Liberdade Guiando o Povo,Repressão,Protestos,Passeatas,BlogdoMesquita 8x6

Brasil vive um clima de pré-nazismo enquanto a oposição emudece

O silêncio dos que deveriam defender a democracia pode acabar deixando o caminho aberto aos autoritários, que se sentem ainda mais fortes diante de tais silêncios

Repressão,Protestos,Passeatas,BlogdoMesquita
Manifestante em protesto contra o presidente em São Paulo no dia 13 de agosto. AMANDA PEROBELLI (REUTERS)

O Brasil está vivendo, segundo analistas nacionais e internacionais, um clima político de pré-nazismo, enquanto a oposição progressista e democrática brasileira parece muda. Somente nos últimos 30 dias, de acordo com reportagem do jornal O Globo, o presidente Jair Bolsonaro proferiu 58 insultos dirigidos a 55 alvos diferentes da sociedade, dos políticos e partidos, das instituições, da imprensa e da cultura.

E à oposição ensimesmada, que pensa que o melhor é deixar que o presidente extremista se desgaste por si mesmo, ele acaba de lhes responder que “quem manda no Brasil” é ele e, mais do que se desfazer, cresce cada dia mais e nem os militares parecem capazes de parar seus desacatos às instituições.

Há quem acredite que o Brasil vive um clima de pré-fascismo, mas os historiadores dos movimentos autoritários preferem analisá-lo à luz do nazismo de Hitler. Lembram que o fascismo se apresentou no começo como um movimento para modernizar uma Itália empobrecida e fechada ao mundo. De modo que uma figura como Marinetti, autor do movimento futurista, acabou se transformando em um fervoroso seguidor de Mussolini que terminou por arrastar seu país à guerra.

O nazismo foi outra coisa. Foi um movimento de purga para tornar a Alemanha uma raça pura. Assim sobraram todos os diferentes, estrangeiros e indesejados, começando pelos judeus e os portadores de defeitos físicos que prejudicavam a raça. De modo que o nazismo se associa ao lúgubre vocábulo “deportação”, que evoca os trens do horror de homens, mulheres e crianças amontoados como animais a caminho dos campos de extermínio.

Talvez a lúgubre recordação de minha visita em junho de 1979 ao campo de concentração de Auschwitz com o papa João Paulo II tenha me feito ler com terror a palavra “deportação” usada em um decreto do ministro da Justiça de Bolsonaro, o ex-juiz Sérgio Moro, em que ele defenda que sejam “deportados” do Brasil os estrangeiros considerados perigosos.

Bolsonaro, em seus poucos meses de Governo, já deixou claro que em sua política de extrema direita, autoritária e com contornos nazistas, cabem somente os que se submetem às suas ordens. Todos os outros atrapalham. Para ele, por exemplo, todos os tachados de esquerda seriam os novos judeus que deveriam ser exterminados, começando por retirá-los dos postos que ocupam na administração pública. Seu guru intelectual, Olavo de Carvalho, chegou a dizer que durante a ditadura 30.000 comunistas deveriam ter sido mortos e o presidente não teve uma palavra de repulsa. Ele mesmo já disse durante a campanha eleitoral que com ele as pessoas de esquerda deveriam se exilar ou acabariam na cadeia.

Inimigo dos defensores dos direitos humanos, dos quais o governador do Rio, Witzel, no mais puro espírito bolsonarista, chegou a afirmar que são os culpados pelas mortes violentas nas favelas, Bolsonaro mal suporta os diferentes como os indígenas, os homossexuais, os pacíficos que ousam lhe criticar. Odeia todos aqueles que não pensam como ele e, ao estilo dos melhores ditadores, é inimigo declarado da imprensa e da informação livre.

Sem dúvida, o Presidente tem o direito de dizer que foi escolhido nas urnas com 53% dos votos, que significaram 57 milhões de eleitores. Nesse sentido o problema não é seu. Os que votaram nele sabiam o que pensava, ainda que talvez considerassem seus desatinos de campanha como inócuos e puramente eleitoreiros. O problema, agora que se sabe a que ele veio, e que se permite insultar impunemente gregos e troianos começando pelas instituições bases da democracia, mais do que seu, é da oposição.

Essa oposição, que está muda e parece impotente e distraída, demonstra esquecer a lição da história. Em todos os movimentos autoritários do passado moderno, os grandes sacerdotes da violência começaram sendo vistos como algo inócuo. Como simples fanfarrões que ficariam somente nas palavras. Não foi assim e diante da indiferença, quando não da cumplicidade da oposição, acabaram criando holocaustos e milhões de mortos, de uma e outra vertente ideológica.

Somente os valores democráticos, a liberdade de expressão, o respeito às minorias e aos diferentes, principalmente dos mais frágeis, sempre salvaram o mundo das novas barbáries. De modo que o silêncio dos que deveriam defender a democracia pode acabar deixando o caminho aberto aos autoritários, que se sentem ainda mais fortes diante de tais silêncios.

Nunca existiram democracias sólidas, capazes de fazer frente aos arroubos autoritários, sem uma oposição igualmente séria e forte, que detenha na raiz as tentações autoritárias. Há países nos quais assim que se cria um governo oficial, imediatamente a oposição cria um governo fictício paralelo, com os mesmos ministros, encarregados de vigiar e controlar que os novos governantes sejam fieis ao que prometeram em suas campanhas e, principalmente, que não se desviem dos valores democráticos. Sem oposição, até os melhores governos acabarão prevaricando. E o grande erro das oposições, como vimos outras vezes também no Brasil, foi esperar que um presidente que começa a prevaricar e se corromper se enfraqueça sozinho. Ocorrerá o contrário. Crescerá em seu autoritarismo e quando a oposição adormecida perceber, estará derrotada e encurralada.

Nunca em muitos anos a imagem do Brasil no mundo esteve tão deteriorada e causando tantas preocupações como com essa presidência de extrema direita que parece um vendaval que está levando pelos ares as melhores essências de um povo que sempre foi amado e respeitado fora de suas fronteiras. Hoje no exterior não existe somente apreensão sobre o destino desse continente brasileiro, há também um medo real de que possa entrar em um túnel antidemocrático e de caça às bruxas que pode condicionar gravemente seu futuro. E já se fala de possíveis sanções ao Brasil por parte da Europa, em relação ao anunciado ataque ao santuário da Amazônia.

O Brasil foi forjado e misturado com o sangue de meio mundo que o fizeram mais rico e livre. Querer ressuscitar das tumbas as essências de morte do nazismo e fascismo, com a vã tentativa da busca da essência e pureza da brasilidade é uma tarefa inútil. Seria a busca de uma pureza que jamais poderá existir em um país tão rico em sua multiplicidade étnica, cultural e religiosa. Seria, além de uma quimera, um crime.

Urge que a oposição democrática e progressista brasileira desperte para colocar um freio nessa loucura que estamos vivendo e que os psicanalistas confirmam que está criando tantas vítimas de depressão ao sentirem-se esmagadas por um clima de medo e de quebra de valores que a nova força política realiza impunemente. Que a oposição se enrole em suas pequenezas partidárias e lute para ver quem vai liderar a oposição em um momento tão grave, além de mesquinho e perigoso é pueril e provinciano.

Há momentos na história de um país em que se os que deveriam defender os princípios da liberdade e da igualdade cruzam os braços diante da chegada da tirania, incapazes até de denunciá-la, amanhã pode ser tarde demais. E então de nada servirá chorar diante dos túmulos dos inocentes.

Economia,Ciência Política,Literatura,Economia

“Estados-nação são rígidos demais para problemas de hoje”

Economia,Ciência Política,Literatura,EconomiaFronteira dos EUA com o México: para autor, precisa-se de novas instituições, em substituição ao Estado.

