas se engajem nisso. Ele passou a ser uma plataforma política e econômica. Da maneira como vejo, reduzir as emissões é reduzir a geração da energia elétrica, que é a base do desenvolvimento em qualquer lugar do mundo. Como existem países que têm a sua matriz calcada nos combustíveis fósseis, não há como diminuir a geração de energia elétrica sem reduzir a produção.

UOL: Isso traria um reflexo maior aos países ricos ou pobres?

Molion: O efeito maior seria aos países em desenvolvimento, certamente. Os desenvolvidos já têm uma estabilidade e podem reduzir marginalmente, por exemplo, melhorando o consumo dos aparelhos elétricos. Mas o aumento populacional vai exigir maior consumo. Se minha visão estiver correta, os paises fora dos trópicos vão sofrer um resfriamento global. E vão ter que consumir mais energia para não morrer de frio. E isso atinge todos os países desenvolvidos.

UOL: O senhor, então, contesta qualquer influência do homem na mudança de temperatura da Terra?

Molion: Os fluxos naturais dos oceanos, polos, vulcões e vegetação somam 200 bilhões de emissões por ano. A incerteza que temos desse número é de 40 bilhões para cima ou para baixo. O homem coloca apenas 6 bilhões, portanto a emissões humanas representam 3%. Se nessa conferência conseguirem reduzir a emissão pela metade, o que são 3 bilhões de toneladas em meio a 200 bilhões?Não vai mudar absolutamente nada no clima.

UOL: O senhor defende, então, que o Brasil não deveria assinar esse novo protocolo?

Molion: Dos quatro do bloco do BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China), o Brasil é o único que aceita as coisas, que “abana o rabo” para essas questões. A Rússia não está nem aí, a China vai assinar por aparência. No Brasil, a maior parte das nossas emissões vem da queimadas, que significa a destruição das florestas. Tomara que nessa conferência saia alguma coisa boa para reduzir a destruição das florestas.

UOL: Mas a redução de emissões não traria nenhum benefício à humanidade?

Molion: A mídia coloca o CO2 como vilão, como um poluente, e não é. Ele é o gás da vida. Está provado que quando você dobra o CO2, a produção das plantas aumenta. Eu concordo que combustíveis fósseis sejam poluentes. Mas não por conta do CO2, e sim por causa dos outros constituintes, como o enxofre, por exemplo. Quando liberado, ele se combina com a umidade do ar e se transforma em gotícula de ácido sulfúrico e as pessoas inalam isso. Aí vêm os problemas pulmonares.

UOL: Se não há mecanismos capazes de medir a temperatura média da Terra, como o senhor prova que a temperatura está baixando?

Molion: A gente vê o resfriamento com invernos mais frios, geadas mais fortes, tardias e antecipadas. Veja o que aconteceu este ano no Canadá. Eles plantaram em abril, como sempre, e em 10 de junho houve uma geada severa que matou tudo e eles tiveram que replantar. Mas era fim da primavera, inicio de verão, e deveria ser quente. O Brasil sofre a mesma coisa. Em 1947, última vez que passamos por uma situação dessas, a frequência de geadas foi tão grande que acabou com a plantação de café no Paraná.

UOL: E quanto ao derretimento das geleiras?

Molion: Essa afirmação é fantasiosa. Na realidade, o que derrete é o gelo flutuante. E ele não aumenta o nível do mar.

UOL: Mas o mar não está avançando?

Molion: Não está. Há uma foto feita por desbravadores da Austrália em 1841 de uma marca onde estava o nível do mar, e hoje ela está no mesmo nível. Existem os lugares onde o mar avança e outros onde ele retrocede, mas não tem relação com a temperatura global.

UOL: O senhor viu algum avanço com o Protocolo de Kyoto?

Molion: Nenhum. Entre 2002 e 2008, se propunham a reduzir em 5,2% as emissões e até agora as emissões continuam aumentando. Na Europa não houve redução nenhuma. Virou discursos de políticos que querem ser amigos do ambiente e ao mesmo tempo fazer crer que países subdesenvolvidos ou emergentes vão contribuir com um aquecimento. Considero como uma atitude neocolonialista.

UOL: O que a convenção de Copenhague poderia discutir de útil para o meio ambiente?

Molion: Certamente não seriam as emissões. Carbono não controla o clima. O que poderia ser discutido seria: melhorar as condições de prever os eventos, como grandes tempestades, furacões, secas; e buscar produzir adaptações do ser humano a isso, como produções de plantas que se adaptassem ao sertão nordestino, como menor necessidade de água. E com isso, reduzir as desigualdades sociais do mundo.

UOL: O senhor se sente uma voz solitária nesse discurso contra o aquecimento global?

Molion: Aqui no Brasil há algumas, e é crescente o número de pessoas contra o aquecimento global. O que posso dizer é que sou pioneiro. Um problema é que quem não é a favor do aquecimento global sofre retaliações, têm seus projetos reprovados e seus artigos não são aceitos para publicação. E eles [governos] estão prejudicando a Nação, a sociedade, e não a minha pessoa.

Aquecimento Global – Cada pesquisa no buscador Google gera 7 gramas de CO2

aquecimento-global-cada-pesquisa-no-buscador-google-gera-7-gramas-de-co2

Físico da Universidade de Harvard diz que cada pesquisa feita a partir do mecanismo de busca gera 7 gramas de dióxido de carbono.

Um pesquisador da Universidade de Harvard afirmou que as pesquisas feitas pelos internautas a partir do Google emitem gás carbônico e podem poluir o ambiente. De acordo com o físico Alex Wissner-Gross, cada pesquisa feita a partir do mecanismo de busca gera 7 gramas de dióxido de carbono, pouco menos do que uma chaleira, e têm potencial para contribuir com o aquecimento global.

O Google, no entanto, afirma que esse número é muito menor. De acordo com Urs Hölzle, vice-presidente de operações da companhia na Europa, cada vez que uma pessoa usa o mecanismo de busca, ela gera 0,2 grama de dióxido de carbono.

Entretanto, é impossível afirmar quem está correto, pois a metodologia de Wisner-Gross é diferente da do mecanismo de busca. O pesquisador leva em conta a energia usada pelo computador de onde a busca é feita, por exemplo. Já o Google leva em consideração apenas a energia consumida em seus data centers.

Segundo o The Sunday Times, jornal que publicou uma entrevista com o físico de Harvard, a pesquisa completa deve ser publicada em breve, pelo Instituto de Engenheiros Elétricos e Eletrônicos dos EUA.

O mecanismo de busca e outras grandes empresas de tecnologia, como a Microsoft, têm procurado instalar seus data centers em locais onde a eletricidade é mais barata (nas proximidades de hidroelétricas, por exemplo), para reduzir os gastos com a conta de luz. “Tomamos grandes medidas para reduzir a energia consumida em nossas unidades, mas ainda queremos melhorar esse ponto”, disse Hölzle, do Google.

Estimativas indicam que a indústria de tecnologia é responsável por 2% de todos os gases relacionados ao aquecimento global, uma pegada de gás carbônico equivalente a das empresas de aviação. As empresas de tecnologia, porém, estão sendo cada vez mais cobradas pelo entidades ambientalistas e pelos consumidores a reduzirem suas emissões de gás carbônico e tomarem cuidados com a reciclagem de produtos.

do IDGNow