Economia,Capitalismo,Blog do Mesquita 01

Geopolítica e tecnologia ameaçam o domínio financeiro da América

Em janeiro, um ex-general americano falou em uma reunião de financistas globais seniores. Acostumado a pensar em estratégia e força, ele alertou que os Estados Unidos estão lidando mal com a mais complexa gama de ameaças desde a Guerra Fria – do Irã e da Rússia ao novo coronavírus.

Mas ele também falou de uma ameaça muito menos visível: como, através do uso agressivo de sanções econômicas, os Estados Unidos estão usando mal sua influência como poder financeiro predominante, pressionando aliados e inimigos para a construção de uma arquitetura financeira separada. “Não tenho certeza da apreciação do decisor-chefe de como o sistema financeiro funciona”, disse ele. O fato de um ex-general estar pensando no sistema financeiro global diz muito sobre o quão significativo esse perigo se tornou.

O sistema é constituído por instituições, moedas e ferramentas de pagamento que determinam como a liquidez invisível que alimenta a economia real flui ao redor do mundo. Os Estados Unidos têm sido seu centro pulsante desde a Segunda Guerra Mundial. Agora, porém, erros repetidos e a crescente atração da China começaram a rasgar as costuras. Muitos assumem que o status quo está enraizado demais para ser desafiado, mas esse não é mais o caso. Uma esfera financeira separada está se formando no mundo emergente, com diferentes pilares e um novo mestre.

O hegemon-in-waiting financeiramente, como geopoliticamente, é a China, cuja rápida ascensão está puxando o sistema. Hoje, o país representa 15,5% do PIB global, ante 3,6% em 2000. Sua economia, a segunda maior do mundo, está profundamente envolvida no tecido do comércio global. No entanto, pesa pouco no sistema financeiro. A China considera a correção dessa assimetria crucial para obter o status de grande potência. “O domínio do dólar está sendo escavado por baixo”, diz Tom Keatinge, da rusi, um think tank. A crise do covid-19 ameaça dar um impulso decisivo às forças centrífugas.

O primeiro pilar do sistema foi estabelecido em 1944 com a fundação do Banco Mundial, o FMI e a ordem monetária global em Bretton Woods, New Hampshire. Tendo fornecido armas a aliados durante a guerra, os EUA possuíam a maior parte do ouro do planeta, no qual precificavam seus produtos. Grande parte da Europa e da Ásia estava em ruínas. O sistema entre guerras das taxas de câmbio flutuantes se mostrou disfuncional. Decidiu-se, portanto, que todas as moedas seriam vinculadas ao dólar e o dólar vinculado ao ouro. Isso fez do dólar a nova moeda de reserva do mundo. Duas décadas depois, o crescente peso econômico do Japão e da Alemanha, juntamente com a imensa impressão de dinheiro dos Estados Unidos durante a guerra do Vietnã, tornaram os estacas insustentáveis. O sistema se desintegrou, mas o “padrão do dólar” sobreviveu.

Na década de 1970, os Estados Unidos também dominaram o sistema de encanamento que sustenta os pagamentos globais. Os bancos americanos, então impedidos de operar fora das fronteiras estaduais, se uniram para desenvolver sistemas de mensagens interbancárias e redes de caixas eletrônicos em todo o país. Os credores também se uniram para formar “esquemas” de cartão de crédito – associações que estabelecem as regras e sistemas através dos quais os membros liquidam os pagamentos em plástico. Esses mundos se fundiram quando duas das principais redes de cartões (logo Visa novamente e MasterCard) compraram as duas maiores empresas de caixas eletrônicos para expandir no exterior. Ao permitir que as pessoas comprassem em qualquer lugar, cartões e caixas eletrônicos se tornaram a infraestrutura dominante para movimentar pequenas somas de dinheiro em todo o mundo.Dinheiro,Economia,Ouro,BitCoin,Dolar,Euro,Real,Blog do Mesquita

Uma revolução logo se seguiu em transferências de grande valor. No antigo sistema de “telex”, um pagamento transfronteiriço entre bancos exigia a troca de uma dúzia de mensagens em texto livre, um processo propenso a erros humanos. Em 1973, um grupo de bancos se uniu para criar o swift, um serviço de mensagens automatizado que atribui um código único a cada agência bancária. Tornou-se a língua franca para pagamentos por atacado.

A nova tecnologia impulsionou os bancos americanos, que se tornaram mais bem equipados para acompanhar clientes no exterior e seus mercados de capitais, ajudados pela digitalização de ativos em papel. Após a reconstrução, o Japão e a Alemanha, ricos em poupança, depositaram seus dólares em títulos do tesouro. Um boom imobiliário gerou títulos lastreados em ativos. Entre 1980 e 2003, o estoque de títulos da América cresceu de 105% para três vezes o PIB, formando o trampolim internacional para seus bancos de investimento. Após um big bang regulatório nos anos 90, eles se fundiram com bancos comerciais. Em 2008, 35 empresas haviam se tornado as quatro maiores empresas – Citigroup, Wells Fargo, JPMorgan Chase e Bank of America – a última ponta do domínio financeiro da América.