Mundo afora, fala-se em crise de representatividade nas democracias e problemas estruturais do atual estágio de desenvolvimento do capitalismo, como a concentração de renda e o entrave ambiental. Apesar da delicadeza dessas questões, as soluções fora do script não costumam ser bem-vindas nos fóruns mais respeitados. Mas foi justamente essa ousadia que tiveram os economistas Eric Glen Weyl, pesquisador da Microsoft, e o jurista Eric Posner, da Universidade de Chicago, autores do livro Mercados radicais: deslocar o capitalismo e a democracia para uma sociedade justa. O livro gerou debates acalorados nos EUA no ano passado.

Na argumentação dos autores, quase todos os alicerces do atual modelo político-econômico são colocados em xeque: do Estado-nação, que seria incapaz de dar conta de problemas transfronteiriços, à propriedade privada, responsável, segundo eles, pela concentração de poder e aniquilamento da concorrência.

Engana-se porém, assegura Weyl, quem pensa tratarem-se de ideólogos da esquerda. As propostas apresentadas visam à radicalização do capitalismo, diz o autor, que esteve no Brasil neste mês para apresentar o livro em importantes polos de pensamento do país. Entre eles, a Fundação Getúlio Vargas (FGV), no Rio de Janeiro, centro de formação do atual ministro da Economia, Paulo Guedes, cujas ideias defendidas são alvo de fortes críticas de Weyl, ex-professor da Universidade de Chicago, onde Guedes fez mestrado e doutorado

DW: Por que você acredita que o atual modelo econômico é incapaz de garantir a livre concorrência?

Eric Glen Weyl: A maior parte do valor no mundo moderno vem do que os economistas chamam de “efeitos de rede”. A ideia é que quando todos nós interagimos juntos em modelos como cidades ou plataformas digitais, podemos criar mais valor juntos do que o total que cada um poderia alcançar separadamente. Tais sistemas naturalmente levam ao monopólio e à desigualdade se forem tratados como propriedade privada. Eles criam o monopólio porque um indivíduo recebe o poder de ditar como o sistema deve funcionar a todos nós que criamos o valor. E geram desigualdade porque se apropriam desse valor coletivo e o canalizam para um pequeno grupo de capitalistas e empreendedores. Se queremos realmente restaurar a concorrência e os mercados, precisamos superar esse modo individualista de pensar sobre o valor social que criamos nas redes.

Se o “fundamentalismo de mercado” não assegura o crescimento econômico e leva à concentração, por que a defesa desse modelo ainda é tão poderosa no debate público?

O problema fundamental é que todos sabem que os mercados e a democracia alimentaram um crescimento sem precedentes e que as economias socialistas planificadas fracassaram em grande parte. Nesse contexto, é tentador dizer apenas que o capitalismo e as democracias baseadas no modelo Estado-nação, tal como existem hoje, resolverão todos os nossos problemas. A dificuldade é que as pessoas estão confusas sobre quais aspectos do sistema de mercado tiveram sucesso e quais, ao contrário, inibiram o crescimento. Em particular, enquanto a flexibilidade e o dinamismo dos mercados, associados à a capacidade de resposta das democracias, foram cruciais para o crescimento das economias modernas, a propriedade privada herdada do feudalismo e o foco historicamente arbitrário nos Estados-nação impediram a mudança necessária para um futuro mais dinâmico. A inovação social é tão importante quanto a inovação tecnológica para criar um futuro sustentável e progressivo, uma lição que muitos esqueceram.

Um pilar de sustentação do modelo econômico proposto em seu livro é a tributação proporcional à renda e ao valor do patrimônio. No Brasil, analistas liberais costumam classificar a proposta como intervencionista. Eles alegam, ainda, que tais medidas geram a fuga de investimentos.

O problema é que a maioria dos impostos tem sido historicamente administrada e aplicada por Estados-nações, mas não precisam ser. Utilizando um exemplo incomum, muitas pessoas religiosas taxam a si próprias e pagam esses dízimos para uma instituição religiosa. Há “impostos” embutidos em muitas plataformas de criptomoedas e blockchainque pagam o funcionamento de suas operações. Nós propomos sistemas para alocar a receita de impostos que não exigirão muita burocracia estatal – se é que haverá alguma.

O argumento da fuga de investimentos é confuso. O investimento é impulsionado por três fatores: a oportunidade disponível, a flexibilidade para buscar essa oportunidade e a fração do retorno que é possível manter. Enquanto este último terá uma ligeira redução sob este imposto, é de longe o menos importante. Os dois primeiros irão se expandir drasticamente à medida que os bens públicos que criam oportunidades de investimento, como pesquisa fundamental e infraestrutura social, expandirem-se em larga escala. O imposto, ao tornar a propriedade muito mais flexível, facilitará demais os investimentos. Compare a Escandinávia, que tem um ambiente de investimento extremamente flexível, com bens públicos robustos e uma tributação alta sobre os retornos do investimento, com países africanos que têm baixos impostos, mas muita burocracia e interesses entrincheirados. Creio que a maioria dos países preferiria ser como a Escandinávia.

No Brasil, a equipe econômica do atual governo e analistas do mercado financeiro repetem que a aprovação de reformas liberais, nos moldes daquelas implementadas no Chile, é essencial para a retomada do crescimento econômico. Eles têm razão?

A proposta original do economista Arnold Harberger para o Chile não foi o aconselhamento que os economistas de Chicago deram a Augusto Pinochet. Foi a proposta tributária que ele fez ao governo democrático no início dos anos 1960, o mesmo imposto que agora estamos propondo para ir além da opressão da propriedade privada. Esta é a reforma de Chicago que o Brasil mais precisa agora, e não ideias que foram colhidas da tradição de Chicago por um ditador que estava trabalhando de perto com as poucas famílias que controlam negócios no Chile. O futuro que queremos para o Brasil é de dinamismo e mercado, não o capitalismo de compadrio.

O livro critica a “zona de conforto” das instituições face o progresso tecnológico. Que tipo de mudanças são mais urgentes e qual é a sua alternativa proposta para substituir o modelo estabelecido de Estado-nação?

Os Estados-nação são rígidos demais para lidar com os problemas de hoje. Considere o rio Amazonas, que flui através de uma pequena parte de meia dúzia de países latino-americanos. Como afeta diretamente as vidas de uma pequena minoria de cada um desses países, as maiorias de cada um podem oprimir as minorias, permitindo que sejam exploradas. Ao mesmo tempo, cada país tem um incentivo para aproveitar o rio e deixar os custos para outros países. Deveríamos realmente ter um país da Amazônia, governado pelos mais afetados pelo rio e responsável por mantê-lo.

Problemas semelhantes surgem com a guerra às drogas, supostamente travada em benefício dos negros e pardos nos Estados Unidos e na América Central, quando é contra eles, na verdade. Mas as pessoas que votam nela são a maioria branca nos Estados Unidos. É por isso que você vê tantas pessoas negras e mestiças presas ou mortas na América Central. O que precisamos mais desesperadamente é de novas instituições democráticas que possam emergir em resposta a novos problemas de redes e bens públicos que não se alinham com as fronteiras arbitrárias muitas vezes traçadas por colonos, reis ou ditadores alguns séculos atrás.

O que o ressurgimento do fascismo pode nos ensinar

Fascismos,Hitler,Mussoline,Democracia,Blog do MesquitaPensamos que ele tinha desaparecido de vez. Foi um engano. Eis aqui por que.
Veja um pequeno exercício de reflexão.

