Eleições 2010: o índio pode afundar a campanha do cacique tucano pra governar a aldeia

É preciso que deem um apito pro índio para ele não ter tempo de usar a borduna irresponsável.
O Edito
r


O amigo do Zorro
Pelo antigo Código Civil de Clóvis Bevilacqua, índio era considerado incapaz. Carecia de direitos políticos. Ressurgindo do passado, eis aí um exemplo de incapacidade total do Índio da Costa, feito candidato a vice-presidente da República na chapa de José Serra, sabe-se lá porque desígnios da Providência, da tucanagem ou dos salvados do PFL.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

O indigitado silvícola acaba de definir Dilma Rousseff como “atéia e esfinge do pau oco”, acusando também o PT de “ligado às Farcs e ao narcotráfico, o que há de pior”.

Convenhamos, no nome o personagem lembra o amigo do Zorro, o Tonto. No comportamento, ultrapassa qualquer medida de bom-senso.

Se denunciado e chamado a comprovar as acusações em juízo, acaba parando na cadeia.

Ignora-se a reação de José Serra diante de seu parceiro.

Uma forma de interromper essa cascata de aleivosias seria mantê-lo afastado da campanha, mas como ninguém poderá garantir o seu silêncio, melhor a iniciativa oposta: amarrá-lo ao candidato presidencial, mas amordaçado, com direito apenas a abanar a mão para as platéias.

A gente se pergunta como o PSDB aceitou a indicação de Índio da Costa e, pior ainda, como o DEM ousou indicá-lo.

Há quem suponha a vingança dos Maia, César e Rodrigo.

Carlos Chagas/Tribuna da Imprensa

Bolsa Família: Cesar Maia do DEM critica proposta de Tasso Jereissati do PSDB

O Bolsa família, satanizado como “Bolsa Esmola” durante 8 anos pelos tucanos, parece ser agora, segundo projeto do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) a , com trocadilhos, por favor, a “última Coca Cola do deserto em que se encontra a oposição ao grande chefe dos Tupiniquins.

Com o projeto, desumanamente, as crianças são colocadas como as maiores responsáveis pelo incremento da renda da família. A responsabilidade da maior renda familiar será, assim, jogada sobre os ombros das crianças. Imagina-se o que os pais farão em termos de violência física, mesmo se as mesmas doentes, para irem à escola.

Como diz Zé Bêdêu – o derradeiro abestado crédulo da Praça do Ferreira, em Fortaleza – “nada melhor que um dia trás do outro e outro também!

O Editor


SENADOR TASSO JEREISSATI: ISSO NÃO É FUNÇÃO DA BOLSA FAMÍLIA! E É UM EQUÍVOCO CONCEITUAL!

[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]1. O Bolsa Família é um programa de renda mínima com vinculações a obrigações sociais em relação ao filho estar na escola, ser vacinado, etc. Dirige-se a famílias abaixo da linha de pobreza e em especial a nível de indigência. São famílias, em geral, dirigidas pela mulher, com vários filhos. A vinculação à escola é um elemento que ajuda a reduzir a evasão, permite que dentro da escola, a criança identificada no cadastro tenha uma atenção focalizada da direção da escola e sua professora.

2. Vincular valores de Bolsa Família ao aproveitamento do aluno na escola, suas notas e avaliações, é um grave equívoco conceitual. Essa é tarefa da escola que em programas dos estados e municípios e com apoio federal, podem criar estímulos que reconheçam o desempenho do aluno. Incluir isso no Bolsa Família é confundir assistência social com educação. E ainda criar insegurança em relação ao programa. Não ajuda seu candidato a presidente.

3. (agência Senado – Globo-on, 02) Senado aprova projeto que vincula Bolsa Família ao desempenho escolar do aluno. A Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado aprovou nesta terça-feira projeto de lei, apresentado pelo senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), que acrescenta ao Bolsa Família um adicional de acordo com o desempenho escolar das crianças. A proposta foi relatada pela senadora Marisa Serrano (PSDB-MS), que apresentou parecer pela aprovação da matéria.

O Globo

Olimpíadas do Rio. Vitória tem inflação de patronos

Pelo andar da carruagem, que não é a de fogo, é bem possível que até o Pero Vaz de Caminha vá reivindicar a paternidade pela vitória do Rio de Janeiro.

Humor Cartuns Olimpíadas Rio e Paternidade

No entanto, suas (deles) ex-celências, dos mais diversos matizes ideológicas, querem tirar uma lasca eleitoral disso tudo. Começando, claro, pelo apedeuta de Garanhuns. Só faltou em Copenhague a dona Dilma. Creio que os marqueteiros preferiram não arriscar. Caso a canoa furasse, a candidatura da referida senhora acabaria pegando a marola da derrota.