A atração da América dentro do sistema permanece enorme. Quando os desastres acontecem, o dólar aumenta. Ainda é a reserva de valor mais segura do mundo e seu principal meio de troca. Isso faz da instituição que a menta o metrônomo dos mercados globais. Em 2008, o Federal Reserve da América evitou uma crise geral de caixa em todo o mundo ao oferecer “linhas de swap” aos bancos centrais do mundo rico, permitindo que eles emprestassem dólares em suas próprias moedas. Quando o pânico tomou conta dos mercados novamente em março, o Fed expandiu a oferta para alguns países emergentes. Em abril, ampliou-o ainda mais, permitindo que a maioria dos bancos centrais e instituições internacionais trocassem seus títulos de dívida americanos contra dólares, impedindo assim a debandada.

O encanamento financeiro do mundo também permanece sob o controle da América. os 11.000 membros da swift em todo o mundo fazem ping uns aos outros 30 milhões de vezes por dia. A maioria das transações internacionais que eles fazem são encaminhadas através de Nova York pelos bancos “correspondentes” americanos para os chips, uma câmara de compensação que paga US $ 1,5 trilhão em pagamentos por dia. A Visa e a Mastercard processam dois terços dos pagamentos com cartão em todo o mundo, de acordo com a Nilson Report, empresa de dados. Os bancos americanos capturam 52% das taxas de banco de investimento do mundo.Rodando o globo terresre,Capitalismo,Economia,Humor,Trabalho,Escravos,Blog do Mesquita

Três coisas estão impulsionando a mudança. Primeiro, o fator “empurrão” da geopolítica. A centralidade da América permite aleijar os rivais, negando-lhes acesso ao suprimento de liquidez do mundo. Até recentemente, ele se absteve de fazê-lo. O sistema financeiro era visto como uma infraestrutura neutra para promover o comércio e a prosperidade. As primeiras rachaduras apareceram depois de 2001, quando os Estados Unidos começaram a usá-la para sufocar fundos para o terrorismo. O crime organizado e os proliferadores nucleares logo se juntaram à lista. Ele convenceu os aliados ao apresentar grupos como ameaças à segurança internacional e à integridade do sistema financeiro, diz Juan Zarate, ex-consultor de George W. Bush que projetou o programa original.

O arsenal ganhou força sob Barack Obama. Após a invasão da Crimeia pela Rússia em 2014, os EUA puniram oligarcas, empresas e setores inteiros de uma economia com o dobro do tamanho das metas anteriores. Sanções “secundárias” foram impostas às empresas de outros países que negociavam com entidades na lista negra. Desde então, o presidente Donald Trump elevou o sistema para uso como arma e o usou contra aliados. Em dezembro, visou empresas construindo um gasoduto que trazia gás russo para a Europa. Em março, endureceu as sanções contra o Irã, enquanto outros canalizavam ajuda para o país. O arsenal dificilmente parece imparcial: desde 2008, os EUA multam os bancos europeus em US $ 22 bilhões, dos US $ 29 bilhões no total. Em 2019, ele designou novas metas de sanções 82 vezes, diz Adam Smith, da Gibson Dunn, um escritório de advocacia.

As sanções agora são cada vez mais usadas em conjunto com outras restrições para estrangular a China. O Departamento de Comércio mantém uma série de listas de entidades com as quais outras empresas não conseguem lidar. Um deles, a lista “não verificada”, proíbe as exportações para empresas sobre as quais o ministério tem dúvidas. Ele passou de 51 nomes em 2016 para 159 em março. As entidades chinesas representam dois terços das adições. Outros departamentos também estão correndo para serem vistos como os mais difíceis da China.

No curto prazo, a natureza opaca de todo o sistema maximiza o impacto das sanções. Mas também cria um forte incentivo para que outras pessoas busquem soluções alternativas, e a tecnologia está cada vez mais fornecendo as ferramentas necessárias para construí-las.