Por Umair Haque¹

Publicado originalmente no site Bad Words, integrante da plataforma Medium.

Se no natal passado eu lhe tivesse dito que o principal candidato a presidente do país mais poderoso do mundo tivesse dito, abertamente, que concordava com a venda de armas, com campos de concentração, com proibições extrajudiciais e com direitos de sangue, a menos que você fosse um sócio atuante da Internacional dos Teóricos da Conspiração, você provavelmente teria dado uma gargalhada na minha cara.

E, no entanto… Aqui estamos nós, precisamente nessa realidade. E não se trata apenas de Donald Trump. O espectro mais tenebroso da política global, aquele que pensávamos ter sido exorcizado, de alguma maneira foi convocado e renasceu: é o ressurgimento do fascismo. Aquilo que chamarei, nesta pequena série de ensaios, de novo fascismo é um fenômeno global.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Marine Le Pen, a mais extremista dos políticos que contestam as lideranças nacionais desde Hitler… triunfou, com um terço dos votos, no primeiro turno das eleições de dezembro na França [1]. O mundo procura equilibrar-se à beira do precipício de uma Era das Trevas do Novo Fascismo – que se levanta, como um cérebro, da Escandinávia à Europa e da Turquia à Austrália.

Acredito que o Novo Fascismo, em sua individualidade, é o acontecimento político mais importante de nossas vidas. Trata-se de um momento crítico para a sociedade global – um momento decisivo. E, como todo momento decisivo, é um teste. Um teste que avalia o melhor de nós: se as sociedades civilizadas podem, de fato, continuar civilizadas, no sentido mais essencial dessa expressão – ou se corremos o risco de mergulhar, outra vez, numa era de guerra mundial e genocídio.

Isso lhe parece um exagero? Então, torne a ler o primeiro parágrafo deste ensaio e pergunte a si próprio se esperava que um possível presidente norte-americano defendesse campos de concentração… apenas um ano atrás. A primeira coisa que você precisa aprender sobre a ascensão do fascismo é que ele desafia suas expectativas de um mundo sensato. Ninguém espera – como na famosa frase do Monty Python – a Inquisição Espanhola.

Um produto de uma inconveniência econômica

Por conseguinte, eu irei discutir o Novo Fascismo nesta série de ensaios. No primeiro ensaio, explicarei sua ascensão; no segundo, a sua dinâmica: por que cresce tão rapidamente, pegando todo mundo de surpresa; no terceiro, discutirei como combatê-lo – se, na verdade, for possível combatê-lo.

Então, como ele surgiu? Minha explicação é simples – mas exigirá que você faça uma reflexão cuidadosa. Irei argumentar que o fascismo é um produto do extremismo – tanto de esquerda quanto de direita. Que o extremismo acabou com o centro – o que criou um vácuo no qual nasceram os Novos Fascistas, que combinam os piores elementos da esquerda e da direita.

Para começar, deixem-me dar uma ideia geral das quatro etapas pelas quais o fascismo cresce. Meu ensaio está incompleto e é simplificado em excesso, com certeza. Não pretendo escrever uma história definitiva do fascismo: simplesmente apresentar um retrato cru que possa ser usado para compreendermos em que etapa estamos.

Eis aqui a etapa incipiente do fascismo: vamos chamá-la estagnação.

O fascismo é sempre um produto de uma inconveniência econômica. A inconveniência cria uma sensação ardente de injustiça. O bolo da riqueza encolhe, desmorona e se deteriora. As sociedades começam a disputar a quem pertencem as fatias, que vão ficando cada vez mais finas, cada vez mais emboloradas.

Seres existencialmente inferiores

E aqui vem a segunda etapa do fascismo: vamos chamá-la demagogia.

Surge uma briga entre os líderes no sentido de fazer alguma coisa em relação ao problema da estagnação. Tanto a esquerda quanto a direita vão ficando mais extremadas. E aí acaba o centro. O vácuo que o centro ocupava dá espaço para um tipo de político inteiramente novo – um tipo de político que normalmente era freado pela esquerda em sua luta contra a direita, mas agora livre para combinar o que há de pior na esquerda e na direita.

Logo aparece um demagogo, que grita: o bolo pertence ao povo – e só ao povo! Ele sintetiza o que há de pior, tanto na esquerda quanto na direita. É um socialista, mas só para as pessoas certas. Mas também é um nacionalista e não reivindica apenas domínio e recursos, como terra: ele reivindica a superioridade, pelo sangue ou por deus, de um povo, para além dos recursos. Daí a expressão, paradoxal, “nacional socialismo”.

A perigosa apelação do demagogo é a seguinte: ele localiza a fonte de estagnação naqueles que não têm pertencimento, que são inferiores – não apenas moral, mas existencialmente – e os aponta com o dedo, aponta o veneno dentro da sociedade. É muito mais fácil acreditar que a sociedade está sendo envenenada por um conjunto de pessoas corruptas que não pertencem a ela, do que acreditar que o contrato social acabou e deve voltar a ser escrito – e assim se abre o caminho do demagogo para o poder.

E chegamos ao terceiro estágio do fascismo: a tirania.

Mas quem é “o povo”? Quem é, de fato, inferior e quem é superior? Quem merece os frutos do nacional socialismo – o direito a consumir fatias do bolo que encolhe, que é do que trata toda esta ideologia? E aí vem à tona a noção de volk: os verdadeiros moradores da terra, os herdeiros do destino, o direito de nascer, a superioridade. E como os definiríamos? Afinal, essa é uma pergunta traiçoeira, que não admite certezas óbvias. Você merece os recursos da Nação-Sociedade simplesmente por ter nascido ali? Ou porque você viveu ali? Ou seria porque seus avós já nasceram ali? É justamente a essas perguntas que a Nação-Sociedade, Na-Zi, começa a dedicar seus recursos. Imensas burocracias são organizadas, trilhas de papel são criadas, investigações são realizadas.

E aqui chegamos à última etapa: a autodestruição.

Busca-se saber quem é um “verdadeiro” cidadão. Depois, busca-se saber quem é um “verdadeiro” membro do volk [povo], por nascimento ou pelo sangue. E depois busca-se saber quem é “verdadeiramente” – e simplesmente – uma pessoa. Esse é o abismo. Isso porque, por essa lógica, se você não for um membro do volk, você deve ser subumano. É isso que significa não ser apenas moralmente, mas existencialmente inferior. Os subumanos, os não-volk, não são apenas o sorvedouro dos recursos minguantes da Nação-Sociedade, que não merecem qualquer fatia encolhida do bolo da Nação-Sociedade – na verdade, e em primeiro lugar, eles são o motivo pelo qual o bolo está encolhendo. Portanto, agora eles representam um problema. Um problema para o qual os volk precisam achar uma “solução”. Os líderes coçam a cabeça e chegam a uma conclusão. Soluções temporárias para problemas permanentes não são um bom negócio.

O que se precisa é de uma solução final.

Uma crença ideológica extremista

Agora, a sociedade está se destruindo a si própria. Isso porque nenhuma sociedade civilizada pode obedecer às ordens de expulsar, prender ou assassinar seus cidadãos por um motivo qualquer e continuar sendo civilizada. Mas isso é algo que os fascistas, que agora já compõem a maioria da população, dos volk, não conseguem ver. Eles só veem pureza, perfeição e um destino glorioso.

Tudo isso é o que Umberto Eco chamou o “fascismo eterno” – a dinâmica que cria qualquer fascismo, seja qual for a sociedade em que surge. Passemos, agora, a ser específicos. Onde se encaixa o Novo Fascismo no meu modelinho de fascismo eterno? Em que etapa nosencontramos?