O DEM — chamar esse partido de democratas só pode ser gozação — ressuscitou até o maluquete Cesar Maia. Já o comunista, risos, risos, Roberto Freire, desancou todo mundo num, ‘tô nem aí pro Cesar Maia”, desceu a foice e o martelo na corrupção que grassou no Pan do Rio, organizado sob a batuta do então prefeito do Rio.

Agora, se o Rio perdesse, duvi-dê-ó-dó que esses políticos, e os respectivos partidos, não aproveitariam pra jogar a culpa no pé frio e/ou na incompetência do Lula.

Ô raça!

Eu e os demais Tupiniquins capazes de usar os neurônios além do ôba-ôba, sabemos que ninguém tem o mérito dessa conquista. Tudo é uma questão de “business”. Os patrocinadores e as grandes marcas esportivas é que ditam as regras. O resto é papo furado.
O editor


Para o DEM, Cesar Maia trouxe Olimpíada para o Rio

Oposição faz ginástica para sair na foto do pódio olímpico.

Num dia em que o triunfo do Rio de Janeiro e o prestígio internacional de Lula se fundiram no noticiário, a oposição se pôs em alerta.

PSDB, DEM e PPS apressaram-se em levar à web textos nos quais suas principais lideranças aparecem enroladas na bandeira nacional.

Em nota oficial, o DEM escreveu: “A vitória do Rio é resultado de muita luta, muita persistência, visão política e competência administrativa”.

Luta, persistência, visão e competência de quem? Ora, “do Democratas”. Mais especificamente de Cesar Maia.

“Foi Cesar Maia, ex-prefeito do Rio, que enxergou, batalhou e viabilizou esta vitória maravilhosa”, anota o partido.

O ‘demo’ Cesar Maia não estava em Copenhaque. Mas seu partido tenta, por meio de uma ginástica retórica, inseri-lo no pódio:

“O ex-prefeito e sua equipe foram à luta e fizeram do Pan a grande vitrine para garantir a vitória do Rio para as Olimpíadas 2016…”

“…Deu certo. E todos nós ganhamos”. Chama-se Rodrigo Maia o signatário da nota do DEM. Além de deputado e presidente do partido, Rodrigo é filho de Cesar, o grande.

Os ‘demos’ esqueceram de combinar a estratégia com o PPS, parceiro de oposição. Em sua nota, Roberto Freire também fez menção aos Jogos Pan-Americanos de 2007.

Enxergou no evento, realizado na época em que Cesar Maia era prefeito, não uma “vitrine”, mas um cenário de práticas que “devem ser varridas para sempre”.

Presidente do PPS, Freire escreveu: “Somente naquele evento, segundo o TCU, o povo arcou com um prejuízo de R$ 2,740 bilhões…”

“…Dinheiro que foi parar no bolso de corruptos”. No dizer de Freire, os malfeitos do Pan “não podem se repetir nos Jogos Olímpicos” de 2016.

Na sequência, Freire como que exclui Lula da organização da Olimpíada: “O próximo governo tem de administrar com essa preocupação…”

Tem de “coordenar a preparação dos jogos com competência e honestidade”. Antes, na abertura do texto, Freire rejubilara-se: “Parabéns, Rio! Parabéns, Brasil!”

O PSDB realçou no portal que mantém na internet a opinião de seus dois presidenciáveis. Primeiro, o governador mineiro Aécio Neves:

“É uma vitória extraordinária não só do Rio, mas uma vitória maior ainda do Brasil”.

Depois, o governador paulista José Serra: “Fiquei muito feliz. Essa vitória é muito importante para o Brasil como nação”.

Ambos mencionaram os efeitos benfazejos que os jogos exercerão sobre a economia do país: investimentos estrangeiros, obras, empregos…

O choro compulsivo de Lula, suas declarações triunfalistas em Copenhague, a ginástica vocabular do DEM, o jogo de lábios do tucanato…

Levando-se tudo ao caldeirão, chega-se a uma receita incômoda. Uma maçaroca em que a política se mistura ao remo, à bola, à vela, ao tatame…

Qual o problema? O problema é que, submetida à movimentação dos atletas da urna, a galera já não pode nem torcer em paz.

blog Josias de Souza

Eleições – Em São Paulo, DEM “demoniza” Alckmin

As eleições municipais na paulicéia desvairada, vai engrossando os ânimos. A garoa da divergência vai se transformando em tempestade, trazidas pelas nuvens desesperançadas do DEM – continuo achando que o nome deste partido é uma gozação à democracia.