Ajuda que muitos mercados emergentes, não apenas a China, estejam interessados ​​em um reequilíbrio

Tais avanços resultam do segundo impulsionador das novas tendências: o fator “puxar” das tentativas de atender às necessidades das economias emergentes. As empresas de tecnologia visam as 2,3 bilhões de pessoas no mundo com pouco acesso a serviços financeiros. Ajudados por capital abundante e regras permissivas, eles criaram sistemas de baixo custo que estão começando a exportar. Alguns também visam possibilitar o comércio em regiões onde os cartões de crédito são raros, mas os celulares são comuns. Apoiados por seu enorme mercado doméstico, os “superapps” da China administram ecossistemas nos quais os usuários passam o seu caminho sem usar dinheiro real.China,Economia,China,Blog do Mesquita

Ajuda que muitos mercados emergentes, não apenas a China, estejam interessados ​​em um reequilíbrio. A maioria empresta no exterior e precifica suas exportações em dólares. A América já foi o maior comprador. Sempre que o dólar subia, a demanda se seguia, compensando dívidas mais caras. Mas um dólar mais forte agora significa que a China, seu principal parceiro comercial, pode comprar menos coisas. Portanto, a demanda cai exatamente quando o pagamento dos empréstimos fica mais caro. E as apostas aumentaram: o estoque da dívida em dólares dos mercados emergentes dobrou desde 2010, para US $ 3,8 trilhões.

O terceiro fator que ajuda os insurgentes é o covid-19, que pode levar a um ponto de inflexão. Já prejudicado pelo aumento das tarifas, é provável que o comércio global se fragmente ainda mais. Como uma ruptura distante causa escassez local, os governos querem encurtar as cadeias de suprimentos. Isso dará às potências regionais como a China mais espaço para escrever suas próprias regras. As consequências econômicas nos Estados Unidos – inclusive o impacto fiscal de suas medidas de estímulo de US $ 2,7 bilhões – podem prejudicar a confiança em sua capacidade de pagar dívidas, que sustentam seus títulos e moeda.Economia,Blog-do-Mesquita,Bancos,Finanças 02

Mais importante, a crise prejudica a confiança de outros países na aptidão dos EUA para liderar. Ele ignorou os primeiros avisos e estragou sua resposta inicial. A China é culpada de coisas piores – seus próprios erros ajudaram a exportar a covid-19 em primeiro lugar. No entanto, conseguiu conter os casos rapidamente e agora está transmitindo uma narrativa de competência doméstica. A capacidade da América de garantir a prosperidade global é a cola que mantém a ordem financeira unida. Com sua legitimidade gravemente atingida, novos ataques ao sistema parecem inevitáveis. Na linha da frente estão os soldados de infantaria do sistema do dólar, os bancos.

Offshores escondem milhões de multinacionais norte-americanas

As 50 maiores empresas dos EUA terão enviado cerca de 1,4 biliões de dólares (1,2 biliões de euros) para paraísos fiscais entre 2008 e 2014.

Offshores escondem milhões de multinacionais norte-americanas

O montante, superior ao Produto Interno Bruto de Espanha, México e Austrália, foi colocado a salvo de tributação através de uma rede secreta de cerca de 1600 sociedades criadas em offshores, afirma a Oxfam.

Num relatório divulgado faz hoje uma semana, a organização não-governamental acusa as principais beneficiárias de apoio dos contribuintes norte-americanos de estarem no topo deste opaco esquema, e recorda que, no mesmo período, entre garantias públicas e ajudas federais, as multinacionais em causa receberam do erário público qualquer coisa como 11 biliões de dólares.

Aquela evasão fiscal custa às finanças dos EUA aproximadamente 111 mil milhões de dólares, calcula ainda a Oxfam.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

De acordo com a mesma fonte, citada por agências internacionais, a Apple (181 mil milhões de dólares), General Electric (119 mil milhões), Microsoft (108 milhões) e Pfizer (74 mil milhões) encabeçam a lista, mas nela encontram-se igualmente gigantes financeiras como o Bank of America, Citigroup, JPMorgan Chase ou Goldman Sachs, a construtora automóvel Ford e a aeronáutica Boeing, a Exxon-Mobil, a Coca-Cola, a Intel e a IBM.

Favorecimento

Sublinhando que o fosso entre ricos e pobres tem vindo a agravar-se continuamente nos últimos anos, a Oxfam considera que para tal contribui o facto de os ganhos de crescimento económico não estarem a ser distribuídos por quem cria riqueza.

“Não podemos continuar numa situação em que os ricos e poderosos evadem impostos deixando para os restantes o pagamento da factura», frisou o principal consultor fiscal da organização, Robbie Silverman.”

Nos EUA, as 50 maiores empresas suportaram apenas, entre 2008 e 2014, um bilião de dólares em impostos, tendo sido favorecidas por uma taxa média 8,5 pontos percentuais inferiores à taxa legal, e tendo recebido 337 milhões de dólares em incentivos fiscais.

A Oxfam alerta, porém, que este não é um cenário exclusivo das companhias sediadas em território norte-americano, mas, antes, generalizado e extensível a cerca de 90 por cento das grandes empresas mundiais, estima a ONG, para quem o prejuízo causado em países pobres custa 100 mil milhões de dólares em receitas tributárias por ano.
Osvaldo Bertolino