De 1950 a 1970, os Estados Unidos se encontravam numa Idade do Ouro. Não era apenas o país mais rico, mais seguro, mais tecnologicamente avançado e mais educado: em média, suas famílias também eram. Ou seja, tinha elaborado um contrato social historicamente único, em que o crescimento econômico era amplamente compartilhado pela média de seus cidadãos.

Mas aí, alguma coisa deu errado – muito errado. Os rendimentos começaram a estagnar. A média das famílias começou a sofrer e o país logo ficaria para trás dos restantes mais avançados do mundo em simples termos humanos, como saúde, educação e poupança.

Por que o padrão de vida começou a estagnar na década de 70 – e continuou por quase uma década? A explicação é a seguinte. Num caso único entre as economias mais avançadas, os Estados Unidos foram quase totalmente consumidos por uma ideologia econômica de extrema-direita. A ideia era simplesmente de que a prosperidade lá de cima caísse na forma de gotas de chuva para os que estavam mais em baixo. Portanto, fundamentalmente, a renda foi redistribuída de baixo para cima – com a crença de que amanhã os beneficiados seriam os de baixo. E como foi executada essa redistribuição? Simples: cortando, com austeridade, os impostos lá de cima, retalhando o poder de negociação dos de lá de baixo com o mesmo rigor e financeirizando a economia, isto é, desregulamentando o mercado de capitais para que os de cima pudessem investir os lucros que estavam colhendo.

Desnecessário dizer que tudo isso estava em desacordo com a realidade. A classe média e a de baixo nunca gozaram de benefício algum – e nunca houve um pingo de evidência que sugerisse que gozariam. Essencialmente, os Estados Unidos rasgaram o contrato social de sua Idade do Ouro em nome de uma crença ideológica extremista.

Neoliberalismo retirou milhões da pobreza

E quando a estagnação se impôs, as instituições e os líderes brigaram sobre a forma pela qual o contrato social deveria ser reescrito – mas não o reescreveram. Assim, a estagnação continuou, ganhou força e a classe média não só deixou de prosperar como passou a encolher.

Recentemente, os Estados Unidos chegaram a ponto crítico histórico: pela primeira vez, a classe média é minoria. Nem você nem eu podemos dizer que isso “prova”, em termos acadêmicos, que isso é uma causa para o fascismo. No entanto, podemos dizer, com confiança, o seguinte: o fascismo é sempre um produto da inconveniência. Nos Estados Unidos, a classe média e seu padrão de vida atingiram seu pico por volta de 1970. Desde então, a classe média vem encolhendo continuamente. E nos dias de hoje, o fascismo vem crescendo precisamente no momento em que a classe média chegou a um ponto crítico, passando de maioria para minoria.

Teria a classe média fracassado devido a seus líderes e instituições? Estaria angustiada com isso e desesperada pela prosperidade? Sim. Mas não se trata disso. A questão é simplesmente a seguinte: a classe média está reagindo a seu próprio declínio dando seu apoio aos Novos Fascistas.

Mas isso é apenas metade da história. Segue-se a outra metade.

Enquanto a direita não se limitava a divulgar uma crença econômica extremista e não comprovada, a esquerda nem sequer compreendia com o que lutava. Em vez disso, uma geração de esquerdistas decidiu que a verdadeira oposição não era uma economia de direita local – e sim, uma política global chamada “neoliberalismo”.

Mas boa parte do neoliberalismo, em completa oposição à economia segundo a qual a prosperidade lá de cima cairia na forma de gotas para os que estavam mais abaixo, retirou, na realidade, milhões de pessoas da pobreza, da miséria e do desespero pelo mundo afora. Por que? Porque o liberalismo, tenha ele a definição que tiver, não é uma economia de conta-gotas. É precisamente o contrário: investe em instituições, em pessoas e em sociedades para que o excedente não se acumule na parte de cima.

Já apareceu um líder demagogo

No entanto, a esquerda começou a manifestar-se e protestar justamente contra as instituições que defendiam o mundo da economia de conta-gotas – o Banco Mundial, o FMI e a ONU. É claro que tenho certeza de que aqueles de vocês que forem de esquerda irão se opor a mim com veemência e dirão que eu sou uma pessoa detestável. O fato, entretanto, é que o FMI e o Banco Mundial foram criados por Keynes justamente para evitar que a riqueza se acumulasse no topo [da pirâmide] – e foi precisamente isso que eles fizeram. Portanto, vocês, esquerdistas, estão simplesmente provando uma terrível e profunda ignorância da história econômica. Perdoem-me por ser duro, mas agora devemos falar verdades nuas e cruas.

E esse erro trágico, histórico e colossalmente imbecil – a confusão da política de conta-gotas com o liberalismo, da esquerda com a direita – condenou a esquerda a um caminho de total irrelevância. Ao invés de lutar contra a direita, a esquerda passou a lutar… contra si própria.

Se você não acredita, responda: onde está a esquerda agora? Trava uma nobre e valente luta em favor dos… transgêneros em videogamespronomes de gênerobanheiros para todos os gêneros. Mas não diz uma palavra sobre a questão do Novo Fascismo. Organiza manifestações, protestos e movimentos em defesa dos primeiros, mas nada em relação ao último. Entende o que eu digo? A esquerda está lutando contra si própria, trava uma luta cada vez mais extremada contra a esquerda. Mas não enfrenta a direita.

Pessoas de bom senso podem discordar a respeito de banheiros para todos os gêneros – mas pessoas de bom senso não podem discordar sobre campos de concentração. No entanto, enquanto a esquerda se deixa consumir pela política de identidade sexual, as ideias fascistas começam a assumir o controle das sociedades por atacado (por exemplo, 47% dos norte-americanos concordam com a proposta de Trump de “banir” os muçulmanos). Com que se pode comparar isso? É como se você quisesse uma pedicure enquanto uma gigantesca gangrena devora sua perna… porque você quer marcar um encontro.

Portanto, a causa concreta da ascensão do Novo Fascismo é o extremismo. De ambos os lados – esquerda e direita. Podemos chamar o extremismo de direita fundamentalismo e o de esquerda, narcisismo. Mas ambos são extremismos. Nenhum dos lados prioriza uma nova redação do contrato social – apenas disputam suas fatias minguantes de um bolo que encolhe cada vez mais.

Portanto, o crescimento do extremismo de ambos os lados provocou o fim do centro. Esquerda e direita já não evitam os piores excessos. Consequentemente, a doença que combina o pior deambos tem liberdade para crescer e o nome desse câncer é fascismo.

Respondendo à pergunta: em que etapa de meu modelinho nos encontramos? Eu diria que estamos mais ou menos em um terço do arco do fascismo. Já ultrapassamos as etapas iniciais. Considerando o que dissemos acima, já passamos a etapa da estagnação e estamos quase nofinal da etapa da demagogia – pois já apareceu um líder demagogo. Não estamos simplesmente correndo o risco de que “aconteça aqui” em algum tipo de futuro improvável.

A exaltação da destruição

Minha história tem sutilezas. Tentei fazer uma distinção entre uma causa imediata e a causa definitiva. A causa definitiva do fascismo é a direita – mas a causa imediata é a esquerda. Em termos simples, as origens do fascismo estão no extremismo de direita – mas foi a irrelevância que se auto-impôs a esquerda que permitiu sua ascensão, e talvez até lhe tenha dado um impulso. Você pode discordar de minha história. É apenas uma síntese entre tantas outras. No entanto, eu o previno contra o extremismo de opostos que define a nossa época. Para explicar plenamente a ascensão do fascismo – por ser a mais venenosa fusão de ambos os lados –, devemos falar aberta e honestamente dos erros da esquerda e da direita.