Pobre DEM.

Do blog Coturno Noturno

Na briga entre Serra, Alckmin, Kassab e só Deus sabe mais quem, a maior indignidade, que demonstra um sério problema de caráter de quem afirma, veio de Rodrigo Maia, presidente do Democratas: “O eleitor não espera uma atitude tão agressiva de um homem de Deus, que dizem ser ligado à Opus Dei“.

Sai da briga política para usar uma mentira petralha, cantada e decantada na eleição presidencial de 2006, para atingir o lado pessoal de um ex-futuro aliado. É por isso que, após encher muita gente de esperança pela sua renovação, o DEM vai encolhendo Brasil à fora. A nova safra é decepcionante.

E para que não pensem que afirmar que o jovem filho do velho César Maia decepciona como dirigente partidário é uma injustiça, leiam a declaração do senador Jorge Bornhausen, presidente que o antecedeu: “É deplorável o comportamento do Geraldo. Nós o apoiamos com lealdade em 2002 e 2006. Primeiro, ele constrangeu seu partido, impedindo a coligação natural com o DEM. Agora, ataca injustamente o Kassab e, direta e imerecidamente, o governador Serra.” Isto sim, é uma declaração dura, mas honrada. Uma declaração política.

Gabeira, candidato a prefeito, “emaluqueceu”

Desde a participação no sequestro do Embaixador Americano no Brasil, passando pela sunga de crochê pós exílio, que o eco-chato Fernando Gabeira que, de repente não mais que de repente, tornou-se no arauto maior da moralidade no legislativo brasileiro, demonstra não saber diferir a ficção romântica “cheguevariana” da realidade brasileira.

Travestido agora em candidato à Prefeitura do Infelicitado Rio de Janeiro – Benedita da Silva, a família Soprano dos Garotinhos e Rosinhas, o maluquete “factóidista” César Maia – o agora onírico arauto da “canabis” prossegue na sanha para se transformar em personagem do Stanislaw Ponte Preta.

Confira a matéria do jornalista Hélio Fernandes da Tribuna da Imprensa.

“Candidato” a prefeito, Gabeira “emaluqueceu”. A eleição do Rio virou uma gargalhada só.

Assim que lançou sua candidatura a prefeito, “apoiado” por forças que representavam tudo que ele combateu a vida inteira, falei ao próprio Fernando Gabeira pelo telefone: “Gabeira, você está me dizendo que só aceitou ser candidato com total transparência?”

Ele ficou em silêncio, continuei: “Mas você está se juntando a grupos que além de não terem votos, a vida inteira brigaram com a transparência. Você está destruindo um passado brilhante”.

Falamos mais um tempo, divagamos, Gabeira compreendeu que eu estava com a razão, mas já não tinha mais espaço para retrocesso. E começou a campanha, desastradamente, apresentou até agora três “propostas-malucas”.

1 – Para preservar o serviço médico dos hospitais do Rio que já foram dos melhores do Brasil, quando aqui era Distrito Federal e depois Estado da Guanabara, fazia a seguinte proposta às “cervejeiras”, que todos sabem que faturam muito.

Explicação de Gabeira: “Como a maioria dos cidadãos que vão aos hospitais é para procurar as emergências geralmente atingidos por motoristas que dirigem embriagados, as cervejeiras patrocinariam e financiariam essas emergências”.

Alguma coisa deve estar transtornando a cabeça de um homem que já foi jornalista lúcido e atuante. Como é que alguém poderia acreditar que as “cervejeiras” iriam financiar tratamentos de emergência, passando recibo que esses acidentes são provocados por motoristas que dirigem embriagados?

2 – Os garis passariam a se chamar de “pedagogos sociais”. Trabalhariam com dois cartões pendurados na frente da camisa. Um cartão AMARELO e um cartão VERMELHO. Se eles assistissem alguém cometer uma ilegalidade, como por exemplo jogar sujeira nas ruas, dariam a esse cidadão o cartão AMARELO. E daí, o que aconteceria?

O cartão VERMELHO seria dado para fatos mais graves ou para carros que cometessem imprudência, avançassem o sinal do trânsito, por aí. Esses levariam o cartão. E depois, exatamente como o cartão AMARELO, o que aconteceria?

3 – Esta última não seria admitida nem no Manicômio Judiciário. A sugestão de Fernando Gabeira, candidato a prefeito: “Fazer naufragar um navio na altura das Cagarras para atrair turistas. Estes gostariam de nadar e submergir no meio dos destroços do navio”. Imaginem só, as Cagarras representam áreas ecologicamente perfeitas, quase um santuário.