Na história da ascensão do Novo Fascismo vemos precisamente os mesmos elementos que funcionam no fascismo eterno. O bolo encolhe. Os líderes e as instituições brigam – enquanto o bolo encolhe. Então, o momento crítico, quando o centro desaparece. O demagogo fica desimpedido para cantar sua canção das trevas. Cai a noite. E começa a Idade do Ouro dos volk, a longa marcha rumo à terra prometida por entre vales de sangue e de desespero.

Escrevi demais. Fiquei cansado, assim como você. Portanto, vamos parar por aqui para dar uma pausa e refletir. O fascismo, a venenosa mistura do que há de pior na esquerda e na direita, é um câncer que pode ter infectado o corpo político quando este estava entorpecido e minimizado, adoecido e frágil devido à estagnação. E a obrigação de todas as pessoas de bom senso é enfrentá-lo. Não apenas porque ele destrói e classifica  a destruição como um destino glorioso, nem porque ele mata e considera o assassinato como uma forma nobre de justiça, e sim, porque a exaltação da destruição é o fim de tudo aquilo que representa a civilização. Não apenas o tecido de nossas sociedades, mas a própria sobrevivência da humanidade.

[1] O partido de Marine Le Pen foi no entanto derrotado no segundo turno das eleições, também em dezembro de 2015

¹ Umair Haque é escritor, economista e diretor do Havas Media Lab

O mérito numa sociedade desigual e de privilégios

Reflexões – Prof. Antônio T. Praxedes – Editor do Blog Lobo Frontal

Um dos temas mais polêmicos na teoria política diz respeito à meritocracia. De acordo com essa teoria, a investidura no poder deve dar-se quase que exclusivamente em razão do mérito do candidato.

Porém, embora a meritocracia tenha sido um fator determinante no preenchimento de cargos públicos na Antiguidade, nas sociedades contemporâneas ela diz respeito diretamente ao sucesso na competição pela sobrevivência.

Antes de mais nada, convém ressaltar que os gregos – autores dessa perspectiva – pressupunham três critérios que integrariam a avaliação do mérito do cidadão num regime democrático: isagoria (a igualdade política entre os indivíduos do corpo civil), a isotimia (o livre acesso aos cargos públicos aos cidadãos) e a isonomia (a igualdade de todos perante a lei da pólis). Ainda, convém esclarecer que esse modelo helênico, puramente formal, tinha por alicerce uma sociedade fundamentalmente desigual e injusta: as mulheres e os filhos não eram cidadãos, ocupando, junto com o escravos, o patrimônio econômico do cidadão grego, ou seja, o locus social dessas pessoas era a puramente privado, sujeito às regras do justo e injusto de uma justiça privada ou não-pública, nos dizeres de Aristóteles (na obra “Política”).
Isso para não descrever certos aspectos dessa cidadania, que admitia a venda de pessoas na qualidade de “escravo”, como foi o caso de Platão, cidadão e filósofo ateniense que serviu nessa condição, num navio mercante, por vários anos. Com isso, pode-se afirmar que tal paradigma sócio-político de meritocracia era, inequivocamente, formal.

Dando prosseguimento a essa modesta investigação, pergunta-se: como essa estrutura foi absorvida pelas culturas ocidentais, e que marca (trauma) ela provoca nas formas de acesso ao poder (sócio-econômico)? Igualmente: quais seriam as consequências práticas desse tipo de perspectiva diante da obscena desigualdade entre os sujeitos que compõe um modelo jurídico-formal de Estado Democrático de Direito? E, finalmente: que perspectiva se abre diante dos contornos de uma democracia plural, inclusiva e participativa?[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Em que pese os milênios de transformações sociais e culturais pelas quais passaram as civilizações ocidentais, que se abeberaram na filosofia grega para contemplar o modelo de Estado de Direito, a organização dessa Modernidade optou por uma abordagem puramente formal de configuração das estruturas de poder. Essa perspectiva está alinhavada numa transição paradigmática que faz parte das transformações registradas pela História (principalmente da Idade Média coletivista, para a Modernidade individualista), que culminou na prevalência dos interesses privados do homo oeconomicus, com uma mudança focal sobre a vida social, isto é, uma mudança de viés na concepção da organização da vida individual e coletiva: o cerne das preocupações do indivíduo passou da esfera pública para a privada.

A promessa de um “futuro melhor” por meio do progresso foi o estopim e armadilha na qual se jogaram os países europeus, alimentados por ideologias e modelos sociais os mais variados – mas todos comprometidos com alguma tentativa ou proposta de equilíbrio entre os interesses individuais e nacionais: houve uma transmutação de conceitos: da coletividade para a nacionalidade, como bem ilustra os adeptos da Escola Histórica e das doutrinas jurídico-políticas que se utilizaram da filosofia hegeliana.

Entretanto, ao contrário do que indicava o fatalismo da abordagem histórica, os progressos tecnológicos de que se desfruta atualmente (revolução aeroespacial, telemática e informática, biotecnologia, energia termonuclear etc.) também modificaram aquela configuração sócio-política do Estado nacional: a globalização reduziu distâncias, eliminou fronteiras geográficas, tornando o mundo, paulatinamente, numa aldeia global, sem, contudo, resolver os problemas do passado. A miséria e os diversos tipos de desigualdade e exclusão social, ao contrário do esperado, se intensificaram.

Isso porque essa globalização sedimentou-se sobre ruínas de uma disputa da Modernidade (entre os argumentos da economia de mercado e da economia planificada), que resultou com a vitória da perspectiva formal liberal, que assumiu os contornos de uma neoliberalismo: neo (novo) porque adequado a um mundo de plena liberdade conferida ao mercado financeiro e às grandes indústrias transnacionais; neo porque abandonou o indivíduo à própria sorte, por concentrar-se e validar apenas o direito à propriedade, e relegar ao plano meramente abstrato os direitos da personalidade (ao desenvolvimento das capacidades plenas do indivíduo).

Neste momento, torna-se necessário avaliar o argumento que discute a contemporaneidade – também designada de “pós-modernidade”, que nada mais indica além da prevalência de um modo de vida pautado nas “sociedades mais desenvolvidas” (Lyotard) do complexo político de cariz eurocêntrico.

O atual modelo de organização social tem na esfera econômico-financeira o seu alicerce primordial. Para ter “sucesso”, os indivíduos devem zelar pela otimização dos recursos sociais e, dentre eles, tempo e dinheiro compõe a “chave para o sucesso” na organização dessa vida social. Assim, garantir os interesses pessoais e individuais é uma máxima válida e inquestionável, se o cidadão almejar uma sobrevivência plena e abundante em bens materiais e segurança financeira, numa sociedade de consumo em massa.

Mas, em que pese todo o aparato das correntes do pensamento crítico, além da falta de oportunidade que continua a assolar as populações dos países da periferia da antiga divisão Norte-Sul globais, hoje, esse sistema global reproduz a miséria e os diversos tipos de desigualdade no centro desse sistema (Norte) – sendo a atual crise econômica europeia o melhor exemplo a ilustrar esse fato: inundados por imigrantes, sem perspetiva de empregabilidade (diante do fenômeno da deslocalização de empresas), com uma pirâmide social absolutamente invertida (envelhecimento populacional) e vivenciando políticas de austeridade, os europeus estão endividados, desempregados e desgovernados.

A competição global por acesso aos bens e aos recursos naturais, de um lado, só proporciona o referido progresso (prometido na Modernidade) àqueles dotados de privilégios que, porventura, consigam administrar e dispor de tempo e dinheiro (de que já dispõem) à formação que propicie o desenvolvimento de competências técnicas adequadas. De outro lado, os excluídos do processo não dispõem dessas ferramentas, tendo que ocupar a margem industrial excluída pelos processos tecnológicos, recebendo apenas uma remuneração que só garante a sua reprodução biológica e o sustento de suas necessidades elementares.

O que se constata é que houve um aumento (globalizado) do fosso que separa ricos e pobres.

Em que pese esse ser um cenário generalizado, ainda persistem algumas ilhas de resistência a esse panorama desalentador.

Sobreviveu, em alguns países, uma linha de proteção social aos desamparados e, associada a ela, uma linha argumentativa de um modelo não-formal (mas nem por isso menos jurídico-político) de correção daquelas distorções formais do (neo)liberalismo.

Seria uma linha por estabelecer um espaço limítrofe entre a humanidade e o mercado, entre o ser e o ter: as políticas públicas do Estado de Bem-estar Social e Democrático de Direito, sustentada por uma outra linha, também limítrofe, de reforma social, da social-democracia. Social-democracia essa que reconhece os direitos do indivíduo, consagrados pelo liberalismo político e jurídico, mas que também zela pelos direitos da sociedade; que dá a noção de que o indivíduo, antes de ter, é e está, e nessa condição de estar, convive. A união entre esse modelo estatal e o outro jurídico-político está vivo no texto constitucional de países como o Brasil, França, Itália, Alemanha e Portugal, dentre outros.

Porém, as avaliações sobre a efetividade e a sobrevivência dessas linhas são desoladoras, porque, embora elas existam, a leitura e interpretação que se procedem sobre elas ainda é majoritariamente formal. Significa dizer que, embora existam modelos jurídicos que assegurem a transposição dessas dificuldades e mazelas sociais, é necessário uma abordagem circunstancial e não-formal dessas garantias.

Tome-se o caso de um problema global: corrupção. A abordagem formal da corrupção submete-a à formulações procedimentais e processuais que são incompatíveis ferramentas de solução do problema. Por que? Porque a impunidade relativa a ela é formal: não se trata de um problema sistêmico, mas extra-sistêmico; não é jurídico, é político, e está ligado à omissão (relativamente aos mecanismos da democracia participativa, de controle, fiscalização e cobrança dos atos de governo). Outro problema: formação educacional.

Também esse seria um problema a exigir uma solução não formal: de que adianta proporcionar o ingresso de discentes de classes sociais desprovidas às universidades (públicas e privadas), se não há livros, alimentação e transportes públicos e gratuitos aos estudantes? Em outras palavras: você consegue estudar com fome? Portanto, as questões relativas ao mérito devem ser avaliadas diante da seguinte problemática: quem tem mais mérito? Aquele que goza de benefícios, facilidades, apoio e suporte financeiros, ou aquele que, mesmo diante de privações, falta de oportunidades e carestia consegue seu lugar ao Sol? Como se determina o mérito num modelo competitivo, desigual, formal e excludente?

Maquiavel – Reflexões na tarde – 08/06/2013

Ao magnífico Lorenzo, filho de Piero de Médicis
¹Nicolau Maquiavel

As mais das vezes, costumam aqueles que desejam granjear as graças de um príncipe trazer-lhe os objetos que lhes são mais caros, ou com os quais o vêem deleitar-se; assim, muitas vezes, eles são presenteados com cavalos, armas, tecidos de ouro, pedras preciosas e outros ornamentos dignos de sua grandeza.

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]Desejando eu favorecer a Vossa Magnificência um testemunho qualquer de minha obrigação, não achei, entre os meus cabedais, coisa que me seja mais cara ou que tanto estime quanto o conhecimento das ações dos grandes homens apreendido por uma longa experiência das coisas modernas e uma contínua lição das antigas; as quais, tendo eu, com grande diligência, longamente cogitado, examinando-as, agora mando a Vossa Magnificência, reduzidas a um pequeno volume.

E conquanto julgue indigna esta obra da presença de Vossa Magnificência, não confio menos em que, por sua humanidade, deva ser aceita, considerando que não lhe posso fazer maior presente que lhe dar a faculdade de poder em tempo muito breve aprender tudo aquilo que, em tantos anos e à custa de tantos incômodos e perigos, hei conhecido.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Não ornei esta obra e nem a enchi de períodos sonoros ou de palavras empoladas e floreios ou de qualquer outra lisonja ou ornamento extrínseco com que muitos costumam descrever ou ornar as próprias obras; porque não quis que coisa alguma seja seu ornato e a faça agradável senão a variedade da matéria e a gravidade do assunto.

Nem quero que se repute presunção o fato de um homem de baixo e ínfimo estado discorrer e regular sobre o governo dos príncipes; pois os que desdenham os contornos dos países se colocam na planície para considerar a natureza dos montes, e para considerar a das planícies ascendem aos montes, assim também para conhecer bem a natureza dos povos é necessário ser príncipe, e para conhecer a dos príncipes é necessário ser do povo.

Tome, pois, Vossa Magnificência este pequeno presente com a intenção com que eu o mando. Se esta obra for diligentemente considerada e lida, Vossa Magnificência conhecerá meu extremo desejo que alcance aquela grandeza que a Fortuna e outras qualidades lhe prometem. E se Vossa Magnificência, do ápice da sua altura, alguma vez volver os olhos para baixo, saberá quão sem razão suporto uma grande e contínua má sorte.

Nicolau Maquiavel¹
* Florença, Itália – 03 Maio 1469 d.C
+ Florença, Itália – 20 Junho 1527 d.C
=>Biografia de Maquiavel

Lobão: de roqueiro drogado execrado pela TFP a ídolo da direita conservadora

Lobão Blog do Mesquita

Tom Jobim tinha razão: “o Brasil não é para amadores”.

A máxima encerra nas entrelinhas essa terra que é capaz de humilhar Gregor Sansa em matéria de delírios e nonsense.

O personagem mais estigmatizados da MPB, Lobão lança um conjunto de insanidades em um livro cujo título já resume tudo bem no título: “Manifesto do Nada na Terra do Nunca”. Manifesto do nada. Mais confessional de nulidade impossível.

Esse é o vício do uso de antolhos ideológicos, atinge os iracundos em todo o espectro ideológico já classificado, mas são mais praticados nas duas pontas da estupidez política: direita e esquerda respectivamente  Você não presta, mas, logo que você manifeste concordância com minhas idéias, ou critique os que me são contrários, você imediatamente é alçado à deificação reservada aos puros.

O neoconservador ex-roqueiro escreve além de outras opiniões (sic) reacionárias essa pérola em relação à repressão aplicada pela ditadura implantada no Brasil em 64:…“crucificam os torturadores que arrancaram umas unhazinhas”.

Só os deuses podem desvendar o mistério de como um cidadão (sic) possa migrar de feroz crítico da indústria da música e do regime militar, para um direitista delirantemente conservador. Eu que não tenho acesso ao olimpo, concluo que o ostracismo é capaz de transtornar os parcos neurônios que ainda funcionam na mente do Lobão. Pode ser também que sua visão esteja embotada por excesso de fumaça.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Pela “unhazinha” é possível imagino as demais sandices. Revela ser uma pessoa com visão distorcida da história, o que a meu sentir, compromete o todo.

Ele pode entender de outras coisas, mas de socialismo ele não vê nem a fumaça. Se é que me faço entender metaforicamente. O roqueiro agora envereda pela Ciência Política e ‘sapeca’ que “a América do Sul está se tornando uma cortina de ferro tropical”. Pelas ‘piercingns’ de ‘Ozzy Osbourne’! Nunca houve socialismo nem muito menos comunismo em parte alguma do mundo, em época alguma, muito menos na AL.

Somente houve troca de guarda de regimes ditatoriais diversos.

A mente obstruída pela fumaça de alguém que ao longo da vida sempre fez apologia às drogas – tanto fez tal apologia que findou escrevendo uma – ainda diz mais outra asneira: “Existe uma censura poderosíssima perpetrada por uma militância de toupeiras”.

Como existe censura se qualquer pessoa, independente do grau de alfabetização, escreve livros e dá entrevistas? O cidadão precisa tomar conhecimento que, principalmente nas mídias sociais, não há nenhum tipo de impedimento para se publicar o que bem se entenda. Aqui e alhures.

“Nada mais conservador que um liberal no poder.” ou no desespero do ostracismo, digo eu.

Assisti agora ontem à tarde ao programa “Estúdio i”, Globo News, onde o Lobão em pele de cordeiro, e que anos passados descia o malho na ditadura midiática da Rede Globo, hoje se serve desse satã para divulgar seu (dele) livro.

Abaixo um exemplo de “uma unhazinha arrancada relatada pele mãe de uma prisioneira da repressão praticada pelos ídolos do roqueiro:
“Sônia Maria Lopes de Moraes, minha filha, teve seu nome mudado após o seu casamento com Stuart Edgar Angel Jones, para Sônia Maria de Moraes Angel Jones. Ambos foram torturados e assassinados por agentes da repressão política, ele em 1971 e ela em 1973. Minha filha foi morta nas dependências do Exército Brasileiro, enquanto seu marido Stuart Edgar Angel Jones foi morto nas dependências da Aeronáutica do Brasil. Tenho conhecimento de que, nas dependências do DOI-CODI do I Exército, minha filha foi torturada durante 48 horas, culminando estas torturas com a introdução de um cassetete da Polícia do Exército em seus órgãos genitais, que provocou hemorragia interna do DOI-CODI. “

Ps1. Tivesse eu paciência para tratar com os desprovidos de neurônios recomendaria ao felino predador da inteligência, a leitura do livro do Professor Paulo Bonavides, ‘Ciência Política’, para só então fazer análises sobre socialismo.
Ps2. Evidente que o terrorismo é crime hediondo e deve ser combatido, e punido dentro do rigor estrito da lei.
Ps3. Pra não dizer que não pincei nada de positivo na “literatice verborrágica” do autor, concordo quanto a sua opinião em relação ao carniceiro Che Guevara, também outro tresloucado transformado em ídolo.

 

 

Montesquieu e o espírito das leis

Recebo correspondência de amiga residente em na França, informando que o vulto de Montesquieu foi visto perambulando, desolado, entre as tumbas do Cemitério Père Lachaise, Paris, após receber notícias do Brasil.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

A desinformação do protesto social

Neste artigo, exponho o conceito de desinformação como elemento chave para compreender como a narrativa midiática criminaliza o ato de protesto social.

Dá carne ao conceito o ocorrido no fim de tarde da última segunda-feira, 27 de fevereiro, quando um grupo aproximado de 300 pessoas em sua maioria adolescentes estudantes secundaristas, saiu do colégio Júlio de Castilhos em marcha contra o aumento da passagem de ônibus em Porto Alegre.

A passeata seguiu pelas ruas dos bairros próximos, culminando na prefeitura da capital.

O ato de protesto implicava uma entrega de reivindicações da coordenação de entidades estudantis, sociais e sindicais que dali participava, para o poder público do município.

O resultado da negativa do representante do prefeito José Fortunati (PDT) em receber a carta de reivindicações foi um empurra-empurra entre manifestantes e guardas municipais, concluindo com a chegada do 9º BPM, terminando com uma dose generosa de spray de pimenta e cacetadas.

O saldo foi um sindicalista de cabeça rachada e uma celeuma quanto “a baderna”, vociferada pela mídia local, com destaque especial para alguns jornalistas que se arvoram em defensores da ordem e da paz social.

Na manhã da terça, 28 de fevereiro, através dos microfones locais, os agredidos se tornam agressores e a força policial militar, cuja campanha salarial implicou em ações de sabotagem, quando dezenas de bonecos e pneus foram queimados em ruas e estradas do Rio Grande, é alçada à condição de guardiã da “democracia”.

Imediatamente após o ato, vem uma interpretação falsa, afirmando que o movimento teria fins eleitoreiros, já que estamos em ano de pleito.

Ora, toda autoridade eleita quando é convocada a defender seu governo de turno também promove seus candidatos e legendas.

Além do mais, é direito político do cidadão se organizar para causas coletivas em partido, movimento, sindicato.

O conceito de partido político ultrapassa e muito a rotina eleitoral, não sendo “natural” a relação entre organização política e a finalidade de eleger representantes.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Para completar a narrativa absurda, o ato contra o aumento das passagens ocorre há pelo menos uma década em Porto Alegre; bastando uma simples interpretação de cores e agremiações para concluir que as forças não eleitorais do ato, eram ao menos a metade de sua composição.

Curiosa ironia.

Num país onde ninguém é de direita, quando a esquerda aparece, os políticos profissionais e suas mídias de confiança são os primeiros a reclamar.

Bruno Lima Rocha é cientista político
www.estrategiaeanalise.com.br / blimarocha@gmail.com

A Agonia do Neoliberalismo

Vale, por um dia, começar além da política nacional, arriscando um mergulho lá fora. O que continua a acontecer na França, onde montes de carros, escolas, hospitais e residências comuns estão sendo queimados e saqueados? Qual a razão de multidões de jovens irem para as ruas, enfrentando a polícia e depredando tudo o que encontram pela frente?

Tornando quase impossível a vida do cidadão comum, não apenas em Paris, mas em muitas cidades francesas, onde instaurou-se o caos. Por que?

É preciso notar que o protesto vem das massas, começando pelas massas excluídas, de negros, árabes, turcos e demais minorias que buscaram na Europa a saída para a fome, a miséria e a doença onde viviam, mas frustraram-se, cada vez mais segregados, humilhados e abandonados.

Exatamente como em seus países de origem.

Não dá mais para dizer que essa monumental revolta é outra solerte manobra do comunismo ateu e malvado. O comunismo acabou. Saiu pelo ralo.

A causa do que vai ocorrendo repousa precisamente no extremo oposto: trata-se do resultado do neoliberalismo.

Da consequência de um pérfido modelo econômico e político que privilegia as elites e os ricos, países e pessoas, relegando os demais ao desespero e à barbárie.

Porque sempre que se registra uma crise econômica nas nações neoliberais, a receita é a mesma, seja na França ou na Grécia, em Portugal ou na Espanha: medidas de contenção anunciadas para reduzir salários, cortar gastos públicos, demitir nas repartições e nas fábricas, aumentar impostos e taxas.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Fica evidente não se poder concordar com a violência. Jamais justificá-la. Mas explicá-la, é possível. Povos de nações e até de continentes largados ao embuste da livre concorrência, explorados pelos mais fortes, tiveram como primeira opção emigrar para os países ricos. Encontrar emprego, trabalho ou meio de sobrevivência. Invadiram a Europa como invadem os Estados Unidos, onde o número de latino-americanos cresce a ponto de os candidatos a postos eletivos obrigarem-se a falar espanhol, sob pena de derrota nas urnas.

Preparem-se os neoliberais. Os protestos não demoram a atingir outras nações ricas. Depois, atingirão os ricos das nações pobres. O que fica impossível é empurrar por mais tempo com a barriga a divisão do planeta entre inferno e paraíso, entre cidadãos de primeira e de segunda classe. Segunda? Última classe, diria o bom senso.

Como refrear a multidão de jovens sem esperança, também de homens feitos e até de idosos, relegados à situação de trogloditas em pleno século XXI? Estabelecendo a ditadura, corolário mais do que certo do neoliberalismo em agonia? Não vai dar, à medida em que a miséria se multiplica e a riqueza se acumula. Explodirá tudo.

Fica difícil não trazer esse raciocínio para o Brasil. Hoje, 40 milhões de brasileiros vivem abaixo da linha da pobreza, sobrevivendo com a metade desse obsceno salário mínimo que querem elevar para 540 reais. Os bancos lucram bilhões a cada trimestre, enquanto cai o poder aquisitivo dos salários. Isso para quem consegue mantê-los, porque, apesar da propaganda oficial, o desemprego continua presente. São 15 milhões de desempregados em todo o país, ou seja, gente que já trabalhou com dignidade e hoje vive de biscates, ou, no reverso da medalha, jovens que todos os anos gostariam de entrar no mercado sem nunca ter trabalhado.

Alguns ingênuos imaginam que o bolsa-família e sucedâneos resolveram a questão, mas o assistencialismo só faz aumentar as diferenças de classe. É crueldade afirmar que a livre competição resolverá tudo, que um determinado cidadão era pobre e agora ficou rico. São exemplos da exceção, jamais justificando a regra de que, para cada um que obtém sucesso, milhões continuam na miséria.

Seria bom o governo Dilma olhar para a França. O rastilho pegou e não será a polícia francesa que vai apagá-lo. Ainda que consiga, reacenderá maior e mais forte pouco depois. Na Europa, nos Estados Unidos e sucedâneos. Até ou especialmente entre nós. Ainda agora assistimos a tragédia na serra fluminense, com os ricos e os remediados fugindo, mas com a população pobre, majoritária, submetida à morte e à revolta.

A globalização tem, pelo menos, esse mérito: informa em tempo real ao mundo que a saída deixada às massas encontra-se na rebelião. Os que nada tem a perder já eram maioria, só que agora estão adquirindo consciência, não só de suas perdas, mas da capacidade de recuperá-las através do grito de “basta”, “chega”, “não dá mais para continuar”.

Não devemos descrer da possibilidade de reconstrução. O passado não está aí para que o neguemos, senão para que o integremos. O passado é o nosso maior tesouro, na medida em que não nos dirá o que fazer, mas precisamente o contrário. O passado nos dirá sempre o que evitar.

Evitar, por exemplo, salvadores da pátria que de tempos em tempos aparecem como detentores das verdades absolutas, donos de todas a soluções e proprietários de todas as promessas.

Carlos Chagas/Tribuna da Imprensa

Eleições 2010: Mídia sociais, um reduto de campanha desqualificada

Reconciliação, o mapa do caminho
Por Lilia Diniz/Observatório da Imprensa

Após uma das campanhas eleitorais mais acirradas das últimas décadas, o Brasil escolheu no domingo (31/10) o próximo presidente da República. Em sua primeira eleição, Dilma Rousseff (PT) derrotou o candidato oposicionista José Serra (PSDB) com 56% dos votos.

Marcada por escândalos, dossiês, trocas de acusação e ataques de todo tipo, a campanha eleitoral de 2010 entrará para a história como a que menos colocou em pauta as propostas dos candidatos para o Brasil.

Temas como educação e segurança ficaram em segundo plano, sobretudo no segundo

turno, quando as discussões sobre religião a descriminalização do aborto predominaram no cenário político. A mídia tradicional foi um ator importante nesta conjuntura. Acusados de parcialidade tanto por petistas quanto por tucanos, os jornais impressos contribuíram para elevar os ânimos nas semanas que precederam ao pleito.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Já as mídias sociais, que chegaram a ser apontadas como uma ferramenta revolucionária para a mobilização da população e na discussão de projetos dos candidatos, na prática revelaram-se um ambiente propício para a circulação de especulações e baixarias. Após a contagem dos votos, observam-se os movimentos iniciais de aproximação entre as forças políticas dominantes.

Em seu primeiro discurso como presidente eleita, ainda no domingo à noite, Dilma Rousseff estendeu a mão para a oposição. O Observatório da Imprensa exibido ao vivo pela TV Brasil na terça-feira (2/11) discutiu o papel da mídia na conciliação nacional que será necessária após a escolha do novo presidente.

Alberto Dines recebeu no estúdio do Rio de Janeiro o cientista social Renato Lessa. Professor titular de Teoria Política da Universidade Federal Fluminense (UFF), Lessa é presidente do Instituto Ciência Hoje e pesquisador associado do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.

Em São Paulo, participaram os filósofos Roberto Romano e Roseli Fischmann. Romano é graduado em Filosofia pela Universidade de São Paulo (USP) e tem doutorado na Escola de Altos Estudos de Paris. É professor titular da Unicamp na área de Ética e Filosofia Política. Escreveu vários livros e artigos sobre ética e teoria do Estado. Roseli Fischmann é doutora em Filosofia e História da Educação pela USP, estuda a tolerância e o combate à discriminação, em particular religiosa, e o racismo, sendo pesquisadora do CNPq para o tema do Estado laico. É professora da USP e da Universidade Metodista de São Paulo (UMESP).

Imprensa no palanque

Antes do debate ao vivo, em editorial, Dines avaliou o papel da mídia no período pré e pós-eleitoral. “A imprensa foi empurrada para o palanque e agora precisará de algum tempo para desencarnar do papel de beligerante”, disse. “Ameaçada, viu-se forçada a revidar e ao revidar, perdeu o senso de equilíbrio e esqueceu alguns de seus deveres. A presidente eleita, Dilma Rousseff, garantiu na comemoração da vitória que não permitirá ameaças à liberdade de expressão. Foi uma manifestação importante destinada a desarmar os espíritos.” Para Dines, a conciliação nacional após o pleito traz embutida a questão da coragem: “Conciliar exige coragem, boas intenções não são suficientes para unir um país que nesta refrega eleitoral, ao contrário das anteriores, saiu dividido e machucado”.

No debate no estúdio, Dines pediu que o filósofo Roberto Romano fizesse uma reflexão sobre o exercício da conciliação. “Significa apenas uma boa palavra, um sorriso, um tapinha nas costas ou abrir mão e reconhecer?”, perguntou. Na perspectiva de Romano, é preciso redefinir novos espaços de diálogo verdadeiro na política. O filósofo explicou que diálogo não é “aceitar tudo do outro”, é exigir respeito e respeitar. “Se você não tem esta relação dupla, você não pode, efetivamente, chegar à conciliação”, argumentou. A conciliação exige a verdade e é necessário coragem para dizê-la. “O que nós estamos assistindo aqui é o resultado da não verdade.” Em ambos os lados da campanha, segundo ele, houve a tentativa de transformar “o outro” em um sujeito “inimigo”, “diabólico” e “demoníaco” – e este aspecto, para Romano, contribui para diminuir a dignidade política.

Dines comentou que a imprensa assumiu-se como protagonista no cenário eleitoral. Ao aceitar esta condição, deixou de cumprir o seu papel na sociedade e perdeu a isenção. Renato Lessa sublinhou que a reduzida dimensão quantitativa de jornais em circulação atualmente, sobretudo no Rio de Janeiro, faz com que a imprensa não seja capaz de captar e dar voz às diversas opiniões e percepções da sociedade brasileira. Lessa criticou o fato de os partidos políticos se transformarem em “meras agências de captura de voto em temporadas eleitorais”. Para o cientista social, os partidos não têm exercido a função de organização da opinião e de informações fundamentais para que o eleitor possa se posicionar em relação às grandes questões nacionais.

Mídia como parte do processo de polarização

Continue lendo